Image Map











quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Judas 4 apoia a Trindade? (Parte 1)

   Fonte: jw.org

     Este artigo foi produzido por mim, o apologista da verdade, tendo também como material de pesquisa as observações do Saga, um esforçado pesquisador cristão.

     Há alguns anos, recebi do Saga esta pergunta e as subsequentes considerações dele:

     Como Judas 4 se relacionaria a "lei de Sharp"? Lembrando novamente que tal passagem tem variante textual no Texto Recebido em relação ao Texto Crítico. 

Existem duas vertentes no entendimento desse verso:

[1] uma que diz que fala do Soberano (Desposta - Deus) e [Kai] do Senhor (Kyrios - Jesus);
[2] outra que entendeu que fala do "Soberano e Senhor, Jesus Cristo".

As traduções que se pautam pelo Texto Crítico utilizam a segunda opção enquanto que as que baseadas no Texto Recebido escolhem a primeira. (O entendimento trinitário dessa passagem não é usado mais na maioria das versões e mesmo as do naipe da King James o desmente.) 

Eu sinto que tem algo a ver com as regrinhas nas quais os tradutores se pautam para decidir se palavras separadas por KAI se referem a mesma coisa ou a coisas distintas. Temos dois nomes [os títulos Despótes e Kýrios] que muitos inclusive tomam como sinônimos (ambos significam “Senhor”, “Amo” – um dono de escravos) separados por KAÍ e um substantivo em seguida (Jesus).

No caso de como o texto está no Texto Recebido, ali se acresce um novo personagem, com o substantivo extra (DEUS); um adjetivo se liga a uma pessoa (“Désposta” se liga a Deus, como diz a KJ: “the LORD GOD”) e o outro adjetivo se liga a outra pessoa (“Kýrios” se liga a Jesus, como diz a KJ: “the LORD JESUS”).


O Apologista da verdade:

        Como demonstrou o artigo Jesus Cristo é o “grande Deus” mencionado em Tito 2:13?, com base textual bíblica, as alegadas regras de Sharp, embora possam coincidir em alguns textos, não subsistem a um exame mais profundo, pois outros textos não se conformam a elas. Pois, quando o CONTEXTO fala de dois seres DIFERENTES, mesmo que dois nomes (substantivos, adjetivos ou particípios) no mesmo caso sejam ligados por KAÍ e o primeiro seja precedido de artigo, isso não torna o segundo (substantivo, adjetivo ou particípio) o mesmo ser que o primeiro. 

    A própria história do Texto Recebido explica sua fragilidade, pois foi produzido às pressas com objetivos comerciais. Por essa razão, muitos erros foram inseridos nele. Um exemplo se encontra em Judas 4, que acrescenta a palavra “théos” (“deus”) antes de “despótes” (“dono”, “amo”). No entanto, o Mss Vaticano 1209, do 4.º século EC, no qual se baseia a The Emphatic Diaglott, não usa a palavra “théos”. Quanto a Rom. 9:5 e Tito 2:13, a tradução errada se deve ao motivo tendencioso de tentar provar a Trindade, bem como à falta de conhecimento (e/ou de reconhecimento) do contexto e da gramática grega. (Veja os artigos “Deus bendito eternamente” – Quem? (Romanos 9:5) e Jesus Cristo é o “grande Deus” mencionado em Tito 2:13? neste site.

Apesar de toda a confusão que permeia a regra de Sharp, alguns a definindo de um modo e outros, de outro, em geral há concordância de que ela afirma que:

DOIS nomes (substantivos, adjetivos ou particípios) do mesmo caso ligados por kaí, se o primeiro nome é precedido por artigo, o segundo nome não precisa vir precedido por artigo para se referir ao mesmo ser.

No entanto, Judas 4, de acordo com o Texto Crítico, apresenta uma construção levemente diferente. Veja a tradução literal do texto grego da parte que estamos focando:

τὸν μόνον δεσπότην καὶ κύριον ἡμῶν Ἰησοῦν Χριστὸν 
O único Dono e Senhor de nós Jesus Cristo

Observe que, começando com o artigo, não há, estritamente falando, DOIS nomes ligados por kaí. O artigo precede um adjetivo (“único”, MÓNOS) e um substantivo (“Dono”, DESPÓTES), que são ligados por kaí (“e”) a outro substantivo (“Senhor”, KÝRIOS). 

Assim, com relação a Judas 4, num sentido estrito, essa passagem não se enquadraria na supracitada regra, uma vez que os elementos separados por kaí não se encontram na mesma construção gramatical. No entanto, arguindo-se que o artigo ho se relaciona ao substantivo “Dono” (“despótes”) – o que é fatual –, teríamos uma expressão (“único Dono”) ligada a um substantivo (“Senhor”) sendo a expressão precedida pelo artigo definido “o” (“ho”). Alguém poderia argumentar que se trata de uma ‘versão’ ou ‘variação’ da regra de Sharp; contudo, mesmo assim, não apoiaria o objetivo proposto por Sharp, que era o de tentar provar que Jesus é o mesmo Deus que seu Pai (uma das premissas da Trindade).

Jesus Cristo de fato é “Dono”, visto que ‘comprou’ a humanidade com a deposição de sua vida qual resgate. (Mateus 20:28), e também é “Senhor”, sendo único como tal no sentido de ser aquele “POR INTERMÉDIO DE QUEM são todas as coisas”. (1 Coríntios 8:6; Atos 2:36) Seu Pai, Jeová, também é Senhor, mas não como intermediário, e sim como FONTE de todas as coisas – Aquele “de quem procedem todas as coisas”. – 1 Coríntios 8:6.

Gênesis 15:2, Almeida Revista e Corrigida:

Então, disse Abrão: Senhor JEOVÁ, que me hás de dar? Pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer.”



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





Um comentário:

  1. O Greg Standford entendeu esse texto assim: "Negam ao único Déspota e ao Senhor Jesus Cristo".
    Aplicando assim a expressão "único soberano" a Jeová. baseado na noção de que as outras aparições da palavra se relacionam ao Pai.

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *