Pular para o conteúdo principal

Quando Cristo começa a reinar?


“Ele disse, portanto: ‘Certo homem de nobre estirpe viajou para um país distante, para assegurar-se poder régio e voltar.’” – Lucas 19:12.

 A passagem acima é apenas uma das muitas ilustrações em que Jesus falou sobre seu Reino. Jesus, representado pelo “de nobre estirpe”, retornou ao céu (o “país distante”) em 33 EC, a fim de receber o Reino (“assegurar-se poder régio”), para depois retornar, não como humano, mas como poderoso ser espiritual, executando o julgamento divino sobre os maus e salvando os fiéis a Deus, seu Pai. – Veja 2 Tessalonicenses 1:6-9.

Em função disso, as religiões nominalmente cristãs aguardam a volta de Cristo. Mas, antes de sua volta, ele adquire “poder régio”. Quando isso ocorre?[1]

 

Revelação (Apocalipse) 11:15 e 17 relaciona o início do Reino com a revolta das nações mundiais

“E o sétimo anjo tocou a sua trombeta. E houve vozes altas no céu, dizendo: “O reino do mundo tornou-se o reino de nosso Senhor [Jeová] e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre.” – Re 11:15

“Agradecemos-te, Jeová Deus, o Todo-poderoso, Aquele que é e que era, porque assumiste o teu grande poder e começaste a reinar. Mas as nações ficaram furiosas.” – Re 11:17, 18a.

Quando a História registrou ocorrências turbulentas entre as nações a nível mundial? No ano 33 EC, quando Jesus subiu ao céu? Não. O grande evento que marcou a fúria das nações foi a Primeira Guerra Mundial. Note o que os historiadores dizem sobre isso[2]:

“Desde 1914, todos os que estão cônscios das tendências do mundo estão profundamente preocupados com o que está parecendo uma marcha fadada e predeterminada em direção a uma calamidade cada vez maior. Muitas pessoas ponderadas passaram a achar que nada pode ser feito para impedir o mergulho em direção à ruína.” — Bertrand Russell, The New York Times Magazine, 27 de setembro de 1953.

 “A era moderna . . . começou em 1914, e ninguém sabe quando ou como terminará. . . . Poderia terminar em aniquilamento em massa.” — The Seattle Times, 1.° de janeiro de 1959.

“O mundo inteiro realmente explodiu por volta da Primeira Guerra Mundial, e nós ainda não sabemos por quê. . . . A utopia estava à vista. Havia paz e prosperidade. Daí, tudo foi pelos ares. Desde então estamos num estado de animação suspensa.” — Dr. Walker Percy, American Medical News, 21 de novembro de 1977.

“Em 1914, o mundo perdeu a coerência que nunca mais conseguiu recuperar desde então. . . . Este tem sido um tempo de extraordinária desordem e violência, tanto fora das fronteiras nacionais como dentro delas.” — The Economist, Londres, 4 de agosto de 1979.

“Tudo ficaria cada vez melhor. Este era o mundo em que eu nasci. . . . De repente, inesperadamente, certa manhã de 1914, o negócio inteiro acabou.” — Harold Macmillan, estadista inglês, The New York Times, 23 de novembro de 1980.

 

Revelação capítulo 12 associa o início do Reino com a expulsão de Satanás e de seus demônios do céu

“E viu-se um grande sinal no céu, uma mulher vestida do sol e tendo a lua debaixo dos seus pés, e na sua cabeça havia uma coroa de doze estrelas, e ela estava grávida. E ela clama nas suas dores e na sua agonia de dar à luz.

“E viu-se outro sinal no céu, e eis um grande dragão cor de fogo, com sete cabeças e dez chifres, e nas suas cabeças sete diademas; e a sua cauda arrasta um terço das estrelas do céu, e as lançou para baixo à terra. E o dragão ficou parado diante da mulher, que estava para dar à luz, para que, quando desse à luz, pudesse devorar-lhe o filho.

E ela deu à luz um filho, um varão, que há de pastorear todas as nações com vara de ferro. E o filho dela foi arrebatado para Deus e para o seu trono.”

O que significam tais simbolismos?

O “grande dragão” é Satanás, o Diabo. – Re 12:9.

Mas quem ou o que é o ‘filho varão’? Jesus? Não. Pois, assim que nasceu, tal “filho” “foi arrebatado para Deus e para o seu trono”. Todavia, Jesus não foi para o céu e nem começou a reinar assim que nasceu. Jesus somente foi arrebatado para o céu após 33 anos e meio de vida aqui na Terra. – Atos 1:9-11.

Uma vez que o filho foi arrebatado para Deus, isso significa que é filho Dele. Assim, a mulher representa Sua simbólica esposa. (Gál 4:31; Is 54:1) O filho é o Reino. Como sabemos disso?

Por ocasião do “nascimento” desse “filho” houve guerra no céu: o arcanjo Miguel e seus anjos batalharam contra Satanás e os anjos deste. Satanás e seus demônios perderam a guerra e foram expulsos do céu.  – Re 12:7-9.

Após isso, proclamou-se no céu:

Agora se realizou a salvação, e o poder, e o reino de nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, porque foi lançado para baixo o acusador dos nossos irmãos, o qual os acusa dia e noite perante o nosso Deus! E eles o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do seu testemunho, e não amaram as suas almas, nem mesmo ao encararem a morte.” – Re 12:10, 11.

O verbo grego traduzido por “se realizou” é gínomai.

γίνομαι [gínomai] = 1) vir à existência, começam a ser; 2) tornar-se, acontecer(referente a eventos) 3) surgir, aparecer na história; 4) ser feito.

 “Vir à existência”. (Primeira definição).

The New Annalytical Greek Lexicon, de Wesley J. Perschbacher, 1990, Massachussetts;

–    The Annalytical Greek Lexicon, de Samuel Bagster e filhos, Nova Iorque, 1870.

Mas, quando a Bíblia declara “agora se realizou … o reino”, significa que foi imediatamente após a expulsão de Satanás e de seus demônios do céu? O reino não havia “nascido”, ou vindo a existir, antes dessa expulsão? Sim, e isso se torna claro com o entendimento correto da palavra grega arti (agora):

ρτι = no momento atual, perto dele ou depois; agora, na presente conjuntura; imediatamente, atualmente; só agora, recentemente.The New Annalytical Greek Lexicon, de Wesley J. Perschbacher, 1990, Massachussetts; The Annalytical Greek Lexicon, de Samuel Bagster e filhos, Nova Iorque, 1870.

As palavras em negrito mostram que arti inclui a ideia de algo próximo no tempo passado, de algo recente. A palavra inglesa juncture, usada nos dicionários gregos citados acima, e traduzida “conjuntura”, significa “encontro de acontecimentos”. (Michaelis) Portanto, para se harmonizar com o contexto de Revelação, capítulo 12, arti tem evidentemente esse sentido. Ou seja, por ocasião do ‘nascimento’ (produção) do Reino e do subseqüente lançamento de Satanás e de seus anjos para fora do céu, “se realizou... o reino”.

O que aconteceu em seguida?

“Por esta razão, regozijai-vos, ó céus, e vós os que neles residis! Ai da terra e do mar, porque desceu a vós o Diabo, tendo grande ira, sabendo que ele tem um curto período de tempo.” – Re 12:12.

Tal expulsão não ocorreu antes dos dias de Noé, uma vez que os anjos se rebelaram naquele tempo, e não antes disso. (Gn 6:1-5; Ju 6, 7) Também não ocorreu antes dos dias de Jó, visto que naquela época Satanás tinha acesso ao céu. (Jó 1:6-12; 2:1-7) Será que ocorreu no primeiro século, após Jesus ter subido ao céu? Não.

A respeito de Satanás, a voz do céu o chama de “o acusador dos nossos irmãos” e diz a respeito desses: “Eles o venceram [isto é, a Satanás] por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do seu testemunho, e não amaram as suas almas, nem mesmo ao encararem a morte.” – Re 12:10, 11.

Essa descrição dos seguidores de Jesus não se ajusta ao ano 33 EC, quando Jesus subiu ao céu. Muito pelo contrário: seus seguidores mais próximos ficaram com medo e o abandonaram. (Mt 26:55, 56) É óbvio que o texto se refere a um período de tempo posterior, quando muitos discípulos de Cristo teriam a oportunidade de demonstrar fé mesmo em face da morte.

Outra coisa: a expressão “ai da terra e do mar” evidentemente teria de marcar uma drástica mudança na Terra. O próprio livro de Revelação menciona os cavaleiros do Apocalipse, que causam profundas mudanças na Terra. Note a sequência dos acontecimentos:

1.º cavaleiro: “Saiu vencendo e para completar a sua vitória.” – Re 6:1.

2.º cavaleiro: “Foi [-lhe] concedido tirar da terra a paz.” – Re 6:4.

3.º cavaleiro: “Tinha uma balança na mão.” – Re 6:5.

4.º cavaleiro: “Tinha o nome de Morte. E o Hades [sepultura comum da humanidade] seguia-o de perto.” – Re 6:8.

Vemos uma sequência de guerra MUNDIAL (a paz foi tirada “da terra”), fome, e mortes decorrentes delas, incluindo “praga mortífera”. (Re 6:8) Foi exatamente isso o que a História registrou nos primórdios do século vinte! A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) envolveu 93 por cento da população mundial e causou enorme destruição de mantimentos, o que resultou em muita escassez de alimentos. Com a desnutrição e abalo causado pela guerra, vieram as doenças, a mais notável da época sendo a gripe espanhola, que ceifou mais de 20 milhões de pessoas em apenas poucos meses de 1918-19.

Tudo isso se harmoniza com o texto de Revelação 11:15 e 17, e 12:12, já considerados.

 

E o argumento de ‘sentar-se no trono’?

O entendimento equivocado de alguns, de que Jesus começou a reinar assim que subiu ao céu, deriva-se da conclusão, igualmente equivocada, de que assentar-se ele ao lado de Deus assim que subiu ao céu significaria começar a reinar.

Baseiam-se no texto abaixo:

“E Salomão começou a sentar-se no trono de Jeová como rei em lugar de Davi, seu pai.” (1 Crônicas 29:23)

Visto que a expressão ‘sentar-se no trono’ nesse texto se refere ao início do reinado de Salomão, eles entendem que, quando Jesus se sentou à direita de Deus no céu, ele (Cristo) começou a reinar. No entanto, tal conclusão não se baseia no contexto bíblico como um todo, como vimos, tendo em vista as provas demonstradas acima de que Cristo não começou a reinar em 33 EC. Também não se baseia no que a Bíblia diz acerca da expressão ‘sentar-se no trono’.

Vejamos apenas dois exemplos:

 “Quando o Filho do homem chegar na sua glória, e com ele todos os anjos, então se assentará no seu trono glorioso. E diante dele serão ajuntadas todas as nações, e ele separará uns dos outros assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos.” – Mt 25:31, 32.

Se assentar-se no trono significa unicamente começar a reinar e se Jesus começou a reinar em 33 EC, então tal separação de ovelhas e cabritos e tal julgamento já teriam acontecido naquele tempo. Mas isso não tem lógica nem é bíblico. Não tem lógica porque muitas pessoas nasceram após o ano 33 EC. Essas não serão julgadas? E não é bíblico porque tal julgamento está no final da grande profecia de Jesus sobre a “terminação do sistema de coisas”, isto é, sobre o tempo do fim. – Mt capítulos 24 e 25.

“Na recriação, quando o Filho do homem se assentar no seu glorioso trono, vós, os que me seguistes, também estareis sentados em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel.” – Mt 19:28.

Tal “recriação” será após o fim deste sistema de coisas. Significa então que Cristo só começará a reinar depois do fim do sistema? Tal conclusão conflitaria com os textos de Revelação que indicam que Cristo começa a reinar ainda neste sistema.

Fica claro que não podemos entender entronização, ou tornar-se rei, toda vez que lemos a expressão ‘sentar no trono’. Depende do contexto. E o contexto bíblico somado à História evidencia que Cristo começou a reinar no Reino messiânico no século 20, por volta do período da Primeira Guerra Mundial[3].

 

Referências:

[1] Um artigo anterior, sob o título “Jesus começou a reinar desde que subiu ao céu”, considerou matéria pertinente.

[2] As cinco citações de historiadores foi extraída da revista Despertai!, de 22 de março de 1993 (p. 11), períódico publicado pelas Testemunhas de Jeová.

[3] Veja os artigos “Tempos dos gentios” – quando começam e quando terminam? (Partes 1 e 2), neste blog.

 

 

Comentários

  1. O blog tá ótimo! Vou encaminhar alguns leitores do outro blog para cá, pois eles ainda não o conhece.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

𝐄𝐒𝐓𝐄 É 𝐔𝐌 𝐒𝐈𝐓𝐄 𝐃𝐄 𝐍Í𝐕𝐄𝐋 𝐀𝐂𝐀𝐃Ê𝐌𝐈𝐂𝐎. 𝐀𝐎 𝐂𝐎𝐌𝐄𝐍𝐓𝐀𝐑, 𝐔𝐒𝐄 𝐋𝐈𝐍𝐆𝐔𝐀𝐆𝐄𝐌 𝐀𝐂𝐀𝐃Ê𝐌𝐈𝐂𝐀, 𝐒𝐄𝐌 𝐈𝐍𝐒𝐔𝐋𝐓𝐎𝐒, 𝐒𝐄𝐌 𝐏𝐀𝐋𝐀𝐕𝐑𝐀𝐒 𝐃𝐄 𝐁𝐀𝐈𝐗𝐎 𝐂𝐀𝐋Ã𝐎. 𝐍Ã𝐎 𝐑𝐄𝐏𝐈𝐓𝐀 𝐎𝐒 𝐀𝐑𝐆𝐔𝐌𝐄𝐍𝐓𝐎𝐒 𝐑𝐄𝐁𝐀𝐓𝐈𝐃𝐎𝐒, 𝐍Ã𝐎 𝐃𝐄𝐒𝐕𝐈𝐄 𝐃𝐎 𝐀𝐒𝐒𝐔𝐍𝐓𝐎. 𝐒𝐄 𝐄𝐒𝐓𝐀𝐒 𝐑𝐄𝐆𝐑𝐀𝐒 𝐍Ã𝐎 𝐅𝐎𝐑𝐄𝐌 𝐂𝐔𝐌𝐏𝐑𝐈𝐃𝐀𝐒, 𝐒𝐄𝐔 𝐂𝐎𝐌𝐄𝐍𝐓Á𝐑𝐈𝐎 𝐒𝐄𝐑Á 𝐑𝐄𝐏𝐑𝐎𝐕𝐀𝐃𝐎.

MAIS LIDOS

“Sinal dos pregos” no corpo de Jesus – o que indica?

Por que a ressurreição de Lázaro ocorreu no 4.º dia e a ressurreição de Jesus ocorreu no 3.º dia?

Diferença entre “criar” e “fazer”

O que é Lilith em Isaías 34:14?

O espírito volta a Deus – em que sentido? (Eclesiastes 12:7)

Quem são as “outras ovelhas”?

DIREITO OU “USURPAÇÃO”? (Filipenses 2:6)

Refutando acusações apóstatas (Parte 1)

Quem é o Criador – Jeová ou Jesus? (Parte 1)

Quanto tempo durou a escravidão dos israelitas no Egito?