Image Map











sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Estudo sobre Pneumatologia – Parte 4

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102013253


As Escrituras Hebraicas usam abundantemente o termo “espírito” no sentido de “vento” – de “ar em movimento”. (Jó 41:16) A expressão “viração do dia” em Gênesis 3:8 literalmente é “brisa [hebraico: ruahh, “espírito”] do dia”. (NM nota.) Devido a que, em alguns casos, o vento foi produzido milagrosamente por Jeová para cumprir seu propósito, a Bíblia fala do “do sopro do fôlego [espírito] das suas narinas”. (2 Samuel 22:16; veja também Êxodo 15:10; Jó 26:13; Salmo 18:15; Isaías 27:8.) Isso explica a expressão “vento [ruáhh] de Jeová”, não meramente indicando uma de suas criações, mas também salientando o uso direcionado que ele faz desse fenômeno natural. (Oseias 13:15; Jonas 1:4; 4:8) Pelo fato de que “o vento [“espírito”, grego: pneúma] sopra para onde quer” (João 3:8), ele é usado para representar os pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste), podendo ser traduzido por “direções” na expressão “quatro direções” (literalmente: “quatro ventos”), em 1 Crônicas 9:24. (Veja também Jeremias 49:36; Daniel 7:2; 8:8.) No mesmo sentido pode ser traduzido como “lado”, sendo em seguida indicado a direção do referido lado.  – Ezequiel 42:16-20.

Por ser empregado no sentido de “ar em movimento”, ruáhh (“espírito”) também está ligado à respiração, ou seja, ao ar expirado no proferimento das palavras. Assim, numa expressão antropomórfica, a Bíblia declara: “Pela palavra de Jeová foram feitos os próprios céus, e pelo espírito [“fôlego”, nota] de sua boca, todo o exército deles.” (Salmo 33:6) Encontramos um uso similar de “espírito” como “sopro” (agitação de ar; vento produzido com a boca) aplicado a humanos. (Isaías 25:4) Em razão de o ar ser movimentado pela respiração, e de esta última ser sustentada pela força vital (“espírito de vida”), a Bíblia usa “vento” (ruáhh) como termo paralelo de “fôlego” (ruáhh como força vital). (Ezequiel 37:9, 10) Ademais, a Bíblia fala de Jeová vir “andando sobre as asas do vento” no sentido de que ocasionalmente ele usa esse fenômeno natural como seu agente para realizar seu propósito. – Salmo 104:3.

Visto que “espírito” designa uma força invisível em atividade, sua aplicação ao vento tem suporte metafórico. Assim, ruáhh é usado para descrever a força projetada e exercida pelo vento, na expressão “sopro [ruáhh] de vendavais”. (Ezequiel 13:11) Inclusive, o famoso ditado “quem semeia vento colhe tempestade” é extraído da Bíblia. Encontra-se em Oseias 8:7, e a palavra “vento” nessa passagem é tradução de ruáhh (“espírito”).

Nas Escrituras Gregas Cristãs, pneúma (“espírito”) é traduzido “vento” em João 3:8. Outra possível ocorrência de pneúma nessa significação encontra-se em Apocalipse 18:2, que menciona “Babilônia, a Grande” como “guarida de toda exalação [pneúma] impura”. O quadro apresentado nesse texto é de um figurativo lugar desolado, onde residem animais que habitam os desertos, e o ar permanece estagnado e impuro. Apocalipse 18:2 usa a mesma linguagem de Isaías 13:21 na Septuaginta, que descreve a desolação da antiga Babilônia.  

Rúahh pneúma como vento, ar em movimento

Escrituras Hebraicas:

Gênesis 3:8; 8:1; Êxodo 10:13 (2 vezes), 19; 14:21; 15:8, 10; Números 11:31; 2 Samuel 22:16; 1 Reis 18:45; 19:11 (3 vezes); 2 Reis 3:17; 1 Crônicas 9:24; Jó 1:19; 6:26; 7:7; 8:2; 15:2; 16:3; 21:18; 26:13; 28:25; 30:15, 22; 37:21; 41:16; Salmo 1:4; 11:6; 18:15, 42; 35:5; 48:7; 55:8; 83:13; 103:16; 104:3; 107:25; 135:7; 147:18; 148:8; Provérbios 11:29; 25:14, 23; 27:16; 30:4; Eclesiastes 1:6 (2 vezes), 14, 17; 2:11, 17, 26; 4:4, 6, 16; 5:16; 6:9; 11:4; Isaías 7:2; 17:13; 25:4; 26:18; 27:8; 32:2; 41:16, 29; 57:13; 64:6; Jeremias 2:24; 4:11, 12; 5:13; 10:13; 13:24; 14:6; 18:17; 22:22; 49:32, 36 (2 vezes); 51:1, 16; 52:23; Ezequiel 1:4; 5:2, 10, 12; 12:14; 13:11, 13; 17:10, 21; 19:12; 27:26; 37:9 (4 vezes); 42:16, 17, 18, 19, 20; Daniel 2:35; 7:2; 8:8; 11:4; Oseias 4:19; 8:7; 12:1; 13:15; Amós 4:13; Jonas 1:4; 4:8; Miqueias 2:11; Habacuque 1:11; Zacarias 2:6; 5:9.
Total: 121 vezes.

Escrituras Gregas Cristãs:

João 3:8; Apocalipse 18:2.
Total: 2 vezes.

TOTAL GERAL: 123 vezes.


“Espírito” no sentido de declarações ou expressões inspiradas

Encontramos um possível uso de rúahh no sentido acima no relato de 1 Reis 22:22, 23, que descreve um anjo dizendo a Jeová que estratégia usaria para lograr o iníquo Rei Acabe, de Israel. O anjo declarou: “Sairei e certamente me tornarei um espírito enganoso [expressão inspirada] na boca de todos os seus profetas.” O profeta Micaías, que estava relatando esse acontecimento sobrenatural, prosseguiu explicando: “E agora, eis que Jeová pôs um espírito enganoso [expressão inspirada] na boca de todos estes profetas teus.” Ruáhh é traduzido como “expressão inspirada” na NM em Oseias 9:7. Também, a expressão “espírito de impureza”, em Zacarias 13:3, pode significar “a impura expressão inspirada”, conforme a nota de rodapé da referida tradução.

Em João 6:63 Jesus relaciona  suas “declarações” com “espírito”, permitindo a inferência de que tais declarações eram espirituais e inspiradas. O “dom de discernir os espíritos” (1 Coríntios 12:10, ACRF) é, na realidade, a capacidade de “discernimento de pronunciações inspiradas”. (NM) Outros usos de “espírito” (pneúma) são evidentemente nesse sentido, de “expressão” ou “pronunciação” inspirada, conforme atesta o contexto. (2 Tessalonicenses 2:2; 1 Timóteo 4:1; 1 João 4:1) Os “três espíritos imundos” (Apocalipse 16:13, ACRF) que reúnem os “reis da terra” para uma batalha contra o “Deus Todo-Poderoso” são, na verdade, “expressões inspiradas” (NM), visto que elas procedem da “boca do dragão” (Satanás), da “boca da fera” (“besta”, Al) e da “boca do falso profeta”. (Apocalipse 16:13, 14) Representam a propaganda satânica que visa manipular os “reis de toda a terra habitada” para se oporem a Jeová. Em Apocalipse 22:6, a expressão “o Deus dos espíritos dos profetas” (IBB, NVI) é melhor e corretamente traduzida por “o Deus das expressões inspiradas dos profetas”. (NM)


“Espírito” no sentido de “declaração inspirada”

Escrituras Hebraicas:

1 Reis 22:22, 23; 2 Crônicas 18:21, 22; Oseias 9:7; Zacarias 13:2.
Total: 6 vezes.

Escrituras Gregas Cristãs:

João 6:63 (2.ª vez); 1 Coríntios 12:10; 2 Tessalonicenses 2:2; 1 Timóteo 4:1 (2 vezes); 1 João 4:1, 2 (2 vezes), 3, 6 (2 vezes); Apocalipse 16:13, 14; 22:6.
Total: 14 vezes.
TOTAL GERAL: 20 vezes.


Outros usos de “espírito” nas Escrituras

O livro de Daniel usa quatro vezes a expressão “espírito dos deuses santos”, três delas usadas pelo Rei Nabucodonosor, de Babilônia, e uma vez usada pela esposa do Rei Belsazar, neto de Nabucodonosor.[1] (Daniel 4:8, 9, 18; 5:11) Uma vez que tal expressão foi usada por pagãos, torna-se difícil determinar seu significado. “Espírito” nesse caso pode referir-se a uma pessoa (ser) espiritual. Mas também pode significar a força impelente proveniente de seres espirituais.

A expressão “no espírito” pode referir-se ao arrebatamento mental em visão ou numa inspiração. (Mateus 22:43; Apocalipse 1:10; 4:2; 17:3; 21:10; compare com 2 Coríntios 12:1-4.) A expressão “Pai dos espíritos” (Hebreus 12:9, Al, IBB, NVI) soa melhor sendo traduzida por “Pai de nossa vida espiritual”. (NM) Similarmente, “espíritos dos justos aperfeiçoados” (Hebreus 12:23, Al, ALA, ACRF, IBB, NVI) fica mais compreensível na tradução “vidas espirituais dos justos que foram aperfeiçoados”. (NM) Em Judas 19, o termo “espírito” (que ocorre sem artigo) parece ter o sentido de “espiritualidade”, visto que ocorre em contraste com psykhikoí (literalmente “os de alma; físicos”, NM, nota; ou “animalescos”, NM). Nesses três casos (Hebreus 12:9, 23; Judas 19), “espírito” parece fazer alusão à condição espiritual, ou espiritualidade, dos humanos. Além disso, a Concordância de Strong alista 26 ocorrências do adjetivo pneumatikós (“espiritual”) em suas mais diversas declinações.  

O próximo e último artigo desta série considerará o termo “espírito” em sua aplicação ao espírito santo.


Nota:

[1] A evidência arqueológica parece indicar Belsazar como filho de Nabonido e neto de Nabucodonosor. (Veja a obra Estudo Perspicaz das Escrituras, vol. 1, p. 328, publicada pelas Testemunhas de Jeová.) Contudo, no relato bíblico, Nabucodonosor é mencionado como “pai” de Belsazar, e Belsazar como “filho” desse. (Daniel 5:2, 11, 18, 22) No entanto, na Bíblia o termo “pai” não significa apenas o genitor ou ascendente no primeiro grau de parentesco, mas pode englobar também os antepassados mais distantes. (Gênesis 28:10, 13; 48:15, 16; 2 Samuel 9:7, nota.) Similarmente, o termo “filho” também envolve os descendentes mais distantes. – Mateus 1:1.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





2 comentários:

  1. Desculpe por citar algo fora do assunto do artigo. (Mas não pensei em ninguém melhor para questionar sobre isso.)

    Quanto ao argumento muito usado em Jo 8:58 quanto ao "Sou" (Eimi) de que conjugado neste tempo presente indica "tempo absoluto", "existência absoluta", sem inicio ou fim (eterna)!! Seria o caso de textos como Apocalipse 17:10, 11 servirem de contrário ao dizer por ex. que um dos reis "É" (Roma é, querendo dizer que ela existe) sem com isso indicar que existia e duraria para todo sempre?

    (Em geral textos que falam "ele é", "que é", "aquele que é" "eles são", "nós somos", "vois sois" etc, são o mesmo caso de textos que usam "eu sou" [ego eimi] só mudando a pessoa [eu, tu, ele, nós, vois, eles, elas] ?. Poderíamos provar que utilizar "sou como forma de expressar a própria existência não implica em eternidade usando quais textos? )

    (Pois no caso o ponto que foi dado é que se deveria usar "eu ERA" para indicar idade limitada -pois dizem que ao usar "eu SOU" já indica idade eterna- , eu discordo de cara...assim....no caso por exemplo do Filho se ele dissesse "eu era", assim no pretérito, "era" e agora NÂO É MAIS? Concluo então que "eu era" não seria o mais apropriado. No Apocalipse ao se descrever à Deus se diz não apenas que Ele "Era", mas também que "É", se descreve o "Alfa e o Omega" como "Aquele Que É e Que Era e Que Vem". Concluindo: minha questão é sobre o uso do verbo "ser" no Novo Testamento e como desmonstrarmos a argumentação de que "ego eimi" da forma como o verbo é conjugada serve para demonstrar uma idade sempiterna; e se AP 17:10 tem serve para dar algum esclarecimento ao assunto!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tempo presente indica uma ação continuada (estar fazendo). Assim, ego eimí tem a ideia de “eu estou sendo”, no sentido de “estou existindo”. No caso em questão (João 8:58), não poderia indicar "existência absoluta", “sem inicio ou fim (eterna)”, visto que as palavras de Cristo estabelecem um referencial temporal: “Antes de Abraão vir à existência” (πρὶν ᾿Αβραὰμ γενέσθαι; prìn Abraám genésthai).
      O texto que você citou – Revelação 17:10 – mostra que o verbo eimí (ser, estar) não tem forçosamente um sentido absoluto. Falando de Roma, a potência mundial existente na época da escrita do livro de Apocalipse, o texto diz: “Um é (εἷς ἔστιν; heis estin).” Evidentemente, a existência daquela potência não seria eterna – teve um começo e teve um fim.
      Quanto à sua pergunta: “Em geral textos que falam ‘ele é’, ‘que é’, ‘aquele que é’ ‘eles são’, ‘nós somos’, ‘vois sois’ etc, são o mesmo caso de textos que usam ‘eu sou’ [ego eimi] só mudando a pessoa [eu, tu, ele, nós, vois, eles, elas]?” A resposta é Sim.
      Você perguntou sobre textos que usam eimi no sentido de existir, mas que não indicam eternidade. Um deles é o que você mesmo citou – Revelação 17:10. Outro que você poderia usar é Romanos 4:17, que descreve Deus como aquele que “chama as coisas que não são [não existem] como se fossem” (καλοῦντος τὰ μὴ ὄντα ὡς ὄντα). “Onta” (literalmente “sendo”) é particípio presente de eimi. O contexto diz respeito a Jeová “chamar Abrão de ‘Abraão’, que significa ‘Pai Duma Multidão’, enquanto ele ainda não tinha filhos”. (Obra “Estudo Perspicaz das Escrituras”, vol. 2, p. 507, publicada pelas Testemunhas de Jeová.) Embora ainda não “sendo” (onta) – ou não existindo como - “pai duma multidão”, Abraão foi chamado como “sendo” (onta) – ou como existindo como – tal. Obviamente, tal existência nesse aspecto teve um princípio.
      Por outro lado, encontramos uso de eimi no sentido de existência eterna em Hebreus 11:6, que diz a respeito de Jeová: “ele existe” (ἔστιν). Também, temos o texto de Revelação 1:8, na expressão ““Aquele que é” (ὁ ὢν; ho on). “On” (literalmente “sendo”) é particípio presente de eimi, no sendo de “Aquele que existe”. A continuação do texto diz: “E que era” (ὁ ἦν; ho én) Note que neste caso não se estabelece um referencial com relação à existência passada de Jeová Deus. Ele simplesmente “era” desde a eternidade. (Sal. 90:2) Em contraste, usa-se a mesma forma verbal em João 1;1, indicando que o Logos (que se tornou Jesus Cristo) “era” (existia) “no princípio” (Ἐν ἀρχῇ; em arkhé).
      Assim, por se ancorarem numa doutrina inexistente na Bíblia, os trinitaristas buscam argumentação sem base gramatical e sem base doutrinal. A famosa frase de Jesus em João 8:58 simplesmente significa que, antes de Abraão ter existido, Jesus – como o Logos – já existia. Pois, como diz João 1:1, 2, a Palavra (Logos) existia “no princípio” – quer dizer, ela teve um princípio, conforme mostram outros textos bíblicos.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *