Image Map











terça-feira, 11 de abril de 2017

João 1:1 e a regra de Colwell (Parte 2)




João 1:1, Tradução Interlinear do Reino

O que a regra de Colwell prova? Qual a sua utilidade?

O primeiro artigo desta série mostrou que a chamada “Regra de Colwell” não consegue determinar que um substantivo anartro (sem artigo) no caso nominativo com função de predicativo e que precede o verbo seja definido ou não. (Clique AQUI para ver o artigo anterior.) 

Portanto, longe de sustentar a doutrina falsa da Trindade, a regra de Colwell apenas explica porque, na referida estrutura de sentença, o grego bíblico não usa o artigo definido quando o contexto determina que o substantivo anartro é definido. Ou seja, na estrutura ‘substantivo anartro no caso nominativo tendo a função de predicativo e precedendo o verbo’ tal substantivo não precisa de artigo para ser definido, desde que o contexto indique que esse substantivo é definido. Destarte, a regra de Colwell não prova doutrina, apenas explica a gramática.

Mas, e quando o contexto determina que o substantivo anartro não é definido? Nesse caso, diversas traduções utilizam o artigo indefinido nas línguas que o possuem para mostrar que o substantivo anartro não é definido, auxiliando assim a compreensão do leitor.

Regra de Colwell – regra ou exceção?

             Sobre a dita “regra” de Colwell, Daniel Wallace diz:

Em referência à Regra de Colwell, apenas os predicados nominativos, anartros e pré-verbais foram estudados e previamente determinados com maior probabilidade de ser definido por seus contextos. Não foram estudados todos os casos de predicados nominativos anartros e pré-verbais. Mas, a conversa da regra, comumente realizada na academia do NT [“Novo Testamento”] assume que todas as construções tenham sido examinadas. – Daniel Wallace, em Grammar Greek beyond the Basics, p. 261.

Ademais, em sua pesquisa Colwell também não incluiu casos em que o predicado é um nome próprio ou um substantivo monádico, os quais normalmente são definidos. Além disso, ele excluiu outros usos de PNAPV.

De acordo com Harner, dos 53 usos de PNAPV no Evangelho de João, 40 deles não são definidos. – HARNER, Phillip. Qualitative Anarthrous Predicate Nouns: Mark 15.39 and John 1.1 (“Substantivos Predicativos Anartros Qualitativos: Marcos 15:39 e João 1:1”), p. 83.

Dixon analisa todos os casos de predicativos anartros, independente da posição do predicado em relação ao verbo, não se restringindo aos casos de PNAPV. Sua conclusão é tal como ele escreveu:

O uso do predicativo nominativo anartro em João é significativo. Ele é qualitativo em 65 das 74 ocorrências [portanto, não é definido], ou seja, 88% das vezes. Quando um predicativo nominativo anartro precede o verbo [PNAPV] ele é qualitativo em 50 de 53 ocasiões, ou seja, 94% das vezes [não sendo definido]. Quando ele segue o verbo, o predicativo nominativo anartro é qualitativo em 13 das 19 ocorrências, ou seja 68% das vezes [não sendo definido]. – Paul Dixon, em The significance of the anarthrous predicative nominative in John (“A significância do predicativo nominativo anartro em João”), p. 54.

Grande parte das críticas a Colwell incide em que ele não tratou de exemplos em que a mesma construção sintática é tida por alguns estudiosos como não sendo nem definida nem indefinida, mas qualitativa. Sobre a questão da qualitatividade em um PNAPV, veja o artigo “A Palavra era Deus, um deus ou divina?” 

O último artigo desta série irá analisar o uso da Regra de Colwell na cláusula joanina, debaixo do subtópico:

Que dizer de João 1:1?



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

Um comentário:

  1. Muito bom ter uma noção de gramática grega e como podemos aprender mais da verdade bíblica com a ajuda de irmãos que a pesquisam mais a fundo.Parabéns!!!

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *