Image Map











domingo, 19 de dezembro de 2021

Jesus é Senhor de todos? (Atos 10:36)

Fonte: jw.org 

Um leitor trouxe a este site a seguinte questão: 

Atos 10:36 NWT 2019 [Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada]: “Ele enviou sua palavra aos filhos de Israel, declarando-lhes as boas novas de paz por meio de Jesus Cristo — este é Senhor de todos.” Atos 10:36 NWT com referências [Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências, 1986]: “Ele enviou a palavra aos filhos de Israel, para declarar-lhes as boas novas de paz por intermédio de Jesus Cristo: Este é Senhor de todos [os demais].”

Em Atos 10:36 somos informados de que Jesus é o Senhor de todos, a NWT com referências adiciona entre colchetes uma nota para esclarecer o que diz o texto sagrado (...) Os trinitaristas acreditam que Jesus é o Senhor no texto em questão. Fala sobre a divindade de Cristo. Por que a diferença na tradução de Atos 10:36 na NWT 2019 e nas anteriores? Bênçãos. 

Resposta: 

O leitor deseja saber sobre a ligeira diferença no texto de Atos 10:36, que ocorre entre a Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada (2015) e a Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências (1986), ambas da mesma sociedade bíblica. A última citada coloca a expressão “os demais” entre colchetes após a frase “Jesus Cristo: Este é Senhor de todos”, fazendo o texto rezar: Ele enviou a palavra aos filhos de Israel, para declarar-lhes as boas novas de paz por intermédio de Jesus Cristo: Este é Senhor de todos [os demais].”

Quando a Bíblia diz que Jesus é “Senhor de todos”, isto é em sentido relativo e não absoluto. Ou seja, Jesus não é Senhor de todos os seres que existem. Obviamente, não é Senhor de seu próprio Pai, o Deus Todo-Poderoso Jeová. O seu Senhorio é relativo. Incide sobre aqueles a quem Deus estabeleceu. Observe isso nos textos abaixo: 

“E foi-lhe dado domínio, honra e um reino, para que os povos, nações e línguas o servissem. Seu domínio é um domínio eterno, que jamais terminará, e seu reino não será destruído.” - Daniel 7:14.

“Jesus se aproximou e lhes disse: ‘Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra.’” – Mateus 28:18.

Como tornado claro nos textos acima, Jesus Cristo recebeu sua autoridade de outrem, de seu Deus e Pai, Jeová. Observe agora os seguintes textos:

“Que ele [Deus] usou com relação a Cristo quando o levantou dentre os mortos e o fez sentar-se à sua direita nos lugares celestiais.” – Efésios 1:20.

“Pois com este objetivo Cristo morreu e voltou a viver: para ser Senhor tanto dos mortos como dos vivos.” – Romanos 14:9.

Novamente, vemos que a posição de autoridade de Cristo foi concedida por Aquele que o ressuscitou. Apocalipse 19:16 nos diz o seguinte a respeito do ressuscitado e glorificado Senhor Jesus Cristo: “Na sua roupa, sim, sobre a coxa, ele tem um nome escrito: Rei dos reis e Senhor dos senhores.” Obviamente, os “reis” e “senhores” sobre os quais ele exerce domínio são os que estão abaixo de sua autoridade; não incluem Aquele que lhe deu tal autoridade. Como o apóstolo Paulo muito bem explicou em 1 Coríntios 15:27, 28: “Pois Deus ‘lhe sujeitou todas as coisas debaixo dos pés’ [Salmo 8:6]. Mas, quando ele diz que ‘todas as coisas foram sujeitas’, é claro que isso não inclui Aquele que lhe sujeitou todas as coisas. No entanto, quando todas as coisas lhe tiverem sido sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará Àquele que lhe sujeitou todas as coisas, para que Deus seja todas as coisas para com todos.”

A palavra grega traduzida “de todos” em Atos 10:36 é πντων (pánton), adjetivo masculino genitivo plural de πς (pãs), que tem sido traduzido por “tudo”, “todo”, “todas as coisas” etc. Sobre esta palavra grega, veja comentário feito no artigo Jesus é o Criador ou um Ser criado? – Exame de Colossenses 1:15-20”: 

[…] pán·ta também pode significar “todas as outras coisas”, conforme o contexto e para dar maior esclarecimento. Isto se dá especialmente quando “todos” é colocado em relação a algo já mencionado, quando tem como referencial algo já citado. 

O artigo supracitado cita, entre outros, os seguintes textos para comprovar este sentido de pãs:

“No entanto, Pedro lhe disse em resposta: ‘Ainda que todos os outros [πάντες] tropecem no que diz respeito ao senhor, eu nunca tropeçarei!’” – Mateus 26:33.

“Além disso, ele lhes disse: ‘Vocês não compreendem essa ilustração; portanto, como entenderão todas as outras [πάσας] ilustrações?’” – Marcos 4:13.

“É semelhante a um grão de mostarda que, quando é semeado no solo, é a menor de todas as sementes da terra. Mas, depois de semeado, cresce e se torna maior do que todas as outras [πάντων] hortaliças e produz grandes ramos, de modo que as aves do céu podem achar abrigo sob a sua sombra.” – Marcos 4:31, 32.

“Aquele que vem do alto está acima de todos os outros [πάντων]. Quem é da terra é da terra e fala as coisas da terra. Aquele que vem do céu está acima de todos os outros.” – João 3:31.

“Visto que ele nem mesmo poupou o seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, será que, junto com ele, não nos dará também bondosamente todas as outras coisas [τ πάντα]?” – Romanos 8:32.

“Fujam da imoralidade sexual! Qualquer outro [πν] pecado que o homem possa cometer é fora de seu corpo, mas quem pratica a imoralidade sexual peca contra o seu próprio corpo.” – 1 Coríntios 6:18.

“Se um membro sofre, todos os outros [πάντα] membros sofrem com ele; se um membro é glorificado, todos os outros membros se alegram com ele.” – 1 Coríntios 12:26.

Sobre este modo de traduzir o adjetivo pãs, o referido artigo ainda teceu o interessante e esclarecedor comentário:

O mesmo modo de traduzir (“todas as outras”, ou “todos os outros”, “todo outro”, etc.) também poderia ser usado em outros textos. Por exemplo, Romanos 5:12 diz que “por intermédio de um só homem . . . a morte se espalhou a todos os homens”. Mas a parte final do texto poderia ser traduzida ‘a morte se espalhou a todos os [outros] homens’, visto que Adão também era homem. Similarmente, 1 Coríntios 15:24 fala do período em que Jesus irá “entregar o reino ao seu Deus e Pai, tendo reduzido a nada todo governo, e toda autoridade e poder”. A parte final do texto também poderia ser traduzida: “todo [outro] governo, e toda [outra] autoridade e poder”,  visto que Deus e Jesus também têm cada qual um governo, autoridade e poder. A mesma regra poderia ser aplicada em Efésios 1:20-23, que poderia ser traduzido assim: “Ele tem operado no caso do Cristo, quando o levantou dentre os mortos e o assentou à sua direita nos lugares celestiais, muito acima de todo [outro] governo, e autoridade, e poder, e senhorio, e todo [outro] nome dado, não só neste sistema de coisas, mas também no que há de vir. Sujeitou também todas as [outras] coisas debaixo dos pés dele, e o fez cabeça sobre todas as [outras] coisas para a congregação, a qual é o seu corpo, a plenitude daquele que em tudo preenche todas as coisas.” Mas, então, por que nem a NM [Tradução do Novo Mundo Com Referências] nem outras traduções acrescentam em tais textos a palavra “outro”, “outras”, e assim por diante? Porque isto já está subentendido. Ninguém questiona isso. Mas o problema é que, devido à prevalência do ensino trinitário, que afirma que Jesus não foi criado, torna-se necessário acrescentar a palavra “outras” em Colossenses 1:16, 17, para esclarecer algo que já estaria subentendido, se não fosse a ‘neblina’ causada pela doutrina trinitária.

Uma prova bíblica definitiva de que a palavra grega pán·ta pode e deve ser traduzida por “todas as outras coisas” quando o contexto e/ou o esclarecimento o exigem é o texto de 1 Coríntios 15:27, 28, que diz: “Pois Deus ‘lhe sujeitou todas as coisas debaixo dos pés’. Mas, quando diz que ‘todas as coisas foram sujeitas’, é evidente que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas.” Em outras palavras, Paulo estava explicando que “todas as coisas” neste contexto significa “todas as outras coisas; não inclui “aquele que lhe sujeitou” tais coisas.  Paulo disse que isso “é evidente”. Mesmo assim, ele achou bom esclarecer isso. O mesmo se pode dizer de certos versículos bíblicos. Aos que não estão com ideias preconcebidas antibíblicas, tal significado “é evidente” nesses versículos. Mas, devido às ideias preconcebidas antibíblicas, às vezes é necessário esclarecer o sentido do texto por acrescentar palavras auxiliares. Estas palavras não mudam o sentido do texto; pelo contrário, o esclarecem.

Conclusão

Os editores da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas com Referências (1986) acharam por bem esclarecer algo que já está subentendido em Atos 10:36: que Jesus é Senhor de todos os demais, mostrando com isso que o seu Senhorio é relativo, e não absoluto. Somente Jeová é Senhor em sentido absoluto. Lemos em 1 Coríntios 3:23: “Vocês, por sua vez, pertencem a Cristo; Cristo, por sua vez, pertence a Deus.” Ou seja, Deus, o Pai é Dono e Senhor do próprio Jesus Cristo. Usando as palavras do artigo supracitado, os editores da referida tradução da Bíblia acharam bom “esclarecer algo que já estaria subentendido, se não fosse a ‘neblina’ causada pela doutrina trinitária”. Por outro lado, os editores da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada (2015), pelo visto, não viram tal necessidade, visto que já está subentendido tal verdade. De qualquer forma, as duas traduções traduzem de modo correto – uma sendo mais específica.

 

A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová. 

 

Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

 

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



Um comentário:

  1. Gostaria de acrescentar um relato esclarecedor acerca do senhorio de Jesus Cristo sobre outros senhores e o mesmo se aplica ao seu Reinado sobre outros reis. (1 Tim. 6:15; Apo. 17:14). O relato de Apocalipse informa que no futuro haverá um conflito entre o Cordeiro (Jesus Cristo) e "dez reis", que obviamente se tratam de reis ou governos humanos. Jesus é chamado de "Rei dos reis" e de "Senhor dos senhores", mas o que é dito em Apocalipse acerca do fim deste conflito mostra o sentido destas expressões.

    "Eles (os dez reis, simbolizando a totalidade de governos humanos) batalharão contra o Cordeiro, mas, visto que ele é Senhor dos senhores e Rei dos reis, o Cordeiro os vencerá."

    Observe a expressão "visto que", que explica a vitória de Cristo sobre reis humanos. O significado da expressão "Rei dos reis", portanto, é que Jesus tem autoridade real sobre todos os outros reis HUMANOS. Esse é o fator de comparação - Jesus como rei celestial designado por Deus em contraste com os reis humanos. Obviamente, como foi dito, o senhorio e o reinado de Jesus não estão acima do Senhorio nem do Reinado de seu Pai, Jeová. - 1 Cor. 15:27, 28.

    Na verdade tanto o Reino de Jesus como seu Senhorio lhe foram concedido por seu Pai. - Atos 2:36; Daniel 7:13, 14.

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *