Image Map











domingo, 24 de abril de 2016

A Vida de Jesus – o Evangelho Unificado (Parte 4)

Fonte da ilustração:
http://olharvirtual.blogspot.com.br/2007/12/fuga-para-o-egito-em-dois-tempos.html

Fuga para o Egito
(Mateus 2:13-23; Lucas 2:39, 40)
13 Depois de eles se terem retirado, eis que o anjo de Jeová apareceu a José num sonho, dizendo: “Levanta-te, toma a criancinha e sua mãe, foge para o Egito e fica ali até eu te avisar; porque Herodes está prestes a procurar a criancinha para destruí-la.” 14 Levantou-se, pois, e tomou de noite a criancinha e sua mãe, e retirou-se para o Egito, 15 e lá ficou até o falecimento de Herodes, para que se cumprisse o que fora falado por Jeová por intermédio do seu profeta, dizendo: “Do Egito chamei o meu filho.”[1]
16 Herodes, vendo então que tinha sido logrado pelos astrólogos, foi tomado de grande fúria e mandou eliminar todos os meninos em Belém e em todos os seus distritos, de dois anos de idade para baixo, segundo o tempo que tinha cuidadosamente averiguado dos astrólogos. 17 Cumpriu-se assim o que fora falado por intermédio de Jeremias, o profeta, dizendo: 18 “Ouviu-se uma voz em Ramá[2], choro e muito lamento; era Raquel[3] chorando por seus filhos, não querendo ser consolada, porque eles já não existem.”[4]
19 Tendo Herodes falecido,[5] eis que o anjo de Jeová apareceu a José num sonho, no Egito, 20 e disse: “Levanta-te, toma a criancinha e sua mãe, e vai para a terra de Israel, porque já morreram os que buscavam a alma da criancinha.” 21 Então ele se levantou, tomou a criancinha e sua mãe, e entrou na terra de Israel. 22 Mas, ouvindo que Arquelau[6] reinava na Judeia em lugar de seu pai Herodes, ficou com medo de partir para lá. Além disso, recebendo em sonho um aviso divino, retirou-se para o território da Galileia 23 e foi morar numa cidade chamada Nazaré, para que se cumprisse o que fora falado por intermédio dos profetas: “Ele será chamado Nazareno.”[7]
(Lucas 2:39, 40) 39 Tendo assim executado todas as coisas segundo a lei de Jeová, voltaram à Galileia, à sua própria cidade de Nazaré. 40 E o menino continuava a crescer e a ficar forte, estando cheio de sabedoria, e o favor de Deus continuava com ele.

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102014613 

Jesus interroga os instrutores (12 EC, Páscoa)
(Lucas 2:41-52)
41 Ora, de ano em ano, seus pais costumavam ir a Jerusalém para a festividade da páscoa. 42 E quando ele atingiu os doze anos de idade, subiram segundo o costume da festividade 43 e completaram os dias. Mas, ao voltarem, o menino Jesus permaneceu em Jerusalém e seus pais não notaram isso. 44 Presumindo que ele estivesse na companhia dos que viajavam juntos, cobriram a distância de um dia e então começaram a ir em busca dele entre os parentes e conhecidos. 45 Mas, não o encontrando, voltaram a Jerusalém, indo diligentemente à procura dele. 46 Bem, depois de três dias, acharam-no no templo, sentado no meio dos instrutores, e escutando-os e interrogando-os. 47 Mas, todos os que o escutavam ficavam constantemente pasmados com o seu entendimento e suas respostas. 48 Ora, quando o viram, ficaram assombrados, e sua mãe disse-lhe: “Filho, por que nos tratas deste modo? Eis que teu pai e eu, em aflição mental, estivemos à tua procura.” 49 Mas ele lhes disse: “Por que tivestes de ir à minha procura? Não sabíeis que eu tenho de estar na [casa] de meu Pai?” 50 No entanto, não compreenderam a declaração que lhes fizera.
51 E ele desceu com eles e chegou a Nazaré, e continuou a estar-lhes sujeito. Sua mãe, também, guardava cuidadosamente todas essas declarações no coração. 52 E Jesus progredia em sabedoria e em desenvolvimento físico, e no favor de Deus e dos homens.


Explicação das siglas usadas:

AEC: Antes de nossa Era Comum.
EC: Era Comum
it: obra Estudo Perspicaz das Escrituras. O número em sequência indica o volume.

Notas:

[1] Oseias 11:1.
[2] [Altura]. Cidade do território de Benjamim, situada sobre uma elevação, a uns 8 km ao N de Jerusalém. – It-3, p. 375.
[3] [Ovelha; Cordeira]. – It-3, p. 379.
[4] Jeremias 31:15.
[5] Herodes, possivelmente por levar uma vida licenciosa, por fim padeceu de uma doença repugnante, acompanhada por febre. O historiador judeu Josefo disse que, nos seus últimos dias, ele “sofria horríveis tormentos”. Josefo descreveu assim sua doença: “Ele tinha uma terrível ânsia de se coçar, uma coceira intolerável em toda a pele, contínuas dores nos intestinos, [pois] seus intestinos estavam ulcerados, tumores nos pés, como na hidropisia, inflamação do abdome e gangrena nos órgãos genitais, resultando em vermes, além de asma, com grande dificuldade de respiração, e convulsões em todos os membros”. – It-2, p. 320; w92 15/9 p. 6.
[6] [Governante do Povo]. Filho de Herodes, o Grande, com sua quarta esposa, Maltace. Augusto fez dele um etnarca, um príncipe tributário de categoria superior a um tetrarca. Mateus, porém, refere-se corretamente a ele como ‘reinando’, pois o exército local o havia previamente proclamado rei. Arquelau era um governante cruel e muitíssimo impopular entre os judeus. Foi banido no nono ou no décimo ano de seu reinado. A Judeia, depois disso, ficou sob governadores romanos. – It-1, p. 195.
[7] “Nazareno.” J17,18,22(hebr.): Nots·rí. Gr.: Na·zo·raí·os; provavelmente derivado do hebr. né·tser, significando “rebentão”, portanto, figurativamente “prole; descendente”. Veja Isa. 11:1 e n.: “rebentão”. – NM, nota.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *