Image Map











sexta-feira, 16 de março de 2012

Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 3)

Fonte da ilustração: 
http://wol.jw.org/pt/wol/d/r5/lp-t/402014367


Este é o terceiro artigo desta série, que visa demonstrar por referências bíblicas o conceito plenamente arraigado nas Escrituras Sagradas de que a salvação está reservada para duas classes – os que servirão como governantes associados de Cristo e os que se beneficiarão desse maravilhoso arranjo como súditos aqui na Terra. Seguem abaixo quadros bíblicos que atestam inquestionavelmente essa verdade bíblica.

13) Os “irmãos” de Cristo e as “ovelhas”

A parábola das ovelhas e dos cabritos, registrada em Mateus 25:31-46, também aponta para a existência das duas categorias de salvos. A parábola mostra que as “ovelhas” são salvas por terem feito o bem aos “irmãos” do Rei, Jesus Cristo. Quem são os classificados nessa passagem bíblica como sendo “irmãos” de Jesus?

O apóstolo Paulo explica isso, em Hebreus 2:11-13: “Porque era próprio que aquele [Deus], para quem são todas as coisas e por intermédio de quem são todas as coisas, trazendo muitos filhos [os com esperança celestial] à glória, aperfeiçoasse por sofrimentos o Agente Principal [Jesus] da salvação deles. Porque tanto aquele [Jesus] que santifica como os que estão sendo santificados [os com esperança celestial] provêm todos de um só [Deus], e por esta causa ele [Jesus] não se envergonha de chamá-los ‘irmãos’, dizendo: ‘Declararei o teu nome a meus irmãos; no meio da congregação louvar-te-ei com cântico.’ E, novamente: ‘Terei nele a minha confiança.’ E, novamente: ‘Aqui estou eu e as criancinhas que Jeová me deu.’”

Assim, os que irão reinar com Cristo no céu são seus “irmãos”, visto que foram adotados como “filhos de Deus”. (1 João 3:2; Romanos 8:16, 17; Efésios 1:5) Desse modo, Jesus Cristo se tornou “primogênito entre muitos irmãos”. (Romanos 8:29) Mas, que dizer dos que viverão na Terra? Esses são classificados como “filhos” de Jesus Cristo, que se torna o “Pai Eterno” da humanidade redimida. (Salmo 45:16; Isaías 9:6; 53:10) As “ovelhas” da parábola de Jesus são, evidentemente, os que herdarão o domínio terrestre do Reino de Deus.


14) Os ‘vencedores’ e o “malfeitor”

Pouco antes de morrer, Jesus prometeu o “paraíso” ao malfeitor arrependido que estava ao seu lado. (Lucas 23:39-43) Por outro lado, Jesus prometeu aos seus irmãos, que têm esperança celestial: “Àquele que vencer concederei comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus.” (Apocalipse 2:7) Vemos aqui duas referências ao “paraíso”, mas em contextos inteiramente diferentes. Na primeira menção, o “paraíso” foi oferecido a alguém que havia se arrependido poucos instantes antes, ao passo que, na segunda menção, o “paraíso” foi oferecido a pessoas que tivessem um histórico de perseverança na vida cristã até o fim. É, pois, evidente que, assim como os elementos que recebem a oferta são extremamente distintos, os referidos ‘paraísos’ também o são. 

No caso do malfeitor arrependido, as palavras de Jesus indicam que tal criminoso será ressuscitado no Paraíso terrestre, onde terá a oportunidade de receber instrução e treinamento que o levará a herdar a vida eterna, caso ele corresponda a essa ajuda. Se assim o fizer, a ressurreição dele terá mostrado ser “uma ressurreição de vida”. (João 5:28, 29) Já o “paraíso” mencionado em Apocalipse 2:7 é simbólico (característico do livro de Apocalipse), e refere-se à vida imortal no céu, para servir como corregente de Cristo e sacerdote adjunto, algo incompatível com a situação de um criminoso que se arrependeu no fim da vida e que, portanto, não recebeu nenhum treinamento nesta vida para a tarefa monumental que se espera dos que governarão com Cristo no céu. – Apocalipse 5:9, 10; 20:6.


15) Os “filhos de Deus” e a “criação”

O apóstolo Paulo escreveu: “A expectativa ansiosa da criação está esperando a revelação dos filhos de Deus. Porque a criação estava sujeita à futilidade, não de sua própria vontade, mas por intermédio daquele que a sujeitou, à base da esperança de que a própria criação também será liberta da escravização à corrupção e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus. Pois sabemos que toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores até agora. Não somente isso, mas também nós mesmos, os que temos as primícias, a saber, o espírito, sim, nós mesmos gememos em nosso íntimo, ao passo que esperamos seriamente a adoção como filhos, sermos livrados de nossos corpos por meio de resgate.” – Romanos 8:19-23.

Vemos aqui a menção de dois grupos distintos: a “criação” e os “filhos de Deus”. O termo “criação”, nesta passagem, não se refere aos animais irracionais, pois esses não têm intelecto para ‘esperar’ nem entender a “revelação dos filhos de Deus”. (Versículo 19) Ademais, o fato de ela ter a “esperança” de ter a “liberdade gloriosa dos filhos de Deus” mostra que se refere à criação humana – seres que têm espiritualidade e consciência. Já a expressão “filhos de Deus” nesse contexto se aplica aos que governarão no céu com Cristo. Paulo, que tinha tal esperança de vida celestial, falou da “glória que há de ser revelada EM NÓS”. (Romanos 8:18; 2 Timóteo 2:12) E disse adicionalmente: “Esperamos seriamente a adoção como filhos, sermos livrados de nossos corpos por meio de resgate.” – Romanos 8:23.

Os que compõem tal “criação” não se tornarão espirituais “filhos de Deus” com esperança celestial. São um grupo distinto destes últimos. A afirmação de Paulo, de que “a própria criação TAMBÉM será liberta da escravização à corrupção” mostra isso. (RomNOA 8:21) Além disso, depois de mencionar que a “toda a criação junta persiste em gemer”, Paulo declara: “TAMBÉM NÓS mesmos, os que temos as primícias, a saber, o espírito, sim, nós mesmos gememos.” (Romanos 8:23) Esses usos da palavra “também” mostram a clara distinção entre essas duas classes. Os que compõem a “criação” herdarão o Paraíso terrestre. Embora não se tornem adotados “filhos de Deus” no sentido de receberem a vida imortal no céu, terão a “liberdade gloriosa dos filhos de Deus” por se tornarem seres humanos perfeitos, livres do pecado e dos efeitos mortíferos deste.


16) Os “comprados” e os ‘lavados’

Por meio do resgate, Jesus comprou a humanidade. (1 Coríntios 6:20; 7:23; 2 Pedro 2:21) No caso dos judeus, que estavam sob a maldição da Lei, esses foram libertados dessa maldição “por meio duma compra” pelo resgate. (Gálatas 4:5; 3:13) Mas, a respeito dos 144.000 que reinarão com Cristo, a Bíblia declara que “foram comprados DA TERRA” e que “foram comprados DENTRE A HUMANIDADE”. (Apocalipse 14:1, 3, 4) Além de terem sido comprados pelo sacrifício de Cristo dos efeitos mortíferos do pecado, estes também foram comprados de sua condição humana, terrestre, para poderem servir como reis e sacerdotes no céu. – Apocalipse 5:9, 10; 1 Coríntios 15:50.
     
Isso mostra que a humanidade não foi feita naturalmente para viver no céu. Se o fosse, Jesus não teria de fazer essa ‘compra’ de 144.000 pessoas para viverem com ele no céu. Simplesmente seria um direito da humanidade. Mas, como não é esse o caso, os 144.000 tiveram de ser “comprados” – adquiridos – de seu lugar normal de permanência, que é a Terra.

Mas, no caso dos que compõem a “grande multidão” com esperança terrestre, é significativo que a Bíblia declare que “lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro”. (Apocalipse 7:9, 14) Embora tenham sido comprados no sentido geral de serem resgatados do pecado e da morte, esses não foram comprados DA TERRA, visto que não sairão dela, nem DENTRE A HUMANIDADE, visto que permanecerão como humanos – chegando a se tornar humanos perfeitos, assim como Adão e Eva eram antes do pecado.         


17) As “coisas no céu” e as “coisas na terra”

A Bíblia relata sobre Jeová, que “é segundo o seu beneplácito, que ele se propôs em si mesmo, para uma administração no pleno limite dos tempos designados, a saber, ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra.” (Efésios 1:9, 10) As “coisas nos céus” não são os anjos fiéis, pois estes não precisam ser ‘ajuntados novamente’ por Deus, uma vez que nunca se desviaram dele. Eles estão plenamente unidos e sujeitos a Cristo. (Mateus 25:31; 26:53) Embora diversas traduções da cristandade vertam por “as coisas que estão nos céus”, o texto grego diz simplesmente “as (coisas) nos céus” (τὰ ἐπὶ τοῖς οὐρανοῖς; tàs epì toîs ouranoîs). É óbvio que a expressão se refere aos que receberão a vida imortal nos céus espirituais. Correspondentemente, as “coisas na terra” (τὰ ἐπὶ τῆς γῆς; tà epi tês gês) são os que herdarão a vida eterna no Paraíso terrestre. – Comentário extraído do artigo “Novos céus e uma nova terra” – o que significam?

Por conseguinte, os sinceros estudantes da Bíblia, despojados de conceitos preconcebidos, puderam averiguar através desta série de artigos que tanto a esperança de vida eterna no céu como a esperança de vida eterna na Terra são ensinos bíblicos bem estabelecidos. Fazem, portanto, parte do “modelo de palavras salutares” que identificam o conjunto de doutrinas bíblicas, e devem ser divulgados para o benefício de todos. – 2 Timóteo 1:13.




A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org





10 comentários:

  1. Senhor Apologista, sugiro um artigo sobre o popular argumento -dos tais apologistas antiseita- usado em Jo5:23 [e a expressão "Assim como"], destaco Jo 17:23 que também usa "assim como" [E de lambuja também refuta o argumento de Jo 17:5 usado pelos mesmos trinitários].

    ResponderExcluir
  2. Prezado Saga:
    Sua sugestão é bem-vinda. Quanto a João 17:5, foi feita uma consideração desse texto no artigo "Jesus tem a mesma glória que seu Pai?" neste blog.

    ResponderExcluir
  3. Ambos textos usam "Kathos" (Fui conferir para que não viesse a ocorrer do "Assim Como" ocorrer em ambos apenas em português) :

    JO17:22. και εγω την δοξαν ην δεδωκας μοι δεδωκα αυτοις ινα ωσιν εν καθως ημεις εν εσμεν

    kai egO tEn doxan dedOkas moi dedOka autois hina Osin hen kathOs hEmeis hen esmen

    ------------------------------------------------
    JO5:23 23. ινα παντες τιμωσιν τον υιον καθως τιμωσιν τον πατερα ο μη τιμων τον υιον ου τιμα τον πατερα τον πεμψαντα αυτον

    hina pantes timOsin ton huion kathOs timOsin kaqws ton patera ho mE timOn ton huion ou tima ton patera ton pempsanta auton

    Além de João 17:22, também o 17:14 o 17:16 17:18 17:21 17:23 usam "Kathos". (Se usarmos a a palavra KATHOS do jeito que eles querem então todos seguidores de Cristo também serão parte da Trindade, todos sendo "Um com Deus"?! Rs)

    João 5:21 e Mateus 5:48 usam uma palavra diferente.

    Fonte: http://www.scripture4all.org/OnlineInterlinear/Greek_Index.htm

    Pode conferir, e seria um artigo muito útil.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, Saga! Muito obrigado pela sua contribuição de argumentos. Felicidades!

    ResponderExcluir
  5. Olá meu querido irmão, estou passando rapidamente para dizer que prezo muito seus artigos e também dizer que continue assim, vivendo para Jeová de modo pleno, por que pode ter certeza que Jah, não esquece do atos dos seus servos fiéis. Um grande abraço de eu querido irmão e conservo na fé TJCI.

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado, querido irmão e amigo TJCI, pelas palavras encorajadores. Que Jeová também continue lhe abençoando em todos os seus esforços em prol do Reino de Deus. - Prov. 10:22.

    ResponderExcluir
  7. Oi meu irmão tudo bem né?
    Eu tenho 20 anos de verdade e apesar de estudar muito a questão da trindade eu não sabia que os trinitaristas usavam o texto de salmo 68:18 para provar que Jeová é Jesus,pois é citado por Paulo com referencia a Cristo...pode ser até assunto para o site.Um Braço fique com jah!

    ResponderExcluir
  8. Oi,Nilsom. De fato, a má interpretação dessas passagens feita pelos trinitaristas se deve a não reconhecerem a regra bíblica de que os representantes de alguém são muitas vezes aludidos como se fossem os representados por eles. Também desconhecem a regra de que Jeová é a Procedência ao passo que Jesus é o intermediário de uma ação, razão pela qual a mesma ação e/ou o mesmo título podem ser atribuídos a ambos sem que eles sejam a mesma pessoa. (1 Cor. 8:6) Veja os artigos neste blog "Duas rregras - uma falsa e uma verdadeira" e "Uma regra bíblica desconsiderada pelos trinitaristas". Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  9. Eu gostaria de intender como será nosços corpos no novo mundo,dos que passarao com vida e dos ressucitados,serao iguais ou diferentes ? Tenho muita duvida se puder me ajudar,nao estou conseguindo sozinho a achar a resposta,obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Rodrigo:

      A Bíblia mostra que o propósito de Jeová é que a Terra seja habitada por humanos perfeitos como Adão e Eva foram antes do pecado. (Gênesis 1:27, 28; Salmo 37:29; Isaías 45:18) Jesus morreu para restaurar esse propósito. Assim, pelo que a Bíblia nos apresenta, os humanos se tornarão perfeitos como Adão e Eva foram, tendo corpos humanos perfeitos e a vida eterna.

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *