Image Map











terça-feira, 20 de setembro de 2016

O Deus do “Velho Testamento” era cruel?


Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1102002050

Um filósofo de nome Marcião, no início do segundo século EC, defendeu esse conceito.

Na verdade, Jeová é sempre o mesmo, imutável em sua personalidade e padrões. Lemos em Malaquias 3:6: “Pois eu sou Jeová; eu não mudo.”

A mudança ocorreu com a conduta de seu povo escolhido, não com Jeová. No começo, esse povo era rebelde e difícil de lidar, conforme Deuteronômio 32:4, 5:

“A Rocha [Jeová] — perfeito é tudo o que ele faz, pois todos os seus caminhos são justos. Deus de fidelidade, que nunca é injusto; Justo e reto é ele. Eles é que se corromperam; não são seus filhos, o defeito é deles. São uma geração pervertida e corrompida!

Os 1.545 anos de treinamento sob o arranjo divino da Lei mosaica preparou tal povo para o arranjo divino do cristianismo.

Observe que, no judaísmo antigo, havia mais de 600 leis codificadas, ao passo que, no cristianismo, não houve leis codificadas e sim princípios gerais. Paulo disse que a lei é para o injusto, e não para o justo:

Ora, sabemos que a Lei é boa, se for aplicada corretamente, reconhecendo-se que as leis são feitas não para o justo, mas para os transgressores e rebeldes, ímpios e pecadores, desleais e profanadores, para os que matam pai ou mãe, assassinos, para os que praticam imoralidade sexual, homens que praticam o homossexualismo, raptores, mentirosos, para os que juram falsamente, e para tudo que é contrário ao ensinamento sadio, o qual está de acordo com as gloriosas boas novas do Deus feliz, que foram confiadas a mim.” – 1 Timóteo 1:8-11:

Assim, a profusão de leis em qualquer nação demonstra o alarmante aumento da injustiça e desonestidade entre seus membros. Também explica que a nação de Israel estava menos preparada para fazer a vontade divina, haja vista que saiu da escravidão dura do Egito e do contato com os deuses daquela nação. Já o cristianismo encontrou um povo preparado no sentido de abominar a idolatria e de ter uma vida moral regrada. Assim, dispensou leis codificadas e estabeleceu apenas princípios. A natureza do cristianismo é, pois, principiológica.

Mesmo assim, vemos no "Velho Testamento" como Jeová mostrou ser amoroso, clemente e misericordioso. Êxodo 34:6 descreve Jeová como “Deus misericordioso e compassivo, paciente e cheio de amor leal e de verdade”. Ele teve muita paciência com aquela nação. A extraordinária paciência de Jeová foi descrita por ele em Jeremias 7:23-25:

“Mas esta foi a ordem que lhes dei: ‘Obedeçam à minha voz, e eu me tornarei o seu Deus, e vocês se tornarão o meu povo. Andem sempre no caminho que eu lhes ordenar, para que tudo vá bem com vocês.’ Eles, porém, não escutaram nem prestaram atenção; em vez disso, andaram conforme seus próprios planos, teimando em seguir seu coração mau. Andaram para trás, não para a frente, desde o dia em que os antepassados de vocês saíram da terra do Egito até hoje. Por isso eu enviava a vocês todos os meus servos, os profetas; eu os enviava dia após dia, vez após vez.”j

Veja o amor que ele mostrou com o profeta Jonas. Lemos no livro de Jonas, capítulo 4:9-11:

“Deus perguntou a Jonas: ‘Você acha certo ficar tão irado por causa do cabaceiro?’ E ele respondeu: ‘Eu tenho razão para ficar irado, tão irado que quero morrer.’ Mas Jeová disse: ‘Você teve pena do cabaceiro, que você não cultivou nem fez crescer; ele cresceu numa noite e morreu numa noite. Será que eu também não deveria ter pena de Nínive, a grande cidade, em que há mais de 120.000 homens que não sabem nem mesmo a diferença entre o certo e o errado, além de seus muitos animais?’”

Aquele profeta questionou o Ser mais Poderoso de todos, e este teve total paciência com o profeta! Em geral humanos em posição levemente mais elevada que outros não aceitam questionamento de seus subalternos. Mas Jeová, num sublime exemplo de amor, paciência e compaixão para com seu profeta, raciocinou com ele, exemplificou com um cabaceiro, a ponto de tocar profundamente o coração de Jonas, que posteriormente registrou por inspiração o ocorrido.

E veja esta sublime expressão do amor de Jeová, em Isaías 49:15, 16!

“Será que uma mulher [com afeição natural] pode se esquecer do seu bebê, e não sentir compaixão pelo filho do seu ventre? Mesmo que essas mulheres se esquecessem, eu nunca me esqueceria de você. Veja! Gravei você na palmadas minhas mãos! Suas muralhas estão sempre diante de mim.”

Poderíamos nos estender mais sobre o assunto, mas creio que o que já foi aqui colocado é suficiente para mostrar o infinito amor de Jeová na era pré-cristã.

Portanto, que confiemos de pleno coração em Jeová, “o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de ternas misericórdias e o Deus de todo o consolo”. - 2 Coríntios 1:3.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *