Image Map











quinta-feira, 31 de agosto de 2017

O Logos – quem é ele? (Parte 5)

Contribuído por A Verdade É Lógica.

O artigo anterior analisou as passagens bíblicas em que Filo de Alexandria se baseou para fundamentar suas ideias sobre o Logos. Neste artigo veremos aquele que talvez seja o ponto mais interessante na visão de Filo de Alexandria sobre o Logos.

Lemos na obra The Works of Philo Judaeus (“As Obras do Judeu Filo”):

(203) E eu fico ainda mais maravilhado. Quando ouço as profecias sagradas eu aprendo delas sobre qual maneira “a nuvem veio até o Meio-Termo” {68} {Êxodo 14:19.} entre o exército dos egípcios e o grupo dos filhos de Israel; pois a nuvem não mais permitia que o povo, que era meigo e amado por Deus, fosse perseguido por aquilo que foi devotado às paixões e [era] um inimigo de Deus; sendo uma cobertura e uma proteção para seus amigos, mas uma arma de vingança e castigo contra seus inimigos; (204) Pois gentilmente derrama sabedoria sobre as mentes que estudam a virtude - sabedoria que não pode ser castigada por nenhum mal.  Mas em tais mentes malignas e improdutivas de conhecimento, derrama um corpo inteiro de punições, trazendo sobre eles a mais lamentável destruição da inundação. (205) E o Pai que criou o universo tem dado à sua mais antiga e arqueangélica Palavra [claramente “o Logos”] um presente superior: estar no limite de ambos, e separou aquilo que fora criado do Criador. E esta mesma Palavra [o Logos] é continuamente um suplicante ao Deus imortal em prol da raça mortal, a qual está exposta à aflição e à miséria; e é também o embaixador, enviado pelo Governante de tudo, até à raça subordinada. (206) E a Palavra [o Logos] se alegra neste presente, e, exultando nisso, ela o anuncia e se gaba, dizendo: “E eu estive no meio, entre o Senhor e vós;” {69} {Números 16:48.} não é incriada igual a Deus, tampouco criada igual a vós, mas é um meio-termo entre estas duas extremidades, como um refém, por assim dizer, de ambos os lados: um refém para o Criador, igual a um juramento e [uma] segurança [de] que a inteira raça jamais abandonaria ou se revoltaria inteiramente, escolhendo a desordem ao invés da ordem. E à criação, para levá-la a receber a esperança segura de que o Deus misericordioso não negligenciaria sua própria obra. Pois eu proclamarei inteligência cheia de paz à criação da parte dele, que tem decidido destruir as guerras, isto é, Deus, que é eternamente o guardião da paz. (PHILO, subtítulo Who is the Heir of Divine things?, 203-206.) [Os grifos são nossos.]



É impossível ler esse relato e não relacioná-lo com a descrição bíblica de Jesus Cristo. João declara que o Logos é o “deus unigênito”. (João 1:18) Em contraste com o ‘Deus que ninguém jamais viu’, João menciona o “deus unigênito”. Este “deus unigênito” não é o ‘Deus invisível’, nem o ‘Deus invisível’ é o “deus unigênito”. São dois seres divinos ontologicamente distintos apresentados no prólogo, não duas hipóstases de uma mesma “ousia” ou Ser. Definitivamente, a descrição do “apóstolo amado” no v. 18 é incompatível com a ideia de duas pessoas num único Deus. A característica que o Logos possui de ser o deus “unigênito” é, pelo que tudo aponta, quer por coincidência, quer por providência, idêntica à descrição mencionada anteriormente por Filo. O Logos é unigênito tanto para João quanto para Filo. O Logos não é uma criação igual às demais, tampouco é incriado igual ao Deus Supremo: ele é unigênito, o único produzido ou gerado diretamente pelo Deus supremo sem a ação de intermediários, pois todas as coisas foram criadas por intermédio do Logos.  

Alguns trinitários, seja por brincadeira, por falta de argumentos ou por doutrinação, argumentam que “o Logos foi gerado, não criado”. Confesso que nas primeiras vezes eu pensava que era uma brincadeira, mas à medida que essa objeção se repetia, passei a perceber que eles falavam sério

A expressão hebraica usada em Provérbios 8:24 para a Sabedoria personificada é esta:

“chûl chíyl”/khool, kheel/

Ela não é usada para um suposto ser “gerado mas não criado”. Essa expressão traz o sentido de “gerar como que com dores de parto”. Veja a análise a seguir:

“Não é ele seu Pai, que o trouxe à existência.” – Deuteronômio 32:6.

“Você se esqueceu da Rocha que o gerou [yâlad, /yaw-lad’/ - gerar, parir, nascer], e não se lembrou do Deus que o deu à luz. [chûl chíyl, /khool, kheel/ - gerar com dores].” – Deuteronômio 32:18.

Veja analisemos mais passagens similares:

“Será que você foi o primeiro homem a nascer, [yâlad, /yaw-lad’/ - gerar, parir, nascer] Ou foi dado à luz [chûl chíyl, /khool, kheel/ - gerar com dores] antes das colinas?” – Jó 15:7, compare com Provérbios 8:22-30.

“Antes de nascerem [yâlad, /yaw-lad’/ - gerar, parir, nascer] os montes, ou de teres formado [chûl chíyl, /khool, kheel/ - gerar com dores] a terra e o solo produtivo.” – Salmo 90:2.

Com essa análise breve, vemos que simplesmente não há diferença na essência da mensagem entre ser gerado e ser criado, pois ambas as formas trazem a ideia de algo/alguém que passa a ser ou existir.

Alguns talvez aleguem que, visto que o Logos foi gerado como “o primeiro”, então nunca houve um tempo em que o Logos não existia (pois o tempo começa com o Logos), e que, por tal razão, ele é eterno e igual a Deus. Esse pensamento, porém, contém três erros, os quais serão expostos no próximo artigo.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *