Image Map











domingo, 30 de outubro de 2016

A Vida de Jesus – o Evangelho Unificado (parte 31)

Fonte da ilustração:
Livro O Maior Homem Que Já Viveu - História n.º 57

Cura da filha possessa duma mulher estrangeira
(Unificação de Mat. 15:21-28 com Mar. 7:24-30)
Ele se levantou e foi dali para as regiões de Tiro e Sídon.[1] E entrou numa casa e não quis que alguém soubesse disso. Contudo, não pôde passar despercebido; mas uma mulher grega, siro-fenícia[2] de nacionalidade, daquelas regiões, cuja filhinha tinha um espírito impuro, ouviu logo a respeito dele [e] saiu e gritou alto, dizendo: “Tem misericórdia de mim, Senhor, Filho de Davi. Minha filha está muito endemoninhada.” Mas ele não lhe respondeu nenhuma palavra. De modo que seus discípulos se aproximaram e começaram a solicitar-lhe: “Manda-a embora; porque persiste em clamar atrás de nós.” Em resposta, ele disse: “Não fui enviado a ninguém senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.” Chegando a mulher, prostrou-se aos seus pés [e] começou a prestar-lhe homenagem, dizendo: “Senhor, ajuda-me!” E ela persistia em pedir-lhe que expulsasse de sua filha o demônio.
Em resposta, ele disse: “Deixa primeiro os filhos ficar satisfeitos, pois não é direito tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.” Em resposta, porém, ela lhe disse: “Sim, Senhor; mas, realmente, os cachorrinhos debaixo da mesa comem das migalhas das criancinhas, que caem da mesa dos seus amos.” A isto Jesus disse-lhe então, em resposta: “Ó mulher, grande é a tua fé. Por dizeres isso, aconteça-te conforme desejas. Vai; o demônio saiu de tua filha.” E a filha dela ficou curada daquela hora em diante. Ela foi assim para sua casa e achou a criancinha deitada na cama e o demônio já tinha saído.

Fonte da ilustração:
Livro O Maior Homem Que Já Viveu - História n.º 57
Cura de um surdo com um impedimento na fala
(Unificação de Mat. 15:29-31 com Mar. 7:31-37)
Voltando então das regiões de Tiro, passou por Sídon, atravessando dali o país, [e] veio a seguir para perto do mar da Galileia, subindo através das regiões de Decápolis.[3] E, tendo subido ao monte, estava assentado ali. Aproximaram-se-lhe então grandes multidões, trazendo coxos, aleijados, cegos, mudos e muitos outros, e quase que os lançavam aos seus pés, e ele os curava; de modo que a multidão ficou pasmada de ver os mudos falar, e os coxos andar, e os cegos ver, e glorificavam o Deus de Israel.
(Mar. 7:32-37)
32 Ali lhe trouxeram um surdo com um impedimento na fala, e suplicaram-lhe que pusesse a sua mão sobre ele. 33 E ele o levou à parte, separado da multidão, e pôs os seus dedos nos ouvidos do homem, e, depois de cuspir[4], tocou na língua dele. 34 E, com um olhar para o céu, suspirou profundamente e disse-lhe: “Efatá”[5], isto é: “Abre-te.” 35 Ora, sua faculdade de ouvir foi aberta e o impedimento de sua língua foi solto, e começou a falar normalmente. 36 Com isso os advertiu que a ninguém o dissessem; mas, quanto mais os advertia, tanto mais o proclamavam. 37 Deveras, estavam ficando assombrados de maneira mais extraordinária, dizendo: “Todas as coisas ele tem feito bem. Faz até os surdos ouvir e os mudos falar.”

Fonte da ilustração:
Livro O Maior Homem Que Já Viveu - História n.º 57

Jesus alimenta milagrosamente quatro mil homens
(Unificação de Mat. 15:32-38 com Mar. 8:1-9)
Naqueles dias, quando havia novamente uma grande multidão e não tinham nada para comer, Jesus chamou a si os seus discípulos e disse: “Tenho pena da multidão, porque já faz três dias que permanecem perto de mim e não têm nada para comer; e eu não quero mandá-los embora para seus lares em jejum. Poderiam desfalecer pela estrada. Deveras, alguns deles vieram de longe.” Mas os seus discípulos responderam-lhe: “Onde vamos arranjar neste lugar isolado pães suficientes para satisfazer uma multidão deste tamanho?” A isso Jesus disse-lhes: “Quantos pães tendes?” Disseram: “Sete, e alguns peixinhos.”
Portanto, depois de mandar a multidão recostar-se no chão, tomou os sete pães, e, tendo dado graças, partiu-os e começou a distribuí-los entre os discípulos, para os servirem, e os discípulos, por sua vez, serviram-nos às multidões. E, tendo abençoado [os peixinhos], disse-lhes que os servissem também.  Concordemente, todos comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram os pedaços que sobraram, sete cabazes[6] cheios. Contudo, os que comeram foram quatro mil homens, além de mulheres e criancinhas. Por fim os despediu.

Explicação das siglas usadas:

gt: Livro O Maior Homem Que Já Viveu.
it: obra Estudo Perspicaz das Escrituras. O número em sequência indica o volume.
w: revista A Sentinela. Os números em sequência indicam, respectivamente, o ano, o dia e o mês da publicação.

Notas:
[1] Cidades da Fenícia. A Fenícia era a região demarcada pela faixa litorânea ao longo da margem oriental do Mediterrâneo entre a Síria e Israel, limitada ao L pelos montes do Líbano. Correspondia aproximadamente ao atual país do Líbano. Durante muitos anos, a principal cidade da antiga Fenícia era Sídon, mas ela foi mais tarde suplantada em importância por Tiro, cidade fundada por colonos de Sídon. – It-2, p. 114.
[2] Por ser uma combinação de “síria” e “fenícia”, a expressão “siro-fenícia” provavelmente teve origem na situação de que a Fenícia fazia parte da província romana da Síria. A mulher siro-fenícia é também chamada de kha·na·naí·a (literalmente: cananeia; traduzido “fenícia” na NM), porque os primitivos habitantes da Fenícia descendiam de Canaã, e, com o tempo, “Canaã” passou a referir-se primariamente à Fenícia. (Mat. 15:22 n.) Ser ela chamada de “grega” provavelmente significa que era de descendência grega. (Mar. 7:26) – It-3, p. 606.
[3] Jesus e seus discípulos rumam através do país às cabeceiras do rio Jordão. Aparentemente atravessam o Jordão a pé em algum lugar acima do mar da Galileia e entram na região de Decápolis, a leste do mar. – gt cap. 57. 
[4] Cuspir era um método ou sinal de cura conhecido tanto por judeus como por gentios, e o uso de saliva em curas está registrado em escritos rabínicos. Possivelmente, Jesus cuspiu apenas para mostrar ao homem que ele ia ser curado. Seja como for, Jesus não usou a saliva como substância curativa natural. (Livro Achegue-se a Jeová, p. 94, nota.) “Esse relato”, comenta um erudito em Bíblia, “nos mostra vividamente que Jesus não considerava aquele homem como apenas um caso clínico; ele o considerava como um indivíduo. Ele tinha uma necessidade especial e um problema especial, de modo que, com toda a consideração e bondade, Jesus o tratou de uma maneira que não feriu seus sentimentos e que ele podia entender”. – w96 1/3 p. 6. 
[5] Expressão semítica. – it-1 p. 759.
[6] Grego: sfy·rís. É o tipo de cesto em que Paulo foi baixado ao chão através de uma abertura no muro de Damasco. (Atos 9:25). – It-1, p. 486.



O texto acima unificado da Bíblia Sagrada é baseado na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.

Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A alma morre? Refutando conceito errôneo

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102015146


      Certo leitor escreveu a respeito do artigo Eliminando ideias equivocadas sobre o conceito de alma’”:

Senhor Apologista, não estou aqui defendendo a doutrina da Imortalidade da alma, como ensinada por várias religiões. Mas o ensinamento das TJs sobre a alma é um absurdo tão errado quanto.

Apologista da Verdade disse:

“Ademais, o autor do comentário também mostra desconhecer o conceito das Testemunhas de Jeová, ao afirmar que “as TJ's se apegam ao conceito da alma ser o corpo físico”. Nunca afirmamos isso! O que ensinamos, de acordo com as Escrituras, é que “a ‘alma’ é a pessoa, o animal ou a vida que a pessoa ou o animal usufrui ...”

O que as TJs ensinam de verdade:

Gênesis 2:7
“E Jeová Deus passou a formar o homem do pó do solo e a soprar nas suas narinas o fôlego de vida, e o homem veio a ser uma alma vivente.”

Meu Comentário: As TJs ensinam, usando o texto acima, que a alma É a própria pessoa (alma = pessoa), mas o texto disse que o homem é formado do pó do solo; logo, deduz-se que que a alma também é feita do mesmo pó. Qualquer um sabe que o que é formado do pó é o corpo físico.

Gênesis 3:19: “No suor do teu rosto comerás pão, até que voltes ao solo, pois dele foste tomado. Porque tu és pó e ao pó voltarás.”

Meu Comentário: O próprio Jeová diz a Adão que ele é feito do pó do solo. O raciocínio das TJs é bem simples nesse caso usando esse texto: O homem É SIM o corpo físico, porque o que volta ao pó é o corpo, e como o texto diz que é o homem que volta ao pó, logo se deduz que o homem é o corpo, segundo as TJs.

Obviamente esse raciocínio é falso e entra em contradição com vários outros textos.

Conclusões:
1- As religiões que ensinam que o homem possui uma alma imortal estão erradas, pois o homem não possui alma, ele É alma.

2- As TJs, que afirmam que o homem é o corpo físico e que a alma também é esse mesmo corpo, também estão erradas.

O correto é:
1- O homem é alma.
2- O homem não é o corpo (ele possui um corpo, da mesma forma que possui uma casa).
3- O homem habita um corpo (da mesma forma que habita uma casa).
4- Quando o corpo morre, não necessariamente a alma morre, ela fica inconsciente aguardando quando terá um NOVO CORPO para habitar. 
5- Almas podem ser destruídas sim, mas é uma exceção reservada aos iníquos.
6- A ressurreição futura obviamente é a criação de um NOVO CORPO no qual a pessoa habitará.

Apologista da Verdade disse:

O livro “O que a Bíblia realmente ensina”, página 58, debaixo do subtítulo “O QUE REALMENTE ACONTECE NA MORTE?”, afirma: “O ensino claro da Bíblia é: quando uma pessoa [alma] morre, ela deixa de existir.”

Meu Comentário: 
Desculpe, senhor “Apologista da Verdade”, esse ensinamento é das TJs, não da Bíblia.

A Bíblia não diz que a alma deixa de existir na morte; diz que ela está inconsciente, o que é muito diferente de não-existência.

Fim das palavras do leitor.


Resposta:

Prezado senhor:

          Note que o corpo físico já estava formado quando Deus “soprou” fôlego de vida. (Gênesis 2:7) Somente então é que o homem VEIO A SER uma alma. Portanto, alma é um corpo físico com vida, ou seja, um ser vivo, humano ou animal.

          Isso serve de base para se entender Gênesis 3:19. Visto que a alma só passou a existir após o corpo físico ter vida, a declaração de Deus a Adão “tu és pó” significa que o homem foi feito da terra e de seus elementos – em outras palavras, ele é proveniente do pó da terra. Afinal, quando Jeová disse isso a Adão, ele não era um monte de pó, e sim um ser vivo com corpo de carne e osso.

          Assim, você desconhece o conceito real das Testemunhas de Jeová sobre o que a alma é.

          Com relação à alma morrer, isso fica óbvio dos textos abaixo:

“Pois todas as almas pertencem a mim. Tanto a alma do pai como a alma do filho pertencem a mim. A alma que pecar é a que morrerá.” – Ezequiel 18:4.

“Jeová entregou Laquis nas mãos de Israel, e eles a tomaram no segundo dia. Golpearam com a espada tanto a ela como a todos [nota: “toda alma”] que havia nela, assim como haviam feito a Libna.” –  Josué 10:32.

“Eles mataram com a espada todos [nota: “toda alma”] que havia nela, entregando-os à destruição. Não sobrou nada que respirasse. Então ele queimou Hazor com fogo.” – Josué 11:11.

A pessoa, ou ser, com todas as características físicas e mentais, fica preservado na memória de Jeová para a futura ressurreição.

João 5:28 e 29 declara: “Não fiquem admirados com isso, pois vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a voz dele [de Jesus] e sairão.”

A palavra grega para “túmulos memoriais” é  μνημεοις [mnemeíois], plural de μνημεον [mnemeîon], que se refere literalmente a um memorial, ou monumento sepulcral, para preservar ou recordar a memória de uma pessoa. Visto que haverá ressuscitados que morreram nas águas e não foram sequer enterrados, e muitos outros que não tiveram um monumento sepulcral, fica evidente que a expressão “túmulos memoriais” se refere aos que estão na memória de Deus, sendo por ele “considerados dignos de ganhar … a ressurreição dentre os mortos”. – Lucas 20:35.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




terça-feira, 25 de outubro de 2016

A real natureza dos argumentos trinitários (Parte 3)


Fonte da ilustração: 
https://tl.wikipedia.org/wiki/Pormang_Katatluhan

         No artigo anterior desta série, foram mostrados exemplos de expressões simples e cristalinas que são interpretadas de forma totalmente distorcida – algumas, inclusive, com sentido oposto! – pelos partidários da doutrina da Trindade.

Neste artigo, o apologista Saga apresenta dois exemplos de como passagens bíblicas como um todo são igualmente mal-interpretadas pelos trinitaristas. Nas palavras dele:

Exemplo 1:

Ora, quando um trinitário afirma que, em João 8:58, Jesus está dizendo que é o Grande “Eu Sou O Que Sou” de Êxodo 3:14, ele está vendo o quer ver. Ele diz que Jesus está dizendo que “Eu Sou” é o Nome Dele. O que não é o caso da passagem em questão. Jesus não está dando a si um nome ou dizendo que se chama “Eu Sou” nessa passagem de João 8:58. 

Exemplo 2:

Ou, em Apocalipse, quando os trinitários dizem que o Cordeiro está sendo adorado, mais uma vez não leem o que está transcrito e sim enxergam o que querem ver. Nessa visão todos adoram “Aquele que está sentado no trono” (o Pai); mas, quando os louvores são ao Cordeiro não se fala em adoração AO CORDEIRO. – Apocalipse 4:10; 5:14.

Confira:

Apocalipse 5:14, Almieida Revista e Corrigida: “E os quatro animais diziam: Amém! E os vinte e quatro anciãos prostraram-se e adoraram AO QUE VIVE PARA TODO O SEMPRE.”

Leiam o contexto da visão em Apocalipse 4:9, 10 e não tenham dúvidas de que Este adorado no capitulo 5 é o mesmo Ser que está sentado no trono. Confiram mais outros textos e vejam quem é o Ser adorado no livro do Apocalipse, tirem os pressupostos e o preconceito da mente e DEIXEM A ESCRITURA SAGRADA FALAR:

Apocalipse 11:16-17: “Anciãos ... adoraram A DEUS, dizendo: ‘Agradecemos-te, Jeová DEUS, O TODO-PODEROSO, AQUELE QUE É E QUE ERA.’”

Apocalipse 19:4: “Adoraram a DEUS SENTADO NO TRONO ... Louvai a Jah!”

Apocalipse 7:10, 11 e 12: “‘Devemos a salvação ao NOSSO DEUS, QUE ESTÁ SENTADO NO TRONO, e AO CORDEIRO’. E todos os anjos ... ADORARAM A DEUS, dizendo: ‘Amém! A bênção, e a glória, e a sabedoria, e o agradecimento, e a honra, e o poder, e a força sejam AO NOSSO DEUS para todo o sempre. Amém.’”

Note como seguidamente se atribui a Deidade e a adoração somente a Jeová Deus, o Pai, que é o Ser sentado no trono, e excluem seguidamente ao Cordeiro. E o “Espírito Santo” nem mesmo é citado – será que foi “ESQUECIDO”? Quando o livro de Apocalipse fala em “Deus”, “Nosso Deus” e “Aquele que está sentado no trono”, são todas referências ao Pai, não a um Deus Trino, não ao Cordeiro e muito menos a uma hipotética “Terceira Pessoa”. (Não sou eu que estou dizendo isso; quem não acredita pode conferir em sua própria Bíblia. Leia do inicio ao fim esse livro analisando com calma e fazendo anotações e me digam se não é mesmo Deus, o Pai.)

Note também que a “grande multidão” de salvos atribui a sua salvação a DUAS pessoas: ao “NOSSO DEUS” (restringindo a Deidade suprema apenas ao Pai) e ao Cordeiro (excluindo-o da Deidade ao evitar chama-lo de “nosso Deus”; separando os dois), e excluindo uma suposta “Terceira Pessoa” da salvação. 

CONCLUSÃO: 

Enfim, a linguagem do livro de Apocalipse separa o Pai, usa o termo “Deus” somente para ele; todas referências acima sobre receber adoração são somente a Ele. E a atividade da salvação e de governo, reino, são somente a Ele e ao Cordeiro, sem um Terceiro.

Enxergamos isso se não tivermos dogmas eclesiásticos da teologia do século IV dC. viciando nossa mente. Católicos, ortodoxos, protestantes, pentecostais e adventistas passarão batidos por esses mesmos textos e NÂO ENXERGARÂO NADA antitrinitário nesses pequenos “detalhes” de tais textos (ao mesmo tempo que chegam ao feito de concluir que existem passagens que evidenciam a Trindade até mesmo no Antigo Testamento!!!). Ao contrário: ficam ‘caçando’ desesperadamente na Escritura o que acreditam ser evidências trinas desde o Gênesis até o final do Apocalipse, ‘pescando’ passagens supostamente convenientes aqui e ali, enquanto ignoram um caminhão de passagens a eles inconvenientes, as quais nem são citadas...


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




domingo, 23 de outubro de 2016

A Vida de Jesus – o Evangelho Unificado (parte 30)

Fonte da ilustração: História 56 do livro "O Maior Homem Que Já Viveu"

Após a Páscoa de 32 EC
Questão da lavagem das mãos
(unificação dos textos de Mat. 15:1-20 e de Mar. 7:1-23)
Ajuntaram-se então em volta de Jesus alguns fariseus e escribas, que tinham vindo de Jerusalém. E quando viram alguns dos discípulos dele comer a sua refeição com mãos aviltadas, isto é, não lavadas — pois os fariseus e todos os judeus não comem sem lavar as mãos até os cotovelos, apegando-se à tradição dos homens dos tempos anteriores, e, ao voltarem do mercado, não comem sem se purificarem por aspersão[1]; e há muitas outras tradições que receberam para se apegarem a elas: batismo de copos, e de jarros, e de vasos de cobre[2] — de modo que estes fariseus e escribas lhe perguntaram: “Por que infringem os teus discípulos a tradição dos homens dos tempos anteriores? Por exemplo, não lavam as mãos quando estão para tomar uma refeição, mas tomam a sua refeição com mãos aviltadas.”
Em resposta, disse-lhes: “Por que é também que vós infringis o mandamento de Deus por causa da vossa tradição? Por exemplo, Deus disse: ‘Honra a teu pai e a tua mãe’;[3] e: ‘Quem injuriar pai ou mãe, acabe na morte.’[4] Mas vós dizeis: ‘Quem disser ao seu pai ou à sua mãe: “Tudo o que eu tenho, que da minha parte te poderia ser de proveito, é corbã, (isto é, uma dádiva dedicada a Deus,)” este absolutamente não deve mais honrar a seu pai.’ [Desse modo] não o deixais mais fazer nem uma única coisa para seu pai ou para sua mãe. E assim invalidastes a palavra de Deus por causa da vossa tradição que transmitistes. Deixando o mandamento de Deus, vós vos apegais à tradição de homens.” Outrossim, ele lhes disse ainda: “Jeitosamente pondes de lado o mandamento de Deus, a fim de reterdes a vossa tradição.[5] E fazeis muitas coisas semelhantes a esta. Hipócritas! Isaías profetizou aptamente a vosso respeito, como está escrito: ‘Este povo honra-me com os lábios; mas o seu coração está muito longe de mim. É em vão que persistem em adorar-me, porque ensinam por doutrinas os mandados de homens.’”[6]
Com isso chamou mais perto a multidão, e disse-lhes: “Escutai-me, todos vós, e compreendei o sentido disso: Não o que entra pela boca é o que avilta o homem; mas o que sai da boca é o que avilta o homem.” Então, tendo entrado numa casa, afastado da multidão, seus discípulos aproximaram-se e lhe disseram: “Sabes que os fariseus tropeçaram por ouvirem o que disseste?” Em resposta, ele disse: “Toda planta que meu Pai celestial não tiver plantado será desarraigada. Deixai-os. Guias cegos é o que eles são. Se, pois, um cego guiar outro cego, ambos cairão numa cova.”
Seus discípulos começaram a interrogá-lo a respeito da ilustração. Respondendo, disse-lhe Pedro: “Esclarece-nos a ilustração.” A isso ele lhes disse: “Estais vós também ainda sem entendimento, iguais a eles? Não percebeis que tudo o que entra pela boca passa para os intestinos e é eliminado para o esgoto? Nada de fora que passe para dentro dum homem pode aviltá-lo, visto que passa, não para dentro do seu coração, mas para os seus intestinos, e sai para o esgoto.” Assim declarou limpos todos os alimentos.
Outrossim, ele disse: “No entanto, as coisas procedentes da boca saem do coração, e estas coisas aviltam o homem. Pois, de dentro, dos corações dos homens, saem raciocínios iníquos, prejudiciais: assassínios, adultérios, fornicações, ladroagens, falsos testemunhos, cobiças, atos de iniquidade, fraude, conduta desenfreada e um olho invejoso, blasfêmias, soberba, irracionalidade. Estas são as coisas iníquas [que] saem de dentro [e] que aviltam o homem; mas tomar uma refeição sem lavar as mãos não é o que avilta o homem.”

Explicação das siglas usadas:
EC: Era Comum.
it: obra Estudo Perspicaz das Escrituras. O número em sequência indica o volume.
w: revista A Sentinela. Os números em sequência indicam, respectivamente, o ano, o dia e o mês da publicação.
  
Notas:
[1] Grego: ran·tí·zo. Esses homens santimoniosamente se aspergiam antes de comer, ao retornar do mercado. Mas batizavam, ou imergiam em água, os vários objetos que usavam nas refeições. – w89 15/1 p. 11 par. 8.
[2] O erudito John Lightfoot, citando obras rabínicas, mostrou que se dava muita atenção a detalhes tais como a quantidade de água e a maneira e o momento propício para a lavagem. Lightfoot citou uma fonte indicando que certos judeus se lavavam cuidadosamente antes das refeições para evitar serem prejudicados por Shibta, “um espírito mau que de noite se senta sobre as mãos dos homens: e, se alguém tocar a comida com mão não lavada, esse espírito se senta sobre aquela comida, e isso é perigoso”. – w89 10/89, p. 31.
[3] Êxo. 20:12; Deut. 5:16.
[4] Êxo. 21:17; Lev. 20:9.
[5] Kor·bán, o equivalente da palavra hebraica qor·bán, que significa uma oferta em Levítico e em Números, e aplica-se tanto às ofertas com sangue como às exangues. (Lev. 1:2, 3; 2:1; Núm. 5:15; 6:14, 21) Os fariseus da época de Jesus ensinavam que, uma vez que alguém tivesse declarado seus bens como “corbã”, ou uma dádiva dedicada a Deus, ele não podia usá-los para satisfazer as necessidades de seus pais, não importando quão necessitados eles estivessem, embora ele mesmo pudesse usufruir esses bens até a sua própria morte, se quisesse fazer isso. Assim, embora esses fariseus professassem honrar a Deus, seu coração não estava em harmonia com os requisitos justos dele. – it-1 p. 559.
[6] Isa. 29:13. 

A menos que haja uma indicação, todo o texto unificado e as citações bíblicas são baseadas da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org








quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O Salmo 9:17 apoia a ideia de tormento eterno?

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/ensinos-biblicos/perguntas/que-e-inferno/

Algumas traduções usam a palavra "inferno", palavra esta que está impregnada de ideias erradas e antibíblicas. Veja abaixo alguns exemplos de tais versões do Salmo 9:17:

“Os ímpios serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus.” – ACRF.

Os perversos serão lançados no inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus.” ARC.

Os ímpios serão lançados no inferno e todas as nações que se esquecem de Deus.” – ARA.

         A palavra vertida “inferno” nas traduções acima é o termo hebraico Sheol, que ocorre 66 vezes no “Velho Testamento”, e em todas as ocorrências está ligado à inconsciência na morte. Logo, não há sofrimento no Seol. Como exemplo, lemos em Eclesiastes 9:10:

Tudo o que a sua mão achar para fazer, faça-o com toda a sua força, pois não há trabalho, nem planejamento, nem conhecimento, nem sabedoria na Sepultura [hebraico: Seol], o lugar para onde você vai.”

Assim, outras traduções traduzem corretamente, mostrando que se trata da sepultura, da condição de morte, ou transliteram o termo hebraico Sheol:

“Os ímpios irão para o Seol, sim, todas as nações que se esquecem de Deus.” – Salmo 9:17, IBB.

“Voltem os ímpios ao pó, todas as nações que se esquecem de Deus!” – NVI.

“Os iníquos hão de voltar para o Cheol, todas as nações que se esquecem de Deus.” – SBB.

“Eles acabarão no mundo dos mortos; para lá irão todos os que rejeitam a Deus.”NTLH.

Os iníquos hão de voltar para o Sheol, todas as nações que se esquecem de Deus.” – TB.


“Os maus recuarão em direção à Sepultura, todas as nações que se esquecem de Deus.” – NM.

           O contexto prova que a alusão é à destruição das nações inimigas do povo de Deus:

Repreendeste as nações, destruíste os ímpios; apagaste o seu nome para sempre e eternamente.” – Salmo 9:5, ACRF.

Visto que os ímpios são ‘destruídos’, não sobra nada deles para sofrer tormento.

              Assim, o contexto mostra que se trata da punição da morte, da inconsciência, da inexistência:

“Tem misericórdia de mim, Senhor, olha para a minha aflição, causada por aqueles que me odeiam; tu que me levantas das portas da morte.” Salmo 9:13, ACRF.

“Os gentios enterraram-se na cova que fizeram.” – Salmo 9:15.

          Portanto, o Salmo 9:17 não dá margem para a doutrina do tormento eterno, e nem qualquer outro texto da Palavra de Deus.


Explicação das siglas usadas:

ACRF: Almeida Corrigida e Revisada Fiel.
ARA: Almeida Revista e Atualizada.
ARC: Almeida Revista e Corrigida.
IBB: Almeida da Imprensa Bíblica Brasileira.
NM: Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.
NTLH: Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
NVI: Nova Versão Internacional.
SBB: Bíblia da Sociedade Bíblica Britânica.
TB: Tradução Brasileira.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *