Image Map











quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Destaques da Leitura da Bíblia: 2 Reis 5-8

Exemplo da menina israelita em evangelizar

Necessário modo entusiástico e convincente (w75 p. 21)

2 Reis 5:3-5: “Ela disse à sua senhora: ‘Seria tão bom se o meu senhor visitasse o profeta que está em Samaria! Ele o curaria da sua lepra.’ Então ele foi e contou ao seu senhor o que a menina de Israel tinha dito. Então o rei da Síria disse a Naamã: ‘Vá agora mesmo! Vou enviar uma carta ao rei de Israel.’” 

Necessário ter fé e coragem para falar a professores e colegas de escola (w05 1/8, p. 10)

Pessoa orgulhosa pode aprender a ser humilde e a aceitar adorar a Jeová (w05 1/8, p. 10)

2 Reis 5:11, 13, 14: “Então Naamã ficou indignado e resolveu ir embora, dizendo: ‘Eu disse a mim mesmo: “Ele virá para fora, ficará em pé na minha frente e invocará o nome de Jeová, seu Deus, movendo a mão para lá e para cá sobre a lepra para curá-la.”’ Seus servos aproximaram-se então e lhe disseram: ‘Meu pai, se o profeta lhe tivesse dito para fazer algo muito difícil, o senhor não faria? Quanto mais, então, se ele apenas lhe disse: “Lave-se e fique puro.”’ Em vista disso, ele foi e mergulhou no Jordão sete vezes, segundo a palavra do homem do verdadeiro Deus. Então sua carne foi restaurada, tornando-se como a de um menino, e ele ficou puro.

2 Reis 5:17: “Por fim, Naamã disse: ‘Já que o senhor não aceita, por favor, dê ao seu servo um pouco do solo deste país, a carga de um par de mulas, pois o seu servo não fará mais oferta queimada nem sacrifício a outros deuses, a não ser a Jeová.’”

Batismo bíblico não é por aspersão (borrifar água), e sim por imersão (mergulhar na água)

Em 2 Reis 5:14, o verbo “mergulhou” na versão da Septuaginta grega é ebaptísato, declinação de βαπτίζω (baptízo), que significamergulhar”, “imergir”. (LÉXICO DO NOVO TESTAMENTO GREGO / PORTUGUÊS, de F. Wilbur Gingrich; revisado por Frederick W. Danker.) A nota da NM reza: “Ou: ‘imergiu’.”

Obviamente, Naamã não foi batizado no sentido simbólico e espiritual usado nas Escrituras Gregas Cristãs (“Novo Testamento”), mesmo porque o verbo grego está no ativo, ao passo que ‘ser batizado’ é sempre usado no passivo. Mas o ponto é que o verbo grego usado para traduzir a palavra “batizar” significa “mergulhar”, “imergir”, e não “aspergir”, ou borrifar água em alguém.

Importante demonstrar gratidão pelas bênçãos recebidas de Jeová

2 Reis 5:15: “Depois disso ele e toda a sua comitiva voltaram ao homem do verdadeiro Deus. Ele ficou diante do profeta e disse: ‘Agora eu sei que não há Deus em nenhuma parte da terra a não ser em Israel. Agora, por favor, aceite um presente do seu servo.’” 

A gratidão de Naamã envolveu retornar ao profeta de uma distância de talvez 50 km cheio de apreço, expressar uma notável confissão de fé em Jeová e se dispor de recursos materiais.

Servos de Deus não procuram obter lucro pessoal indevido por meio do serviço a Deus

2 Reis 5:16: “No entanto, Eliseu disse: ‘Tão certo como vive Jeová, a quem sirvo, não aceitarei o presente.’ Naamã insistiu com ele para que o aceitasse, mas ele recusou.” 

Eliseu reconhecia que a cura não havia sido feita pelo seu poder, e sim pelo poder de Jeová. Era inconcebível tirar proveito de sua posição designada por Deus. – w05 1/8, p. 9.

Por outro lado, Eliseu aceitou a provisão de um quarto para pernoitar da parte da mulher de destaque de Suném.

2 Reis 4:10, 11: “‘Vamos fazer um pequeno quarto no terraço e colocar lá para ele uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candelabro. Assim ele poderá ficar lá toda vez que passar por aqui.’ Certo dia ele chegou ali e foi ao quarto no terraço para se deitar.”

Isso mostra que não é errado aceitar ajuda, mesmo recursos materiais, da parte de alguém que aprecia o serviço prestado a Deus. 

Filipenses 4:15, 16: “De fato, vocês, filipenses, também sabem que, depois de vocês terem ouvido as boas novas pela primeira vez, quando parti da Macedônia, nenhuma congregação tomou parte comigo na questão de dar e receber, a não ser vocês;pois, enquanto eu estava em Tessalônica, vocês me enviaram algo para as minhas necessidades não só uma vez, mas duas.”

No caso envolvendo Naamã era diferente, pois envolvia um milagre – uma cura – algo que somente Jeová pode realizar. (Veja Mateus 10:8.) Também, os recursos que os servos de Deus aceitam eles também usam para incrementar seu serviço prestado a Deus.

Cura espiritual tem primazia

Naamã foi curado de sua lepra após demonstrar humildade, ao passo que Geazi ficou leproso após demonstrar ganância. – 2 Reis 5:13, 14, 20-23, 26, 27.

O que governou tanto a cura física como a doença física foi a condição espiritual dos envolvidos. Isso mostra que a cura espiritual tem a prioridade.

Lucas 5:31, 32: “Em resposta, Jesus lhes disse: ‘Os que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes.Eu não vim chamar os justos ao arrependimento, mas os pecadores.’”

Jesus se referia nessa passagem a doentes em sentido espiritual, pois mencionou a seguir os “pecadores”.

As curas que Jesus realizava tinham um propósito espiritual: provar que ele era o enviado por Deus e para mostrar o que ele fará no seu Reino. O objetivo não era meramente curar, pois se o fosse, Jesus teria sido parcial, porque ele não curou a todas as pessoas, nem mesmo a todas as pessoas boas.

Assim, qualquer cura ou outro milagre realizado por Jeová antes do novo mundo de Deus tem um propósito espiritual, ligado à promoção dos interesses do seu Reino. (Exemplos interessantes podem ser lidos no Anuário das Testemunhas de Jeová de 1986 [yb], pp. 97-98, sob o tópico “Jeová provê a saída; w84 15/5, sob o tópico “Nova Zona de Batalha”, pp. 14-15, e “Da Guerra à Paz”, pp. 17-18; e g86 22/11, pp. 23-27, mas especialmente as páginas 24 e 25.)

Anuário das Testemunhas de Jeová de 1986 [yb], pp. 97-98, sobre a obra de pregação na Bolívia:

JEOVÁ PROVÊ A SAÍDA

[…] Em Coquesa, onde mora o irmão Toribio Cruz, o que ocorreu em 1970 dá evidência de como Jeová ajuda seus servos sob tais circunstâncias.
[…]
No entanto, Toribio estava em poder da turba. Bateram-lhe tão selvagemente que ele pensou que por certo iria morrer. Mas, conseguindo finalmente escapar, começou a correr. Com a turba logo atrás, ele chegou a um riacho profundo e de correnteza — largo demais, pensou ele, para pular para o outro lado. Mas ele não tinha opção. Pulou com todas as suas forças. Para sua própria descrença, ele conseguiu! Quando a turba chegou às margens do riacho, restava-lhes apenas observar espantados à medida que Toribio desaparecia de vista no outro lado.
Coberto de ferimentos e escassamente vestido, ele passou a noite gelada numa montanha próxima. Mas, o inacreditável pulo de Toribio aparentemente convenceu o povo de que seu Deus o ajudara. Em vez de queimarem a casa dele, como haviam feito no passado, eles a deixaram intacta. Ele pôde voltar à cidade e viver sem ser molestado, e hoje ele é o superintendente presidente da congregação local.


w84 15/5, pp. 14-15, 17-18, com o tema “Não mais aprenderei a guerra”:

Em 8 de agosto de 1942, na batalha de Atu, fomos atingidos e o nosso radar deixou de funcionar. Ao retornarmos à base, demos de encontro com um denso nevoeiro e perdemos nossa posição. A última coisa de que me lembro foi o capitão gritar: “Vamos bater!”
Quando recuperei os sentidos, podia ainda ver o nosso avião em chamas. Havíamos batido contra a encosta duma montanha, e eu havia sido lançado longe dos destroços.
[…]
Na próxima vez que acordei, estava acamado num hospital da Marinha com meu companheiro no leito ao lado. Ele viveu apenas alguns dias. Isso fez de mim o único sobrevivente duma tripulação de nove. Havia visto muitos homens morrer antes, mas agora meus companheiros mais achegados estavam todos mortos. Persistia em me perguntar: ‘Mas, por que eu? Por que devia eu sobreviver?’
[…]
Fui batizado em agosto de 1946, na assembléia “Nações Alegres”, em Cleveland, Ohio. Retornei a Anacortes e ingressei no ministério de tempo integral. Em 1947, fiz petição para servir na sede mundial da Sociedade Torre e Vigia, em Brooklyn, Nova Iorque. Fui admitido e apresentei-me em Betel em 29 de março de 1948. Trabalhei em diversos departamentos antes de ser designado ao Departamento de Serviço. Foi aqui que tive o privilégio de trabalhar como secretário do irmão T. J. (Bud) Sullivan, que mais tarde serviu como membro do Corpo Governante.
[…]
Em 1953, N. H. Knorr, então presidente da Sociedade Torre de Vigia (nos EUA), inesperadamente designou-me como o novo superintendente do Departamento de Serviço. Isso envolveria a supervisão de todas as atividades ministeriais nos Estados Unidos. Com a ajuda de Jeová, desincumbi-me dessa responsabilidade durante 22 anos. Desde 1975, isso tem sido cuidado por uma comissão.

g86 22/11, pp. 24-25, sob o tema “Um inventor faz sua maior descoberta”:
Minha carreira universitária quase terminou antes de começar. Comprei uma motocicleta para meu transporte sair mais barato, e, quando ia para a faculdade com meu colega de quarto na garupa, subitamente deparei com um caminhão parado. Tentei desviar-me dele e me joguei por um abismo de 12 metros. Até o dia de hoje, ainda posso fechar os olhos e ver o canyon rochoso vindo ao meu encontro.
Dentre a multidão que se juntou, um estranho alto, vestido de preto, andou até mim, e, com voz sóbria, fez uma declaração que deixou uma impressão indelével em mim: “Seu Deus o salvou hoje. Descubra quem ele é e o sirva.” Abruptamente, deu a volta e foi embora, deixando-me pensativo.
[…]
Para surpresa minha, aprendi que o inferno não é quente, a alma não é imortal, e que a Trindade não é verdadeira. (Salmo 16:10; Ezequiel 18:4; Jonas 2:2; João 14:28) Deus é um só Deus, e seu nome é Jeová, o nome que tinha feito meus ouvidos tilintar há muito tempo. Quanto mais examinava, mais as escamas caíam dos meus olhos. Tinha encontrado o Deus que aquele estranho, vestido de preto, tinha-me mandado procurar e servir. Este era o Deus a quem eu podia dedicar minha vida. Não era alguém cruel, que torturava pessoas no fogo e enxofre pela eternidade. Não era um farsante, que prometia que os mansos herdariam a Terra, e que então a queimaria. — Eclesiastes 1:4; 9:5, 10; Romanos 6:23. (Grifo acrescentado.)


Uso sábio da consciência

2 Reis 5:18, 19: “‘Mas que Jeová perdoe o seu servo apenas pelo seguinte: toda vez que o meu senhor, o rei, entra na casa de Rimom para se curvar ali, ele se apoia no meu braço, e eu tenho de curvar-me na casa de Rimom. Quando eu me curvar na casa de Rimom, por favor, que Jeová perdoe o seu servo.’ Então Eliseu lhe disse: ‘Vá em paz.’”

Isso mostra que é possível estar presente onde outros realizam atividades religiosas sem pessoalmente tomar parte delas.  – w80 1/6, p. 31.

É verdade que um observador poderia presumir a base do que visse, que Naamã era adorador do deus falso Rimom. Mas, se falasse com ele, verificaria que não era assim.” – Km 11/76, p. 4.

Assim, assistir a casamento em uma igreja ou ir a um funeral de conhecido ou parente é questão de consciência. O cristão evidentemente não irá participar em nenhum ritual da religião falsa. – w75 15/3, Pergunta dos Leitores, pp. 190-191; w02 15/5,  Pergunta dos Leitores, p. 28; w07 15/10 pp. 27-28, parágrafos 10-13.

Jeová apóia seus servos por causa de Seu nome

2 Reis 6:5-7: “Quando um dos profetas estava cortando uma árvore, o ferro do machado caiu na água, e ele gritou: ‘Ai, meu senhor, era emprestado!’ O homem do verdadeiro Deus perguntou: ‘Onde ele caiu?’ Ele mostrou o lugar. Então Eliseu cortou um pedaço de madeira e o jogou ali, e fez o ferro do machado flutuar. Ele disse: ‘Pegue-o.’ O homem estendeu a mão e o pegou.”

Eliseu demonstrou preocupação de que nenhum vitupério recaísse sobre o nome de Jeová, pois os profetas representavam a Deus. Se os profetas não pudessem devolver o machado que havia sido emprestado, o vitupério recairia sobre o nome de quem  representavam – Jeová.

A organização celestial de Jeová está sempre à frente dos demônios

Eliseu revelava ao Rei Jeorão cada movimento dos sírios:

2 Reis 6:8-10: “O rei da Síria foi guerrear contra Israel. Ele consultou os seus servos e disse: ‘Acamparei com vocês em tal lugar.’ Então o homem do verdadeiro Deus mandou dizer ao rei de Israel: ‘Cuidado, não passe por tal lugar, porque é para lá que os sírios estão indo.’ Portanto, o rei de Israel enviou uma mensagem ao lugar que o homem do verdadeiro Deus lhe havia mencionado. Eliseu continuou alertando o rei, e ele se mantinha afastado dos locais informados; isso aconteceu em várias ocasiões.”

A organização celestial de Jeová é superior aos demônios numericamente e em poder

2 Reis 6:16-18: “Quando o ajudante do homem do verdadeiro Deus se levantou cedo e saiu, viu que um exército cercava a cidade com cavalos e carros de guerra. Imediatamente o ajudante lhe disse: ‘Ai, meu senhor! O que faremos?’ Mas ele respondeu: ‘Não tenha medo! Pois os que estão conosco são mais numerosos do que os que estão com eles.’Então Eliseu começou a orar, dizendo: ‘Ó Jeová, por favor, abre os olhos dele para que veja.’ Jeová abriu imediatamente os olhos do ajudante, e ele viu que a região montanhosa estava cheia de cavalos e carros de guerra, de fogo, em volta de Eliseu. Quando os sírios desceram em sua direção, Eliseu orou a Jeová, dizendo: ‘Por favor, atinge esta nação com cegueira.’De modo que ele os atingiu com cegueira, assim como Eliseu tinha pedido.” 

Os que estão conosco [os anjos de Jeová] são mais numerosos do que os [demônios] que estão com” nossos opositores.

Jeová promete a seu povo fiel:

Isaías 41:11-14: “Veja! Todos os que se iram contra você serão envergonhados e humilhados.Os que lutam contra você serão reduzidos a nada e perecerão.Você procurará os que lutam contra você, mas não os achará; os que guerreiam contra você se tornarão como algo inexistente, como absolutamente nada.Pois eu, Jeová, seu Deus, seguro a sua mão direita; sou aquele que lhe diz: ‘Não tenha medo. Eu o ajudarei.’”

Jeová usou cegueira mental para proteger seus servos

2 Reis 6:18, 19: “Quando os sírios desceram em sua direção, Eliseu orou a Jeová, dizendo: ‘Por favor, atinge esta nação com cegueira.’De modo que ele os atingiu com cegueira, assim como Eliseu tinha pedido. Eliseu disse-lhes então: ‘Este não é o caminho, e esta não é a cidade. Sigam-me, vou levá-los ao homem que estão procurando.’ Mas ele os levou a Samaria.

A obra Estudo Perspicaz das Escrituras (volume 1, p. 798, verbete “Eliseu”) declara:

Eliseu diz aos sírios: “Segui-me”, mas não precisa guiá-los pela mão, indicando que se trata de cegueira mental, em vez de cegueira física. Eles não reconhecem Eliseu, a quem vieram capturar, nem sabem para onde ele os está levando. — 2Rs 6:8-19.

[…]

Sobre este tipo de cegueira diz William James, em Principles of Psychology (Princípios de Psicologia; 1981, Vol. 1, p. 59): “A cegueira mental é um dos resultados mais curiosos de distúrbio funcional do córtice cerebral. Não é tanto a insensibilidade às impressões óticas como é a incapacidade de compreendê-las. Psicologicamente se interpreta isso como perda de associações entre as sensações óticas e o significado delas; e qualquer interrupção das vias entre os centros óticos e os centros de outras idéias deve causar isto.”

Parece que Jeová também tem usado esse recurso para proteger seus servos atuais e promover a obra do Seu Reino. Lemos o seguinte no livro Revelação – Seu Grandioso Clímax Está Próximo! (p. 21):

Por exemplo, na Alemanha, sob Hitler, as Testemunhas mimeografavam e distribuíam cópias de A Sentinela, oficialmente proscrita pelas cruéis autoridades nazistas. Em Hamburgo, a Gestapo fez uma batida numa casa em que se fazia o serviço de mimeografar. A casa era pequena, e não havia maneira de esconder alguma coisa com segurança. A máquina de escrever fora deixada num armário, e o vultoso mimeógrafo fora colocado num depósito de batatas, no porão. Além disso, atrás do depósito havia uma mala cheia de revistas! A descoberta parecia inevitável. Mas o que aconteceu? O oficial que abriu o armário fez isso dum modo que não viu a máquina de escrever. Quanto ao porão, a dona da casa relatou: “Os três oficiais ficaram parados no meio do compartimento, imagine, ali mesmo onde havia o depósito com a mala cheia de Sentinelas atrás dele. Mas nenhum deles parecia notá-la; era como se tivessem sido cegados.” Graças a esta notável providência, a família pôde continuar a suprir alimento espiritual em tempos difíceis e perigosos.

Temos também a seguinte experiência:

As buscas feitas nas casas eram desagradáveis. Na moradia dos superintendentes muitas vezes havia relatórios congregacionais e era difícil mantê-los escondidos. No entanto, em mais de uma ocasião, Jeová cegou os olhos dos que queriam causar danos aos servos dele. O irmão Mařák, de Plzeň, lembra-se: “Eu servia como superintendente do serviço de campo. E num armário com portas de vidro eu tinha um grande envelope com relatórios de serviço de campo, donativos e uma lista dos nomes de todos os anciãos e servos ministeriais. Quando os homens que faziam a busca chegaram ao armário, minha esposa olhou para mim e começou silenciosamente a pedir a ajuda de Jeová. Os homens olharam através do vidro para o grande envelope cinzento, mas foi como se os olhos deles fossem cegados e eles não o viram. Agradecemos a Jeová do fundo do coração por esta proteção.” (yb00, pp. 197-198, sobre a obra de pregação na República Tcheca; veja também yb73, pp. 149-150, sobre a obra de pregação na República Dominicana.)


Atos de bondade resultam em paz 

2 Reis 6:20-23: “Quando eles chegaram a Samaria, Eliseu disse: ‘Ó Jeová, abre os olhos deles para que vejam.’ Então Jeová abriu os olhos deles, e eles viram que estavam no meio de Samaria. Quando o rei de Israel os viu, perguntou a Eliseu: ‘Devo matá-los, meu pai? Devo matá-los?’ Mas ele respondeu: ‘Não os mate. Por acaso o senhor mataria os que tivesse capturado com a espada e com o arco? Dê-lhes pão e água para que comam, bebam e depois voltem para o seu senhor.’ Assim, o rei fez um grande banquete para eles, e eles comeram e beberam; depois os mandou de volta para o seu senhor. E nem uma única vez os bandos de saqueadores sírios voltaram à terra de Israel.”

Eliseu demonstra fé no poder de Jeová e demonstra estar livre de qualquer espírito de vingança, levando a um resultado pacífico.

Tiago 3:17, 18:

“Mas a sabedoria de cima é primeiramente pura, depois pacífica, razoável, pronta para obedecer, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem hipocrisia.Além disso, o fruto da justiça é semeado em condições pacíficas para os pacificadores.”

Como harmonizar 2 Reis 6:23 e 24?

2 Reis 6:23: “E nem uma única vez os bandos de saqueadores sírios voltaram à terra de Israel.”

2 Reis 6:24: “Depois disso, Ben-Hadade, rei da Síria, reuniu todo o seu exército, subiu a Samaria e a cercou.

Não há nenhuma contradição. O versículo 24 não se refere a guerrilhas esporádicas, mas sim a uma formação para guerra em massa. Daí a razão de mencionar que o rei da Síria reuniu “todo o seu exército”. Na ocasião anterior a essa não faz menção da totalidade do exército sírio. – Veja 2 Reis 6:14, 15.

Jeová retém suas bênçãos quando seus servos são desleais

2 Reis 6:25: “Por isso houve uma grande fome em Samaria, e os sírios mantiveram o cerco até que a cabeça de um jumento chegou a valer 80 peças de prata, e um quarto de um cabo de esterco de pomba chegou a valer cinco peças de prata.” 

As 80 peças de prata (cerca de R$ 621,00 hoje, naquele tempo sendo o salário de 8 meses de trabalho), que antes poderiam ter comprado 1.760 litros de cevada, agora podiam comprar tão somente a cabeça ossuda e pouco carnuda de um jumento, que era um animal impróprio para alimento segundo a Lei mosaica, mas que se tornou alimento de luxo. — 2Rs 6:25; compare isso com Os 3:2. (Veja it-1, p. 721, verbete “Dinheiro”; it-2, p. 627, verbete “Jumento”.)

Também, um terço de 1 litro (c. 300 ml) de esterco de pomba, a ser usado como combustível, custava c. R$ 38,83 no dinheiro de hoje! Um litro daria c. de R$ 116,49! Esse valor hoje praticamente dá para comprar uma tonelada de esterco bovino de qualidade!

A fome era tamanha que levou ao canibalismo. – 2 Reis 6:26-29.

Tudo isso em cumprimento das maldições registradas na Lei mosaica a virem sobre os desleais servos de Deus.

Deuteronômio 28:45-53: “Todas estas maldições certamente virão sobre você, o perseguirão e o alcançarão, até que seja exterminado, porque você não escutou a voz de Jeová, seu Deus, guardando os mandamentos e os decretos que ele lhe ordenou. E elas permanecerão sobre você e sobre a sua descendência como sinal permanente e como aviso,  porque você não serviu a Jeová, seu Deus, com alegria e contentamento de coração, quando tinha tudo em abundância.  Jeová enviará seus inimigos contra você, e você os servirá com fome, sede, sem roupa suficiente e precisando de tudo. Ele porá um jugo de ferro no seu pescoço até que o tenha exterminado. Dos confins da terra, Jeová trará contra você uma nação distante — ela atacará velozmente como uma águia —, uma nação cuja língua você não entenderá, uma nação de aparência feroz que não terá consideração pelo idoso, nem mostrará favor ao jovem. Eles comerão as crias dos seus rebanhos e os frutos da sua terra, até que você seja exterminado. Eles não lhe deixarão nem cereais, nem vinho novo, nem azeite, nem bezerros nem cordeiros, até que tenham destruído você. Eles o sitiarão, prendendo-o dentro de todas as cidades da sua terra, até que caiam as muralhas altas e fortificadas em que você confia. Sim, eles certamente o sitiarão em todas as cidades da sua terra, que Jeová, seu Deus, lhe dá. Então você terá de comer os seus próprios filhos, a carne dos filhos e das filhas que Jeová, seu Deus, lhe der, por causa do terrível cerco e da aflição que os seus inimigos lhe causarão.”

É sábio assumir os próprios erros, em vez de lançar a culpa sobre outros

2 Reis 6:30, 31: “Assim que o rei ouviu as palavras da mulher, rasgou a roupa. Enquanto ele caminhava em cima da muralha, o povo viu que ele estava usando pano de saco por baixo da roupa. Então ele disse: ‘Que Deus me castigue, e que o faça severamente, se a cabeça de Eliseu, filho de Safate, continuar hoje sobre ele!’”

Em vez de reconhecer que sua própria falha na administração do povo e em promover a adoração correta de Jeová eram o motivo da severa fome em Samaria e se arrepender, o Rei Jeorão lançou a culpa sobre o profeta Eliseu. Por manter essa atitude insensível de falta de arrependimento, Jeorão foi executado por Jeú e seu cadáver sendo lançado no campo de Nabote. — 2 Reis 9:14-26.

Jeová provê abundância

2 Reis 7:1: “Eliseu disse então: “Escutem a palavra de Jeová. Assim diz Jeová: ‘Amanhã, por volta desta hora, no portão de Samaria, um seá de farinha fina valerá um siclo, e dois seás de cevada valerão um siclo.’”

Assim, com apenas uns R$ 8,00 seria possível comprar uns 7 litros de farinha fina (c. 4,5 kg) ou cerca de 15 litros de cevada.

Como expressa a BLH: “Amanhã a esta hora, você poderá comprar em Samaria três quilos e meio do melhor trigo ou sete quilos de cevada por dez gramas de prata.”

Devemos ser gratos a Jeová por todas as bênçãos que recebemos dele.

1 Tessalonicenses 5:18: “Deem graças por todas as coisas.”

A descrença leva a consequências drásticas

2 Reis 7:2: “Então o oficial em quem o rei confiava disse ao homem do verdadeiro Deus: ‘Mesmo que Jeová abrisse comportas nos céus, será que isso poderia acontecer?’ Eliseu respondeu: ‘Você verá isso acontecer com os seus próprios olhos, mas não comerá.’”

2 Reis 7:17: “O rei tinha encarregado do portão o oficial em quem ele confiava, mas o povo o pisoteou no portão, e ele morreu, assim como o homem do verdadeiro Deus disse ao rei quando tinha ido ao encontro dele.”

Zacarias, que se tornaria pai de João Batista, mostrou-se incrédulo quanto à declaração do anjo Gabriel, e por isso ficou mudo até o nascimento de João Batista.

Lucas 1:18-20: “Zacarias disse ao anjo: ‘Como posso ter certeza disso? Pois sou idoso e minha esposa já é de idade bem avançada.’ Em resposta, o anjo lhe disse: ‘Eu sou Gabriel e estou diante de Deus; fui enviado para falar com você e lhe declarar estas boas novas. Mas agora você ficará mudo e não poderá falar até o dia em que essas coisas ocorrerem, porque não acreditou nas minhas palavras, que se cumprirão no seu tempo determinado.’” 

Hebreus 11:6: “Sem fé é impossível agradar a Deus, pois quem se aproxima de Deus tem de crer que ele existe e que se torna o recompensador dos que o buscam seriamente.

Jeová cumpre suas promessas

2 Reis 7:6, 7: “Jeová havia feito que se ouvisse no acampamento dos sírios o barulho de carros de guerra e de cavalos, o barulho de um enorme exército. De modo que os sírios disseram uns aos outros: ‘Vejam! O rei de Israel contratou os reis dos hititas e os reis do Egito para virem contra nós.’ Eles fugiram imediatamente ao anoitecer, abandonando suas tendas, seus cavalos, seus jumentos, e deixando o acampamento como estava. Eles fugiram para salvar a vida.”

2 Reis 7:16: “Então o povo saiu e saqueou o acampamento dos sírios. Assim, um seá de farinha fina chegou a valer um siclo, e dois seás de cevada chegaram a valer um siclo, segundo a palavra de Jeová.

Jeová cuida de seus servos

2 Reis 8:1: “Eliseu disse à mulher cujo filho ele tinha trazido de volta à vida: ‘Vá com os da sua casa e more como estrangeira onde puder, pois Jeová declarou que haverá uma fome no país, e ela durará sete anos.’” 

Quando a mulher retornou e solicitou de volta sua propriedade, Jeová providenciou uma conversa entre o rei de Israel e o ajudante de Eliseu, que trouxe à atenção o milagre da ressurreição do filho dela. Nesse momento, a mulher se aproximou do rei, que providenciou a devolução de tudo que era dela.

2 Reis 8:6: “Então o rei perguntou à mulher como isso tinha acontecido, e ela lhe contou a história. O rei colocou então à disposição dela um oficial da corte, dizendo: ‘Devolva tudo o que lhe pertence e todo o valor da produção do seu campo, desde o dia em que ela deixou o país até agora.’”

Explicação de aparente contradição

2 Reis 8:10: “Eliseu lhe respondeu: ‘Vá e diga-lhe: “O senhor com certeza se recuperará”; mas Jeová me mostrou que ele certamente morrerá.’”

A resposta de Eliseu mostrava que Ben-Hadade se recuperaria da doença, mas que seria morto de outra forma.

2 Reis 8:14, 15: “Então ele saiu de diante de Eliseu e voltou ao seu senhor, que lhe perguntou: ‘O que Eliseu lhe disse?’ Ele respondeu: ‘Ele disse que o senhor com certeza se recuperará.’ Mas, no dia seguinte, Hazael pegou uma colcha, mergulhou-a em água e segurou-a sobre o rosto do rei até ele morrer. E Hazael tornou-se rei no seu lugar.

Más associações prejudicam bons hábitos

2 Reis 8:18: “[Jeorão, filho de Jeosafá, rei de Judá] andava no caminho dos reis de Israel,assim como os da casa de Acabe tinham feito, pois a filha de Acabe havia se tornado sua esposa; e ele fazia o que era mau aos olhos de Jeová.”

2 Reis 8:26, 27: “Acazias tinha 22 anos de idade quando se tornou rei, e reinou por um ano em Jerusalém. O nome da sua mãe era Atalia, neta de Onri, rei de Israel. Acazias andava no caminho da casa de Acabe e fazia o que era mau aos olhos de Jeová, assim como os da casa de Acabe faziam, pois o seu pai era casado com uma mulher da casa de Acabe.

Atalia era filha de Acabe e de Jezabel. – 1 Reis 16:29.

1 Coríntios 15:33: “Não se deixem enganar. Más companhias estragam bons hábitos.”

Provérbios 13:20: “Quem anda com sábios se tornará sábio, mas quem se junta com tolos acabará mal.”

Explicação das siglas usadas:

BLH: Bíblia na Linguagem de Hoje.
g: revista Despertai!, publicada pelas Testemunhas de Jeová. (Os números que seguem se referem, respectivamente, ao ano, à quinzena e ao mês.)
it: Estudo Perspicaz das Escrituras, obra publicada pelas Testemunhas de Jeová. (O número que segue à sigla se refere ao volume.)
Km 11/76: Nosso Ministério do Reino de novembro de 1976, periódico publicado pelas Testemunhas de Jeová.
w: revista A Sentinela de 1975, publicada pelas Testemunhas de Jeová. (Os números que seguem se referem, respectivamente, ao ano, à quinzena e ao mês.)


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org








Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *