Image Map











quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Destaques da Leitura da Bíblia: 1 Crônicas 1-4



Uma leitura puramente superficial dessa passagem pode levar à falsa conclusão de que se trata de uma leitura estafante de mera história morta. Afinal, por que longas genealogias de um passado distante que parece nada ter a ver com nossa sociedade moderna?

Contrãrio a esse parecer equivocado, podemos afirmar que a passagem de 1 Crônicas 1-4 é rica em significado e conteúdo para a nossa época, tanto em sentido histórico quanto em sentido espiritual

Os motivos da genealogia em Crônicas

A revista A Sentinela de 1.º de outubro de 2005 (pp. 8 e 9) aponta três razões fundamentais:

[…] assegurar de que apenas homens autorizados fossem sacerdotes, ajudar a estabelecer a herança por tribos e preservar o registro da linhagem até o Messias.
[…]
Dá-se aos descendentes de Judá consideração significativa, visto que eles constituem a linhagem real do Rei Davi. São 14 gerações de Abraão a Davi e outras 14 até a deportação para Babilônia. (1 Crônicas 1:27, 34; 2:1-15; 3:1-17; Mateus 1:17)

1 Crônicas realça o papel de Jeová como Ouvinte de oração

1 Crônicas 4:9, 10: “Jabez era mais honrado do que os seus irmãos. Sua mãe lhe deu o nome de Jabez, dizendo: ‘Foi com dores que o dei à luz.’ Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: ‘Quem dera que tu me abençoasses e ampliasses o meu território! Que a tua mão esteja comigo e me proteja da calamidade, para que ela não me cause nenhum dano!’ Então Deus concedeu o que ele tinha pedido.

Sobre essa passagem, lemos nas obras de referência abaixo:

 Jabez pelo visto tinha o costume de orar. Ele começou sua oração implorando que Deus o abençoasse. Depois, fez três pedidos que refletem um coração cheio de fé. Primeiro, Jabez implorou a Deus que ‘ampliasse o seu território’. (Versículo 10) Esse homem honrado não era ambicioso; ele não desejava as terras que pertenciam a seu próximo. Seu pedido sincero talvez estivesse mais relacionado com pessoas. Pode ser que Jabez estivesse pedindo que seu território fosse ampliado de modo pacífico para que mais adoradores do Deus verdadeiro pudessem morar nele. Segundo, Jabez implorou que a “mão” de Deus estivesse com ele. A mão simbólica de Deus é seu poder em ação, que ele usa para ajudar seus adoradores. (1 Crônicas 29:12) Para que seus desejos se realizassem, Jabez se dirigiu ao Deus cuja mão não é curta para os que mostram fé nele. — Isaías 59:1. Terceiro, Jabez orou: ‘Preserva-me da calamidade, para que não me fira.’ A expressão “para que não me fira” talvez queira dizer que Jabez orou pedindo, não para escapar da calamidade, mas para não ficar excessivamente triste ou desanimado por causa dos efeitos do mal. Em sua oração, Jabez mostrou fé no Ouvinte de oração e preocupação com a adoração verdadeira. Como Jeová reagiu? Esse breve relato termina com as palavras: “Por conseguinte, Deus fez acontecer o que [Jabez] tinha pedido.” O Ouvinte de oração não mudou. Ele gosta muito de ouvir as orações de seus adoradores. Quem deposita fé e confiança nele pode ter esta certeza: “Não importa o que peçamos segundo a sua vontade, ele nos ouve.” — 1 João 5:14. (w10 1/10 p. 23)

Jeová respondeu a oração fervorosa de Jabez, na qual pedia um processo pacífico de aumento de território, para que pudesse acomodar mais pessoas tementes a Deus. Nós também precisamos orar com fervor a Deus, pedindo-lhe que seus adoradores se multipliquem, já que participamos zelosamente na obra de fazer discípulos. (w05 1/10 p. 9)

Resposta a questões bíblicas (Fonte: w05 1/10 pp. 8-9):

Quem era o pai de Selá: Cainã ou Arpaxade?

1 Crônicas 1:18: “Arpaxade tornou-se pai de Selá.”

Lucas 3:35, 36: “Selá, filho de Cainã, filho de Arpaxade.”

Resposta: Arpaxade.

Gênesis 10:24: “Arpaxade tornou-se pai de Selá.”
Gênesis 11:12: “Arpaxade viveu 35 anos e então se tornou pai de Selá.

A referida revista A Sentinela acima explica:

“Cainã” usado em Lucas 3:36 provavelmente era uma corruptela (ou distorção) do termo “caldeus”. Se esse for o caso, o texto original poderia ser vertido para “filho do caldeu Arpaxade”. Ou pode ser ainda que os nomes Cainã e Arpaxade se refiram à mesma pessoa. Não se deve ignorar o fato de que a expressão “filho de Cainã” não é encontrada em alguns manuscritos. — Lucas 3:36, nota.

A nota de rodapé referente a Lucas 3:36 da anterior Tradução do Novo Mundo reza:

“P75D omitem ‘filho de Cainã’, em harmonia com Gên 10:24; Gên 11:12, 15; 1Cr 1:18.” 

“P75” é a sigla do Papiro Bodmer 14, 15, grego, de cerca de 200 EC, que se encontra em Genebra, e que contém as Escrituras Gregas Cristãs (o “Novo Testamento”). “D” é a sigla dos Códices Bezae, em grego e latim, dos séculos quinto e sexto EC, que estão em Cambridge, Inglaterra, contendo as Escrituras Gregas Cristãs.

Davi era o sétimo filho de Jessé?

1 Crônicas 2:13-15: “Jessé tornou-se pai de Eliabe, seu primogênito;de Abinadabe, o segundo; de Simeia, o terceiro; deNetanel, o quarto; de Radai, oquinto; de Ozém, o sexto;e de Davi, o sétimo.”

1 Samuel 16:10: “Assim, Jessé fez sete dos seus filhos passar diante de Samuel, mas Samuel disse a Jessé: ‘Jeová não escolheu nenhum destes.’ Por fim, Samuel perguntou a Jessé: ‘Estes são todos os filhos que você tem?’   Ele respondeu: ‘Ainda falta o mais novo.’”

1 Samuel 17:12: “Davi era filho do efratita de Belém de Judá, chamado Jessé, que tinha oito filhos.”

A revista supracitada resolve essa aparente contradição por explicar:

Jessé tinha oito filhos, sendo Davi o mais jovem. (1 Samuel 16:10, 11; 17:12) Um dos filhos de Jessé provavelmente morreu sem ter filhos. Visto que ele não teria relevância nos registros genealógicos, Esdras [escritor de 1 Crônicas] omitiu o nome desse filho.

Sealtiel era filho de Jeconias ou filho de Neri?

1 Crônicas 3:17, 18: “Os filhos de Jeconias, enquanto era prisioneiro, foram Sealtiel, Malquirão, Pedaías, Senazar, Jecamias, Hosama e Nedabias.”

Lucas 3:27: “Sealtiel, filho de Neri.”

Sealtiel era filho de Jeconias. Mas, pelo visto Neri deu sua filha a Sealtiel como esposa. Assim, Sealtiel tornou-se, não filho, mas genro de Neri. Uma vez que Neri tinha como descendente nessa linhagem uma mulher, e o costume era citar homens nas genealogias, Lucas aludiu a Sealtiel como filho de Neri. O mesmo se deu no caso de Eli: ele era pai de Maria, mãe de Jesus. Mas, devido ao mesmo costume, Lucas citou José como filho de Eli.

Lucas 3:23:José, filho de Eli.”

Zorobabel era filho de quem – Pedaías ou Sealtiel?

1 Crônicas 3:17-19: “Os filhos de Jeconias, enquanto era prisioneiro, foram Sealtiel, Malquirão, Pedaías, Senazar,Jecamias, Hosama e Nedabias. Os filhos de Pedaías foram Zorobabel e Simei. Os filhos de Zorobabel foram Mesulãoe Hananias (e Selomite era irmã deles).”

Mateus 1:12: “Depois da deportação para Babilônia, Jeconias tornou-se pai de Sealtiel; Sealtiel tornou-se pai de Zorobabel.”
Lucas 3:27: “Zorobabel, filho de Sealtiel.”
Esdras 3:2: “Zorobabel, filho de Sealtiel.”
Neemias 12:1: Zorobabel, filho de Sealtiel.”
Ageu 1:14: Zorobabel, filho de Sealtiel.”

Ao passo que 1 Crônicas 3:17-19 afirma que Zorobabel era filho de Pedaías, as demais referências bíblicas apontam Sealtiel como pai de Zorobabel. Como equacionar esse aparente conflito?

Digno de nota é que 1 Crônicas 3:17-19 mostra que Pedaías e Sealtiel eram irmãos. Isso nos permite algumas possibilidades, consideradas pela revista A revista A Sentinela de 1.º de outubro de 2005 (pp. 8 e 9):

Zorobabel era filho de Pedaías, que era irmão de Sealtiel. Às vezes, porém, a Bíblia chama Zorobabel de filho de Sealtiel. (Mateus 1:12; Lucas 3:27) O motivo disso pode ter sido que, após a morte de Pedaías, Sealtiel tenha criado Zorobabel. Ou talvez, visto que Sealtiel morreu sem filhos, Pedaías tenha feito o casamento de cunhado, e Zorobabel foi o primogênito dessa união. — Deuteronômio 25:5-10.

Deuteronômio 25:5, 6: “Se irmãos morarem juntos e um deles morrer sem deixar filho, a esposa do que morreu não deve se casar com alguém de fora da família. Seu cunhado deve ir a ela, tomá-la como esposa e realizar com ela o casamento de cunhado. O primogênito que ela der à luz perpetuarão nome do irmão falecido, para que o nome dele não seja apagado de Israel.”

1 Crônicas fundamenta a historicidade da humanidade através de Noé e, por consequência, o relato do Dilúvio

1 Crônicas 1:6: “Os filhos de Gômer foram Asquenaz, Rifate e Togarma.”

Asquenaz. O primeiro mencionado dos três filhos de Gômer, filho de Jafé [filho de Noé]. — Gên 10:3; 1Cr 1:6.
Em escritos judaicos dos tempos medievais (e mesmo depois) aplicou-se o termo “Asquenaz” à raça teutônica, e mais especificamente à Alemanha. Assim, mesmo hoje, judeus de países germânicos são chamados de asquenazis, em contraste com os sefarditas, os judeus da Espanha e de Portugal. (it-1 p. 249)

1 Crônicas 1:11: “Mizraim tornou-se pai de Ludim, de Anamim, de Leabim, de Naftuim, de Patrusim, de Casluim (de quem se originaram os filisteus) e de Caftorim.

Leabim. Nome que aparece em Gênesis 10:13 e em 1 Crônicas 1:11 entre os descendentes de Cã [filho de Noé], por meio de Mizraim.
[…]
Os de Leabim são, em geral, identificados com os líbios e, pelo menos parece, constituíam uma das tribos que habitavam a Líbia nos tempos antigos. (it-2 p. 667)

1 Crônicas 1:13-16: “Canaã [neto de Noé] tornou-se pai de Sídon, seu primogênito, e de Hete,   e também dos jebuseus, dos amorreus, dos girgaseus,  dos heveus, dos arqueus, dos sineus,   dos arvadeus, dos zemareus e dos hamateus.”

A história dos fenícios começa após o Dilúvio com o neto de Noé, Canaã, filho de Cã. Canaã tornou-se progenitor de 11 tribos, uma delas, os sidônios, sendo descendentes do primogênito de Canaã, Sídon. (Gên 10:15-18; 1Cr 1:13-16). (it-2 p. 114 Fenícia)

1 Crônicas de forma indireta inspira fé em Jeová

1 Crônicas 1:8, 13, 14: “Os filhos de Cã foram Cuche, Mizraim, Pute e Canaã. Canaã tornou-se pai de Sídon, seu primogênito, e de Hete, e também dos jebuseus, dos amorreus, dos girgaseus.”

Girgaseus. Povo descendente de Cã, através de Canaã. (Gên 10:6, 15, 16; 1Cr 1:8, 13, 14) Os girgaseus moravam ao O do Jordão. Embora poderosos, eles e mais seis nações cananéias sofreram derrota, porque Jeová os entregou nas mãos do Seu povo. (De 7:1, 2; Jos 3:10; 24:11) Isto cumpriu a promessa que Deus fizera a Abraão, séculos antes. (Gên 15:13-21; Ne 9:7, 8) Os nomes “Girgash” e “Ben-Girgash”, encontrados em literatura ugarítica, têm sido citados como confirmação indireta da existência dos girgaseus. (it-2 p. 223, verbete “Girgaseu(s)”)

1 Crônicas esclarece outras passagens bíblicas

2 Samuel 17:25: “Absalão colocou Amasa no lugar de Joabe para comandar o exército. Amasa era filho de um homem chamado Itra, o israelita, que teve relações com Abigail; ela era filha de Naás e irmã de Zeruia, mãe de Joabe.

1Cr 2:13-17: Jessé tornou-se pai de Eliabe, seu primogênito; de Abinadabe, o segundo; de Simeia, o terceiro; de Netanel, o quarto; de Radai, o quinto; de Ozém, o sexto; e de Davi, o sétimo. As irmãs deles foram Zeruia e Abigail. Os três filhos de Zeruia foram: Abisai, Joabe e Asael. Abigail deu à luz Amasa. O pai de Amasa foi Jeter, o ismaelita.”

Abigail. Uma das duas irmãs de Davi. (1Cr 2:13-17) Alguns peritos crêem ter sido ela apenas meia-irmã, aparentada por parte de mãe, mas não por parte de pai. Em 2 Samuel 17:25, Abigail é chamada de “filha de Naás”. A tradição rabínica sustenta que Naás é simplesmente outro nome de Jessé, pai de Davi. A Septuaginta grega (edição de Lagarde) reza “Jessé”, ao invés de “Naás”, neste versículo. Várias traduções modernas também rezam dessa forma. (Veja BJ; BMD.) No entanto, é digno de nota que o registro em 1 Crônicas 2:13-16 não chama Abigail e Zeruia de ‘filhas de Jessé’, mas, antes, de “irmãs” dos filhos de Jessé, inclusive Davi. Isto permite a possibilidade de que a mãe deles tivesse primeiro casado com um homem chamado Naás, a quem deu à luz Abigail e Zeruia, antes de se tornar esposa de Jessé e mãe de seus filhos. Não se pode, por conseguinte, declarar dogmaticamente que Abigail fosse filha de Jessé. (it-1 p. 20, verbete “Abigail”)

2 Samuel 17:25: “Absalão colocou Amasa no lugar de Joabe para comandar o exército. Amasa era filho de um homem chamado Itra, o israelita, que teve relações com Abigail.”

1 Crônicas 2:17: “Abigail deu à luz Amasa. O pai de Amasa foi Jeter, o ismaelita.”

O texto massorético, em 2 Samuel 17:25, chama-o de Itra, e diz que ele era israelita, mas 1 Crônicas 2:17 chama-o de ismaelita, possivelmente porque morou por um tempo entre os ismaelitas. (it-2 p. 555, verbete “Jeter”)

1 Crônicas esclarece o significado de certos termos

1 Crônicas 2:49-54: “Ela também deu à luz Saafe, pai de Madmana; Seva, pai de Macbena; e Gibeá. Acsa foi filha de Calebe. Esses foram os descendentes de Calebe. Os filhos de Hur, primogênito de Efrata, foram Sobal, pai de Quiriate-Jearim;  Salma, pai de Belém; e Harefe, pai de Bete-Gader. Sobal, pai de Quiriate-Jearim, teve filhos: Haroé e metade dos menuotes.  As famílias de Quiriate-Jearim foram os itritas, os putitas, os sumatitas e os misraítas. Dessas famílias vieram os zoratitas e os estaolitas. Os filhos de Salma foram: Belém, os netofatitas, Atrote-Bete-Joabe, metade dos manaatitas e os zoritas. 

Madmana 1. Este nome aparece na lista de descendentes de Judá através de Calebe. Diz-se que Maacá, a concubina de Calebe, deu à luz “Saafe, pai de Madmana”. (1Cr 2:49) No entanto, a maioria dos peritos considera que o termo “pai” usado aqui tem o sentido de “fundador” e acha que Madmana, neste texto, corresponde à cidade considerada a seguir, sendo Saafe tomado como o fundador ou talvez o reconstrutor dela após a sua captura. Pode-se notar que os nomes de Quiriate-Jearim e Belém ocorrem num contexto similar nos versículos seguintes. — 1Cr 2:50, 54. (it-2 p. 735)

Em algumas listas talvez se diga que determinado homem é o “pai” de certa cidade, como em 1 Crônicas 2:50-54, onde, por exemplo, Salma é chamado de “pai de Belém”, e Sobal, de “pai de Quiriate-Jearim”. Evidentemente, as cidades de Belém e de Quiriate-Jearim ou foram fundadas por estes homens, ou foram povoadas pelos descendentes deles. A mesma lista reza adicionalmente: “Os filhos de Salma foram Belém e os netofatitas, Atrote-Bete-Joabe e metade dos manaatitas, os zoritas”. (1Cr 2:54) Aqui, netofatitas, manaatitas e zoritas evidentemente eram famílias. (it-2 p. 193 verbete “Genealogia”, subtema Cidades, e nomes no plural)

Atrote-Bete-Joabe. [Coroas [isto é: cercados circulares] da Casa de Joabe]. Nome que aparece entre “os filhos de Salma”, na genealogia da tribo de Judá. (1Cr 2:54) Alguns acham tratar-se do nome duma cidade em Judá, indicando a inclusão de nomes tais como Quiriate-Jearim, Bete-Gader, Belém e outros nestas genealogias. Todavia, a mera correspondência dum nome com o duma cidade não é indício certo de que se refere a esta cidade, visto haver diversos casos de pessoas e cidades terem o mesmo nome. Não obstante, a forma ou o significado de certos nomes nas genealogias parece ser mais de natureza geográfica do que pessoal. A solução talvez se encontre na opinião de muitos peritos, de que se faz referência mais precisamente aos habitantes da cidade, do que ao próprio lugar geográfico. De modo que a expressão “pai de”, em certas ocorrências, é entendida como significando o “fundador de” ou “principal colonizador de” determinada população morando no lugar indicado. Deve-se notar que a palavra “pai” aparece no hebraico original em Gênesis 4:20, 21, mas em algumas traduções é vertida por “antepassado” (BLH; AT) ou “fundador” (NM). Léxicos hebraicos incluem entre os possíveis significados do termo hebraico “pai” o de “governante, chefe” (A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament [Um Léxico Hebraico e Inglês do Velho Testamento], de Brown, Driver e Briggs, 1980, p. 3), “antepassado, ancestre de tribo, nação . . . dum lugar . . . fundador duma classe ou posição social, . . . dum ofício . . . fundador, magistrado principal dum lugar”. (Lexicon in Veteris Testamenti Libros [Léxico dos Livros do Velho Testamento], de L. Koehler e W. Baumgartner, Leiden, 1958, p. 1) — Veja Is 22:20-22. (it-1 p. 274, verbete “Atrote-Bete-Joabe”)

1 Crônicas 4:1, 18: “Os filhos de Judá foram Peres, Esrom, Carmi, Hur e Sobal. (E sua esposa judia deu à luz Jerede, pai de Gedor; Héber, pai de Soco; e Jecutiel, pai de Zanoa.) Esses foram os filhos de Bitia, filha de Faraó, que se casou com Merede.”

Jecutiel. Descendente de Judá e “pai de Zanoa”. (1Cr 4:1, 18) Zanoa, nas outras ocorrências, é nome duma cidade, em vez de duma pessoa (Jos 15:56, 57), de modo que Jecutiel, como seu “pai”, provavelmente era o pai dos que se estabeleceram ali, ou foi ele mesmo seu fundador e ocupante principal. (it-2 p. 478, verbete “Jecutiel”)

1 Crônicas: 4:1, 13, 14: “Os filhos de Judá foram Peres, Esrom, Carmi, Hur e Sobal. Os filhos de Quenaz foram Otniel e Seraías. O filho de Otniel foi Hatate.  Meonotai tornou-se pai de Ofra. Seraías tornou-se pai de Joabe, pai de Ge-Harasim, que recebeu esse nome porque eles eram artesãos.”

Joabe. [Jeová É Pai].1. Filho de Seraías, descendente de Quenaz, da tribo de Judá. Joabe era “pai de Ge-Harasim” (que significa “Vale dos Artesãos”), “pois”, diz o relato bíblico, “tornaram-se “artífices”. Evidentemente, Joabe era “pai” ou fundador da comunidade de artífices que moravam neste vale. — 1Cr 4:1, 13, 14; veja GE-HARASIM. (it-2 p. 565, verbete “Joabe”)

“Os filhos de Selá, filho de Judá, foram Er, pai de Leca; Laadá, pai de Maressa; as famílias dos fabricantes de tecido fino da casa de Asbeia.”

Sobre a palavra “casa” nessa passagem, a obra Estudo Perspicaz das Escrituras explica: “Uma associação de trabalhadores empenhados na mesma profissão (1Cr 4:21).” (it-1 p. 455,  verbete “Casa”)

1 Crônicas estabelece correlação entre a Bíblia e a arqueologia

1 Crônicas 3:17, 18: “Os filhos de Jeconias, enquanto era prisioneiro, foram Sealtiel, Malquirão, Pedaías, Senazar, Jecamias, Hosama e Nedabias.

Jeconias é chamado também de Joaquim.

Jeremias 28:4: “‘E trarei de volta para cá Jeconias, filho de Jeoiaquim e rei de Judá, e todos os exilados de Judá que foram para Babilônia,’ diz Jeová, ‘pois quebrarei o jugo do rei de Babilônia’.”

2 Reis 24:6: “Então Jeoiaquim descansou com os seus antepassados; e Joaquim, seu filho, tornou-se rei no seu lugar.”

Arqueologia Perto da Porta de Istar, em Babilônia, foram descobertas cerca de 300 tabuinhas cuneiformes relacionadas com o período do reinado do Rei Nabucodonosor. Entre listas do nome de trabalhadores e de cativos que então viviam em Babilônia, aos quais eram fornecidas provisões, aparece o de “Yaukin, rei da terra de Yahud”, isto é, “Joaquim, o rei da terra de Judá”, levado para Babilônia no tempo da conquista de Jerusalém por Nabucodonosor, em 617 AEC. Ele foi solto da casa de detenção por Avil-Marduque (Evil-Merodaque), sucessor de Nabucodonosor, e foi-lhe concedida uma porção diária de alimentos. (2Rs 25:27-30) Cinco dos filhos de Joaquim também são mencionados nestas tabuinhas. — 1Cr 3:17, 18. (it-1 p. 196, verbete “Arqueologia”)


Explicação de siglas usadas:

It: Obra Estudo Perspicaz das Escrituras. O número em sequência significa o respectivo volume dessa obra.

w: revista A Sentinela, periódico publicado pelas Testemunhas de Jeová. Os números em sequência representam, respectivamente, o ano, o dia e o mês da publicação.

A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




2 comentários:

  1. Muito boa , a explicação da leitura semanal, excelente. Continue , com esses destaques pois são de grande apoio a fé cristã!'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, estimado irmão José Roberto. Pretendo continuar sim, e conto com suas orações neste sentido.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *