Image Map











quinta-feira, 7 de julho de 2016

A ordem bíblica de evitar sangue se restringe ao sangue de uma criatura que foi abatida? Pode-se ingerir sangue de uma criatura que não foi morta?

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/livros/historias-biblicas/2/10-pragas/


Artigo contribuído.

O povo de Deus recebeu a seguinte ordem clara: “Se algum homem da casa de Israel ou algum estrangeiro que mora entre vocês comer o sangue de qualquer criatura, eu certamente me voltarei contra aquele que comer o sangue, e o eliminarei dentre seu povo. – Levítico 17:10.

Porque Jeová Deus fez essa proibição? Ele mesmo explica: "Pois a vida da carne está no sangue, e eu o dei a vocês para fazerem propiciação por si mesmos no altar; é o sangue que faz propiciação pela vida". – Levítico 17:11, Nova Versão Internacional (NVI).

O único uso que Jeová Deus permitia do sangue, como vemos claramente no texto, era para perdão de pecados, sendo esse sangue derramado no altar. Não se podia o usar o sangue de outra maneira, muito menos comê-lo, como vimos nos versos acima.

Então o que deveria fazer o israelita que fosse se alimentar de um animal? A Bíblia diz: "Qualquer israelita ou estrangeiro residente que caçar um animal ou ave que se pode comer, derramará o sangue e o cobrirá com terra, porque a vida de toda carne é o seu sangue. Por isso eu disse aos israelitas: vocês não poderão comer o sangue de nenhum animal, porque a vida de toda carne é o seu sangue; todo aquele que o comer será eliminado." – Levítico 17:13,14, NVI.

Como vemos bem nitidamente, o sangue dos animais usados para consumo alimentício deveria ser derramado na terra e ser coberto com terra. 

Mas os israelitas receberam também outra instrução: “Não deveis comer nenhum corpo já morto. Podes dá-lo ao residente forasteiro que está dentro dos teus portões, e ele tem de comê-lo; ou pode ser vendido a um estrangeiro, porque és um povo santo para Jeová, teu Deus.” – Deuteronômio 14:21.

Como vemos claramente nesse texto, as carcaças desses animais mortos poderiam ser usadas para consumo ou para qualquer outra utilidade, embora não sangrados, por residentes forasteiros ou estrangeiros. Algumas pessoas chegam a dizer que esse texto contradiz o outro texto de Levítico 17. Mas o que tem a ver isso com transfusões de sangue?

Baseado nesse verso, algumas pessoas raciocinam que não seria errado aceitar uma transfusão de sangue de um doador vivo. Ao defenderem essa tese, alguns têm proposto que Deuteronômio 14:21 permitia ao forasteiro comer carne não sangrada, desde que essa carne fosse de um animal que não tivesse sido abatido por homem para consumo alimentício, pois dessa forma o homem não precisaria devolver o sangue do animal (que representava a vida desse animal) a Deus. 

Essas pessoas ainda usam outro texto para chegar nessa conclusão. O seguinte texto diz: "Todo aquele que, natural da terra ou estrangeiro, comer um animal encontrado morto ou despedaçado por animais selvagens, lavará suas roupas e se banhará com água, e ficará impuro até à tarde; então estará puro." – Levítico 17:15, NVI.

Ao utilizarem os dois versos em conjunto, chegam a dizer que não há culpa em se comer o sangue, desde que a vítima não seja abatida pelo homem. Assim, concluem que não seria errado tirar sangue duma criatura e usá-la para alimento ou para transfusões, desde que a criatura esteja VIVA.

Esse raciocínio pode parecer correto, mas o exame detido dos textos usados e de outros textos ligados ao assunto indica que Jeová Deus espera que seu povo evite tomar sangue e sustentar a vida com sangue, quer de uma criatura viva, quer de uma morta. Passemos a analisar.

Estudemos com cuidado Levítico 17:10. O texto diz que nenhum “homem da casa de Israel ou algum residente forasteiro” devia comer sangue. Podemos dizer que o texto se refere, exclusivamente, ao animal que havia sido abatido por um humano para alimento e, portanto, tendo o sangue de ser devolvido a Deus?

Afirmar isso seria ler no versículo mais do que ele mesmo diz. E como diz a Bíblia que ‘não devemos ir além do que está escrito’ (1 Coríntios 4:6), então julgue o leitor sincero o que o texto quer dizer.

Mesmo se o texto se referisse a um animal abatido para alimento, então Deuteronômio 14:21 não teria proibido os israelitas de comerem um animal achado morto, visto que esse não teria sido abatido para consumo. 

A lei de Jeová era clara quanto ao assunto. Mesmo antes, Jeová já havia ordenado: 

"Vocês serão meu povo santo. Não comam a carne de nenhum animal despedaçado por feras no campo; joguem-na aos cães." (Êxodo 22:3, NVI) Portanto, nenhum adorador de Deus podia comer sangue, quer procedesse dum animal que morreu por si só ou por uma fera, quer dum que tivesse sido abatido por homem.

Alguns então se perguntam: Por que então diz Levítico 17:15 que comer a carne não sangrada de um animal, que morrera por si só ou que fora morto por uma fera, resultava simplesmente em impureza?

Vejamos um indício em outro texto da Palavra de Deus. Lemos: "Se alguém tocar qualquer coisa impura, seja um cadáver de animal selvagem ou de animal do rebanho ou de uma das pequenas criaturas que povoam a terra, ainda que não tenha consciência disso, ele se tornará impuro e será culpado. Se alguém tocar impureza humana, qualquer coisa que o torne impuro, sem ter consciência disso, quando o souber será culpado." – Levítico 5:2, 3, NVI.

Jeová Deus reconhecia que um israelita poderia errar sem saber. Portanto, podemos entender Levítico 17:15 como provisão para tal erro sem a consciência do mesmo. Por exemplo, se um israelita comesse carne que lhe fosse servida, e depois descobrisse que esta não tinha sido sangrada, ele era culpado de pecado. Mas, por isso ter sido sem má intenção, ou ter sido feito sem querer, o israelita podia tomar medidas para se purificar.  

Mas e se ele não se purificasse? A Bíblia diz: "Mas, se não lavar as suas roupas nem se banhar, sofrerá as consequências da sua iniquidade". (Levítico 17:16, NVI) Em outras palavras, seria morto. 

Portanto, comer carne não sangrada não era assunto trivial. Como vimos, podia até mesmo resultar em morte. Nenhum adorador verdadeiro (israelita ou forasteiro plenamente prosélito [convertido]) podia comer intencionalmente carne não sangrada, não importava se fosse de um animal que morreu por si só, ou morto por outro animal, ou ainda que fosse abatido por um humano. 

Isso está de acordo com a seguinte lei bíblica: "Mas todo aquele que pecar com atitude desafiadora, seja natural da terra, seja estrangeiro residente, insulta ao Senhor, e será eliminado do meio do seu povo". (Números 15:30, NVI) O conselho apostólico confirmou isso.  Em Atos 21:25 lemos que Deus ordena os cristãos a "abster-se de comida sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne de animais estrangulados e da imoralidade sexual". 

Se aqueles cristãos não podiam consumir sangue na carne duma criatura estrangulada, certamente não podiam ingerir sangue duma criatura viva. Hoje, os servos de Deus não poderiam aceitar a prática médica de coletar unidades de sangue humano e usá-las para transfusões, com o objetivo de prolongar a vida. Tais práticas violam aquilo que acabamos de considerar na Bíblia.

Como vimos também, o sangue deveria ser usado somente para uso de perdão de pecados, caso contrário, deveria ser derramado. Será que o sangue ARMAZENADO numa bolsa não contradiz diretamente essa ordem bíblica?

Assim, a Bíblia mostra claramente que não podemos ingerir sangue, seja de animal vivo ou morto.

Resta então uma última pergunta: Por que  Deuteronômio 14:21 diz que se podia vender ao “residente forasteiro” carne não sangrada, ao passo que Levítico 17:10 proíbe ao “residente forasteiro” comer sangue?

A revista A Sentinela de 15 de setembro de 2004 responde:

Na Bíblia, o termo “residente forasteiro” podia referir-se a alguém que não era israelita e que se tornara prosélito, ou a um residente que vivia segundo as leis básicas do país, mas que não se tornara adorador de Jeová. O estrangeiro e o residente forasteiro que não se tornavam prosélitos não estavam sob a Lei e podiam usar animais mortos não sangrados, de várias formas. Os israelitas tinham permissão de lhes dar ou vender tais animais. Por outro lado, o prosélito estava sujeito ao pacto da Lei. Conforme indica Levítico 17:10, proibia-se a tal pessoa ingerir o sangue de animal.


Outras fontes também concordam com essa explicação. Como exemplo, The Pentateuch and Haftorahs, editado pelo Dr. J. Hertz[1], observa:

De acordo com Lev. XVII, 15, tocar ou comer a carne dum nevelah [corpo morto] avilta tanto o israelita como o ‘estrangeiro [ou residente forasteiro]’. Em Lev[ítico], o ‘estrangeiro’ referia-se ao não-israelita que se tornar prosélito no pleno sentido da palavra, um ger tzedek. Aqui [em Deuteronômio 14:21], o ‘estrangeiro que está dentro dos teus portões’ refere-se à época em que o Israel estaria estabelecido em sua Terra e teria em seu meio não só prosélitos, mas também homens que, embora tivessem abandonado a idolatria, não teriam adotado completamente para si a vida e as práticas religiosas do israelita. Os Rabinos chamam essa classe de residentes forasteiros, ger toshav: e [Deuteronômio 14:21] refere-se a essa classe, que não eram israelitas, quer por nascença, quer por conversão, nem ‘estranhos’.” Em contraste com isso, essa obra explica que o ‘estrangeiro’ (forasteiro) de Levítico 17:15 era “um pleno prosélito. . . . do contrário não era impedido de comê-la”.

A obra Estudo Perspicaz das Escrituras, no verbete “Sangue”, na subcategoria “Sob a Lei Mosaica", diz também:

Em Deuteronômio 14:21 fez-se a concessão de se vender ao residente forasteiro ou ao estrangeiro o animal que morresse por si mesmo ou que fosse dilacerado por uma fera. Fazia-se assim uma distinção entre o sangue de animais assim e o de animais abatidos para alimento. (Veja Le 17:14-16.) Os israelitas, bem como os residentes forasteiros que adotaram a adoração verdadeira e passaram a estar sob o pacto da Lei, eram obrigados a cumprir todos os elevados requisitos desta Lei. Pessoas de todas as nações estavam sob a obrigação do requisito de Gênesis 9:3, 4, mas os que estavam sob a Lei eram obrigados por Deus a seguir uma norma mais elevada na aderência a este requisito do que os estrangeiros e os residentes forasteiros que não se tornaram adoradores de Jeová. - Grifo acrescentado.

Isso é bem atestado na Bíblia. Quem precisa manter algo como sagrado são os que aderem à adoração verdadeira e às leis de Jeová. Temos vários exemplos bíblicos  que comprovam isso. 

Por exemplo, a arca do pacto foi tocada por mãos estrangeiras, pois certamente eles não conheciam o modo de transportá-la e não foram punidos. Mas Uzá, um israelita da tribo de Levi, conhecia a lei e morreu ao tocar na arca. (2 Samuel 6:6,7) O templo também era sagrado, no entanto, Jeová permitiu que fosse pisado por estrangeiros e sua “coisa repugnante”. – Daniel 11:31; Mateus 24:15.

As leis foram dadas somente a Israel, não para outro povo. (Salmo 147:19 20) Portanto, não é uma contradição Jeová permitir que se vendesse o animal morto a um não prosélito. Também não significava que Jeová o mandasse comer sangue. Ele é quem tinha que decidir ser ou não um devoto de Deus.

Como vimos, os verdadeiros adoradores de Deus não comem carne não sangrada, quer seja dum animal abatido por um homem, quer duma criatura que tenha morrido de outra maneira. Também não sustentarão sua vida por receber sangue procedente de criaturas vivas – animais ou humanas. Os verdadeiros cristãos reconhecem a Jeová como seu Dador da Vida e estão resolvidos a obedecê-lo em todos os sentidos.

(Artigo baseado em A Sentinela de 15 de Outubro de 1983, pp. 30-32, seção “Perguntas dos Leitores".)


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org









[1] Citado em A Sentinela de 15 de outubro de 1983, p. 31, nota de rodapé.

Um comentário:

  1. Muito bom o seu texto. bem como você disse, alguns sustentam a ideia de que, se o animal morre, não pelas mãos do homem, mas por outra fera, pode-se comer o sangue de tal, pois não é sagrado. Daí encontrei um texto histórico que caiu como luva e até a organização já citou, mas a tradução da org não deixava bem nitido, só percebi em outra. O argumento do Tertualiano:
    Ruborizai-vos por vossos vis costumes perante os cristãos, que não têm
    sequer o sangue de animais entre seus alimentos, alimentos que são
    simples e naturais, que se abstêm de animais estrangulados. OU QUE
    MORREM DE MORTE NATURAL. E isso pela única razão de que eles não
    querem se contaminar, nem mesmo de sangue contido nas vísceras.

    Essa explicação caiu como um gelo nas argumentações dele. Depois, sem sabendo o que dizer, falou que Tertualiano estava doido e que os tjs não podiam acreditar nele, porque ele ensinava a trindade e o inferno de fogo, etc... bem, mostrei contexto que Tertualino não está ensinando uma doutrina, mas apenas relatando um fato histórico. Enfim, até hoje ele não acredita

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *