Image Map











terça-feira, 28 de junho de 2016

“Deus unigênito” em João 1:18 – um dilema para os trinitaristas! (Parte 8 e final)

Fonte da ilustração: 
https://www.jw.org/en/publications/magazines/ws20121215/temporary-residents-united-in-worship/



Após extensas provas de que genos carrega o significado de derivação e nascimento, Harris cita autores que associam a palavra μονογενής a μονος e γενω:[1]

·       Henry George Liddell, Robert Scott, e Henry Drisler, no seu léxico Grego-Inglês, com base no trabalho alemão de Francis Passow.

·       Greville Ewing, em sua Gramática Grega e Léxico Grego e Inglês das Escrituras.

·       J.H. Bass, em seu Léxico-manual Grego e Inglês para o Novo Testamento.

·       L. Edward Peithman, no final de sua Gramática Grega Teórica e Prática, liga μονογενής a μόνος e ao verbo γίνομαι, derivado de γενω.

·       John Groves, no seu Dicionário Grego e Inglês, também faz a ligação com esse verbo, mostrando μονογενής como sendo derivado de μόνος e γίνομαι, “nascer”.

·       Karl Gottlieb Bretschneider, em seu trabalho, Lexicon manuale greco-Latinum em Libros Novi Testamenti,  dá a derivação de μονογενής como segue- “ex μόνος et γίνομαι e. μόνος γεννώμενος unice genitus, unicus, sic a”, também mostrando sua ligação com o verbo.

·       E, finalmente, James Donnegan, em seu Novo Léxico Grego e Inglês; Principalmente sobre o Plano do Léxico Grego e Alemão de Schneider, relaciona com o verbo γενω, mas é interessante notar que ele também relaciona com γένος, (como alguns outros lexicógrafos de seus dias). Porém, também se deve notar que ele não acha que isso impedia o significado tradicional de unigênito. Ele, como muitos outros, ainda deu a nuance de unigênito. Ele a define como nascido ou produzido sozinho, com o tema como segue Th. μόνος, γένος, γενω”. – p. 215.

Assim, tendo esse sólido embasamento, Harris pontua:

Todos esses estudiosos em grego e lexicógrafos do século 18 e 19, sendo muito proficientes na língua grega (visto que foram criados em um sistema educacional que ensinou grego e latim desde tenra idade), acreditaram que –genes estava relacionado com o verbo gennáo e ginomai e, portanto, carregou o significado de gerado ou nascido. Mas hoje o seu testemunho é rejeitado como sendo distorcido, nem mesmo sendo reconhecido como uma possibilidade.


Após isso, Harris passa a considerar as mudanças históricas que levaram à alteração no sentido de monogenés para “único de uma espécie”:

No século 19, quem introduziu o significado de um de uma espécie para monogenés ainda podia admitir que unigênito também é uma legítima tradução. Na década de 1930 eles ainda mantinham alguma objetividade, ainda admitindo que tal significado era possível (como foi feito por Francis Warden, embora ele tentou arduamente refutá-lo). Mas, pela década de 1950, os homens começaram a perder a objetividade. Vemos isso com o exemplo de Dale Moody; ele negou definitivamente a possibilidade de unigênito, e rotulou a Igreja como estando enganada” por 1.500 anos por sempre ter acreditado em tal coisa!

E agora que chegamos ao século 21, o fruto de tal pensamento, infelizmente, está começando a ser visto. … Muitos continuam a passar informação falsa e enganosa sobre o significado de monogenés e da haste -genes sem um piscar de olhos. Quase todas as traduções da Bíblia moderna, desde a introdução da RSV [Revised Standard Version] em meados do século 20, agora coloca um significado diferente para monogenés.

[…]

Por exemplo, o Codex Monacensis traduz monogenés por unicus em João 1:14, mas, em seguida, quatro versículos depois, no versículo 18, ele usa Unigenitus para monogenés, que ele também faz nos versos restantes em João. Ou, inversamente, no Codex Palatinus, monogenés é traduzido por Unigenitus em João 1:14, mas quatro versos depois e nos versos restantes do John traduz monogenés por unicus!

[…]

Permanece o fato, quando consideramos todos os textos latinos antigos, que descobrimos que, enquanto alguns traduzem monogenés por unicus, a grande maioria dos tradutores do Latim Antigo traduzem monogenés como Unigenitus. Unicus foi a tradução minoritária, e não a tradução majoritária, como muitos afirmam hoje.

Além disso, lembre-se – o fato de que os latino-cristãos tenham compreendido monogenés como significando Unigenitus não é apenas dependente de Textos do Latim antigo do grego das Escrituras. Como foi mencionado antes, Monogenés nos escritos de Irineu foi traduzido por Unigenitus, e o cristão Latino Tertuliano, que escreveu 150-200 anos antes de Jerônimo (quando muitos dos textos latinos antigos estavam sendo escrito), certamente havia entendido monogenés como Unigenitus.


A CONCLUSÃO DO ASSUNTO

Em João 1:18, os mais antigos e reputados manuscritos colocam monogenés theós (“Deus unigênito”);

O sentido é de “unigênito” (único gerado ou nascido):
1.    Associado a nascimento, geração
a)              utilizado a partir de três perspectivas: de um pai (Jz  11:34), de uma mãe (Lu 7:12) e de um pai e mãe juntos (Hb 11:17);
b)             tradução único Deusexcluiria o Pai e o espírito santo de comporem Deus;
c)              Expressão “único Deus” se refere ao Pai (Jo 5:44; 17:3; 1Ti 1:17; Ju 25)

2.  Impossível ‘único de uma espécie’
a)              faria o Pai e o espírito santo serem de um tipo ou substância [homoiousios] diferente.

Monogenés não apóia a teoria da geração eterna
a)              Pr 8:22, 23.

Genes – derivado de genos ou de gennáo?

1.     O significado primário de genos, no N.T., não é tipo ou classe, mas sim descendente, Nação, ou descendência.
a)              Textos que contêm a palavra genos: Mt 13:47; Mr 7:26; 9:29; At 4: 6, 36; 7:13, 19; 13:26; 17:28, 29; 18: 2, 24; 1Co 12:10, 28; 14:10; 2Co 11:26; Gál 1:14; Fil 3: 5; 1Pe 2: 9; Ap 22:16.
b)             Sentido de descendência: At 17:28, 29; Ap 22:16. (Por que neotrinitários não traduzem monogenés como “unigênito”?)
c)              Ap 22:16: veja Ro 1: 3; 2Ti 2: 8.
d)             Jo 1:14: “Unigênito (monogenés) do Pai”.
e)              At 18:2, 24:nascido”. Jesus deve ser entendido como o único Filho nascido”.
f)                At 13:26; Fil 3: 5:  linhagem [geração]. Ideia de nascimento, geração ou derivação. At 13:26: A palavra fala da derivação de Abraão; similarmente, Jo 1:18 fala da derivação do Filho do seu Pai.
g)              Atos 4:6; 7:13, 19: parentela. Ela também carrega a ideia de geração, ou derivação.Não podem ser s parentes a menos que tenham procedido, tenham sido gerados, ou nascidos de um ancestral comum.
h)             Genes incorporado em outras palavras
1     - Hermógenes - ρμο-γένης (2Ti 1:15)
2   -  Allogenes - Άλλο-γενής (Êx 12:43; Lu 17:18)

2.   Genos como “classe” ou “tipo” – uso minoritário

a)              apenas dois versos: Mt 13:47; Mr 9:29.
b)             Em Mt 13:47 o sentido de derivação pode ser claramente visto.
c)              1Co 12:10, 28; 14:10. Sentido subjacente de derivação é encontrado: Ap 7:9; Gn 11:1-7, LXX.
d)             mais de 75% dos usos da palavra transportam o sentido de Prole ou derivação no N.T.
e)              Atos 13:26: “linhagem” (genos), prole, semente. Em monogenés se fala de derivação do Filho em relação ao seu Pai.
f)                monogenés ainda é entendida por um sentido de nascimento, derivação, ou linhagem, quer seja traduzida como Unigênitoquer como Único”.
“Deus unigênito” significa que ele é um Deus gerado no sentido de ter tido um começo, um princípio, mesmo sendo um ser divino. – Pr 8:22-24; Col 1:15-20; Ap 3:14.

Genes incorporado em outras palavras
a)              Revela que, como em monogenés, genes também carrega o sentido de “gerar” ou “nascer”.
b)             Hermógenes - ρμο-γένης (“nascido de Hermes”): 2Ti 1:15.
c)              Allogenes - Άλλο-γενής (“nascido de outro”): Êx 12:43; Lucas 17:18. Genes simplesmente não pode significar “tipo” em λλογενής porque todos os seres humanos são do mesmo tipo. “De outra raça” também é por nascimento.
d)             Suggenes - Συγ-γενής (nascido com): de origem comum, relacionada (pelo sangue); parentes (Mr 6:4; Jo 18:26; Le 18:14, LXX); da mesma raça, compatriotas, concidadão (Ro 9:3; 16:21);
1)                168 vezes; em 111 vezes ela é usada com o sentido de Derivação e apenas 17 vezes é usada com o sentido de classe ou tipo”; das restantes (40 vezes) a definição não está evidente. Conotação de nascimento ou de derivação em uma proporção de quase 6 por 1. C. 65% sentido de derivação e c. 11% de classe ou espécie;
e)              Oikogenes - Οκο-γενής (nascido na casa): não pode significar tipo como em tipo doméstico, mas deve significar nascido como em nascido na família, é demonstrado em Gênesis 17:6. Se οκογενής significasse simplesmente tipo doméstico, não haveria necessidade da última metade do verso: era necessário estipular que mesmo aqueles que são da família, mas que não foram necessariamente nascidos no agregado familiar, mas foram em vez disso comprados de algum outro lugar, ainda teriam de ser circuncidado.
f)                Eugenes - Ε-γενής (bem nascido; 1Co 1:26): não poderia significar bom tipo (Lu 18:19; Ro 3:10; Guerra dos Judeus 1: 522)
g)              Protogenés - Πρωτο-γενής (“primogênito”): Êx 13:2; Pr 31:2  LXX. Êx 13:2 usa Protogenés  em paralelo com Protótokos, o qual inlcui o verbo τίκτω (Dar à luz) Philo explica o significado do tronco de genes, por gennáo (“gerar”).
h)             Diversos eruditos relacionam genes com gennáo (“gerar”) e gínomai (“vir à existência”): Henry George Liddell, Robert Scott, e Henry Drisler; Greville Ewing, J.H. Bass, L. Edward Peithman, John Groves, Karl Gottlieb Bretschneider, James Donnegan.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org











































[1] 265 Liddell e Scott e Drisler afirmam que γενω é obsoleto. “A raiz comum de γείνομαι e γίγνομαι”, com γείνομαι sendo “pass[ivo], do obsol[eto] at[ivo] γείνω, para o qual γεννάω está em uso, ser engendrado, nascer, γεινόμενος, aquele que é nascido.” Veja seu Léxico: Liddell, Henry George, Scott, Robert, Drisler, Henry, Léxico Grego-Inglês, Vol. 2 (harpista & irmãos, New York, 1852) pg. 287, 289 266 Liddell, Henry George, Scott, Robert, Drisler, Henry, Léxico Grego-Inglês, com base no trabalho alemão de Francis Passow, Vol. 2 (harpista & irmãos, New York, 1852) pg. 945 267 Greville Ewing, Gramática Grega e Léxico grego e Inglês das Escritura  (James Hedderwick & Co., Glasgow, 1812) pg. 264 268 JH Bass, Léxico-Manual Grego e Inglês para o Novo Testamento (Baldwin e Cradock, Londres, 1829) pág. 144 269 L. Edward Peithman, Gramática Grega Teórica e Prática (Longman, Rees, Orme, Brown & Green, Londres, 1830) pg. 348 270 John Groves, Dicionário Grego e Inglês (Hilliard, Gray & Co., Boston, 1839) pg. 398 271 Karl Gottlieb Bretschneider, Lexicon Manuale greco-Latinum em Libros Novi Testamenti (Barth, Lipsiae, 1840) pg. 269 272 Tema é uma palavra antiga (do grego θεμα ), o que significa - palavras das quais outras são derivadas. 273 James Donnegan, Novo Léxico Grego e Inglês; Principalmente sobre o Plano do Lexicon Grego e Alemão de Schneider((Hilliard, Gray & Co., Boston, 1839) pág. 856

Um comentário:

  1. Afinal, da RSV em diante como está sendo traduzido Monogenes em inglês?

    Pois Harris está reclamando disso.

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *