Image Map











sexta-feira, 13 de julho de 2012

A “manifestação” de Cristo indica um retorno visível?

Fonte da ilustração: 
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/2013888


τηρῆσαί σε τὴν ἐντολὴν  ἄσπιλον ἀνεπίλημπτον μέχρι
    τῆς ἐπιφανείας τοῦ κυρίου ἡμῶν Ἰησοῦ Χριστοῦ

“Para que observes o mandamento dum modo imaculado e irrepreensível, até a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo.” – 1 Timóteo 6:14.



A “manifestação” (ἐπιφάνεια [epifáneia], aportuguesada como epifania) de Cristo é mencionada seis vezes na Bíblia: em 2 Tessalonicenses 2:8; 1 Timóteo 6:14; 2 Timóteo 1:10; 4:1, 8; e Tito 2:13.[1] 

A palavra  ἐπιφάνεια (epifáneia) significa uma “exposição, ou evidência discernível, demonstração de autoridade ou poder”.[2] Alguns exegetas bíblicos a usam para promover o conceito de que a segunda vinda de Cristo será visível. Mas, o que um exame honesto e imparcial do uso bíblico dessa palavra e de seus termos cognatos revela sobre esse aspecto da natureza da volta de Cristo?

Epifania está relacionada com o verbo έπιφαίνω (epifaíno), que significa “alumiar”, “aparecer”, “manifestar(-se)”, “mostrar-se”. (Taylor, G.D.[3]) Esse verbo ocorre quatro vezes, duas das quais no sentido literário de algo tornar-se discernível, e não visível aos olhos literais. Observe abaixo esses dois exemplos.

Tito 2:11: “Porque se manifestou a benignidade imerecida de Deus.” (Ἐπεφάνη γὰρ ἡ χάρις τοῦ θεοῦ.)

Tito 3:4: “No entanto, quando se manifestou a benignidade e o amor ao homem da parte de nosso Salvador, Deus.” (ὅτε  δὲ  ἡ  χρηστότης  καὶ  ἡ  φιλανθρωπία  ἐπεφάνη  τοῦ    σωτῆρος   ἡμῶν θεοῦ.)

“Benignidade imerecida” e “amor” são coisas abstratas, discerníveis à mente e não visíveis aos olhos. Mesmo que alguém argumente que tais termos representam a pessoa de Cristo, o ponto é que o verbo se refere à manifestação de termos gramaticalmente abstratos. Assim, o sentido textual do verbo epifaíno nessas passagens é de ‘expor à mente de’, ‘tornar discernível’.[4]

Um adjetivo relacionado com epifáneia é epifanés (επιφανής), que significa “esplêndido”, “glorioso”, “ilustre”,  usado em Atos 2:20 com referência ao “dia de Jeová”. A palavra “dia” também é abstrata, indicando um período de tempo. De modo que o adjetivo epifanés expressa uma ‘glória’ ou ‘brilho’ também discernível, e não visível.

O verbo epifaíno é derivado de φαίνω (faíno), que significa “brilhar”, “iluminar”, “aparecer”, “ser ou tornar-se visível”, “ser revelado”, “ser reconhecido”. (G.D.) Como essa definição mostrou, esse verbo também possui um sentido figurado de tornar-se discernível à mente. Observe isso nos exemplos abaixo:

Romanos 7:13: “Acaso o bom se tornou morte para mim? Que isso nunca aconteça! Mas o pecado sim, para que se mostrasse [φανῇ (fanêi); “pudesse aparecer”] como pecado.” O pecado só pode se manifestar como tal à mente, e não aos olhos.

Marcos 14:64: “Ouvistes a blasfêmia. O que vos é evidente [φαίνεται (faínetai)]?”

1 Pedro 4:18: “E, se o justo está sendo salvo com dificuldade, onde  aparecerá [φανεῖται (faneîtai)] o ímpio e o pecador?” Embora um ser humano seja visível aos olhos, a qualificação dele como ímpio e pecador é algo determinado pela mente, portanto, discernível.

Mateus 6:16: “Quando jejuardes, parai de ficar com o rosto triste, como os hipócritas, pois desfiguram os seus rostos para que pareça [φανῶσιν (fanõsin)] aos homens que estão jejuando.” Um rosto desfigurado é visível aos olhos. Mas que isso seja resultado de um jejum tem de ser deduzido pela mente.

Mateus 23:27: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque vos assemelhais a sepulcros caiados, que por fora, deveras, parecem [φαίνονται (faínontai)] belos, mas que por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda sorte de impureza.” A beleza dum sepulcro é algo determinado pela mente; os olhos meramente veem os objetos que o adornam.

Lucas 24:11: “No entanto, estas declarações  pareciam-lhes [ἐφάνησαν (efánesan)] tolice e não acreditavam nas mulheres.” “Declarações” são algo abstrato, cuja qualificação como “tolice” (λῆρος [lêros]) ou “sabedoria” (σοφία [sofía]) é feita pela mente.

2 Coríntios 13:7: “Agora, oramos a Deus para que não façais nada de errado, não para que nós mesmos pareçamos [φανῶμεν (fanômen)] aprovados, mas para que façais o que é excelente, embora nós mesmos pareçamos reprovados.” A aprovação é algo que só pode ser manifestada à mente.

O adjetivo aparentado φανερός (fanerós) significa “manifesto”, “evidente”, “claro”, “conhecido” (Taylor), ‘visível, fácil de ser visto’ (G.D.), e é usado também tanto em sentido literal como figurado. Seguem abaixo exemplos de seu uso figurado.

Marcos 6:14: “Ora, isso chegou aos ouvidos do Rei Herodes, pois o nome de Jesus tornara-se público [φανερὸν (faneròn)].” Um “nome” – algo abstrato – só pode ser manifestado à mente.

Atos 4:16 fala a respeito dos membros do Sinédrio, que estavam “dizendo: ‘Que havemos de fazer com estes homens? Porque, de fato, tem ocorrido um sinal notável por intermédio deles, manifesto [φανερόν (fanerón)] a todos os habitantes de Jerusalém; e não o podemos negar.’” Não foram todos os habitantes de Jerusalém que presenciaram (viram) a cura do coxo de nascença. (Atos 3:1-8) Atos 3:9 declara que “todo o povo avistava-o [ εἶδεν (eíden); “via-o”] andando e louvando a Deus”. Note que não se diz que “todo o povo” viu-o ser curado, mas sim “andando e louvando a Deus”. E com isso discerniram que ele havia sido curado. Além disso, a palavra grega para “sinal” em Atos 4:16 é  σημεῖον (semeíon), que significa um “sinal” abstrato, simbólico, no sentido de “indicação” de um acontecimento. Verem o anterior coxo andando era uma indicação de que ele havia sido curado, algo que a mente deles podia discernir imediatamente.[5]  

Romanos 1:19: “Porque aquilo que se pode saber [τὸ γνωστὸν (tò gnostòn); “a coisa conhecida”] sobre Deus é  manifesto [ φανερόν (fanerón)] entre eles.” O conhecimento só pode ser manifestado à mente.

1 Coríntios 3:13: “A obra de cada um se tornará manifesta [φανερὸν (faneròn)], pois o dia a porá à mostra, porque será revelada por meio de fogo; e o próprio fogo mostrará que sorte de obra é a de cada um.” A construção espiritual dum discípulo, quanto a se foi bem feita ou não, só pode ser manifestada à mente e discernida por ela.

Gálatas 5:19: “Ora, as obras da carne são manifestas [φανερὰ (fanerà)], as quais são fornicação, impureza, conduta desenfreada.” A determinação quanto a se um ato é “fornicação”, “impureza” ou “conduta desenfreada” tem de ser feita pela mente.

1 João 3:10: “Os filhos de Deus e os filhos do Diabo evidenciam-se [φανερά (fanerá)] pelo seguinte fato: Todo aquele que não está praticando a justiça não se origina de Deus, nem aquele que não ama seu irmão.” Tal ‘manifestação’ só pode ser discernível à mente.

1 Timóteo 4:15: “Pondera estas coisas; absorve-te nelas, para que o teu progresso seja manifesto  [φανερὰ (fanerà)] a todos.” O “progresso” de alguém só pode ser determinado pela mente.

Marcos 4:22: “Pois não há nada escondido, exceto com o fim de ser exposto [φανερωθῇ (fanerothê), do verbo φανερόω (faneróo)]; nada tem ficado cuidadosamente oculto, a não ser com o fim de vir à tona [φανερόν (fanerón), do adjetivo φανερός (fanerós)].” Cristo estava falando do entendimento de suas ilustrações. – Versículos 13, 24.

O verbo relacionado faneróo significa “revelar”, “mostrar”, “fazer conhecido” (G.D.), também “manifestar”, “tornar manifesto ou patente”, “fazer sentir”, “descobrir’. (Taylor) Observe outros exemplos abaixo do uso figurado desse verbo.

João 17:6: “Tenho feito manifesto  [Ἐφανέρωσά (efanérosá)]; o teu nome  aos homens que me deste do mundo.”

Romanos 1:19: “Porque aquilo que se pode saber [τὸ γνωστὸν (tò gnostòn); “a coisa conhecida”] sobre Deus é manifesto entre eles, porque Deus lho manifestou [ἐφανέρωσεν (efanérosen)].”

Romanos 3:21: “Mas agora, à parte da lei, foi manifestada [πεφανέρωται (pefanérotai)] a    justiça de Deus, conforme lhe dão testemunho a Lei e os Profetas.”

1 Coríntios 4:5: “Por isso, não julgueis nada antes do tempo devido, até que venha o Senhor, que tanto trará da escuridão para a luz as coisas secretas, como tornará manifestos [φανερώσει  (fanerósei)] os conselhos dos corações, e então cada um terá o seu louvor da parte de Deus.”

2 Coríntios 2:14: “Graças, porém, a Deus, que sempre nos conduz numa procissão triunfal, em companhia do Cristo, e que faz que o cheiro do conhecimento dele seja perceptível  [φανεροῦντι (faneroûnti)“manifestando”] em toda a parte por nosso intermédio!”

Colossenses 1:26: “O segredo sagrado que estava escondido dos passados sistemas de coisas e das gerações passadas. Mas agora tem sido manifesto  [ἐφανερώθη (efaneróthe)] aos seus santos.”

Tito 1:3: “Ao passo que, nos seus próprios tempos devidos, tornou manifesta [ἐφανέρωσεν  (efanérosen)] a sua palavra na pregação de que fui incumbido, sob o mandado de nosso Salvador, Deus.”

Apocalipse 15:4: “Quem realmente não te temerá, Jeová, e glorificará o teu nome, porque só tu és leal? Pois virão todas as nações e adorarão perante ti, porque os teus justos decretos foram  manifestos  [ἐφανερώθησαν (efaneróthesan)].”

Além disso, um substantivo que é sinônimo de ἐπιφάνεια (epifáneia) é φανέρωσις (fanérosis), empregado em 2 Coríntios 4:2, que reza: “Mas temos renunciado às coisas dissimuladas, que são vergonhosas, não andando com astúcia, nem adulterando a palavra de Deus, mas, por tornar manifesta [φανερώσειfanerósei]  a verdade, recomendando-nos a toda consciência humana à vista de Deus.” A expressão “por tornar manifesta a verdade” literalmente é “pela manifestação da verdade” (τῇ φανερώσει τῆς ἀληθείας[têi fanerósei tês aletheías]). – Int.[6]

De faíno e faínomai (médio/passivo) se origina a palavra “fenômeno”, que é definida como “tudo o que é percebido pelos sentidos ou pela consciência”. (Aurélio; grifo acrescentado.) O que é percebido pela consciência é algo discernível pela mente.

Cristo já teve sua manifestação visível quando veio como humano na Terra. A Bíblia declara a respeito dessa manifestação: “Mas agora ele se manifestou [πεφανέρωται (pefanérotai)] uma vez para sempre [ἅπαξ (hápax)], na terminação dos sistemas de coisas, para remover o pecado por intermédio do sacrifício de si mesmo.” (He 9:26) Ou seja, ele nunca mais terá uma manifestação visível, visto que hoje Jesus não é mais humano, mas uma poderosa pessoa espiritual no céu, invisível aos olhos humanos. Sobre isso, 1 Pedro 3:18 declara: “Pois também Cristo morreu, uma única vez, pelos pecados, o justo pelos injustos, para conduzir-vos a Deus; morto, sim, na carne, mas vivificado no espírito.” – Almeida Atualizada.





A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



Notas:

[1] 2 Timóteo 1:10 diz respeito à “manifestação” de Cristo “em carne”. (1 Timóteo 3:16) Por outro lado, 2 Tessalonicenses 2:8, 1 Timóteo 6:14 e 2 Timóteo 4:1 falam de sua futura “manifestação” “em espírito” – como poderosa pessoa espiritual. (1 Timóteo 3:16) 2 Timóteo 4:8 aparentemente também alude à futura “manifestação” de Cristo. Tito 2:13 mostra que esta última “manifestação” será uma manifestação conjunta com seu Pai celestial.

[2] Obra Estudo Perspicaz das Escrituras (Vol. 2, p. 752), publicada pelas Testemunhas de Jeová.

[3] Léxico do Novo Testamento Grego/Português, de F. Wilbur Gingrich, revisado por Frederick W. Danker, (1993), Edições Vida Nova, São Paulo, Brasil.

[4] Não se deve confundir semântica com literariedade. O primeiro termo refere-se ao significado representativo, ou simbólico, encerrado numa palavra, ao passo que o segundo diz respeito ao uso textual da palavra.

[5] Para um estudo mais detalhado sobre a palavra semeíon, veja o artigo “Sinal dos pregos” no corpo de Jesus – o que indica?

[6] Tradução Interlinear do Reino das Escrituras Gregas (em inglês), edição de 1985, publicada pelas Testemunhas de Jeová.


42 comentários:

  1. Prezado Apologista:

    Ironicamente, eu conheci o seu blog através do blog de um opositor seu. Esse opositor, além de usar palavras vulgares e termos baixos, realmente não consegue refutar os seus argumentos. Tudo o que ele escreve é um blábláblá sem nexo e muito ofensivo. Notei também que ele nem de grego sabe, pois ele escreve errado certas palavras gregas. Por exemplo, “patér” (pai) ele acentua errado, como “páter”; “huiós” (filho) ele escreve errado, como "hiós", ‘engolindo’ o ípsilon. Trata-se de um charlatão metido a sabedor de grego e da Bíblia. Mas, gostei muito dos seus artigos, apologista, pois você, além de usar de argumentos lógicos, defende com respeito os seus conceitos. Muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, é lamentável que pessoas adotem essa postura anticristã que você descreveu. Contudo, como você mesmo pôde comprovar, isso só depõe contra elas mesmas. Pois pessoas sinceras e amantes da verdade e da justiça como você veem claramente de que lado estão o bom senso, o amor e a verdade. Isso sublinha a importância de sempre nos expressarmos dum modo digno de Cristo. Isso resultará no que diz 1 Pedro 2:15: “Pois a vontade de Deus é que, por fazerdes o bem, possais açaimar [silenciar] a conversa ignorante dos homens desarrazoados.”
      Muito obrigado pelo elogio. Minha determinação é continuar a fazer jus aos encômios dos leitores sinceros e apreciativos.

      Excluir
  2. Rubens Galli Dantas14 de julho de 2012 16:40

    Olá Apologista da Verdade, que excelente texto. Sou seguidor do Igreja Adventista do Sétimo Dia e gostei demais da matéria. Esclarecedora, repleta de textos bíblicos. Já marquei este site no meus favoritos. Demais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Rubens, pelas expressões de apreço. O objetivo de meus artigos é disponibilizar material bíblico de pesquisa sobre temas diversos para todos os interessados nas Escrituras, independente da religião que a pessoa esteja seguindo. Assim sendo, você está cordialmente convidado a ler os artigos, a postar comentários e a fazer perguntas. Também, se desejar, divulgue o blog a outros, para que mais pessoas possam se beneficiar dos artigos bíblicos. Um grande abraço!

      Excluir
  3. Reginaldo Gonçalves14 de julho de 2012 16:43

    Moro aqui em Rincão,SP, num distrito do Taquaral. Gostaria muito que vocês fizessem pessoalmente um estudo conosco aqui sobre esses temas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Reginaldo. Para mim seria um imenso prazer aceitar o seu gentil convite. Contudo, como no momento isso não me é possível, pretendo continuar postando matéria bíblica no blog, acessível a todos. Mas, vocês podem enviar perguntas, sugestões e comentários. Assim, poderemos fazer um estudo à distância. Poderão também me contatar pelo e-mail indicado nesta página, ou pelo msn oapologistadaverdade@hotmail.com
      Um grande abraço!

      Excluir
  4. Nossa Senhora Aparecida! (É apenas um susto esta expressão) Quando eu vi esse texto, babei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Adhemar, pelo elogio. Fico muito contente de saber que os artigos bíblicos que posto neste blog estão satisfazendo o interesse e a necessidade espiritual de pessoas apreciativas como você. Convido-o a ler mais artigos, e a postar comentários, perguntas ou sugestões. Grande abraço!

      Excluir
  5. Não teve como eu não ver o tal do F. G. [nome preservado] "tentando" refutar a tua matéria sobre a personificação do espírito santo, meu prezado. Que cara enganador! Não refutou nada! A única coisa que ele diz que pode enganar alguém desinformado é que o termo “santo” indica que ele tem que ser uma pessoa, pois tal termo é usado para pessoas. Mas até onde eu sei o sábado é chamado de "dia santo" e nem por isso é uma pessoa, faz sentido? um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está certo, prezado amigo. O termo “hágios” (“santo”), que faz parte da composição da expressão pneúma hágios (espírito santo), também é usado no “Novo Testamento” para coisas impessoais. Por exemplo, lemos em 1 Coríntios 3:17: “O templo de Deus é santo.” Jesus disse: ““Não deis aos cães o que é santo”, evidentemente se referindo a dar algo impessoal.(Mat. 7:6) Nesta mesma linha de evidência, encontramos hágios no plural em Hebreus 9:25, com referência ao compartimento do templo em que o sumo sacerdote israelita entrava no dia da expiação.

      Excluir
    2. " F. G. ... "tentando" refutar a tua matéria sobre a personificação do espírito santo...Não refutou nada! A única coisa que ele diz ... é que o termo “santo” indica que ele tem que ser uma pessoa, pois tal termo é usado para pessoas..." ELE DISSE MESMO ISSO? Onde? Ou melhor, podes quotar diretamente o que ele disse palavra por palavra? Alias nao precisa, só confirmem o que ele disse na matéria que tá de boa.

      Excluir
    3. Pior é quem diz; que apenas Deus é Santo, então se Jesus é chamado de Santo [O Santo de Deus], então ele é Deus.

      Excluir
  6. Também aprecio suas pesquisas. Mas,certas páginas de "eruditos" que tem por aí chegam a ser hilárias. Uma análise dos diferentes tipos de linguagem mostra a multiplicidade de recursos que o homem usa para "replicar". Se em certas formas de linguagem procura a exatidão e evita a ambiguidade(como na linguagem formalizada da lógica)noutras apela para elementos que lhe permitem maior flexibilidade ou maior poder sugestivo. Estabelece relações, compara e aproxima realidades distintas,mostrando que uma é como se fosse a outra e com raras expressões bíblicas,assim,"ser" é tanto o homem como a pedra,"Deus" é tanto um quanto o outro da mesma substância sendo um. Trata-se de um conceito de pensamento puramente especulativo já que essencialmente é diverso,satisfaz somente a si mesmo e sua doidice de réplica,nada mais. Desse modo,o sujeito que se depara com alguém de sua própria igreja que não concorda com a trindade e com eruditos que também desclassificam esse ensino torto(já li pastores batistas ensinando contra a trindade e muito mais),diz que eles são "joio",sendo que aquele fala o mesmo dele.Isso tem um nome: "ANARQUIA"! na linguagem popular expressa desordem,caos etc..a palavra deriva do grego e significa algo como "ausência de autoridade,govêrno,ou coersão",mas não necessariamente desorganização.É por isso que existem as "convenções" organizadas e ao mesmo tempo o caos interpretativo.É muitíssimo fácil replicar tais seminaristas desorientados à base da bíblia mas eu é que não vou devotar meu tempo precioso a não ser quando quero dar boas risadas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Mas,certas páginas de "eruditos" que tem por aí chegam a ser hilárias."

      O livro do pastor Jole Santa é um barato!!

      Excluir
    2. De fato, nosso tempo é precioso. Devemos usá-lo para fazer pesquisas sérias, bem motivadas e contextualizadas com a inteira Palavra de Deus, visando ajudar as pessoas sinceras e que amam a verdade.

      Excluir
  7. Prezado apologista,apenas mais uma coisa:Alguns confundem o estabelecimento do reino com a 1° guerra mundial que começou em julho de 1914 querendo confundir dizendo que as datas não batem de julho para outubro. Este conceito já é repetido na net há algum tempo e não tem nada de novo, ao passo que "NÓS" somos taxados por "ele"(o teólogo sabichão)de seguir o corpo governante ele me sai com essa(é ou não é pra rir muito?). A 1° guerra é apenas um marco divisório não necessariamente um evento que tenha que bater com o outro,um acontecimento que marcou outro.Veja no caso dos judeus,em 2 reis e Jeremias diz que no 4° mês(julho)os babilônios abriram uma brecha na muralha de Jerusalem e entraram.No 5° mês(agosto) os babilônios incendiaram o templo e a cidade,levaram cativos mas deixaram alguns para cultivarem o solo.Mas,foi somente no 7° mês(outubro)que a terra ficou totalmente desabitada,quando estes fugiram para o Egito. De forma que quando nós nos referimos à destruição de Jerusalém como um marco divisório queremos nos referir ao último acontecimento como a data em que se inicia os sete tempos.É por isso que 70 anos depois,exatamente no 7° mês(outubro)o povo exilado voltou a oferecer sacrifícios em Jerusalém(Esdras 3),uma sequência de acontecimentos conduziu a outro.Não estou a replicar o papagaio de internet mas apenas querendo esclarecer um assunto importante.Um abraço,irmão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, meu irmão, pelo comentário. Com efeito, a revista A Sentinela de 15 de janeiro de 1973 (p. 63), em “Perguntas dos Leitores”, trouxe à tona o assunto, na pergunta: Por que não coincidiu o começo da Primeira Guerra Mundial com a primeira parte de outubro, quando terminaram Os “tempos designados das nações”? Seguem abaixo os dois últimos parágrafos da resposta fornecida na revista:

      “Sendo Satanás o ‘governante do mundo’ da humanidade afastada de Deus, ele certamente não quis que o Reino assumisse o pleno controle dos assuntos da terra. (João 12:31; 14:30; 16:11) Mais de dezenove séculos antes, ele manobrou os assuntos de tal modo que, se não fosse pela intervenção divina, Herodes, o Grande, teria matado o menino Jesus. (Mat. 2:13) De modo similar, já antes do nascimento do reino celestial, Satanás aprontou-se para o ataque Junto com seus demônios. Isto é descrito simbolicamente em Revelação 12:3-5, onde lemos: ‘Viu-se outro sinal no céu, e eis um grande dragão cor de fogo, com sete cabeças e dez chifres, e nas suas cabeças sete diademas; e a sua cauda puxa um terço das estrelas do céu, e as lançou para baixo à terra. E o dragão ficou parado diante da mulher, que estava para dar à luz, para que, quando desse à luz, pudesse devorar-lhe o filho. E ela deu à luz um filho, um varão, que há de pastorear todas as nações com vara de ferro. E o filho dela foi arrebatado para Deus e para o seu trono.’”
      “Por isso não é surpreendente que a Primeira Guerra Mundial tenha irrompido cerca de dois meses antes do fim dos Tempos dos Gentios, e, portanto, antes do nascimento do ‘filho’ simbólico ou reino celestial. Satanás, o Diabo, não precisava esperar até depois de o reino sobre as nações ter sido posto nas mãos de Jesus Cristo para manobrar as nações numa guerra em grande escala. O início daquele conflito sangrento, sem dúvida, fazia parte do Seu plano de cegar as pessoas quanto ao que aconteceu nos céus em cumprimento da profecia bíblica, e, também tanto quanto possível, para impedir que o Reino governasse sobre o mundo da humanidade.”

      Excluir
  8. Vou reproduzir as palavras do seu F.G como de fato ele disse: " A PALAVRA SANTO QUANDO É SUBSTANTIVO QUASE NOVENTA E CINCO POR CENTO ESTÁ SE REFERINDO A PESSOAS,QUANDO É ADJETIVO TAMBÉM QUASE CEM POR CENTO SE REFERE A PESSOAS.AS DUAS JUNTAS OU SEPARADAS NA BÍBLIA SÃO USADAS QUASE SEMPRE PARA SE REFERIR A SERES PESSOAIS." e complementou dizendo:" A PALAVRA ESPÍRITO É TAMBÉM QUASE CEM POR CENTO USADA PARA SE REFERIR A SERES PESSOAIS". ( Horthoméo 10 no yutube).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Nilsom:
      Bem, em primeiro lugar, é necessário ressaltar que a afirmação quanto à porcentagem acima NÃO É VERDADEIRA.
      A palavra “hágios” (“santo”), (excetuando o espírito santo, que é o foco da questão), é usada cerca de 100 vezes para pessoas e cerca de 40 vezes para coisas impessoais. Portanto, 40 por cento das ocorrências – quase a metade – refere-se a algo impessoal.
      Em hebraico, a palavra qodesh (“santo”), que é usada em relação ao espírito santo, excetuando as três referências ao espírito santo, aplica-se mais de 430 vezes a coisas impessoais e menos de 20 vezes – menos de 5 % – a pessoas.
      A palavra “espírito”, na Bíblia inteira, ocorre cerca de 800 vezes. Excetuando as referências (diretas e indiretas) ao espírito santo (cerca de 330), tal palavra é aplicada quase 400 vezes a coisas impessoais e menos de 90 vezes (c. 20%) a pessoas.
      A pessoa citada pelas iniciais precisa fazer um estudo sobre pneumatologia. É muito perigoso ficar citando porcentagens a esmo, que não correspondam à realidade. Isso pode iludir os leigos, o que é algo sério.
      Mas, mesmo que a porcentagem citada pela referida pessoa fosse verdadeira, isso não seria um argumento conclusivo. Como você bem sabe, o uso mais frequente de um termo não é determinativo para assegurar o sentido do mesmo num caso específico. Se fosse determinativo, então teríamos de concluir que “templo”, “pacto” e “lei” são pessoas, pois essas coisas foram qualificadas como sendo “hágios” (“santo”). (1 Cor. 3:17; Luc. 1:72; Rom. 7:12) Segundo certa estimativa, a palavra “Deus” aparece na Bíblia, na Edição Pastoral, num total de 4.799 vezes; e, na versão Almeida Revista e Atualizada, 4.353 vezes. Dessas ocorrências, cerca de 4.000 vezes se refere a uma Pessoa, o Deus verdadeiro, Jeová. Isso representa um percentual de 83 a 91 por cento. Mas isso não significa que TODOS os demais usos se refiram a pessoas. A palavra também foi aplicada a um pedaço de madeira e ao ventre. – Isa. 44:14-19; Fil. 3:19.
      É lamentável que certas pessoas, independente de sua motivação, usem argumentos fictícios, sem base lógica nem bíblica, fundada numa pseudociência bíblica, e espalhem essas afirmações na internet, prestando um desserviço a todos os que sinceramente buscam saber a verdade.

      Excluir
  9. Olá meu irmão.

    Em primeiro lugar, quero elogia-lo pela sua forma de escrita e de apresentação dos assuntos. Dá para perceber nitidamente que é um fervoroso estudante da bíblia como eu. Como historiador, eu também tenho conhecimento das línguas clássicas, como o grego e gosto de fazer pesquisas como as suas, apenas não as coloco na net.Os estudantes da bíblia não devem apenas aceitar um ponto bíblico porque alguém nos disse, ou ouvimos numa palestra bíblica ou ainda que lemos nalguma revista. Se desejamos aprofundar o nosso conhecimento bíblico, então temos que estudar com o objectivo de conhecer melhor os propósitos de Jeová bem como as suas orientações para aplicarmos na nossa vida.
    Continue a publicar tais pesquisas são muito interessantes e profundas. Se desejar eu poderei enviar uma das minhas para ler.
    Já agora desejava colocar uma questão. Possivelmente assim como eu usa muitas obras de referencia na sua analise. A CPAD(Brasil), CAPU(Portugal), lançou uma publicação com o nome a Bíblia de Estudo Palavras-Chave, ela tem como objectivo oferecer as mais variadas ferramentas exegéticas, léxicas e gramaticais. Você conhece ou faz uso? Pela forma como é apresentada no site da CPAD parece-me um livro de estudo interessante, e estou a pensar adquiri-lo. No entanto desejava saber a sua opinião caso tenha este exemplar.
    Sem outro assunto. Atenciosamente, o seu irmão em Cristo
    L.A (Portugal)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Luís Araújo:

      Muitíssimo obrigado pela consideração e pelos elogios. Isso me incentiva a continuar com esse trabalho de divulgação. Desejo sim receber suas pesquisas. Elas serão muito bem-vindas. Também aprecio receber sugestões.

      Com relação à obra de referência que você citou, eu não tenho informações a respeito. Contudo, se você adquiri-la e gostar dela, solicito que me envie comentários a respeito.

      Aguardo mais correspondências suas.

      Que Jeová, por meio de Cristo, possa continuar abençoando seus esforços em prol da verdadeira adoração.

      Um grande abraço!

      Excluir
  10. O [nome preservado] está certíssimo. Ele quis dizer: A nuvem guia, mas nunca é pessoa. As Escrituras dizem e ensinam, mas nunca são pessoas, etc. Mas a palavra "espírito" pode significar pessoa, e o substantivo "santo", em 89% das vezes se aplica a seres pessoais. Assim, a comparação do artigo de vocês é errônea.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os argumentos apresentados pela pessoa cujo nome foi preservado carecem de base sólida.
      Primeiro, o fato de a palavra “espírito” poder se referir a uma pessoa não significa que o “espírito santo” seja uma pessoa. Afinal, a palavra “espírito” também é aplicada a coisas impessoais.
      Segundo, o fato de na maioria dos casos o adjetivo “santo” aludir a seres pessoais também não significa que o “espírito santo” seja uma pessoa, pois o mesmo adjetivo é aplicado dezenas de vezes apenas no “Novo Testamento” a coisas impessoais.
      Terceiro, o argumento de que “a nuvem guia, mas nunca é pessoa” e “as Escrituras dizem e ensinam, mas nunca são pessoas” também pode – e deve – ser aplicado ao espírito santo, o qual guia, ensina, fala, etc., mas nunca foi e nem é uma pessoa.
      Veja neste blog os artigos “É a Trindade uma doutrina bíblica?”, “A Trindade é ensinada no ‘Novo Testamento’?”, “Personificação prova personalidade?” e “Mateus 28:19 apoia a Trindade?”

      Excluir
    2. Você está equivocado, colega. Você disse que o Espírito Santo não pode ser um ser pessoal porque os verbos que Ele pratica são praticados por outros substantivos que não são pessoais. Isso é incorreto. Você comparou "Espírito" que muitas vezes pode ser pessoa e "santo" que na grande maioria pode se referir a pessoa [e Espírito Santo então!!!!] com substantivos que jamais podem ser pessoais. Em outras palavras, embora respeitando seus pontos de vista, não darei crença a eles.

      Excluir
    3. Mas é justamente nisso que reside a força do argumento. O fato de a Bíblia atribuir ações pessoais a coisas que nunca foram pessoas mostra que o fato de ela usar as mesmas ações para o espírito santo não é prova de que ele seja uma pessoa. Portanto, a personificação do espírito santo não prova personalidade. Seria necessário algo mais para provar que ele é uma pessoa, como, por exemplo, um nome próprio pessoal, visto que a expressão “espírito santo” é um termo descritivo. No entanto, esse algo mais não existe nas Escrituras. Somado a esse fato de que o espírito santo não tem identidade pessoal, existe o fato de que o uso de pneúma (espírito) no “Novo Testamento”, excetuando seu uso para “espírito santo”, ocorre quase 90 vezes para coisas impessoais e umas 70 vezes para pessoas. No “Velho Testamento”, rúahh (espírito) ocorre quase 300 vezes para coisas impessoais e menos de 20 vezes para pessoas. Assim, diante do uso preponderante de “espírito” para seres impessoais, o espírito santo teria de ter uma identidade pessoal, assim como o Pai e o Filho têm. Mas isso não ocorre com o espírito santo. Essa esmagadora evidência revela que ele não é uma pessoa, e sim a energia, ou força, procedente de Deus.

      Excluir
    4. Você partiu do pressuposto de que o Espírito Santo é impessoal. Também, de onde você tirou que Espirito Santo é termo descritivo? Onde a Bíblia ensina isso? Como não tem identidade pessoal se tem vontade própria, sentimentos e pratica diversas ações comuns a pessoas? E usar o Velho Testamento para provar a identidade do Espírito Santo à base da palavra "Espírito" (ruahh) antes mesmo da obra do Espírito Santo ser revelada nas Escrituras no Novo Testamento é errôneo de sua parte.

      Além disso, Deus, na Bíblia, chama este ser de Espírito Santo. É assim que fomos ensinados a identificá-lo. E você não tem a menor prova para dizer que não é assim.

      Agora pense nisso: Se os montes ouvem, são as pessoas que estão nos montes que ouvem. Se a nuvem guia, é Deus que providencia a nuvem para guiar. Se o sangue testemunha, alguém entregou o sangue para servir de testemunha. Se os céus declaram a glória de Deus, os as árvores louvam a Deus, são meios que Deus criou para ele ser louvado. Se as Escrituras ensinam, é Deus que a proveu e homens quem a escreveram. Ou seja, Deus ou pessoas são representados aqui, na maioria de seus exemplos, por coisas literais, mas a expressão é simbólica.

      Já sei o que você está pensando: "Se o Espírito Santo diz, ensina, ouve, lafa, então é Deus dizendo através de sua força ativa." Não! O texto de João 16:13, 14 mostra claramente o papel de submissão (e isso não prova inferioridade em natureza, senão a mulher seria inferior ao marido em natureza também)do Espírito Santo a Jesus, que é enviado por Jesus, da parte do Pai. Esse Espírito não fala de si mesmo, mas o que tiver ouvido. O mesmo ser aqui ouve, diz, ensina, guia. Você não vê nenhum substantivo impessoal na Bíblia fazer tantas ações pessoais.

      Para terminar meu comentário, prezado amigo, acho insuportável sua explicação: "O fato de a Bíblia atribuir ações pessoais a coisas que nunca foram pessoas mostra que o fato de ela usar as mesmas ações para o espírito santo não é prova de que ele seja uma pessoa." Ora, se assim fosse, anjos seriam impessoais, e veja que muitos deles não são mencionados por nome. Eu poderia, com isso, criar uma doutrina que "anjos" com nome seriam pessoais, e os sem nome seriam impessoais.

      Convido você a repensar as interpretações que herdou do corpo governante. Eles te convenceram disso. Todavia, o Espírito Santo convence o homem do pecado. Poder e força de Deus já existiam, e eram perceptíveis para as pessoas, mas o agir da Pessoa do Espírito Santo ainda não, por isso foi prometida a sua vinda.

      Abraços.

      Excluir
    5. Vamos aos fatos:
      1) Eu não parti do pressuposto que de que o espírito santo é impessoal. A prova disso é que os artigos a respeito desse tema apresentaram imparcialmente o que a Bíblia diz sobre o assunto. Também, ao avaliar o uso das palavras “espírito” e “santo” (com exceção de minha última resposta a você), eu deixei de lado a aplicação dessas palavras ao espírito santo, visto ser ele o foco da questão.

      2) Com relação à expressão “espírito santo” ser um termo descritivo, temos o fato de que Deus, Jesus e os anjos são todos ‘espíritos santos’. Assim, para que o espírito santo seja uma pessoa em adição a todos os espíritos santos pessoais que existem, ele teria de ter uma identidade pessoal, o que não acontece.

      3) Quanto a ser atribuída vontade própria ao espírito santo, isso não passa de linguagem figurada, pois a Bíblia também fala do vento como tendo vontade própria. (João 3:8) Como já explicado vez após vez, personificação não prova personalidade.

      4) Quanto a usar o “Velho Testamento” nessa questão, isso é inteiramente correto, pois essa parte da Bíblia menciona o espírito santo em diversas atividades. – Sal. 51:11; Isa. 63:10, 11; Gên. 1:2; Êxo. 31:3; Juí. 3:10; 6:34; 11:29; 14:6, 19; 1 Sam. 10:10; 2 Sam. 23:2; Isa. 61:1; Eze. 11:5.

      5) Ademais, o grego usado na Bíblia não usa iniciais maiúsculas para o espírito santo. De fato, não faz isso nem para Deus. O contexto é que determina se na tradução deve constar inicial maiúscula ou não. E o contexto bíblico revela o espírito santo como sendo algo, não alguém. A Nova Enciclopédia Católica (em inglês) admite: “A maioria dos textos do N[ovo] T[estamento] revela o espírito de Deus como sendo algo, não alguém.” – 1967, Vol. XIII, p. 575.

      6) O motivo de a Bíblia atribuir várias ações pessoais ao espírito santo reside no fato do uso que Jeová e que Jesus fazem dele na realização do propósito divino. Quanto ao número de ações pessoais ao espírito santo em João 14-16, esse não é um bom argumento, pois mais ações pessoais são atribuídas ao amor, embora ele não seja pessoa. – 1 Cor. 13:4-7.

      7) Com relação ao Pai, ao Filho e a anjos serem pessoas, isso é evidente porque eles possuem, cada qual, um nome pessoal e têm corpos espirituais definidos. (Sal. 83:18; 1 Cor. 15:45; Dan. 12:1; Luc. 1:26; Gên. 32:29) Por outro lado, o espírito santo não tem nome pessoal e nem um corpo espiritual definido, uma vez que pode encher muitas pessoas ao mesmo tempo, pode ser derramado, parcelado, etc. Teria sentido ficar cheio de uma pessoa? Pode uma pessoa ser derramada, e cair sobre alguém? (Atos 2:4, 17; 10:44) Os seres espirituais e pessoais que se menciona como tendo “caído” são Satanás e seus demônios, sendo tal queda um evento negativo para eles. – Luc. 10:18; Rev. 12:7-9.

      8) Quanto à interpretação do espírito santo como algo impessoal procedente de Deus, não é algo proveniente do corpo governante das Testemunhas de Jeová. Essa verdade já tem sido defendida há muitos séculos. Afinal, somente em 381 depois de Cristo é que se atribuiu personalidade ao espírito santo, no Concílio de Constantinopla. O fato de os tradutores da Septuaginta (c. 200 anos antes de Cristo) terem traduzido a palavra “espírito” na expressão “espírito de Jeová” (em Isaías 40:13) por “mente”, tendo essa tradução sido citada pelo apóstolo Paulo em Romanos 11:34 e em 1 Coríntios 2:16, é um forte indicador de que tanto os judeus, como os cristãos do primeiro século, encaravam o espírito santo como algo impessoal. Assim sendo, não há o que repensar na questão da impessoalidade do espírito santo.

      Abraços.

      Excluir
    6. Publicarei em breve uma resposta mais pormenorizada sobre os usos da expressão "Espírito Santo".

      No AT não temos uma clara identificação sobre quem é o Espírito Santo. Tanto que os judeus o associavam com o poder de Deus, mas no NT, quando Jesus introduz a obra do Espírito Santo, e depois os apóstolos esclarecem-no mais ainda, então podemos ter uma teologia correta sobre Ele. Por isso, os textos do NT são os melhores para compreendermos a pessoalidade dEle.

      O que a Enciclopédia Católica (que nada tem a ver com a Igreja Católica Romana, inclusive sei de autores ateus que participaram dela) diz não me serve de autoridade. Não posso sair da Bíblia.

      Sobre as várias ações de "o amor", em 1 Cor. 13:4-7, fica evidente que se trata de personificação, porque amor nunca é ser pessoal, mas Espírito é, e muitas vezes. Novamente, comparação errônea.

      Sobre ser derramado, cair, e ficar cheio, quando se refere ao Espírito Santo, eu posso sim ficar cheio dEle, pois Ele é Espírito. Então ele me enche de seu poder. Ele cai sobre mim pois "cair" na literatura grega é usado simbolicamente para descrever uma ação repentina de alguém sobre outra pessoa. Lembro-me de um filólogo explicar-nos que a expressão "ele vive caindo em cima de mim", "ou dando em cima de mim" tem origens no grego. Sobre ser parcelado, O Espírito Santo é onipresente, e pode ser distribuído, na acepção de Ele não agir apenas numa pessoa. Isso é mera figura de linguagem, e necessariamente a figura de linguagem não anula a personalidade dos substantivos nela envolvidos. Por isso, quando Paulo fala sobre ser derramado, ele não deixa de ser pessoa.

      Sobre o Espírito Santo não ter nome, você que está dizendo isso. Ele é santo, e isso é um atributo moral. Como Espírito, diferentemente de lei e de sábado (que nunca são pessoas) pode ser pessoa, então Espírito Santo é uma pessoa. Não existe vento santo, força santa. Você também é quem diz que o Espírito Santo não tem corpo definido. É um pressuposto teu.

      Excluir
    7. Partindo de sua afirmação de que o AT não esclarece sobre o espírito santo e que, portanto, os judeus não o conheciam plenamente, ou até, como você alega, eles o entendiam de forma errada, e partindo da alegação de que Deus é uma Trindade – Pai, Filho e Espírito Santo em um só Deus, isso significaria que os judeus não conheciam a Deus (pois não conheciam uma parte de Deus). Contudo, isso entraria em conflito com o que Jesus disse sobre os judeus: “Nós [os judeus] adoramos O QUE CONHECEMOS, porque a salvação se origina dos judeus.” (João 4:22) Veja o subtítulo “Os ‘desprivilegiados’ judeus”, no link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2011/09/e-trindade-uma-doutrina-biblica_23.html
      Você não tem dificuldade de entender a personificação de coisas obviamente impessoais, mas tem dificuldade de entender a personificação do espírito santo por já ter um conceito preconcebido sobre ele.
      Você citou literatura grega, mas nenhum texto bíblico para refutar a questão de o espírito santo “cair” sobre pessoas.
      Não sou eu quem diz que o espírito santo não tem nome. A Bíblia indica claramente que seres espirituais (Deus, Jesus e os anjos) têm todos nomes, mas ela não menciona que o espírito santo tenha nome. E ele precisaria ter, para distingui-lo dos espíritos santos pessoais que existem.
      Que os seres espirituais têm corpo espiritual definido, fica claro de 1 Coríntios 15:44. Assim sendo, estão num lugar específico por vez. Para ilustrar, um anjo não pode estar ao mesmo tempo em toda parte. Daniel cap. 10 mostra isso: um anjo enviado para dar informações a Daniel foi barrado por um demônio e demorou 21 dias para chegar até Daniel. (Dan. 10:13) Mas temos provas de que o espírito santo não tem corpo definido. Atos 2:4 afirma: “E todos eles ficaram CHEIOS de espírito santo.” Havia cerca de 120 pessoas ali (Atos 1:15), e todas ficaram ao mesmo tempo cheias de espirito santo. Isso não é uma figura de linguagem, visto que descreve algo que aconteceu real e literalmente. Um anjo não pode ser dividido entre 120 pessoas ao mesmo tempo; só uma força poderia. Para exemplificar: se 120 pessoas ficassem de mãos dadas e uma delas pegasse num fio elétrico desencapado, o que aconteceria? A eletricidade iria envolver todas elas. Isso ilustra a diferença entre uma pessoa espiritual e uma força espiritual.
      Não se pode afirmar que não existe vento santo ou força santa. Tudo o que vem de Deus é santo. A força que emana dele evidentemente é santa. Apenas a Bíblia não usa tais expressões em relação a tais PALAVRAS. Por outro lado, a Bíblia mostra que o espírito santo é a força ativa de Deus, força essa que é santa.
      Juízes 14:6 declara: “O Espírito do Senhor apossou-se de Sansão, e ele, sem nada nas mãos, rasgou o leão como se fosse um cabrito.” Será que devemos entender disso que Sansão foi possuído por um ser espiritual? Os casos de possessão relatados na Bíblia estão relacionados com seres espirituais maus. É óbvio que uma força espiritual envolveu Sansão, dando-lhe condições de fazer algo que seria humanamente impossível.
      O nosso conceito sobre o espírito santo, que acreditamos ser o conceito bíblico, não desmerece em nada o espírito santo nem é uma negação das múltiplas atividades que ele realiza. Aceitamos a operação do espírito em nossa vida, incluindo o desenvolvimento dos “frutos do espírito”. (Gál. 5:22, 23) O entendimento do que realmente é o espírito santo nos ajuda a compreender como Jeová Deus e Jesus Cristo utilizam essa poderosa força para realizar o propósito divino.
      Por outro lado, respeitamos o direito que as pessoas têm de pensar de modo diferente. Abraços.

      Excluir
  11. Apologista.por favor,poste o comentário a seguir. Sei que nada tem a ver com o assunto,mas com uma falsa acusação pessoal. Aos batistas que leem esse blog é que me dirijo. Um de seus "professores" é praticante da mentira descaradamente e maldizente,portanto,deveria ser expulso de uma igreja que fosse séria. 1- disse que eu falei que não sei como sua esposa ainda está com ele.Mentira. 2-disse que eu tenho um fake no youtub com foto e tudo. Isso está longe da verdade,tenho somente um email e um orkut que não uso,por achar uma bobagem; 3-o teólogo sherlock,na sua debilidade chegou a conclusão que eu convido sua esposa para ter contato sexual comigo. Somente uma mente muito podre para inventar tamanha calúnia !! é por isso que continuarei expondo esse hipócrita entre vocês. Faço igual o padre Quevedo : Que venham a mim todos os hipócritas e falsos cristãos! Eu nada tenho a temer. Sim,falei de suas viagens missionárias e solicitações para sobreviver do evangelho,pois ele disse que usava as contribuições de vocês EXCLUSIVAMENTE para o reino. No entanto,no relatório financeiro dele fala sobre outras despesas muito pessoal e num de seus post disse que precisava de dinheiro para arrumar os dentes. Eu apenas revelei suas mentiras e hipocrisia entre os batistas e na maioria das vezes eu citei palavras de seus próprios pastores tiradas da net. Mais uma vez direi: homem hipócrita e mentiroso,que o espírito santo de Jeová te repreenda e te bata na boca. O que eu falo,sustento,não adianta fazer beicinho de quem quebrou a porcelana da mamãe.Pode falar o que quiser de mim eu continuarei expondo mentirosos com educação e com firmeza,até mesmo em benefício do povo batista.

    ResponderExcluir
  12. Prezada marcelinha,e como prova de que o nosso estimado amigo Apologista está dizendo é verdade procure na bíblia se em alguma vez o espirito santo foi visto em forma de uma pessoa,exemplo em Atos 7:56 quantos são vistos em visão? só dois embora não sabemos exatamente como Estevão viu essas "duas " pessoas pois Deus e cristo não possuem um corpo literal e sim espiritual,mas o fato é que foi observado dois apenas dois,senão o texto seria assim: "Eis que o observo o céu aberto e o filho do homem (cristo) em pé a á direita de Deus e seu espirito a sua esquerda".A maioria dos textos que bíblicos falam de Deus e cristo ( separadamente ) ou no maximo os dois juntos.( Veja com mente aberta outros estudos desse site sobre o espirito santo ) Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Prezado apologista da verdade,por favor eu sei que já vi essa explicação no seu site em alguma matéria mais não lembro qual que falava sobre o texto de colossenses 1:15.certo teólogo tem questionado a aplicação que fazemos desse texto dizendo que Davi no livro dos salmos também foi chamado de "primogênito" de Jessé embora ele fosse o filho mais novo,e que a palavra primogênito quando usada para Jesus tem o sentido diferente e se refere a proeminência.Onde acho uma explicação sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Nilsom:

      Fiz uma rápida alusão a Col. 1:15 no artigo “A Trindade é ensinada no ‘Novo Testamento’?” Mas, em consideração à sua pergunta, note o comentário abaixo:


      1) Não foi Davi o referido como “primogênito” no Salmo 89:27, visto Davi não era filho primogênito. (1 Crô. 2:13-15) O texto é uma referência profética àquele prefigurado por Davi, o celestial Filho “primogênito” do próprio Deus, a quem Ele confere um reinado mais enaltecido do que o de qualquer governante humano. (Veja Eze. 34:24, onde o Messias é mencionado como “meu servo Davi”.) – Veja a obra Estudo Perspicaz das Escrituras (vol. 3, p. 328), sob o verbete “Primogênito, primeiro nascido”.

      2) O contexto de Colossenses capítulo 1 revela o sentido de “primogênito” em Col. 1:15. O vers. 18 menciona Jesus como “o primogênito dentre os mortos”. Seria ele o mais preeminente entre os mortos? A própria continuação do texto responde: “Para se tornar aquele que é PRIMEIRO em todas as coisas.” Atos 26:23 confirma : “O Cristo ... como PRIMEIRO A SER RESSUSCITADO dentre os mortos.” (Veja também He 6:19, 20; 1Co 15:22, 23.) E Rev. 3:14 conclui o assunto chamando-o de “o princípio [início] da criação de Deus”.

      Assim, o próprio contexto não deixa dúvidas sobre o sentido do termo “primogênito” em Colossenses 1:15, que nesse texto significa o PRIMEIRO da criação. Portanto, Jesus foi criado por Jeová.

      Espero que tais comentários tenham sido de ajuda. Um abraço!

      Excluir
  14. Apologista, não entendi sua comparação de porcentagem a respeito da palavra "hágios" no Novo Testamento. 40 ocorrências são 28% de 144, e não 40 por cento. Poderia me explicar melhor isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São modos diferentes de chegar ao mesmo resultado. Em relação ao número de vezes em que hágios se refere a pessoas no “Novo Testamento”, (c. 100 vezes), temos 40% de ocorrências de hágios (quase a metade de ocorrências) para seres impessoais.
      Agora, em relação ao total de ocorrências de hágios (excetuando seu uso para o espírito santo), seu uso para pessoas chega a cerca de 72 por cento, ao passo que seu uso para seres impessoais é de cerca de 28 por cento, sendo esta última porcentagem equivalente a quase a metade de seu uso para pessoas.
      De qualquer forma, o percentual de hágios para pessoas está bem longe do que se diz ter sido afirmado por certo defensor da alegada personalidade do espírito santo.

      Excluir
  15. Nossa! Como é isso? De 100 vezes que hágios se refere a pessoas, 40% delas se referem a coisas?

    Você antes escreveu:

    A palavra “hágios” (“santo”), (excetuando o espírito santo, que é o foco da questão), é usada cerca de 100 vezes para pessoas e cerca de 40 vezes para coisas impessoais. Portanto, 40 por cento das ocorrências – quase a metade – refere-se a algo impessoal.

    Aqui está a conta certa, excluindo o termo "espírito santo". Então, meu caro, apenas 28% se referem a seres impessoais. Ou seja, 72% para seres pessoais, que não está tão longe de quase 95%.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A diferença entre 72 por cento e 95 por cento é de 23 por certo, praticamente um quarto de um todo. Em percentuais esse valor é alto. Além disso, a referida pessoa, segundo se alega, afirmou que “a palavra espírito é também quase cem por cento usada para se referir a seres pessoais”. Isso está longe de ser verdade. Pois, das 400 ocorrências de pneúma no “Novo Testamento”, apenas umas 70 se referem a pessoas. Portanto, não há como fugir do fato de que a pessoa de quem se diz que afirmou tais cifras foi INCORRETO em suas afirmações.

      Excluir
  16. Agora entendi perfeitamente! Obrigado, apologista, pelo esclarecimento. Que pena que existem enganadores usando porcentagens falsas a esmo, de modo arbitrário, sem levar em conta os fatos. Mas que bom que existem blogs como o seu, que se apegam aos fatos.

    ResponderExcluir
  17. Querido irmão,

    Os seus argumentos foram perfeitos, parabéns! "Os hebreus associavam o espírito santo com o poder de Deus"(mas é óbvio, pois tal espírito é a força ativa de Deus! E há uma íntima ligação entre força e poder, e ao mesmo tempo uma nítida diferença.) Miquéias ficou cheio de poder com o espírito de Jeová-Miq.3:8. O espírito santo é a força divina em ação, por isso é descrito em verbos algumas vezes mas em outras não. Segundo o pensamento gramatical dela eu não poderia falar "fulano tem espírito consolador", é claro que de algum modo Jeová não precisa estar presente em pessoa...afinal, somos apenas à sua imagem. A verdade é que tanto quanto o espírito santo é associado a seres pessoais como impessoais, usa-se FIGURA DE LINGUAGEM! Isso, de certa forma, se enquadra naquela regra de Sharp que se usa de modo contraditório, conforme seu belo post. Essa anarquia de entendimento na cristandade é que gera os heréticos dentre eles mesmos e é por isso que nenhum deles pode chamar o outro de herege, pois são culpados disso. São tantas teorias da trindade que eles nem se preocupam em se corrigir uns aos outros, pois, entre eles isso é classificado como entendimento diferente. Fácil, não? veja como essa senhora condenou seu uso de uma enciclopédia dizendo que só pode usar a Bíblia para em seguida recorrer ao comentário de um filólogo, de modo que o seu entendimento das escrituras é forçado a ficar oculto enquanto o dela tem que ser engolido à força. Sei não... Conheço esse tipo de linguagem e obsessão.Com essa forma de ensinar, alguém pode até usar o teorema de Pitágoras e dizer que o espírito santo é um dos catetos e que a soma de tudo é Deus, nesse caso valeria a comparação até de um pagão! (apologista, essa Marcelinha é o F.G., posso estar enganado, mas ele faz isso e já disse que faz quando quer brincar. Mas nesse caso ele quer atrair outros com sua apostasia.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece realmente ser o Próprio. Essa "Marcelina" surgiu do nada para defende-lo e fala como se fosse o Mesmo.

      Excluir
  18. irmão apologista apologista agradeço por refutar a ilustração da aliança de casamento, irmão confesso que já li muitas matérias apóstatas mais parei graças a deus, mais uma coisa que nunca consegui descobri irmão, o que fez [nome removido] sair da sociedade torre de vigia, ele não concordava mais com nossas crenças o que fez ele renunciar ao corpo governante irmão? ficaria agradecido se esclarecesse minhas dúvidas nesse sentido por favor irmão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, no caso em questão, foi trazido ao meu conhecimento que ele questionou a cronologia bíblica que estabelece 607 AEC como a destruição de Jerusalém pelos babilônios e, portanto, a data de 1914 para a entronização de Cristo no céu. Mas não disponho de informações oficiais sobre esse assunto.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *