Image Map











quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

DIREITO OU “USURPAÇÃO”? (Filipenses 2:6)

 Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/wp20131201/sobre-volta-de-cristo/


ὃς ἐν μορφῇ θεοῦ ὑπάρχων οὐχ ἁρπαγμὸν ἡγήσατο τὸ εἶναι ἴσα θεῷ.
  Filipenses 2:6, WH; B.

“Quem em forma de Deus existindo, não um ato de arrebatar considerou o ser igual a Deus.” – WH.

“Quem em uma forma de Deus sendo [ou estando], não uma usurpação meditou o ser igual a Deus.” – ED.


As traduções acima do texto grego dão a entender que Cristo não considerou como sendo uma usurpação “ser igual a Deus”. Contudo, vale lembrar que o grego antigo era escrito sem pontuação, que os tradutores têm de suprir ao verter o texto para outras línguas. Foram catalogados 274 manuscritos com letras unciais, ou seja, escritos inteiramente em grandes letras maiúsculas, com quase nenhuma separação entre as palavras, sem pontuação, datando dos séculos 4.° ao 10 EC. E conforme a pontuação colocada, o texto muda radicalmente de sentido.

Assim, o texto de Filipenses 2:6 poderia ser vertido assim: “Quem em forma de Deus existindo, não uma usurpação considerou: o ser igual a Deus.” Ou ainda: “Quem em forma de Deus existindo, não uma usurpação considerou – o ser igual a Deus.” Basta colocar dois pontos ou um travessão para dar a entender que Cristo considerou ser uma usurpação “ser igual a Deus” e, por isso, não deu consideração, ou atenção, a essa usurpação.

A expressão “não uma usurpação considerou” pode ter tanto o sentido de ‘não considerou ser uma usurpação’ como ‘não deu consideração a uma usurpação’. Visto que o verbo “considerar”, entre outras coisas, é definido como “levar em conta”, “dar importância a”, esta última versão do texto significaria que Jesus não levou em conta ou não deu importância a uma usurpação – a de “ser igual a Deus”. A palavra grega para “considerar” no texto é  ἡγέομαι (hegéomai). Essa palavra também significa “pensar em” (G.D.), ‘julgar’, ‘ter por’, ‘prezar’ (Taylor). Observe a diferença entre verter a frase por “não uma usurpação julgou” e vertê-la por “não uma usurpação prezou”. Ainda poderíamos vertê-la por “não pensou em uma usurpação”, quer dizer, nem passou pela mente de Cristo a usurpação de “ser igual a Deus”.

Outro fator a se considerar é que, na expressão οὐχ ἁρπαγμὸν ἡγήσατο (oukh harpagmòn hegésato), literalmente “não uma usurpação considerou”, notamos a ausência do advérbio ώς (hos), que atua como uma partícula comparativa, significando “como”, “igual a”, e que seria determinativo no texto em questão. (Veja o uso desse advérbio em Filipenses 2:15 e em João 1:32) Teríamos então a frase “não como uma usurpação considerou o ser igual a Deus” (οὐχ ώς ἁρπαγμὸν ἡγήσατο τὸ εἶναι ἴσα θεῷ; oukh hos harpagmòn hegésato tò eînai ísa theõi) Contudo, a ausência do advérbio hos também deixa margem para as duas traduções.

Portanto, assim como em outros casos, a tradução correta tem de ser determinada pelo contexto da Bíblia como um todo. Então, que ideia concorda com o contexto? O contexto dos versículos circundantes (3-5, 7, 8) esclarece como o versículo 6 deve ser entendido.

O versículo 3 destaca a “humildade mental” e apresenta como prova de tal humildade duas coisas: ‘Considerar os outros superiores’ e ‘visar, em interesse pessoal, também os assuntos dos outros’.  A seguir, o versículo 5 introduz a pessoa de Cristo como sendo notável exemplo dessa atitude, dizendo: “Mantende em vós esta atitude mental que houve também em Cristo Jesus”. O texto aconselha os cristãos a imitar a Cristo no assunto considerado aqui.

Agora, poderiam os cristãos ser instados a não considerar o “ser igual a Deus” como “uma usurpação”, mas como um direito que lhes cabe? Não, isso seria exatamente o contrário do argumento que estava sendo apresentado! Mas os cristãos podem imitar aquele que “não deu consideração a uma usurpação, a saber, que devesse ser igual a Deus”.  Aliás, quem disse que alguém poderia ser ‘igual a Deus’ foi Satanás. – Gênesis 3:5.

Além do mais, se Jesus não considerasse como uma usurpação ser igual a Deus, os dois versículos seguintes não fariam sentido. Estes dizem: “Não, mas ele se esvaziou e assumiu a forma de escravo, vindo a ser na semelhança dos homens. Mais do que isso, quando se achou na feição de homem, humilhou-se e tornou-se obediente até à morte, sim, morte numa estaca de tortura.” (Filipenses 2:7, 8) Se Cristo não achasse errado ser igual a Deus, ele teria aceitado tal condição, ao invés de humilhar-se. Mas o que o texto está apresentando é uma antítese, um contraste: Jesus, devido à sua humildade mental, rejeitou qualquer aspiração a ser igual a Deus, considerando isso uma usurpação, mas, ao contrário, ‘humilhou-se até à morte’.

Em vista de tais argumentados biblicamente documentados, alguns tradutores, percebendo que a versão “achou não ser roubo ser igual a Deus” (católica Douay) e “não julgou como usurpação o ser igual a Deus” (ALA) soam desconcertantes, por não se harmonizarem com o contexto, propuseram versões tais como “não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar” (IBB). Eles mudam o sentido da palavra, de ‘usurpar’ ou ‘arrebatar violentamente’, para “aferrar-se”. Com base em tais traduções, alguns afirmam que o texto bíblico significa que Jesus já tinha igualdade, mas não desejava retê-la, ou ‘aferrar-se’ a ela.

A palavra grega que tem sido alvo desse debate é a palavra harpagmós, que só ocorre em Filipenses 2:6, e que está relacionada ao verbo ‘arpazw (harpázo). Assim, para entendermos o pleno sentido desse aspecto do texto grego, precisamos examinar de perto o verbo ἁρπάζω (harpázo). Esse verbo significa “roubar, carregar, apanhar, arrebatar” (G.D.), e também ‘tomar à força’, ‘tirar’. (Taylor) Observe os exemplos abaixo do uso do verbo harpázo.

Mateus 13:19: “Vem o iníquo e arrebata.” (ἁρπάζει; harpázei).

João 10:12: “O lobo as [ovelhas] arrebata.” (ἁρπάζει; harpázei).

João 10:28: “Ninguém as arrebatará.” (ἁρπάσει; harpásei).

Atos 27:15: “O barco foi apanhado com violência.” συναρπασθέντος; synarpasthéntos). Essa é uma declinação de συναρπάζω (synarpázo), que significa “pegar violentamente, agarrar, arrebatar”. (G.D.) Ocorre também em Lucas 8:29; Atos 6:12; 19:29. Esses textos falam de um homem ser ‘mantido agarrado (συνηρπάκει; synerpákei) por um demônio, de um punhado de judeus ‘tomarem Estêvão à força’ (συνήρπασαν; synérpasan), e de os cristãos ‘Gaio e Aristarco, macedônios, companheiros de viagem de Paulo, ‘terem sido arrastados (συναρπάσαντες ; synarpásantes) pelo povo idólatra de Éfeso.

De modo similar, o substantivo relacionado  ἅrpax  (hárpax) tem o sentido de “ladrão, estelionatário” (G.D.) e “roubador” (Taylor). Seu plural (ἅρπαγες; hárpages) tem sido traduzido por “vorazes” e “extorsores”. (Mateus 7:15; Lucas 18:11; 1 Coríntios 5:10; 6:10) Mesmo os textos em que o ato de ‘arrebatar’ tem um aspecto positivo, ainda assim descrevem uma ação brusca, impetuosa, que envolve esforço vigoroso. – Mateus 12:29; Judas 23; Atos 8:39; 2 Coríntios 12:2, 4; Apocalipse 12:5; Mateus 11:12.

Em vista do claro sentido de harpázo, Ralph Martin, em The Epistle of Paul to the Philippians  (A Epístola de Paulo aos Filipenses), diz a respeito do grego original: “É questionável, porém, se o sentido do verbo [harpázo] pode desviar de seu sentido real de ‘usurpar’, ‘arrebatar violentamente’, para o de ‘reter com firmeza’.” The Expositor’s Greek Testament (Testamento Grego do Expositor) diz também: “Não encontramos passagem alguma em que αρπάζω [har--zo] ou qualquer palavra derivada dela [incluindo har·pag·món], tenha o sentido de ‘ter posse’, ‘reter’. Parece invariavelmente significar ‘usurpar’, ‘arrebatar violentamente’. Assim, não é permissível desviar o verdadeiro sentido de ‘apossar-se de’ para o sentido totalmente diferente de ‘reter’ [ou ‘apegar-se’].” — (Grand Rapids, Mich., EUA; 1967), editado por W. Robertson Nicoll, Vol. III, pp. 436, 437.[1]

Do acima fica evidente que os tradutores de algumas versões violam as regras para apoiar objetivos trinitaristas.

Ademais, a tradução trinitarista que defende que Cristo não considerou ser uma usurpação “ser igual a Deus” choca-se frontalmente com Filipenses 2:9. Pois, se Cristo é igual a Deus, como então Deus poderia enaltecer Jesus a uma posição superior, sendo que não há posição superior a de Deus? Ele só poderia ter recebido uma “posição superior” a que ele tinha na sua existência pré-humana se ele não fosse “igual a Deus”.

Também, o texto não diz respeito a uma posição superior em relação à sua situação terrestre, pois não seria nenhum prêmio ele voltar a ter a mesma posição que detinha no céu antes de vir à Terra e sacrificar-se. O argumento apresentado por Paulo é o de que a humildade resulta em glória, em bênçãos, evidentemente superiores à que a pessoa já tinha, senão não seria nenhum prêmio. (Veja Provérbios 15:33; 22:4) Ademais, o Deus Todo-Poderoso, Jeová, sempre teve poder supremo. Sua posição nunca mudou. Isso é mais uma confirmação de que Cristo não é “igual a Deus”.

Seguem abaixo traduções que se esforçam em conservar o verdadeiro sentido do texto grego, de que Jesus não deu lugar à usurpação de ser igual a Deus. [2]

1869: “o qual, sendo em forma de Deus, não achou que ter igualdade com Deus fosse algo de que devesse apossar-se.” – The New Testament, de G. R. Noyes.

1965: “Ele — realmente de natureza divina! — nunca se fez, com auto-confiança, igual a Deus.” Das Neue Testament, edição revisada, de Friedrich Pfäfflin.

1968: “o qual, embora sendo em forma de Deus, não achou que ser igual a Deus fosse algo do que gananciosamente se apoderar.” La Bibbia Concordata.

1970: “Ele não julgou que a igualdade com Deus fosse algo de que se devia apoderar.” Nova Bíblia Americana, edição católica inglesa.

1973: “Ele sempre teve a mesma natureza de Deus, mas não tentou ser, pela força, igual a Deus.” A Bíblia na Linguagem de Hoje.

1985: “O qual, sendo em forma de Deus, não achou que a igualdade com Deus fosse algo do que se apossar.” The New Jerusalem Bible.

1986: “o qual, embora existisse em forma de Deus, não deu consideração a uma usurpação, a saber, que devesse ser igual a Deus.” Tradução do Novo Mundo.

Também transmitem a mesma ideia The New English Bible, de1970 (NEB), a Revised Standard Version (RSV), segunda edição, de1971, e Good News Bible  Today’s English Version, de 1976 (TEV).


Referências:

ALA – Tradução Almeida Revista e Atualizada no Brasil.

B – Ms. Vaticano 1209, gr., quarto séc. EC, Cidade do Vaticano, Roma, E.H., E.G.

Brochura Deve-se Crer na Trindade? (1989, p. 25), publicada pelas Testemunhas de Jeová.

ED – The Emphatic Diaglott (interlinear grego-inglês), de Benjamin Wilson, Nova Iorque, 1864, reimpressão pela Watch Tower Bible and Tract Society, Brooklyn, 1942.

G.D. – Léxico do Novo Testamento Grego/Português, de Gingrich e Danker, Edições Vida Nova, 1993.

IBB – Tradução Almeida da Imprensa Bíblica Brasileira.

Taylor – Dicionário do Novo Testamento Grego, de William Carey Taylor, 9.ª ed., Rio de Janeiro, JUERP, 1991.

WH –The New Testament in the Original Greek, de Westcott e Hort, ed. de 1948 (reimpresso em The Kingdom Interlinear Translation of the Greek Scriptures (A Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas, 1969, publicada pelas Testemunhas de Jeová). 


Notas:

[1] Apud brochura Deve-se Crer na Trindade? (1989, p. 25),  publicada pelas Testemunhas de Jeová.
[2] Apud id.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



  

23 comentários:

  1. Eles mudam o sentido da palavra, de ‘usurpar’ ou ‘arrebatar violentamente’, para “aferrar-se”.

    ResponderExcluir
  2. O ponto pra mim está na palavra "usurpação", o fato dela ser usada no texto em questão e estar ligada ao "ser igual Deus" tem a conclusão óbvia de que Cristo estar na posição de Deus seria uma "usurpação" um direito que NÂO LHE CABE, esse termo chave é o que desmente a Trindade nessa passagem. Algumas traduções tentam negar isso e teólogos de bom bico tentam enfraquecer o termo para algum sentido onde: Cristo em vez de se recusar a "roubar" algo que não lhe pertence, apenas não queira reter algo que lhe é direito eterno e inerente (que seria o de ser Deus).

    ResponderExcluir
  3. Veja,
    [link removido para não dar publicidade a sites com argumentos antibíblicos]
    Que achas? Quais principais falhas que enxerga nese artigo que pretende ser o definitivo sobre Fil 2:5,6 ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na matéria que você me enviou sobre Fil 2:5, 6, o autor cita duas traduções desse texto sem fonte, em que se coloca o advérbio “como”, o qual não existe no texto grego, conforme mostrou o artigo deste blog sobre o mesmo texto. Além disso, as duas traduções citadas não são diferentes no que tange a colocar Cristo como “igual a Deus”. Uma diz que Cristo não considerou usurpação “ser igual a Deus”, ao passo que outra diz que ele não se aferrou a “ser igual a Deus”. Assim, ele não foca realmente a tradução que torna claro que Cristo considerou uma usurpação “ser igual a Deus”. Desse modo, ele não desenvolve nenhuma argumentação contra essa forma de traduzir, o que não exige nem sequer uma réplica.
      Ademais, ele parte do pressuposto errado de que a palavra harpagmós também possa significar, além de usurpação, algo a se apegar.
      Partindo da premissa correta, de que harpagmós significa “usurpação”, ele chega a uma conclusão de que Jesus não pensou em usurpar a igualdade com Deus porque ele já subsiste em forma de Deus. Isso é totalmente absurdo! Pois, se Cristo já fosse o Deus Todo-Poderoso, a “igualdade com Deus” não seria nenhuma usurpação! Não há como ele pensar em uma usurpação que não é nenhuma usurpação. O “ser igual a Deus” só seria uma usurpação se Cristo fosse uma criatura.
      O autor ainda afirma que, em sua existência pré-humana, Jesus era igual ao Pai. Se assim fosse, porque Jesus é apresentado como “mestre de obras” (“aluno”, Al) em Provérbios 8:30?
      Também afirma que, se Cristo é uma criatura, então não usurpar a igualdade com Deus seria um exemplo de obediência, não de humildade. Acontece que ele desconsidera aqui a continuação da passagem: “Ele se esvaziou e assumiu a forma de escravo, vindo a ser na semelhança dos homens.” (Fil 2:7) Que exemplo sublime de humildade! O autor afirma que os antitrinitaristas não conseguem expor suas ideias e ao mesmo tempo mostrar como essa passagem nos ensina a humildade, afirmação que foi contestada no artigo acima.

      Excluir
  4. bom artigo sobre fl 2:6. realmente Jesus não é igual a Deus,como ele mesmo diz; O Pai é maior que eu. Infelismente o irmão erra ao afirma ,nos comentários, que Jesus é criatura de Deus. Jesus é o Deus unigenito ( Jo 1:18). Jesus foi gerado e não criado:Hb 1;3. graça e paz. Daniel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade, Daniel, a Bíblia chama a Jesus de "princípio da criação de Deus" e de "primogênito de toda a criação", expressões que indicam que ser ele gerado ou criado incide na mesma coisa - ele teve princípio. (Re 3:14; Col 1:15)

      Excluir
  5. Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação,
    pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele.
    Ele é antes de todas as coisas, e nele tudo subsiste.

    Colossenses 1:15-17

    Jesus, o Filho de Deus, sempre existiu junto ao Pai. As escrituras deixam isso muito claro. Ele e' inclusive chamado de Logos de Deus e portanto coeterno a Deus.

    ResponderExcluir
  6. A expressão “o primogênito de toda a criação” torna claro que o Logos (Jesus na sua existência pré-humana) teve princípio, assim como a expressão “o princípio da criação de Deus”. – Re 3:14.
    A tradução de Colossenses 1:15-17 citada por você não expressa corretamente o sentido das palavras gregas usadas.
    Portanto, para um estudo sério sobre o assunto, recomendo o link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/09/jesus-e-o-criador-ou-um-ser-criado.html e o link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/10/a-origem-ou-o-principio-da-criacao-de.html

    ResponderExcluir
  7. Apologista queria que você me ajudasse a entender duas coisas. A primeira é essa aqui:

         “E ele me disse: “Estas palavras são fiéis e verdadeiras; sim, Jeová, o Deus das expressões inspiradas dos profetas, enviou o seu anjo para mostrar aos seus escravos as coisas que têm de ocorrer em breve.” (Revelação 22:6)

        “‘Eu, Jesus, enviei o meu anjo para vos dar testemunho destas coisas para as congregações.” (Revelação 22:16)

    Em um versículo diz que foi Jeová quem enviou o anjo mas no outro diz que quem enviou o anjo foi Jesus. Como explicar isso?

    A segunda é essa aqui:

         “...diante de mim se dobrará todo joelho, jurará toda língua, dizendo: ‘Seguramente há plena justiça e força em Jeová.” (Isaías 45:23, 24)

    Esse texto é citado em Filipenses 2:10 com Paulo colocando Jesus no lugar de Jeová.

        “A fim de que, no nome de Jesus, se dobre todo joelho dos no céu, e dos na terra, e dos debaixo do chão, e toda língua reconheça abertamente que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai.” (Filipenses 2:10-11)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1 Coríntios 8:6 ajuda a equacionar tais dúvidas. Paulo diz que do Pai “procedem todas as coisas”, ao passo que Jesus é aquele “por intermédio de quem são todas as coisas”. Assim, “Deus, o Pai” é a Procedência, Origem ou Fonte das coisas, ao passo que Jesus é o Canal, ou Intermediário, de todas as coisas. (Veja http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/duas-regras-uma-falsa-e-uma-verdadeira.html)
      Portanto, Jeová enviou o anjo por intermédio de Jesus.
      Também, a citação de Isaías 45:23 em Fil 2:10 não identifica Jesus com Jeová. Observe os dois textos:
      “Diante de mim se dobrará todo joelho, jurará toda língua.” – Is 45:23.
      “No nome de Jesus, se dobre todo joelho dos no céu, e dos na terra, e dos debaixo do chão, e toda língua reconheça abertamente que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai.- Fil 2:10, 11.
      Tendo em vista a regra de 1 Co 8:6, todos terão de dobrar-se, submetendo-se a Jeová como Soberano Universal; mas, como Jesus figura como sendo “o caminho” de acesso a Deus (Jo 14:6), o reconhecimento da Soberania de Jeová depende de se reconhecer o Canal ou mediador entre Deus e os homens – Jesus Cristo. (1Ti 2:5) Assim, é “no nome de Jesus” que todos se dobram ‘diante de Jeová’. Note que tudo é feito “para a glória de Deus, o Pai”. Jeová é deveras o Soberano Universal, tendo a seu Filho Jesus Cristo como seu maior representante.

      Excluir
    2. É difícil você entender que realmente Jesus Cristo é Deus, até por que vocês creem mas na Torre do que em Cristo Jesus o Deus todo poderoso!!!

      Excluir
    3. É difícil você entender que realmente Jesus Cristo é Deus, até por que vocês creem mas na Torre do que em Cristo Jesus o Deus todo poderoso!!!

      Excluir
  8. Respostas
    1. VÍDEOS DA NYCK:

      Nós cremos na Bíblia, e ela coloca Jesus como sendo menor que o Pai (João 14:28; 1 Coríntios 11:3; 15:27, 29) Somente Jeová é chamado de “Deus Todo-Poderoso” (Gênesis 17:1). Assim, não seguimos nenhuma ideologia humana. Não é o caso dos que defendem que Jesus é coigual a seu Pai, os quais seguem as decisões de concílios e credos feitos por homens.

      Excluir
  9. Bela matéria, parabéns ao autor. Que Jeová Deus o abençoe.

    ResponderExcluir
  10. "MEU DEUS (JEOVÁ)"!!!! QUE COMENTÁRIO SENSACIONAL, IRMÃO "AV"(APOLOGISTA DA VERDADE)!!!
    NESTE COMENTÁRIO SEU, QUE EU REPITO ABAIXO, ENCONTRA-SE SIMPLESMENTE A ESSÊNCIA DO VERDADEIRO CRISTIANISMO, ISTO É, TUDO O QUE A BÍBLIA ENSINA VERDADEIRAMENTE SOBRE O RELACIONAMENTO ENTRE JEOVÁ, O PAI, E JESUS CRISTO, O FILHO!!
    SÓ NÃO ENTENDE E NÃO ACEITA QUEM ESTÁ COM A VISÃO ESPIRITUAL TOTALMENTE EMBAÇADA PELAS CONFUSÕES PROPAGADAS PELA CRISTANDADE DURANTE SÉCULOS!!

    "1 Coríntios 8:6 ajuda a equacionar tais dúvidas. Paulo diz que do Pai “procedem todas as coisas”, ao passo que Jesus é aquele “por intermédio de quem são todas as coisas”. Assim, “Deus, o Pai” é a Procedência, Origem ou Fonte das coisas, ao passo que Jesus é o Canal, ou Intermediário, de todas as coisas. (Veja http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/duas-regras-uma-falsa-e-uma-verdadeira.html)
    Portanto, Jeová enviou o anjo por intermédio de Jesus.
    Também, a citação de Isaías 45:23 em Fil 2:10 não identifica Jesus com Jeová. Observe os dois textos:
    “Diante de mim se dobrará todo joelho, jurará toda língua.” – Is 45:23.
    “No nome de Jesus, se dobre todo joelho dos no céu, e dos na terra, e dos debaixo do chão, e toda língua reconheça abertamente que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai.- Fil 2:10, 11.
    Tendo em vista a regra de 1 Co 8:6, todos terão de dobrar-se, submetendo-se a Jeová como Soberano Universal; mas, como Jesus figura como sendo “o caminho” de acesso a Deus (Jo 14:6), o reconhecimento da Soberania de Jeová depende de se reconhecer o Canal ou mediador entre Deus e os homens – Jesus Cristo. (1Ti 2:5) Assim, é “no nome de Jesus” que todos se dobram ‘diante de Jeová’. Note que tudo é feito “para a glória de Deus, o Pai”. Jeová é deveras o Soberano Universal, tendo a seu Filho Jesus Cristo como seu maior representante."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você citou corretamente. Jesus não é o Pai, o Pai não é o Filho. Assim como há Deus o Pai há também Deus o Filho e também Deus o Espírito Santo. Tudo isso é bíblico.

      Excluir
    2. As expressões “Deus o Filho”, “Deus-Filho”, “Deus o Espírito Santo” ou qualquer outra que contenha a mesma ideia não existem na Bíblia. Nada disso é bíblico. A Bíblia fala apenas de “Deus, o Pai”. – 1 Coríntios 8:6.

      Excluir
  11. Sensacional explicação... que O Soberano Senhor Jeová continua lhe abençoando com esse seu dom de transmitir e explicar assuntos profundos da palavra de Deus com tanta competência, seriedade e com muita sabedoria...
    Que Jeová continue a usar você para esclarecer assunto profundo da Bíblia para benefícios de seus irmãos na fé e para pessoas sinceras que buscam conhecer a verdade...

    Irmão.. continue esse belo trabalho que vc faz... para que mais pessoas possam ter o conhecimento da verdade, e que tenham a oportunidade de salvar suas vidas.
    Parabéns Que Jeová continue te iluminando...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Cléber, pelas expressões apreciativas! Isso com certeza me incentiva a continuar este trabalho em prol dos interesses do Reino de Jeová por meio de Cristo.

      Excluir
  12. Além de lógica achei simplesmente linda a explicação com base em 1 Cor 8:6. Aqui no nosso território tenho encontrado vários teólogos. Este esclarecimento vai me ajudar muito. Obrigado, meu irmão!

    ResponderExcluir
  13. Ontem mesmo lendo Apocalipse, passei por esse trecho e pensei: vou pesquisar...e nesse momento encontrei a resposta. Até porque, em Ap. 1:1 Jesus manda seu anjo para passar as revelações à João, revelações estas que foram dadas a Jesus pelo próprio Jeová.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. COMANDANTE VILA MARIA14 de março de 2017 11:13

      NÃO ENTENDI. SEU COMENTÁRIO ESTÁ MEIO VAGO! QUAL FOI A DÚVIDA QUE VOCÊ TEVE QUE PESQUISAR ?? EM QUAL MOMENTO VOCÊ ENCONTROU A RESPOSTA?? QUE RESPOSTA FOI ESSA?? POR FAVOR, FAÇA UMA RELATO MAIS COMPLETO PARA QUE POSSAMOS APRECIAR E ENTENDER O SEU CASO. OBRIGADO!

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *