Image Map











terça-feira, 7 de junho de 2016

“Deus unigênito” em João 1:18 – um dilema para os trinitaristas! (Parte 5)


Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/en/publications/magazines/wp20141001/pray-for-gods-kingdom/



Genes – sentido de derivação, procedência

Concluindo sua argumentação sobre a procedência de genes em monogenés, Harris fecha brilhantemente:

[…] a palavra [genos] carrega o sentido óbvio de derivação na sua utilização, o que significa que mais de 75% dos usos da palavra transportam o sentido de Prole ou derivação no Novo Testamento. Por que então os neotrinitários, mesmo afirmando que o genes em monogenés é associado com genos e não gennáo, ainda negam o sentido de geração, derivação, ou nascimento? Por que eles afirmam que anulam a doutrina da geração eterna? Eles não são sendo francos com seus ouvintes e/ou leitores, porque eles estão deixando de fora a conotação importante da palavra, e estão enfatizando a conotação menor de genos (“espécie” ou “tipo”), em lugar da conotação primária de genos (“derivação”).

Considerando especificamente Atos 13:26 (já citado), observe o comentário de Harris:

Neste versículo Paulo fala daqueles que descenderam de Abraão. Ele fala daqueles filhos que estavam na “linhagem” (genos) de Abraão, em outras palavras, sua prole, sua semente. A palavra fala da derivação de Abraão. Assim, mesmo se usarmos a compreensão de genes da palavra (de genos) como linhagem em monogenés quando se fala do Filho de Deus, no sentido de que nós não estamos falando de derivação do Filho do seu Pai, como Paulo usa a palavra para falar da derivação dos filhos de Israel de seu pai, Abraão?

Por conseguinte, pode-se ver claramente que a palavra monogenés ainda é entendida por um sentimento de nascimento, derivação, ou linhagem, quer você a traduza como Unigênitoquer como Único”!

Quão preciosa é esta verdade! Ele é o Unigênito, o “único filho” de Deus, o Único Nascido.

O ponto em que Harris falha é alicerçar seu argumento de monogenés como “Unigênito” na teoria da geração eterna do Filho de Deus:

Se os neotrinitários querem afirmar que genes está relacionada com genos e não gennáo, que assim seja. Mas não deixe que eles lhe digam que isso altera o significado de “Unigênito” ou que nega a doutrina da geração eterna do Filho de Deus. Ela não altera o fato do todo. Ele ainda é muito Deus de verdadeiro Deus. Ele ainda procede eternamente do Pai (Jo 8:42; 16: 28-30; 17: 8). Ele é o Unigênito ou Único Nascido” de Deus, não no sentido de que houve um tempo em que Ele não era, e em seguida, houve um tempo em que Ele era. Ele nunca teve um começo porque a Sua foi uma geração eterna, um eterno surgimento; Ele sempre foi.

E assim, queridos irmãos, não se deixem enganar pelo novo ensinamento relativo ao Filho que está sendo silenciosamente impingido nos cristãos desavisados. Não aceitem o grave erro dos neotrinitários. O Filho ainda é o Unigênito do Pai, gerado antes de todas as idades, como a fé cristã histórica sempre afirmou, independente se você acredita que genes é derivado de gennáo ou de genos.

De fato, monogenés significa “unigênito” e, quando faz referência ao Filho de Deus como “Deus unigênito”, significa que ele é um Deus gerado, não no sentido de eterna geração – ensino que não encontra respaldo nas Escrituras – mas no sentido de ter tido um começo, um princípio, mesmo sendo um ser divino, como atestam diversos textos bíblicos. – Provérbios 8:22-24; Colossenses 1:15-20; Apocalipse 3:14.

O artigo que segue mostrará como o uso de genes incorporado a palavras bíblicas corrobora adicionalmente esse fato. O tema será:

Genes incorporado em outras palavras



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *