Image Map











sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Que dizer de 1 Coríntios 7:36-38 na nova Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada?



Fonte da foto: https://www.jw.org/pt/noticias/noticias/por-regiao/mundo/testemunhas-de-jeova-lancam-edicao-grande-da-biblia/ 


Um leitor deste site indagou sobre o modo em que a Tradução do Novo Mundo traduz agora o texto de 1 Coríntios 7:36-38, tendo em vista os artigos neste site que fizeram um desafio saudável e cordial aos leitores para que apresentassem um tradução da Bíblia que se equiparasse à Tradução do Novo Mundo na qualidade da tradução desse texto específico.

A anterior Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas traduz assim o texto de 1 Coríntios 7:36-38:

“Mas, se alguém pensa que se está comportando de modo impróprio para com a sua virgindade, se esta estiver além da flor da juventude, e este é o modo em que deve ocorrer, faça ele o que quiser; ele não peca. Casem-se. Mas, se alguém estiver resolvido no seu coração, não tendo necessidade, mas tiver autoridade sobre a sua própria vontade e tiver feito esta decisão no seu próprio coração, de manter a sua própria virgindade, ele fará bem. Conseqüentemente, também faz bem aquele que der a sua virgindade em casamento, mas, aquele que não a der em casamento fará melhor.”

Como a série de artigos intitulada “Um desafio aos católicos e aos evangélicos” (partes 1 a 5) mostrou, das traduções de língua portuguesa, somente a Tradução do Novo Mundo traduz a palavra grega parthénos por “virgindade”.  Como a parte 2 dessa série mostrou,


As demais traduções que pesquisei até a composição deste artigo traduzem “virgindade” (condição ou estado de uma pessoa virgem) simplesmente por “virgem” (pessoa), e algumas ainda acrescentam a palavra “filha”, fazendo o texto rezar “filha virgem”, ao passo que outras traduzem por “noiva”. O resultado é uma confusão que faz promover o machismo e até o incesto!

O último artigo da série mostrou que, em português, com exceção da Tradução do Novo Mundo, apenas a Bíblia Viva traz a ideia correta do texto em apreço:

O 5.º artigo expôs que essa tradução, por não traduzir parthénos por “virgindade”, não dá o pleno sentido da palavra no original grego.

Acontece que a atual Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada traduz 1 Coríntios 7:36-38 da seguinte forma:

Mas, se alguém, por ficar sem se casar,* acha que está se comportando de modo impróprio, e se ele estiver além da flor da juventude, então isto é o que deve ocorrer: que ele faça o que quer; ele não peca. Que se casem. No entanto, se alguém estiver resolvido no coração e não sentir necessidade, mas tiver controle sobre a sua própria vontade e tiver tomado no seu próprio coração a decisão de não se casar,* ele fará bem. Assim também, aquele que se casa* faz bem, mas aquele que não se casar fará melhor.

Por que a atual Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada não traduz parthénos por “virgindade”?

O fato é que a atual Tradução do Novo Mundo contém um recurso que a anterior Tradução do Novo Mundo de tamanho médio não tinha: notas de rodapé que dão o sentido literal do texto nas línguas originais.

Por ter esse recurso, a atual Tradução do Novo Mundo pode fazer uma versão facilitada no texto principal e apontar o sentido literal nas notas.

Veja, portanto, o leitor, como as notas apontam o sentido literal de parthénos:

Nota de rodapé referente ao versículo 36: “Ou: ‘com relação à sua virgindade’.”

Nota de rodapé referente ao versículo 37: “Ou: ‘de manter a sua própria virgindade’.”

Nota de rodapé referente ao versículo 38: “Ou: ‘que dá a sua virgindade em casamento’.”

Assim, a Tradução do Novo Mundo não abandonou a tradução literal das palavras de acordo com as línguas originais. Obviamente, a Bíblia Viva não faz isso – não apresenta uma tradução literal das palavras nas línguas originais. E as demais traduções em português fazem muito pior: conforme a série de artigos mostrou, elas definitivamente traduzem essa passagem de forma errada e absurda, dando margem até à incredulidade para com a sagrada Palavra de Deus!

Por isso, este site continuará a dar atenção a trazer à tona as verdades da Palavra de Deus e de sua correta interpretação, bem como a tradução que melhor as expressa – sem dúvida alguma, a Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.

Veja também os artigos:

Um desafio aos católicos e aos evangélicos! – Parte 1

Um desafio aos católicos e aos evangélicos! – Parte 2

Um desafio aos católicos e aos evangélicos! – Parte 3

Um desafio aos católicos e aos evangélicos! – Parte 4

Um desafio aos católicos e aos evangélicos! – Parte 5(Final)

παρθένος (“Parthénos”) em 1 Coríntios 7:36-38 – “virgem”ou “virgindade” ?

 

 

A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org


 


sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Mateus 27:37 prova que Jesus foi pregado em uma cruz?


Fonte da ilustração: https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/wp20140501/voce-sabia

Certo leitor fez a seguinte colocação:

Se Jesus foi colocado em uma estaca, porque a Palavra em Mateus 27:37 diz: Também colocaram acima de sua cabeça a acusação contra ele, por escrito:  “Este é Jesus, o Rei dos Judeus”. Se Jesus fosse colocado em uma estaca, não seria mais correto dizer “acima de suas mãos”?

Cerca de um ano antes dessa colocação, alguém já havia feito colocação semelhante para o autor do site Tradução do Novo Mundo Defendida:

Oi, Sr. Queruvim! Artigo muito bom. Outro dia um adventista disse que é praticamente impossível Cristo ter si morto numa estaca, conforme a narrativa de Mateus 27: 37. Pois a placa tinha que ficar entre a cabeça e as mãos, ou ainda, o texto inspirado teria falado “por cima de suas mãos”. Eu estou coletando informações pra ajudá-lo a sair dessa ideologia pagã! Vou revisitá-lo quando conseguir uma interpretação valiosa, conforme o entendimento correto usado por nós – a estaca de tortura. O irmão tem algum ponto sobre esse versículo? Como posso refutá-lo?


Por conseguinte, transcrevo neste artigo a resposta muito bem fundamentada fornecida pelo Queruvim, conforme segue abaixo:


Mateus 27:37: “Também puseram por cima de sua cabeça a acusação contra ele, por escrito: “Este é Jesus, o Rei dos judeus”.

Marcos 15:26: “E a inscrição de acusação estava escrita mais acima: “O Rei dos Judeus.”

Lucas 23:38: “Havia também uma inscrição por cima dele:* “Este é o rei dos judeus.”

“Por cima dele”, “mais acima” e “por cima de sua cabeça” podem ser frases corretamente aplicadas tanto se ele estivesse pendurado em uma estaca quanto se estivesse em uma cruz tradicional. Não se pode concluir nem uma coisa nem outra a partir destes textos. São inconclusivos. Logo abaixo fiz uma observação adicional sobre esta pergunta recorrendo a o texto grego e ao uso de preposição.

Se o escritor inspirado tivesse registrado que a inscrição ou titulus estava acima dos braços dele, estaria também acima da cabeça? Sim, estaria. Portanto, a frase ἐπάνω τῆς κεφαλῆς αὐτοῦ (“acima da cabeça dele”) não fornece indicação alguma a respeito do instrumento no qual Cristo foi pendurado. Os apóstolos foram específicos ao dizerem que ele foi pendurado em um staurós. Staurós não se referia originalmente a um objeto cruciforme, como têm afirmado alguns de uns tempos para cá, mas se referia apenas a uma estaca ou poste. Se o apóstolo quisesse apresentar uma imagem de Cristo numa Cruz e com braços abertos, com o títulus logo acima/junto de sua cabeça, teria provavelmente empregado a preposição σύν e não ἐπάνω.

Além disso, observe o que um pesquisado chamado Alexandre em um comentário acima fala sobre isso:

“Não tem muito sentido dizer que teria que estar escrito que a placa estava “em cima das mãos” se Jesus foi pendurado numa estaca, pelo seguinte:

A cabeça é a parte mais importante do corpo, quando alguém fica de cabeça pra baixo, ninguém diz que “Fulano ficou de pés pra cima”, e sim, “Fulano ficou de cabeça pra baixo”.

Por isso não teria sentido a Bíblia dizer que a placa ficou “por cima de suas mãos”, até porque ficaria confuso para o leitor que não testemunhou o ocorrido ler, pois poderia imaginar que Jesus não foi pendurado de pé, ou poderia imaginar que ele estava segurando a placa como um garçom segura uma bandeja etc. Ficaria confuso. Por outro lado dizer que a placa estava “em cima da cabeça” fica claro pra qualquer um que a placa estava no alto, ACIMA de Jesus”.




A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.





Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





sábado, 16 de janeiro de 2016

Qual é a “lei de Deus” citada em Romanos 8:7?

Fonte da ilustração: 
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/vida-feliz/por-que-deus-deu-tora/


            Em Romanos 7:25, Paulo contrasta a “lei de Deus” com a “lei do pecado”, e em Romanos 8:7 ele declara:

Porque fixar a mente na carne significa inimizade com Deus,visto que a carne não está em sujeição à lei de Deus; de fato, nem pode estar.

O que o contexto revela?

Lemos em Romanos 8:1, 2: “Portanto, não há nenhuma condenação para os que estão em união com Cristo Jesus. Pois a lei do espírito que dá a vida em união com Cristo Jesus libertou você da lei do pecado e da morte. 

Os versículos iniciais de Romanos capitulo 8 mostram duas coisas:

(1) Que a inteira Lei dada a Israel por meio de Moisés, incluindo os Dez Mandamentos, já havia findado;

(2) que a “lei” de que Paulo fala é a “lei do Cristo” inclusa no novo pacto, ou concerto, que Jeová fez com os cristãos por meio de Jesus Cristo. (Gálatas 6:2) Como sabemos disso?

2 Coríntios 3:5-11 declara: “Não que estejamos qualificados por nós mesmos para considerar que qualquer coisa venha de nós, mas a nossa qualificação vem de Deus, que de fato nos habilitou para sermos servos de um novo pacto, não de um código escrito, mas do espírito; pois o código escrito condena à morte, mas o espírito dá vida. Ora, se o código que ministra a morte e que foi gravado com letras em pedras veio com tal glória que os filhos de Israel não podiam olhar para o rosto de Moisés por causa da glória do seu rosto, glória que seria eliminada, não deveria a ministração do espírito ter uma glória ainda maior? Pois, se o código que ministrava a condenação era glorioso, quanto mais gloriosa seria a ministração da justiça! De fato, mesmo aquilo que no passado havia sido feito glorioso perdeu a glória por causa da glória que lhe é superior. Pois, se aquilo que seria eliminado foi introduzido com glória, quanto maior seria a glória daquilo que permanece!

Portanto, a Lei, incluindo os Dez Mandamentos (‘gravados com letras em pedras’), condenava e foi eliminada. Em seu lugar foi estabelecido o código do espírito, também chamado de “novo pacto” (em relação ao pacto da Lei dada a Israel), novo pacto esse que “dá vida”, que tem “uma glória ainda maior” do que os Dez Mandamentos e que “permanece”.

Por conseguinte, “a lei do espírito que dá a vida em união com Cristo” é a Lei do Cristo inclusa no novo pacto instituído com os cristãos.

Por que foi necessário substituir a Lei dada a Israel pelo novo pacto com a lei do Cristo?

Romanos 8:3 explica o motivo:

“O que a Lei era incapaz de fazer, visto que era fraca por causa da carne, Deus fez por enviar o seu próprio Filho na semelhança da carne pecaminosa para eliminar o pecado. E assim condenou o pecado na carne, para que as justas exigências da Lei se cumprissem em nós, que não andamos de acordo com a carne, mas de acordo com o espírito.

Tal incapacidade da Lei (incluindo os Dez Mandamentos) não significava que ela era imperfeita. A imperfeição residia nos que estavam debaixo dela (sujeitos a ela). E a Lei era incapaz de dar vida, pois trazia à tona o pecado e condenava os pecadores à morte. Paulo explica isso nos textos abaixo:

Romanos 7:7-14: “O que diremos então? Será que a Lei é pecado? Certamente que não! Na verdade, eu não teria conhecido o pecado se não fosse a Lei. Por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça se a Lei não dissesse: ‘Não cobice.’ Mas o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de cobiça, pois sem lei o pecado estava morto.  De fato, antes, sem lei, eu estava vivo. No entanto, ao chegar o mandamento, o pecado voltou a viver, mas eu morri. E o mandamento que era para levar à vida, descobri que levava à morte. Pois o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, me seduziu e, por meio deste, me matou. Assim, a Lei em si mesma é santa, e o mandamento é santo, justo e bom. Portanto, será que o que é bom causou a minha morte? Certamente que não! Mas o pecado fez isso, para que fosse exposto como pecado, produzindo em mim a morte por meio do que é bom, de modo que, por meio do mandamento, o pecado se tornasse muito mais pecaminoso. Pois sabemos que a Lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendido como escravo ao pecado.

Romanos 3:20: “Portanto, ninguém será declarado justo diante dele por obras exigidas por lei, pois o que vem por meio da Lei é a plena consciência do pecado.”

Romanos 4:15: “Na realidade, a Lei produz a ira.”

Romanos 5:20: “A Lei veio para que as falhas se multiplicassem. Mas, onde o pecado se tornou abundante, a bondade imerecida se tornou ainda mais abundante.”

Gálatas 3:21, 22: “Pois, se tivesse sido dada uma lei que fosse capaz de dar vida, a justiça teria realmente vindo por meio de lei. Mas as Escrituras entregaram tudo à custódia do pecado, para que a promessa resultante da fé em Jesus Cristo fosse dada aos que exercessem fé.

Embora a inteira Lei dada a Israel foi abolida (incluindo os Dez Mandamentos), seus princípios básicos – “a justa exigência da lei(IBB) – foram incluídos na Lei do Cristo.

Veja isso no quadro abaixo:


Leis do Decálogo
Princípio envolvido
Aplicação no cristianismo
1 – Não adorar outro Deus além de Jeová
Adoração exclusiva
“Os verdadeiros adoradores adorarão o Pai.” – João 4:23
2 – Não adorar ídolos
Adoração exclusiva
“Fujam da idolatria.” – 1 Coríntios 10:14
3 – Não tomar o nome de Deus, Jeová, em vão
O nome divino é sagrado e eterno
“Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome.” – Mateus 6:9
4 – Guardar o sábado semanal
Priorizar assuntos espirituais
Usar o seu tempo do melhor modo possível.’ – Efésios 5:16
5 - Honrar pai e mãe
Santidade da vida, transmitida através dos pais. – Provérbios 23:22a;
Respeito à autoridade divinamente constituída. – Proverbios 1:8
Filhos, sejam obedientes aos seus pais em união com o Senhor, pois isso é justo.” – Efésios 6:1
6 – Não assassinar
Santidade da vida. – Gênesis 9:5, 6
“Os assassinos terão a sua parte no lago que queima com fogo e enxofre.– Apocalipse 21:8
7 - Não cometer adultério
Lealdade ao arranjo divino do casamento
O casamento seja honroso entre todos, e o leito conjugal mantido puro, porque Deus julgará os que praticam imoralidade sexual e os adúlteros.” – Hebreus 13:4
8 – Não furtar
Direito divinamente concedido de posse
“Quem furta não furte mais; em vez disso, trabalhe arduamente, fazendo com as mãos um bom trabalho, a fim de ter algo para repartir com alguém em necessidade. – Efésios 4:28
9 – Não dar falso testemunho
Respeito à integridade moral e à santidade da vida. – Salmo 15:3; Levíticos 19:16
“Todos os mentirosos terão a sua parte no lago que queima com fogo e enxofre. Esse representa a segunda morte.” – Apocalipse 21:8
10 – Não cobiçar
Respeito ao direito divinamente concedido de posse alheia (do concreto e do abstrato)
“Façam morrer, portanto, os membros do seu corpo com respeito a … ganância, que é idolatria.” – Colossenses 3:5

Fonte: Os “DezMandamentos” com seu sábado semanal devem ser guardados pelos cristãos? – Parte7 

 

Paulo declara em Romanos 8:5: “Pois os que vivem de acordo com a carne fixam a mente nas coisas da carne; mas os que vivem de acordo com o espírito, nas coisas do espírito.” 

Novamente, ele ressalta a “lei do espírito que dá a vida” – a Lei do Cristo, que fundamenta o novo pacto. 

Sobre isso, ele ainda explica: Mas eu digo: Continuem andando por espírito, e não executarão nenhum desejo carnal.” – Gálatas 5:16. 

“Se, porém, sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da Lei [sujeitos à Lei]. – Gálatas 5:18, SBB. 

Portanto, a “lei de Deus” a que o apóstolo Paulo se refere em Romanos 8:7 é a lei do Cristo, que fundamenta o novo pacto que Jeová estabeleceu com os cristãos por meio de Jesus Cristo.


Explicação das siglas usadas:

IBB: Almeida da Imprensa Bíblica Brasileira.
SBB: Bíblia da Sociedade Bíblica Britânica.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *