Image Map











sábado, 12 de dezembro de 2015

João 5:18 e 10:33 provam a coigualdade entre Jesus Cristo e seu Pai?

                    Fonte da ilustração: http://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/jesus/ministerio-na-galileia/jesus-filho-de-deus/

João 5:18: “É por isso que os judeus procuravam ainda mais matá-lo, porque ele não somente violava o sábado, mas também chamava a Deus de seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.

João 10:33: “Os judeus lhe responderam: ‘Nós não vamos apedrejá-lo por uma boa obra, mas por blasfêmia; pois você, embora seja um homem, se faz um deus.’” 

Certo defensor dessa teoria antibíblica utilizou-se de dois textos que esposam os conceitos dos inimigos de Cristo: João 10:33 e 5:18.

O primeiro texto reza na Almeida Atualizada:

“Responderam-lhe os judeus: Não é por obra boa que te apedrejamos, e sim por causa da blasfêmia, pois, sendo tu homem, te fazes Deus a ti mesmo.”

Na ânsia de tentar concretizar prova através do texto acima, um dos defensores dessa suposta coigualdade chegou a afirmar que “os judeus esperavam que o Messias fosse o Filho de Deus (não um Filho de Deus) e sabiam que Ele teria a divindade”.

Em nenhum texto do “Velho Testamento” sobre a vinda do Messias existe qualquer base para isso. Tanto que a referida pessoa não citou nenhum texto bíblico para comprovar isso. Afinal, não é possível provar o improvável, ou defender o indefensável.

Ele critica a Tradução do Novo Mundo pela versão “um deus” nessa passagem, embora se contradiga por afirmar que “em grego não havia maiúsculos ou minúsculos”.

Afirma que, em grego, “não há este ‘um’ na frente”. Essa é uma afirmação ingênua, pois, na realidade, na língua grega não há somente “este ‘um’” como também não há nenhum outro “um” como artigo indefinido. No entanto, em português existe o artigo indefinido “um”, e os tradutores o usam quando entendem ser necessário. Por isso a própria versão Almeida usa o artigo “um” em Atos 28:6:

Assim, claro está que o uso do artigo indefinido nessas passagens não é uma questão de gramática, e sim do entendimento do tradutor ou comissão tradutora quanto ao substantivo em pauta e o uso dele no contexto.

O referido autor ainda afirmou: “Jesus afirmou unicidade com o Pai (Jo.14.8-11) mas as Testemunhas alteraram todas as vezes que se falava ‘em mim’ [por] em ‘união comigo’”.

A verdade é que o trecho de João 14:8-11 não afirma a unicidade de Jesus com seu Pai; antes, afirma a união entre eles. O contexto mostra isso:

João 14:1: “Não fiquem com o coração aflito. Exerçam fé em Deus; exerçam fé também em mim.”

Isso mostra que não existe tal unicidade entre o Pai e o Filho, visto serem pessoas distintas uma da outra.

João 14:28: “O Pai é maior do que eu [o Filho].”

Isso prova que não existe nenhuma coigualdade entre o Pai e o Filho, como apregoa a doutrina da Trindade.

Quanto à tradução de  ν μο (en emoí) como “em união comigo”, isso não é apenas perfeitamente possível, como também o mais coerente. Poderá comprovar isso no artigo João 10:30 “Eu e o Pai somos um”, no blog Tradução do Novo Mundo Defendida.

O próximo texto abordado é João 5:18:

Com relação a essa passagem, ele afirma: “Neste versículo as TJ não alteraram nada em sua tradução (não colocaram ‘igual a um deus’)”.

O motivo de se traduzir por “Deus” em maiúsculo é óbvio: a alusão é ao Pai.

Daí ele passa a discorrer para tentar fazer a falsa teoria da coigualdade sair da inércia:

“A palavra para ‘igual’ aqui, em grego, é ‘ison’, que tem o sentido de ‘igualdade em qualidade e quantidade’.”

“Eles [os judeus descrentes] corretamente interpretaram a linguagem de Jesus como uma declaração de que Ele era o Filho de Deus de um modo que o colocava em igualdade com Deus.”

Surpreendentemente, esse autor despende esforços para tentar legitimar a declaração dos judeus opositores de Cristo! Afinal, para fins doutrinais, não importa o que aqueles opositores de Cristo quiseram dar a entender. O que importa é o que Jesus Cristo quis dar a entender com suas próprias declarações.

Após tentar, de modo equivocado e incoerente, estabelecer a verdade com base nas declarações dos inimigos de Cristo, esse autor se volta para comentar a resposta de Jesus. Tal autor afirma:

“Jesus explica qualquer mal-entendido em Jo.5.19-47 para mostrar que Ele tinha os mesmos atributos com o Pai (era igual em essência, não em pessoa). Os judeus não tinham gostado de Jesus ter ‘quebrado o sábado’ e agora não tinham gostado mesmo Dele ter chamado a Deus de ‘seu Pai’.”

Curiosamente, evidentemente sem perceber, o referido defensor da coigualdade admite que os judeus que afirmaram o que está em João 5:18 cometeram um “mal-entendido”! E nisso ele acertou – mesmo sem querer.

Assim como aqueles judeus estavam errados no tocante a entender que Jesus violava o sábado (pois Jesus veio cumprir – não violar – a Lei, conforme Mateus 5:17) eles também estavam errados ao concluir que Jesus se fazia igual a Deus apenas por afirmar que Deus era Seu Pai.

Contudo, para tentar fundamentar seu argumento, esse autor chegou a concordar com o ponto de vista equivocado daqueles judeus descrentes! Causa espanto observar até onde os defensores da coigualdade vão para tentar provar essa falsa teoria!

O texto de João 5:19-47, longe de provar a suposta coigualdade, mostra a submissão do Filho para com o Pai:

Versículo 19: Se o Filho fosse coigual ao Pai, jamais ele afirmaria que “NÃO PODE FAZER nem uma única coisa de sua própria iniciativa”. Afinal, Deus, o Pai, pode fazer o que ele quiser, como ele mesmo afirmou:

Farei tudo o que for do meu agrado.” – Isaías 46:10.

João 5:20: Visto que o Pai “mostra [ao Filho] todas as coisas que Ele mesmo faz”, isso significa que o Filho não tem como saber por si mesmo tais coisas; do contrário, o Pai não precisaria mostra a ele tais coisas; já lhe seria claramente visível. Em harmonia com isso, Apocalipse 1:1 afirma que Deus, o Pai, forneceu revelações a Jesus Cristo. E nessa ocasião Jesus já estava no céu. Assim, o Filho não é onisciente.

No entanto, ninguém tem condições de mostrar, ensinar ou revelar algo ao Pai, pois Ele mesmo disse:

“Quem primeiro me deu alguma coisa … ?” – Jó 41:11.

“Quem chegou a conhecera mente de Jeová, para poder instruí-lo”? – 1 Coríntios 2:16.

“Todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.” – Hebreus 4:13.

João 5:22: Por ser maior que o Filho (não coigual a ele) o Pai pode ‘CONFIAR todo o julgamento ao Filho’.

Versículos 26 e 27: Por ser maior que o Filho (não coigual a ele) o Pai pode ‘CONCEDER ao Filho ter vida em si mesmo’ e ‘DAR-LHE autoridade para julgar’.

É impressionante como os trinitaristas e unicistas se colocam ao lado dos inimigos de Jesus, compactuando com as ideias deles, na vã tentativa de provar que Jesus tem o mesmo poder, autoridade e eternidade que Seu Pai Jeová!

As Testemunhas de Jeová, ao contrário, preferem ficar do lado de Cristo ao invés de endossar as afirmações falsas dos opositores de Jesus.

Veja o artigo:


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




8 comentários:

  1. Se Jesus fosse igual seu Pai como ensina a trindade, então Jesus poderia muito bem ter afirmado em João 14:1, que depositando fé somente nele(Jesus) já era o suficiente. Pq assim ficaria mais fácil de acreditar q Jesus é mesmo "igual" seu Pai. Mas a verdade é bem explicita nessas palavras de Jesus, de depositar fé em Deus e depositar fé também no filho de Deus, Jesus. Se depositarmos fé em Deus, estamos acreditando em tudo q Deus deixou escrito na bíblia, nos autores da bíblia e nos adoradores leais de Deus, como Jesus. E se depositarmos fé em Jesus, estamos automaticamente acreditando totalmente em Jeová Deus, pq foi Ele q enviou Jesus a terra.

    ResponderExcluir
  2. trinitários ... devaneios sim logica nunca...

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de sinceramente, admitir minha admiração por este site, acho que alem das materias bem explanadas que dispensa comentarios, acho que o diferencial dele,é que ele se atem principalmente a biblia, não a opiniões de outros sobre nosso respeito (tjs) ou principal não a materias refutando pensamentos e assuntos apostatas, não os principais polemizados por eles.
    Oque difere muito de outros blogs, similares, e sem duvida alguma... e algo sobrepujante que vejo aqui..e pra mim isso é o principal... pois em outro blogs me deparei com outros assuntos ou questoões (polemizadas por apostatas) que embora são defendidas e explicadas, são coisas que talvez a maioria dos seus leituras talvez nunca vinhe-se a se deparar, ai derrepnte, se esta pesquisando o comceito biblico sobre algo, e ai se depara com questões que nem imaginou, nada edificantes, ai o site ao inves de dizimar racicions apostatas em certo sentido os tras em evidencia.. é claro é só é o meu ponto de vista... e reconhceço que cada blog ou site tem seu objtivo.. respeito a opinião dos que discordão de mim.. mas algums blogs ao inves de edificar nossa fé no criador e confiança na sua organização seguir nessa linha, acabam por criar ondas de contrafluxo ..
    Oque repito ..esse aqui não é o caso..
    Só acho estes blogs, deveriam ter certos assuntos não bem em evidencia, apenas se a pessoas buscar por um nome especifico como RM.F ou coisa sim..(em campos de busca) dai apareceria uma materia que ajude a pessoa no ponto que ela precisa,...é claro não seria certeza evitar que uma pessoa qlq que visa achar determinada materia ache aquilo que não objivava.. mas ja seria uma medida amenizadora, ou apenas deixar o email msm pra contato e ai de formna mais pessoal , a pessoa acabara sendo ajudada sem que outros mesmo em menor gral sejam prejudicados., não vejo como sendo uma questão de medo, ou falta de confiança na verdade que conhecemos bem.. é apenas uma questão de bom senso..
    Oque relamente Importa e oque Deus nos informou por meio das escrituras,.. se conseguirmos defender nossas convicções usando a biblia , pouco importara raciocinios fraudulentos, para todos os efeitos estaremos preparados, firmes e fortes no caminho que Jeova nos presenta.
    Admiro o trabalho feito aqui..
    Gostaria de ver uma sequencia de assuntos ..quem sabe ..falando sobre a vida na terra, uma anlise mais detalhada.
    Quem sabe.. mais alguma analise sobre os ungidos, o artigo que fala sobre a grande multidão foi muito bem explanado, porem como achei que o artigo mostra mais o porque podemos ter certeza que a opiniao dos alegam que a grande multidão de acordo com a biblia esta no ceu, não é conclusiva..acho que poderia haver um artigo falando umpouco mais sobre os do pequeno grupo, as carttas destinaas a eles, e etc....ficaria contente..
    quem sabe falando sobre as origems do inferno.
    e por ultimo, acho esse bem importante,..mais artigos falndo sobre nos, o povo de Jeova.. muitos tentam nos criticar desmoralizar, não falo de artigos falando de nos, com base nas alegações de opositores, se não cairia nos problemas dos outros blogs que falei.. mas sim mostrando coisas boas que fazemos, que tem presedentres biblicos, posturas que adotamos ..sabe..coisas assim.. seriam muito edficantes.. e claro que nossos pontos positivos acabam por ser enaltecidos por comcequencia de analise de assuntos quer aqui quer ali.. mas falo de destacar a nos mesmo nossa organização..isso tornaria essse blog ainda mais diferenciado, uma ferramnta oportuna para defender Jeova e seus ensinos, e destacar sua organização como impar no tempo do fim, mas só são sujestões.. rs que jeova continue a abençoalo grandemente ..abraço..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Bruno, pelas expressões de apreço! Me servem de incentivo para continuar este trabalho espiritual. Já fiz alguns artigos sobre a questão da permanência do planeta Terra e a vida nele. Mas pretendo escrever mais sobre isso. Também pretendo escrever sobre os assuntos que você citou. Assim que for possível, postarei artigos sobre os temas sugeridos. Grande abraço e fique com Jeová!

      Excluir
  4. Vamos considerar do ponto de vista de um cristão verdadeiro daquele período:

    Como exemplo, pense no apóstolo Paulo. Ele fora "batizado no Espírito Santo", também "desceu às águas" como dizem alguns atualmente. Paulo conhecia (para exemplificar o que se cria como cristão de verdade no primeiro século)toda a Lei de Moisés, conhecia a Deus e conhecia o ressuscitado Jesus (teve experiência pessoal com ele em mais de uma vez). Paulo também tinha o Espírito Santo de Deus, como muitos se auto denominam. Pois bem, Paulo, como judeu citou certa vez a Lei em um sentido: o de utilizar testemunhas para resolver certos assuntos. Deuteronômio 19:15 diz que qualquer assunto que seriamente necessite de provas conte com o testemunho de dois, até mesmo três testemunhas para ser firmemente confiável. Paulo confirmou isso em 2 Cor 13:1. Lá ele disse que "pela boca de duas ou três testemunhas, toda questão será decidida".
    Isso é uma grande regra. Vale para resolver todo tipo de assunto polêmico. Em uma ocasião, ao dar instruções ao jovem ancião (presbítero) Timóteo, ele utilizou esse princípio bíblico sobre alguém que levianamente pudesse acusar alguém que detivesse esse privilégio. Ele escreveu: "Não aceites denúncia contra presbíteros, senão exclusivamente sob o depoimento de DUAS ou TRÊS testemunhas" 1 Timóteo 5:19 (grifo meu). Certo, a regra é clara Galvão!!! Agora, pensemos no seguinte caso: Paulo, o apóstolo escolhido pelo próprio Jesus, estava pedindo que Timóteo, o jovem presbítero (ARA)fizesse uma conjuração (jurasse diante de TRÊS testemunhas confiáveis). Quais seriam as pessoas mais confiáveis do universo para testemunhar a conjuração de Timóteo? Se Paulo, com o histórico acima, tivesse o conceito daqueles judeus, ou se quisesse expor o conceito mais apropriado, não teria a melhor oportunidade para isso nessa ocasião? E você, quais testemunhas convocaria para ouvir a conjuração do jovem presbítero???
    É bem simples. Basta ler alguns versículos seguintes e ver o que fez o privilegiado apóstolo. Ainda no capítulo 5, da segunda carta a Timóteo ele faz uma conjuração no versículo 21 que diz: "Conjuro-te perante Deus,e Cristo Jesus, e os anjos eleitos, que guardes estes conselhos, sem prevenção, nada fazendo com parcialidade". Notaram? Ele usou a pessoa de maior confiança no universo para testemunhas isso, Deus. Ele usou em seguida a segunda pessoas digna de consideração, Jesus Cristo. Qual pessoa ele convocou para ocupar o terceiro lugar para testemunhar a decisão de Timóteo???? Os anjos!!!! Nem são todos os anjos, mas apenas os eleitos.
    O que entendemos? Somos informados por Paulo que o conceito sobre Jesus era que ele estava junto de Deus e que era um ser muito, mas muito superior aos humanos. Em seguida ele usou os anjos. Para os religiosos de hoje resta a pergunta: Por qual motivo Paulo não usou o "Espirito Santo" para declarar isso aos cristãos de sua época? Ora, não dizem que Paulo usou "fórmulas" que indicariam a base da crença de muitas igrejas atualmente??
    O interessante é que Paulo volta a conjurar o presbítero Timóteo, dessa vez na sua segunda carta. A diferença é que Paulo volta a utilizar-se do princípio sagrado para fazer a mesma convocação. Só que dessa vez ele achou por bem chamar apenas DUAS testemunhas. Isso está 2 Timóteo 4:1, que diz "Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus (????), que há de julgar os vivos e os mortos, pela sua manifestação e pelo seu Reino...) Note que o escritor não achou necessário o uso de TRÊS testemunhas, senão apenas DUAS.
    Já tirou suas conclusões? Eu já!!! Pense nisso.

    ResponderExcluir
  5. Apologista, que o Sr. Jeová continue te abençoando com espírito santo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém! Que Jeová também o abençoe ricamente, Edson!

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *