Image Map











domingo, 21 de junho de 2015

O PARADIGMA CRONOLÓGICO BÍBLICO X A CRONOLOGIA SECULAR (Parte 2)


Esdras e os israelitas oram a Jeová
Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/historias-biblicas/5/esdras-reconstrucao-templo/

Por: Historiador JW


1-DESMASCARANDO A DATA DE 587 AEC

Evidências marcantes mostram claramente, só os cegos não veem, que o ano 607 AEC é biblicamente comprovado como a data legítima da devastação de Jerusalém. O povo de Jeová tem argumentos para provar isso a partir da Bíblia, mas infelizmente o Diabo com seu sistema religioso de ensino preferem aliar-se aos historiadores que, na sua grande parte, não acreditam numa “verdade” (JENKINS, 2001) motivando-os a olharem o passado de forma fria e sem fé; por isso, é impossível que tais mentes cegadas pelo sistema satânico enxerguem a Bíblia como AUTORIDADE ABSOLUTA no assunto. Por isso, como estudantes fervorosos da Bíblia, demolimos a falsa data de 587 AEC.

      Partindo do pressuposto inspirado de 1 Reis 6: 1, temos o 4º ano do rei Salomão e a construção do templo. O rei Salomão reinou de 1037 a 998, ou seja, esse ano corresponde a 1034 AEC. O próximo rei que sucedeu o trono foi seu filho Roboão, que em 997 AEC assumiu o poder e o cisma entre Israel e Judá começaram. Aqui temos a chave para calcular com exatidão o fim ou despojo de Jerusalém por Nabucodonosor II, rei de Babilônia. Se fizermos a soma de todos os reis de Judá, de Roboão a Zedequias, teremos ao todo 390 anos. Até mesmo Ezequiel, capítulo 4, fornece essa informação. Portanto, a lógica é a seguinte:

Ezequiel 4:5: “E eu é que tenho de dar-te os anos de seu erro no número de trezentos e noventa dias, e tens de levar o erro da casa de Israel”. Aplicando a regra do mesmo capítulo, um dia por um ano, temos 390 anos!” Portanto, partindo dessa narrativa, o reino de Judá teria 390 anos.

ENTÃO, MATEMATICAMENTE FICA ASSIM:
                          997 AEC -390= 607 AEC.

Já, pelo contrário, a data (926 AEC) dos livros didáticos como início do reino dividido não corresponde ao ano 587 AEC, embriagado pelos apóstatas, veja: (926-390= 537 AEC). Ou conforme a cronologia secular, (3029-390= 2.639). Quer dizer então que Jerusalém foi destruída em 2.639 AEC? Isso foi muito antes da existência da própria nação de Israel!

2-RECONTRUÇÃO DO TEMPLO POR ZOROBABEL
(Esd. 6:14, 15)

Tempo (Cronos):                                             AEC     EC
607AEC      587 AEC     539AEC   516/515AEC  ß 0 à   33 EC 

POR QUE A APLICAÇÃO DOS 70 ANOS, PERÍODO EM VERMELHO ACIMA, ESTÁ ERRADO?
    
    1.   A profecia de Jeremias 25: 11 fala de 70 anos literais. Se os 70 anos terminaram em 516/5 AEC com a reconstrução do templo, como explicar o versículo 12? “E terá de acontecer que, quando tiverem cumprido setenta anos, ajustarei contas com o rei de Babilônia e com aquela nação’, é a pronunciação de Jeová, ‘pelo seu erro, sim, com a terra dos caldeus, e vou fazer dela baldios desolados por tempo indefinido.” BABILÔNIA FOI DESTRUÍDA EM 516/5? Conforme o profeta Jeremias, o fim do exílio está também relacionado com o fim do reinado de Babilônia! O argumento evangélico é tão fraco, biblicamente falando, que, no entendimento deles, 516 finalizou a servidão dos judeus ao rei de Babilônia, pois a profecia-base (Jeremias 25:11) mostra plena servidão. Então, seguindo esse raciocínio, 516 AEC teria sido o fim do exílio e a conquista de Babilônia por Ciro! O que na realidade é um ABSURDO! UMA VERDADEIRA CONFUSÃO (BABILÔNIA).

    2.  É digno de nota que o relato de Esdras 6: 16 mostra os “anteriores exilados” ou filhos dos exilados (do aramaico beneh-gha·lu·thá), dá a ideia de passado, dando-nos o entendimento de que em pleno ano 516/5 o povo hebreu já tinha sido libertado do cativeiro. Tal entendimento bíblico, desmancha o argumento embriagado apóstata, pelo fato de os 70 anos não terem terminados naquele ano.


   3.  Outro ponto interessante é que em 516 o reino babilônico já não vigorava, pois a profecia de Jeremias diz que “quando tiverem cumprido [70] anos” Jeová iria exigir uma prestação de contas pelo rei ao SE CUMPRIR o período. Mas, em 516/5, em pleno reino fenício, a profecia não teria lógica...pois Babilônia como potência já não existia.

    4.  Outro detalhe, a cronologia secular também não apoia o período de 70 anos como tendo terminado em 516/5 AEC. Porque segundo alguns historiadores, a reconstrução do templo foi em 538 a.C., quando os judeus voltaram para Jerusalém, conforme também o livro de História Geral da FTD de 1995, do historiador Antônio Pedro. Portanto, a própria cronologia secular, que aponta 587 a.C., não considera o período de 516/5 AEC como reconstrução do templo por Zorobabel. Culminando em um grande problema para os apóstatas. Que problema? Esse: (587 A.C – 538 A.C = 49 anos). Portanto, como aderimos às Escrituras como autoridade absoluta, não duvidamos dos 70 anos literais profetizado em Jeremias, porque não somos ateus para questionar as palavras inspiradas do maior Professor do Universo – Jeová Deus.


   5.  Outra ignorância antagônica é facilmente detectada no período acima. Pois sendo assim, eles (os apóstatas) discordam também dos historiadores que enfatizam apenas os anos 587-539 como cativeiro de babilônia, ou seja, uns 50 anos! Contrariando também esses historiadores, os apóstatas dizem que o exílio durou 70 anos dentro da área marcada! Portanto os apóstatas querendo ou não, estão em desacordo também com os historiadores de que tanto falam.

No próximo artigo consideraremos:

NABUCODONOSOR II COMEÇOU A REINAR EM 604 AEC?


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org



6 comentários:

  1. Irmão Apologista,
    "Ezequiel 4:5: “E eu é que tenho de dar-te os anos de seu erro no número de trezentos e noventa dias, e tens de levar o erro da casa de Israel”. Aplicando a regra do mesmo capítulo, um dia por um ano, temos 390 anos!” Portanto, partindo dessa narrativa, o reino de Judá teria 390 anos"

    Qual o contexto deste versículo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A obra “Estudo Perspicaz”, volume 1, pp. 616-617, verbete “Cronologia”, faz um comentário esclarecer sobre o assunto:
      Desde 997 AEC até a desolação de Jerusalém. Uma ajuda útil para se saber a duração geral deste período dos reis é encontrada em Ezequiel 4:1-7, na simulação do sítio de Jerusalém, realizada pelo profeta Ezequiel a mando de Deus. Ezequiel devia deitar-se sobre o seu lado esquerdo por 390 dias, a fim de “levar o erro da casa de Israel”, e sobre o seu lado direito por 40 dias, a fim de “levar o erro da casa de Judá”, e mostrou-se que cada dia representava um ano. Os dois períodos (de 390 anos e de 40 anos) assim simbolizados evidentemente representavam a duração da tolerância de Jeová para com os dois reinos no proceder idólatra deles. O entendimento judaico desta profecia, conforme apresentado na obra Soncino Books of the Bible (Livros da Bíblia, de Soncino; comentário sobre Ezequiel, pp. 20, 21), é: “A culpa do Reino Setentrional se estendeu por um período de 390 anos ([de acordo com] Seder Olam [a crônica pós-exílica mais antiga preservada na língua hebraica], [e os Rabinos] Rashi e Ibn Ezra). Abarbanel, citado por Malbim, calcula o período da culpa de Samaria desde o tempo em que ocorreu o cisma, sob Roboão . . . até a queda de Jerusalém. . . . O direito [lado em que Ezequiel se deitou] indica o sul, i.e., o Reino de Judá, situado ao sul ou à direita. . . . A corrupção de Judá durou quarenta anos, começando logo depois da queda de Samaria. De acordo com Malbim, o tempo é contado a partir do décimo terceiro ano do reinado de Josias . . . quando Jeremias começou seu ministério. (Jer. i. 2).” — Editada por A. Cohen, Londres, 1950.

      Excluir
    2. Além da data da queda de Jerusalém, as datas da reconstrução do templo, do Êxodo e da morte de Jesus são diferentes nas listas cronológicas seculares. Há planos de se falar sobre a data do Êxodo nessa série sobre a cronologia bíblica? Já que a datação do Êxodo repercute em muita coisa, inclusive na datação dos reinados dos reis de Judá e Israel.

      Excluir
    3. Vou passar sua sugestão para o Historiador JW.

      Excluir
  2. Explicando um comentário anterior meu, data do Êxodo difere muito por aí, e os seculares fazem muito esforço para coincidir ela com o reinado de Ramsés. E me parece que isso gera um efeito dominó nas cronologias da Bíblia; certas datas ficando erradas outras acabam erradas também, como acontece com 445 a.C repercutindo nas setenta semanas e 4 a.C como morte de Herodes. Então os problema dos seculares e daqueles que se baseiam em suas cronologias é não levar a historicidade, autenticidade e inspiração da Bíblia a sério em seus "estudos".

    ResponderExcluir
  3. E sem duvida um assunto muito interessante,a verdade e que com relação a data de 607 existe um esforço tremendo em se provar que essa data não está certa,provavelmente com o objetivo de se afirmar que nosso entendimento relacionado a entronização de Cristo em 1914 esta errado,fiquei sabendo que um certo irmão não lembro de onde escreveu um livro intitulado "Os tempos dos gentios de considerados",onde ele alega ter evidencias que 607 não é a data da destruição de Jerusalém, mas fiquei sabendo também que um outro irmão TJ refutou as afirmações de tal livro.Ou seja o assunto rende....

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *