Image Map











terça-feira, 31 de janeiro de 2017

O adjetivo grego állos prova que o “Espírito Santo” é uma pessoa? (Parte 2)

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/ws20141115/Agora-voc%C3%AAs-s%C3%A3o-povo-de-Deus/

A respeito da sabedoria divina, lemos em Jó 28:14: “As águas profundas dizem: ‘Ela [a sabedoria divina] não está aqui!’ E o mar diz: ‘Não está comigo!’”

Do ponto de vista INTERPRETATIVO, entendemos que as “águas profundas” e o “mar” DÃO EVIDÊNCIA de que tal sabedoria não se encontra neles.

Por outro lado, TEXTUALMENTE, diz-se que as “águas profundas” e o “mar” DIZEM isso. Portanto, a explicação gramatical seria de que o texto contém uma figura de linguagem chamada PROSOPOPEIA.

A interpretação do texto não elimina a prosopopeia, nem a prosopopeia anula o entendimento interpretativo. São análises do mesmo texto de ângulos diferentes, que não se contradizem; apenas se complementam.

O mesmo se pode dizer de Isaías 45:21, que reza, textualmente, na parte em análise:

“Não há outro [állos] Deus além de mim.”

TEXTUALMENTE, o próprio versículo anterior paraleliza as “imagens esculpidas” (TEXTUALMENTE seres inanimados, objetos) a “um deus” pagão. E Isaías 44:17 declara: “Mas o resto [da madeira] ele transforma num deus, numa imagem esculpida.” Observe que, TEXTUALMENTE, a palavra “deus” é similarizada a uma “imagem esculpida”, a qual é um objeto impessoal.

Mesmo que tomemos o ponto de vista INTERPRETATIVO do adorador pagão, para o qual tais imagens representam um ser pessoal, ainda assim, do ponto de vista TEXTUAL, é algo impessoal. Esses dois ângulos não se opõem, não se contradizem, e nem se anulam. Pois állos (“outro”) é um adverbio que, textualmente, se refere à palavra “Deus” em Isaías 45:21, referindo-se a não haver “outro” (állos) “Deus” além de Jeová. Textualmente, os deuses das nações são descritos como “imagens esculpidas”.

Mas o ponto-chave é que, mesmo INTERPRETATIVAMENTE, állos se refere a algo impessoal. Isto porque, acima de tudo, devemos seguir o conceito estabelecido na inspirada Palavra de Deus: “Não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com as ensinadas pelo espírito, ao explicarmos assuntos espirituais com palavras espirituais.” (2 Coríntios 2:13) E do ponto de vista espiritual – o ponto de vista do Criador – tais deuses das nações não passam de estátuas ou figuras sem vida.

E a discussão em torno de állos, em seu uso em João 14:16, não é sequer interpretativa, e sim puramente gramatical. Tem a ver com o uso gramatical desse adjetivo (állos) em detrimento de héteros. O argumento trinitário é fundado em base gramatical, pelo uso gramatical de uma palavra – állos. Aduzem os trinitaristas que tal uso faria do espírito santo uma pessoa, visto que Jesus também é uma pessoa.

Mas o artigo “O ‘outro Consolador’ é uma pessoa?mostrou que “állos se aplica a ‘outro’ em relação à palavra a que se refere [‘Consolador’], e nada tem a ver com personalidade ou impessoalidade”. O artigo ainda explicou: “O espírito santo seria outro parákletos [‘Consolador’] e não outra pessoa.

Nessa esteira, o texto de Isaías 45:21 foi usado sob o mesmo olhar gramatical. E o uso gramatical (além do sentido espiritual) da palavra a que állos se refere nesse último texto é a de objetos impessoais, conforme Isaías 45:20 e 44:17.

Do ponto de vista do Criador, Jeová, e de seu povo no passado – os israelitas – bem como para nós (inclusive para os trinitaristas) tais deuses não passavam de estatuas sem vida. Nesse respeito, tanto o sentido INTERPRETATIVO (o bíblico) quanto o TEXTUAL (gramatical) se unem para mostra que állos pode ser aplicado no mesmo contexto a um ser pessoal e a seres impessoais.

Em resumo, o argumento do uso de állos em relação ao espírito santo como tentativa de provar sua personalidade é tanto bíblica, gramatical e logicamente impossível.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





domingo, 29 de janeiro de 2017

A Vida de Jesus – o Evangelho Unificado (Parte 44)

Fonte da ilustração: jw.org
Cura de um possesso mudo; persistente descrença de alguns
(Luc. 11:14-26)
14 Mais tarde expulsou um demônio mudo. Depois de o demônio sair, o mudo falou. E as multidões maravilhavam-se. 15 Mas, certos deles disseram: “Ele expulsa os demônios por meio de Belzebu, o governante dos demônios.” 16 No entanto, outros, para tentá-lo, começaram a buscar dele um sinal do céu. 17 Conhecendo as suas imaginações, disse-lhes: “Todo reino dividido contra si mesmo cai em desolação, e a casa [dividida] contra si mesma cai. 18 Portanto, se Satanás também está dividido contra si mesmo, então, como ficará de pé o seu reino? Porque vós dizeis que eu expulso os demônios por meio de Belzebu. 19 Se é por meio de Belzebu que eu expulso os demônios, por meio de quem os expulsam os vossos filhos? Por causa disso, serão juízes de vós. 20 Mas, se é por meio do dedo de Deus que eu expulso os demônios, o reino de Deus realmente vos sobreveio. 21 Quando um homem forte, bem armado, guarda o seu palácio, seus bens continuam em paz. 22 Mas, quando alguém mais forte do que ele vem contra ele e o vence, tira-lhe todo o seu armamento em que confiava e reparte as coisas das quais o despojou. 23 Quem não está do meu lado é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha.
24 “Quando um espírito impuro sai dum homem, passa por lugares áridos em busca dum lugar de descanso, e, não achando nenhum, diz: ‘Voltarei para a minha casa da qual me mudei.’ 25 E, chegando, acha-a varrida e adornada. 26 Então vai e toma consigo sete espíritos diferentes, mais iníquos do que ele mesmo, e, entrando, ficam morando ali; e as condições finais desse homem tornam-se piores do que a primeira.”
A fonte da felicidade
(Luc. 11:27, 28)
27 Ora, dizendo ele estas coisas, certa mulher, dentre a multidão, levantou a sua voz e disse-lhe: “Feliz é a madre que te carregou e os peitos em que mamaste!” 28 Mas ele disse: “Não, antes: Felizes são os que ouvem a palavra de Deus e a guardam!”

Geração iníqua só recebe o “sinal de Jonas”; necessário olho singelo
(Luc. 11:29-36)
29 Quando as multidões se apinhavam, principiou a dizer: “Esta geração é uma geração iníqua; procura um sinal. Mas nenhum sinal lhe será dado, exceto o sinal de Jonas. 30 Porque, assim como Jonas se tornou um sinal para os ninivitas, do mesmo modo o será também o Filho do homem para esta geração. 31 A rainha do sul será levantada no julgamento com os homens desta geração e os condenará; porque ela veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão, mas, eis que algo mais do que Salomão está aqui. 32 Os homens de Nínive se levantarão no julgamento com esta geração e a condenarão; porque eles se arrependeram com o que Jonas pregou; mas, eis que algo mais do que Jonas está aqui.
33 Não se põe uma lâmpada, depois de acesa, num lugar oculto, nem debaixo dum cesto de medida, mas no velador, para que os que entram possam observar a luz. 34 A lâmpada do corpo é o teu olho. Quando o teu olho é singelo, todo o teu corpo também é luminoso; mas, quando é iníquo, teu corpo também é escuro. 35 Está alerta, pois. Talvez a luz que há em ti seja escuridão. 36 Portanto, se todo o teu corpo for luminoso, sem nenhuma parte escura, todo ele será tão luminoso como uma lâmpada que te dá luz pelos seus raios.”

O texto acima unificado da Bíblia Sagrada é baseado na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

O adjetivo grego állos prova que o “Espírito Santo” é uma pessoa? (Parte 1)

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102014719

A conversa respeitosa que se segue girou em torno do artigo “O ‘outro Consolador’ é uma pessoa?”. Esse artigo mostrou que alguns trinitários usam o argumento de que a palavra “outro” (állos em grego) para consolador (em João 14:16) se referindo ao espírito santo indicaria que o espírito santo é uma pessoa.

O artigo supracitado explicou:

O texto descreve as palavras de Cristo, nas quais ele afirma a seus discípulos que o Seu Pai daria “outro [állos] Consolador”, referindo-se ao espírito santo. À base disso, Jesus deu a entender que ele próprio era um “Consolador”. Em vista disso, os que propõem que o espírito santo é uma pessoa raciocinam da seguinte forma: ‘Uma vez que Jesus é uma pessoa, o “outro” [állos], significando “outro da mesma espécie”, forçosamente faz com que o espírito santo seja também uma pessoa.’ Querem com isso estabelecer a suposta personalidade do espirito santo.

Em seguida, esse artigo mostrou biblicamente que állos pode realmente ser usado, no mesmo texto, com relação a alguém e a algo impessoal, citando Isaías 45:21 na Versão Septuaginta, grega, que reza:

εγω ο θεος και ουκ εστιν αλλος πλην εμου
        Egó ho theós kaì ouk estin állos plen emoù  
Eu    o  Deus  e    não  há     outro    além  de mim.

À base disso, tal artigo argumentou:

Uma vez que o “Deus” a que o texto se refere é um Ser pessoal  (Jeová), se fôssemos seguir a regra dos trinitaristas, o állos (o ‘outro da mesma espécie’) teria de ser também um ser pessoal. Contudo, o contexto de Isaías mostra justamente o contrário: os deuses das nações são coisas impessoais! 

Para comprovar a veracidade do enunciado acima, foram citadas passagens do contexto. Isaías 45:20 (o versículo anterior) mostra que a passagem se referia a uma “imagem esculpida”. O mesmo é confirmado em Isaías 44:14-17 e 46:7.

Assim, o “outro” (állos) não é um ser pessoal, e sim um objeto sem vida.

Mas um leitor teceu questionamento sincero sobre tal argumentação. Segue abaixo a conversa que tive com ele, que foi registrada nos comentários do artigo retrocitado:

Luiz:

Olá, Apologista da Verdade.
Bom dia.

Parabéns pelo estudo. A sua dedicação e empenho são louváveis. Eu entendo que vocês têm muito respeito e zelo pela Bíblia.

Em Isaias 45:20, Isaías 44:14-17 e Isaías 46:7, embora sejam objetos materiais e, portanto, impessoais, porém remetem a um ser onde a representação daquele objeto aponta para um deus pessoal.

Em Isaías 45:20, diz-se que os seres humanos rogam a um deus que, de acordo com a crença deles, poderia agir.

Em Isaías 46:6-7, no versículo 6 aparece a palavra "deus" indicando que, embora eles tivessem feito um imagem, eles criam que existia um ser espiritual que poderia fazer algo.

Isaías 44:14-17, no versículo 15, aparece a palavra "deus" e segue o mesmo raciocínio anterior.

Nas três passagens é usada a palavra "deus", remetendo a um ser espiritual que, de acordo com a crença deles, poderia fazer algo.

Temos que entender o seguinte: a visão bíblica é de que só existe um Deus; logo, não existem outros deuses; e que adorar as imagens significa tão somente adorar objetos matérias. Porém, para aquelas pessoas as imagens representavam seres pessoais.

Então, temos que os objetos materiais são sim impessoais, mas o que eles representam seriam seres pessoais. 

Um grande abraço.

Apologista da verdade:

Prezado Luiz:

Ainda que REPRESENTEM seres pessoais, o ponto é que se tratam de COISAS IMPESSOAIS, e a palavra állos é aplicada gramaticalmente pelo contexto A COISAS IMPESSOAIS. Esse é o ponto em questão.
Luiz:

Olá, Apologista da Verdade.
Boa tarde.

Muito interessante seu comentário; porém, permita-me fazer algumas considerações:

Embora seja verdade que a palavra aponta para objetos materiais, porém a compreensão correta do que a Bíblia realmente quer dizer é que aqueles objetos materiais representavam seres pessoais e isso é importante observar; pois, se não representassem tais objetos, ficaria sem sentido eles terem aqueles ídolos.

Para Deus aqueles deuses simplesmente não existiam; porém, para aqueles seres humanos eles existiam. Então, não considerar isso impede a correta compreensão; pois na Bíblia tem algo interessante, que é o que está escrito e o que a Bíblia quer dizer. Conforme I Coríntios 2:13, a Bíblia tem uma mensagem espiritual; e isso não é ir além do que está escrito, mas é ir exatamente no que a Bíblia quer ensinar.

Um abraço.

Apologista da verdade:

Prezado Luiz:

O artigo analisou a gramática, não a semântica. E, gramaticalmente, o termo állos é aplicado a objetos impessoais, mesmo que semanticamente tais coisas representem seres pessoais. Exemplo: quando a Bíblia diz que "o amor é paciente e bondoso" (1 Coríntios 13:4a), semanticamente entendemos que é a pessoa que tem amor que demonstra tais qualidades. Mas, gramaticalmente, fala-se do amor (qualidade) como tendo tais qualidades, mostrando que se trata de uma personificação do amor. Állos foi aplicado gramaticalmente a coisas impessoais, ainda que semanticamente tais coisas fossem entendidas como pessoais. Estamos falando de gramática. Espero que esses comentários o ajudem a entender o artigo acima.

Luiz:

Olá, Apologista da Verdade.
Bom dia.
Muito obrigado pela sua resposta.

Tanto a gramática quanto a semântica são importantes; porém, a compreensão bíblica deve ser espiritual, conforme 1 Coríntios 2:13. Nesse caso, a questão da compreensão gramatical não exclui a compreensão semântica.

Mesmo que nesses casos se considere a questão gramatical apenas, se trata de um ser Pessoal com objetos materiais, diferente da passagem do Espírito Santo, onde o mesmo é um ser espiritual.

Em um primeiro momento, realmente se fala de gramática, onde, para a correta compreensão, se pede a questão da semântica, ou seja, a interpretação correta é espiritual; pois a mensagem bíblica é essencialmente espiritual e é a compreensão espiritual é que vai dar a percepção do que realmente o texto quer dizer.

Em I Coríntios 13:4, repare que, no versículo 1 Paulo fala dele, ou seja, um ser pessoal.

Um grande abraço.

Apologista da verdade:

Luiz, você está correto quando diz que é importante a compreensão espiritual. (1 Coríntios 2:13) A gramática está em segundo plano, e tem suas limitações. Também, ela não contradiz a compreensão espiritual. No caso do espírito santo, "ao explicarmos assuntos espirituais com palavras espirituais", vemos claramente que se trata de algo impessoal, da força ou energia de Deus, e a gramática concorda com isso, embora os trinitaristas tentem usá-la para provar o contrário.

Luiz:

Olá, Apologista da Verdade.
Boa tarde.

Respeito sua opinião sobre o tema, mas a semântica não está dentro da Gramática?

Achei interessante sua observação sobre estar falando de Gramática, mas a interpretação bíblica não se limita apenas à Gramática, conforme 1 Coríntios 2:13.

Um abraço.

Apologista da verdade:

Sr. Luiz, como já respondi acima, devemos ter compreensão espiritual. E a compreensão espiritual mostra que a Palavra de Deus menciona os deuses pagãos como sendo coisas impessoais, e não explica que, para os pagãos, tratava-se de seres pessoais. Porque, do ponto de vista do Criador, Jeová, e de seu povo no passado – os israelitas – bem como para nós (inclusive, creio, para o senhor também) tais deuses não passavam de estátuas sem vida. Nesse respeito, tanto o sentido INTERPRETATIVO ESPIRITUAL (o bíblico) quanto o TEXTUAL (gramatical) se unem para mostra que állos pode ser aplicado no mesmo contexto a um ser pessoal (O Deus Todo-Poderoso) e a seres impessoais (os deuses das nações).

Espero que o comentário acima possa ter sido mais esclarecedor.

Abraços.

Luiz:

Olá, Apologista da Verdade.
Bom dia.

Muito obrigado pela sua resposta, e respeito muito sua opinião.

Realmente, não está escrito de forma explícita na Bíblia que os pagãos consideravam os deuses como seres pessoais; mas, se eles tinham imagens de deuses, então isso teve algum motivo e seria bem lógico pensar que os pagãos imaginassem que aqueles ídolos representassem deuses pessoais.

Correto seu entendimento de que, para cristãos e cristãs, os deuses são imagens de ídolos assim como para Moisés, Jó, Davi e outros também. Mas, e para os pagãos, como eles viam essas imagens?

As imagens eram impessoais, mas o que elas representavam eram seres pessoais. E, embora como você muito bem observou, a palavra állos esteja ligada a objetos impessoais, a compreensão não para por aí, mas continua, e é aí que a questão gramatical se junta a com a correta compreensão espiritual.

Um grande abraço e muitas felicidades.

Apologista da verdade:

Prezado Luiz:

Apreciei muito seus comentários sinceros e respeitosos.

Concordo com você desde o começo de nosso diálogo que, para os idólatras, as imagens representavam seres pessoais.

Mas, como você mesmo concordou, o conceito bíblico é o de que tais imagens nada mais são do que objetivos impessoais. E a palavra állos é usada dentro do CONCEITO BÍBLICO – portanto, tanto em sentido gramatical quanto espiritual (ponto de vista bíblico) se refere em Isaías 45:21 a OBJETOS IMPESSOAIS.

Grande abraço!

Fim da conversa.

O último argumento que usei fechou o assunto. Pois mostrou que, mesmo levando em conta o conceito semântico, interpretativo e espiritual, os deuses das nações não são pessoais. Isto porque a Bíblia foi inspirada por Deus e, por consequência, revela os conceitos DELE. (2 Timóteo 3:16) E PARA ELE, tais estátuas não são pessoas, não importando o conceito dos pagãos que idolatravam tais objetos.

Assim, tanto gramatical quanto espiritualmente, állos (“outro”) em Isaías 45:21 se refere a algo impessoal.

Portanto, o argumento trinitário envolvendo állos em João 14:16, 17 para tentar provar a personalidade do espírito santo é tanto gramatical quanto espiritualmente errado.

O próximo artigo deste tema esclarecerá adicionalmente o assunto.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Ter comunhão com o “Espírito Santo” prova que ele é uma pessoa?



Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1101978145


Certo leitor escreveu:

Olá, irmão apologista. Foi feita a seguinte pergunta para os unitários no programa [nome omitido]: ‘Por que Paulo disse para termos comunhão com o Espirito Santo se ele não é pessoal?’ (2 Coríntios 13:14). Segundo o [nome omitido], a palavra grega para comunhão só pode ser aplicada a pessoas. 
Se puder, gostaria de saber seu parecer. Muito obrigado. 
Abraços!

Resposta:

 O texto em questão de 2 Coríntios 13:14 (em algumas traduções é 2 Coríntios 13:13) reza literalmente no texto grego:

Ἡ χάρις τοῦ κυρίου Ἰησοῦ Χριστοῦ 
A bondade imerecida do Senhor Jesus Cristo

κα ἡ ἀγάπη τοῦ    θεοῦ 
e    o  amor   de    Deus

κα ἡ κοινωνία τοῦ ἁγίου πνεύματος 
e    a comunhão  do  santo espírito

μετ πάντων ὑμῶν. 
com todos vocês.

O LÉXICO DO NOVO TESTAMENTO GREGO/PORTUGUÊS (de Gingrich e Danker; 1993) explica as várias aplicações bíblicas de koinonía:

κοινωνία, ας, ή—1. associação, comunhão, fraternidade, relacionamento íntimo At 2.42; Rm 15.26; 1 Co 1.9; 2 Co 6.14; 13.13; Gl 2.9; Fp 1.5; 2.1; 1 Jo 1.3,6s. —2. generosidade 2 Co 9.13; Hb 13.16; talvez Fp 2.1. —3. sinal de comunhão, dom talvez Rm 15.26 e 1 Co 10.16. —4. participação, partilha, compartilhamento 2 Co 8.4; Fp 3.10; Fm 6; talvez 1 Co 1.9; 10.16; 2 Co 13.13.*

Em adição, o mesmo léxico relaciona os vários usos bíblicos do verbo relacionado, koinonéo:

κοινωνέω—1. compartilhar, ter uma parte, participação em com gen. Hb 2.14. Com dat. Rm 12.13; 15.27; 1 Tm 5.22; 1 Pe 4.13; 2 Jo 11. —2. dar uma parte, compartilhar Gl 6.6; Fp 4.15.

Pelos exemplos acima, podemos entender que, contrário ao que afirmou certo programa religioso, o substantivo koinonía é usado na Bíblia também para coisas impessoais. Veja os exemplos abaixo:

2 Coríntios 6:14:
 τς κοινωνα φωτ πρς σκτος; 
e que comunhão [tem a] luz com [a] escuridão?

Nem a luz nem a escuridão são pessoas.

1 Coríntios 10:16:

τ ποτριον τς ελογας  ελογομεν, 
o cálice         da bênção  que abençoamos,


οχ κοινωνα στν το αματος το Χριστο;
não comunhão é      do  sangue  do Cristo?


τν ρτον ν κλμεν, οχ κοινωνα το σματος το Χριστο στιν; 
o pão que partimos, não comunhão do corpo do  Cristo     é?

O texto diz respeito a uma comunhão com o sangue e o corpo de Cristo, que são coisas impessoais.

Filipenses 3:10:

ν]  κοινωναν ν] παθημτων ατο
A   comunhão    dos   sofrimentos dele (Cristo)

1 Pedro 4:13:

λλ  καθ κοινωνετε τος το Χριστο παθμασιν 
mas conforme participais do sofrimento do Cristo

Nesse caso, a comunhão, ou participação, é nos sofrimentos de Cristo. Sofrimento também é algo impessoal.

De modo similar, como visto no último exemplo acima, o verbo koinonéo também faz referência a ter comunhão com coisas impessoais:

Hebreus 2:14:

τ παιδα κεκοιννηκεν αματος κα  σαρκς
as crianças participaram de sangue e carne

A comunhão, ou participação, no caso acima, é com a carne e o sangue, os quais são coisas impessoais.

2 João 11:
 λγων γρ ατ χαρειν κοινωνε                  τος ργοις ατο τος πονηρος. 
Quem, pois, a ele  cumprimenta participa
das obras dele – as más.

Obras, igualmente, não são pessoas.

Portanto, é bíblica e gramaticalmente possível ter comunhão com o espírito santo e este espírito não ser uma pessoa.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *