Image Map











sábado, 12 de outubro de 2019

Pessoas que não foram alcançadas com o Evangelho serão salvas?


Abraão afirma sobre Jeová: Longe de ti  entregar à morte os justos junto com os maus.’  Gênesis 1825.
Fonte: jw.org


Um leitor escreveu:

Bom dia, meu irmão! Como está?

Gostaria de saber sua opinião sobre a seguinte questão: a Bíblia mostra que as boas novas serão pregadas em toda as nações (e isso está se cumprindo), mas não que seria pregada para cada pessoa individualmente.

Sendo assim, vamos supor que, se o Harmagedon viesse hoje, uma pessoa que viveu em algum lugar do planeta, que nunca ouviu falar sobre Jeová, quer por ser um lugar isolado, por causa da religião do seu país ser predominante, ou por causa de algum tipo de governo, mas se ela for semelhante a uma ovelha, poderá passar com vida para o paraíso para aprender sobre Jeová lá?

Grande abraço!

Resposta:

Sabemos que Jeová sempre age com amor e justiça. 1 João 4:8 declara enfaticamente: “Deus é amor.” E Gênesis 18:25 nos assegura que Deus, sendo “o Juiz de toda a terra”, sempre fará “o que é justo”. Portanto, seria inadmissível alguém ser destruído sem ter a devida oportunidade de decidir se quer ou não servir a Deus.

No antigo Israel, “um grande número de não israelitas” decidiu servir a Jeová junto com os israelitas por ocasião de sua saída do Egito. (Êxodo 12:38) E Jeová aceitou isso com prazer. O que entendemos é que ele quer salvar pessoas, não destruir. A maior prova disso foi o pagamento caríssimo do resgate pela morte de Seu mais amado Filho. (João 3:16) Assim, podemos ter certeza de que jamais alguém será esquecido quanto à oportunidade de poder servir a Deus.

Veja o artigo:


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




sábado, 5 de outubro de 2019

Quem será destruído por Jeová?


Fonte: jw.org

Um leitor escreveu:

Saudações Cristãs. Primeiramente, quero elogiar o seu trabalho, querido apologista. Seu trabalho e competência em defender a verdade com certeza dá alegria ao nosso Pai Jeová. Sempre leio seus artigos e estudos. A forma como o irmão expõe os assuntos não deixam dúvidas para aqueles que estudam a Bíblia de forma sincera e sem pré-conceitos.

É admirável ver sua facilidade em ensinar e rebater doutrinas humanas falsamente colocadas como cristãs. Com humildade, sabedoria e interesse sincero em que as pessoas venham conhecer a verdade, o irmão expõe a falsidade da doutrina da Trindade, inferno de fogo, personalidade do espírito santo (aliás, seu estudo sobre pneumatologia é sensacional).

Enfim, não quero engrandecê-lo, e penso que sua humildade não permitiria isso, mas é necessário a mim elogiar seu trabalho, pois já tive muita ajuda sua.  Espero receber uma ajuda neste momento. Tenho algumas dúvidas a respeito da forma como Jeová vê pessoas inocentes. Eu iria perguntar para o superintendente, quando ele nos visitar, pois esses irmãos cristãos explicam de forma mais cabal. Mas me lembrei de ti. Esta dúvida está me amargurando e acredito que você vai entender o porquê.

Nos julgamentos “do mundo” Jeová executou crianças, bebês, velhinhos e possivelmente deficientes mentais. No caso de Sodoma e Gomorra, o patriarca Abraão disse: “Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti. Não faria justiça o Juiz de toda a terra? Então disse o SENHOR: Se eu em Sodoma achar cinquenta justos dentro da cidade, pouparei a todo o lugar por amor deles” (Gênesis 18:25, 26).

No caso, para Jeová as crianças e bebês não eram justas? Há diferença para Jeová entre justo e inocente? Sabemos que as pessoas mortas nesses dois julgamentos não voltarão mais para viver no paraíso terrestre, mas e tais crianças? Não achei na Biblioteca da Torre de Vigia nenhum artigo que fale sobre isso especificamente.

Sei que, ao logo da narrativa, Jeová mostrou amor e carinho às crianças de várias formas. Suponhamos que tais crianças não voltem, pois já tiveram seu julgamento, que garantias temos de que as crianças Testemunhas de Jeová e não TJ, enfim, crianças e bebês no geral, sejam salvas no Armagedom?

Também sei do conceito sobre os injustos que voltarão a viver e aprenderão a verdade, mas isso também se refere às pessoas nos dois julgamentos mencionados? São essas as minhas dúvidas. Irmão, não me leve a mal, e não pense que estou tendo ideia errada sobre o amor de Jeová, mas não consegui responder essas questões. Muito obrigado!

Resposta:

Muito obrigado pelo carinho em suas expressões de apreço. Fico muito contente de saber que meus esforços estão logrando êxito.

Quanto a assuntos ligados a julgamento eterno, tenha presente que é um assunto não tão simples de determinar se, e quando, houve uma execução eterna de pessoas. Mesmo no caso envolvendo Sodoma e Gomorra, a organização nem sempre manteve a mesma posição, o que significa que a posição vigente pode sofrer alteração, e que nenhum ponto de vista nessa questão precisa ser aceito como absoluto.

O que podemos ter certeza é que Jeová jamais fará injustiça. Ele é amor, e já deu prova suprema de seu infinito amor pela humanidade por resgatar a humanidade do pecado e da morte pelo mais caro bem que ele possui – o seu Filho unigênito! – João 3:16; 1 João 4:8.

Visto que ele pagou um preço tão alto para salvar a humanidade, ele não irá perder ninguém que possua algo de bom. Lemos em 1 Reis 14:13: “Todo o Israel o lamentará e o enterrará. Da família de Jeroboão só ele será colocado numa sepultura, porque ele é o único da casa de Jeroboão em quem Jeová, o Deus de Israel, achou algo de bom.” Esta passagem diz respeito a Abias, filho do idólatra Rei Jeroboão I, de Israel. Abias foi o único da família de Jeroboão que recebeu um enterro decente, porque Jeová viu nele “algo de bom”. Assim, Jeová está atento quanto a ver o que há de bom nas pessoas.

Na situação envolvendo filhos, vemos o conceito divino em uma das leis de Deus dadas a Israel, que declara: “Os filhos não devem ser mortos por causa do que seus pais fizerem. A pessoa só deve ser morta pelo seu próprio pecado.” (Deuteronômio 24:16) Se este é o conceito de Deus no caso de uma execução temporária, neste sistema de coisas, quanto mais no caso de uma execução eterna!

Por isso, poderá acalmar seu coração, tendo presente o nobre fato a respeito do Deus Todo-Poderoso: “A Rocha [Jeová]— perfeito é tudo o que ele faz, pois todos os seus caminhos são justos. Deus de fidelidade, que nunca é injusto; Justo e reto é ele.”



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *