Image Map











sexta-feira, 16 de março de 2012

Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 3)

Fonte da ilustração: 
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/402014367


Este é o terceiro artigo desta série, que visa demonstrar por referências bíblicas o conceito plenamente arraigado nas Escrituras Sagradas de que a salvação está reservada para duas classes – os que servirão como governantes associados de Cristo e os que se beneficiarão desse maravilhoso arranjo como súditos aqui na Terra. Seguem abaixo quadros bíblicos que atestam inquestionavelmente essa verdade bíblica.

13) Os “irmãos” de Cristo e as “ovelhas”

A parábola das ovelhas e dos cabritos, registrada em Mateus 25:31-46, também aponta para a existência das duas categorias de salvos. A parábola mostra que as “ovelhas” são salvas por terem feito o bem aos “irmãos” do Rei, Jesus Cristo. Quem são os classificados nessa passagem bíblica como sendo “irmãos” de Jesus?

O apóstolo Paulo explica isso, em Hebreus 2:11-13: “Porque era próprio que aquele [Deus], para quem são todas as coisas e por intermédio de quem são todas as coisas, trazendo muitos filhos [os com esperança celestial] à glória, aperfeiçoasse por sofrimentos o Agente Principal [Jesus] da salvação deles. Porque tanto aquele [Jesus] que santifica como os que estão sendo santificados [os com esperança celestial] provêm todos de um só [Deus], e por esta causa ele [Jesus] não se envergonha de chamá-los ‘irmãos’, dizendo: ‘Declararei o teu nome a meus irmãos; no meio da congregação louvar-te-ei com cântico.’ E, novamente: ‘Terei nele a minha confiança.’ E, novamente: ‘Aqui estou eu e as criancinhas que Jeová me deu.’”

Assim, os que irão reinar com Cristo no céu são seus “irmãos”, visto que foram adotados como “filhos de Deus”. (1 João 3:2; Romanos 8:16, 17; Efésios 1:5) Desse modo, Jesus Cristo se tornou “primogênito entre muitos irmãos”. (Romanos 8:29) Mas, que dizer dos que viverão na Terra? Esses são classificados como “filhos” de Jesus Cristo, que se torna o “Pai Eterno” da humanidade redimida. (Salmo 45:16; Isaías 9:6; 53:10) As “ovelhas” da parábola de Jesus são, evidentemente, os que herdarão o domínio terrestre do Reino de Deus.


14) Os ‘vencedores’ e o “malfeitor”

Pouco antes de morrer, Jesus prometeu o “paraíso” ao malfeitor arrependido que estava ao seu lado. (Lucas 23:39-43) Por outro lado, Jesus prometeu aos seus irmãos, que têm esperança celestial: “Àquele que vencer concederei comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus.” (Apocalipse 2:7) Vemos aqui duas referências ao “paraíso”, mas em contextos inteiramente diferentes. Na primeira menção, o “paraíso” foi oferecido a alguém que havia se arrependido poucos instantes antes, ao passo que, na segunda menção, o “paraíso” foi oferecido a pessoas que tivessem um histórico de perseverança na vida cristã até o fim. É, pois, evidente que, assim como os elementos que recebem a oferta são extremamente distintos, os referidos ‘paraísos’ também o são. 

No caso do malfeitor arrependido, as palavras de Jesus indicam que tal criminoso será ressuscitado no Paraíso terrestre, onde terá a oportunidade de receber instrução e treinamento que o levará a herdar a vida eterna, caso ele corresponda a essa ajuda. Se assim o fizer, a ressurreição dele terá mostrado ser “uma ressurreição de vida”. (João 5:28, 29) Já o “paraíso” mencionado em Apocalipse 2:7 é simbólico (característico do livro de Apocalipse), e refere-se à vida imortal no céu, para servir como corregente de Cristo e sacerdote adjunto, algo incompatível com a situação de um criminoso que se arrependeu no fim da vida e que, portanto, não recebeu nenhum treinamento nesta vida para a tarefa monumental que se espera dos que governarão com Cristo no céu. – Apocalipse 5:9, 10; 20:6.


15) Os “filhos de Deus” e a “criação”

O apóstolo Paulo escreveu: “A expectativa ansiosa da criação está esperando a revelação dos filhos de Deus. Porque a criação estava sujeita à futilidade, não de sua própria vontade, mas por intermédio daquele que a sujeitou, à base da esperança de que a própria criação também será liberta da escravização à corrupção e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores até agora. Não somente isso, mas também nós mesmos, os que temos as primícias, a saber, o espírito, sim, nós mesmos gememos em nosso íntimo, ao passo que esperamos seriamente a adoção como filhos, sermos livrados de nossos corpos por meio de resgate.” – Romanos 8:19-23.

Vemos aqui a menção de dois grupos distintos: a “criação” e os “filhos de Deus”. O termo “criação”, nesta passagem, não se refere aos animais irracionais, pois esses não têm intelecto para ‘esperar’ nem entender a “revelação dos filhos de Deus”. (Versículo 19) Ademais, o fato de ela ter a “esperança” de ter a “liberdade gloriosa dos filhos de Deus” mostra que se refere à criação humana – seres que têm espiritualidade e consciência. Já a expressão “filhos de Deus” nesse contexto se aplica aos que governarão no céu com Cristo. Paulo, que tinha tal esperança de vida celestial, falou da “glória que há de ser revelada EM NÓS”. (Romanos 8:18; 2 Timóteo 2:12) E disse adicionalmente: “Esperamos seriamente a adoção como filhos, sermos livrados de nossos corpos por meio de resgate.” – Romanos 8:23.

Os que compõem tal “criação” não se tornarão espirituais “filhos de Deus” com esperança celestial. São um grupo distinto destes últimos. A afirmação de Paulo, de que “a própria criação TAMBÉM será liberta da escravização à corrupção” mostra isso. (RomNOA 8:21) Além disso, depois de mencionar que a “toda a criação junta persiste em gemer”, Paulo declara: “TAMBÉM NÓS mesmos, os que temos as primícias, a saber, o espírito, sim, nós mesmos gememos.” (Romanos 8:23) Esses usos da palavra “também” mostram a clara distinção entre essas duas classes. Os que compõem a “criação” herdarão o Paraíso terrestre. Embora não se tornem adotados “filhos de Deus” no sentido de receberem a vida imortal no céu, terão a “liberdade gloriosa dos filhos de Deus” por se tornarem seres humanos perfeitos, livres do pecado e dos efeitos mortíferos deste.


16) Os “comprados” e os ‘lavados’

Por meio do resgate, Jesus comprou a humanidade. (1 Coríntios 6:20; 7:23; 2 Pedro 2:21) No caso dos judeus, que estavam sob a maldição da Lei, esses foram libertados dessa maldição “por meio duma compra” pelo resgate. (Gálatas 4:5; 3:13) Mas, a respeito dos 144.000 que reinarão com Cristo, a Bíblia declara que “foram comprados DA TERRA” e que “foram comprados DENTRE A HUMANIDADE”. (Apocalipse 14:1, 3, 4) Além de terem sido comprados pelo sacrifício de Cristo dos efeitos mortíferos do pecado, estes também foram comprados de sua condição humana, terrestre, para poderem servir como reis e sacerdotes no céu. – Apocalipse 5:9, 10; 1 Coríntios 15:50.
     
Isso mostra que a humanidade não foi feita naturalmente para viver no céu. Se o fosse, Jesus não teria de fazer essa ‘compra’ de 144.000 pessoas para viverem com ele no céu. Simplesmente seria um direito da humanidade. Mas, como não é esse o caso, os 144.000 tiveram de ser “comprados” – adquiridos – de seu lugar normal de permanência, que é a Terra.

Mas, no caso dos que compõem a “grande multidão” com esperança terrestre, é significativo que a Bíblia declare que “lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro”. (Apocalipse 7:9, 14) Embora tenham sido comprados no sentido geral de serem resgatados do pecado e da morte, esses não foram comprados DA TERRA, visto que não sairão dela, nem DENTRE A HUMANIDADE, visto que permanecerão como humanos – chegando a se tornar humanos perfeitos, assim como Adão e Eva eram antes do pecado.         


17) As “coisas no céu” e as “coisas na terra”

A Bíblia relata sobre Jeová, que “é segundo o seu beneplácito, que ele se propôs em si mesmo, para uma administração no pleno limite dos tempos designados, a saber, ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra.” (Efésios 1:9, 10) As “coisas nos céus” não são os anjos fiéis, pois estes não precisam ser ‘ajuntados novamente’ por Deus, uma vez que nunca se desviaram dele. Eles estão plenamente unidos e sujeitos a Cristo. (Mateus 25:31; 26:53) Embora diversas traduções da cristandade vertam por “as coisas que estão nos céus”, o texto grego diz simplesmente “as (coisas) nos céus” (τὰ ἐπὶ τοῖς οὐρανοῖς; tàs epì toîs ouranoîs). É óbvio que a expressão se refere aos que receberão a vida imortal nos céus espirituais. Correspondentemente, as “coisas na terra” (τὰ ἐπὶ τῆς γῆς; tà epi tês gês) são os que herdarão a vida eterna no Paraíso terrestre. – Comentário extraído do artigo “Novos céus e uma nova terra” – o que significam?

Por conseguinte, os sinceros estudantes da Bíblia, despojados de conceitos preconcebidos, puderam averiguar através desta série de artigos que tanto a esperança de vida eterna no céu como a esperança de vida eterna na Terra são ensinos bíblicos bem estabelecidos. Fazem, portanto, parte do “modelo de palavras salutares” que identificam o conjunto de doutrinas bíblicas, e devem ser divulgados para o benefício de todos. – 2 Timóteo 1:13.




A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





quarta-feira, 14 de março de 2012

Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 2 )

Fonte da ilustração: 
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1101978126 

     
Este é o segundo artigo da série acima, que visa mostrar que tanto a esperança de vida celestial quanto a esperança de vida terrestre constituem um conceito bem fundamentado nas inteiras Escrituras inspiradas. Como no primeiro artigo desta série, encontram-se abaixo quadros bíblicos que evidenciam a existência de duas classes de salvos: os que reinarão com Cristo no céu e os que serão súditos do Reino celestial aqui na Terra.


7) A “noiva” e o “amigo do noivo”

 João Batista disse a respeito de Jesus Cristo: “Quem tem a noiva é o noivo.” Daí, referindo-se a si mesmo, João acrescentou: “No entanto, o amigo do noivo, estando em pé e ouvindo-o, tem muita alegria por causa da voz do noivo. Esta alegria minha, por isso, ficou completa.” (João 3:29) O “noivo” é Cristo. A sua “noiva” são os que reinarão com ele no céu, a sua igreja ou “congregação” de cristãos com esperança celestial. (2 Coríntios 11:2; Efésios 5:23-25, 32) No entanto, João classificou a si mesmo como o “amigo do noivo”. De fato, João não estaria no grupo de 144.000, que começou a ser chamado no Pentecostes de 33 EC, com o nascimento da congregação cristã. (Atos 2:1-4) Ele morreu antes disso, e aguarda a ressurreição no Paraíso terrestre, como é o caso de todos os que viveram antes de Cristo ter vindo à Terra. – Salmo 45:16.


8) A  “noiva”  e os que  têm sede

O apóstolo João escreveu: “E o espírito e a noiva estão dizendo: ‘Vem!’ E quem ouve diga: ‘Vem!’ E quem tem sede venha; quem quiser tome de graça a água da vida.” (Apocalipse 22:17) A “noiva”, como já explicado, é um termo que se aplica aos cristãos com esperança celestial  –  os 144.000. Os que ‘ouvem’ a convocação da “noiva” e que ‘têm sede’ evidentemente são os que têm esperança terrestre. Estes não se limitam a um número específico, como é o caso do primeiro grupo. A salvação para a vida na Terra está disponível a “quem  quiser”.


9) A “noiva” e o “séquito”

O Salmo 45 é uma referência profética ao Messias. (Compare Salmo 45:7 com Hebreus 1:9.) Esse salmo faz uma descrição poética do relacionamento do Rei, Jesus Cristo, com sua simbólica “noiva” – a congregação de cristãos ungidos pelo espírito santo com esperança celestial. Sobre a “noiva”, os versículos 11 e 14a declaram: “E o rei almejará a tua lindeza, pois ele é teu senhor, por isso, curva-te diante dele. Será levada ao rei em vestes tecidas.” Então lemos no versículo 14b: “As virgens no seu séquito, como suas companheiras, são levadas para dentro a ti.” Note que essa parte do salmo menciona outra classe de pessoas: os que compõem o simbólico “séquito” (acompanhamento, comitiva, cortejo). Portanto, os que viverão na Terra são comparados nesse salmo profético às damas de companhia da simbólica “noiva”.


10) O “menor no reino” e João Batista

Jesus declarou sobre João Batista: “Deveras, eu vos digo: Entre os nascidos de mulheres não se levantou ninguém maior do que João Batista; mas aquele que é menor no reino dos céus é maior do que ele.” (Mateus 11:11) Paulo disse: “Não é a anjos que ele [Deus] sujeitou a vindoura terra habitada.” (Hebreus 2:5) Portanto, a expressão “aquele que é menor no reino” não se aplica a anjos. O “reino dos céus” é um governo celestial que será composto por seres que foram outrora humanos. O termo “menor no reino” indica que os que reinarão com Cristo terão categorias diferentes, assim como é o caso dos anjos, que atuam em categorias distintas, tais como arcanjo, serafins, querubins e anjos (literalmente: mensageiros). (Judas 9; Isaías 6:2, 6; Gênesis 3:24; Salmo 34:7) E o texto de Mateus 11:11 mostra claramente que João Batista não irá para o céu, mas viverá aqui mesmo no Paraíso na Terra. Ele estará entre os que serão “príncipes em toda a terra”. – Salmo 45:16.


11) “Nós” e os “aperfeiçoados”
   
O apóstolo Paulo escreveu a respeito dos servos fiéis de Jeová que viveram antes de Cristo: “Contudo, embora todos estes recebessem testemunho por intermédio de sua fé, não obtiveram o cumprimento da promessa, visto que Deus previu algo melhor para nós, a fim de que eles não fossem aperfeiçoados à parte de nós.” (Hebreus 11:39, 40) Os que morreram antes de Cristo não receberam ainda a recompensa da vida eterna. Eles permanecem ‘dormindo’ na morte. (Eclesiastes 9:5, 6, 10; Salmo 13:3) O termo “nós” se refere aos cristãos com esperança celestial, dos quais Paulo fazia parte. Esses recebem sua recompensa de vida imortal no céu assim que são ressuscitados para essa forma superior de vida. (1 Coríntios 15:50-53) No Reinado Milenar de Cristo, esses participarão com Cristo, o Sumo Sacerdote, servindo junto com ele no papel de “sacerdotes”, usando os méritos do sacrifício de resgate de Cristo para soerguer a humanidade obediente à perfeição. – Hebreus 3:1; 5:1; Apocalipse 1:6; 5:10; 20:6.

Uma vez que o serviço sacerdotal implica em “oferecer dádivas e sacrifícios pelos pecados”, o fato de haver sacerdotes no céu durante o Reinado Milenar de Cristo indica que haverá na Terra pecadores que poderão se beneficiar do sacrifício de Cristo. Estes serão “aperfeiçoados” por intermédio da atuação sacerdotal de Cristo e dos 144.000. – Hebreus 5:1; 11:39, 40.


12) “Nós” e o “mundo inteiro”
     
O apóstolo João escreveu: “Ele [Jesus] é um sacrifício propiciatório pelos nossos pecados, contudo, não apenas pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro.” (1 João 2:2) Vemos aqui também a distinção entre dois grupos. O texto não pode se referir aos cristãos em contraste com os não cristãos. Pois estes últimos também precisam aderir aos ensinos de Cristo para poder receber os benefícios de seu sacrifício. (João 3:36) O texto evidentemente diz respeito a dois grupos APROVADOS que podem se beneficiar dos méritos sacrificiais do resgate provido por Cristo por estarem seguindo “de perto os seus passos”. (1 Pedro 2:21) Quem são esses?

Visto que o apóstolo João, como cristão do primeiro século, fazia parte do “pequeno rebanho” de 144.000, o termo “nós” se refere a esse grupo. (Lucas 12:32; Apocalipse 1:6; 5:9, 10: 14:1-3) Em harmonia com o restante das Escrituras, a expressão “mundo inteiro” indica as pessoas de todas as nações que receberão a vida eterna no Paraíso na Terra. – Apocalipse 7:9, 10, 14; 20:3.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





segunda-feira, 12 de março de 2012

Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 1)

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1101978174

      

Este é o primeiro de uma série de artigos que apresentam diversos quadros bíblicos que comprovam a existência de duas classes que receberão a vida eterna: os que receberão a vida imortal no céu e os que receberão a vida eterna no Paraíso terrestre. Este estudo mostrará que esse conceito é bem fundamentado pela Palavra de Deus, bem como fornecerá argumentos aos evangelizadores para divulgar essa maravilhosa verdade bíblica.


1)    O "descendente" e as "nações da terra"

“E todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente, pelo fato de que escutaste a minha voz.” – Gênesis 22:18.

Essas palavras de Jeová a Abraão não se referem ao descendente natural de Abraão, pois “TODAS as nações da terra” não foram abençoadas por meio de tal descendência. O texto refere-se evidentemente ao descendente espiritual de Abraão. Esse descendente seria coletivo, ‘multiplicado’. (Gênesis 22:17) Qual a identidade dele? Paulo explicou: “Ora, as promessas foram feitas a Abraão e a seu descendente ... que é Cristo.” (Gálatas3:16) E depois acrescentou: “Além disso, se pertenceis a Cristo, sois realmente descendente de Abraão, herdeiros com referência a uma promessa.” (Gálatas 3:29) Todos os cristãos do primeiro século tinham esperança celestial. (Colossenses 1:5; 1 Pedro 1:3, 4) Essa esperança se estenderia aos humanos até que “se completasse ... o número” desses escolhidos para reinar com Cristo – 144.000 pessoas. (Apocalipse 6:11; 14:1) Mas, que dizer das “nações da terra”?
     
Estes não podem ser o mesmo grupo, visto que seriam abençoados por meio daqueles. A “grande multidão” de Revelação (Apocalipse) 7:9 vem de “todas as nações”, e é vista como grupo à parte dos 144.000 mencionados antes. Ela sobrevive à “grande tribulação” em “carne”, em estado físico, ao passo que os membros dos 144.000 são arrebatados para o domínio celestial. (Apocalipse 7:14; Mateus 24;21, 22; 1 Tessalonicenses 4:16, 17) Essa “grande multidão” faz parte das “nações” que estarão aqui na Terra durante o Reinado Milenar de Cristo, quando Satanás e seus anjos estarão restritos no abismo de inatividade. – Apocalipse 20:1-3.


2)    O “pequeno rebanho” e as “outras ovelhas”
     
Cristo comparou seus discípulos a “ovelhas”. (João 10:27) Suas ovelhas estão unidas num só “rebanho” dentro do arranjo cristão. Contudo, estão distribuídas em dois “apriscos” (currais, redis, cercados). O primeiro “aprisco” é o arranjo que reúne pessoas para reinar com Cristo no céu. Sobre esses, Jesus disse: “Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino.” (Lucas 12:32) A expressão “pequeno rebanho” é significativa, visto que apenas um número limitado de cristãos irá reinar com Cristo no céu. Mas que dizer dos que viverão na Terra debaixo do domínio do Reino celestial?
     
A respeito desses, Cristo afirmou: “E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor.” (João 10:16) A expressão “a estas também tenho de trazer” indica que, após a chamada para a vida celestial, voltaria a predominar a esperança original e natural da humanidade, que é viver para sempre no Paraíso na Terra. – Gênesis 1:27, 28.


3)    Os 144.000 e a “grande multidão”

Após a menção do número definido de 144.000, Apocalipse 7:9 faz referência a “uma grande multidão, que nenhum homem podia contar”. Se o número 144.000 não fosse literal, não teria sentido contrastá-lo com a incontável “grande multidão”. O fato de ter sido mencionada à parte dos 144.000 mostra que a “grande multidão” não é o mesmo grupo. Em adição, 144.000 é um número determinado, ao passo que a “grande multidão” não tem um número definido. Esse contraste não faria sentido se ambos fossem o mesmo grupo.[1]

Os 144.000 cantam um “novo cântico”, que SOMENTE ELES CONHECEM. (Apocalipse 14:3) Esse “novo cântico” diz respeito à experiência pessoal pela qual somente os membros dessa classe passam, razão pela qual somente eles conhecem tal cântico. Sobre esses, Apocalipse 5:9, 10 declara: “E CANTAM UM NOVO CÂNTICO, dizendo [para Jesus]: ‘Digno és de tomar o rolo e de abrir os seus selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste pessoas para Deus [os 144.000], dentre toda tribo, e língua, e povo, e nação, e fizeste deles um REINO e SACERDOTES para o nosso Deus, e HÃO DE REINAR SOBRE A TERRA.”

O fato de os 144.000 terem sido “COMPRADOS da terra” indica que o ser humano não foi feito para viver no céu. Seria um direito da raça humana. Mas este não é o caso, razão pela qual Jesus teve de fazer um compra dessa humanidade de 144.000 para estarem com ele no céu.


4)    Os “santos do Supremo” e os “domínios”

Daniel 7:13, 14 retrata que “alguém semelhante a um filho de homem” (o Senhor Jesus Cristo) recebe de Jeová Deus “domínio, e dignidade, e um REINO.” Outros textos paralelos atestam isso. (Isaías 9:6, 7; Lucas 1:32, 33; Apocalipse 11:15) Porém, Jesus não irá reinar sozinho. Daniel 7:27 confirma isso, dizendo: “E o reino, e o domínio, e a grandiosidade dos reinos debaixo de todos os céus foram entregues ao povo que são OS SANTOS DO SUPREMO. Seu reino é um reino de duração indefinida e a eles é que servirão e obedecerão TODOS OS DOMÍNIOS.”
     
Vemos novamente dois grupos distintos: os que governarão (O Senhor Jesus Cristo e os “Santos do Supremo”), e os que serão governados: “todos os domínios”. Estes últimos são mencionados no versículo 14 como sendo “todos os povos, grupos nacionais e línguas”. O primeiro grupo é constituído de Jesus e dos 144.000, ao passo que o segundo grupo são os que usufruirão o Paraíso aqui na Terra. – Salmo 37:9-11, 22, 29, 34.


5)    A Nova Jerusalém e a humanidade
     
Lemos em Apocalipse 21:2-4: “Vi também a cidade santa, Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para seu marido. Com isso ouvi uma voz alta do trono dizer: ‘Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.’”

A “Nova Jerusalém” é um cidade simbólica que retrata os 144.000. Como sabemos disso? Ela representa a “noiva” de Cristo, expressão que se aplica aos que irão para o céu com Jesus.  (Veja Apocalipse 21:9-11; 2 Coríntios 11:2; Efésios 5:23-25, 32.) Mas outro grupo é mencionado em Apocalipse, capítulo 21: a “humanidade” (“os homens”, Al), ou seja, pessoas de carne e osso. A expressão “não haverá MAIS morte” mostra que isso se cumpre aqui na Terra, pois no céu nunca houve morte.


6)    Os novos céus e a nova terra

 2 Pedro 3:13 diz: “Há novos céus e uma nova terra que aguardamos segundo a sua promessa, e nestes há de morar a justiça.” Na Bíblia, “céus” e “terra”, tanto em sentido literal quanto simbólico, são distintos e não se referem à mesma coisa ou lugar. (Isaías 66:1) Portanto, as Escrituras mostram que os céus espirituais e o planeta Terra serão habitados pelos salvos. Os “novos céus” referem-se ao governo exercido por Jesus e os 144.000, ao passo que a “nova terra” significa a nova sociedade humana, obediente, que habitará o Paraíso terrestre.[2]


Notas:

[1] Os 144.000 não são israelitas naturais. As tribos mencionadas em Apocalipse 7:4-8 não conferem com as do Israel natural, registradas em Números 1:4-16. Trata-se, pois, de israelitas em sentido espiritual. (Romanos. 2:28, 29; 9:6; Gálatas 6:16) Prova adicional disso é que Apocalipse 14:3, 4 afirma que eles “foram comprados da terra”  e “dentre a humanidade”, e não apenas do Israel natural.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org







domingo, 11 de março de 2012

João capítulo 6 faz referência à santa ceia?

Fonte da ilustração: 
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2014404
 


“Quem se alimenta de minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna, e eu o hei de ressuscitar no último dia; pois a minha carne é verdadeiro alimento, e o meu sangue é verdadeira bebida.” – João 6:54, 55.


O capítulo seis de João tem sido empregado por alguns religiosos para tentar provar duas coisas: que na chamada “santa ceia” ocorre o milagre da transubstanciação[1] e que todos os cristãos devem participar dessa celebração. Mas, tais afirmações partem do pressuposto de que tal passagem se refere à santa ceia. Mas, será que se refere mesmo?


O assunto era exercer fé em Cristo e não participar da santa ceia

O tema que levou às palavras de Jesus acima começou com a pergunta que os judeus lhe fizeram: “Que devemos fazer para realizar as obras de Deus?” (João 6:28) Eis a resposta de Jesus: “Esta é a obra de Deus, QUE EXERÇAIS FÉ naquele a quem Este enviou.” (João 6:29) Jesus Cristo comparou o ato de exercer fé nele a simbolicamente alimentar-se dele. Uma comparação dos versículos 40 e 54 mostra isso:

“Pois esta é a vontade de meu Pai, que todo aquele que observa o Filho e exerce fé nele tenha vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.”  – João 6:40.

Quem se alimenta de minha carne e bebe meu sangue tem vida eterna, e eu o hei de ressuscitar no último dia.” – João 6:54.

Portanto, ‘comer a carne e beber o sangue’ de Cristo neste contexto significa exercer fé em Cristo, e não é uma referência a participar na santa ceia.


Paralelo com o maná e não com o pão da Páscoa, usado na santa ceia

Observe agora a continuação da conversa entre Jesus e os judeus: “‘Nossos antepassados comeram o maná no ermo, assim como está escrito: “Ele lhes deu pão do céu para comer.”’” Por isso, Jesus disse-lhes: ‘Digo-vos em toda a verdade: Moisés não vos deu o pão do céu, mas o meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.’” (João 6:31-33) Assim, a comparação aqui é feita com o maná, e não com o pão ázimo (sem fermento) da Páscoa judaica, que foi servido na santa ceia.  – Veja também os versículos 48-50.

Prova adicional de que tal passagem não faz referência à santa ceia são as palavras seguintes de Jesus: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim, não terá mais fome, e quem exerce fé em mim, não terá mais sede.” (João 6:35) Por outro lado, em contraste com isso, o pão da santa ceia não deveria ser comido para tirar a fome do participante. Sobre a celebração da santa ceia, Paulo disse: “Se alguém tiver fome, coma em casa, para que não vos reunais para julgamento.” (1 Coríntios 11:34) Além disso, o vinho servido na santa ceia também não se destina a matar a sede. Afinal, o que mata sede é água. (João 4:14) Por conseguinte, a comparação em João capítulo 6 tem a ver com o maná e a água providos milagrosamente por Jeová no deserto para sustentar os israelitas, provisão essa que também fortaleceu a fé deles no poder de Deus.  – 1 Coríntios 10:1-4.

Assim como o maná e a água providos por Deus preservaram a vida dos israelitas, exercer fé na provisão do sacrifício do resgate provido por Jeová mediante Cristo também preserva a espiritualidade dos servos fiéis de Deus e os conduz à vida eterna – que será usufruída no céu por um “pequeno rebanho” de cristãos escolhidos para reinar com Cristo e na Terra pelas “outras ovelhas” de Cristo, que receberão o benefício desse maravilhoso governo celestial. – Lucas 12:32; João 10:16.


Nota:

[1] Transubstanciação se refere á doutrina de que o pão e o vinho da santa ceia se transformaram milagrosamente no corpo e no sangue de Cristo. 



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *