Image Map











terça-feira, 28 de janeiro de 2020

Como os trinitários entendem a relação entre Jeová e Jesus Cristo – Parte 1


Jesus Cristo está à direita de Deus - Atos 7:56.
Fonte: jw.org

Um leitor citou parte de uma frase do artigo “Duas regras – uma falsa e uma verdadeira” e fez afirmações a respeito, conforme transcrição abaixo:

“… como alegada indicação de que ambos sejam a mesma pessoa.”

Nunca alguém que crê que Cristo é Deus e crê na Trindade diz que o Pai e o Filho sejam a mesma pessoa. Nós cremos em um Deus Uno e Triuno, com três pessoas distintas (1 Jo 5.7). No batismo de Jesus por João Batista, veio a voz do Pai do céu, enquanto depois o Espírito Santo veio como pomba. 

Resposta:

O comentarista não citou o trecho inteiro que permite o entendimento do que foi realmente afirmado. Segue, portanto, a frase completa:

“É muito comum, já por muito tempo, os trinitaristas citarem textos bíblicos que usam o mesmo título ou expressão tanto para Jeová como para Jesus Cristo como alegada indicação de que ambos sejam a mesma pessoa.” 

Observe que a afirmação não é a de que os trinitários entendem que o Pai e o Filho são a mesma pessoa, e sim a de que eles entendem que Jeová e Jesus Cristo sejam a mesma pessoa. O fato é que os trinitaristas, de modo geral, usam textos que se aplicam a Jeová, no “Velho Testamento”, e que são referidos a Jesus, no “Novo Testamento”, para indicar a mesma identidade. Há trinitários que entendem que o nome “Jeová” é uma alusão tanto ao Pai, quanto ao Filho e ao espírito santo.

Assim, embora os trinitaristas afirmem a distinção de pessoas no que tange às expressões “Pai” e “Filho”, afirmam em geral a mesma identidade no que diz respeito aos nomes “Jeová” e “Jesus”. Nem todos os trinitários entendem que Jeová é somente o Pai. Já os unitários entendem que Jeová é o Pai, ao passo que Jesus é o Filho.

Quanto ao texto citado pelo referido comentarista – 1 João 5:7 – trata-se de uma passagem espúria. Veja os artigos abaixo:




O artigo seguinte dará continuidade ao exame deste tema.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





domingo, 26 de janeiro de 2020

Comentário sobre Lucas 21:8


A Bíblia alerta sobre o surgimento de falsos profetas
Fonte: jw.org

Um leitor escreveu:

Sou simpatizantes dos TJs [Testemunhas de Jeová] e um amigo de escola que é evangélico me perguntou o que significa essa frase no texto de Lucas 21:8, ‘Aproximou-se o tempo devido’. Eu não entendo esse texto e não sei o significado dessa frase. Se puder me ajudar agradeço. Obrigado! 

Resposta:

Lemos em Lucas 21:8: “Ele disse: ‘Acautelai-vos de que ninguém vos desencaminhe; porque muitos virão à base do meu nome, dizendo: “Sou eu”, e: “Aproximou-se o tempo devido.” Não vades após eles.’”

O contexto fala da destruição de Jerusalém com seu templo. “Mais tarde, visto que havia certos falando sobre o templo, que este estava adornado com pedras excelentes e com coisas dedicadas, ele disse: ‘Quanto a estas coisas que estais observando, VIRÃO OS DIAS em que não ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada.’ Interrogaram-no então, dizendo: ‘Instrutor, QUANDO SERÃO REALMENTE ESTAS COISAS e qual será o sinal quando estas coisas estão destinadas a ocorrer?’ Ele disse: ‘Acautelai-vos de que ninguém vos desencaminhe; porque muitos virão à base do meu nome, dizendo: “Sou eu”, e: “Aproximou-se o tempo devido.” Não vades após eles. Além disso, quando ouvirdes falar de guerras e desordens, não fiqueis apavorados. Porque estas coisas têm de ocorrer primeiro, mas O FIM NÃO OCORRE IMEDIATAMENTE.’” – Lucas 21:5-9.

Jesus mostrou que “guerras e desordens” ocorreriam antes disso (“primeiro”), “mas O FIM NÃO OCORRE IMEDIATAMENTE”. Acontece que falsos cristos – líderes religiosos e políticos, se autoproclamando como sendo o “Cristo”, ou os salvadores do mundo – desencaminhariam a muitos, afirmando que o fim já havia chegado, ou que estava às portas. Os discípulos não deveriam deixar-se enganar, visto que Jesus fez uma profecia minuciosa sobre a terminação do sistema (tanto judaico quanto o atual) em Mateus capítulos 24, 25; Marcos capítulo 13 e Lucas capítulo 21.

As palavras de Jesus Cristo mostram a importância de não seguirmos líderes humanos, os quais, para atraírem discípulos para si, usam a estratégia de colocar-se como representantes de Deus na Terra – sem terem sido comissionados por Deus – e de afirmar a proximidade do fim – mas sem qualquer relação com a profecia bíblica, ou como uma distorção dela.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Explicando textos bíblicos a um trinitarista



Segue abaixo uma conversa entre o autor deste site e um trinitarista.

Trinitarista:

Jesus afirmou em João 10:30: “Eu e o Pai somos um”. Diante dessa clara afirmação de Cristo em ser Deus, os judeus reagem da seguinte maneira: “Os judeus responderam, dizendo-lhe: Não te apedrejamos por alguma obra boa, mas pela blasfêmia; porque, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo” (João 10:33). E Jesus não corrige os judeus.

Em outra ocasião Jesus declarou: “Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que antes que Abraão existisse, eu sou.” (João 8:58). Diante dessa outra afirmação, os judeus reagem tomando pedras para apedrejar Jesus! Por que os judeus iriam querer apedrejar Jesus se Ele não tivesse dito algo que criam ser uma blasfêmia, ou seja, uma afirmação em ser Deus? 

Nos Atos dos Apóstolos é-nos citada a cura milagrosa do coxo por Pedro e João. Mas, quando o povo, cheio de admiração e de espanto, olhou para eles quase como uns semideuses, Pedro foi pronto em negar qualquer direito à admiração deles, desviando-lhes imediatamente a atenção para Cristo. “Vós, homens de Israel”, disse ele, “por que olhais para nós como se pela força ou poder houvéssemos feito este homem andar? O Deus de Abraão, e o Deus de Isaac, e o Deus de Jacó, o Deus de nossos Pais, glorificou seu Filho Jesus” (Atos 3:12-13). Deveremos dizer que Cristo era menos honesto do quer os seus Apóstolos? Impossível. Contudo, longe de repudiar as palavras a Ele dirigidas por São Tomé, “MEU SENHOR, MEU DEUS”, Jesus aceitou-as e aproveitou a ocasião para dizer: “Porque viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram”.

São Paulo não tinha dúvida quanto ao que os cristãos deviam crer. Escrevendo aos Romanos, declarou que CRISTO era “DEUS BENDITO ETERNAMENTE” (Romanos 9:5); e a Tito declarou que CRISTO era “NOSSO GRANDE DEUS E SALVADOR” (Tito 2: 13).

Apologista da verdade:

Sobre João, capítulo 10, você só esqueceu de citar o mais importante: o conceito de Jesus sobre o assunto. Ele disse: “Não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: “Vós sois deuses”’? Se ele chamou ‘deuses’ aos contra quem se dirigia a palavra de Deus, e, contudo, a Escritura não pode ser anulada, dizeis a mim, a quem o Pai santificou e mandou ao mundo: ‘Blasfemas’, porque eu disse: Sou Filho de Deus?” – João 10:34-36.

Não importa o que os judeus entenderam, e sim o que Cristo disse sobre si mesmo. Ele não disse ser Deus, e sim “Filho de Deus”. Assim, você precisa analisar de que lado você está. Sobre isso, veja o artigo, neste site, intitulado “Você é a favor de Jesus Cristo ou dos inimigos dele?”.

Quanto ao caso envolvendo Tomé, a questão não gira em torno da aceitação de Cristo, e sim da expressão “Meu Senhor e meu Deus”. Como ela deve ser entendida? Veja o artigo “‘Meu Senhor e meu Deus!’ – em que sentido?”.

Quanto a quem é o “Grande Deus” em Tito 2:13, veja o artigo “Jesus Cristo é o ‘grande Deus’ mencionado em Tito 2:13?”.

E quanto a quem se aplica a expressão “Deus bendito eternamente”, leia o artigo “‘Deus bendito eternamente’ – Quem? (Romanos 9:5)”.

Trinitarista:

Cristo sempre tornou claro que seu Pai tinha um parentesco com Ele, totalmente diferente do parentesco para conosco. Ele era o FILHO ÚNICO DE DEUS. Como era que ELE falava de Deus? Sempre como “MEU PAI NO CÉU”, nunca como “NOSSO PAI”. Quando falava aos seus discípulos, dizia: “VOSSO PAI”, mas nunca se classificava com eles. Disse-lhes que orassem assim: “PAI NOSSO”. Mas nunca usou estas palavras como se incluindo a si mesmo com eles. Aos seus discípulos, ELE disse: “SE ALGUÉM ME AMA, MEU PAI O AMARÁ” (João 14:23).

Ninguém pode enganar-se sobre o fato de haver Jesus usado a expressão “MEU PAI” em referência a si mesmo num sentido inteiramente diferente daquele que poderia aplicar-se a qualquer pessoa neste mundo. Que Jesus é Deus (Yahweh) está claro, a partir do fato de que o Novo Testamento aplica a Jesus, de modo consistente, passagens e atributos que no Antigo Testamento eram aplicáveis apenas a Javé (compare Êxodo 3:14 com João 8:58; Isaías 6:1-5 com João 12:41; Isaías 44:24 com Colossenses 1:16; Ezequiel 43:2 com Apocalipse 1:15; Zacarias 12:10 com Apocalipse 1:7).

Apologista da verdade:

Afirmar que Jesus, ao dizer “Pai nosso”, não se incluiu com eles é simplesmente pitoresco e absurdo, pois é justamente isso o que o texto diz! É óbvio que Jesus tinha uma relação especial com o Pai. Quanto a ser o filho único de Deus, isso não procede. Os anjos são também chamados de “filhos de Deus”. (Jó 1:6; 2:1; Salmo 89:6) Mas Jesus era o Filho especial de Jeová por ser a primeira criação de Deus. – Apocalipse 3:14.

Quanto aos textos que você citou, eles realmente não identificam Jeová com Jesus. Para um estudo sobre os mesmos, recomendo os artigos abaixo:

Duas regras – uma falsa e uma verdadeira


Uma regra bíblica desconsiderada pelos trinitaristas


João 8:58 identifica Jesus com Jeová?




A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org


terça-feira, 21 de janeiro de 2020

As religiões da cristandade fazem muitos colocarem em dúvida os princípios bíblicos


 
Fonte: jw.org

A respeito do artigo “O conceito bíblico sobre o sexo antes do casamento”, um leitor teceu o seguinte comentário:

Falam muito e pouco cumprem... Só serve para colocar minhocas na cabeça dos jovens. Hoje pago uma fortuna de psicóloga para resolver o problema de vaginismo da minha esposa, que teve educação evangélica rígida. Até tentei, TENTEI frequentar as igrejas, mas o frenesi e a ambição de receber meu dízimo (ganho bem, estudei muito na vida) me deram nojo... Libertações do MAL... O MAL é essa educação TOSCA E MEDIEVAL que dão para os filhos. Promovem verdadeiro TERROR de medo deles engravidarem antes do casamento... São um poço de problemas psicológicos ... Isso quando não forçam o casal de namorados da igreja a se casarem porque fizeram sexo, criando verdadeiros infernos matrimoniais por unir duas pessoas de pouca afinidade... Tudo em nome do Senhor...

Duvido que Deus seja mesquinho, estúpido, mandão, vingativo e autoritário como dizem... Deus quer a nossa felicidade... não o meu dinheiro; que, na mão de bispos, vira mansão em Miami e na França... Mentirosos, deturpadores da palavra, isso que são... Incapazes de aceitar o mundo moderno. Falam que evolução não existe, que ciência é bobagem... O mesmo método científico que permite um celular funcionar é o que diz que a terra tem bilhões de anos... são uns idiotas criacionistas...

Resposta:

Infelizmente, as religiões têm representado muito mal a Deus e também têm deturpado a Bíblia. Elas se envolvem na política e nas guerras, estabelecem normas restritivas e desarrazoadas de moralidade, colocando as relações sexuais como sendo um pecado, por exemplo.

Também cobram dízimo, um requisito que era da Lei mosaica e que findou junto com essa Lei. Observe o que dizem as passagens abaixo do livro de Hebreus:

“É verdade que, segundo a Lei, aqueles entre os filhos de Levi que recebem o sacerdócio têm o mandamento de cobrar dízimos do povo, isto é, dos seus irmãos, embora estes sejam descendentes de Abraão.” – Hebreus 7:5.

“Pois, mudando-se o sacerdócio, torna-se necessário mudar também a Lei.” – Hebreus 7:12.

Ademais, fazem afirmações anticientíficas sobre o tempo da existência do Universo e da Terra, entre outras coisas, lançando descrédito sobre a Bíblia por afirmarem coisas que a Bíblia não afirma. Sobre isso, veja os artigos abaixo:

O “Big-Bang” e a existência de Deus

 

Explicando Gênesis 2:5 e 6


Por outro lado, o Deus da Bíblia é feliz (1 Timóteo 1:11). Não há nenhum conflito entre a verdadeira ciência e a Bíblia. (Veja o artigo “Será que a ciência contradiz o relato de Gênesis?”, na revista Despertai! de setembro de 2006, pp. 18-20.)

O correto entendimento sobre o conceito bíblico sobre o sexo não traz problemas psicológicos, mas são para a nossa felicidade.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




domingo, 19 de janeiro de 2020

Quem deu início à guerra no céu – Miguel ou Satanás?


Fonte: jw.org

Um leitor escreveu:

Prezado Apologista: 

Gostaria que considerasse o assunto abaixo:

Lemos em Apocalipse 12:7, 8: “Irrompeu uma guerra no céu: Miguel e os seus anjos batalharam contra o dragão, e o dragão e os seus anjos batalharam, mas eles não venceram, nem se achou mais lugar para eles no céu.”

Entendo que essa guerra foi para Satanás mais uma guerra de resistência, assim como uma pessoa má intencionada entra em um estabelecimento e rapidamente os seguranças são acionados e chegam ao local. Logo o indivíduo se vê num beco sem saída. O que lhe resta a fazer é resistir, não querer sair, correr se esconder. Mas, e você? O que acha? 


Resposta:

Tendo em vista que ninguém é inspirado por Deus hoje (1 Coríntios 13:8-13), toda interpretação, por mais sinceros que sejam os pesquisadores, está sujeita a erro e a correção. Isto se dá especialmente no que toca à pesquisa das profecias bíblicas.

Assim, com relação à passagem que o leitor mencionou, segue abaixo meu parecer a respeito.

Os versículos 1 a 6 antecipam a referida menção da “guerra no céu”, e podem nos servir de pano de fundo para lançar luz sobre tal guerra. Tais versos mencionam uma “mulher” que “estava grávida”, prestes a dar à luz “um filho, um menino”. Tal “filho” está de alguma forma relacionado com o Senhor Jesus Cristo, pelos textos paralelos de Apocalipse 19:15 e Salmo 2:9. Tal “filho” não parece ser uma alusão ao nascimento de Jesus como humano na Terra, pois o livro de Apocalipse tem como objetivo “mostrar … as coisas que têm de ocorrer”, isto é, o futuro (Apocalipse 1:1); e, quando tal livro foi escrito, Jesus Cristo já havia morrido e sido ressuscitado havia algumas décadas. O verso 7 parece indicar que o “filho” representa “o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo”.

Diante de tal quadro, lemos que o “dragão” (Satanás, o Diabo), que tem à sua disposição “um terço das estrelas do céu” (possível alusão aos anjos que ele desviou; veja Jó 38:7) “ficou parado diante da mulher que estava para dar à luz, para que, quando ela desse à luz, pudesse lhe devorar o filho.” – Apocalipse 12:4.

Aparentemente, até aqui, esta cena não parece condizer com uma reação, ou resistência, a um ataque, e sim com uma preparação para fazer um ataque contra o nascimento, ou surgimento, do referido “filho”. Evidencia adicional disso é que o referido “filho” foi “subitamente” levado para Deus, e a “mulher” foi abrigada em um “ermo” por um período específico de tempo. Toda esta descrição parece indicar as medidas tomadas em face de um possível ataque.

Por outro lado, a guerra pode ter sido iniciada pelo lado do bem – por “Miguel e os seus anjos”. Assim, após as medidas protetoras para salvaguardar o nascimento do “filho” e a vida da “mulher”, o arcanjo Miguel e os seus anjos teriam iniciado uma guerra para expulsar de vez seus inimigos do domínio celestial.

Esta posição parece ter sido adotada pela Sentinela de 1.º de julho de 1990 (p. 26, parágrafo 8), a qual declarou:

Quem autorizou essa guerra? O próprio Jeová Deus. Ele enviou seu Filho entronizado ao campo de batalha sob o nome de Miguel, pois Este é o mais qualificado para responder à pergunta contida nesse nome, a saber, “Quem É Semelhante a Deus?”. Miguel prontamente entrou em ação como representante lutador de Jeová dos exércitos.

Neste caso, “o dragão e os seus anjos batalharam” para resistir ao ataque da parte de Miguel com seus anjos, mas em vão. Como continua a passagem a descrever, Satanás e seus anjos foram expulsos do céu espiritual para a Terra. – Apocalipse 12:9.

Embora a Bíblia não entre em pormenores, este entendimento parece ser equilibrado e em harmonia com o contexto.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O que João 20:25 indica sobre a forma do instrumento da morte de Cristo

Fonte: jw.org

Um leitor expressou-se da seguinte forma sobre o artigo “‘Sinal dos pregos’ no corpo de Jesus – o que indica?”:


Esse artigo está muito confuso. A lógica é a seguinte: se fosse uma estaca, seria o sinal do prego (caso fosse 1 prego); ou, seriam os sinais dos pregos (caso fossem 2 pregos). Na cruz só pode ser o sinal dos pregos nas mãos, conforme narra a Bíblia.

Resposta:

Pelo visto, o leitor acima não entendeu o artigo supracitado. Como mostrado claramente no artigo, a palavra grega para “sinal” em João 20:25 se refere a um furo. Visto que o sinal está no singular, jamais poderia ser numa cruz. Se fosse, Jesus teria sido pregado apenas em uma das mãos. A outra não teria sofrido a ação de um furo, visto ter havido apenas UM furo. A única forma de haver apenas UM furo em DUAS mãos seria colocar UMA SOBRE A OUTRA. Isso só seria possível tendo Jesus sido pregado em uma estaca – um único poste.

Para ajudar na compreensão, o artigo supramencionado trouxe à tona uma ilustração:

[…] digamos que você fosse incumbido de fazer um único furo em duas peças de madeira. A única maneira de fazer isso seria colocar uma sobre a outra. Embora cada madeira apresentasse depois disso dois orifícios, ou buracos, o furo (sinal) feito foi um só.


Assim, o referido artigo declarou:

Se Cristo tivesse sido pregado com os braços abertos numa cruz, haveria sinais dos pregos, cada prego deixando um sinal em cada mão. No entanto, o texto fala de “sinal” no singular. Portanto, ter Jesus morrido numa cruz com braços abertos está fora de cogitação. Para que houvesse apenas um sinal (no singular) nas “mãos” (plural) de Jesus, suas mãos teriam de ser pregadas juntas, uma sobre a outra.

Portanto, tal artigo demonstrou que o texto de João 20:25, que alguns usam para tentar justificar a crença deles de que Jesus morreu numa cruz de duas vigas transversais, prova justamente o contrário do pretendido pelos membros da cristandade.


  
Crédito da foto do prego em duas madeiras: Marcelo Scandaroli. Equipe de Obra. Disponível em: <http://equipedeobra17.pini.com.br/>.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





terça-feira, 14 de janeiro de 2020

A forma do instrumento da morte de Cristo é um assunto irrelevante?

Fonte: jw.org

O artigo “‘Sinal dos pregos’ no corpo de Jesus – o que indica?” recebeu alguns comentários de leitores no sentido de que discorrer sobre a forma do instrumento da morte de Jesus Cristo seria uma discussão irrelevante. Observe os comentários abaixo neste sentido.

Um leitor declarou:

Acho essa discussão irrelevante. A palavra grega não significa cruz. E as Bíblias não deveriam traduzir “cruz”. Não se pode acrescentar muito. Se alguém quiser acrescentar um poste transversal ... que faça, isso não muda nem altera a fé cristã; isso nem mesmo é um componente necessário para a fé. O importante é conhecer as Escrituras, a teologia, e viver à altura.

Outro levou fez o seguinte comentário:

Sério mesmo ... o que é mais importante? O tipo de madeiro no qual Jesus morreu, ou sua morte? Qual conhecimento realmente leva à salvação – a de uma cruz, uma estaca, ou um rifle no peito – ou não adorar imagem? Como Jesus morreu? Ou por que Jesus morreu? Quem será salvo – aquele que afirma que Jesus é o Cristo, o Filho do Deus vivente?! Ou quem nega que Jesus é Filho de Deus e afirma que ele é Deus, negando que ele seja Filho de Deus, mas sim afirmando que ele é “Deus Filho”, expressão não existente em toda a Bíblia?

Ainda outro leitor teceu a seguinte consideração:

Senhor apologista, acredito sermos irmãos, mas se você der espaço para “debates sobre palavras”, o senhor deixará de trazer à atenção temas-chave para a salvação. Utilize temas que os corretamente dispostos possam reconhecer. Falemos a verdade: não foi comigo e com ninguém que conheci, e acho difícil ter sido com alguém, que o “modo” como Jesus morreu, foi o que chamou minha atenção ao conhecer a verdade.

Lembre-se dos temas que te chamaram a atenção. Estes assuntos, Satanás tem feito de tudo para que você não fale deles. Satanás mira aqueles que têm uma boa capacidade de raciocínio e de explicar a verdade, porque sabe o potencial. Por que Paulo foi tão atacado? Use sua capacidade para ajudar os sinceros. Não se deixe enganar: más companhias estragam bons hábitos.

Outro leitor afirmou:

Discussão inócua. Perda de tempo. Deveria ser ensinado o Evangelho da Palavra: só há salvação em Jesus, que morreu por nós, seja em uma cruz ou em uma estaca reta, ou uma viga de madeira. Para nós interessa entregarmos nossa vida a Jesus, O Salvador.

Resposta:

Filipenses 1:10 declara: “Que vocês se certifiquem de quais são as coisas mais importantes.” De fato, a discussão sobre a forma do instrumento de suplício de Cristo pode não estar entre as “coisas mais importantes”. Por outro lado, não se trata de um “debate sobre palavras”. Pois, é importante desmistificar o conceito de que staurós signifique “cruz”, tendo em vista que a cruz era um instrumento pagão, que, entre outras coisas, por erro de tradução, foi tornada erroneamente pelas religiões um símbolo cristão.

Agradeço a sugestão de focar nos temas relevantes. Porém, se o referido leitor que deu tal sugestão analisou outros artigos deste site, notou que temas relevantes têm sido considerados, tais como sobre a identidade do verdadeiro Deus e de Seu Filho Jesus Cristo, a esperança de salvação, o propósito de Deus para com a Terra etc.

Com relação ao instrumento de suplício de Cristo, vale ressaltar que a cruz, além de não constituir tal instrumento, é também um símbolo pagão inserido no falso cristianismo, e considero importante que as pessoas sinceras saibam disso.

Inclusive, outros leitores do mesmo artigo citado acima perceberam a importância de analisar tal tema sob esta luz. Observe o que escreveram.

Um leitor escreveu:

Gostaria primeiramente de agradecer ao responsável pelo blog, pelas matérias didáticas, lógicas e principalmente pelo compromisso com a verdade.

Com respeito à questão do modo como Jesus foi pregado e do tipo de instrumento utilizado, já está mais que claro nesta matéria. Para os que não aceitam essa instrução faço lhes uma pergunta.

João 3:14: “E, assim como Moisés ergueu a serpente no deserto, assim será erguido o Filho do Homem.” Essa é uma profecia que fala a respeito da forma como Jesus seria pregado. Como é uma profecia, sabemos que as profecias se cumprem de acordo com o que é profetizado. 

Essa profecia está registrada em Número 21:8, 9, que diz: “Jeová disse então a Moisés: ‘Faça uma imitação de uma cobra venenosa e coloque-a num poste. Quando alguém for picado, terá de olhar para ela para ficar vivo.’ Moisés fez imediatamente uma serpente de cobre e a colocou num poste; e, sempre que uma serpente picava um homem e ele olhava para a serpente de cobre, continuava vivo.” Notaram? Se fosse para Jesus ser pregado com uma estaca transversal, essa profecia não seria exata.


Fonte: jw.org

Outro leitor disse o seguinte:

Acredito que qualquer assunto que faça com que a Luz da verdade brilhe cada vez mais é muito relevante. E a cruz é um assunto relevante.

Ainda outro leitor assim se expressou:

Todos os chamados mestres em teologia sabem a verdade de que a cruz é uma farsa da igreja católica, que a incorporou no cristianismo de Constantino – os rituais pagãos, inclusive a cruz, uma representação do deus pagão Thamus. Jesus foi morto de acordo com os costumes judaicos, não romanos. Os soldados romanos só o executaram.

De fato, o leitor acima trouxe à atenção um fator importante a ser considerado – Jesus foi morto de acordo com a Lei dada à nação de Israel. Esse assunto foi tratado no artigo “Jesus morreu pelo modo romano ou no modo judeu?”.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




domingo, 12 de janeiro de 2020

Respondendo questões sobre a forma do instrumento da morte de Jesus – Parte 2


A respeito do artigo “‘Sinal dos pregos’ no corpo de Jesus – o que indica?”, um leitor se expressou conforme transcrito abaixo:
  
Vamos esclarecer o porquê do termo SINAL (marca) está no singular na fraseologia de Tomé. A singularidade do termo SINAL nas MÃOS se dá em relação à singularidade do outro SINAL no LADO de Jesus, pois Tomé necessitava ver e tocar nos DOIS SINAIS, ou seja, no SINAL DAS MÃOS e no SINAL DO LADO. E Jesus responde: ​“Põe AQUI o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.”

Outra coisa, Tomé afirmou: “A menos que EU veja nas SUAS mãos A MARCA dos PREGOS e ponha o MEU dedo na MARCA dos PREGOS.” Note que Tomé queria ver a MARCA nas MÃOS e COLOCAR o DEDO na MARCA das MÃOS; então é óbvio que, para TOMÉ, bastava COLOCAR o dedo em um FURO de uma das mãos, pois as duas mãos estavam furadas; por isso, Jesus diz a Tomé: “PÕE AQUI O DEDO”; esse AQUI demonstrativo está indicando singularidade de local.

Outra coisa, o termo SINAL (furo) nas mãos de Jesus, na fraseologia de Tomé, está no singular também devido o FURO em si mesmo ser UM, por ser causado por OBJETOS da mesma espécie, ou seja, a expressão ‘a MARCA feita pelos PREGOS’ não enfatiza necessariamente que os PREGOS foram fincados no MESMO LOCAL e sim que AQUELE tipo de MARCA foi feita por PREGOS; ou seja, tanto a marca na mão direita ou esquerda se trata de marcas feita por objetos do mesmo tipo e não pelo mesmo objeto, por isso, não era necessário Tomé frasear: ‘A menos que eu veja nas suas mãos OS SINAIS dos PREGOS.’ 

Pois quando Tomé emprega na frase a pluralidade de MÃOS por serem duas e da mesma espécie e quando emprega pluralidade de PREGOS, por serem possivelmente 2 objetos da mesma espécie, não necessitaria o emprego de SINAIS na fraseologia, pois Tomé precisaria de apenas UMA mão para colocar o dedo no SINAL (marca) causada pelos PREGOS, ou seja, Tomé colocaria seu dedo em apenas UMA mão; por isso Jesus disse COLOCAR AQUI e em seguida disse: “Veja minhas MÃOS”, usando o plural de mãos, pois Tomé também exigiu VER as duas MÃOS; pois ambas detinham o SINAL dos PREGOS.

Ou seja, cada MÃO detinha o SINAL causado pelos PREGOS; por isso era possível o emprego do termo SINAL no singular, mas NÃO seria possível o emprego de PREGOS no plural caso fosse UM único PREGO e não seria possível o emprego de MÃOS caso apenas UMA mão estivesse com a MARCA. Porém, ambas as mãos estavam com o MESMO tipo de MARCA, mas o mesmo tipo de marca, porém feita pelo mesmo tipo de objeto (PREGOS).

Resposta:

É elogiável o esforço do leitor em tentar defender suas crenças. Seguem abaixo alguns comentários sobre suas afirmações.

Seu argumento de que “Tomé precisaria de apenas UMA mão para colocar o dedo no SINAL (marca) causada pelos PREGOS, ou seja, Tomé colocaria seu dedo em apenas UMA mão” é tanto nebuloso como irrelevante. Afinal, o texto é claro em dizer respeito ao ‘sinal dos pregos nas mãos’ de Cristo. Assim, esse emaranhado de afirmações do leitor não muda esse fato textual.

O leitor também afirmou: “Cada MÃO detinha o SINAL causado pelos PREGOS.” Essa afirmação está em desarmonia com o significado da palavra usada para “sinal”, conforme o artigo citado acima mostrou. Se fosse assim como o leitor disse, haveria dois sinais. Mas o leitor usou um argumento interessante que ajuda a explicar a palavra “pregos” no plural para o único sinal (marca): por se estar falando de “objetos da mesma espécie”.

Quanto ao uso de “staurós” na corrente do tempo, e especialmente na época de Cristo, e outros pontos relacionados, veja os artigos abaixo:




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *