Image Map











segunda-feira, 14 de maio de 2012

As Testemunhas de Jeová afirmaram que o “fim do mundo” viria em 1975?

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/w20120915/mundo-chegara-ao-fim/


Diversos membros das religiões da cristandade têm afirmado que as Testemunhas de Jeová marcaram o ano de 1975 como sendo a data do “fim do mundo”. Eles citam várias de nossas publicações com o intuito de tentar provar isso. Portanto, neste artigo, examinaremos tais publicações para ver o que elas realmente dizem. Para melhor entendimento do leitor, os trechos dessas publicações que dizem respeito ao assunto em pauta foram colocados em negrito, e às vezes em negrito e maiúsculo. Após isso, para esclarecimento adicional, há um comentário feito após cada citação.


Estabelecendo o fundo histórico

Em 1966, as Testemunhas de Jeová lançaram o livro Vida Eterna – na Liberdade dos Filhos de Deus que trazia uma cronologia detalhada baseada na Bíblia, que estabeleceu 1975 como o ano que marcaria 6.000 anos da existência humana a partir da criação de Adão. Esse compêndio foi lançado numa série de congressos em 1966. No congresso de Baltimore, EUA, uma das Testemunhas de Jeová que compunham a direção da obra mundial – Frederick W. Franz – fez o discurso concludente, no qual teceu comentários concernente ao ano de 1975.

  Na época, as Testemunhas de Jeová entendiam o figurativo “dia” de “descanso” de Deus com sendo um período de 7.000 anos, e os últimos mil anos desse período de sete milênios como sendo o Reinado Milenar de Cristo, que restaurará as condições paradisíacas na Terra. (Gênesis 2:1-3; Hebreus 4:3, 6, 10; Apocalipse 20:4-6)[1] Vale ressaltar que sabiam, pela Bíblia, que esse período de 7.000 anos não começou imediatamente após a criação de Adão, mas após a criação de Eva. A Bíblia não menciona o intervalo de tempo entre a criação de Adão e a criação de Eva. Ambas as criações poderiam ter ocorrido no mesmo ano, mas não necessariamente.

Tendo esse conceito realista das limitações da cronologia bíblica, o irmão Franz declarou em seu discurso sobre a cronologia que aponta para 1975:

“‘O que isso significa? Será que significa que o dia de descanso de Deus começou em 4026 A.E.C. [quando Adão foi criado]? É possível que tenha começado. …

“‘O que dizer do ano de 1975? O que irá significar, caros amigos?’ – perguntou o irmão Franz. ‘Será que significa que o Armagedom estará terminado, com Satanás preso, por volta de 1975? É possível. É possível. Todas as coisas são possíveis para Deus. Será que significa que Babilônia, a Grande, terá sido derrubada por volta de 1975? É possível. Será que significa que o ataque de Gogue de Magogue será lançado contra as testemunhas de Jeová, para eliminá-las, daí o próprio Gogue sendo posto fora de ação? É POSSÍVEL. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. Todas as coisas são possíveis para Deus. MAS, NÃO ESTAMOS AFIRMANDO. E que nenhum dos irmãos seja específico em dizer algo que irá acontecer daqui até 1975.’”. – A Sentinela de 15 de fevereiro de 1967, p. 127.

 A revista acima não costuma ser citada pelos opositores das Testemunhas de Jeová. Contudo, ela faz parte de um conjunto de evidências que estabelece a verdade sobre o que as Testemunhas de Jeová realmente afirmaram sobre o ano de 1975. Como tornado claro no lançamento do livro Vida Eterna – na Liberdade dos Filhos de Deus, o ano de 1975 foi apresentado como sendo apontado pela cronologia bíblica como data histórica, que marcaria 6.000 anos da história humana a contar do ano da criação de Adão. Exatamente isso é o que foi descrito no referido livro, conforme exemplificado abaixo:

 “Desde o tempo de Ussher,[2] fizeram-se estudos intensivos da cronologia bíblica. Neste século vinte, realizou-se um estudo independente que não acompanha cegamente certos cálculos cronológicos tradicionais da cristandade, e a tabela de tempo publicada, resultante deste estudo independente, fornece a data da criação do homem como sendo 4026 A.E.C.* Segundo esta cronologia bíblica fidedigna, os seis mil anos desde a criação do homem terminarão em 1975 e o sétimo período de mil anos da história humana começará no outono (segundo o hemisfério setentrional) do ano 1975 E.C.” – Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus, 1966, p. 27.

Note que essa publicação ressaltou 1975 como data histórica, e não profética. Afirmou que essa data marcaria o fim – não do mundo – mas de 6.000 anos da história da existência do homem, e o começo – não do Reinado Milenar de Cristo – mas do “sétimo período de mil anos da história humana”. Infelizmente, alguns veem nos textos de nossas publicações algo bem diferente do que elas realmente afirmaram, devido a terem um conceito predeterminado recebido de outros. Observe abaixo outro comentário feito pela referida publicação:

“Assim, seis mil anos da existência do homem na terra acabarão em breve, sim, dentro desta geração. Jeová Deus não tem limite de tempo, conforme está escrito no Salmo 90:1, 2: ‘Ó Jeová, tu mesmo mostraste ser uma verdadeira habitação para nós durante geração após geração. Antes de nascerem os próprios montes ou de teres passado a produzir como que com dores de parto a terra e o solo produtivo, sim, de tempo indefinido a tempo indefinido, tu és Deus.’ Portanto, do ponto de vista de Jeová Deus, a passagem destes seis mil anos da existência humana são apenas como que seis dias de vinte e quatro horas, pois este mesmo salmo (versículos 3 e 4) prossegue, dizendo: “Fazes o homem mortal voltar à matéria quebrantada e dizes: ‘Retornai, filhos dos homens.’ Pois mil anos aos teus olhos são apenas como o ontem que passou e como uma vigília durante a noite.” Assim, dentro de poucos anos em nossa própria geração atingiremos o que Jeová Deus poderia considerar como o sétimo dia da existência do homem.” – Vida Eterna na Liberdade dos Filhos de Deus, 1966, p. 29.

Novamente, observamos a mesma linha de raciocínio: a publicação acima afirmou que 1975 marcaria historicamente a entrada no “sétimo dia [de mil anos] da existência do homem”.

Coerentemente, as publicações dos anos subsequentes mantiveram o mesmo teor. Observe-as abaixo:

“Será que o dia de descanso de Deus equivale ao tempo em que o Homem tem estado na terra desde a sua criação? Aparentemente, sim. Das mais fiáveis investigações em cronologia Bíblica harmonizadas com muitas datas aceites da história secular, descobrimos que Adão foi criado no outono do ano 4026 A.E.C. Algures [em alguma parte] nesse mesmo ano Eva podia muito bem ter sido criada, começando o dia de descanso de Deus imediatamente a seguir. Em que ano terminariam, então, os primeiros 6.000 anos da existência do homem e também os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus? No ano 1975. Isto é digno de nota, particularmente em vista do fato de os “últimos dias” terem começado em 1914, e de os fatos físicos dos nossos dias em cumprimento da profecia marcarem esta como sendo a última geração deste mundo iníquo. Por isso podemos esperar que o futuro imediato esteja cheio de acontecimentos emocionantes para aqueles que depositam a sua fé em Deus e nas suas promessas. Isto significa que dentro de relativamente poucos anos nós vamos testemunhar o cumprimento das restantes profecias que têm que ver com o “tempo do fim.” – Despertai!, abril de 1967, pp.19-20.

Diria você sinceramente que as palavras grifadas indicam a afirmação convicta de que o fim viria em 1975? Obviamente que não. A revista acima afirma que “Eva podia” ter sido criada no mesmo ano que Adão, e NÃO que ela definitivamente foi criada em tal ano. Então, partindo desse PRESSUPOSTO, o referido artigo mostrou que, se assim fosse, “os primeiros 6.000 anos do dia de descanso de Deus” “terminariam” em 1975. A alusão que o artigo fez ao contexto histórico entendido pelas Testemunhas de Jeová, de que estamos no “tempo do fim” desde 1914, enfocou a proximidade do fim, mas não determinou nenhuma data específica. De fato, mesmo hoje nossas publicações adotam o mesmo conceito de proximidade do fim, com o objetivo de se manter a vigilância espiritual. – Lucas 21:36; Daniel 12:4.

“Uma coisa é absolutamente certa, a cronologia bíblica reforçada pelo cumprimento das profecias bíblicas mostra que seis mil anos de existência do homem vão acabar em breve, sim, nesta geração! (Mat. 24:34) Este não é, portanto, o tempo para ser indiferente e complacente. Este não é o tempo para se estar a brincar com as palavras de Jesus de que “com respeito àquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus nem o Filho, mas unicamente o Pai.” (Mat. 24:36) Pelo contrário é um tempo em que se deve estar plenamente ciente de que o fim deste sistema de coisas está a chegar rapidamente ao seu fim violento. Não se engane, é suficiente que o próprio Pai saiba o “dia e a hora”!” – A Sentinela, fevereiro de 1969, p.116.

 Novamente, a revista acima estabelece uma relação de proximidade entre o fim dos “seis mil anos de existência do homem” e o “fim deste sistema de coisas”. Isso se dá porque o fim do período de seis milênios da existência humana ocorre historicamente dentro – e bem avançado no tempo – da época que as profecias bíblicas apontam como sendo o “tempo do fim”. (Daniel 12:4) Mas, tal revista NÃO AFIRMA que o fim do período de 6.000 anos da história humana COINCIDIRIA com o fim do sistema mundial de coisas.

“Mas o que dizer da atualidade? Atualmente, temos a evidência exigida, toda ela. E é sobrepujante! Todas as muitas partes do grande sinal dos últimos dias estão presentes, junto com a comprovante cronologia bíblica. … Isto deixaria apenas seis anos mais a contar do outono sententrional de 1969 para completar os 6 mil anos plenos da história humana. Este período de seis anos evidentemente terminará no outono sententrinal do ano de 1975.” – Despertai! de 22 de abril de 1969, p.23.

 Como já mostrado claramente neste artigo, a revista acima aponta para uma data que cumpre um evento histórico – a marca de seis milênios de historia da existência humana – marcado pela cronologia bíblica. Mas não diz que essa data histórica marcaria o “fim do mundo”.

“Nossa preocupação principal, agora, deve ser com o presente e o futuro. Precisamos manter o proceder de fidelidade que impeça quaisquer possíveis arrependimentos no futuro. Assim como olhamos para trás, para os últimos cinco anos, olhemos agora para a frente, para cinco anos no futuro. Será então 1975. …

“Jeová nos deu informações suficientes para que possamos saber definitivamente qual a tendência dos eventos futuros. A sua Palavra revela que, sem dúvida, nos aproximamos rapidamente do fim deste inteiro sistema iníquo de coisas. (Mat. 24:3-14; 2 Tim. 3:1-5; 1 João 2:17) O intenso ódio e a violência se tornarão ainda mais ardentes. O desrespeito pela lei se tornará pior. Prevalecerá antagonismo contra tudo o que for religioso. Este espírito se tornará tão forte, que por fim resultará na destruição de todo o império da religião falsa, Babilônia, a Grande. — Apocalipse 18:1-8.

“Portanto, quando em breve chegar o fim deste sistema de coisas, qual será a nossa maior necessidade, o nosso bem mais valioso? Não será nosso dinheiro, nem os bens materiais. Não serão quaisquer elementos amistosos do mundo. Não, mas o nosso bem mais valioso e a nossa maior necessidade será a fé inabalável em nosso Deus, Jeová. 

“Precisamos ter a absoluta certeza, no coração e na mente, de que Jeová realmente vive e de que tudo o que a Bíblia diz a Seu respeito é veraz.” – A Sentinela, 1.º de maio de 1970, pp. 285-286.

Note que, quando a revista acima mencionou a proximidade do fim, não relacionou isso com uma data específica, mas sim com textos bíblicos que mostram que estamos no tempo do fim: Mateus 24:3-14 e 2 Timóteo 3:1-5. Quem ler esses textos, analisando-os com eventos históricos marcantes num único período e a nível mundial, verá que o século vinte mostrou-se diferente de todos os séculos precedentes: duas guerras mundiais, a gripe espanhola, maior incidência de terremotos, bem como a pregação mundial do Evangelho. Todos esses e outros acontecimentos tornam claro, como mostrou a referida revista, que “nos aproximamos rapidamente do fim deste inteiro sistema iníquo de coisas”.

“Todos gostariam de saber por quanto tempo o sistema atual ainda há de continuar e quando se há de realizar o propósito de Deus na terra do mesmo modo pleno como no céu. Jesus respondeu que ‘estas boas novas do reino serão pregadas em toda a terra habitada . . . e então virá o fim’. Aqui, no texto grego da Bíblia, ele usou a palavra telos ou ‘fim’ para distinguir o que queria dizer com syntéleia ou ‘terminação’ do sistema de coisas, o período de colheita em que vivemos agora. (Compare isso com Mateus 24:3, 6, Diaglott.NÃO SE PODE PREDIZER EXATAMENTE QUÃO PERTOS ESTAMOS DO FIM DO ATUAL SISTEMA DIVISÓRIO DE COISAS, visto que Jesus disse que nem mesmo ele sabia o dia ou a hora disso, no tempo de seu ministério terrestre. (Mat. 24:36) Entretanto, a cronologia bíblica, que indica que Adão foi criado no outono (hem. set.) do ano 4026 A. E. C., nos levaria até o ano de 1975 E. C. como data que assinalaria 6.000 anos da história humana, com mais 1.000 anos futuros da regência do Reino por Cristo. Portanto, QUALQUER QUE SEJA A DATA DO FIM DESTE SISTEMA, torna-se claro que o tempo que resta é reduzido, sobrando aproximadamente menos de seis anos até o fim de seis mil anos da história humana.” – A Sentinela de 1.º de novembro de 1970, p. 657, parágrafo 5.

É impressionante que a revista acima tenha sido citada como “prova” de que as Testemunhas de Jeová prognosticaram o “fim do mundo” para 1975! A revista acima depõe justamente CONTRA a afirmação de que as Testemunhas de Jeová estabeleceram o ano de 1975 para o “fim do mundo”. Pois, se assim tivessem feito, não afirmariam que NÃO SE PODE PREDIZER EXATAMENTE QUÃO PERTOS ESTAMOS DO FIM” do sistema de coisas, nem usariam expressões tais como QUALQUER QUE SEJA A DATA DO FIM DESTE SISTEMA”O texto em negrito e em maiúsculo é extremamente claro em mostrar que as Testemunhas de Jeová reconheciam não saber a data do fim – nem o ano. Coerente com as publicações anteriores, os editores apresentaram 1975 como data de um período histórico.

“Na tarde de domingo, 26 de julho de 1931, num congresso internacional da A. I. E. B., em Columbus, Ohio, E. U. A., adotou-se de coração a Resolução a favor da adoção do Novo Nome, testemunhas de Jeová. … E agora, neste ano crítico de 1975, pode-se perguntar: Será que o Deus Altíssimo da profecia fez para si um nome? A resposta é óbvia: Sim! Por meio de quem? Não pela cristandade, nem pelo judaísmo, mas pelas testemunhas cristãs de Jeová!” – A Sentinela de 15 de março de 1975, pp. 188-9, parágrafo 29.

Esse artigo mencionou 1975, não como data do “fim do mundo”, mas como o ano em que estavam na época, do qual podiam olhar para trás e recapitular o valor e o respeito que deram ao Nome divino, Jeová.

“Só a partir do fim do ano de 1928 abriu-se ao entendimento espiritual do restante ungido do ‘Israel de Deus’ a perspectiva de sobreviver à ‘guerra do grande dia de Deus, o Todo-poderoso’, no Har-Magedon, e entrar aqui na terra na nova ordem justa de Jeová. (Veja THebreusWatch Tower, de 15 de dezembro de 1928, página 376, parágrafos 35, 36.) E agora, no ano de 1975, alguns milhares dos do restante ungido, ainda vivos nesta terra, aguardam o cumprimento desta perspectiva alegre. A crescente ‘grande multidão’ de seus companheiros semelhantes a ovelhas aguarda com eles entrar na Nova Ordem sem interrupção de vida. Na Nova Ordem, Jeová Deus aumentará a ‘longura de dias’ do restante ungido na terra ao ponto de fartar os membros dele. Resta a ver se serão ainda retidos aqui na terra para ver o começo da ressurreição dos mortos terrestres e para conhecer testemunhas fiéis dos tempos antigos, pré-cristãos. Gostariam disso, antes de serem tirados do cenário terrestre para a recompensa celestial junto a Cristo.” – A Sentinela de 15 de março de 1975, pp. 188-9, parágrafo 36.

A “perspectiva alegre” a que se refere essa publicação não era ver o fim em 1975, e sim a possibilidade de os cristãos com esperança celestial poderem permanecer na Terra por um tempo após o fim do sistema. Que isso, naturalmente, foi apresentado como possibilidade pode ser visto na frase “resta a ver se serão ainda retidos aqui na terra”. A menção de 1975 se deve a que estavam naquele ano.

“Receberam-se notícias a respeito de irmãos que venderam sua casa e propriedade e que planejam passar o resto dos seus dias neste velho sistema de coisas empenhados no serviço de pioneiro. Este é certamente, um modo excelente de passar o pouco tempo que resta antes de findar o mundo iníquo.” – Nosso Ministério do Reino, julho de 1974, pp. 3-4.

Os que conhecem as publicações das Testemunhas de Jeová sabem que o incentivo e o elogio a se dedicar mais tempo, recursos e energias à obra de evangelização, em vista da relevância dessa obra e da urgência de nosso tempo, tem sido comum ano após ano. Associar a necessidade de abnegação com a proximidade do fim é uma constante nas publicações das Testemunhas.

Veja, por exemplo, as seguintes declarações:

“Temos de considerar com oração como e até que ponto podemos simplificar a vida. … O tempo se esgotou para o mundo nos dias de Noé, e se esgotará para o atual sistema de coisas.” — A Sentinela de 15 de dezembro de 2003, p. 24, parágrafos 19-20.

“Muitos irmãos deixaram suas casas para simplificar a vida, e nos alegra ouvir seus relatos sobre como Jeová cuida deles e como seu serviço a ele lhes dá felicidade. (Atos 20:35) Além disso, todos os servos batizados de Jeová podem ter a bênção de ‘buscar primeiro o Reino e a justiça de Deus’ como parte de uma fraternidade cristã global. — Mat. 6:33.” – A Sentinela de 15 de fevereiro de 2010, p. 26, parágrafo 9.
  
Mas, será que, ao se aproximar o ano 1975, as expectativas das Testemunhas de Jeová não aumentaram a ponto de afirmarem que o fim viria naquele ano? Veja a resposta no último número de A Sentinela de 1974. Sob o tema “Sirva com a eternidade em vista”, e debaixo do subtópico “Não servimos apenas até certa data”, a revista comentou:

“É verdade que a mais exata cronologia bíblica disponível indica que 6.000 anos da existência humana terminarão em meados da década de 1970. De modo que estes cristãos estão intensamente interessados para ver se isto coincidirá com o irrompimento da ‘grande tribulação’ dos nossos dias, a qual eliminará da terra todos os iníquos. Pode coincidir. Mas eles nem mesmo tentam predizer com exatidão quando virá a destruição do sistema iníquo de coisas de Satanás. Estão contentes em esperar e ver, reconhecendo que nenhum homem na terra sabe a data. — Mat. 24:36.

As testemunhas cristãs de Jeová confiam em que Deus acabe com este sistema ímpio no SEU tempo devido. Quando a ‘grande tribulação’ começar, poderemos reconhecer isso. Portanto, em vez de especular a respeito de certa data, como se servíssemos com certa data por alvo, podemos concentrar-nos na importante obra de pregação que Jesus disse que seus discípulos fariam neste período de tempo. (Mar. 13:10) Assim, quando a ‘tribulação’ irromper, seremos encontrados atarefados e zelosos em cumprir a tarefa que temos. Assim, não fixaremos nossa mira numa data futura, mas serviremos com a eternidade em vista, assim como Judas exorta os cristãos.” — A Sentinela de 15 de dezembro de 1974, pp. 754-5, parágrafos 18-19.

Por conseguinte, as Testemunhas de Jeová mantiveram coerentemente o que haviam afirmado sobre 1975 desde o princípio: que aquele ano marcaria o fim de “6.000 anos da existência humana”. Em nenhuma de suas publicações afirmaram que tal ano marcaria o fim de 6.000 anos do “descanso” de Deus. (Heb. 4:1-10) Expressões tais como “pode coincidir” e ‘ver SE coincidirá’ exprimem admissão de possibilidade, não afirmação categórica. A fraseologia usada em nossas publicações mostrou que essa data histórica, que marcou o fim de seis mil anos da existência do homem – PODERIA coincidir com o fim de seis mil anos do “descanso” de Deus. Mas, ao mesmo tempo, os editores NÃO AFIRMARAM que isso DE FATO ocorreria.

Infelizmente, alguns membros da organização, ávidos de que o fim chegasse logo, concluíram que 1975 marcaria mais do que o fim de seis milênios da criação de Adão – que marcaria também o fim dos seis milênios do descanso de Deus, ALGO QUE NÃO FOI AFIRMADO NAS PUBLICAÇÕES das Testemunhas de Jeová. Assim, os que compunham a direção da obra mundial podiam honestamente apontar isso, como mostra a publicação abaixo:

“Caso alguém tenha ficado desapontado, por não seguir este raciocínio, deve agora concentrar-se em reajustar seu ponto de vista, por não ter sido a palavra de Deus que falhou ou o enganou e lHebreuscausou desapontamento, mas, sim, seu próprio entendimento baseado em premissas erradas.” – A Sentinela de 15 de setembro de 1980, p.17.
     
A mesma revista afirmou: “É impossível calcularmos de antemão quando é o fim do mundo.” (Página 18, parágrafo 8.) Contudo, vale ressaltar que, em suas publicações de anos anteriores, as Testemunhas de Jeová viveram à altura dessa declaração.

Também, deve-se salientar que os que compunham a direção da obra mundial, ao expressar-se sobre o assunto por meio das publicações, não atribuíram más motivações aos que foram além do que havia sido afirmado por escrito. Observe como isso foi amorosamente colocado, lendo a publicação abaixo:

“As conclusões erradas não aconteceram por intenção maldosa ou infidelidade para com Cristo, mas sim por causa do desejo ardente de ver o cumprimento das promessas de Deus nos seus próprios dias. …

“De fato, pode-se confiar nas promessas de Deus! Os humanos é que estão propensos ao erro. Portanto, os cristãos verdadeiros continuarão numa atitude de espera, em obediência à ordem de Jesus. Eles vão manter-se alertas e prontos para a inevitável vinda de Cristo como Executor de Deus. Não permitirão que falsas predições ofusquem a sua percepção levando-os a desconsiderar o verdadeiro aviso a respeito do fim do mundo.” – Despertai! de 22 de junho de 1995, p. 9.

Como se pode ver neste estudo imparcial, despojado de preconceitos e de sentimentos anuviadores do raciocínio, nenhuma publicação das Testemunhas de Jeová afirmou que em 1975 viria o “fim do mundo” – o fim do sistema mundial.


Notas:

[1] Veja o livro Seja Deus Verdadeiro, edição em inglês de 1946 (1949 em português, pp. 153-168), publicado pelas Testemunhas de Jeová, mas atualmente esgotado; também a revista A Sentinela de 1.º de janeiro de 1987, p. 30. Esse conceito não foi declaradamente abandonado. Ocorreu que, em publicações mais recentes, ele deixou de ser mencionado. Assim, a obra Estudo Perspicaz das Escrituras (id.) menciona o “período de descanso do sétimo dia” criativo como tendo “milhares de anos de duração”. – Vol. 1, p. 710; vol. 3, p. 475.
[2] A referência é ao famoso prelado anglicano, irlandês, o Arcebispo James Ussher (1581-1656 E. C.), que estabeleceu uma cronologia da existência humana baseada em seu estudo da Bíblia.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



39 comentários:

  1. Irmãos no Senhor,

    http://www.e-cristianismo.com.br/pt/trindade

    Novidades existem poucas, mas a abordagem varia de trinitário pra trinitário

    Detalhes históricos: http://www.e-cristianismo.com.br/pt/trindade/198-contornos-historicos-da-doutrina-da-trindade

    `` sob a pressão de bispos e conselheiros que secretamente simpatizavam com Ário e dos dois bispos que o apoiaram e foram depostos e exilados... Alguns que tinham assinado o credo e os anátemas contra os arianos ficaram horrorizados com a interpretação SABELIANA distorcida aplicada ao credo por Marcelo e outros. ... Ário morreu, na véspera do dia em que seria restaurado como um presbítero cristão numa cerimônia especial em Constantinopla. Alguns estudiosos especulam que tenha sido ENVENENADO por seus inimigos.`` - ("História da Teologia Cristã", 2001, Roger C. Olson, Ed. Vida, págs. 167/168)

    ``Essa situação se tornou muito mais difícil em função da inabilidade de alguns dos principais defensores de Nicéia de mostrar como sua doutrina diferia do SABELIANISMO.

    Mas pode-se vislumbrar também na natureza interior do arianismo uma das principais causas de sua derrota. O arianismo pode ser interpretado como uma maneira de introduzir para dentro do Cristianismo o costume da adoração de seres que, embora não sendo o Deus absoluto, eram divinos de uma forma relativa. A consciência cristã geral reagiu violentamente contra este entendimento ... A fé nicena, embora menos estritamente racional que o arianismo, e embora requeresse mais da metade de um século para esclarecer seu sentido real, foi capaz de afirmar um modo mais claro e radical a doutrina cristã fundamental de que “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo”. - (“Uma História do Pensamento Cristão”, Justo L. González. Ed. Cultura Cristã, 2004, págs. 269 e 280/1)

    Interessante não?

    ResponderExcluir
  2. http://www.e-cristianismo.com.br/pt/trindade/180-observacoes-a-doutrina-da-trindade

    "Ao observar essas citações confrontativas, percebemos que o conceito da Trindade embora seja aceito por grande parte dos Teólogos Cristãos é expressa de modo DIFERENTE. Isso nos ajuda a compreender um pouco do dilema que ainda em nossos dias a doutrina da Trindade causa.
    ...
    EVIDÊNCIAS Neo-Testamentárias

    - Na cena do batismo de Cristo, vemos uma situação interessante: ... (Mt 3.16-17)...Nessa ocasião não vemos apenas três pessoas envolvidas em uma mesma situação, como as vemos em operações distintas.

    - Situação semelhante é encontrada na promessa de nascimento de Cristo feita por Gabriel a Maria: ... (Lc 1.35).

    A palavra...para altíssimo (hupsistós....é usado apenas em referência a Deus (Hb 7.1; cf. At.16.17; 7.8; Lc 8.28). [Sim, DEUS O PAI!!]

    - Outra situação que apresenta essa mesma idéia é a ordem de Cristo: .. (Mt 28.19).

    Por que razão Cristo teria exigido que os cristãos que perpetuassem o ministério de Cristo deveriam batizar em nome do Espírito Santo..? Por que não apenas em nome do Pai, ou do Filho? Tenho a impressão que se Cristo fosse ... unitarista, teria dito para batizarem em nome do Deus Pai (Jeová)...Essa expressão de Cristo nessa ocasião parece bem significativa para a compreensão da Trindade.

    - No NT a Trindade é bem representada por três termos gregos que podem nos ajudar a visualizar com mais clareza a idéia da Trindade enraizada no modo como os escritores do NT escreviam e ensinavam. A primeira é a palavra “theós”..usada em referência a...Pai. A palavra “kyriós”...em referência a Cristo, o Filho. A última palavra... um pouco mais genérica..“pneuma“...em referência ao Espírito Santo. Eventualmente essas três expressões são utilizadas em um mesmo contexto como se falassem de cada uma das pessoas da Trindade...além de retratar de modos diferentes cada uma das pessoas da Trindade, eventualmente representam ações diferentes, o que reforça a idéia trinitária da fé cristã.

    - Em 1Coríntios 12.4-6 os três termos apresentados são utilizados de modo muito interessante: ... Em 2Coríntios 13.13 vemos um caso similar: Em Efésios o mesmo parece acontecer: ... um Espírito...um só Senhor...um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos

    - Tal conceituação apresentada pelo NT sugere a distinção entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo... Entretanto, falou pouco a personalidade de cada um deles e nada falou sobre sua divindade

    - (Jo 1.1)...(Jo 17.24)...Hebreus 7.25...É bem importante dizer que essa distinção também é apresentada como unidade no mesmo evangelho:...(Jo.10.30)...vemos que a existência distinta da pessoa do Filho...não é uma rejeição da sua unidade...mas uma declaração da sua igual divindade.

    -Um leitura não muito aprofundada no Novo Testamento pode nos mostrar a pessoalidade do Espírito Santo...atividades são atribuídas a Ele que testificam sua pessoalidade...em João 16.13 ...vos guiará a toda a verdade...falará...dirá ...o que tiver ouvido e vos anunciará...Em João 14.26, lemos:... Nesse texto fica evidente que o Pai não é o enviado e nem mesmo o Filho, pois o Consolador seria enviando em Seu nome.

    - Mas, ainda tem um ponto importante a ser lembrado aqui, pois é uma certa afronta ao ideal TJ da pessoa do ES. São casos onde o Espírito Santo é apresentado como alguém com Poder e não como poder.Em Lucas 4.14...Se o ES é apenas uma força, um poder, como traduziríamos isso? Jesus voltou no poder da força? Em Atos 10.38, vemos algo similar: “como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com poder, o qual andou por toda parte, fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele”. Se o ES é apenas o poder de Deus, esses versos não fazem o menor sentido.

    -Bom, com a exposição já feita até aqui fica clarividente a existência de um Triunidade apresentada no Novo Testamento

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite "SAGA"
      Apenas gostaria de ressaltar a base do ultimo paragrafo acima referente ao assunto que o Espirito santo é apresentado como "alguem" com poder e não "como" (sendo) poder em ATOS 10:38.
      Essa idéia não afronta ao ideal ensinamento ressaltado pela propria Escritura sagrada que não se contradiz.
      DETALHE: o Espirito santo NÃO É o "PODER" (do grego DYNAMIS) de Deus!. é a FORÇA ( do grego PNEUMA) de Deus!. Por isso você pensou que essa passagem biblica poderia ser uam afronta ao que pregamos como TJ.
      FIQUE SABENDO: “Poder”, basicamente, é a habilidade ou capacidade de atuar ou de fazer coisas, e pode ser latente, dormente ou inativamente residente em alguém ou em alguma coisa. “Força”, por outro lado, descreve mais especificamente energia projetada e exercida sobre pessoas ou coisas, e pode ser definida como “uma influência que produz ou tende a produzir movimento, ou a mudança de movimento”
      PARA ILUSTRAR "“Poder” pode ser assemelhado à energia acumulada numa bateria, ao passo que “força” pode ser comparada à corrente elétrica que flui de tal bateria. “Força”, portanto, representa mais exatamente o sentido dos termos hebraico e grego relacionados com o espírito de Deus, e isto é corroborado pela consideração das Escrituras.

      Portanto quando ATOS 10:38 reza que Deus UNGIU jesus (seu filho) com espirito santo E poder, não é uma expressão que contraria o fato de ESPIRITO SANTO ser FORÇA ATIVA de DEUS. mas que pela AÇÃO da FORÇA ATIVA liberada através do PODER que DEUS "expeliu" por assim dizer, foi-se dado a Jesus uma unção.
      é como se eu dissesse agora: "com minha força que tenho eu escrevi esse texto com poder das minhas mãos"

      ATT: Maikon Cruz.

      Excluir
  3. [E o VT? É trinitário? Acompanhem os trinitaristas]

    Evidências Vétero-Testamentárias

    A visão da teologia história sobre a Trindade no Velho Testamento é bem diversa. Berkhof...: “O Antigo Testamento não contém plena revelação da existência trinitária de Deus, mas contém várias indicações dela“.

    - Normalmente a Trindade é defendida pela forma como Deus é apresentado no primeiro capítulo de Gênesis. Alguns teólogos apontam para o fato de que a pessoa de Deus está descrita no plural (Elohim)....McClaren sobre o assunto chegou a dizer: “O plural Elohim...expressa a natureza divina em sua totalidade completa, incluindo uma pluralidade de pessoalidades“.

    - Ainda no primeiro capítulo de Gênesis uma expressão nos chama a atenção: “Façamos o homem” (v.26)...É bem verdade que é possível que esse plural seja um plural majestático. Entretanto, é interessante perceber que os autores neo-testamentários entendiam que Cristo tenha sido ativo na criação:...(Hb 1.1-2). Em João 1.3...Assim, não considero um exagero encontrar um alusão à trindade aqui, até por que o Espírito de Deus também é mencionado...(Gn 1.2).
    ...Em Deuteronômio 32.11-12...essa palavra é novamente usada Outra situação, ainda em Gênesis que merece nossa atenção é vista na cena da queda: ...(Gn 3.22). Uma vez que o autor dessa expressão é o mesmo que escreveu o shema de Deuteronômio 6.4...Mais uma vez, a pluralidade de Deus ficou evidente

    - .. podemos citar um texto que parece elucidar essa questão: “...Agora, o SENHOR Deus me enviou a mim e o seu Espírito” (Is 48.16).

    Essa parece uma indicação muito interessante da Trindade no Velho Testamento, uma vez que o texto fala do Messias como enviado da parte de Deus com o Espírito. Em outro caso, o Messias fala sobre sua unção do Espírito e de Deus: ...(Is 61.1; cf. Lc 4.18). Isso parece deixar evidências nas páginas da teología histórica que apontam para uma compreensã primitiva do conceito da Trindade.

    - Até aqui, vemos que as escrituras defendem a doutrina da Trindade de modo muito peculiar. Por isso é importante se considerar a interação entre os dois testamentos e progressão da revelação... Berkhof: “Se no Antigo Testamento Jeová é apresentado como o Redentor e Salvador de Seu povo (…) no Novo Testamento o Filho de Deus distingue-se nessa capacidade (…) E se no Antigo Testamento é Jeová que habita em Israel e nos corações dos que temem (…) no Novo...é o Espírito Santo que habita na Igreja”. Assim...atividades...apresentadas a Deus no Velho Testamentos são especificadas a pessoas diferentes no Novo...isso atesta tanto a divindade do Filho e do Espírito como sua própria unidade com Deus...uma vez que fica evidente a doutrina ensinada pelas escrituras, precisamos fazer de sua aplicação. Pois, é possível que ... alguém possa ser salvo sem crer na Trindade?

    [Convencidos???? E a pergunta final??]

    ResponderExcluir
  4. [Final...]

    A Doutrina da Trindade e a Salvação
    - Deus Pai é responsável por todas as bênçãos celestiais e pela eleição e predestinação:...Já o Filho é o meio (critério, instrumento) pelo qual essa eleição e predestinação é realizada:...E o Espírito Santo é a garantia de que essa salvação será terminada no futuro, pois é Ele quem sela o salvo

    -Eu acredito que uma pessoa pode ser salva sem entender a Trindade. Não acredito que a salvação esteja restrita àqueles que compreendem corretamente a Trindade...Contam-se inumeráveis os cristãos que demonstram dificuldade em expressar sua visão da Trindade, embora creiam nela

    - eu acredito que uma pessoa possa ser salva sem crer na Trindade. Ao observar as mensagens evangelísticas dos apóstolos em Atos NÂO CONSIGO VER UMA ENFÂSE SEQUER na doutrina da Trindade.
    ...Muito embora eles sejam citados, isso não se constitui uma definição de Trindade. O apelo não foi, creiam em Deus Pai, no Filho e no Espírito Santo e sejam salvos...A própria pregação de Pedro a Cornélio (um prosélito) menciona rapidamente o Espírito Santo, mas nenhuma doutrina parece ser claramente ensinada. Mas nesse caso, temos certeza que seus ouvintes foram salvos. Isso também vale para as pregações de Paulo, que ... não...[faziam] uma apologia da Trindade...é bem provável que OS CRISTÂOS DOS DOIS PRIMEIROS SÈCULOS NÂO TIVESSEM UMA FORMULAÇÂO DA TRINDADE...Em Romanos 10.9, lemos:
    ...Nada é mencionado sobre a Pessoa do Espírito Santo aqui...Paulo quando lembra os Coríntios do evangelho que promove a salvação (1Co 15.1-2) ele faz claras declarações da Pessoa de Cristo (1Co.15.3-4) e algumas inferências ao Deus Pai e nenhuma citação do Espírito Santo. A própria apresentação de Paulo da Salvação em Efésios 2 ...embora a ação do Pai e do Filho esteja claramente anunciada, o Espírito Santo novamente não é mencionado.

    -Isso me leva a considerar a uma última consideração: não é possível alguém ser salvo e rejeitar a Trindade...Esse é o caso do Testemunha de Jeová, que por atribuir a Cristo uma posição não divina, não pré-existente acaba por ser enquadrado entre aqueles que “negam que Jesus é o Cristo” (1Jo 2.22) e que por isso não tem nem o Pai nem o Filho. Esse é o caso dos gnósticos ...1Jo 4.2)...chamados de impostores (gr. antíchristos) e falsos profetas

    [Artigo protestante fantástico em termos uma confusão de que CRER NA TRINDADE não salva! Que achou Irmão Apologista? Rs ]

    ResponderExcluir
  5. http://www.e-cristianismo.com.br/pt/trindade/130-formulas-triadicas

    [Vejamos, é uma lista de textos que supostamente demonstram a TRINDADE de Pessoas Divinas em Jeová]

    Fórmulas triádicas na Bíblia

    Velho Testamento:
    (Isaías 48:12-16) "O Senhor DEUS me enviou a mim, e o seu Espírito.

    (Isaías 61:1) O espírito do Senhor DEUS está sobre mim"

    (Isaías 63:8-10)E o anjo da sua presença os salvou; pelo seu amor, e pela sua compaixão ele os remiu...Mas eles foram rebeldes, e contristaram o seu Espírito Santo

    Mateus, Lucas e Marcos
    (Mateus 3:13-17) (Mateus 28:19) (Lucas 1:35)
    (Lucas 3:21,22)(Lucas 4:1-12)

    (Atos 1:7,8)

    (Atos 2:32,33) Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou ISTO que vós agora vedes e ouvis.

    (Atos 2:38,39) (Atos 5:30-32)

    Atos 7:55) Mas ele, estando cheio do Espírito Santo, fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus, e Jesus, que estava à direita de Deus;

    (Atos 10:38) Como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude; o qual andou fazendo bem, e curando a todos os oprimidos do diabo, porque Deus era com ele.

    (Atos 10:44-48) (Atos 11:15-17) (Atos 15:8-11)
    (Atos 20:27,28)

    (Atos 28:25-31) Bem falou o Espírito Santo a nossos pais pelo profeta Isaías, dizendo

    Escritos Joaninos
    (João 14:16) (João 14:26) (João 20:21,22)
    (1 João 3:21-24) ( 1 João 4:1,2) (1 João 4:13,14)

    Escritos Paulinos
    (Romanos 1:1-4) (Romanos 5:5-6)(Romanos 8:2-4)
    (Romanos 8:9)(Romanos 8:14-17)(Romanos 8:26-30)
    (Romanos 15:16) (Romanos 15:30)
    (1 Coríntios 6:11) (1 Co 12:4-6)(1 Cor 12:11-18)
    (2 Coríntios 1:21,22) (2 Coríntios 3:3,4) (2 Coríntios 13:14)
    (Gálatas 3:1-5) (Gálatas 3:8,14)(Gálatas 4:4-6)
    (Efésios 1:3-14) (Efésios 2:18-22)(Efésios 3:14-17) (Efésios 4:4-6) (Efésios 4:30-32) (Efésios 5:18-20) (1 Tessalonicenses 1:3-6) (2 Tessalonicenses 2:13) (Tito 3:4-6)(Hebreus 2:3,4) (Hebreus 9:14)(Hebreus 10:29-31)

    Outros livros
    (1 Pedro 1:2) (1 Pedro 3:16) (1 Pedro 4:14)
    (Judas 1:20,21)

    [Faltou APOCALIPSE falando sobre Aquele Que É Que Era Que Vem, Jesus cristo e os Sete Espíritos de Deus ]

    [ Mais lista com SUPOSTAMENTE TODOS textos triádicos aqui: http://www.bible.ca/trinity/trinity-text-triadic.htm#analize - São 58 passagens . Este site em inglês também é bem fanfarrão ]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, o qual será chamado EMANUEL, que traduzido é: Deus conosco.
      Mateus 1:23

      No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez.
      João 1:1-3

      “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.” Mateus 28:18.

      Logo, se Jeová dá a glória Dele a Jesus, isso indica claramente que Jesus não é outro “deus”, mas o próprio Deus! Quanto a pergunta, de que se Deus deu glória a si mesmo: Tal pergunta é infundada por pessoas as quais não crêem na Trindade, logo, em Mateus 28:18, vemos o Pai dando Todo-Poder a seu Filho que por Ele foi glorificado. Se não crermos na Trindade, teremos que admitir a existência de dois (ou três) deuses, dois criadores, dois salvadores, dois todo-poderosos, etc. Sobretudo, Jesus disse que Ele e o Pai são um (João 10:30), e quanto ao

      Espírito Santo, Ele também é indicado em I João 05:06-07.

      Para provar com todas as letras que Jesus é Todo-Poderoso, leiamos ainda Apocalipse 01:08 “Eu sou o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-poderoso.”

      Conclusão – Em Apocalipse 01:08, diz que o primeiro e o último é Todo-poderoso. O próprio livro de Apocalipse nos informa que Jesus é o primeiro e o último (Apocalipse 02:08); Em Apocalipse 01:08 diz que o Todo-poderoso é o mesmo que era, sendo Ele o mesmo. Em Hebreus 13:09 diz que Jesus é o mesmo, e em Malaquias 03:06 diz que o Senhor não muda, logo, se Jesus é o mesmo e é Senhor, Ele é Todo-poderoso, ou há dois que são o mesmo em que não há mudança? – E por fim, Apocalipse 01:08 diz que o Todo-poderoso é aquele que há de vir, e em João 14:03 diz que Jesus é que está por vir. Logo, Jesus é sim Todo-poderoso.

      Excluir
    2. O significado do nome profético “Emanuel” – “Deus conosco” – não significa que Jesus seja o “Deus conosco”. O nome Jeú significa “Jeová é ele”, e nem por isso Jeú era Jeová. Quando Jesus ressuscitou o filho da viúva de Naim, o povo disse: ““ ‘Um grande profeta tem sido levantado em nosso meio’, e: ‘Deus voltou a sua atenção para seu povo [“Deus visitou o seu povo”, ACRF].’” (Lu 7:16) Obviamente, o povo queria dizer, não que Jesus era Deus, pois o consideraram “profeta”, e sim que Deus, POR MEIO DE Jesus, ‘havia voltado a sua atenção para seu povo’. Quando Moisés retornou ao Egito e realizou os milagres perante os anciãos de Israel, a Bíblia diz que “em vista disso, o povo creu. Quando ouviram que Jeová voltara sua atenção para os filhos de Israel [“visitava aos filhos de Israel”, ACRF] e que vira sua tribulação, inclinaram-se e prostraram-se.” (Êx 4:30, 31) É claro que eles não achavam que Moisés era “o Senhor [que] havia visitado os filhos de Israel” (IBB), mas sim que o Senhor Jeová havia visitado (voltado sua atenção) a eles POR MEIO DE Moisés.

      Quanto a Mateus 28:18, só o fato de Jesus ter RECEBIDO algo de outro prova que ele não é o Deus Todo-poderoso. Pois Jeová, o Deus Todo-poderoso e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, disse: “Quem me deu primeiro alguma coisa, que eu o deva recompensar? Debaixo dos céus inteiros, é meu.” (Jó 41:11) Além disso, “todo o poder” (Al) recebido por Cristo evidentemente é em sentido relativo e não absoluto, pois a Bíblia mostra que Deus, o Pai, continua sendo “a cabeça de Cristo” (1Co 11:3) e o “Deus” dele. (Ef 1:17; 2Co 1:3) E isso é totalmente incompatível com a ideologia da Trindade, a qual apregoa que as supostas “três Pessoas” são coiguais e coeternas. Como as “três Pessoas” poderiam ser coiguais se uma delas é DEUS da outra?
      Quanto a Jesus e o Pai serem “um” (Jo 10:30), o próprio Jesus explicou que isso se refere à UNIDADE (união) entre eles, e não à igualdade. Lemos em João 17:22: “E eu lhes dei a glória que a mim me deste, para que sejam um, COMO NÓS SOMOS UM.” (IBB) Em que sentido os discípulos eram UM? Jesus prosseguiu: “Que eles sejam perfeitos EM UNIDADE.” (João 17:23, IBB) Do mesmo modo Jesus e o Pai são “um”.
      Quanto ao “espírito santo”, veja os links:
      http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/07/o-espirito-santo-e-uma-pessoa_8.html
      http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/09/estudo-sobre-pneumatologia-parte-5-o.html

      Excluir
    3. Com respeito a Revelação 1:8, esse texto também não prova que Jesus seja Todo-poderoso. Lemos em Revelação 21:22: “E nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus Todo-Poderoso, E o Cordeiro.” Note que claramente se distingue o “Senhor Deus Todo-Poderoso” de Jesus Cristo, o “Cordeiro”.
      Que ‘o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso’ (Re 1:8) não é Jesus Cristo fica evidente do contexto do próprio capítulo 1 de Apocalipse. Os versículos 4 e 5a nos dizem: “João, às sete igrejas que estão na Ásia: Graça e paz seja convosco da parte DAQUELE QUE É, E QUE ERA, E QUE HÁ DE VIR [o mesmo do versículo 8], E DA dos sete espíritos que estão diante do seu trono; E DA PARTE DE JESUS CRISTO.” Assim, Jesus é colocado como sendo distinto do Alfa e Ômega, e não como sendo o mesmo que ele.
      O fato de expressões e símbolos semelhantes serem usados para pessoas ou grupos distintos não indica que os referidos por tais símbolos tenham a mesma identidade. Isso foi demonstrado no artigo “Duas regras – uma falsa e uma verdadeira”, neste blog, no link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/duas-regras-uma-falsa-e-uma-verdadeira.html
      O contexto é que determina o significado do uso do referido símbolo e a identidade da pessoa ou do grupo aludido por tal símbolo. Por exemplo, tanto Jeová como Cristo são mencionados como sendo ‘o Primeiro e o Último’. (Isa. 44:6; Rev. 1:17) Contudo, o contexto de Isaías diz respeito à Divindade de Jeová, pois o mesmo texto (Isa. 44:6) acrescenta: “Além de mim não há Deus.” Por outro lado, Jesus é mencionado como “o Primeiro e o Último” num contexto diferente. O contexto de Revelação diz respeito à ressurreição de Jesus. (Rev. 1:18) Jesus foi “o Primeiro” humano a ser ressuscitado para a vida espiritual, imortal. (Col. 1:18) Além disso, ele é “o Último” ressuscitado assim pelo próprio Jeová. Os demais serão ressuscitados por meio de Jesus, conforme ele mesmo explicou: “Tenho as chaves da morte e do Hades.” – Rev. 1:18b.
      Poderá obter mais informações esclarecedoras nos links abaixo:
      http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/uma-regra-biblica-desconsiderada-pelos.html
      http://traducaodonovomundodefendida.wordpress.com/2011/09/18/quem-e-o-alfa-e-o-omega/
      http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/e-trindade-uma-doutrina-biblica_23.html
      http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/trindade-eensinada-no-novo-testamento-o.html

      Quanto a João 1:1, veja o vídeo no alto da página deste blog.

      Excluir
    4. Apologista, agora me ocorreu se o Anônimo em questão não seri o próprio autor de artigos os quais eu citei acima. Uma vez o mesmo me mostrou que nós lê, você, eu o Queruvim. Ao se ver quotado pode ter desejado aparecer.

      Excluir
  6. Voltando a falar sobre 1975. A internet é um ambiente onde irresponsáveis que acham que nunca serão condenados pelas mentiras que replicam, afirmam sempre repetindo das mesmas fontes, em muitos casos, que as Testemunhas de Jeová, "profetizaram" que o fim viria em 1975. Nunca devemos ser precipitados ao ver a Dama fácil em um jogo de xadrez, quando do outro lado temos um conhecedor do tabuleiro! A sede ao pote, semelhante a vontade insana de difamar e satanizar as TJ, tem levado alguns professos "cristãos" a acusarem as TJ de modo equivocado. Eu diria que quando alguém mente todo tempo a mentira dele passa a ser encarada por ele como sendo verdade irrefutável. De fato conheci um cidadão que falava comigo certo dia, estando ele sob cadeias e quase me convencia de sua inocência, somente para mais tarde ouvir a população inteira de uma cidade contar me detalhes de como ele era um estuprador cruel. Mas percebi que ele não acreditava que era tal, em vista de tanto repetir sua própria defesa fantasiosa! Assim são os embusteiros normalmente apóstatas que ignoram tudo de maravilhoso que as TJ tem feito e enfatizam e destacam o que acham que poderia nulificar a obra maravilhosa da pregação das boas novas feitas por elas, e que eles mesmos não fazem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Tradução do Novo Mundo
      A internet é um ambiente onde irresponsáveis que acham que nunca serão condenados pelas mentiras que replicam, afirmam sempre repetindo das mesmas fontes, em muitos casos, que as Testemunhas de Jeová, "profetizaram" que o fim viria em 1975"

      De fato. E é repetido pela mídia e imprenssa SECULAR em revistas populares. Tem várias falhas em dizer coisas assim

      1- TJs não creem no "Fim do Mundo" ou na destruição do planeta Terra, quando se usa tal termo é de forma relativa, se está citando "o mundo" como referência as pessoas apartadas de Deus e não ao globo terrestre, ou então é referência as palavras conforme as traduções comuns usadas na KJs ou Almeidas, como quando TJ fala no "Inferno", na "vinda" de Cristo, em "O SENHOR é meu pastor", na "crucificação". Se usa da linguagem popular da cristandade, embora os conceitos TJ sobre tais assuntos sejam bem diferentes dos conceitos do público em geral e/ou dos presentes em suas traduções clássicas. As TJ falam da "Terminação do SISTEMA DE COISAS" e da "PRESENÇA" de Cristo desde 1914 e não de que "As TJ ensinam que o mundo já acabou em 1914, que foi quando Jesus veio a Terra". As TCJ não creem na doutrina do "fim do mundo" da mesma forma que não creem na doutrina do "inferno". Quando falam em Hades, Seol, Geena e Terminação do Sistema, Parousia, Apocalipse elas tem conceitos próprios que são OPOSTOS as doutrinas comuns do mundo.

      2-Elas não se proclamam profetas, isto é não reinvidicam inspiração divina nem o Dom da Profecia como fazem por exemplo, o Papa e os Pentecostais, respectivamente. Para uma profecia sua falhar, você deve primeiro reivindicar que recebeu uma revelação profética de Deus.

      3- O que foi feito sobre 1975 foi um calculo de cronologia bíblica que apontava que em 1975 teriam se passado 6000 anos a contar de 4025 A.C. E sobre 1914 um outro apontando tal ano como sendo o cumprimento dos 7 Tempos de Daniel que se entendeu como sendo o ínicio da Parousia de Cristo. Estas coisas não são sinônimas de "Fim do Mundo" (embora claramente, com certeza sempre alguns na expectativa se precipitarão ao comparar as acontecimentos mundiais a sua volta com as predições bíblicas sobre os dias finais; as TJ como grupo mesmo naquele tempo não declaravam infalivelmente tudo o que iria acontecer nestes anos)




      "De fato conheci um cidadão que falava comigo certo dia, estando ele sob cadeias e quase me convencia de sua inocência, somente para mais tarde ouvir a população inteira de uma cidade contar me detalhes de como ele era um estuprador cruel. Mas percebi que ele não acreditava que era tal, em vista de tanto repetir sua própria defesa fantasiosa!"

      Trágico. Mas acontece de ter gente que perdeu a noção de olhar para si mesma e enxergar suas falhas.

      Excluir
  7. Ninguém sabe o dia. Não adianta tentar adivinhar o dia.

    ResponderExcluir
  8. De fato. Foi o que o próprio Jesus Cristo disse, quando estava na Terra: "Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas unicamente o Pai." (Mateus 24:36) As Testemunhas de Jeová nunca estabeleceram nenhum dia para o fim do sistema de coisas. Em vez disso, procuram manter a vigilância espiritual, usando seu tempo, recursos e energias da melhor forma possível para ajudar as pessoas a conhecer a Palavra de Deus. - Mat. 24:42.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como uma religião que sequer consegue firmar suas próprias doutrinas ensinar a outros?
      Se o que é ensinado hoje pode não ser ensinado amanhã?
      Aquilo que ensinam não se pode dizer que provem de Deus, já que esses ensinamentos podem estar errados.
      Então como podem alegar possui uma "verdade" que as outras religiões não possuem?
      Suas publicações estão cheias de referencias que apontando para o fim do mundo ou o armagedom. Não adianta fazerem malabarismo para esconder suas vergonhosas doutrinas.

      Excluir
    2. As religiões da cristandade firmaram suas doutrinas baseadas em crenças pagãs, como a Trindade, a imortalidade da alma e o tormento eterno. Por tratarem tais doutrinas como dogmas irremovíveis, tais religiões continuam a defender o indefensável. Isto sim constitui ‘doutrinas vergonhosas’, sendo também vergonhoso o fato de, mesmo sabendo estar errados, não removerem tais doutrinas pelo medo da mudança – por não ‘conseguirem firmar suas próprias doutrinas’, por ‘o que é ensinado hoje poder não ser ensinado amanhã’!

      Ao contrário deste lastimável comportamento, as Testemunhas de Jeová entendem que a Bíblia é inspirada, mas que o entendimento dela está sujeito a pesquisa progressiva, e segue o processo de qualquer pesquisa científica, que envolve erros e correções, até se entender plenamente um tema específico.

      Veja os artigos:

      A CIÊNCIA BÍBLICA – COMO DEVEMOS ENCARÁ-LA?
      UMA “NOVA LUZ” APAGA UMA “LUZ ANTERIOR”?
      COMO LIDAR COM DÚVIDAS E DESAPONTAMENTOS

      Quanto à pergunta: “Como podem alegar possuir uma ‘verdade’ que as outras religiões não possuem?”, ela pode ser respondida por se apontar para as verdades bíblicas cristalinas que as Testemunhas de Jeová descobriram e restauraram, tais como a santidade e a importância do nome de Deus, a identidade de Deus e de Jesus Cristo, o propósito de Deus para com a Terra e a verdadeira condição dos mortos, para se mencionar apenas algumas.

      As referências ao fim do sistema de coisas são um esforço sincero de entender as profecias bíblicas, mas sem marcar datas para o fim do sistema.

      Assim, longe de fazer malabarismos (o que é feito em larga escala pela cristandade para tentar provar suas crenças antibíblicas) as Testemunhas de Jeová esforçam-se a ensinar o verdadeiro ensino bíblico.


      Excluir
  9. Muito bom o comentário do ( ou da ) "SAGA".É isso mesmo!Como pode ser uma falsa profecia se não afirmam ter "revelações" diretas de Deus? Um texto muito citado por esses críticos é o de Deuteronômio 18:20-22. No entanto essas pessoas não entendem que a situação dos cristãos em nossos dias é bastante diferente dos Judeus quando foram proferidas essas palavras.Naquele tempo Jeová falava "DIRETAMENTE" com seu povo,o entendimento de uma profecia não dependia de um estudo cabal do assunto para se entender os aspectos envolvendo ela,simplesmente Jeová declarava a eles a profecia.Portanto é evidente que qualquer profeta que declarasse alguma coisa que não si cumprisse era "falso".Mas segundo a bíblia o nosso entendimento atual da palavra de Deus se dar pelo uso de nossas faculdade de raciocínio e ninguém tem essa faculdade perfeita.Por isso se diz que o " ENTENDIMENTO" da bíblia é como a luz que vai brilhando cada vez mais.

    ResponderExcluir
  10. Respostas
    1. Agradeço a você e a todos os demais que apoiam este blog, por ler os artigos e também por divulgar o blog a outros, para que estes também possam se beneficiar do mesmo. O objetivo deste blog é dar honra e louvor a Jeová Deus e a Jesus Cristo por divulgar as verdades bíblicas, bem como ajudar os que sinceramente buscam tais verdades.

      Excluir
    2. Os Apóstolos de Jesus tambem imaginavam que o reino viria no primeiro seculo, isso pode ser visto em Lucas 19:11, antes de Jesus morrer . Mas Jesus bondosamente lhes contou uma parabola e mesmo assim eles ainda nao sabiam quando viria o reino . Leia Atos 1:6 novamente ,mas dessa vez apos ser ressurreiçao , os Apostolos perguntam se Jesus estabeleceria o reino a israel, e ele mais uma vez lhes explica que nao cabe ao homen obter conhecimento de tempos ou de epocas . Portanto aprendemos que é compreensivel que nos ultimos dias os seguidores de Jesus se preocupem comas coisas que vao acontcer . Sempre baseados no que a Biblia diz .

      Excluir
  11. [Comentário referente a certo site que faz citações fora do contexto da brochura “Trindade”, publicada pelas Testemunhas de Jeová]
    Note a hpocrisia em se dizer que as -autenticas- citações da brochura estão erradas ao mesmo tempo em que os oponentes da obra de Jeová usam e abusam do QUOT MINING, distorção e descontextualização de palavras na literatura da Watchtower.
    Quando a brochura da Trindade cita a admissão de certo teólogo sobre a Trindade ela não o faz com a intenção de dizer que o autor das palavras não crê na trindade. Também separar palavras ou usar de reticências é uma prática válida que todos fazem (inclusive tais críticos). Quando fazemos uso de Enciclopédias como a Catolica, é obvio que os autores são eles mesmos trinitaristas e a intenção não é nem nunca foi negar isso. E o que os citados pensam sobre outros assuntos além do tratado não interessa à questão tratada ...

    ResponderExcluir
  12. onde posso ler publicações mais antigas? o próprio corpo governante nos instrui a ler mais não acho em nenhum site que tenha elas online. esses apóstatas e opositores (satans) vivem citando publicações antigas mas nunca disponibilizam elas para o público poder ler e entender o contexto. se alguém conhece algum blog ou site que tenha elas online por favor me indique?
    Apologista da Verdade parabéns pelo artigo ficou 1000, obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tente entrar em contato com a sede das Testemunhas de Jeová para ter esta informação

      Excluir
    2. Na verdade, as publicações mais antigas estão no cd-rom... quanto ao apóstatas, não prestem atenção a suas mentiras, pois eu msm decidir avaliar algumas coisas e cheguei a msm conclusão q deveria ter... As TJs tem a Verdade...
      Encontrei uma calúnia em contra a revista A Sentinela 1º de Janeiro de 1989 - Página 19, dizendo q lá havia uma profecia para o fim do sec xx, e na imagem havia um texto referente ao artigo, mas qdo eu li o artigo verdadeiro, vi q a maioria das palavras nem eram citadas, e mais uma vez vi uma calúnia na internet !!!

      Excluir
  13. Ainda sobre a questão das datas, eu comentei sobre 1914 (Fim dos 7 tempos, os tempos dos gentios) e sobre 1975 (6000 anos de história humana), agora sobre 1925, o que noto é que se entendia que seria um ano significativo dentro da cronologia bíblica, mas não me parece que os irmãos tinham certeza do que de fato aconteceria, não se fala que "o fim do mundo" viria aí, se fala?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, Saga. O ano de 1925 não estava ligado a nenhum 'fim do mundo'.

      Excluir
  14. Parabens pelas explicações,de fato são veridicas em momento algum foi anuciada o fim do sistema de coisas, parabens.

    ResponderExcluir
  15. O Livro Proclamadores afirma que foram feitas declaracoes categoricas por parte da STV que o armagedom realmente viria em 1975. Pag 104.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A revista “A Sentinela” de 15 de setembro de 1980, p. 17, parágrafo 5, citada no livro “Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus”, p. 104, admitiu que algumas declarações “davam a entender que tal cumprimento da esperança até aquele ano era mais uma probabilidade do que mera possibilidade”. Esboçar uma “probabilidade” é algo bem diferente de AFIRMAR que algo vai acontecer. Quando alguém diz: “É provável que hoje chova”, ele não está dizendo: “Hoje vai chover com certeza.”

      E, como a artigo acima mostrou, o último número de A Sentinela de 1974 (ano anterior), sob o tema “Sirva com a eternidade em vista”, e debaixo do subtópico “Não servimos apenas até certa data”, desincentivou ficar na expectativa de uma data para o fim do sistema.

      Portanto, as Testemunhas de Jeová não afirmaram que o fim do sistema viria em 1975.

      Excluir
    2. No congresso realizado em Baltimore, Maryland, F. W. Franz deu o discurso concludente. Ele começou por dizer: “Pouco antes de eu subir à tribuna, um jovem se aproximou de mim e disse: ‘Diga-me, que significa esse 1975?’” O irmão Franz mencionou muitas perguntas feitas sobre se a matéria no novo livro queria dizer que em 1975 o Armagedom teria terminado, e Satanás estaria amarrado. Ele disse, em síntese: ‘Pode ser. Mas não estamos dizendo isso. Todas as coisas são possíveis a Deus. Mas não estamos dizendo isso. E que ninguém seja específico ao falar sobre o que irá acontecer a partir de agora até 1975. Mas, prezados irmãos, a grande questão é: o tempo é curto. O tempo está-se esgotando, não resta dúvida sobre isso.’ Proclamadores do Reino p. 104
      Note que o q o irmão falou foi um "pode ser", não um "com certeza", além disso o fim desse parágrafo deixa claro que o irmão nn menciona uma data para o armagedom !!!

      Excluir
  16. Da criação de Adão até Eva realmente foi um tempo possivelmente longo afinal ele teve que dar nomes aos animais , dai ele percebeu que estava sem companhia com certeza isso não ocorreu no mesmo dia

    ResponderExcluir
  17. Queria so agradecer o irmão pelas essa excelentes matérias, foi oq me ajudou quando era estudante pois havia me afundado em apostasia e logo meu instrutor virou apostata e tentou me tira da verdade, mas o seu blog e do queruvim me ajudou bastante, quanto mais aprendia mas tinha certeza que essa e a organização verdadeira, a verdde me libertou de tnta coisa que vc nem imagina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É um prazer imenso poder ler algo assim! Isso só me incentiva a continuar esta obra pela internet.

      Grande abraço e fique com Jeová!

      Excluir
  18. A maior prova de que era realmente afirmado e pregado em todo o mundo que o final do mundo seria em 1975 foi a constatação estatística da diminuição gigantesca do número de membros ativos das Test. de Jeová, após 1975. As próprias publicacões da Torre de vigia comprovam o enfraquecimento da organização em termos numéricos. A maioria dos membros ficou muito decepcionada com o fracasso da profecia de 1975 e se desligaram da religião. Isso, sem falar em muita gente que perdeu emprego, parentes, carreiras profissionais, propriedades e outros bens , por crerem na mal faldada profecia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas afirmações não são prova de que as Testemunhas de Jeová afirmaram OFICIALMENTE o fim nessa data. Apenas dizem respeito à EXPECTATIVA DE MEMBROS da organização. O que prova que alguma organização afirmou algo são declarações em suas PUBLICAÇÕES OFICIAIS. E, quanto à data de 1975 ser o fim do mundo, não há nenhuma declaração assim.

      Excluir
  19. Apologista, que o Sr Jeová e Jesus continue a derramar espírito santo em abundância sobre você. Que nunca deixe de defender a verdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim seja, Edson! Muito obrigado pelas cordiais palavras de incentivo!

      Excluir
  20. Não é bem assim...afinal o CG afirma ser o canal de Jeová Deus. Gostaria que refletisses esse aspecto ao publicar o que achas..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As Testemunhas não afirmam ser inspiradas, como era o caso dos que escreveram a Bíblia. (2 Timóteo 3:16, 17; 2 Pedro 1:20, 21) Mesmo profetas que recebiam mensagens divinas podiam às vezes dar sua opinião pessoal equivocada. (Veja 2 Samuel 7:1-5, 12, 13) O estudo e o entendimento da Palavra de Deus é progressivo. (Daniel 12:9, 10) E esse processo, naturalmente, incide em equívocos e correções. Veja o artigo “A ciência bíblica – como devemos encará-la?”

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *