Image Map











quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Judas 25 afirma a eternidade passada do Filho?

Fonte da ilustração: jw.org

Certo leitor trouxe à atenção o seguinte argumento trinitário:

Olá, boa tarde.

Conversando recentemente com um trinitário a respeito da eternidade de Jesus, esse senhor falou um versículo que até então não tinha visto nenhum site apologético ou trinitário usar, até mesmo site nosso refutar.

Trata-se de Judas 25, que declara: “Ao único Deus, nosso Salvador, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor, seja a glória, a majestade, o poder e a autoridade desde toda a eternidade, agora e por toda a eternidade. Amém..”

Esse senhor argumentou que esse versículo fala claramente que, se a glória, majestade, poder e autoridade de Jeová existem desde toda a eternidade, a glória, majestade, poder e autoridade de Jesus também existem desde toda a eternidade.

Sendo assim, ele (Jesus) também é eterno, pois Judas colocou tanto o Pai como o Filho tendo atributos desde toda a eternidade; que, se tirarmos a eternidade de Jesus, teremos que tirar a do Pai também.
Abraço. Fico no aguardo.

Resposta:

O trinitário afirmou que Judas 25 “fala claramente que, se a glória, majestade, poder e autoridade de Jeová existem desde toda a eternidade, a glória, majestade, poder e autoridade de Jesus também existem desde toda a eternidade”. Contudo, Judas 25 não diz nada disso.

Judas 25 é uma doxologia (declaração de louvor) feita ao Pai POR MEIO DE Jesus Cristo. A Deus, o Pai, cujo nome é Jeová, são atribuídos “a glória, a majestade, o poder e a autoridade”, características que Ele tem desde toda a eternidade passada e que continuará a ter por toda a eternidade futura.

Jesus Cristo é colocado no texto por Judas como sendo O MEIO de atribuirmos e de reconhecermos a Jeová tais características.

Como o próprio Jesus disse nas passagens abaixo:

“Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim.” – João 14:6.

“Também, tudo o que vocês pedirem em meu nome, eu farei, para que o Pai seja glorificado por meio do Filho. Qualquer coisa que vocês pedirem em meu nome, eu farei.” – João 14:13, 14.

“Vocês não me escolheram, mas eu escolhi vocês, e eu os designei para irem e continuarem dando fruto, fruto que permaneça, para que, não importa o que pedirem ao Pai em meu nome, ele dê a vocês.” – João 15:16.

“Se pedirem ao Pai qualquer coisa em meu nome, ele a dará a vocês.” – João 16:23, 24.

“Naquele dia vocês pedirão ao Pai em meu nome.” – João 16:26.

Portanto, a premissa do referido trinitário não tem nenhum respaldo em Judas 25, e em parte alguma da Bíblia.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



2 comentários:

  1. Lendo o texto com atenção é simples compreende-lo, na verdade. O versiculo é dirigido ao PAI por intermédio do Filho, tanto que se voce isolar a citação ao filho, o sentido permanece.
    "'Ao único Deus, nosso Salvador (...) seja a glória, a majestade, o poder e a autoridade desde toda a eternidade, agora e por toda a eternidade. Amém...'”
    Nota-se que Judas reconhece o papel do Messias como mediador.

    ResponderExcluir
  2. Gostei, muito boa a análise e mais um quebra a cara de quem defende o indefensável.

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *