Image Map











segunda-feira, 12 de março de 2012

Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 1)

Fonte da ilustração:
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/1101978174

      

Este é o primeiro de uma série de artigos que apresentam diversos quadros bíblicos que comprovam a existência de duas classes que receberão a vida eterna: os que receberão a vida imortal no céu e os que receberão a vida eterna no Paraíso terrestre. Este estudo mostrará que esse conceito é bem fundamentado pela Palavra de Deus, bem como fornecerá argumentos aos evangelizadores para divulgar essa maravilhosa verdade bíblica.


1)    O "descendente" e as "nações da terra"

“E todas as nações da terra hão de abençoar a si mesmas por meio de teu descendente, pelo fato de que escutaste a minha voz.” – Gênesis 22:18.

Essas palavras de Jeová a Abraão não se referem ao descendente natural de Abraão, pois “TODAS as nações da terra” não foram abençoadas por meio de tal descendência. O texto refere-se evidentemente ao descendente espiritual de Abraão. Esse descendente seria coletivo, ‘multiplicado’. (Gênesis 22:17) Qual a identidade dele? Paulo explicou: “Ora, as promessas foram feitas a Abraão e a seu descendente ... que é Cristo.” (Gálatas3:16) E depois acrescentou: “Além disso, se pertenceis a Cristo, sois realmente descendente de Abraão, herdeiros com referência a uma promessa.” (Gálatas 3:29) Todos os cristãos do primeiro século tinham esperança celestial. (Colossenses 1:5; 1 Pedro 1:3, 4) Essa esperança se estenderia aos humanos até que “se completasse ... o número” desses escolhidos para reinar com Cristo – 144.000 pessoas. (Apocalipse 6:11; 14:1) Mas, que dizer das “nações da terra”?
     
Estes não podem ser o mesmo grupo, visto que seriam abençoados por meio daqueles. A “grande multidão” de Revelação (Apocalipse) 7:9 vem de “todas as nações”, e é vista como grupo à parte dos 144.000 mencionados antes. Ela sobrevive à “grande tribulação” em “carne”, em estado físico, ao passo que os membros dos 144.000 são arrebatados para o domínio celestial. (Apocalipse 7:14; Mateus 24;21, 22; 1 Tessalonicenses 4:16, 17) Essa “grande multidão” faz parte das “nações” que estarão aqui na Terra durante o Reinado Milenar de Cristo, quando Satanás e seus anjos estarão restritos no abismo de inatividade. – Apocalipse 20:1-3.


2)    O “pequeno rebanho” e as “outras ovelhas”
     
Cristo comparou seus discípulos a “ovelhas”. (João 10:27) Suas ovelhas estão unidas num só “rebanho” dentro do arranjo cristão. Contudo, estão distribuídas em dois “apriscos” (currais, redis, cercados). O primeiro “aprisco” é o arranjo que reúne pessoas para reinar com Cristo no céu. Sobre esses, Jesus disse: “Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino.” (Lucas 12:32) A expressão “pequeno rebanho” é significativa, visto que apenas um número limitado de cristãos irá reinar com Cristo no céu. Mas que dizer dos que viverão na Terra debaixo do domínio do Reino celestial?
     
A respeito desses, Cristo afirmou: “E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor.” (João 10:16) A expressão “a estas também tenho de trazer” indica que, após a chamada para a vida celestial, voltaria a predominar a esperança original e natural da humanidade, que é viver para sempre no Paraíso na Terra. – Gênesis 1:27, 28.


3)    Os 144.000 e a “grande multidão”

Após a menção do número definido de 144.000, Apocalipse 7:9 faz referência a “uma grande multidão, que nenhum homem podia contar”. Se o número 144.000 não fosse literal, não teria sentido contrastá-lo com a incontável “grande multidão”. O fato de ter sido mencionada à parte dos 144.000 mostra que a “grande multidão” não é o mesmo grupo. Em adição, 144.000 é um número determinado, ao passo que a “grande multidão” não tem um número definido. Esse contraste não faria sentido se ambos fossem o mesmo grupo.[1]

Os 144.000 cantam um “novo cântico”, que SOMENTE ELES CONHECEM. (Apocalipse 14:3) Esse “novo cântico” diz respeito à experiência pessoal pela qual somente os membros dessa classe passam, razão pela qual somente eles conhecem tal cântico. Sobre esses, Apocalipse 5:9, 10 declara: “E CANTAM UM NOVO CÂNTICO, dizendo [para Jesus]: ‘Digno és de tomar o rolo e de abrir os seus selos, porque foste morto e com o teu sangue compraste pessoas para Deus [os 144.000], dentre toda tribo, e língua, e povo, e nação, e fizeste deles um REINO e SACERDOTES para o nosso Deus, e HÃO DE REINAR SOBRE A TERRA.”

O fato de os 144.000 terem sido “COMPRADOS da terra” indica que o ser humano não foi feito para viver no céu. Seria um direito da raça humana. Mas este não é o caso, razão pela qual Jesus teve de fazer um compra dessa humanidade de 144.000 para estarem com ele no céu.


4)    Os “santos do Supremo” e os “domínios”

Daniel 7:13, 14 retrata que “alguém semelhante a um filho de homem” (o Senhor Jesus Cristo) recebe de Jeová Deus “domínio, e dignidade, e um REINO.” Outros textos paralelos atestam isso. (Isaías 9:6, 7; Lucas 1:32, 33; Apocalipse 11:15) Porém, Jesus não irá reinar sozinho. Daniel 7:27 confirma isso, dizendo: “E o reino, e o domínio, e a grandiosidade dos reinos debaixo de todos os céus foram entregues ao povo que são OS SANTOS DO SUPREMO. Seu reino é um reino de duração indefinida e a eles é que servirão e obedecerão TODOS OS DOMÍNIOS.”
     
Vemos novamente dois grupos distintos: os que governarão (O Senhor Jesus Cristo e os “Santos do Supremo”), e os que serão governados: “todos os domínios”. Estes últimos são mencionados no versículo 14 como sendo “todos os povos, grupos nacionais e línguas”. O primeiro grupo é constituído de Jesus e dos 144.000, ao passo que o segundo grupo são os que usufruirão o Paraíso aqui na Terra. – Salmo 37:9-11, 22, 29, 34.


5)    A Nova Jerusalém e a humanidade
     
Lemos em Apocalipse 21:2-4: “Vi também a cidade santa, Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para seu marido. Com isso ouvi uma voz alta do trono dizer: ‘Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram.’”

A “Nova Jerusalém” é um cidade simbólica que retrata os 144.000. Como sabemos disso? Ela representa a “noiva” de Cristo, expressão que se aplica aos que irão para o céu com Jesus.  (Veja Apocalipse 21:9-11; 2 Coríntios 11:2; Efésios 5:23-25, 32.) Mas outro grupo é mencionado em Apocalipse, capítulo 21: a “humanidade” (“os homens”, Al), ou seja, pessoas de carne e osso. A expressão “não haverá MAIS morte” mostra que isso se cumpre aqui na Terra, pois no céu nunca houve morte.


6)    Os novos céus e a nova terra

 2 Pedro 3:13 diz: “Há novos céus e uma nova terra que aguardamos segundo a sua promessa, e nestes há de morar a justiça.” Na Bíblia, “céus” e “terra”, tanto em sentido literal quanto simbólico, são distintos e não se referem à mesma coisa ou lugar. (Isaías 66:1) Portanto, as Escrituras mostram que os céus espirituais e o planeta Terra serão habitados pelos salvos. Os “novos céus” referem-se ao governo exercido por Jesus e os 144.000, ao passo que a “nova terra” significa a nova sociedade humana, obediente, que habitará o Paraíso terrestre.[2]


Notas:

[1] Os 144.000 não são israelitas naturais. As tribos mencionadas em Apocalipse 7:4-8 não conferem com as do Israel natural, registradas em Números 1:4-16. Trata-se, pois, de israelitas em sentido espiritual. (Romanos. 2:28, 29; 9:6; Gálatas 6:16) Prova adicional disso é que Apocalipse 14:3, 4 afirma que eles “foram comprados da terra”  e “dentre a humanidade”, e não apenas do Israel natural.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org







Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *