Image Map











domingo, 28 de junho de 2015

O PARADIGMA CRONOLÓGICO BÍBLICO X A CRONOLOGIA SECULAR (Parte 3)

Por: Historiador JW
Judeus saindo de Babilônia para voltar a Jerusalém com Esdras
Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/202016013


NABUCODONOSOR II COMEÇOU A REINAR EM 604 AEC?

O principal objetivo de Satanás é causar confronto com os “remanescentes da semente da mulher”, os que guardam mandamentos de Deus e que dão testemunho de Jesus (Apocalipse 12:17). Como Testemunhas cristãs de Jeová, damos “testemunho cabal das boas novas da benignidade imerecida de Deus” (Atos 20:14), isto é, do Reino de Deus. Esse Reino, sem sombra de dúvidas, começou a reinar no céu em outubro de 1914 EC, de acordo com a cronologia bíblica dos “sete tempos”. (Daniel, capítulo 4) Muitos, na tentativa vã de acabar com as Testemunhas de Jeová, argumentam que a cronologia que seguimos não é verídica, pois não equivale com a dita cronologia secular dos historiadores hodiernos, a qual é baseada principalmente na cronologia babilônica. Os apóstatas embriagados pelo vinho de Babilônia, a Grande, o império mundial da religião falsa, chegam até a argumentar que é impossível Nabucodonosor II ter iniciado seu governo em 624 AEC, ainda dizem que os 20 anos de diferença são um erro de nossa cronologia. Será mesmo?

Em nossa defesa, apresentamos a cronologia bíblica como verídica. Assim também como muitos historiadores respeitados argumentam que Nabucodonosor II, sob “O novo Império Babilônico”, começou a reinar por volta de 625 AEC. Portanto, quando afirmamos que Nabucodonosor II começou a reinar em 624 AEC, temos fontes suficientemente abalizadas para derrubar qualquer argumento de apóstatas e outros indivíduos[1] que, pelo visto, não têm nada para fazer! Só sabem perseguir e postar mentiras na internet contra as Testemunhas de Jeová. Em nossa defesa, além da cronologia bíblica que seguimos, apresentamos a concordância do Doutor Antonio Pedro no livro “História do mundo ocidental”, da editora FTD, p. 34.

Portanto, tendo como suporte o comentário erudito da revista A Sentinela, a revista Scientific American, nos seus comentários sobre o livro de Newton, observou: “A falsificação de Ptolomeu pode ter ido até o ponto de inventar a duração de reinados de reis babilônicos. Visto que a reconstrução moderna da cronologia babilônica se baseou numa lista de reis que Ptolomeu usou para especificar as datas de supostas observações babilônicas, segundo Newton, ‘toda a cronologia relevante precisa agora ser revista e toda dependência da lista [de reis] de Ptolomeu precisa ser eliminada’.” — Outubro de 1977, p. 80.

Vamos, no próximo e último artigo desta série, investigar essa CRONOLOGIA NEOBABILÔNICA.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org







[1] Ateus, agnósticos etc.

domingo, 21 de junho de 2015

O PARADIGMA CRONOLÓGICO BÍBLICO X A CRONOLOGIA SECULAR (Parte 2)


Esdras e os israelitas oram a Jeová
Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/historias-biblicas/5/esdras-reconstrucao-templo/

Por: Historiador JW


1-DESMASCARANDO A DATA DE 587 AEC

Evidências marcantes mostram claramente, só os cegos não veem, que o ano 607 AEC é biblicamente comprovado como a data legítima da devastação de Jerusalém. O povo de Jeová tem argumentos para provar isso a partir da Bíblia, mas infelizmente o Diabo com seu sistema religioso de ensino preferem aliar-se aos historiadores que, na sua grande parte, não acreditam numa “verdade” (JENKINS, 2001) motivando-os a olharem o passado de forma fria e sem fé; por isso, é impossível que tais mentes cegadas pelo sistema satânico enxerguem a Bíblia como AUTORIDADE ABSOLUTA no assunto. Por isso, como estudantes fervorosos da Bíblia, demolimos a falsa data de 587 AEC.

      Partindo do pressuposto inspirado de 1 Reis 6: 1, temos o 4º ano do rei Salomão e a construção do templo. O rei Salomão reinou de 1037 a 998, ou seja, esse ano corresponde a 1034 AEC. O próximo rei que sucedeu o trono foi seu filho Roboão, que em 997 AEC assumiu o poder e o cisma entre Israel e Judá começaram. Aqui temos a chave para calcular com exatidão o fim ou despojo de Jerusalém por Nabucodonosor II, rei de Babilônia. Se fizermos a soma de todos os reis de Judá, de Roboão a Zedequias, teremos ao todo 390 anos. Até mesmo Ezequiel, capítulo 4, fornece essa informação. Portanto, a lógica é a seguinte:

Ezequiel 4:5: “E eu é que tenho de dar-te os anos de seu erro no número de trezentos e noventa dias, e tens de levar o erro da casa de Israel”. Aplicando a regra do mesmo capítulo, um dia por um ano, temos 390 anos!” Portanto, partindo dessa narrativa, o reino de Judá teria 390 anos.

ENTÃO, MATEMATICAMENTE FICA ASSIM:
                          997 AEC -390= 607 AEC.

Já, pelo contrário, a data (926 AEC) dos livros didáticos como início do reino dividido não corresponde ao ano 587 AEC, embriagado pelos apóstatas, veja: (926-390= 537 AEC). Ou conforme a cronologia secular, (3029-390= 2.639). Quer dizer então que Jerusalém foi destruída em 2.639 AEC? Isso foi muito antes da existência da própria nação de Israel!

2-RECONTRUÇÃO DO TEMPLO POR ZOROBABEL
(Esd. 6:14, 15)

Tempo (Cronos):                                             AEC     EC
607AEC      587 AEC     539AEC   516/515AEC  ß 0 à   33 EC 

POR QUE A APLICAÇÃO DOS 70 ANOS, PERÍODO EM VERMELHO ACIMA, ESTÁ ERRADO?
    
    1.   A profecia de Jeremias 25: 11 fala de 70 anos literais. Se os 70 anos terminaram em 516/5 AEC com a reconstrução do templo, como explicar o versículo 12? “E terá de acontecer que, quando tiverem cumprido setenta anos, ajustarei contas com o rei de Babilônia e com aquela nação’, é a pronunciação de Jeová, ‘pelo seu erro, sim, com a terra dos caldeus, e vou fazer dela baldios desolados por tempo indefinido.” BABILÔNIA FOI DESTRUÍDA EM 516/5? Conforme o profeta Jeremias, o fim do exílio está também relacionado com o fim do reinado de Babilônia! O argumento evangélico é tão fraco, biblicamente falando, que, no entendimento deles, 516 finalizou a servidão dos judeus ao rei de Babilônia, pois a profecia-base (Jeremias 25:11) mostra plena servidão. Então, seguindo esse raciocínio, 516 AEC teria sido o fim do exílio e a conquista de Babilônia por Ciro! O que na realidade é um ABSURDO! UMA VERDADEIRA CONFUSÃO (BABILÔNIA).

    2.  É digno de nota que o relato de Esdras 6: 16 mostra os “anteriores exilados” ou filhos dos exilados (do aramaico beneh-gha·lu·thá), dá a ideia de passado, dando-nos o entendimento de que em pleno ano 516/5 o povo hebreu já tinha sido libertado do cativeiro. Tal entendimento bíblico, desmancha o argumento embriagado apóstata, pelo fato de os 70 anos não terem terminados naquele ano.


   3.  Outro ponto interessante é que em 516 o reino babilônico já não vigorava, pois a profecia de Jeremias diz que “quando tiverem cumprido [70] anos” Jeová iria exigir uma prestação de contas pelo rei ao SE CUMPRIR o período. Mas, em 516/5, em pleno reino fenício, a profecia não teria lógica...pois Babilônia como potência já não existia.

    4.  Outro detalhe, a cronologia secular também não apoia o período de 70 anos como tendo terminado em 516/5 AEC. Porque segundo alguns historiadores, a reconstrução do templo foi em 538 a.C., quando os judeus voltaram para Jerusalém, conforme também o livro de História Geral da FTD de 1995, do historiador Antônio Pedro. Portanto, a própria cronologia secular, que aponta 587 a.C., não considera o período de 516/5 AEC como reconstrução do templo por Zorobabel. Culminando em um grande problema para os apóstatas. Que problema? Esse: (587 A.C – 538 A.C = 49 anos). Portanto, como aderimos às Escrituras como autoridade absoluta, não duvidamos dos 70 anos literais profetizado em Jeremias, porque não somos ateus para questionar as palavras inspiradas do maior Professor do Universo – Jeová Deus.


   5.  Outra ignorância antagônica é facilmente detectada no período acima. Pois sendo assim, eles (os apóstatas) discordam também dos historiadores que enfatizam apenas os anos 587-539 como cativeiro de babilônia, ou seja, uns 50 anos! Contrariando também esses historiadores, os apóstatas dizem que o exílio durou 70 anos dentro da área marcada! Portanto os apóstatas querendo ou não, estão em desacordo também com os historiadores de que tanto falam.

No próximo artigo consideraremos:

NABUCODONOSOR II COMEÇOU A REINAR EM 604 AEC?


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org



domingo, 14 de junho de 2015

O PARADIGMA CRONOLÓGICO BÍBLICO X A CRONOLOGIA SECULAR (Parte 1)

Israelitas saem do cativeiro em Babilônia
Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/historias-biblicas/5/retorno-a-jerusalem/

Por: Historiador JW

A Cronologia Bíblia apresenta algumas datas marcantes que “escoram” 607 AEC, como o ano da destruição de Jerusalém. ‘Em nossa defesa’ apresentamos alguns exemplos:

1728 AEC[1]       Entrada dos Israelitas no Egito         
1513 AEC            Êxodo (saída do Egito)                                1034 AEC           Construção do templo
                                   
1513-1034= 479 anos


A informação do “quadringentésimo octogésimo ano” ou 479 anos completos comprova essa cronologia. Conforme visto em (1 Reis 6: 1) temos o ano preciso da construção do templo e o quarto ano de Salomão depois do êxodo.

Quatrocentos e cinquenta anos dos israelitas
(Atos 13: 17-20)

Outra comprovação da data 1513 AEC é defendida segundo o registro inspirado em Atos 13: 17-20. Vejamos:

1918 AEC à 1513 AECà 1467 AEC
46 anos depois do Êxodo.
1918 AEC - 450= 1468/7.
1918 AEC foi o ano do nascimento da “semente” da promessa, Isaque, o nascido da estéril Sara para um propósito especial.

O presente ano “1467” AEC finalizou o período de “450” anos informado pelo advogado e apóstolo Paulo. Ou seja, o período acima corresponde 46 anos depois do Êxodo finalizado em 1513, sendo 40 anos de peregrinação no ermo e 6 anos na conquista de Canaã. (Deuteronômio 2:7; Números 9:1; 13:1, 2, 6; Josué 14:6, 7, 10). Isso prova novamente que o ano 1513 AEC é verídico. Sendo assim, de acordo com a informação de 1 Reis 6:1, Salomão passou a construir o templo no seu “quarto ano”, ou seja 1034 AEC. Portanto Salomão começou a reinar no ano 1037 AEC. Partindo desse pressuposto, temos a contagem exata do fim de seu reinado (998 AEC), sendo 40 anos de reinado. Além disso, temos a data do início do reinado de seu filho Roboão, (997 AEC).  Esses dados cronológicos bíblicos verídicos apoiam a data 607 AEC, como a destruição de Jerusalém por Nabucodonosor II. Portanto, partindo do pressuposto inspirado dos 390 anos de reinado de Judá, descrito em Ezequiel 4:4-6 chegamos ao exílio de Jerusalém, ou fim do cisma entre Judá e a nação de Israel. Veja isso no próximo tópico:

1-DESMASCARANDO A DATA DE 587 AEC


Nota:
[1] O período desde a mudança de Abraão para Canaã até Jacó descer ao Egito foi de 215 anos. Este dado deriva dos seguintes fatos: Passaram-se 25 anos desde a partida de Abraão de Harã até o nascimento de Isaque (Gên 12:4; 21:5); desde então, até o nascimento de Jacó, decorreram 60 anos (Gên 25:26); e Jacó tinha 130 anos quando entrou no Egito (Gên 47:9); resultando assim no total de 215 anos (desde 1943 a 1728 AEC). Isto significa que os israelitas passaram então no Egito um período igual de 215 anos (desde 1728 a 1513 AEC). Que era possível os israelitas se terem multiplicado suficientemente em 215 anos para ter uma população com 600.000 “varões vigorosos” é demonstrado sob o verbete ÊXODO. — Êx 12:37.      (it-1 [Estudo Perspicaz das Escrituras, vol. 1] p. 615). (it-1 verbete Cronologia).



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org






sexta-feira, 5 de junho de 2015

Elias foi para o céu ou foi transferido para outra região na terra? (Parte 1)

Fonte: A Serviço do Reino

(Este artigo constitui uma reedição do artigo já publicado com o mesmo tema.)

Análise das cronologias e contextos bíblicos

Para ficar mais fácil de entender este assunto é necessário esclarecer que dois reis de nomes muitos parecidos (em algumas traduções bíblicas os nomes são iguais) reinaram juntos em determinados períodos da história bíblica dos reis de Israel e Judá. O rei de Israel se chamava Jorão. O rei de Judá se chamava Jeorão.

A confusão acontece devido a uma carta escrita pelo profeta Elias destinada a Jeorão (de Judá) alguns anos após o suposto arrebatamento de Elias, onde ele teria sido levado aos céus espirituais. Alguns sites na internet dão a entender que Elias mandou a carta enquanto ainda estava na terra, antes do arrebatamento. Outras dão a entender um possível espiritismo registrado na Bíblia, onde houve uma troca de informações do lado espiritual para o domínio material.

Neste artigo iremos analisar as passagens bíblicas e determinar corretamente quando foi que Elias mandou a carta, e se realmente Elias habita nos céus espirituais.

Análise Cronológica

“E no ano quinto de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, reinando ainda Jeosafá em Judá, começou a reinar Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá. Era ele da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar, e oito anos reinou em Jerusalém.”  2 Rs 8:16-17.

Temos assim que Jeorão, rei de Judá, começou a reinar no 5° ano de Jorão (913 AEC), rei de Israel, e reinou 8 anos até a sua morte no ano 906 AEC. – 2 Rs 8:16-17.

Co-regência Jeosafá / Jeorão  920 – 911 AEC

1. Conforme o texto acima Jeosafá ainda estava vivo quando Jeorão começou a reinar.

2. Jeorão foi, durante todo seu reinado, contemporâneo de Jorão, rei de Israel. A semelhança entre os dois nomes tende a exigir maior atenção quanto às referências que se seguem.

3. Jorão, o rei de Israel contemporâneo de Jeorão, rei de Judá, tem duas referências distintas sobre o início de seu reinado. 

3.1 Conforme 2 Reis 1:17: “Assim, pois, morreu (Acazias), conforme a palavra do Senhor, que Elias falara; e Jorão começou a reinar no seu lugar no ano segundo de Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá; porquanto não tinha filho”.

3.2 Conforme 2 Reis 3:1: “E Jorão, filho de Acabe, começou a reinar sobre Israel, em Samaria, no décimo oitavo ano de Jeosafá, rei de Judá; e reinou doze anos.”

Conclusão 1:  Se o 18° ano de Jeosafá, corresponde ao 2° ano de Jeorão, conforme os textos acima, logo, o 17° ano de Jeosafá corresponde ao 1° de Jeorão.

4. Vejamos agora o que nos diz 2 Reis 8:16-17: “E no ano quinto de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, reinando ainda Jeosafá em Judá, começou a reinar Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá. Era ele da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar, e oito anos reinou em Jerusalém.” 

4.1 Temos, desta forma, dois inícios distintos para Jeorão: o primeiro no 17° ano de Jeosafá, seu pai, e o segundo, 5 anos mais tarde, no 5° ano de Jorão, consequentemente 23° de Jeosafá. O primeiro registro indica que Jeorão já havia sido escolhido sucessor de Jeosafá, e o segundo indica a data em que passou realmente a correinar com seu pai.

4.2  Jeorão correinou, portanto, com seu pai Jeosafá, desde seu 17° ano de governo até o 25°, pois Jeosafá reinou 25 anos.

Conclusão 2: Entre 920 – 914 AEC Jeorão co-reinou com seu pai Jeosafá, numa espécie de 1ª co-regência, sem que Jeosafá tivesse qualquer impedimento para reinar sozinho. 

Daí,  917 AEC  ser o 2° ano de Jeorão (2 Reis 1:17), ano este em que Jorão assume o trono de Israel, sendo também o 19°- 20º ano de Jeosafá.  Seria por volta dessa época que Jeosafá e Acabe teriam consolidado sua aliança pelo casamento de seus filhos Jeorão e Atalia, o que demonstra que a oficialização da escolha de Jeorão tranquilizaria Acabe quanto a quem seria o sucessor em Judá. 

Jeosafá já tinha escolhido Jeorão para sucedê-lo, evitando dessa maneira possíveis disputas entre os demais filhos, conforme 2 Crônicas 21:2-3: “E [Jeorão], teve irmãos filhos de Jeosafá: Azarias, Jeiel, Zacarias, Asarias, Micael e Sefatias; todos estes foram filhos de Jeosafá, rei de Israel. E seu pai lhes deu muitos presentes de parata, de ouro e de coisas preciosíssimas, juntamente com cidades fortificadas em Judá; porém, o reino, deu a Jeorão, porquanto era o primogênito.”

Conclusão 3: Entre 913 – 911 AEC Jeosafá era ainda vivo, mas não tomava decisões de governo, o que nos sugere que Jeosafá pudesse ter adoecido gravemente (2 Rs 8:16). Durante esse período, Jeorão era o rei de fato.

5.  Entre 911 AEC (ano de falecimento de Jeosafá) e 906 AEC, Jeorão reinou sozinho. Tudo isso pode ser resumido segundo o quadro abaixo:

Reinado de Jeosafá
Ano AEC
Reinado de Jeosafá / Jeorão
Reino de Israel
Final de Asa / Início de Jeosafá (primavera)
937
Jeosafá
Acabe
1º ano Jeosafá
936
Jeosafá
Acabe
2º ano Jeosafá
935
Jeosafá
Acabe
3º  ano Jeosafá
934
Jeosafá
Acabe
4º  ano Jeosafá
933
Jeosafá
Acabe
5º ano Jeosafá
932
Jeosafá
Acabe
6º ano Jeosafá
931
Jeosafá
Acabe
7º ano Jeosafá
930
Jeosafá
Acabe
8º ano Jeosafá
929
Jeosafá
Acabe
9º ano Jeosafá
928
Jeosafá
Acabe
10º ano Jeosafá
927
Jeosafá
Acabe
11º ano Jeosafá
926
Jeosafá
Acabe
12º ano Jeosafá
925
Jeosafá
Acabe
13º ano Jeosafá
924
Jeosafá
Acabe
14º ano Jeosafá
923
Jeosafá
Acabe
15º ano Jeosafá
922
Jeosafá
Acabe
16º ano Jeosafá
921
Jeosafá
Acabe
17º ano Jeosafá
920
Jeosafá e Jeorão começam a co-regência em algum tempo nestas datas
Acazias
18º ano Jeosafá
919
Acazias
19º ano Jeosafá
918
Jorão assume ainda dentro do 18º ano de Jeosafá (919 - 918 AEC), mas se inicia a contagem do seu reinado no final de 918
20º ano Jeosafá
917
Jeosafá / Jeorão
Do final de 918 até final de 917 conta-se o primeiro ano de Jorão
21º ano Jeosafá
916
Jeosafá / Jeorão
2º ano
22º ano Jeosafá
915
Jeosafá / Jeorão
3º ano
23º ano Jeosafá
914
Jeosafá / Jeorão
4º ano
24º ano Jeosafá
913
1º ano
(Jeorão com 32 anos toma decisões no governo, pois Jeosafá está doente)

5º ano
25º ano Jeosafá
912
2º ano
6º ano
25 º ano e alguns meses (Jeosáfá morre e Jeorão assume só )
911
3º ano
(Jeosáfá morre e Jeorão assume só )
7º ano
Jeorão
910
4º ano
8º ano
Jeorão
909
5º ano
9º ano
Jeorão
908
6º ano
10º ano
Jeorão
907
7º ano
11º ano
Jeorão /Acazias
906
8º ano
12º ano
Acazias
905

12º ano e alguns meses (Jeú mata Jeorão e assume)
Atalia
904

Jéu (contagem oficial do reinado)



Jeú

Depois de analisar o quadro restam algumas perguntas: 

Quando Elias escreveu a carta a Jeorão, rei de Judá? A Bíblia diz: Jeosafá descansou com seus antepassados e foi sepultado junto deles na cidade de Davi, e seu filho Jeorão foi o seu sucessor. Ele tinha trinta e dois anos de idade quando começou a reinar, e reinou oito anos em Jerusalém. Então Jeorão recebeu uma carta do profeta Elias, que dizia...” –  2 Crônicas 21:1,5,12. 

“E no ano quinto de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, reinando ainda Jeosafá em Judá, começou a reinar Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá. Era ele da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar, e oito anos reinou em Jerusalém.” – 2 Reis 8:16-17.

O  primeiro texto se refere ao início do reinado de Jeorão (Judá) após a morte de seu pai, Jeosáfá. Segundo a cronologia, isso ocorreu em 911 AEC. Mas relembra que ele já tinha começado a co-reinar com seu pai já antes, quando tinha 32 anos de idade, no ano 913 AEC.

O segundo texto cita a co-regência de Jeorão com Jeosafá doente, sendo assim somente Jeorão a tomar decisões. Novamente cita a idade de 32 anos de idade como começo do seu governo, no quinto ano de Jorão, de Israel. Segundo o quadro, isto ocorreu a partir do ano 913 AEC.

Conclusão 4: Segundo a conclusão dos dois textos, ou Elias escreveu a carta depois da morte de Jeosafá, no ano 911 AEC, ou se alguém teimar e disser que foi antes, no máximo no ano de 913 AEC  (5º ano de Jorão de Israel) quando ele e seu pai reinaram juntos.

A pergunta que fica a ser esclarecida agora é: Quando é que Elias foi arrebatado? A Bíblia esclarece o contexto do capítulo 2 de 2 Reis.

A Bíblia nos diz: “E Acazias morreu, conforme a palavra do Senhor, anunciada por Elias. Como não tinha filhos, Jorão (Israel) foi o seu sucessor no segundo ano do reinado de Jeorão, rei de Judá, filho de Josafá.” – 2 Reis 1: 17.

Depois continua:  “Jorão, filho de Acabe, tornou-se rei de Israel em Samaria no décimo oitavo ano de Josafá, rei de Judá, e reinou doze anos.”  2 Reis 3:1.

Portanto, o relato do arrebatamento de Elias e a sucessão para Elizeu (capítulo 2 de 2 Reis) se encontra entre os capítulos 1 e 3 de 2 Reis. A Bíblia fornece a data aproximada nos dois livros: o ano 919-917 AEC, 2º  ano de Jeorão ou 18 º ano de Jeosafá, seu pai. 

Conclusão 5: Portanto, o arrebatamento de Elias ocorreu por volta dessa data central de 919-917 AEC.

Só que o relato da carta de Elias a Jeorão se encontra em 2 Crônicas 21, contando o  mesmo relato de 2 Reis 8, onde Elizeu já era o profeta de Israel. Compare novamente os dois textos:

“E no ano quinto de Jorão, filho de Acabe, rei de Israel, reinando ainda Jeosafá em Judá, começou a reinar Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá. Era ele da idade de trinta e dois anos quando começou a reinar, e oito anos reinou em Jerusalém.” – 2 Rs 8:16-17.

“Jeosafá descansou com seus antepassados e foi sepultado junto deles na cidade de Davi, e seu filho Jeorão foi o seu sucessor. Ele tinha trinta e dois anos de idade quando começou a reinar, e reinou oito anos em Jerusalém. Então Jeorão recebeu uma carta do profeta Elias, que dizia...” – 2 Crônicas 21:1, 5, 12.

Conclusão Final: Segundo a cronologia, se o arrebatamento de Elias foi por volta dos anos 919-917 AEC e a escrita da carta de Elias a Jeorão ocorreu no ano 913 AEC (no mínimo), podendo ter acontecido em 911 AEC depois da morte de Jeosafá, temos assim uma média de 5 anos após o episódio do arrebatamento de Elias. Sendo assim, Elias não poderia ter ido aos céus espirituais, mas antes foi apenas transferido de Israel para Judá através de um redemoinho.

Transferências de um local para outro numa época que não havia ainda meios de transportes tão rápidos como temos hoje, como os aviões, não era uma novidade na vida de Elias e nem nas páginas da Bíblia. Veja como a Bíblia fala disso: 

Quando Obadias estava a caminho, Elias o encontrou. Obadias o reconheceu, inclinou-se até o chão e perguntou: "És tu mesmo, meu senhor Elias?"

 "Sou", respondeu Elias. "Vá dizer ao seu senhor: Elias está aqui."

"O que eu fiz de errado", perguntou Obadias, "para que entregues o teu servo a Acabe para ser morto? Mas agora me dizes para ir até o meu senhor e dizer-lhe: ‘Elias está aqui’.

Não sei para onde o Espírito do Senhor poderá levar-te quando eu te deixar. Se eu for dizer a Acabe e ele não te encontrar, ele me matará. E eu, que sou teu servo, tenho adorado o Senhor desde a minha juventude. – 1 Reis 18:7-9, 11, 12.

Veja o que os ajudantes de Elizeu sugeriram a ele após o “arrebatamento” de Elias:

"Olha, nós, teus servos, temos cinquenta homens fortes. Deixa-os sair à procura do teu mestre. Talvez o Espírito do Senhor o tenha levado e deixado em algum monte ou em algum vale". Respondeu Eliseu: "Não mandem ninguém." – 2 Reis 2:16.

      Sendo assim, era de conhecimento (pelo menos da parte dos servos de Deus) tais transferências da parte de Jeová para outro local. Até mesmo no “Novo Testamento” encontramos relatos de milagres assim. Vejamos:

“Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe repentinamente. O eunuco não o viu mais e, cheio de alegria, seguiu o seu caminho. Filipe, porém, apareceu em Azoto e, indo para Cesaréia, pregava o evangelho em todas as cidades pelas quais passava.” – Atos 8:39, 40.

Depois de batizar o Eunuco etíope, Filipe foi transportado nos céus físicos até outras cidades para pregar o evangelho. Nessa ocasião Filipe não foi para os céus espirituais, mesmo a Bíblia dizendo que ele foi arrebatado.

Sendo assim, não seria incomum Elias ser transportado de um local até outro através do poder de Jeová. Um exame honesto e minucioso das Escrituras nos revela a verdade a respeito deste assunto. A segunda parte deste artigo irá analisar o contexto bíblico, e veremos se realmente antes de Jesus alguém poderia ter subido aos céus espirituais.


Os textos usados são da tradução “Nova Versão Internacional” (NVI).

Foi feita consulta à obra “Estudo Perspicaz das Escrituras”, (publicada pelas Testemunhas de Jeová) no tópico “Elias”.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org




Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *