Image Map











domingo, 2 de outubro de 2016

A Vida de Jesus – o Evangelho Unificado (parte 27)


Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/jesus/ministerio-na-galileia/alimenta-multidoes-paes-peixes/
Jesus alimenta milagrosamente 5.000 homens
(Mat. 14:13-21; Mar. 6:30-44; Luc. 9:10-17; João 6:1-15)
E quando os apóstolos voltaram, ajuntaram-se diante de Jesus e relataram-lhe todas as coisas que tinham feito e ensinado. E ele lhes disse: “Vinde, vós mesmos, em particular, a um lugar solitário, e descansai um pouco.” Porque havia muitos que vinham e iam, e não tinham folga nem para tomar uma refeição. Por isso [e por ter ouvido que João Batista tinha sido morto] se afastaram no barco atravessando o mar da Galileia, ou Tiberíades[1], para um lugar solitário, à parte. Ele os levou então consigo e se retirou em isolamento para uma cidade chamada Betsaida[2]. Havia, porém, quem os viu partir; e as multidões, vindo das cidades, chegando a ouvir isso, seguiram-no a pé, porque observavam os sinais que ele realizava nos enfermos. E afluíram para lá a pé, de todas as cidades, e chegaram primeiro que eles.
Ora, ao desembarcar, ele viu uma grande multidão, mas teve pena deles, porque eram como ovelhas sem pastor. E ele as recebeu benevolamente, e começou a falar-lhes do reino de Deus [e] a ensinar-lhes muitas coisas, e sarou os necessitados de cura. Jesus subiu assim a um monte e estava ali sentado com os seus discípulos. Ora, estava próxima a páscoa, a festividade dos judeus. 
O dia principiou então a declinar. A hora, então, já ficara avançada, e os doze aproximaram-se dele e começaram a dizer: “O lugar é isolado e a hora já está bem avançada; despede as multidões, para que possam entrar nas aldeias e [na] zona rural circunvizinha, [e] procurar alojamento e comprar para si algo para comer. Porque aqui fora estamos num lugar solitário.” No entanto, Jesus disse-lhes: “Não precisam ir embora; dai-lhes vós algo para comer.” Disseram-lhe então: “Devemos ir e comprar pães no valor de duzentos denários, e dar os pães ao povo para comer?” 
Portanto, quando Jesus levantou os olhos e observou que uma grande multidão se chegava a ele, disse a Filipe: “Onde vamos comprar pães para estes comerem?” No entanto, dizia isso para prová-lo, pois ele mesmo sabia o que ia fazer. Filipe respondeu-lhe: “Pães no valor de duzentos denários não bastam para eles, para que cada um tenha um pouco.” Disse-lhes ele: “Quantos pães tendes? Ide ver!” Um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: “Há aqui um rapazinho que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos. Mas, o que são estes para tantos?” Disseram: “Não temos nada mais do que cinco pães e dois peixes, a menos que talvez nós mesmos vamos e compremos comestíveis para todo este povo.” Ele disse: “Trazei-mos aqui.”
A seguir, ele disse aos seus discípulos: “Fazei-os recostar-se como nas refeições, por companhias, na grama.” E eles fizeram isso e mandaram-nos recostar-se. Ora, havia muita grama verde no lugar. E eles se deitaram em grupos de cem e de cinquenta, por companhias. Tomando então os cinco pães e os dois peixes, olhou para o céu e proferiu uma bênção; e, tendo dado graças, partiu os pães e distribuiu-os entre os discípulos, para que estes os pusessem diante das pessoas; e repartiu os dois peixinhos entre todos, tantos quantos quiseram.
Todos comeram assim e ficaram satisfeitos. Mas, quando ficaram saciados, ele disse aos seus discípulos: “Ajuntai os pedaços que sobraram, para que nada se desperdice.” Eles recolheram os pedaços que sobraram, e encheram doze cestos[3] cheios dos pedaços dos cinco pães de cevada, que foram deixados pelos que haviam comido, além dos peixes. Contudo, os que comeram foram cerca de cinco mil homens, além de mulheres e criancinhas. Por isso, quando os homens viram os sinais que realizava, começaram a dizer: “Este é certamente o profeta que havia de vir ao mundo.” Jesus, portanto, sabendo que estavam para vir e apoderar-se dele para o fazerem rei, retirou-se novamente para o monte, sozinho.

Explicação das siglas usadas:

EC: Era Comum.
it: obra Estudo Perspicaz das Escrituras, publicada pelas Testemunhas de JeováO número em sequência indica o volume.

Notas:
[1] O mar da Galileia (Yam Kinneret) era às vezes chamado de Tiberíades, por causa da cidade do mesmo nome situada em sua margem ocidental, (João 6:1; 21:1) cidade construída por Herodes Ântipas por volta de 21 EC, em honra a Tibério César, na época o imperador do Império Romano. Distava cerca de 15 km de Cafarnaum. Foi ali que Herodes, o tetrarca, fixou residência. – It-3, p. 709.
[2] [Do aramaico, significando “Casa do Caçador (ou: Pescador)”]. Jesus retirou-se para um lugar isolado e gramado de sua vizinhança. – It-1, p. 355
[3] Grego: kó·fi·nos. Este tipo talvez fosse um cestinho de vime, relativamente pequeno, em que se podiam carregar provisões para uma viagem, ou que, possivelmente, tinha uma corda como alça, pela qual o cesto podia ser carregado nas costas. Sua capacidade geral pode ser deduzida do fato de que este termo grego é também usado para a medida beócia de aproximadamente 7,5 l. – It-1, p. 486.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são baseadas na Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.


Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org







Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *