Image Map











domingo, 3 de julho de 2022

Resposta a um leitor sobre os motivos bíblicos para a excomunhão (desassociação)


Contribuído.

Recebi um comentário digno de atenção da parte de um leitor sincero e bem motivado sobre o artigo: “Por quais motivos um membro da igreja deve ser excomungado? (Parte 2)". Quero sinceramente agradecer ao leitor pelo comentário, sem demagogias.

Gostaria de colocar os comentários do leitor em itálico e os meus comentários em azul entre colchetes justapostos aos do leitor.

Artigo bom, [obrigado] mas discordo quando diz que namorados que se acariciam por debaixo da roupa não pode ser encarado como porneia.

Prezado, entendo a motivação por trás do seu comentário. Você é uma pessoa pura e que leva a moral cristã a sério e você acredita que estas ações são porneía. É elogiável que você tenha um forte senso moral, mas o ponto não é o que você pensa ou o que eu penso sobre a palavra porneía. As nossas opiniões são irrelevantes. O que importa é o que a Bíblia diz; e a Bíblia não diz que tais ações são porneía.

A importância de nos atermos exclusivamente à Bíblia para definir porneía pode ser vista quando analisamos o que acontece quando a Bíblia é deixada de lado e a opinião de homens entra em cena. A seguir coloco a lista de definições contraditórias da palavra porneía pela liderança das TJs. Primeiro coloquei o ano e em seguida a definição da liderança da organização sobre porneía feita naquele ano. Os anos correspondem aos lançamentos em inglês.

·      1956: A inseminação artificial é porneía;

· 1969: A bestialidade não é porneía, mas é pecado de desassociação;

·   1970: A palavra porneía poderia incluir atos homossexuais;

·1972 (janeiro): A palavra porneía não inclui atos homossexuais ou bestialidade;

·1972 (novembro): A palavra porneía inclui atos homossexuais;

·1974: A palavra porneía pode ser aplicada dentro do casamento à copulação anal e/ou oral e outras práticas obscenas realizadas por pessoas casadas com seu próprio cônjuge;

· 1978: A palavra porneía não pode ser aplicada ao sexo oral e/ou anal e outras práticas obscenas realizadas entre os cônjuges dentro do casamento. Os cônjuges devem decidir quais atos sexuais estão certos e errados;

· 1978: Não existe instrução bíblica sobre as relações sexuais dentro do casamento. Somente o casal pode decidir como os atos sexuais devem ser realizados;

· 1983: Definir atos sexuais dentro do casamento é agora de responsabilidade do corpo governante. O sexo oral e/ou anal não são porneía e não podem ser base para o divórcio, mas se eles ocorrem dentro do casamento, isso ainda pode levar à desassociação;

· 1983: A palavra porneía inclui relações sexuais entre um humano e um animal;

· 1983: A palavra porneía inclui carícias nos órgãos genitais de uma pessoa com quem não se está casado;

· 2018: A palavra porneía pode incluir simulações de atos sexuais por pessoas totalmente vestidas sem nenhum contato de pele com pele.

Essas explicações parecem de alguém que está designado por Deus para explicar a Bíblia? Essas grandes contradições e inconsistências ocorrem pelo simples fato de que humanos deixam a Bíblia de lado e começam a opinar sobre porneía, assim como você, leitor, fez. Isso causa sérios problemas a pessoas variadas. Hoje alguém pode ser desassociado por uma coisa que daqui a 5 anos não será mais pecado de desassociação. Isso lhe parece provir de Deus? A mim não parece. Não estou dizendo que cristãos devam ser inerrantes, mas no momento em que alguém se autointitula “designado por Cristo para explicar a Bíblia”, tal pessoa não pode cometer erros nesta designação.

Ou quando não colocou “impureza” como passível de desassociação.

   Conforme eu dissertei no meu artigo, não são “ações” apresentadas na Bíblia como pecados de desassociação, mas personalidades. A Bíblia não apresenta a palavra “impureza” como pecado de desassociação. Não apenas isso, a Bíblia tampouco atribui qualquer ação a akatharsía (impureza). Em outras palavras, não sabemos a quais ações a palavra akatharsía se refere, nem sabemos se se refere a ações. Ao que tudo indica, “impureza” é um sentimento, não uma ação.

Cristãos são guiados por princípios e evidentemente assim como Deus não citou uma por uma [das] coisas que NÃO DEVÍAMOS fazer, como por exemplo, ver pornografia, ele também não colocou uma lista de uma por uma do que é passível de excomunhão, [colocou sim!] mas que evidentemente a Bíblia abrange. [Carece de base bíblica.]

Conforme provei no meu artigo anterior, é falsa a declaração do leitor de que ‘Deus não colocou uma lista de uma por uma do que é passível de excomunhão’. Vemos esta lista na primeira carta aos coríntios, capítulos 5 e 6. O que acontece é que Deus não citou uma por uma das coisas que os humanos querem que sejam passíveis de desassociação.

No que tange a desassociação, não há “princípios”, mas uma lista de personalidades a serem expulsas da congregação, conforme provei no meu artigo. Visto que a desassociação é uma ação punitiva, faz-se necessária uma lista clara; e princípios não são suficientemente claros para isso. É necessário que haja ações concretas, e de fato há. O problema é que os humanos querem adicionar ações ao que Deus determinou como pecados de desassociação.

Quanto à pornografia, nem a Bíblia nem o corpo governante das TJs dizem que é pecado de desassociação. Com que base bíblica você diz que ver pornografia é “evidentemente” algo que está na Bíblia como “pecado de desassociação”? Não vi referência nenhuma. O que o corpo governante das TJs diz é que apenas “formas repulsivas de pornografia” são passíveis de desassociação.[1] O que são “formas repulsivas de pornografia”? Não sei, mas o corpo governante já teve muitas opiniões diferentes sobre isso, assim como teve opiniões diferentes sobre porneía. Lembre-se: pessoas inocentes são desassociadas por causa de tais opiniões!

Por exemplo, vejamos Efésios 4:18-19: "Elas (as pessoas das nações) [Que bom que você entendeu que este texto não está falando da desassociação, mas das pessoas das nações.]  estão mentalmente em escuridão e apartadas da vida que pertence a Deus, por causa da ignorância que há nelas, por causa da insensibilidade do seu coração. Tendo perdido todo o senso moral, entregaram-se à conduta insolente para praticar com ganância todo tipo de impureza."

   Prezado, este texto não está falando da desassociação.

Analisemos. É dito que tais pessoas:

1)           perderam o senso moral;

2)          são ignorantes

3)         Insensíveis

4)         Mentalmente em escuridão

5)          Apartadas da vida de Deus

Quais eram as práticas que essas pessoas faziam? Todo tipo de impureza, fazendo isso com ganância e conduta insolente.

   Prezado, este texto não fala da desassociação. Nem ao menos a palavra “impureza” é relacionada a ações específicas. Por exemplo, se eu não lavar as mãos antes de comer, isso é impureza? Serei desassociado se eu não tomar banho por 3 dias? Não há ações específicas atreladas ao termo akatharsía (impureza) no Novo Testamento. Portanto, como poderia alguém ser desassociado por akatharsía (impureza), se o Novo Testamento não diz que “impureza” é pecado de desassociação e nem diz a quais ações isso se refere? Impureza, pelos contextos onde o termo é usado, refere-se a sentimentos, não a ações. E ninguém poderá ser desassociado por sentimentos.

Bom, o texto fala de pessoas que não SÃO CRISTÃS fazendo isso. [Prezado, então seu comentário não corrobora com sua tese.]  E elas não serão salvas. [Mas isso não tem nada que ver com desassociação.]   Agora imagina um CRISTÃO que comete tais coisas, que segundo os princípios bíblicos, terá um julgamento mais pesado por justamente ter conhecimento que isso é errado e não se arrepende, será salvo? [Concordo. Mas você fugiu totalmente do tema. O tema é “desassociação”, não “salvação”. Você está puxando o assunto para a salvação.]

Óbvio que não. E se não irá ganhar a vida eterna, evidentemente hoje também não tem lugar na congregação de Deus. [Carece de base bíblica.]

   Esse seu último comentário é visivelmente errado e é muito fácil de provar por quê. Em primeiro lugar, salvação e desassociação são coisas diferentes; você usou pecados que anulam a salvação como justificativa para desassociar pessoas. Não há relação entre uma coisa e outra.

   Em segundo lugar, com base na Bíblia veremos que se o seu raciocínio fosse verdadeiro, pessoas seriam desassociadas por qualquer motivo. Você argumentou que o pecado que tira a salvação do crente é também base para desassociá-lo. Lembre-se de que a Bíblia fala que os que praticam o “ciúme” e a “inveja” não herdarão o reino de Deus. (Gálatas 5:20, 21) Na sua lógica, isso necessariamente significaria que pessoas ciumentas e invejosas deveriam ser desassociadas. Isso, entretanto, seria o cúmulo dos cúmulos. Não é possível desassociar pessoas sob a acusação de ciúme, pois este é um sentimento. Assim, por exemplo, se eu chamasse duas testemunhas e essas dissessem que você é de fato ciumento, você seria desassociado por “ciúmes”. Isso obviamente não acontece e nem poderia acontecer. Ainda assim, os que praticam o ciúme não herdarão o reino de Deus, conforme nos dizem as palavras de Paulo. Isso prova que os pecados que impedem a salvação e os pecados de desassociação são diferentes, embora existam ações em comum. Apenas pessoas más devem ser desassociadas da congregação. Foi isto que Paulo disse.

Quer dizer que a pessoa não poderá estar no paraíso prometido, mas pode andar livremente no meio da congregação hoje?

   Depende do que a pessoa estiver fazendo. Se ela não está fazendo algo biblicamente passível de desassociação, ela não poderá ser desassociada, mesmo que ela não seja elegível para o reino de Deus. Do contrário, você deveria começar uma inquisição contra os ciumentos, desassociando-os. Sei que você não fará isso, mas falo isso para deixar claro que salvação e desassociação são coisas distintas, embora contenham algumas ações em comum.

Mais à frente, Paulo continua:

“A imoralidade sexual, TODO TIPO DE IMPUREZA e a ganância não sejam nem mesmo mencionadas entre vocês, assim como é próprio de pessoas santas.” (Efésios 5:3)

   Conforme falei e conforme você mesmo sabe, isso não tem relação com a desassociação.

Quer dizer que não devo NEM MENCIONAR, mas acariciar por debaixo da roupa pode e tá tudo bem ficar dentro do povo de Deus?

“Tudo bem” é uma expressão extrapolada.  Eu não disse que está “tudo bem”, e você sabe disso. Mas o ponto é que você vai ter que provar biblicamente por que duas pessoas que fizeram isso são culpadas de porneía, e você não vai conseguir. Se a história serve de guia para nós, olhe novamente para a lista das definições de porneía pela liderança das TJs desde 1956 até 2018 e me diga se acha que todas aquelas definições provêm do Senhor. Pense nas pessoas inocentes que foram desassociadas por opiniões de homens que mudaram depois de alguns anos.

 A Bíblia não diz que “tocar nas partes íntimas” é porneía. Pelo visto você e eu temos visões bem diferentes sobre a inspiração da Bíblia e sua autossuficiência. (1 Coríntios 4:6) Lembre-se, amado irmão, ir “além das coisas que estão escritas” sempre, sempre causa problemas.

Paulo disse: “ninguém que pratica imoralidade sexual, NENHUMA PESSOA IMPURA, nem gananciosa — que significa ser idólatra — tem herança alguma no Reino do Cristo e de Deus.” (Efésios 5:5) Ora, a pessoa não tem a herança da vida eterna, mas pode ser bem aceita dentro do povo de Deus hoje? Não faz sentido.

   Conforme eu já argumentei, não estar no reino de Deus e ser expulso da congregação são ações totalmente distintas. Os invejosos não herdarão o reino de Deus, mas ninguém será desassociado por ser invejoso. Portanto, não há base bíblica para a sua tese de que os pecados que removem a salvação do crente sejam base para desassociá-lo.


Nota:

[1] Livro Pastoreiem o Rebanho de Deus, capítulo 12, 15 (3). 


Contato: oapologistadaverdade@gmail.com 

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

 




10 comentários:

  1. Querido irmão, que resposta espetacular. Eu já tinha me dado conta de que a palavra "impureza" não tem nenhuma referência a qualquer ação concreta no Novo Testamento. Mas não tinha me dado conta de que isso significa que não pode ser pecado de desassociação. Muito bem colocado. Claro!!! Se impureza fosse pecado de desassociação com base bíblica, teríamos que saber exatamente a quais ações ou campo de ações a palavra se refere. A pergunta feita pelo irmão foi espetacular: "Vou ser desassociado por impureza se eu ficar 3 dias sem tomar banho?" Muito boa essa pergunta. Não tem como saber se X ou Y se encaixam em "impureza". Por causa disso, quando alguém diz que uma ação X é impureza, não há como provar isso biblicamente. Em outras palavras, tudo que se diz sobre impureza como pecado de desassociação é invenção de homens. Parabéns, irmão, pela sua coragem em postar isso.

    ResponderExcluir
  2. Ao autor do artigo

    Quero agradecer a você por esta resposta precisa e plenamente baseada na Bíblia. Percebo que a organização está cheia de regras humanas, atropelando as Escrituras.

    Atualmente os estudos nas reuniões não são mais
    alimento espiritual, apenas papinha espiritual repleta de artigos infantilizados que não ensinam nada profundo sobre a Bíblia, ao contrário desses artigos sobre apostasia, cisma (primeira vez que ouvi falar nisso), heresia, desassociação, etc ...

    Numa tinha pensado no significado de "heresia"....

    Quem dera os membros do corpo governante aprendessem com vocês e passassem a focar os estudos e o ensino na Bíblia, apenas na Bíblia.
    !!!!

    Mais uma vez muito obrigado por publicar este artigo.... Me ajudou muito.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Mais irmão imagina um ancião trazendo atenção a esses fatos aos demais anciãos qual a probabilidade de não haver represálias?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele seria removido do cargo de ancião, admoestado a parar, e se não parasse, seria desassociado.

      Excluir
  5. Muito bom. Estou aprendendo muito

    ResponderExcluir
  6. O antigo CG era teocrático, o atual é autocrático

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *