Image Map











domingo, 9 de outubro de 2011

Quem são as “outras ovelhas”?

 Fonte da ilustração: https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/jesus/ministerio-na-judeia/bom-pastor-e-apriscos/


“E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor. – João 10:16.

Na ilustração, ou parábola, de Jesus Cristo, registrada em João 10:1-18, ele usa a metáfora de “aprisco” (curral, redil ou cercado) de ovelhas para ilustrar arranjos divinos para a preservação do povo de Deus, em épocas diferentes. Nessa ilustração, ele descreve três apriscos, ou arranjos, providos por Jeová em períodos diferentes. Vamos examinar cada um deles.

1.º aprisco: o pacto da Lei mosaica (João 10:1-6)

Jesus se compara a um “pastor de ovelhas” que “entra pela porta” desse “aprisco das ovelhas”, para quem “o porteiro abre”. Tal “pastor” retira desse “aprisco” suas legítimas ovelhas e “as conduz para fora”. Tais “ovelhas” discernem que ele é o verdadeiro Messias, e não seguem a falsos cristos, que, como ‘ladrões e saqueadores’ que não têm autorização celestial de entrar pela porta, querem apenas explorar tais ovelhas.

 A vida e o ministério de Jesus tornam óbvio o significado desse arranjo, ou “aprisco” inicial. Gálatas 4:4, 5 diz sobre isso: “Mas, quando chegou o pleno limite do tempo, Deus enviou o seu Filho, que veio a proceder duma mulher e que veio a estar debaixo de lei, para livrar por meio duma compra os debaixo de lei, para que nós, da nossa parte, recebêssemos a adoção como filhos.” Portanto, esse primeiro “aprisco” envolve os que estavam sob a Lei mosaica. João Batista, como Preparador do caminho, abriu a “porta”, ou acesso, desse “aprisco” a Jesus, conduzindo seus próprios discípulos a ele. Sobre isso, lemos em João 1:35-37: “Novamente, no dia seguinte, João estava parado com dois dos seus discípulos, e ao olhar para Jesus andando ali, disse: ‘Eis o Cordeiro de Deus!’ E os dois discípulos o ouviram falar e seguiram a Jesus.”

 Certa vez, os discípulos de João reclamaram a ele: “Rabi, o homem que estava contigo do outro lado do Jordão, de quem deste testemunho, eis que este está batizando e todos vão a ele.” (João 3:26) O próprio João explicou sua atividade, dizendo: “Quem tem a noiva é o noivo. No entanto, o amigo do noivo, estando em pé e ouvindo-o, tem muita alegria por causa da voz do noivo. Esta alegria minha, por isso, ficou completa. Este tem de estar aumentando, mas eu tenho de estar diminuindo.” – João 3:29, 30.

Todos esses fatores nos ajudam a entender o significado do “aprisco” seguinte.


2.º “aprisco”: o novo pacto (João 10:7-15)

Primeiramente, vamos delimitar as diferenças entre o quadro ilustrativo anterior (vers. 1-6) e este quadro ilustrativo. No primeiro, Jesus figura qual “pastor de ovelhas”. Neste, ele se compara à “porta das ovelhas”. Portanto, ele se torna o acesso para um novo “aprisco”, ou arranjo divino. Em relação ao “aprisco”, ou arranjo, da Lei, Jesus “conduz para fora” suas ovelhas. (vers. 3) Nesse novo arranjo, as pessoas têm de “entrar por” ele. (Vers. 9) Definitivamente, Jesus estava falando de um novo “aprisco”.[1] Isso se torna evidente pelo fato de que, no versículo 16, Jesus chama esse novo arranjo do qual ele é a “porta” como ‘esse aprisco’.  Que “aprisco” é esse?

Esse “aprisco” não pode significar o cristianismo, do qual Jesus tornou-se o fundador. Pois ele disse em seguida: “Tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco.” (João 10:16) Jesus não tem seguidores legítimos em outra forma de adoração que não seja o que ele estabeleceu. Será que ‘esse aprisco’ seria constituído dos cristãos judeus, ao passo que as “outras ovelhas” representariam os cristãos gentios? Diversas razões mostram claramente que esse não é o caso, mas que ‘este aprisco’ representa o novo pacto.

1)      O primeiro “aprisco” era o pacto da Lei. O que substituiu tal pacto foi o “novo pacto”, que inclui tanto judeus como gentios. Jeremias 31:31, 32 declara: “‘Eis que vêm dias’, é a pronunciação de Jeová, ‘e eu vou concluir um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; não um igual ao pacto que concluí com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, “pacto meu que eles próprios violaram, embora eu mesmo tivesse a posse marital deles”’, é a pronunciação de Jeová.”

2)     O primeiro “aprisco” não representava um grupo de pessoas. Portanto, coerentemente, o segundo “aprisco” não significa um grupo de pessoas, tais como os cristãos judeus. Os apriscos não são pessoas, mas sim arranjos que incluem pessoas. As pessoas sob tais arranjos são comparadas a “ovelhas”, e não ao “curral” que as cerca.

3)  Moisés foi usado por Jeová como ‘porta’, ou acesso, dos israelitas e prosélitos no pacto da Lei por atuar como mediador de tal pacto. Paralelamente, Jesus tornou-se o “mediador dum novo pacto”. – Hebreus 12:24.

4)  Falando desse “aprisco”, do qual ele é a “porta”, Jesus declarou: “Todo aquele que entrar por mim será salvo.” (João 10:9) Jesus não disse que era necessário pertencer a ‘esse aprisco’ para ser salvo. Se assim fosse, as “outras ovelhas”, não sendo “deste aprisco”, estariam perdidas. O que ele disse é que os acolhidos a ‘este aprisco’ serão salvos. A expressão “todo aquele” exclui nacionalidade. Tanto judeus como gentios estão incluídos nessa expressão. Que o novo pacto reuniu tanto judeus como gentios é explicado em Efésios 2:14, 18: “Pois ele [Cristo] é a nossa paz, aquele que das duas partes [judeus e gentios] fez uma só e que destruiu o muro no meio, que os separava [a Lei mosaica]. Porque, por intermédio dele, nós, ambos os povos [judeus e gentios], temos a aproximação ao Pai, por um só espírito.”

5)  Jesus chamou suas “ovelhas” de “meus irmãos”. (João 20:17) Tanto os discípulos judaicos como os discípulos gentios eram irmãos de Cristo. (Romanos 8:17, 29) Por outro lado, Jesus menciona “ovelhas” às quais ele não considerou como “irmãos”, mas como sendo um grupo à parte que faz o bem aos seus “irmãos”. (Mateus 25:33, 40) Estas “ovelhas” evidentemente são as “outras ovelhas” de João 10:16. Os que viverão na Terra são considerados como sendo "filhos" de Jesus, que se torna o "Pai eterno" deles. (Salmo 45:16; Isaías 9:6; 53:10) Por conseguinte, as "outras ovelhas" compõem a classe de pessoas que viverá na Terra.

6)    As palavras de João Batista em João 3:29, 30 (transcritas acima), mostram que os primeiros discípulos de Jesus, sendo israelitas, comporiam a simbólica “noiva” de Cristo, que inclui tanto judeus como gentios. João mostrou que Jesus estava introduzindo um novo arranjo, no qual Jesus figuraria como “noivo”, tendo uma “noiva”. A “noiva” de Cristo, na Bíblia, representa todos os seguidores de Cristo que têm esperança celestial. (Efésios 5:23, 25-27; 2 Coríntios 11:2) Portanto, o segundo “aprisco”, ou arranjo, introduzido por Jeová mediante Cristo, é o novo pacto, por meio do qual judeus e gentios se tornam parte da “noiva” de Cristo, com a perspectiva de reinar com ele no céu. – 1 Pedro 1:4; Lucas 22:19, 20, 29.[2]


3.º “aprisco”: o arranjo para a vida eterna na Terra (João 10:16)

Portanto, as “outras ovelhas”, que não são do “aprisco” do novo pacto, representam os que são acolhidos por Cristo tendo a perspectiva de vida eterna na Terra. As palavras de Cristo, “a estas também tenho de trazer”, indicam que, por volta do período do preenchimento do “pleno número” dos cristãos com esperança celestial, a esperança original terrestre (e judaica pré-cristã) seria restabelecida. (Romanos 11:25; Apocalipse 6:11) Embora coexistindo em ‘apriscos’ diferentes, os cristãos com esperança celestial e os com esperança terrestre constituem “um só rebanho”, pois ambos são submissos à liderança de Cristo. – João 10:16.

     É possível um pastor ter um rebanho e mais de um aprisco? Observe as palavras do Salmo 78:70: “E assim escolheu a Davi, seu servo, E tomou-o dos redis do rebanho”; [“apriscos das ovelhas”, Al]. O fato de Jesus dizer que as “outras ovelhas” não são do aprisco do qual Jesus é a “porta” mostra que elas não estão no novo pacto. No entanto, elas se beneficiam de tal provisão. O novo pacto é uma expressão e um cumprimento do pacto abraâmico. Jeová declarou a Abraão: “Multiplicarei o teu descendente. ... E todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente.” (Gênesis 22:17a, 18) O novo pacto proporcionou a existência da parte secundária desse “descendente” – os cristãos com esperança celestial – por meio do qual “todas as nações da terra” – “as outras ovelhas” com esperança terrestre – receberão as bênçãos divinas.



Notas de rodapé.

[1] No entanto, mesmo nesse novo arranjo Jesus continua a atuar como “pastor”, que “entrega a sua alma em benefício das ovelhas”. (João 10:11, 14, 15) As “ovelhas” não são apenas as que estão neste segundo “aprisco”. Representam todas as suas “ovelhas”, ou verdadeiros seguidores, incluindo as “outras ovelhas”. Jesus atua como “um só pastor” de todas essas, entregando por todas elas a “sua alma”. – João 10:16.
[2] Lucas 22:19, 20, 29 mostra que os mesmos que estão no “novo pacto”, que tomam dos emblemas do pão e do vinho, também estão no ‘pacto para um reino’, para serem reis junto com Cristo no céu. Assim, os que não estão nesses pactos não tomam dos emblemas da Comemoração da morte de Cristo.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






5 comentários:

  1. ALEXANDRE:
    olá mano ótimo seu artigo "outras ovelhas" vi pontos que não havia notado ótimo seu blog, sempre sempre faço uso dele. abraço..

    ResponderExcluir
  2. Graça e paz a todos!

    Um bonito arrazoado você apresenta caro anônimo. Todavia, não sei porque tanta dificuldade para entender um texto tão simples como João 10:16. Observando o contexto encontramos no capítulo 10 de João em que ate o versículo 29 Jesus fala sobre "ovelhas". Jesus por Sua Presciência diz em João 10:16 que tem "ovelhas" em um outro aprisco, isto é: Jesus diz que tem ovelhas em outro cural e que por Sua Vontade também vai "agrega-las e haverá um rebanho e um pastor. Isto se soma ao que revela o apóstolo Paulo em Efésios 2:14-15 quando Deus Forma um novo povo para adorá-lo e o faz unindo em um único rebanho ovelhas judias e ovelhas gentílicas ou uma igreja em que estão juntos os judeus convertidos com os gentíos convertidos. Você pode ainda associar tudo isto ao que afirmou Jesus em João 8:31 "Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Claymilton:

      Como o artigo acima mostrou, as "outras ovelhas" não poderiam ser os gentios que se tornaram cristãos, visto que estes já estão abrangidos pelo segundo aprisco, ou curral, para o qual Jesus os atrai junto com os judeus e prosélitos que O aceitam.

      Excluir
  3. Paz de Deus!

    Muito bom o artigo, mas ainda não estou muito seguro quanto as ovelhas que viverão na terra.
    Outro ponto de atenção é com relação ao porteiro do primeiro aprisco, não seria Moisés ao invés de João Batista.
    E-mail: wribeiro@suzano.com.br

    Deus abençoe!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Historicamente, quem conduziu as "ovelhas" israelitas a Jesus foi João Batista, preparando o terreno para a obra do Messias, Jesus Cristo. Quanto às ovelhas, poderá fazer mais pesquisa a respeito ou enviar por e-mail qual é sua dúvida.

      Que a paz de Deus também esteja sobre você. - Filipenses 4:6, 7.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *