Image Map











sábado, 14 de março de 2015

Deus prova seus servos?

Fonte da ilustração: http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102009455

“Pela fé Abraão, quando provado, a bem dizer ofereceu Isaque, e o homem que recebera de bom grado as promessas, tentou oferecer seu unigênito, embora se lhe tivesse dito: ‘Aquilo que se chamar “teu descendente” será por intermédio de Isaque.’” – Hebreus 11:17, 18.

Um membro da religião Congregação Cristã no Brasil, que recebe estudo bíblico de uma Testemunha de Jeová, fez a seguinte pergunta:
Lá na Congregação eles dizem que Deus prova as pessoas, baseando-se na prova que Deus fez para Abraão, mas agora eu aprendi o que diz Tiago 1:13:Quando posto à prova, ninguém diga: ‘Estou sendo provado por Deus.’ Pois, por coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova ele a alguém.” Como harmonizar esse texto com a prova que Deus fez para Abraão?

Resposta do Apologista:

É interessante que o texto de Tiago 1:13 não diz que Deus não prova (não testa) as pessoas. Diz que ele não faz isso “por coisas más”. Esta é a chave para se harmonizar os dois relatos.
Examinando o teste a que Jeová Deus submeteu Abraão, encontramos os seguintes fatores:
1)  O teste estabeleceria um tipo profético do que o próprio Jeová faria – que era entregar seu Filho unigênito em sacrifício pela humanidade:
 “Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” – João 3:16.

Também, pelo fato de Abraão quase ter sacrificado a Isaque – só não o fazendo pela intervenção divina – pôde-se dizer que Abraão “recebeu [Isaque dentre os mortos] … em sentido ilustrativo”. Assim, isso ilustrou também a ressurreição do Filho de Deus, Jesus Cristo, dentre os mortos, como assegurado pelo apóstolo Pedro: “A este Jesus, Deus ressuscitou, fato de que todos nós somos testemunhas.” – Atos 2:32.

2)  O teste era condizente com a condição espiritual de Abraão.

Abraão era um homem de fé extraordinária. Ele não duvidou quando Jeová lhe prometeu: “Olha para os céus, por favor, e conta as estrelas, se as puderes contar.” E prosseguiu, dizendo-lhe: “Assim se tornará o teu descendente.” O relato nos conta que “ele depositou fé em Jeová; e este passou a imputar-lhe isso como justiça”. – Gênesis 15:5, 6.

3)  Pelas razões acima, o teste não visava fazer Abraão pecar. Jeová confiava na fidelidade de seu servo Abraão.

4)  Jeová deu a Abraão subsídios para que ele fosse bem-sucedido no teste.

Deus havia informado Abraão anteriormente: “O que será chamado teu descendente será por intermédio de Isaque.” (Gênesis 21:12) Assim, Abraão tinha base para crer firmemente que “que Deus era capaz de levantá-lo [a Isaque] até mesmo dentre os mortos”.

5)  Jeová abrandou o teste por não permitir que Abraão de fato sacrificasse Isaque. Bastou, para Deus, a demonstração da determinação de Abraão de fazê-lo.

Esses fatores, por si só, demonstram que Jeová “não prova alguém” por “coisas más”. O teste feito a Abrão resultou em muitas coisas positivas, tanto para Abraão quanto para todos nós.

Já os testes, ou provas, impostos por Satanás têm características diametralmente opostas às acima.

Tomando por base as provações que Satanás impôs a Jó e a Jesus Cristo, notamos que tais provas eram excessivas; que visavam fazê-los pecar; e que, por meio delas, Satanás se aproveitou da condição de fragilidade deles.

No caso de Jó, primeiro o Diabo lhe tirou todos os bens materiais; após isso, matou covardemente todos os filhos de Jó de uma só vez; e, por fim, colocou em Jó uma doença degradante e repugnante, tanto em sentido biológico quanto social. E, não contente ainda com tudo isso que fez a Jó, fez com que três homens influenciados por ele atormentassem Jó com falsas acusações a ele.

No caso de Jesus, o Diabo se aproveitou da fome do Filho de Deus, após este ter jejuado por 40 dias, para tentar fazê-lo pecar. (Mateus 4:1-4) E, no fim da vida terrestre de Cristo, o Diabo submeteu Jesus a dores agonizantes e especialmente cruéis. (Mateus 26:67; 27:27-31; João 19:17; Marcos 15:25) E, não contente com isso, usou pessoas iníquas e outras desinformadas para incitar Jesus a desistir do propósito de Deus para ele ‘por descer da estaca’. – Mateus 27:38-44.

Tudo isso mostra que Satanás não respeita nem de longe a dignidade das pessoas; ao contrário, ele se aproveita das limitações e fragilidade delas.

Um momento para reflexão

Tendo analisado o acima, com qual dos dois tipos de provação, diria você, se parecem as provações que certos evangélicos dizem que Deus impõe a eles?
Eles costumam dizer que ‘Deus pesa a mão sobre eles’, colocando doenças em seus servos; dizem que ‘se alguém não quer servir a Deus pelo amor, irá servir pela dor’.

Essas características que tais religiosos atribuem a Deus, francamente, não se parecem com as provações impostas por Satanás, que não respeita o livre-arbítrio e a dignidade das pessoas?

Que o leitor use de discernimento.” – Mateus 24:15.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org









8 comentários:

  1. No caso de Jesus, Satanás ainda usou Judas Iscariotes para o trair por 30 moedas de prata, evidentemente o preço de um escravo. E isso poderia deixar Jesus triste e o desanima-lo para continuar fiel em cumprir o propósito do seu Pai, pq Jesus tinha escolhido Judas como um dos doze e ele era um associado íntimo, que costumava alimentar-se do meu pão, disse Jesus. E Satanás também usou a própria bíblia e Pedro para colocar duvidas em Jesus.

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho certa dúvida em entender como Satanás age. Eu sei de seus mecanismos, como por exemplo os apóstatas, igrejas falsas, rede de comunicação deste mundo. Mas eu não entendo como ele age para que tudo fique perverso. Por exemplo, no caso de Pedro. As publicações nossas, dizem que Satanás usou Pedro por fazer Jesus pensar em si mesmo e assim não ser fiel a Jeová. Mas para mim, à luz das Escrituras, é errado pensar que Satanás se apossou do corpo de Pedro e o fez dizer aquilo. Mas como Satanás agiu para fazer Pedro dizer aquilo? O mesmo me pergunto sobre o episódio dos três "amigos" de Jó. Satanás os usou, mas como? Por possessão demoníaca? Influência de outras pessoas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Bíblia não fala de possessão demoníaca no caso de Pedro. Se isso tivesse ocorrido, Jesus teria expulsado o demônio, como fez muitas vezes.
      A explicação que parece mais provável é que Pedro tenha sido vítima da influência indireta do Diabo. Tal influência é discernida nos conceitos que Satanás promove: egoísmo, gratificação pessoal a todo custo, orgulho, inveja etc. A sugestão de Pedro continha implícita a ideia de gratificação pessoal, pensar em si mesmo, evitar a abnegação, conceitos prevalecentes na época dele e em toda a História, principalmente nos “últimos dias” do sistema de coisas, em que vivemos. – 1 Timóteo 3:1-5.

      Os falsos consoladores de Jó também foram influenciados pelo Diabo, o qual queria enfraquecer a determinação de Jó de servir a Deus. Um deles, Eifaz, talvez o mais influente, mencionou ter sido influenciado por um demônio. – Veja Jó 4:12-21.

      Excluir
  3. Prezado "AV",
    Seus textos são tão cristalinos e ao mesmo tempo tão solidamente baseados na Palavra da Verdade que dá até um "refrigério na alma" ao ler a verdade expressa de forma tão nítida como você faz em seus artigos. Só agora em 03/07/2016 às 23:41 é que eu acessei este teu texto sobre as provações dos servos de Deus. A internet está sendo muito útil para permitir que irmãos talentosos na escrita e na arte do raciocínio sejam abençoados por Jeová e usados por Ele a fim de atingir o coração de todos os "corretamente dispostos para com a verdade"! Seria muito interessante se o irmão, o Queruvim e tantos outros apologistas da verdade fizessem parte da Comissão de Redação da Torre de Vigia e de lá pudessem contribuir com a "alimentação espiritual" do povo de Jeová no mundo todo! Mas pensando bem, o bom é que hoje, com a internet, dá pra cada um contribuir com a Obra Mundial do jeito que pode, até mesmo a partir de casa! Não era isso o que a Sociedade na época estimulava, quando incentivava o testemunho por telefone?! A internet pode ser vista como um tipo de testemunho por telefone 2.0, isto é, mais avançado!! CONTINUE FIRME! E QUE JEOVÁ TE ABENÇOE ATÉ TRANSBORDAR O COPO! EM NOME DE NOSSO REI E SUMO-SACERDOTE, JESUS CRISTO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado leitor:

      Só posso agradecer de coração ao seu comentário tão apreciativo. Isso me incentiva fortemente a continuar esta atividade de pregar e ensinar por meio da internet!

      Excluir
  4. Há mais de 30 anos atrás, quando era um estudante da Bíblia. Questionei esta passagem ao meu instrutor dizendo: "Se Deus não prova ninguém por coisas más porque ele colocou Abraão à prova mandando MATAR seu próprio filho ??? Ele sofreu muito pra me dar uma resposta convincente. Eu sempre voltava com essa mesma pergunta e ele sofria. Até que um belo dia, quando fiz novamente essa mesma pergunta ele conseguiu me responder de uma maneira muito satisfatória, com uma outra pergunta: "Foi uma coisa má Jeová sacrificar o Seu próprio Filho ???". Estava aí A RESPOSTA que eu queria ouvir.

    ResponderExcluir
  5. Olá, muito bom o texto, ajudou a compreender melhor. Mas ainda tenho a duvida: nas publicações fala-se de provaçoes como que rm alguns casos serviram de treinamento. Nesse caso, não consigo conciliar isso. Na bíblia encontramos que a prova gera perseverança. Não da a entender que Deus nos prova para aperfeiçoar? Isso estaria correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Maílson:

      Deus não produz provações aos seus servos. Ele apenas as permite, para dar aos seus servos a oportunidade de mostrar a todos os observadores a decisão que têm de ser leais a Jeová. Essa permissão, junto com a firme posição dos cristãos, resulta em perseverança, em uma fé provada e vitoriosa.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *