Image Map











domingo, 28 de junho de 2020

Quanto tempo após sua ressurreição Jesus subiu ao céu?


 
Fonte: jw.org

Dois leitores enviaram comentários a este site a respeito de quando Jesus Cristo teria subido ao céu após a sua morte e ressurreição. Este artigo trará à tona tais comentários e as respostas do autor deste site.

Leitores:

Jesus foi entronizado logo após ter subido ao céu da aldeia de Emaús, na noite do primeiro dia da ressurreição (Luc. 24:30-31), conforme testificou em espírito Davi (Sal 21:1 a 6), João (Apoc. 5:1 a 14) e Paulo em (Fil. 2:9 a 11) etc... Voltando ao oitavo dia em Galileia (Mat. 20:26), dizendo aos seus discípulos: “É-ME DADO TODO O PODER NO CÉU E NA TERRA.” – Mat. 28:18.

Resposta:

Com relação à ascensão de Jesus ao céu, os senhores cometeram um erro histórico, pois Jesus somente voltou ao céu após 40 dias de sua ressurreição, conforme Atos 1:1-11, que declara:

“No primeiro relato, Teófilo, escrevi sobre todas as coisas que Jesus começou a fazer e a ensinar, até o dia em que foi levado para cima, depois de ter dado instruções por meio do espírito santo aos apóstolos que havia escolhido. Depois de ter sofrido, mostrou a eles, por meio de muitas provas convincentes, que estava vivo. Foi visto por eles durante 40 dias e falou sobre o Reino de Deus. Enquanto estava reunido com eles, ordenou-lhes: ‘Não saiam de Jerusalém, mas continuem esperando o que o Pai prometeu, conforme eu lhes falei; pois João, realmente, batizou com água, mas vocês serão batizados com espírito santo dentro de poucos dias.’ Assim, quando se reuniram, eles lhe perguntaram: ‘Senhor, é agora que o senhor vai restabelecer o reino a Israel?’ Ele lhes disse: ‘Não cabe a vocês saber os tempos ou as épocas que o Pai colocou sob sua própria autoridade. Mas, quando o espírito santo vier sobre vocês, receberão poder e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até a parte mais distante da terra.’ Depois de dizer isso, ele foi levado para cima enquanto eles olhavam, e uma nuvem o encobriu de modo que não puderam mais vê-lo. E, enquanto olhavam fixamente para o céu durante a partida dele, de repente apareceram ao lado deles dois homens com roupas brancas e disseram: ‘Homens da Galileia, por que estão parados aí olhando para o céu? Este Jesus, que do meio de vocês foi levado para o céu, virá da mesma maneira que o viram ir para o céu.’”

Leitores:

Desculpe-nos, mas quem erou grandemente contra a Escritura foi o amigo, ao citar apenas uma parte dos fatos pós-ressurreição; imaginando que Jesus esteve na terra somente 40 dias. Enquanto que a Escritura afirma que estes 40 dias foram contados a partir do oitavo dia da ressurreição (Jo. 20:26), depois do Senhor ter recebido no céu “todo o poder no céu e na terra”, se apresentando aos seus discípulos em Galileia, com muitas e infalíveis provas; entre elas, comendo e bebendo com eles, por espaço de 40 dias (detalhe não acontecido antes do oitavo dia da ressurreição).

“Aos quais também, depois de ter padecido, se apresentou vivo, com muitas e infalíveis provas, sendo visto por eles por espaço de quarenta dias, e falando do que respeita ao reino de Deus.” – Atos 1:3.

Portanto, a contagem correta pós-ressurreição do Senhor, foi 50 dias, a mesma contagem da lei das Primícias.

O 1º dia em que ressuscitou mais 7 dias em que foi glorificado no céu, voltando à terra ao oitavo dia em Galileia, mais 40 dias em que foi visto pessoalmente por eles (sete semanas inteiras – Lev. 23:15), mais o último dia, ao seguinte dia do sábado; – o quinquagésimo = 50 dias.

Resposta:

Não há nenhum texto bíblico que diga que Jesus foi ao céu antes do final dos 40 dias. Mas há evidência bíblica do contrário. Ele mesmo disse à Maria: “Ainda não subi para o Pai.” (João 20:17) A Bíblia não diz que ele foi ao céu para receber “toda a autoridade”. (Mateus 28:18) Em parte alguma a Bíblia afirma “que estes 40 dias foram contados a partir do oitavo dia da ressurreição”. João 20:26 não diz nada disso. Apenas declara: “Oito dias depois, seus discípulos estavam novamente reunidos, e Tomé estava com eles. Embora as portas estivessem trancadas, Jesus apareceu no meio deles e disse: ‘Que a paz esteja com vocês.’” Pela Bíblia, ele foi ao céu 40 dias após sua ressurreição. – Atos 1:9-12.

Jesus morreu na Páscoa judaica, no dia 14 de nisã. Ele foi ressuscitado no dia 16 de nisã. Então a Bíblia relata que ele ficou 40 dias na Terra, após o que foi ao céu. (Atos 1:1-11) Dez dias depois, houve o derramamento do espírito santo na festividade do Pentecostes (Levítico 23:15-21) em Jerusalém, no 50.° dia contado a partir de sua ressurreição dentre os mortos, em 6 de sivã do ano 33 E.C.

Assim, os senhores estão acrescentando ideias próprias ao que leem nas Escrituras.

Leitores:

Se o amigo não consegue enxergar na Escritura a glorificação de Cristo no céu entre a tardinha do primeiro dia ao oitavo dia da ressurreição (Apoc. 5:1 a 14), onde o Senhor recebeu do Pai seu grandíssimo galardão...

1-Um Trono à direita de Deus (Heb. 10:12).

2-Foi coroado de honra e de glória - exaltado soberanamente pelo Pai (Heb. 2:7 - Fil. 2:9).

3-Foi declarado publicamente Filho de Deus (Rom. 1:4).

4-Recebeu toda a plenitude de Deus (Col. 1:19).

5-Foi chamado por Deus, de Deus (Heb. 1:8).

6-Foi feito Senhor e Cristo (Atos 2:36).

7-Deus, o elevou a Príncipe e Salvador (Atos 5:31).

8-Passou a ser adorado pelos anjos (Heb. 1:6).

9-Foi constituído Juiz dos vivos e dos mortos (Atos 10:42).

10-Recebeu a confirmação da descida do Espírito Santo (Atos 2:33).

11-Recebeu as nações da terra por herança (Sal. 2:7-8).

12-Recebeu “Todo o poder no céu e na terra”. (Mat. 28:18).

... Então, é inútil continuar lhe expondo a Palavra de Deus, visto que a nossa missão é de pregá-la; convencer alguém, já é obra do Espírito Santo.

Passar bem.

Resposta:

Os textos que os senhores citaram mostra a glorificação de Cristo no céu, algo que eu aceito, pois está na Bíblia. O ponto é que nenhum desses textos mostra que ele foi para o céu antes dos 40 dias em que esteve com seus discípulos. Essa ideia é da cabeça de vocês. E não dá para ser convencido por uma ideia não bíblica. Espero sinceramente que reavaliem sua postura e passem a aderir à Palavra de Deus e não a ideias de homens. Felicidades.

Leitores:

Ideia nossa ... ou desconhecimento vosso das Escrituras? Meu caro, erraste mais uma vez! Nós não convencemos ninguém, nós expomos as Escrituras; coisa que você não fez até agora sobre o assunto.

Pra teu conhecimento, o ritual das primícias por cerca de 13 séculos, eram movidas diante de Deus no “DIA SEGUINTE DO SÁBADO” (Lev. 23:11); o mesmo dia que Jesus ressuscitou, três dias depois que da sua morte (Mat. João 20:1), sendo movido ao céu, à tardinha do primeiro dia da aldeia de Emaús (Luc. 24:30-31).

“Mas, agora, Cristo ressuscitou dos mortos e foi feito as primícias dos que dormem.” – 1 Cor. 15:20.

Ideia de homens é querer que as primícias ocorram 40 dias depois do seu corte; sem apresentar um único versículo provando isto! Ideia de homens é chamar a segunda subida de Cristo ao céu 40 dias depois do oitavo dia, de primeira subida; quando a Palavra afirma que a subida do monte das Oliveiras, foi a sua “SEGUNDA SUBIDA”; pois o Senhor já havia descido antes do céu à terra, “OITO DIAS DEPOIS da ressurreição em Galileia (Jo. 20:26), conforme a Escritura.

“QUEM SUBIU AO CÉU E DESCEU? Quem encerrou os ventos nos seus punhos?
Quem amarrou as águas na sua roupa? Quem estabeleceu todas as extremidade das terra?
Qual é o seu nome, e qual é o nome do seu filho, se é que o sabes?” – Prov. 30:4.

Infelizmente não podemos lhe desejar felicidades, pois sabemos o destino dos que vituperam a Palavra de Deus, se não se arrependerem em tempo hábil.

Resposta:

Sobre o “ritual das primícias”, temos o seguinte comentário na obra Estudo Perspicaz das Escrituras (volume 2, pp. 126-7):

Em 16 de nisã, o segundo dia da Festividade dos Pães Não Fermentados, o sumo sacerdote movia em oferta para lá e para cá as primícias da colheita da cevada, que era a primeira safra do ano, ou a que se poderia chamar de primeira das primícias da terra. (Le 23:10, 11) É significativo que Jesus Cristo foi ressuscitado naquele mesmo dia, 16 de nisã do ano 33 EC. O apóstolo compara Cristo com outros ressuscitados, dizendo: “No entanto, agora Cristo tem sido levantado dentre os mortos, as primícias dos que adormeceram na morte. . . . Mas, cada um na sua própria categoria: Cristo, as primícias, depois os que pertencem a Cristo durante a sua presença.” Cristo é também chamado de “primogênito entre muitos irmãos”. — 1Co 15:20-23; Ro 8:29.

Portanto, tem a ver com a ressurreição de Cristo e não com sua ascensão ao céu. É significativo que, após sua ressurreição, Jesus tenha dito a Maria Madalena: “Pare de me segurar, porque AINDA NÃO SUBI PARA O PAI. Mas vá aos meus irmãos e diga-lhes: ‘Eu vou subir para o meu Pai e Pai de vocês, para o meu Deus e Deus de vocês.” – João 20:17.

Em parte alguma da Bíblia lemos que “a subida do monte das Oliveiras foi a sua ‘SEGUNDA SUBIDA’”. O texto de Provérbios 30:4 faz perguntas referentes ao passado em relação à época da escrita dessa passagem, e não referente ao futuro – à vinda do Messias. Além do que também engloba Deus, o Pai. Também, o fato de Jesus ter recebido “toda a autoridade no céu e na terra” não significa que ele tenha ido antes ao céu; apenas indica que, após sua ressurreição, Deus lhe concedeu essa autoridade, a qual, evidentemente, está abaixo de Deus, pois foi Deus quem a concedeu.

Assim, permanece o fato ensinado pelas Escrituras que Jesus ascendeu ao céu pela primeira vez após sua ressurreição no relato de Atos 1:1-11.

Continuo lhes desejando felicidades.

[Fim da conversa.]

Outro leitor, que acompanhou a conversa acima, comentou o seguinte, dirigindo-se aos dois leitores:

Li com ávido interesse seu comentário sobre a suposta ascensão de nosso Senhor uma primeira vez e uma segunda vez. Li João 20:26 e tudo o que encontrei ali foi o relato da aparição de nosso Senhor oito dias depois aos seus discípulos. O relato sequer sugere que Jesus tenha vindo do céu para tal encontro. Eu aprendi cedo na vida que existe a doutrina da igreja e existe a doutrina da Bíblia. Vocês estão agindo como crianças rebeldes que batem o pé e insistem em algo que não pode ou não é. Vocês falaram muito e não mostraram onde está escrito que Jesus subiu ao céu uma primeira vez e desceu para subir novamente quarenta dias depois.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




domingo, 21 de junho de 2020

Evidências da impessoalidade do “Espírito Santo”


 
O espírito santo foi derramado e parcelado sobre dezenas de pessoas ao mesmo tempo
Fonte: jw.org


1. As características aplicadas pela Bíblia ao espírito santo determinam, além de qualquer dúvida, a sua natureza impessoal.

ENCHE pessoas:

“Eu o encherei com o espírito de Deus, dando-lhe sabedoria, entendimento e conhecimento de todo tipo de trabalho de artesão.” – Êxodo 31:3.

“E todos ficaram cheios de espírito santo e começaram a falar em línguas, assim como o espírito os capacitava.” Atos 2:4.

Pode VIR SOBRE pessoas:

O espírito de Jeová veio sobre ele [Otniel], e ele se tornou o juiz de Israel.” – Juízes 3:10.

Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão; esse homem era justo e devoto, e esperava o consolo de Israel, e o espírito santo estava sobre ele. – Lucas 2:25.

Pode ESTAR ATIVO em pessoas:

“Então, o espírito de Jeová se tornou ativo nele [em Sansão], de modo que ele o rasgou [o leão] em dois, assim como se rasga um cabritinho em dois, e não havia absolutamente nada na sua mão. E não contou a seu pai nem a sua mãe o que havia feito.” – Juízes 14:6, Tradução do Novo Mundo Com Referências.

“E o espírito de Jeová há de tornar-se ativo em ti [Saul], e hás de falar como profeta junto com eles e ser transformado em outro homem.” – 1 Samuel 10:6, Tradução do Novo Mundo Com Referências.

É DERRAMADO:

“‘Nos últimos dias’, diz Deus, ‘derramarei do meu espírito sobre todo tipo de pessoas, e os filhos e as filhas de vocês profetizarão, os jovens entre vocês terão visões e os homens idosos entre vocês terão sonhos.’” – Atos 2:17.

“E os crentes circuncisos que tinham vindo com Pedro ficaram admirados, porque a dádiva do espírito santo também estava sendo derramada sobre pessoas das nações.” – Atos 10:45.

É PARCELADO:

“‘Eu [Jeová] descerei e falarei com você [Moisés] ali, tirarei um pouco do espírito que há sobre você e o colocarei sobre eles. E eles o ajudarão a levar o fardo do povo, para que você não tenha de levá-lo sozinho.’ Jeová desceu então numa nuvem e falou com ele, e tirou um pouco do espírito que havia sobre ele e pôs sobre cada um dos 70 anciãos. E, logo que o espírito veio sobre eles, começaram a agir como profetas, mas fizeram isso apenas aquela vez.” – Números 11:17, 25.

É SOPRADO:

“Depois de dizer isso, soprou sobre eles e lhes disse: ‘Recebam espírito santo.’” – João 20:22.

2. É comumente associado a coisas impessoais. 

Eu batizo vocês com água, por causa do seu arrependimento, mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu, e não sou digno de tirar as suas sandálias. Ele os batizará com espírito santo e com fogo.” – Mateus 3:11.

Assim como a água e o fogo não são pessoas, do mesmo modo o espírito santo não é pessoa.

“O que eles disseram agradou a toda a multidão, e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e de espírito santo.” – Atos 6:5.

“Pois era um homem bom, cheio de espírito santo e de fé. E uma multidão considerável passou a crer no Senhor.” – Atos 11:24.

E os discípulos continuavam cheios de alegria e de espírito santo.” – Atos 13:52.

Assim como a fé e a alegria não são pessoas, o mesmo se dá com o espírito santo.

O espírito santo dá testemunho, mas não junto com o Pai e o Filho, e sim, junto com coisas impessoais, tais como a água e o sangue:

“Também, na própria Lei de vocês está escrito: ‘O testemunho de dois homens é verdadeiro.’ Eu sou um que dá testemunho de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, dá testemunho de mim.” – João 8:17, 18.

Quem pode vencer o mundo? Não é aquele que tem fé em que Jesus é o Filho de Deus? Este é aquele que veio por meio de água e de sangue: Jesus Cristo; não apenas com a água, mas com a água e com o sangue. E o espírito dá testemunho, porque o espírito é a verdade. Pois são três os que dão testemunho: o espírito, a água e o sangue; e os três estão de acordo.” – 1 João 5:5-8.

3. O espírito santo não tem nome próprio.

Mateus 28:19 fala de ‘batizar em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo’. Nesta passagem, a palavra “nome” não se refere a um nome próprio, pessoal, e sim à autoridade, função e atividade, similar à expressão “em nome da lei”. De qualquer forma, o Pai e o Filho possuem nomes próprios, pessoais. O Pai tem o nome Jeová. (Salmo 83:18, Almeida Revista e Corrigida), e o Filho tem o nome Jesus Cristo. (Mateus 1:1) Porém, o espírito santo não tem nome pessoal. A expressão “espírito santo” não é nome, do mesmo modo que os termos “Pai” e “Filho” não são nomes.

4. Falta ao espírito santo identificação como pessoa.

Na Bíblia, a palavra “espírito” é usada tanto para seres espirituais, pessoais, como também para algo não pessoal (como o ânimo, a disposição ou inclinação mental, um sentimento íntimo). Um exemplo de espírito no sentido de pessoa, ou ser, espiritual são os anjos. Lemos em Hebreus 1:7: “Ele faz dos seus anjos espíritos.” Os anjos também são santos. Em Marcos 8:38 são chamados de “santos anjos”. Assim, os anjos são espíritos santos pessoais.

Para que o “espírito santo” seja uma pessoa, ele teria de ter um nome pessoal para distingui-lo dos demais espíritos santos pessoais que existem. Mas, falta-lhe tal identificação como pessoa.

5. Os espíritos pessoais possuem corpo espiritual definido. O espírito santo, não.

A Bíblia diz: “Se há corpo físico, há também um espiritual. E, assim como levamos a imagem daquele feito do pó, levaremos também a imagem do celestial.” (1 Coríntios 15:44, 49) Portanto, os seres espirituais pessoais têm corpo definido. Por outro lado, o espírito santo – uma energia – não tem definição corporal e pode “encher” várias pessoas ao mesmo tempo:

“Naqueles dias, Pedro se levantou no meio dos irmãos (os presentes ali somavam cerca de 120 pessoas). TODOS ficaram CHEIOS de espírito santo e começaram a falar em línguas, assim como o espírito os capacitava.” – Atos 1:15; 2:4.

Nisso reside a razão pela qual só o espírito santo pode “encher” várias pessoas simultaneamente: porque somente ele pode ser parcelado. Lemos as palavras de Jeová a Moisés em Números 11:17, 25:

 “‘Eu descerei e falarei com você ali, tirarei um pouco do espírito que há sobre você e o colocarei sobre eles. E eles o ajudarão a levar o fardo do povo, para que você não tenha de levá-lo sozinho.  Jeová desceu então numa nuvem e falou com ele, e tirou um pouco do espírito que havia sobre ele e pôs sobre cada um dos 70 anciãos. E, logo que o espírito veio sobre eles, começaram a agir como profetas,  mas fizeram isso apenas aquela vez.

6. Vários textos mencionam o Pai e o Filho, mas não o espírito santo.

Jesus não apresentou o espírito santo como testemunha junto dele e do Pai:

“Também, na própria Lei de vocês está escrito: ‘O testemunho de dois homens é verdadeiro.’ Eu sou um que dá testemunho de mim mesmo, e o Pai, que me enviou, dá testemunho de mim.” – João 8:17, 18.

O espírito santo dá testemunho, mas junto com a água e o sangue – coisas impessoais. – 1 João 5:5-8.

Jesus disse: “Eu e o Pai somos um.” (João 10:30) Mas não disse: ‘Eu e o Pai e o Espírito Santo somos um.’

Jesus não mencionou o espírito santo, quando disse que a vida eterna depende de conhecer o Pai e o Filho:

“Isto significa vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo.” – João 17:3.

Jesus disse que o Pai estava em união com ele e ele em união com o Pai, mas não citou o espírito santo como parte dessa união:

“Você não acredita que eu estou em união com o Pai e que o Pai está em união comigo? O que eu lhes digo não se origina de mim, mas o Pai, que permanece em união comigo, está fazendo as Suas obras. Acreditem em mim quando digo que estou em união com o Pai e o Pai está em união comigo; ou senão, acreditem por causa das obras em si.” – João 14:10, 11.

“Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo, para que eles também estejam em união conosco, a fim de que o mundo acredite que tu me enviaste. Eu lhes dei a glória que tu me deste, a fim de que eles sejam um, assim como nós somos um. Eu em união com eles, e tu em união comigo, a fim de que estejam perfeitamente unidos, para que o mundo saiba que tu me enviaste e que os amaste assim como me amaste.” – João 17:21-23.

A “grande multidão” de salvos atribui a salvação ao Pai e ao Filho, mas não ao espírito santo:

Clamavam em alta voz: ‘Devemos a salvação ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro.’” – Apocalipse 7:10.

A Bíblia menciona “o trono de Deus e do Cordeiro”, mas não inclui o espírito santo:

“E ele me mostrou um rio de água da vida, límpido como cristal, que saía do trono de Deus e do Cordeiro.” – Apocalipse 22:1.

O apóstolo Paulo fala do “reino do Cristo e de Deus”, mas não inclui nesse reino o espírito santo:

“Pois isto vocês sabem e reconhecem por si mesmos: ninguém que pratica imoralidade sexual, nenhuma pessoa impura, nem gananciosa — que significa ser idólatra — tem herança alguma no Reino do Cristo e de Deus.” – Efésios 5:5.

 Jesus afirmou que somente ele e o Pai conhecem um ao outro plenamente, mas não incluiu o espírito santo nessa relação de conhecimento mútuo:

“Tudo me foi entregue por meu Pai. E ninguém sabe quem o Filho é, exceto o Pai; e ninguém sabe quem o Pai é, exceto o Filho e aquele a quem o Filho quiser revelá-lo.”– Lucas 10:22.

João menciona que os cristãos têm parceria “com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo”, mas não inclui nessa parceria o espírito santo:

“O que vimos e ouvimos também estamos relatando a vocês, para que também possam estar unidos conosco. E nós estamos unidos com o Pai e com o seu Filho, Jesus Cristo.” – 1 João 1:3.

Se o espírito santo fosse um ser pessoal, e ainda mais – a terceira pessoa de um Deus trino, com coigualdade em relação ao Pai e ao Filho, ele seria evidentemente mencionado junto com o Pai e o Filho nos textos acima.

7. Se o espírito santo fosse uma pessoa, ele seria maior do que Jesus Cristo. 

Pois a blasfêmia contra o Filho é perdoada, mas contra o espírito santo não é perdoada. Jesus declarou: “Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do Homem será perdoado; mas quem falar contra o espírito santo não será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que virá.” – Mateus 12:32.

Conclusão 

Por conseguinte, existe um conjunto de provas bíblicas que torna claro que o espirito santo não é um ser pessoal, mas sim uma energia – a mais poderosa energia, pois é proveniente do próprio Deus Todo-Poderoso, Jeová.

Para mais informações, veja os artigos abaixo:







A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.


Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





terça-feira, 16 de junho de 2020

Nota aos leitores




Prezados leitores:

Quero informá-los de que, a partir de agora, este site proverá um artigo por semana, sempre no domingo.

O espaço de tempo entre um artigo e o artigo seguinte permitirá que os leitores possam tirar tempo, conforme desejarem, para examinar os artigos semanais com ponderação.

Caso tenham dificuldade de encontrar o assunto que desejam, poderão acessar a página “SAIBA COMO ENCONTRAR O QUE PROCURA”, que se encontra no lado direito do site, abaixo de “SEGUIDORES”.

Se ainda assim não encontrarem o assunto de que precisam, poderão escrever no Google (ou em outro buscador) a palavra-chave ou o texto bíblico e em seguida a expressão “o apologista da verdade”, conforme exemplo abaixo:



Futuramente, a periodicidade dos artigos poderá ser alterada.

site conta com mais de 800 artigos publicados, desde meados do segundo semestre de 2011. Assim, os leitores têm à disposição ampla bibliografia. As perguntas dos leitores serão consideradas, quer por meio de uma resposta sucinta e direta, quer pela composição de artigos a respeito do assunto.

Este site consiste num esforço sincero de esclarecer o que a Bíblia realmente ensina sobre diversos temas e de tornar tal esclarecimento disponível a quem desejar dele se servir.

Agradeço imensamente todas as expressões de apreço que tenho recebido pelos artigos bíblicos produzidos e disponibilizados neste site.

Atenciosamente,

O apologista da verdade.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *