Image Map











terça-feira, 13 de dezembro de 2011

“Sinal dos pregos” no corpo de Jesus – o que indica?

Fonte da ilustração: http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2014324
  
Ἐὰν μὴ ἴδω ἐν ταῖς χερσὶν αὐτοῦ τὸν τύπον τῶν ἥλων
καὶ βάλω τὸν δάκτυλόν μου εἰς τὸν τύπον τῶν ἥλων 
καὶ βάλω μου τὴν χεῖρα εἰς τὴν πλευρὰν αὐτοῦ, 
οὐ μὴ πιστεύσω. 

“A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos
e ponha o meu dedo no sinal dos pregos,
e ponha a minha mão no seu lado,
certamente não acreditarei.”
 – João 20:25.



Membros da cristandade, por vezes, têm usado o texto de João 20:25 para tentar justificar a crença deles de que Jesus morreu numa cruz de duas vigas transversais. Contudo, o texto não muda o fato de que as palavras gregas usadas para o instrumento de execução de Cristo – stau·rós xý·lon – significam um poste reto; nem muda o fato de a cruz ser pagã. Em segundo lugar, podemos afirmar que a passagem de João 20:25 prova justamente o contrário do pretendido pelos membros da cristandade.

Observamos que a expressão “sinal [no singular] dos pregos” (em grego: τύπον τῶν ἥλωνtýpon tôn hélon), que ocorre duas vezes, exige que as mãos de Cristo tenham sido pregadas uma sobre a outra. Se Cristo tivesse sido pregado com os braços abertos numa cruz, haveria sinais dos pregos, cada prego deixando um sinal em cada mão. No entanto, o texto fala de “sinal” no singular. Portanto, ter Jesus morrido numa cruz com braços abertos está fora de cogitação. Para que houvesse apenas um sinal (no singular) nas “mãos” (plural) de Jesus, suas mãos teriam de ser pregadas juntas, uma sobre a outra.

Podemos ilustrar isso com a seguinte situação: digamos que você fosse incumbido de fazer um único furo em duas peças de madeira. A única maneira de fazer isso seria colocar uma sobre a outra. Embora cada madeira apresentasse depois disso dois orifícios, ou buracos, o furo (sinal) feito foi um só.

Mas, talvez alguém diga: ‘Não poderiam os dois furos – cada um produzido por um prego nos braços estendidos numa cruz – constituir um sinal composto? Vocês não afirmam que os diversos acontecimentos mencionados por Jesus, tais como guerras, fome, doenças, constituem um sinal composto de sua presença?’


“Sinal” no texto grego

Bem, neste caso, tal pessoa estaria confundindo “sinal” (do grego τύπος; týpos) com “sinal” (do grego σημεῖον ; semeíon). A palavra usada em João 20:25 é τύπος (týpos), que significa “sinal” no sentido literal – significa um sinal concreto, físico, material: uma marca, um traço, entalhe, furo, ou corte. Por exemplo, Atos 7:43 fala das  “figuras” (týpous, plural) de deuses pagãos, significando os desenhos (traços) ou as esculturas (entalhes, cortes). Em harmonia com isso, hoje usamos a palavra “tipografia” para descrever o sistema de imprimir com fôrmas em relevo. Portanto, týpos descreve um sinal físico.

Por outro lado, σημεῖον  (semeíon) significa um “sinal” abstrato, simbólico, no sentido de “indicação”, algo distinto pelo qual alguma coisa é conhecida. Trata-se de uma indicação de acontecimento(s), ações, ou fatos. (Mateus 24:3; Lucas 2:11, 12, 34; 11:29; 1 Coríntios 14:22; Mateus  26:48) Ocorre na sua totalidade 38 vezes no singular e 38 vezes no plural, perfazendo 76 vezes ao todo. Em todas as ocorrências parece ter sentido simbólico. [1]
     
O uso figurado de semeíon pode ser visto pelo seu emprego em Apocalipse 13:13, 14; 16:14; 19:20, que fala dos “sinais” (semeia; semeîa) realizados pela “fera”, por demônios e pelo “falso profeta”, no sentido de “obras poderosas”. Em consonância com o sentido simbólico de semeíon, temos hoje a palavra “semiologia”, que é usada para denominar a ciência que estuda os sinais (imagens, gestos, vestuários, ritos, etc.) que caracterizam a cultura humana. Em adição, o verbo relacionado semeióo significa “sinalizar”, “pôr sinal” em alguém, no sentido de indicá-lo como alguém diferenciado, de prestar atenção especial a ele. Em 2 Tessalonicenses 3:14, a expressão “tomai nota de tal” literalmente é  “ponde sinal neste”. – NM n.
   
Por outro lado, em João 20:25 “sinal” tem o sentido literal de “furo”, “buraco”, “chaga” ou ferida aberta, “úlcera”, ou a marca deixada por essa ferida. Týpos no singular exige a existência de uma só marca nas duas mãos. É como se Tomé dissesse: ‘A menos que eu veja o furo (no singular) nas suas mãos.’ Um único furo nas duas mãos de Jesus exigiria que tivessem sido pregadas uma sobre a outra, como ilustrado acima no caso de se fazer um único furo em duas peças de madeira. Ambas teriam de ser colocadas uma sobre a outra.

Em sentido figurado, týpos significa “forma, figura, padrão, molde”: “forma de ensino” (Romanos 6:17); na vida moral, significa “exemplo”, “padrão”, “modelo”. (1 Timóteo 4:12) Também se refere aos tipos (modelos, moldes, padrões) dados por Deus de realidades espirituais ou futuras. Mas, neste caso, o que é simbolizado pelo “tipo” tem similaridade com tal “tipo” ou modelo, o que não acontece necessariamente com semeíon. Por exemplo, Romanos 5:14 fala de Adão como sendo “tipo” de Jesus Cristo, por ter tido “similaridade” com ele. 1 Coríntios 10:6, 11 descreve os pecados dos israelitas no ermo e as consequências desastrosas como sendo “exemplos” (“em figura”, Mateus Hoepers) ou, “tipos” (τυπικῶς; tipicamente), para os cristãos de que similarmente teriam consequências desastrosas  caso desobedecessem a Deus. Hebreus 8:5 menciona o tabernáculo de Israel como “modelo” ou tipo de realidades celestiais. Assim, o “tipo” sempre correspondente de alguma forma ao que é retratado por ele.
 
Inversamente, esta não é a regra no caso de semeíon. Exemplificando, Jesus mencionou que o “sinal” (semeíon) de sua Parusia, do exercício do seu governo celestial, seriam guerras, fome, pestilências, terremotos, e assim por diante. Jamais poderíamos presumir que tais tragédias seriam um “tipo” ou modelo do governo de Jesus. Muito pelo contrário! Seu governo pacífico e revigorante foi tipificado pelo governo pacífico de Salomão. (Salmo 72) Por conseguinte, semeíon indica coisas com as quais não tem necessariamente nenhuma similaridade.


Pregos

Mas que dizer de “pregos” (no plural) produzindo um “sinal” (no singular)? Como seria isso possível? Uma possibilidade é que mais de um prego tivesse sido afixado nas mãos de Jesus, pregadas uma sobre a outra. Embora nossas publicações mostrem um único prego atravessando ambas as mãos de Cristo, vale ressaltar que tais representações da morte de Jesus são meramente concepções artísticas do cenário, não afirmações anatômicas absolutas.

Mas outro ponto a considerar é que a fraseologia usada por Tomé não associa “pregos” com as “mãos” de Cristo. O termo “pregos” está associado a “sinal”. Em termos simples, a Bíblia não fala de ‘pregos [no plural] nas mãos’ de Cristo, mas sim do sinal dos pregos” em suas mãos. Para ilustrar isso: a Bíblia não diz em 1 Timóteo 6:10 que ‘o dinheiro é a raiz de toda sorte de coisas prejudiciais’, mas sim que o “amor ao dinheiro” o é. Do mesmo modo, não são os pregos, mas sim o sinal deles, que Tomé associa com as “mãos” de Cristo. Portanto, uma possibilidade razoável é que o termo “pregos” (no plural) inclua também os pés de Cristo, pois seus pés também foram pregados. (Lucas 24:39) Isso explicaria a expressão “pregos” no plural, indicando que um havia sido afixado nas “mãos” de Jesus, deixando um “sinal” (no singular), e o outro nos seus “pés”. Em outras palavras, dos “pregos” (plural) que foram usados para afixar Jesus no madeiro, Tomé queria ver o “sinal”, ou furo, deixado nas mãos de Cristo pelo prego específico que foi usado naquela parte de seu corpo.

 Segue abaixo um diagrama da distinção entre τύπος  (týpos) e shmeion (semeíon).

τύπος  (týpos)
semeion (semeíon)
Concreto
Abstrato
Significa marca, traço, risco de um objeto.
Exemplo: sinal de caneta
(um risco)
Significa indicação de acontecimento, ação, fato, ou operação

Exemplo: sinal de “mais” ou de “xis” (dois riscos)
Cada týpos é singular
Um semeíon pode ser composto
É visto
É discernido
Evidencia objeto que o produziu: prego, caneta, lápis, etc.
Evidencia acontecimento, ação, ou operação.
Exemplo: sinal de acidente (corpos estirados, carros batidos, policiais)


Nota de rodapé: 

[1] No singular: Mateus 12:38, 39; 16:1, 4; 24:3, 30; 26:48; Marcos 8:11, 12; 13:4; Lucas 2:12, 34; 11:16, 29, 30; 21:7; 23:8; João 2:18; 4:54; 6:30; 10:41; 12:18; Atos 4:16, 22; Romanos 4:11; 1 Coríntios 14:22; 2 Tessalonicenses 3:14, 17; Apocalipse 12:1, 3; 15:1. No plural (semeia; semeia): Mateus 16:3; 24:24; Marcos 13:22; Lucas 21:11, 25; João 2:11, 23; 3:2; 4:48; 6:2, 14, 26; 7:31;  9:16; 11:47; 12:37; 20:30; Atos 2:19, 22, 43; 4:30; 5:12; 6:8; 7:36; 8:6, 13; 14:3; 15:12; Romanos 15:19; 1 Coríntios 1:22; 2 Coríntios 12:12; 2 Tessalonicenses 2:9; Hebreus 2:4; Apocalipse 13:13, 14; 16:14; 19:20.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

41 comentários:

  1. é impossível que jesus tenha sido executado numa estaca reta sem vigas transversais, a palavra staurós denota primariamente é verdade um poste reto, mais secundariamente uma cruz um poste com viga transversal a história e arqueologia atestam que foi na cruz, uma parte da bíblia não pode ser entendida a parte da história, uma profecia bíblica não pode ser entendida antes de cumprida, a história mostrará qual foi o staúros no caso de jesus, xilion denota primariamente madeiro um poste, é verdade, mas secundariamente qualquer pedaço de pau ou madeira, ou algo feito de madeira. NOVA EVIDÊNCIA PARA A CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO

    "Duas Perguntas Sobre Crucificação" compõem o título de um artigo fascinante, que foi assunto da REVISÃO BÍBLICA de Abril de 1989. Debaixo estavam dois subtítulos, a Vítima "Morre por Sufocamento", e Cravos nas Mãos "Segurariam o Peso do Corpo? "

    Nela, o autor desacredita a teoria prévia da crucificação como formulada por A. A. LeBec em 1925 e cuja publicidade foi difundida pelo Dr. Pierre Barbet em 1953, que (1) Jesus morreu por sufocamento devido a ser incapaz de se levantar para respirar, e (2) os cravos em suas mãos estavam de fato nos pulsos (assumindo que as palmas das mãos não poderiam segurar o peso do corpo). Agora parece que a evidência não apoia a teoria de Barbet. (1) Jesus não morreu por sufocamento, mas por choque e trauma. Adicionalmente, um homem empalado com braços estirados diretamente em cima de sua cabeça (como a Torre de Vigia descreve) sufocaria em minutos, considerando que um homem com mãos estendidas de lado a um ângulo de 60 70 graus (como em uma cruz) poderia viver por horas sem sufocar. 2) Há dois locais na PALMA de cada MÃO que permite que um cravo penetre e segure o peso do corpo inteiro até cem libras, tornando a "teoria do pulso" desnecessária para explicar como os braços de Cristo foram presos à cruz.Anos atrás, LeBec e Barbet tinham concluído que uma pessoa pendurada com os braços para cima, sufocaria em questão de minutos, devido à inabilidade dos pulmões se expandir e contrair em tal posição. Adicionalmente, o radiologista austríaco, Hermann Moedder, fez experiências com estudantes médicos nos anos 40, enquanto os pendurando pelos pulsos com as mãos diretamente sobre suas cabeças (parecido com os quadros da Torre de Vigia com Jesus em uma estaca). Em alguns minutos, os estudantes ficaram pálidos, a capacidade pulmonar deles caiu de 5.2 a 1.5 litros, a pressão sanguínea diminuiu e a taxa de pulso aumentou. Moedder concluiu que a inabilidade para respirar aconteceria em aproximadamente seis minutos se não lhes permitissem ficar de pé e descansar.

    O mesmo se aplicaria a Cristo, SE ele estivesse suspenso em uma estaca como a Torre de Vigia descreve, pendurado com as mãos suspensas diretamente para cima. Ele teria sufocado em questão de minutos.

    Porém, Zugibe descobriu que se os estudantes fossem pendurados através das mãos estendidas para o lado a 60-70 graus, eles não teriam nenhuma dificuldade de respiração por horas a fio. Desde que Lucas 23:44 e Mateus 27:45,46 mostram que Cristo esteve na cruz durante aproximadamente três horas, a evidência aponta novamente para morte em uma cruz tradicional.


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em razão desse e de outros comentários sobre a questão do instrumento em que Jesus Cristo foi morto, foi produzida por um de nossos colaboradores uma matéria sobre esse tema, intitulada: "Seria mesmo 'impossível' que Jesus tenha sido executado em uma estaca reta sem vigas transversais?". Vejam o link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/12/seria-mesmo-impossivel-que-jesustenha.html

      Excluir
    2. Quem está certo: A Bíblia ou esses "pesquisadores"? De fato o uso de uma madeira transversal foi usado pelos romanos em algumas ocasiões. No caso específico de Cristo se existem especulações se foi em um poste reto com ou sem outro na transversal, não deveria ser afirmado com tanta convicção que foi de um modo ou de outro. Não se sabe. A Bíblia, e apenas a Bíblia que interpreta a si mesma, mostra evidências para um poste reto. O uso posterior de "cruz" e a falta de estudos dos homens da igreja do passado, de um modo geral, foi que concluiu que fora uma cruz; não provaram que foi; acreditaram que foi e assim ficou até os nossos dias. Os "pesquisadores" não pregou as pessoas no poste, pregou? Não! A palavra (staurós) é clara sobre ser um poste, estaca e não mostra nada de outra na transversal assim como não diz que não tinha. Embora que se estivesse outra na transversal acredito que estaria lá escrito. Era comum no passado os judeus lavarem as mãos até os cotovelos, mas diziam que lavaram as mãos; não as mãos e os pulsos etc. Tudo isso são só detalhes e especulações, mas a Bíblia em si se interpreta e ela indica para o uso de uma estaca como o artigo e milhares de outros na internet e em livros acusam. Se estudiosos do mesmo nível brigam para ver quem está certo, então teria algo errado aí. O fato de perderem as "forças" de um modo geral por as mãos estarem no modo como a Torre de Vigia mostra não prova que estão errados. Isso é relativo demais e Jesus não era alguém fraco fisicamente, pois ele vivia pregando constantemente sem cessar em várias cidades e parecia nunca cansar. Ele foi o primeiro a morrer dos 3 na ocasião. Não quebraram as pernas dele quando notaram ele morto. Isso acelerava a morte, pois faria a pessoa usar a força dos braços, se pudesse, para ficar "de pé". Acredito que não fizeram esse teste no exemplo aí desses pesquisadores. Ao passo que com as pernas quebradas e braços retos, a morte seria bem mais rápida, mas não seriam em uns poucos minutos, mas levaria horas com os ossos inteiros. Os pesquisadores falharam e nota-se que eles queria nada mais nada menos reafirmar a crença deles de quem era um cruz; mas a Bíblia é o que importa.

      Excluir
    3. Bom Jesus disse que Moises escreveu a seu respeito, então vamos lá, para senhor anonimo que disse que é impossivel o instrumento ter sido apenas um poste reto. Será?

      O que diz joão 3:14 e15?
      Assim como moises erguel a sepernte no deserto, assim teria que o filho do homem (Jesus) ser erguido.
      * a palavra ASSIM é relacionada uma simile, comparação, igualdade.

      Em num 21:9 o que fez moises?
      Moisés fez imediatamente uma serpente de cobre e a colocou num poste.

      Será que ele fez uma cruz?
      Talvez ele deva ter lascado a cobra para que ela ficasse de braços aberto.

      Quando se usa a expressão *ASSIM COMO*, é o mesmo que dizer *DA MESMA FORMA QUE*
      Isto é uma simile uma aplicação de igualdade que tem que ser aplicada como igual se não deixa de ser uma simile.

      Jesus teria de ser erguido da mesma maneira que a sepente de cobre foi.

      Estou errado? então Jesus é mentiroso não é? 1ped 1:22 diz o contrario.

      Excluir
  2. querido apologista da verdade, gostaria que os irmão refutasse esse artigo apóstata que fala a respeito da cruz e na próxima mensagem fala-se para mim o que a de errado.o site que fala sobre isso é esse: [não divulgado para não dar publicidade à matéria apóstata]. ficaria muito agradecido se o irmão refutasse por favor por gentileza.

    ResponderExcluir
  3. Em razão desse e de outros comentários sobre a questão do instrumento em que Jesus Cristo foi morto, foi produzida por um de nossos colaboradores uma matéria sobre esse tema, intitulada: "Seria mesmo 'impossível' que Jesus tenha sido executado em uma estaca reta sem vigas transversais?". Vejam o link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/12/seria-mesmo-impossivel-que-jesustenha.html

    ResponderExcluir
  4. Amigo tem que decidir quantos pregos foram. Na explicação que vc nos dá, em um momento diz dois pregos e ainda justifica que as ilustrações são artísticas e que não corresponde ao fato realmente acontecido, mas logo no final do assunto "PREGOS" vc afirma que foi um. Acredito que vc esta confuso nesse seu esclarecimento. Yechua nome Hebraico de Jesus, morreu ele numa cruz, entenda que ele não carregou uma cruz mas sim a barra transversal.
    A palavra grega traduzida por “cruz é staurov” (stauros) e o verbo é staurovw (stauroo). Na literatura grega clássica stauros significa: “empalação, enforcamento, estrangulamento”, além de “estaca”. Era também um instrumento de suplício: uma viga colocada nos ombros do réu. Não existe uma definição única para o termo, como ensina a STV. A palavra stauros por si não diz a técnica nem a forma exatas da execução. Para saber com mais exatidão sobre essa execução é necessário de antemão saber em que região, em que época e sob que autoridade foi executada a sentença, além de conhecer o ponto de vista do escritor que emprega o referido vocábulo.
    No Velho Testamento o termo “estaca” aparece em Êx 35.18; 38.31; Nm 3.37; 4.32; Jz 4.21-22; 5.26; Is 33.20; 54.2; Ez 15.3; Zc 10.4, e em nenhuma delas a Septuaginta traduziu por stauros. O verbo stauroo aparece só uma vez no Velho Testamento, em Et 7.9-10, e é traduzido por “enforcar”. A STV não tem autoridade para dogmatizar sobre ser stauros apenas “estaca”. Não existe apoio bíblico nem histórico para o ensino da Torre de Vigia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O estudo acima sobre o uso bíblico da palavra “sinal” na passagem de João não deixa dúvida de que a possibilidade de Cristo ter sido pregado numa cruz transversal está fora de cogitação.
      Stau•rós, tanto no grego clássico como no coiné, não transmite a idéia de “cruz”, com duas barras de madeira. Significa apenas uma estaca reta, um pau, uma trave ou um poste reto, como do tipo que poderia ser usado para cerca, estacada ou paliçada.
      O antigo poeta grego Homero usa a palavra stauros para se referir a um poste ou estaca comum, ou um simples pedaço de madeira. E este é o significado e o uso da palavra em todos os clássicos gregos. Nunca se refere a dois pedaços de madeira cruzados em algum ângulo, mas sempre a um só pedaço. O grego stauros não significa cruz, assim como a palavra ‘pau’ não significa ‘muleta’. E, no que tange à Bíblia, nada existe no grego do “Novo Testamento” que sequer sugira duas peças de madeira. – O Novo Dicionário da Bíblia, de J. D. Douglas, de 1966, sob “Cruz”, página 379; Vine’s Expository Dictionary of Old and New Testament Words, de Vine, 1981, Vol. 1, p. 256; Interpreter’s Dictionary of the Bible (Dicionário Bíblico do Intérprete); The Imperial Bible-Dictionary (O Dicionário Bíblico Imperial); The Companion Bible (A Bíblia Companheira), Apêndice 162.
      Era necessário que Jesus morresse pregado numa estaca, segundo a Lei mosaica, para que os judeus fossem libertos da maldição da Lei. (Gál. 3:13; Deu. 21:22, 23; Jo 19:7) Até mesmo entre os romanos a crux (da qual se deriva nossa cruz) era originalmente um poste reto. (The Imperial Bible-Dictionary)
      Portanto, acredito que não há nenhuma confusão para quem está alinhado tanto com o uso clássico e bíblico do termo stau•rós como com o que as inteiras Escrituras apresentam sobre o instrumento da morte de Cristo.

      Excluir
    2. se Jesus fosse morto a maneira judaica ele seria apedrejado pois era assim que eles condenavam as pessoas. mas jesus foi morto a maneira romana por crucificação.

      Excluir
    3. A mesma Escritura (a Bíblia) que registra em pormenores a vida e morte de Jesus também mostra que ele morreu de modo a cumprir a Lei mosaica, que exigia que um criminoso amaldiçoado fosse pendurado num madeiro.

      (Gálatas 3:10-13) Pois todos os que dependem de obras da lei estão sob maldição; porque está escrito: “Maldito é todo aquele que não continuar em todas as coisas escritas no rolo da Lei, a fim de as fazer.” 11 Além disso, é evidente que pela lei ninguém é declarado justo diante de Deus, porque “o justo viverá em razão da fé”. 12 Ora, a Lei não adere à fé, mas “quem os cumprir, viverá por meio deles”. 13 Cristo nos livrou da maldição da Lei por meio duma compra, por se tornar maldição em nosso lugar, porque está escrito: “Maldito é todo aquele pendurado num madeiro.”

      (Deuteronômio 21:22, 23) 22 “E caso venha a haver num homem um pecado que mereça a sentença de morte, e ele tenha sido morto e tu o tenhas pendurado num madeiro, 23 seu cadáver não deve ficar toda a noite no madeiro; mas deves terminantemente enterrá-lo naquele dia, pois o pendurado é algo amaldiçoado por Deus; e não deves aviltar teu solo que Jeová, teu Deus, te dá por herança.

      Além disso, os romanos usavam a crux simplex (um pau de uma única viga)

      Excluir
    4. Todos os chamados mestres em teologia sabem a verdade de que a cruz é uma farsa da igreja católica. Que incorporou no cristianismo de constantino. os rituais pagãos inclusive a cruz, uma representação do deus pagão Thamus. Jeusu foi morto de acordo com os costumes judaicos não Romanos.Os soldados Romanos só o executarm.

      Excluir
  5. “Sinal dos pregos” no corpo de Jesus – o que indica?


    Ἐὰν μὴ ἴδω ἐν ταῖς χερσὶν αὐτοῦ τὸν τύπον τῶν ἥλων

    καὶ βάλω τὸν δάκτυλόν μου εἰς τὸν τύπον τῶν ἥλων

    καὶ βάλω μου τὴν χεῖρα εἰς τὴν πλευρὰν αὐτοῦ,
    οὐ μὴ πιστεύσω.

    “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos
    e ponha o meu dedo no sinal dos pregos,
    e ponha a minha mão no seu lado,
    certamente não acreditarei.”
    – João 20:25.

    Vamos descartar a suposta possibilidade de:
    Portanto, uma possibilidade razoável é que o termo “pregos”
    (no plural) inclua também os pés de Cristo, pois seus pés também foram pregados.

    Essa possibilidade não é cabível e deve ser descartada pelo seguinte motivo.

    Apesar do autor do post alegar que:
    A fraseologia usada por Tomé não associa “pregos” com as “mãos” de Cristo. O termo “pregos” está associado a “sinal”.

    Na realidade a fraseologia de Tomé é um corpo de frase e está toda relacionada; Então óbvio que MÃOS nesta frase primariamente se relaciona com SINAL e secundariamente relaciona o SINAL com os PREGOS.

    “A menos que eu veja nas suas mãos o sinal dos pregos
    (e)ponha o meu dedo no sinal dos pregos,
    e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei.

    Então em primeiro lugar, vou demonstrar a impossibilidade destes PREGOS serem pregos também dos PÉS.

    1. Em parte alguma da fraseologia de Tomé consta a menção PÉS, ou seja, não há associação na frase aos Pés.
    2. Tomé nessa fraseologia, exigia apenas a prova mediante dois sinais, ou seja, mediante ver a marca nas MÃOS e a marca do LADO.
    3. Jesus responde às exigência de Tomé e diz: Põe aqui o dedo e vê as minhas MÃOS; chega também a mão e põe-na no meu LADO;
    4. O Pregos nesta frase está associado ao SINAL das MÃOS e não aos PÉS.



    O SINAL SINGULARIZADO
    Agora vamos esclarecer o por que do termo SINAL( marca) está no singular na fraseologia de Tomé
    A singularidade do termo SINAL nas MÃOS, se dá em relação a singularidade do outro SINAL no LADO de Jesus, pois Tomé necessitava Ver e tocar nos DOIS SINAIS, ou seja, no SINAL DAS MÃOS e no SINAL DO LADO.
    Então é óbvio que o SINAL nas MÃOS está no singular em relação ao SINAL no LADO de Jesus; por isso Tomé disse: A menos que eu veja nas suas mãos a marca dos pregos (e)ponha o meu dedo no sinal dos pregos E não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei.
    E jesus responde: ​E logo disse a Tomé: Põe AQUI o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente.

    Outra coisa, Tomé ao afirmar: A menos que EU veja nas SUAS mãos A MARCA dos PREGOS e ponha o MEU dedo na MARCA dos PREGOS.
    Note que Tomé queria ver a MARCA nas MÃOS e COLOCAR o DEDO na MARCA das MÃOS; então é óbvio que para TOMÉ bastava COLOCAR o dedo em um FURO de uma das mãos, pois as duas mãos estavam furadas, mas bastava colocar o dedo um furo em qualquer das mãos, por isso, Jesus diz a Tomé, PÕE AQUI O DEDO, ou seja, Tomé queria colocar o dedo em UM dos furos nas mãos de Jesus e Jesus pediu que Tomé o colocasse o dedo em UM FURO, ou seja, COLOQUE AQUI; esse AQUI demonstrativo está indicando singularidade de local.

    ResponderExcluir
  6. CONTINUAÇÃO:

    Outra coisa, o termo SINAL (Furo) nas mãos de Jesus, na fraseologia de Tomé, está no singular também devido o FURO em si mesmo ser UM, por ser causado por OBJETOS da mesma espécie, ou seja, a expressão a MARCA feita pelos PREGOS não enfatiza necessariamente que os PREGOS foram ficados no MESMO LOCAL e sim que AQUELE tipo de MARCA foi feita por PREGOS, ou seja, tanto a marca na mão direita ou esquerda se trata de marcas feita por objetos do mesmo tipo e não pelo mesmo objeto, por isso, não era necessário Tomé frasear: A menos que eu veja nas suas mãos OS SINAIS dos PREGOS.
    Pois quando Tomé emprega na frase a pluralidade de MÃOS por ser duas e da mesma espécie e quando emprega pluralidade de PREGOS por ser possivelmente 2 objetos da mesma espécie, não necessitaria o emprego de SINAIS na fraseologia, pois Tomé precisaria de apenas UMA mão para colocar o dedo no SINAL(marca) causada pelos PREGOS, ou seja, Tomé colocaria seu dedo em apenas UMA mão, por isso Jesus disse COLOCAR AQUI e em seguida disse veja minhas MÃOS, usando o plural de mãos, pois Tomé também exigiu VER as duas MÃOS pois ambas detinham o SINAL dos PREGOS.
    Ou seja, cada MÃO detinha o SINAL causado pelos PREGOS, por isso era possível o emprego do termo SINAL no singular, mas NÃO seria possível o emprego de PREGOS no plural caso fosse UM único PREGO e não seria possível o emprego de MÃOS caso apenas UMA mão estivesse com a MARCA, porém ambas as mãos estavam com o MESMO tipo de MARCA, mas o mesmo tipo de marca, porém feitos pelo mesmo tipo de objeto (PREGOS)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Valdecy:

      É elogiável seu esforço em defender suas crenças. Seguem abaixo alguns comentários meus sobre suas afirmações.
      Seu argumento de que “Tomé precisaria de apenas UMA mão para colocar o dedo no SINAL(marca) causada pelos PREGOS, ou seja, Tomé colocaria seu dedo em apenas UMA mão” é tanto nebuloso como irrelevante. Afinal, o texto é claro em dizer respeito ao ‘sinal dos pregos nas mãos’ de Cristo. Assim, esse emaranhado de afirmações suas não muda esse fato textual.
      “Cada MÃO detinha o SINAL causado pelos PREGOS”. Essa afirmação está em desarmonia com o significado da palavra usada para “sinal”, conforme o artigo acima mostrou. Se fosse assim como você disse, haveria dois sinais.
      Mas você usou um argumento interessante que ajuda a explicar a palavra pregos no plural para o único sinal (marca): por se estar falando de “objetos da mesma espécie”.
      Quanto ao uso de “stauros” na corrente do tempo, e especialmente na época de Cristo, e outros pontos relacionados, veja os artigos abaixo:
      http://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2010/09/01/cruz-ou-estaca/
      http://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2013/04/24/era-a-cruz-um-instrumento-comum-de-execucao-na-roma-antiga/

      Excluir
  7. e o que vcs me dizem sendo que a biblia diz dos pregos significa que tem mais de um e não um só

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia novamente o artigo sob o subtópico "pregos". Ali está a explicação.

      Excluir
  8. Cara tá cheio de apóstata aqui disfarçado de irmão!!! Fala sério!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Esses artigos, embora sendo verdades e não sendo bem vistos por alguns de nossos irmãos, reforça a fé o estudo. Eu aprendo muito e sempre vem um apóstata aqui pra querer falar mal e reforçar a própria crença deles. Em nada ajudam.

      Excluir
  9. Apesar de todo esforço de algumas pessoas em manter a tradição de que Jesus foi pregado numa cruz, a verdade é que não há como, por meio de um estudo sério da origem da palavra para o instrumento de execução de Cristo e das origens do uso da cruz em religiões anteriores ao cristianismo, manter tal crença, sem incorrer em apoio ao paganismo.

    Eu já usei pregos em vários trabalhos, e nunca vi pregos iguais deixarem marcas iguais em nenhum material. Sempre há marcas diferentes devido ao material perfurado, força aplicada ou direção em que tal prego é afixado. No caso de terem sido soldados diferentes para pregar os pés e as mãos, a possibilidade dos sinais serem diferentes nas mãos e nos pés é ainda maior. A própria estrutura das mãos e dos pés da pessoa não permitiria sinais iguais. A certeza é a seguinte - a marca nas mãos era única.

    No caso de Jesus, o relato fala de pregos no plural, mas de apenas um sinal. Seria o caso dos pregos nas mãos e nos pés terem deixado apenas um sinal, dando a entender que as mãos e os pés foram transpassados com apenas um prego? Pelo menos nas mãos haveria um sinal apenas.

    Um prego fixando as duas mãos seria suficiente para aguentar o peso corporal de Cristo? Sobre isso alguns esquecem que poderia ter havido o apoio para os pés, que apesar de fixados no madeiro, dava alguma sustentação ao corpo e poderiam ter feito com que os braços não ficassem tão esticados para cima, permitindo a respiração pulmonar. O que dizer de cordas, para amarrar o corpo junto a estaca? Não há como dizer que os soldados não teriam usado esse recurso também.

    Portanto, a simplicidade dos evangelhos e a ausência da palavra para "cruz" nos antigos manuscritos é um testemunho desfavorável para a tradição da veneração da cruz como instrumento de execução de Cristo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou bem. Fiquei até emocionado rsrs. Mas é bem isso como falou mesmo. Faz muito sentido

      Excluir
  10. Um achado arqueológico em HELICARNASSO poe luz no que realmente ocorreu e mostra a NÃO
    impossibilidade da ESTACA ter sido usada! E os pregos nas mãos!
    veja a foto aqui: http://oi58.tinypic.com/s244l1.jpg

    ResponderExcluir
  11. Acho essa discussão irrelevante. A palavra grega não significa cruz. E as bíblias não deveriam traduzir "cruz". Não se pode acrescentar muito. Se alguém quiser acrescentar um poste transversal... que faça, isso não muda nem altera a fé cristã, isso nem mesmo é um componente necessário para a fé.
    O importante é conhecer as escrituras, a teologia, e viver à altura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você de que tal discussão pode não estar entre as coisas mais importantes. (Fil 1:10) No entanto, também entendo ser importante desmistificar o conceito de que stauros signifique "cruz", tendo em vista que a cruz era um instrumento pagão, que, entre ouras coisas, por erro de tradução, foi tornada erroneamente pelas religiões um símbolo cristão.

      Excluir
  12. Compare João 3:14 com Números 21:9. Conseguem colocar uma cobra de braços abertos?

    ResponderExcluir
  13. Se Jesus foi colocado em uma estaca porque a palavra em Mateus 27:37 diz: Também colocaram acima descia cabeça a acusação contra ele, por escrito" Este é Jesus, o Rei dos Judeus". Se Jesus fosse colocado em uma estaca não seria mais correto dizer acima de suas mãos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Peterson:

      Devido a essa pergunta ser recorrente, postarei um artigo sobre o tema.

      Excluir
  14. Prezado Apologista da Verdadde

    Boa noite

    Por que a tradução é "sinal dos pregos" ou seja com as duas palavras no plural e não "sinal do prego"?

    Existe alguma regra gramatical na língua grega koine da época que definisse que teria que ser no plural?

    Um abraço

    Luiz

    ResponderExcluir
  15. Olá, Luiz.

    A expressão τῶν ἥλων (tôn hélon) está no genitivo plural. Portanto, a tradução é "dos pregos", e não "do prego". Mas, como o artigo acima mostrou, isso não justifica a crença de que Jesus morreu numa cruz de duas vigas.

    ResponderExcluir
  16. Não tem nada a ver com o assunto, mas o irmão tem algum artigo falando sobre a "marca da besta" ou o Chip como alguns acham?, perguntei a TNMD e eles disseram que o irmão tinha, mas não achei nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Phane. Ainda não escrevi nada sobre esse tema.

      Excluir
  17. E, qual não é a surpresa: as primeiras publicações da torre de vigia tinham como símbolo uma cruz dentro de uma coroa. O que sugere isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse fato, e a posterior retirada desse símbolo, mostram que o entendimento progressivo da Palavra de Deus por parte das Testemunhas de Jeová as leva a honestamente fazer ajustes para se harmonizar à verdade da Palavra de Deus.

      Excluir
  18. Esse artigo está muito confuso. A lógica é a seguinte: se fosse uma estaca, seria o sinal do prego (caso fosse 1 prego); ou, seria os sinais dos pregos (caso fossem 2 pregos). Na cruz só pode ser o sinal dos pregos nas mãos, conforme narra a Bíblia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado anônimo:
      Pelo visto, você não entendeu o artigo acima. Como mostrado claramente no artigo, a palavra grega para “sinal” em João 20:25 se refere a um furo. Visto que o sinal está no singular, jamais poderia ser numa cruz. Se fosse, Jesus teria sido pregado apenas em uma das mãos. A outra não teria sofrido a ação de um furo, visto ter havido apenas UM furo. A única forma de haver apenas UM furo em DUAS mãos seria colocar UMA SOBRE A OUTRA. Isso só seria possível tendo Jesus sido pregado em uma estaca – um único poste.

      Excluir
  19. Caros leitores, boa noite!
    Gostaria primeiramente de agradecer ao (s) responsável pelo blog, pelas matérias didáticas, lógicas e principalmente pelo compromisso com a verdade.
    Com respeito à questão do modo como Jesus foi pregado em do tipo de instrumentos utilizado, já está mais que claro nesta matéria.
    Para os que não aceitam essa instrução faço lhes uma pergunta.
    João 3:14 diz:14 "E, assim como Moisés ergueu a serpente no deserto, assim será erguido o Filho do Homem"
    ESSA É UMA PROFECIA QUE FALA A RESPEITO DA FORMA COMO JESUS SERIA PREGADO. COMO É UMA PROFECIA SABEMOS QUE AS PROFECIAS SE CUMPREM DE ACORDO COM O QUE É PROFETIZADO.
    ESSA PROFECIA ESTÁ REGISTRADO EM NÚMEROS 21:8,9 QUE DIZ: "Jeová disse então a Moisés: “Faça uma imitação de uma cobra venenosa e coloque-a num poste. Quando alguém for picado, terá de olhar para ela para ficar vivo.” 9 Moisés fez imediatamente uma serpente de cobre e a colocou num poste; e, sempre que uma serpente picava um homem e ele olhava para a serpente de cobre, continuava vivo.
    NOTARAM? SE FOSSE PARA JESUS SER PREGADO COM UMA ESTACA TRANSVERSAL ESSA PROFECIA NÃO SERIA EXATA.
    RACIOCINAM!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SÉRIO MESMO....O QUE É MAIS IMPORTANTE? O TIPO DE MADEIRO NO QUAL JESUS MORREU, OU SUA MORTE? QUAL CONHECIMENTO REALMENTE LEVA A SALVAÇÃO, A DE SE USAR UMA CRUZ, UMA ESTACA, OU UM RIFLE NO PEITO, OU NÃO ADORAR IMAGEM? COMO JESUS MORREU? OU PORQUE JESUS MORREU? QUEM SERÁ SALVO, AQUELE QUE AFIRMA QUE JESUS É O CRISTO, O FILHO DO DEUS VIVENTE?! OU QUEM NEGA QUE JESUS É FILHO DE DEUS E AFIRMA QUE ELE É DEUS, NEGANDO QUE ELE SEJA FILHO DE DEUS, MAS SIM "DEUS FILHO", EXPRESSÃO NÃO EXISTENTE EM TODA A BÍBLIA.

      SENHOR APOLOGISTA, ACREDITO SERMOS IRMÃOS, MAS SE VOCÊ DER ESPAÇO PARA " DEBATE SOBRE PALAVRAS", O SENHOR DEIXARÁ DE TRAZER A ATENÇÃO TEMAS CHAVE PARA A SALVAÇÃO.

      UTILIZE TEMAS QUE OS CORRETAMENTE DISPOSTOS POSSAM RECONHECER, FALEMOS A VERDADE, NÃO FOI COMIGO, E COM NINGUÉM QUE CONHECI, E ACHO DIFÍCIL TER SIDO COM ALGUÉM, QUE O "MODO" COMO JESUS MORREU, FOI O QUE CHAMOU MINHA ATENÇÃO AO CONHECER A VERDADE.

      LEMBRE SE DOS TEMAS QUE te chamaram a atenção, estes assuntos, satanás tem feito de tudo pra que vc não fale dele, satanás mira aqueles que tem uma boa capacidade de raciocinio e de esplicar a verdade, porque sabe o potencial, porque Paulo foi tão atacado? Use sua capacidade para ajudar os sinceros, não se deixe enganar, mas companias estragam bons hábitos..

      Excluir
    2. Prezado Ricardo:

      Agradeço sua sugestão de focar nos temas relevantes. Se você analisou outros artigos deste site, notará que temas relevantes têm sido considerados, tais como sobre a identidade do verdadeiro Deus e de Seu Filho Jesus Cristo, a esperança de salvação, o propósito de Deus para com a Terra etc.
      Com relação ao instrumento de suplício de Cristo, vale ressaltar que a cruz, além de não constituir tal instrumento, é também um símbolo pagão inserido no falso cristianismo, e considero importante que as pessoas sinceras saibam disso.

      Excluir
  20. Olá apologista da verdade,
    Poderia me explicar Mateus 27;37?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      Veja o artigo neste site intitulado "Mateus 27:37 prova que Jesus foi pregado em uma cruz?"

      Excluir
  21. Discussão inócua. Perda de tempo. Deveria ser ensinado o Evangelho da Palavra: só há salvação em Jesus, que morreu por nós, seja em uma cruz ou uma estaca reta, ou uma viga de madeira. Para nós interessa entregarmos nossa vida a Jesus, O Salvador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Embora, naturalmente, haja temas mais relevantes, vale ressaltar que a cruz, além de não constituir o instrumento de suplício de Cristo, é também um símbolo pagão inserido no falso cristianismo, e considero importante que as pessoas sinceras saibam disso. Se você analisou outros artigos deste site, notará que temas bastante relevantes têm sido considerados, tais como sobre a identidade do verdadeiro Deus e de Seu Filho Jesus Cristo, a esperança de salvação, o propósito de Deus para com a Terra etc.


      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *