Image Map











segunda-feira, 28 de maio de 2012

A “grande multidão” – qual é a sua identidade? (Parte 1)

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/ws20130215/vale-de-protecao-de-jeova/



“Depois destas coisas eu vi, e, eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, trajados de compridas vestes brancas; e havia palmas nas suas mãos.” – Apocalipse 7:9.

     
Parece que prevalece no seio da cristandade um consenso geral de que a “grande multidão” visionada pelo apóstolo João no capítulo 7 do Apocalipse representa os salvos que irão para o céu. Numa postura diametralmente oposta, as Testemunhas de Jeová ensinam que ela é uma classe de pessoas que sobreviverão à futura “grande tribulação” e que viverão aqui mesmo em felicidade na Terra. (Apocalipse 7:14; Mateus 24:21, 22) O que a Bíblia tem a nos dizer sobre a identidade da “grande multidão”? É possível reunir evidências que determinem o verdadeiro conceito bíblico sobre o que significa esse grupo?


Características da “grande multidão” de Apocalipse 7:9-17:

  • Incontável. – 7:9.
  • Internacional e inter-racial. – 7:9.
  •  Postadas “em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro”. – 7:9, 15.
  • Com vestes brancas e palmas nas mãos. – 7:9.
  • Atribuem salvação a Deus e ao Cordeiro. – 7:10.
  • “Saem da grande tribulação.” – 7:14.
  • “Lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro.” – 7:14.
  • Prestam serviço sagrado dia e noite no templo de Deus. – 7:15.
  • Deus estende sobre eles Sua tenda. – 7:15.
  •  ‘Não terão mais fome, nem mais sede, nem se abaterá sobre eles o sol, nem calor abrasador.’ – 7:16.
  • ‘O Cordeiro os pastoreará e os guiará a fontes de águas da vida.’ – 7:17.
  • “Deus enxugará toda lágrima dos olhos deles.” – 7:17. 

           Primeiramente, examinemos os argumentos apresentados pelos que defendem que esse grupo representa os vitoriosos com Cristo no céu.

Existe uma tendência que predomina na cristandade, de classificar os 144.000 como sendo o mesmo grupo que a “grande multidão”. (Apocalipse 7:1-17) Um argumento apresentado é de que, visto que as 12 “tribos” que constituem os 144.000 são simbólicas, isso implicaria em que os referidos 144.000 também são um número simbólico.[1] Mas, o fato de os 144.000 serem compostos por tribos simbólicas em relação às tribos literais do Israel literal significa que o número deles também seja simbólico? Quer dizer, isso obrigatoriamente afeta a identidade deles?

A regra de que um número definido, apresentado dentro de um contexto que apresenta também quadros simbólicos, forçosamente tem de ser simbólico não subsiste a um escrutínio mais aprofundado. Observe parte da descrição da simbólica “Nova Jerusalém”: “A muralha da cidade tinha também doze pedras de alicerce, e sobre elas os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.” (Apocalipse 21:2, 14) “Muralhas” são símbolo de proteção. (Apocalipse 21:27; 1 Samuel 25:16; Provérbios 25:28) O “alicerce” representa a base, ou fundamento, sobre o qual é edificada a simbólica “cidade”. (Efésios 2:19-22) O “Cordeiro” representa Jesus Cristo. (João 1:29) Contudo, todo esse conjunto de simbolismos não faz com que o número dos “doze apóstolos” seja também simbólico.

 Outra proposição apresentada visando fundir os 144.000 com a “grande multidão” é a de que Apocalipse 7:1-8 faz referência aos 144.000 como classe ainda na Terra, ao passo que a “grande” multidão” dos versículos 9-17 os mostra como vencedores no céu. Mas, se é assim, por que eles ainda são retratados no mesmo símbolo de 144.000 no céu em Apocalipse, capítulo 14? Seguindo essa linha de raciocínio, deveríamos encontrar a “grande  multidão” com o Cordeiro no “monte Sião” celestial, e não os 144.000. (Hebreus 12:22) Além disso, os 144.00 são descritos como tendo sido “comprados [adquiridos] da terra” e como “comprados dentre a humanidade”, uma vez que têm de deixar seu lugar normal de permanecia – a Terra – e sua condição natural de existência como seres humanos para viver no céu com Cristo, compondo Seu Reino celestial. (Apocalipse 14:1, 3, 4) No entanto, essa descrição não é feita com relação à “grande multidão”.[2] Assim, essa proposição não confere com o inteiro quadro que a Bíblia apresenta sobre os 144.000.


“Diante do trono”

Outra linha de argumentação dos que propõem que a “grande multidão” seja uma classe celestial reside no fato de que esse grupo foi visionado por João como estando “em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro”. (Apocalipse 7:9, 15) Em grego, a expressão “diante de” é o advérbio ενώπιον [enópion], que também funciona como preposição com o caso genitivo. Os léxicos de palavras gregas do Novo Testamento reconhecem que essa palavra pode significar estar “diante” no sentido de estar na presença ou na frente de algo ou alguém, como também pode significar estar “diante” no sentido de estar à vista de algo ou alguém. (Veja The New Analytical Greek Lexicon (p. 146), de Wesley J. Perschbacher, ed. 1990, por Hendrickson Publishers, Inc.; e Léxico do N.T. Grego/Português, de F. Wilbur Gingrich e Frederick W. Danker, Edições Vida Nova, 1993, p. 75.) Um exemplo desse segundo sentido se encontra em Atos 10:33, nas palavras do centurião romano Cornélio ao apóstolo Pedro: “Estamos aqui todos presentes perante Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦenópion toû Theoû] para ouvir todas as coisas que foste mandado dizer por Jeová.”

Embora admitam que esse sentido seja possível para a palavra enópion, os proponentes da “grande multidão” como grupo celestial afirmam que o uso preponderante dessa palavra no Apocalipse é como significando “na presença de”. Os textos apresentados por eles descrevem coisas e seres que foram visionados como estando “diante de” Deus no sentido de estar “na presença” Dele e/ou do Cordeiro: os “sete espíritos” (1:4), as “lâmpadas de fogo” (4:5), o “mar vítreo” (4:6), os “vinte e quatro anciãos” (4:10; 11:16), as “quatro criaturas viventes” (5:8), os “anjos” (7:11; 8:2), o “altar de ouro” (8:3; 9:13), e os 144.000 (14:3).

Em primeiro lugar, uso preponderante não significa uso exclusivo. Segundo, essa apresentação de textos é parcial, pois não considera dois fatores: 1) os seres e as coisas apresentados como estando literalmente “diante” de Deus já são do domínio celestial ou são símbolos de coisas celestiais. Portanto, estarem literalmente “na presença” de Deus se adequa ao quadro apresentado. Por exemplo, os 24 anciãos são referidos como “sentados nos seus tronos diante de Deus”. (Apocalipse 11:16) Por conseguinte, o quadro é de reis atuando no céu. No caso dos 144.000, diz-se que “foram comprados da terra”, compondo, assim, um grupo celestial. 2) Quando o livro do Apocalipse descreve coisas terrestres, fica evidente o uso de enópion na significação de “à vista de”, num sentido primariamente circunstancial e não topográfico. Veja os exemplos abaixo:

Apocalipse 2:14: “Não obstante, tenho algumas coisas contra ti, que tens aí os que se apegam ao ensino de Balaão, o qual foi ensinar a Balaque a pôr uma pedra de tropeço diante [ ἐνώπιον; enópion] dos filhos de Israel, para que comessem de coisas sacrificadas a ídolos e cometessem fornicação.” (A referida “pedra de tropeço” foram as mulheres moabitas, que se apresentaram evidentemente não à inteira nação de Israel, ou à cada israelita, mas “à vista” da nação no sentido de seduzirem “alguns deles” a cometerem fornicação. – 1 Coríntios 10:8; Números 25:1-9, 16, 17; 31:15, 16.)

Apocalipse 3:2: “Não achei as tuas ações plenamente realizadas diante do meu Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦ μου; enópion toû Theoû mou].” (Exortação do ressuscitado Jesus Cristo à congregação de Sardes. As referidas “ações” haviam sido realizadas aqui na Terra “à vista” de Deus.)

 Apocalipse 3:8: “Eis que tenho posto diante de ti [ἐνώπιόν σου; enópion sou] uma porta aberta.” (Palavras de Cristo à congregação em Filadélfia. A citada “porta aberta” simbolizava a oportunidade para atividade cristã que estava “à vista” deles. Tratava-se de uma situação, ou circunstância, que se apresentava “diante” deles, e não de um objeto na presença deles. Não é indicação topográfica e sim circunstancial. – 1 Coríntios 16:9; 2 Coríntios 2:12.)

Apocalipse 3:9: “Eis que darei os da sinagoga de Satanás, que se dizem judeus, e que não são, mas estão mentindo — eis que os farei vir e prestar homenagem diante dos teus pés [ἐνώπιον τῶν ποδῶν σου; enópion tôn podôn sou] e os farei saber que eu te tenho amado.” (Não parece lógico concluir que os inimigos do cristianismo prestariam homenagem ajoelhando-se literalmente diante dos pés dos cristãos de Filadélfia. Antes, fariam isso por reconhecer “à vista” dos cristãos filadelfenos como grupo que o cristianismo é o modo correto de adorar a Deus. – 1 Coríntios 14:24, 25.)

Apocalipse 11:4: “Estas [as duas testemunhas] são simbolizadas pelas duas oliveiras e pelos dois candelabros, e  estão  em  pé  diante do Senhor da terra  [ἐνώπιον  τοῦ  κυρίου  τῆς  γῆς; enópion toû kyríou tês gês].” (As “duas testemunhas” claramente não estavam no céu, pois são descritas como sendo atacadas pela “fera” (“besta”, Almeida) que ascende do abismo. Estavam, portanto, “à vista” de Deus. – Apocalipse 11:7.)

  Apocalipse 13:12-14: “E [a fera de dois chifres] exerce toda a autoridade da primeira fera à vista dela [ἐνώπιον αὐτοῦ; enópion autoû]. E ela faz a terra e os que moram nela adorar a primeira fera, cujo golpe mortal ficou curado. E ela  realiza  grandes sinais, para fazer até  mesmo  fogo  descer  do  céu  para  a  terra  à  vista  da  humanidade [ἐνώπιον τῶν ἀνθρώπων; enópion tõn anthrópon]. E desencaminha os que moram na terra, por causa dos sinais que lhe foi concedido realizar à vista da fera [ἐνώπιον τοῦ θηρίου; enópion toû theríou], ao passo que diz aos que moram na terra que façam uma imagem da fera que sofrera o golpe de espada e ainda assim reviveu.” (Visto que as ‘feras’ [‘bestas’, Almeida] do Apocalipse simbolizam elementos de abrangência mundial, o que elas realizam é “à vista” uma da outra e da humanidade, pois não seria possível realizarem algo na presença de cada pessoa ou da humanidade como um todo. O que elas fazem é visto, ou percebido, pelos humanos, ainda que não reconheçam necessariamente sua fonte.)

     Apocalipse 14:10: “Será atormentado com fogo e enxofre, à vista [ἐνώπιον; enópion] dos santos anjos e à vista do Cordeiro.” (O texto faz referência ao que acontecerá com os adoradores da “fera” [“besta”, versículo 9]. Evidentemente, não serão atormentados lá no céu. O céu não é um lugar de tormento.)

    Apocalipse 16:19: “E a grande cidade fendeu-se em três partes, e caíram as cidades das nações; e Babilônia, a Grande, foi lembrada à vista de Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦ; enópion toû Theoû], para dar-lhe o copo do vinho da ira do seu furor.” (Babilônia, a Grande, não está perante Deus no sentido de estar no céu, mas sim “à vista” dele, aqui na Terra.)

     Apocalipse 20:12: “E eu vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono [ἐνώπιον τοῦ θρόνου; enópion toû thrónou], e abriram-se rolos. Mas outro rolo foi aberto; é o rolo da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações.” (Paulo disse que “há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos”. [Atos 24:15] Não parece razoável, lógico e nem bíblico supor que os mortos – principalmente os injustos – serão ressuscitados no céu, tendo o indescritível privilégio de ver a Deus, a Cristo e aos demais seres celestiais para depois se decidir se receberão a vida eterna ou a destruição eterna. Jesus disse que os “puros de coração” é que terão o privilégio de ‘ver a Deus’ [Mateus 5:8], e não assassinos, estupradores e todas as demais espécies de pessoas iníquas. Assim, é patente que estão “diante do trono” de Deus no sentido de estarem “à vista” do trono divino. Como diz Hebreus 4:13: “E não há criação que não esteja manifesta à sua vista [ἐνώπιον αὐτοῦ; enópion autoû], mas todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.”)

Por conseguinte, o argumento de a “grande multidão” ser mencionada como estando “diante do trono de Deus” e “diante do Cordeiro” não é consistente – muito menos conclusivo – em provar que ela seja uma classe celestial.

A segunda parte dessa série de artigos abordará outras questões levantadas a respeito da identificação da “grande multidão”.


Notas:

[1] Há notórias diferenças entre as tribos do Israel literal, descritas em Números 1:4-16, e as “tribos” alistadas em Apocalipse 7:4-8. As “tribos” deste último grupo não incluem a tribo de Efraim e a tribo de Dã, do Israel literal, ao passo que incluem a tribo de Levi (que não fazia parte das 12 tribos literais) e a tribo de José, que nunca existiu. A Bíblia usa expressões tais como “o Israel de modo carnal” e “o Israel de Deus”. (1 Coríntios 10:18; Gálatas 6:16) Ademais, Paulo explicou: “Porque não é judeu aquele que o é por fora, nem é circuncisão aquela que a é por fora, na carne. Mas judeu é aquele que o é no íntimo, e a sua circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito. O louvor desse não vem de homens, mas de Deus.” (Romanos 2:28, 29) E acrescentou: “Nem todos os que procedem de Israel são realmente ‘Israel.’” (Romanos 9:6) Por todas essas razões, é razoável e bíblico entender que os 144.000 não são compostos pelas tribos do Israel literal, mas constituem o Israel espiritual.

[2] Veja o artigo Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 3), no ponto 15, neste site.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






quarta-feira, 16 de maio de 2012

A ciência bíblica – como devemos encará-la?

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102005139


“E quanto a ti, ó Daniel, guarda em segredo as palavras e sela o livro até o tempo do fim. Muitos o percorrerão, e o verdadeiro conhecimento se tornará abundante.” – Daniel 12:4.


“Ciência” tem sido definida como “ramo de conhecimento sistematizado como campo de estudo ou observação e classificação dos fatos atinentes a um determinado grupo de fenômenos e formulação das leis gerais que os regem” (Michaelis), ou mais simplificadamente como “conjunto de conhecimentos fundados sobre princípios certos”. – Dicionário Priberam.

Podemos classificar a Ciência em duas grandes divisões: a ciência natural, que estuda toda a existência física,[1] e a ciência revelada, que se encontra na Bíblia Sagrada, e que estuda a manifestação da Pessoa de Deus ao homem.

Alguns podem se surpreender com a afirmação de que o conteúdo da Bíblia seja uma ciência. Mas, assim como no caso dos fenômenos físicos, a Bíblia possui harmonia e coerência. Ademais, quem criou o Universo físico e todas as ciências que nele existem é o mesmo que inspirou a escrita da Bíblia – Jeová Deus. (Gênesis 1:1; 2 Timóteo 3:16, 17) De modo que as definições acima sobre o que é “ciência” se adequam perfeitamente ao conteúdo bíblico. Tanto é assim que existe uma metodologia para o estudo do texto bíblico, um conjunto de princípios que regem a interpretação correta, chamada de “hermenêutica”.

Outra similaridade que existe entre a ciência natural e a ciência revelada é a seguinte: ambas se baseiam em princípios perfeitos. Contudo, o entendimento de ambas as ciências por parte do homem é progressivo, limitado e, muitas vezes, moroso. Como assim?

Tomemos como referencial a teoria do Geocentrismo, segundo a qual a Terra seria o centro do Universo. Postulada por Aristóteles (4.º século AEC), e reforçada por Cláudio Ptolomeu (2.º século EC), essa teoria foi aceita e defendida, inclusive pela Igreja Católica, permanecendo por mais de 1800 anos. Em 1514, o matemático e astrônomo polonês Nicolau Copérnico (1453-1543) divulgou um modelo matemático no qual a Terra e os demais corpos celestes giravam em torno do Sol – a teoria do heliocentrismo[2]. Essa proposição foi mais tarde defendida por Giordano Bruno (1548-1600), filósofo e teólogo italiano, motivo pelo qual foi excomungado e queimado vivo pela Inquisição no ano de 1600. Posteriormente, a teoria foi comprovada e aperfeiçoada por Galileu Galilei (1564-1642), Kepler (1571-1630) e Isaac Newton (1642-1727), sendo, atualmente, a teoria mais aceita pela comunidade científica. A Igreja Católica, por sua vez, só aceitou esse modelo de Sistema Solar em 1922.

O exemplo acima ilustra que uma verdade científica é descoberta de forma progressiva, à medida que pesquisadores vão construindo sobre o que foi estabelecido por pesquisadores anteriores. O mesmo se dá no que tange ao conhecimento bíblico. Um pesquisador, utilizando uma concordância bíblica feita por pesquisadores anteriores, pode reunir passagens que dizem respeito a um tema central e descobrir uma ou mais verdades. No entanto, talvez ele desperceba alguns detalhes e até mesmo cometa equívocos em sua proposição. Com o tempo, outro pesquisador, tomando como base as observações desse primeiro estudioso, consegue ressaltar os pontos despercebidos e até corrigir os conceitos equivocados desse, ampliando ademais o seu enunciado.


Erros de interpretação justificam o descrédito sobre a ciência bíblica?

As Testemunhas de Jeová fizeram, fazem e com certeza ainda farão constantes ajustes em suas crenças, à medida que pesquisas bíblicas trazem à tona verdades que justificam e demandam tais ajustes. Isso tem sido largamente criticado no meio teológico por membros e representantes de diversas religiões. Vale ressaltar que a Bíblia é inspirada, mas os homens que a pesquisam não o são. (Veja o quadro “Reconhecimento de que não são inspirados”.) Eles se esforçam ao máximo, em seu estudo sério das Escrituras, para entendê-la. Contudo, devido à limitação humana, o entendimento claro do conteúdo estudado nem sempre ocorre de imediato. Talvez sejam necessárias pesquisas adicionais, ou o entendimento de outras verdades, as quais pavimentarão o caminho para o entendimento de determinadas passagens. No entanto, pesquisas, erros e ajustes são o único caminho para se chegar ao progresso, tanto na ciência bíblica quanto na ciência natural.  

Como exemplo dessa asserção, vejamos o campo da Medicina. Nas décadas de 30 e 40 usava-se abertamente o eletrochoque associado a substâncias químicas como a cânfora e o metrazol, para induzir convulsões, na crença de que elas pudessem produzir a melhora clínica de pacientes com quadros psicóticos (por exemplo, com delírios e alucinações) – um método pouco seguro com efeitos colaterais desagradáveis para os pacientes. Hoje a ECT (eletroconvulsoterapia) é restrita a depressões graves que não respondem ao tratamento com antidepressivos, realizada em condições mais seguras. Em 1945, o National Research Council (Conselho Nacional de Pesquisa), dos EUA, afirmou que adultos deveriam tomar dois litros e meio de água diariamente. Atualmente, o conceito é de que excesso de água pode ser perigoso. Obstetras do século 20 postularam a cesariana como o melhor tipo de parto. Agora prevalece a conceituação de que a cesariana é um procedimento que envolve diversos riscos, como infecções e complicações cirúrgicas, sendo indicada apenas quando o parto normal for comprovadamente arriscado, para a mãe ou a criança. Uma pesquisa médica de 1998 concluiu que a vacinação pode causar autismo nas crianças. Hoje se conceitua que não há nenhuma relação entre vacinação e o autismo.

Na década de 1950, a talidomida – uma pílula contra insônia – foi saudada como hipnótico ou sedativo seguro, chamada de “a pílula soporífica perfeita”.[3] O medicamento tinha sido anunciado como “atóxico”, “inofensivo” e “completamente não venenoso”. Centenas de mulheres grávidas a tomaram. Qual foi o resultado? No início dos anos 60, o mundo foi abalado pelo nascimento de milhares de bebês deformados, os chamados ‘filhos da talidomida’. A droga provocou um efeito colateral não previsto que resultou no nascimento de crianças com membros atrofiados ou sem membros. Em muitos casos, os braços e as pernas dessas crianças pareciam barbatanas. Chamada de “uma das maiores tragédias médicas da história”, essa droga provocou 12.000 nascimentos de bebês deformados, a metade de tais bebês sendo tão deformados que já nasceram mortos ou só viveram algumas horas ou alguns dias. Milhares dessas crianças tornaram-se física ou mentalmente retardadas, e permanecem assim até os dias atuais. A talidomida produziu efeitos teratogênicos (ou causadores de defeitos) irreversíveis.

Lamentáveis como tenham sido certos caminhos percorridos pela ciência médica, o fato é que presentemente ela atingiu um patamar nunca alcançado em eras passadas, quando a rigidez da Igreja impedia a sua evolução. Naturalmente, do ponto histórico e cientifico em que nos encontramos no século 21, seria injusto condenarmos os equívocos médicos de décadas passadas. Os pesquisadores de épocas passadas não dispunham de toda a parafernália de que dispõem os pesquisadores atuais.  Ademais, seria igualmente injusto desmerecer a desenvolvida Medicina atual por seu histórico de erros passados. No desenvolvimento progressivo de uma ciência, erros são inevitáveis, ajustes são obrigatórios. O mesmo se dá com a ciência bíblica.

Na realidade, após as Escrituras terem sido concluídas no fim do primeiro século EC, os séculos seguintes testemunharam esforços árduos por parte de sinceros estudiosos para entender as verdades divinas contidas na Palavra de Deus. Todos eles de alguma forma lançaram os fundamentos que contribuíram para que os atuais pesquisadores das Escrituras tivessem um terreno preparado sobre o qual pudessem edificar mais conhecimento bíblico. Charles Taze Russell, uma Testemunha de Jeová que serviu como um dos editores de publicações da organização reconheceu isso, ao declarar:

Descobrimos que por séculos várias seitas e grupos dividiram entre si as doutrinas da Bíblia, misturando-as, em grau maior ou menor, com especulação e erro humano . . . Descobrimos que a importante doutrina da justificação pela fé e não pelas obras fora claramente enunciada por Lutero e mais recentemente por muitos cristãos; que a justiça, o poder e a sabedoria divina foram cuidadosamente preservados pelos presbiterianos, embora não discernidos claramente; que os metodistas apreciaram e louvaram o amor e a compaixão de Deus; que os adventistas prezaram a doutrina sobre a volta do Senhor; que os batistas, entre outros pontos, sustentaram corretamente a doutrina do batismo em sentido simbólico, embora tivessem perdido de vista o verdadeiro batismo; que, fazia tempo, alguns universalistas sustentavam vagamente alguns pensamentos relativos à ‘restauração’. Assim, quase todas as denominações deram evidência de que seus fundadores vinham buscando a verdade: mas bem evidentemente o grande Adversário lutou contra eles e erroneamente repartiu a Palavra de Deus, que ele não podia destruir totalmente. – Extraído da obra Testemunhas de Jeová – Proclamadores do Reino de Deus (pp. 48-49), publicada pelas Testemunhas de Jeová.

Ademais, o aumentado conhecimento das línguas em que a Bíblia foi originalmente escrita, bem como a descoberta de manuscritos bíblicos mais antigos e de outros artefatos dos tempos bíblicos proporcionou um cabedal de informações que disponibilizou uma compreensão mais acurada do texto sagrado.  Assim como as demais ciências, a ciência bíblica trilhou um caminho de erros e ajustes. E, como no caso das ciências naturais, o resultado também tem sido assombroso. O periódico sueco Sökaren (O Pesquisador) publicou uma entrevista feita com Bertil Persson, clérigo, autor, redator e professor de religião. Na entrevista, o sr. Persson declarou:

Por detrás da fé que está sendo pregada pelas Testemunhas de Jeová há uma espantosa ciência bíblica de alta classe e de orientação internacional.[4]

As Testemunhas de Jeová trouxeram à tona verdades fundamentais, como a importância do Nome de Deus, Jeová,[5] a vindicação da Soberania de Jeová, a real identidade de Jesus Cristo, a verdadeira condição dos mortos, o propósito de Deus para com a Terra, a doutrina do resgate, entre tantas outras verdades.

Esse maravilhoso resultado da constante pesquisa bíblica é cumprimento da profecia de Daniel 12:4, que declara: “Você, Daniel, guarde em segredo esta mensagem, lacre este livro até o tempo final. Muitos o examinarão, e o conhecimento deles aumentará.” (Edição Pastoral) Você poderá se beneficiar do conhecimento dessas e de tantas outras verdades bíblicas por aceitar um estudo bíblico gratuito e sem compromisso provido pelas Testemunhas de Jeová.



Reconhecimento de que não são inspirados

Os editores das publicações das Testemunhas de Jeová sempre reconheceram que não são inspirados e que o resultado de suas pesquisas está sujeito a erros e a ajustes. Veja abaixo exemplos dessa cândida admissão:

“Não temos o dom da profecia.” — The Watchtower (A Sentinela), Janeiro de 1883, página 425.

“Nem desejamos que os nossos escritos sejam reverenciados ou considerados infalíveis.” — The Watchtower, 15 de dezembro de 1896, página 306.

“[Ter o espírito de Deus] “não significa que os que servem agora como testemunhas de Jeová são inspirados. Não significa que os escritos nesta revista A Sentinela são inspirados e infalíveis e sem erros.” — A Sentinela, Setembro de 1947, página 135.

“A Sentinela não se diz inspirada em suas pronunciações nem é dogmática.” — A Sentinela, 15 de agosto de 1950, página 263.

“Os irmãos que preparam essas publicações não são infalíveis. Seus escritos não são inspirados assim como eram os de Paulo e dos outros escritores bíblicos. (2 Tim. 3:16) E assim, às vezes, tornou-se necessário corrigir conceitos, conforme o entendimento se tornou mais claro. (Pro. 4:18)” — A Sentinela,15 de agosto de 1981, página 19.


Notas:

[1] Neste artigo, a expressão “ciência natural” é bem abrangente, englobando todas as ciências que envolvem a existência física, tais como Biologia, Física, Química, Astronomia, Matemática etc. Nessa acepção, pode também ser classificada como ciência física, em antítese à ciência espiritual, revelada na Bíblia.

[2] Essa teoria já havia sido postulada pelo astrônomo grego Aristarco de Samos (310-230 AEC).

[3] Soporífico ou soporífero é um medicamento que produz sono, que faz dormir.

[4] Citado da revista Despertai! de 8 de fevereiro de 1984, pp. 27-28, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

[5] O nome de Deus aparece no "Velho Testamento" quase 7.000 vezes. Como parâmetro para comparação, tenha presente o seguinte: o título “Deus”, quando aplicado a Jeová, ocorre na Bíblia inteira cerca de 4.000 vezes; o título “Senhor” (aplicado a Jeová), 355 vezes. “Deus” e “Senhor” são os dois títulos mais comuns de Jeová. No entanto, quando somados, não chegam a 63 por cento do total de vezes em que o nome divino, Jeová, ocorre no "Velho Testamento". 



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






segunda-feira, 14 de maio de 2012

As Testemunhas de Jeová afirmaram que o “fim do mundo” viria em 1975?

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/w20120915/mundo-chegara-ao-fim/


Diversos membros das religiões da cristandade têm afirmado que as Testemunhas de Jeová marcaram o ano de 1975 como sendo a data do “fim do mundo”. Eles citam várias de nossas publicações com o intuito de tentar provar isso. Portanto, neste artigo, examinaremos tais publicações para ver o que elas realmente dizem. Para melhor entendimento do leitor, os trechos dessas publicações que dizem respeito ao assunto em pauta foram colocados em negrito, e às vezes em negrito e maiúsculo. Após isso, para esclarecimento adicional, há um comentário feito após cada citação.


Estabelecendo o fundo histórico

Em 1966, as Testemunhas de Jeová lançaram o livro Vida Eterna – na Liberdade dos Filhos de Deus que trazia uma cronologia detalhada baseada na Bíblia, que estabeleceu 1975 como o ano que marcaria 6.000 anos da existência humana a partir da criação de Adão. Esse compêndio foi lançado numa série de congressos em 1966. No congresso de Baltimore, EUA, uma das Testemunhas de Jeová que compunham a direção da obra mundial – Frederick W. Franz – fez o discurso concludente, no qual teceu comentários concernente ao ano de 1975.

  Na época, as Testemunhas de Jeová entendiam o figurativo “dia” de “descanso” de Deus com sendo um período de 7.000 anos, e os últimos mil anos desse período de sete milênios como sendo o Reinado Milenar de Cristo, que restaurará as condições paradisíacas na Terra. (Gênesis 2:1-3; Hebreus 4:3, 6, 10; Apocalipse 20:4-6)[1] Vale ressaltar que sabiam, pela Bíblia, que esse período de 7.000 anos não começou imediatamente após a criação de Adão, mas após a criação de Eva. A Bíblia não menciona o intervalo de tempo entre a criação de Adão e a criação de Eva. Ambas as criações poderiam ter ocorrido no mesmo ano, mas não necessariamente.

Tendo esse conceito realista das limitações da cronologia bíblica, o irmão Franz declarou em seu discurso sobre a cronologia que aponta para 1975:

“‘O que isso significa? Será que significa que o dia de descanso de Deus começou em 4026 A.E.C. [quando Adão foi criado]? É possível que tenha começado. …

“‘O que dizer do ano de 1975? O que irá significar, caros amigos?’ – perguntou o irmão Franz. ‘Será que significa que o Armagedom estará terminado, com Satanás preso, por volta de 1975? É possível. É possível. Todas as coisas são possíveis para Deus. Será que significa que Babilônia, a Grande, terá sido derrubada por volta de 1975? É possível. Será que significa que o ataque de Gogue de Magogue será lançado contra as testemunhas de Jeová, para eliminá-las, daí o próprio Gogue sendo posto fora de ação? É POSSÍVEL. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. Todas as coisas são possíveis para Deus. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. E que nenhum dos irmãos seja específico em dizer algo que irá acontecer daqui até 1975.’”. – A Sentinela de 15 de fevereiro de 1967, p. 127.

 A revista acima não costuma ser citada pelos opositores das Testemunhas de Jeová. Contudo, ela faz parte de um conjunto de evidências que estabelece a verdade sobre o que as Testemunhas de Jeová realmente afirmaram sobre o ano de 1975. Como tornado claro no lançamento do livro Vida Eterna – na Liberdade dos Filhos de Deus, o ano de 1975 foi apresentado como sendo apontado pela cronologia bíblica como data histórica, que marcaria 6.000 anos da história humana a contar do ano da criação de Adão. Exatamente isso é o que foi descrito no referido livro, conforme exemplificado abaixo:

 “Desde o tempo de Ussher,[2] fizeram-se estudos intensivos da cronologia bíblica. Neste século vinte, realizou-se um estudo independente que não acompanha cegamente certos cálculos cronológicos tradicionais da cristandade, e a tabela de tempo publicada, resultante deste estudo independente, fornece a data da criação do homem como sendo 4026 A.E.C.* Segundo esta cronologia bíblica fidedigna, os seis mil anos desde a criação do homem terminarão em 1975 e o sétimo período de mil anos da história humana começará no outono (segundo o hemisfério setentrional) do ano 1975 E.C.” – Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus, 1966, p. 27.

Note que essa publicação ressaltou 1975 como data histórica, e não profética. Afirmou que essa data marcaria o fim – não do mundo – mas de 6.000 anos da história da existência do homem, e o começo – não do Reinado Milenar de Cristo – mas do “sétimo período de mil anos da história humana”. Infelizmente, alguns veem nos textos de nossas publicações algo bem diferente do que elas realmente afirmaram, devido a terem um conceito predeterminado recebido de outros. Observe abaixo outro comentário feito pela referida publicação:

“Assim, seis mil anos da existência do homem na terra acabarão em breve, sim, dentro desta geração. Jeová Deus não tem limite de tempo, conforme está escrito no Salmo 90:1, 2: ‘Ó Jeová, tu mesmo mostraste ser uma verdadeira habitação para nós durante geração após geração. Antes de nascerem os próprios montes ou de teres passado a produzir como que com dores de parto a terra e o solo produtivo, sim, de tempo indefinido a tempo indefinido, tu és Deus.’ Portanto, do ponto de vista de Jeová Deus, a passagem destes seis mil anos da existência humana são apenas como que seis dias de vinte e quatro horas, pois este mesmo salmo (versículos 3 e 4) prossegue, dizendo: “Fazes o homem mortal voltar à matéria quebrantada e dizes: ‘Retornai, filhos dos homens.’ Pois mil anos aos teus olhos são apenas como o ontem que passou e como uma vigília durante a noite.” Assim, dentro de poucos anos em nossa própria geração atingiremos o que Jeová Deus poderia considerar como o sétimo dia da existência do homem.” – Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus, 1966, p. 29.

Novamente, observamos a mesma linha de raciocínio: a publicação acima afirmou que 1975 marcaria historicamente a entrada no “sétimo dia [de mil anos] da existência do homem”.

Coerentemente, as publicações dos anos subsequentes mantiveram o mesmo teor. Observe-as abaixo:

“Será que o dia de descanso de Deus equivale ao tempo em que o Homem tem estado na terra desde a sua criação? Aparentemente, sim. Das mais fiáveis investigações em cronologia Bíblica harmonizadas com muitas datas aceites da história secular, descobrimos que Adão foi criado no outono do ano 4026 A.E.C. Algures [em alguma parte] nesse mesmo ano Eva podia muito bem ter sido criada, começando o dia de descanso de Deus imediatamente a seguir. Em que ano terminariam, então, os primeiros 6.000 anos da existência do homem e também os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus? No ano 1975. Isto é digno de nota, particularmente em vista do fato de os “últimos dias” terem começado em 1914, e de os fatos físicos dos nossos dias em cumprimento da profecia marcarem esta como sendo a última geração deste mundo iníquo. Por isso podemos esperar que o futuro imediato esteja cheio de acontecimentos emocionantes para aqueles que depositam a sua fé em Deus e nas suas promessas. Isto significa que dentro de relativamente poucos anos nós vamos testemunhar o cumprimento das restantes profecias que têm que ver com o “tempo do fim.” – Despertai!, abril de 1967, pp.19-20.

Diria você sinceramente que as palavras grifadas indicam a afirmação convicta de que o fim viria em 1975? Obviamente que não. A revista acima afirma que “Eva podia” ter sido criada no mesmo ano que Adão, e NÃO que ela definitivamente foi criada em tal ano. Então, partindo desse PRESSUPOSTO, o referido artigo mostrou que, se assim fosse, “os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus” “terminariam” em 1975. A alusão que o artigo fez ao contexto histórico entendido pelas Testemunhas de Jeová, de que estamos no “tempo do fim” desde 1914, enfocou a proximidade do fim, mas não determinou nenhuma data específica. De fato, mesmo hoje nossas publicações adotam o mesmo conceito de proximidade do fim, com o objetivo de se manter a vigilância espiritual. – Lucas 21:36; Daniel 12:4.

“Uma coisa é absolutamente certa, a cronologia bíblica reforçada pelo cumprimento das profecias bíblicas mostra que seis mil anos de existência do homem vão acabar em breve, sim, nesta geração! (Mat. 24:34) Este não é, portanto, o tempo para ser indiferente e complacente. Este não é o tempo para se estar a brincar com as palavras de Jesus de que “com respeito àquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus nem o Filho, mas unicamente o Pai.” (Mat. 24:36) Pelo contrário é um tempo em que se deve estar plenamente ciente de que o fim deste sistema de coisas está a chegar rapidamente ao seu fim violento. Não se engane, é suficiente que o próprio Pai saiba o “dia e a hora”!” – A Sentinela, fevereiro de 1969, p.116.

 Novamente, a revista acima estabelece uma relação de proximidade entre o fim dos “seis mil anos de existência do homem” e o “fim deste sistema de coisas”. Isso se dá porque o fim do período de seis milênios da existência humana ocorre historicamente dentro – e bem avançado no tempo – da época que as profecias bíblicas apontam como sendo o “tempo do fim”. (Daniel 12:4) Mas, tal revista NÃO AFIRMA que o fim do período de 6.000 anos da história humana COINCIDIRIA com o fim do sistema mundial de coisas.

“Mas o que dizer da atualidade? Atualmente, temos a evidência exigida, toda ela. E é sobrepujante! Todas as muitas partes do grande sinal dos últimos dias estão presentes, junto com a comprovante cronologia bíblica. … Isto deixaria apenas seis anos mais a contar do outono sententrional de 1969 para completar os 6 mil anos plenos da história humana. Este período de seis anos evidentemente terminará no outono sententrinal do ano de 1975.” – Despertai! de 22 de abril de 1969, p.23.

 Como já mostrado claramente neste artigo, a revista acima aponta para uma data que cumpre um evento histórico – a marca de seis milênios de historia da existência humana – marcado pela cronologia bíblica. Mas não diz que essa data histórica marcaria o “fim do mundo”.

“Nossa preocupação principal, agora, deve ser com o presente e o futuro. Precisamos manter o proceder de fidelidade que impeça quaisquer possíveis arrependimentos no futuro. Assim como olhamos para trás, para os últimos cinco anos, olhemos agora para a frente, para cinco anos no futuro. Será então 1975. …

“Jeová nos deu informações suficientes para que possamos saber definitivamente qual a tendência dos eventos futuros. A sua Palavra revela que, sem dúvida, nos aproximamos rapidamente do fim deste inteiro sistema iníquo de coisas. (Mat. 24:3-14; 2 Tim. 3:1-5; 1 João 2:17) O intenso ódio e a violência se tornarão ainda mais ardentes. O desrespeito pela lei se tornará pior. Prevalecerá antagonismo contra tudo o que for religioso. Este espírito se tornará tão forte, que por fim resultará na destruição de todo o império da religião falsa, Babilônia, a Grande. — Apocalipse 18:1-8.

“Portanto, quando em breve chegar o fim deste sistema de coisas, qual será a nossa maior necessidade, o nosso bem mais valioso? Não será nosso dinheiro, nem os bens materiais. Não serão quaisquer elementos amistosos do mundo. Não, mas o nosso bem mais valioso e a nossa maior necessidade será a fé inabalável em nosso Deus, Jeová. 

“Precisamos ter a absoluta certeza, no coração e na mente, de que Jeová realmente vive e de que tudo o que a Bíblia diz a Seu respeito é veraz.” – A Sentinela, 1.º de maio de 1970, pp. 285-286.

Note que, quando a revista acima mencionou a proximidade do fim, não relacionou isso com uma data específica, mas sim com textos bíblicos que mostram que estamos no tempo do fim: Mateus 24:3-14 e 2 Timóteo 3:1-5. Quem ler esses textos, analisando-os com eventos históricos marcantes num único período e a nível mundial, verá que o século vinte mostrou-se diferente de todos os séculos precedentes: duas guerras mundiais, a gripe espanhola, maior incidência de terremotos, bem como a pregação mundial do Evangelho. Todos esses e outros acontecimentos tornam claro, como mostrou a referida revista, que “nos aproximamos rapidamente do fim deste inteiro sistema iníquo de coisas”.

“Todos gostariam de saber por quanto tempo o sistema atual ainda há de continuar e quando se há de realizar o propósito de Deus na terra do mesmo modo pleno como no céu. Jesus respondeu que ‘estas boas novas do reino serão pregadas em toda a terra habitada . . . e então virá o fim’. Aqui, no texto grego da Bíblia, ele usou a palavra telos ou ‘fim’ para distinguir o que queria dizer com syntéleia ou ‘terminação’ do sistema de coisas, o período de colheita em que vivemos agora. (Compare isso com Mateus 24:3, 6, Diaglott.NÃO SE PODE PREDIZER EXATAMENTE QUÃO PERTOS ESTAMOS DO FIM DO ATUAL SISTEMA DIVISÓRIO DE COISAS, visto que Jesus disse que nem mesmo ele sabia o dia ou a hora disso, no tempo de seu ministério terrestre. (Mat. 24:36) Entretanto, a cronologia bíblica, que indica que Adão foi criado no outono (hem. set.) do ano 4026 A. E. C., nos levaria até o ano de 1975 E. C. como data que assinalaria 6.000 anos da história humana, com mais 1.000 anos futuros da regência do Reino por Cristo. Portanto, QUALQUER QUE SEJA A DATA DO FIM DESTE SISTEMA, torna-se claro que o tempo que resta é reduzido, sobrando aproximadamente menos de seis anos até o fim de seis mil anos da história humana.” – A Sentinela de 1.º de novembro de 1970, p. 657, parágrafo 5.

É impressionante que a revista acima tenha sido citada como “prova” de que as Testemunhas de Jeová prognosticaram o “fim do mundo” para 1975! A revista acima depõe justamente CONTRA a afirmação de que as Testemunhas de Jeová estabeleceram o ano de 1975 para o “fim do mundo”. Pois, se assim tivessem feito, não afirmariam que NÃO SE PODE PREDIZER EXATAMENTE QUÃO PERTOS ESTAMOS DO FIM” do sistema de coisas, nem usariam expressões tais como QUALQUER QUE SEJA A DATA DO FIM DESTE SISTEMA”O texto em negrito e em maiúsculo é extremamente claro em mostrar que as Testemunhas de Jeová reconheciam não saber a data do fim – nem o ano. Coerente com as publicações anteriores, os editores apresentaram 1975 como data de um período histórico.

“Na tarde de domingo, 26 de julho de 1931, num congresso internacional da A. I. E. B., em Columbus, Ohio, E. U. A., adotou-se de coração a Resolução a favor da adoção do Novo Nome, testemunhas de Jeová. … E agora, neste ano crítico de 1975, pode-se perguntar: Será que o Deus Altíssimo da profecia fez para si um nome? A resposta é óbvia: Sim! Por meio de quem? Não pela cristandade, nem pelo judaísmo, mas pelas testemunhas cristãs de Jeová!” – A Sentinela de 15 de março de 1975, pp. 188-9, parágrafo 29.

Esse artigo mencionou 1975, não como data do “fim do mundo”, mas como o ano em que estavam na época, do qual podiam olhar para trás e recapitular o valor e o respeito que deram ao Nome divino, Jeová.

“Só a partir do fim do ano de 1928 abriu-se ao entendimento espiritual do restante ungido do ‘Israel de Deus’ a perspectiva de sobreviver à ‘guerra do grande dia de Deus, o Todo-poderoso’, no Har-Magedon, e entrar aqui na terra na nova ordem justa de Jeová. (Veja THebreusWatch Tower, de 15 de dezembro de 1928, página 376, parágrafos 35, 36.) E agora, no ano de 1975, alguns milhares dos do restante ungido, ainda vivos nesta terra, aguardam o cumprimento desta perspectiva alegre. A crescente ‘grande multidão’ de seus companheiros semelhantes a ovelhas aguarda com eles entrar na Nova Ordem sem interrupção de vida. Na Nova Ordem, Jeová Deus aumentará a ‘longura de dias’ do restante ungido na terra ao ponto de fartar os membros dele. Resta a ver se serão ainda retidos aqui na terra para ver o começo da ressurreição dos mortos terrestres e para conhecer testemunhas fiéis dos tempos antigos, pré-cristãos. Gostariam disso, antes de serem tirados do cenário terrestre para a recompensa celestial junto a Cristo.” – A Sentinela de 15 de março de 1975, pp. 188-9, parágrafo 36.

A “perspectiva alegre” a que se refere essa publicação não era ver o fim em 1975, e sim a possibilidade de os cristãos com esperança celestial poderem permanecer na Terra por um tempo após o fim do sistema. Que isso, naturalmente, foi apresentado como possibilidade pode ser visto na frase “resta a ver se serão ainda retidos aqui na terra”. A menção de 1975 se deve a que estavam naquele ano.

“Receberam-se notícias a respeito de irmãos que venderam sua casa e propriedade e que planejam passar o resto dos seus dias neste velho sistema de coisas empenhados no serviço de pioneiro. Este é certamente, um modo excelente de passar o pouco tempo que resta antes de findar o mundo iníquo.” – Nosso Ministério do Reino, julho de 1974, pp. 3-4.

Os que conhecem as publicações das Testemunhas de Jeová sabem que o incentivo e o elogio a se dedicar mais tempo, recursos e energias à obra de evangelização, em vista da relevância dessa obra e da urgência de nosso tempo, tem sido comum ano após ano. Associar a necessidade de abnegação com a proximidade do fim é uma constante nas publicações das Testemunhas.

Veja, por exemplo, as seguintes declarações:

“Temos de considerar com oração como e até que ponto podemos simplificar a vida. … O tempo se esgotou para o mundo nos dias de Noé, e se esgotará para o atual sistema de coisas.” — A Sentinela de 15 de dezembro de 2003, p. 24, parágrafos 19-20.

“Muitos irmãos deixaram suas casas para simplificar a vida, e nos alegra ouvir seus relatos sobre como Jeová cuida deles e como seu serviço a ele lhes dá felicidade. (Atos 20:35) Além disso, todos os servos batizados de Jeová podem ter a bênção de ‘buscar primeiro o Reino e a justiça de Deus’ como parte de uma fraternidade cristã global. — Mat. 6:33.” – A Sentinela de 15 de fevereiro de 2010, p. 26, parágrafo 9.
  
Mas, será que, ao se aproximar o ano 1975, as expectativas das Testemunhas de Jeová não aumentaram a ponto de afirmarem que o fim viria naquele ano? Veja a resposta no último número de A Sentinela de 1974. Sob o tema “Sirva com a eternidade em vista”, e debaixo do subtópico “Não servimos apenas até certa data”, a revista comentou:

“É verdade que a mais exata cronologia bíblica disponível indica que 6.000 anos da existência humana terminarão em meados da década de 1970. De modo que estes cristãos estão intensamente interessados para ver se isto coincidirá com o irrompimento da ‘grande tribulação’ dos nossos dias, a qual eliminará da terra todos os iníquos. Pode coincidir. Mas eles nem mesmo tentam predizer com exatidão quando virá a destruição do sistema iníquo de coisas de Satanás. Estão contentes em esperar e ver, reconhecendo que nenhum homem na terra sabe a data. — Mat. 24:36.

As testemunhas cristãs de Jeová confiam em que Deus acabe com este sistema ímpio no SEU tempo devido. Quando a ‘grande tribulação’ começar, poderemos reconhecer isso. Portanto, em vez de especular a respeito de certa data, como se servíssemos com certa data por alvo, podemos concentrar-nos na importante obra de pregação que Jesus disse que seus discípulos fariam neste período de tempo. (Mar. 13:10) Assim, quando a ‘tribulação’ irromper, seremos encontrados atarefados e zelosos em cumprir a tarefa que temos. Assim, não fixaremos nossa mira numa data futura, mas serviremos com a eternidade em vista, assim como Judas exorta os cristãos.” — A Sentinela de 15 de dezembro de 1974, pp. 754-5, parágrafos 18-19.

Por conseguinte, as Testemunhas de Jeová mantiveram coerentemente o que haviam afirmado sobre 1975 desde o princípio: que aquele ano marcaria o fim de “6.000 anos da existência humana”. Em nenhuma de suas publicações afirmaram que tal ano marcaria o fim de 6.000 anos do “descanso” de Deus. (Heb. 4:1-10) Expressões tais como “pode coincidir” e ‘ver SE coincidirá’ exprimem admissão de possibilidade, não afirmação categórica. A fraseologia usada em nossas publicações mostrou que essa data histórica, que marcou o fim de seis mil anos da existência do homem – PODERIA coincidir com o fim de seis mil anos do “descanso” de Deus. Mas, ao mesmo tempo, os editores NÃO AFIRMARAM que isso DE FATO ocorreria.

Infelizmente, alguns membros da organização, ávidos de que o fim chegasse logo, concluíram que 1975 marcaria mais do que o fim de seis milênios da criação de Adão – que marcaria também o fim dos seis milênios do descanso de Deus, ALGO QUE NÃO FOI AFIRMADO NAS PUBLICAÇÕES das Testemunhas de Jeová. Assim, os que compunham a direção da obra mundial podiam honestamente apontar isso, como mostra a publicação abaixo:

“Caso alguém tenha ficado desapontado, por não seguir este raciocínio, deve agora concentrar-se em reajustar seu ponto de vista, por não ter sido a palavra de Deus que falhou ou o enganou e lHebreuscausou desapontamento, mas, sim, seu próprio entendimento baseado em premissas erradas.” – A Sentinela de 15 de setembro de 1980, p.17.
     
A mesma revista afirmou: “É impossível calcularmos de antemão quando é o fim do mundo.” (Página 18, parágrafo 8.) Contudo, vale ressaltar que, em suas publicações de anos anteriores, as Testemunhas de Jeová viveram à altura dessa declaração.

Também, deve-se salientar que os que compunham a direção da obra mundial, ao expressar-se sobre o assunto por meio das publicações, não atribuíram más motivações aos que foram além do que havia sido afirmado por escrito. Observe como isso foi amorosamente colocado, lendo a publicação abaixo:

“As conclusões erradas não aconteceram por intenção maldosa ou infidelidade para com Cristo, mas sim por causa do desejo ardente de ver o cumprimento das promessas de Deus nos seus próprios dias. …

“De fato, pode-se confiar nas promessas de Deus! Os humanos é que estão propensos ao erro. Portanto, os cristãos verdadeiros continuarão numa atitude de espera, em obediência à ordem de Jesus. Eles vão manter-se alertas e prontos para a inevitável vinda de Cristo como Executor de Deus. Não permitirão que falsas predições ofusquem a sua percepção levando-os a desconsiderar o verdadeiro aviso a respeito do fim do mundo.” – Despertai! de 22 de junho de 1995, p. 9.

Como se pode ver neste estudo imparcial, despojado de preconceitos e de sentimentos anuviadores do raciocínio, nenhuma publicação das Testemunhas de Jeová afirmou que em 1975 viria o “fim do mundo” – o fim do sistema mundial.


Notas:

[1] Veja o livro Seja Deus Verdadeiro, edição em inglês de 1946 (1949 em português, pp. 153-168), publicado pelas Testemunhas de Jeová, mas atualmente esgotado; também a revista A Sentinela de 1.º de janeiro de 1987, p. 30. Esse conceito não foi declaradamente abandonado. Ocorreu que, em publicações mais recentes, ele deixou de ser mencionado. Assim, a obra Estudo Perspicaz das Escrituras (id.) menciona o “período de descanso do sétimo dia” criativo como tendo “milhares de anos de duração”. – Vol. 1, p. 710; vol. 3, p. 475.
[2] A referência é ao famoso prelado anglicano, irlandês, o Arcebispo James Ussher (1581-1656 E. C.), que estabeleceu uma cronologia da existência humana baseada em seu estudo da Bíblia.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *