Image Map











domingo, 10 de junho de 2018

Reflexões de um pastor adventista (Parte 2)



No primeiro artigo desta série, foram selecionados trechos do livro “A Sacudidura e os 144 mil Selados”, do pastor adventista do Sétimo Dia, Brizolar Jardim. O artigo demonstrou, com base em tais trechos, a dificuldade doutrinal da Igreja Adventista do Sétimo Dia concernente à identidade dos 144.000 mencionados no livro do Apocalipse. Ademais, o autor aponta alguns problemas no seio da referida instituição religiosa.

Este artigo examinará outras dificuldades doutrinais mencionadas pelo autor do supracitado livro.

Os 144.000 – número literal ou simbólico?

De acordo com a obra do senhor Jardim, os primeiros adventistas em geral consideravam o número como sendo literal:


Página 113

Página 137

A religião mudou de conceito, adotando um conceito de que o número é simbólico:

Página 137

Página 138

Mas, conforme mostra o referido livro, não há consenso quanto ao tema em questão.

A dificuldade de interpretação referente a Apocalipse 9:4

O senhor Jardim relata um incidente envolvendo o texto acima:


Página 143


Qual teria sido o motivo dessa situação extremamente embaraçosa? O senhor Jardim passa a nos explicar:



Página 144

Esta interpretação preterista de Apocalipse, capítulo 9, aplicada ao surgimento do Islamismo, apontando Maomé como sendo o anjo do abismo, trouxe dificuldades adicionais de interpretação, conforme mostra o trecho extraído abaixo:


Página 144

De acordo com a interpretação adventista, para que Maomé fosse o anjo do abismo, o theós (“DEUS”) mencionado em Apocalipse 9:4 seria “um deus” – o deus de Maomé. O problema é que, neste caso, theós vem precedido do artigo ho (“o”), não admitindo que o substantivo theós seja indefinido (“um deus”). O autor do livro traz à atenção esse problema:


Páginas 144 e 145



Página 145


Assim, o senhor Jardim resume a constrangedora situação dos adventistas – a busca frenética por um manuscrito confiável em que o artigo definido esteja ausente. O problema é que tanto o Texto Recebido quanto o Texto Crítico (este último baseado nos manuscritos mais antigos) contêm o artigo definido. Qual a solução dada pelo pastor adventista do Sétimo Dia?

Página 146

É muito lamentável que doutrinas sem embasamento bíblico sejam formuladas e ensinadas por instituições religiosas, e que seus líderes prefiram enganar os membros a abandonar teorias antibíblicas.

Pois este é o significado da palavra “driblar” nos dicionários:

2 FIGPOR EXT Levar (alguém) a acreditar em algo que não é verdadeiro; agir com dissimulação; burlar, embromar, engrupir. -Dicionário Michaelis.

A volta de Cristo

Segundo a crença adventista, a volta de Cristo poderia ter sido antecipada:

Página 123

Porém, as palavras de Cristo a respeito de sua vinda dão a entender que se trata de uma data marcada, quando ele disse:“A respeito daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas somente o Pai.” – Mateus 24:36.

A menção de “dia e hora” indicam um dia marcado, de conhecimento somente do Pai por ocasião de quando Jesus Cristo estava na Terra.

Conclusão

Qual é o motivo de haver essas interpretações que destoam da Bíblia? O último artigo desta série irá analisar essa questão.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org









Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *