Image Map











quarta-feira, 18 de abril de 2018

Quem reinará para sempre – conforme Apocalipse 11:15?



Fonte da ilustração: jw.org


          Um leitor escreveu:

          Olá, querido apologista da verdade, gosto muito do teu site e acho interessantes as coisas que você publica.
          Tenho uma dúvida: as nossas publicações sempre mencionam que Jesus irá governar por mil anos. Mas de acordo com Apocalipse 11:15, diz que Jesus irá governar para todo sempre. Afinal, Jesus vai ou não governar para sempre???
          Conto com tua resposta. Abraços!!

Resposta:

          Lemos em Apocalipse 11:15: “O sétimo anjo tocou a sua trombeta. E houve vozes altas no céu, dizendo: ‘O reino do mundo se tornou o Reino do nosso Senhor e do seu Cristo, e Ele reinará para todo o sempre.’”

         Observe o leitor que o pronome “Ele” está com inicial maiúscula, indicando que se refere, não a Cristo, mas ao “nosso Senhor” – no caso, Deus Jeová.

          Esta forma de traduzir está de acordo com o texto grego, que reza literalmente:

τοῦ κυρίου ἡμῶν καὶ τοῦ Χριστοῦ αὐτοῦ, 
do Senhor nosso e do Cristo dele

καὶ βασιλεύσει
e reinará

         Embora inexista o pronome pessoal “ele” antes do verbo “reinará”, antes desse verbo tal pronome ocorre no caso genitivo (“dele”), referindo-se, não ao Cristo, mas ao “Senhor” Deus, Jeová.

         Ademais, o próprio contexto centraliza a atenção na pessoa de Deus:

          “Os 24 anciãos que estavam sentados nos seus tronos diante de Deus se prostraram com o rosto no chão e adoraram a Deus, dizendo: ‘Agradecemos a ti, Jeová Deus, o Todo-Poderoso, aquele que é e que era, porque assumiste o teu grande poder e começaste a reinar. Mas as nações ficaram iradas, e veio tua própria ira, e veio o tempo determinado para os mortos serem julgados e para recompensar os teus escravos, os profetas, bem como os santos e os que temem o teu nome, tanto os pequenos como os grandes, e para arruinar os que arruínam a terra.’ Então o santuário do templo de Deus no céu foi aberto, e viu-se a Arca do seu pacto no santuário do seu templo. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um terremoto e forte granizo.”

          Os destaques em negrito mostram que Jeová é quem começa a reinar. Prova adicional de que a passagem diz respeito ao reino, ou governo, de Deus é a visão da Arca do pacto no céu.

          A respeito do significado dessa visão dentro desse contexto, veja o comentário do artigo Debate online sobre a permanência dos Dez Mandamentos - Parte 3”:

Com relação à arca do pacto citada em Revelação (Apocalipse) 11:19, ela não está associada às tábuas de pedra dos Dez Mandamentos, como pretendem os sabatistas, mas sim à presença de Deus como Rei.

Jeová declarou:

“E ALI ME HEI DE APRESENTAR A TI e falar contigo de cima da tampa, de entre os dois querubins que há sobre a arca do testemunho, sim, tudo o que eu te mandar para os filhos de Israel.” – Êxodo 25:22.

Até os inimigos dos israelitas reconheciam que a Arca simbolizava a presença de Deus:

“Também os filisteus chegaram a ouvir o som da gritaria e começaram a dizer: ‘Que significa o som desta grande gritaria no acampamento dos hebreus?’ Finalmente, FICARAM SABENDO QUE A PRÓPRIA ARCA DE JEOVÁ TINHA CHEGADO AO ACAMPAMENTO. E os filisteus ficaram com medo, porque DISSERAM: ‘DEUS CHEGOU AO ACAMPAMENTO!’ Por isso disseram: ‘Ai de nós, pois nunca antes aconteceu tal coisa! Ai de nós! Quem nos salvará da mão deste Deus majestoso? Este é o Deus que golpeou o Egito com toda sorte de matança no ermo.’” – 1Sa 4:6-8.

A Arca estava em especial associada à presença de Jeová como Rei. Isso se torna claro em Jeremias 3:16, 17:

“‘E terá de acontecer que vós vos tornareis muitos e certamente dareis fruto na terra, naqueles dias’, é a pronunciação de Jeová. ‘NÃO MAIS DIRÃO: “A ARCA DO PACTO DE JEOVÁ!” nem subirá ao coração, nem se lembrarão dela ou sentirão sua falta, e não mais será feita. NAQUELE TEMPO CHAMARÃO JERUSALÉM DE TRONO DE JEOVÁ.”

Portanto, a Arca, na época representativa do “trono [reino] de Jeová”, daria lugar a Jerusalém como sendo símbolo desse “trono”, ou Reino.

Esse é o contexto de Revelação 11:19:
“E abriu-se o santuário do templo de Deus, que está no céu, e viu-se a arca do seu pacto no santuário do seu templo. E houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e um terremoto, e grande saraivada.”


Por que a visão apresenta nessa ocasião a ‘arca do pacto’? Para afirmar que os Dez Mandamentos que estavam nela contidos vigoram para os cristãos? Não, não é nada disso. Tem a ver com o símbolo que ela sempre teve: a presença de Deus como Rei. O contexto é claro nesse respeito.

          Portanto, todo o foco desses versículos é sobre a atuação de Deus, o Pai, o Todo-Poderoso Jeová. Ele é quem “reinará para todo o sempre”.

          Reconhecendo esse entendimento, a versão King James Atualizada coloca “Ele” com inicial maiúscula. O mesmo faz English Majority Text Version (“Versão Inglesa do Texto Majoritário”): “… and He [Ele]  shall reign forever and ever!”

          Na mesma esteira, a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH) assim traduz:

          “Então o sétimo anjo tocou a sua trombeta, e houve no céu vozes fortes, que diziam: —O poder para governar o mundo pertence agora a Deus, que é o Senhor nosso, e ao Messias que ele escolheu. E Deus reinará para todo o sempre!”

          Portanto, Apocalipse 11:15 afirma que o “nosso Senhor” Jeová é quem “reinará para todo o sempre”.

          Mas isso significa que Jesus não reinará para sempre? O artigo seguinte considerará essa pergunta.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *