Image Map











segunda-feira, 28 de maio de 2012

A “grande multidão” – qual é a sua identidade? (Parte 1)

Fonte da ilustração:
https://www.jw.org/pt/publicacoes/revistas/ws20130215/vale-de-protecao-de-jeova/



“Depois destas coisas eu vi, e, eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, trajados de compridas vestes brancas; e havia palmas nas suas mãos.” – Apocalipse 7:9.

     
Parece que prevalece no seio da cristandade um consenso geral de que a “grande multidão” visionada pelo apóstolo João no capítulo 7 do Apocalipse representa os salvos que irão para o céu. Numa postura diametralmente oposta, as Testemunhas de Jeová ensinam que ela é uma classe de pessoas que sobreviverão à futura “grande tribulação” e que viverão aqui mesmo em felicidade na Terra. (Apocalipse 7:14; Mateus 24:21, 22) O que a Bíblia tem a nos dizer sobre a identidade da “grande multidão”? É possível reunir evidências que determinem o verdadeiro conceito bíblico sobre o que significa esse grupo?


Características da “grande multidão” de Apocalipse 7:9-17:

  • Incontável. – 7:9.
  • Internacional e inter-racial. – 7:9.
  •  Postadas “em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro”. – 7:9, 15.
  • Com vestes brancas e palmas nas mãos. – 7:9.
  • Atribuem salvação a Deus e ao Cordeiro. – 7:10.
  • “Saem da grande tribulação.” – 7:14.
  • “Lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro.” – 7:14.
  • Prestam serviço sagrado dia e noite no templo de Deus. – 7:15.
  • Deus estende sobre eles Sua tenda. – 7:15.
  •  ‘Não terão mais fome, nem mais sede, nem se abaterá sobre eles o sol, nem calor abrasador.’ – 7:16.
  • ‘O Cordeiro os pastoreará e os guiará a fontes de águas da vida.’ – 7:17.
  • “Deus enxugará toda lágrima dos olhos deles.” – 7:17. 

           Primeiramente, examinemos os argumentos apresentados pelos que defendem que esse grupo representa os vitoriosos com Cristo no céu.

Existe uma tendência que predomina na cristandade, de classificar os 144.000 como sendo o mesmo grupo que a “grande multidão”. (Apocalipse 7:1-17) Um argumento apresentado é de que, visto que as 12 “tribos” que constituem os 144.000 são simbólicas, isso implicaria em que os referidos 144.000 também são um número simbólico.[1] Mas, o fato de os 144.000 serem compostos por tribos simbólicas em relação às tribos literais do Israel literal significa que o número deles também seja simbólico? Quer dizer, isso obrigatoriamente afeta a identidade deles?

A regra de que um número definido, apresentado dentro de um contexto que apresenta também quadros simbólicos, forçosamente tem de ser simbólico não subsiste a um escrutínio mais aprofundado. Observe parte da descrição da simbólica “Nova Jerusalém”: “A muralha da cidade tinha também doze pedras de alicerce, e sobre elas os doze nomes dos doze apóstolos do Cordeiro.” (Apocalipse 21:2, 14) “Muralhas” são símbolo de proteção. (Apocalipse 21:27; 1 Samuel 25:16; Provérbios 25:28) O “alicerce” representa a base, ou fundamento, sobre o qual é edificada a simbólica “cidade”. (Efésios 2:19-22) O “Cordeiro” representa Jesus Cristo. (João 1:29) Contudo, todo esse conjunto de simbolismos não faz com que o número dos “doze apóstolos” seja também simbólico.

 Outra proposição apresentada visando fundir os 144.000 com a “grande multidão” é a de que Apocalipse 7:1-8 faz referência aos 144.000 como classe ainda na Terra, ao passo que a “grande” multidão” dos versículos 9-17 os mostra como vencedores no céu. Mas, se é assim, por que eles ainda são retratados no mesmo símbolo de 144.000 no céu em Apocalipse, capítulo 14? Seguindo essa linha de raciocínio, deveríamos encontrar a “grande  multidão” com o Cordeiro no “monte Sião” celestial, e não os 144.000. (Hebreus 12:22) Além disso, os 144.00 são descritos como tendo sido “comprados [adquiridos] da terra” e como “comprados dentre a humanidade”, uma vez que têm de deixar seu lugar normal de permanecia – a Terra – e sua condição natural de existência como seres humanos para viver no céu com Cristo, compondo Seu Reino celestial. (Apocalipse 14:1, 3, 4) No entanto, essa descrição não é feita com relação à “grande multidão”.[2] Assim, essa proposição não confere com o inteiro quadro que a Bíblia apresenta sobre os 144.000.


“Diante do trono”

Outra linha de argumentação dos que propõem que a “grande multidão” seja uma classe celestial reside no fato de que esse grupo foi visionado por João como estando “em pé diante do trono [de Deus] e diante do Cordeiro”. (Apocalipse 7:9, 15) Em grego, a expressão “diante de” é o advérbio ενώπιον [enópion], que também funciona como preposição com o caso genitivo. Os léxicos de palavras gregas do Novo Testamento reconhecem que essa palavra pode significar estar “diante” no sentido de estar na presença ou na frente de algo ou alguém, como também pode significar estar “diante” no sentido de estar à vista de algo ou alguém. (Veja The New Analytical Greek Lexicon (p. 146), de Wesley J. Perschbacher, ed. 1990, por Hendrickson Publishers, Inc.; e Léxico do N.T. Grego/Português, de F. Wilbur Gingrich e Frederick W. Danker, Edições Vida Nova, 1993, p. 75.) Um exemplo desse segundo sentido se encontra em Atos 10:33, nas palavras do centurião romano Cornélio ao apóstolo Pedro: “Estamos aqui todos presentes perante Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦenópion toû Theoû] para ouvir todas as coisas que foste mandado dizer por Jeová.”

Embora admitam que esse sentido seja possível para a palavra enópion, os proponentes da “grande multidão” como grupo celestial afirmam que o uso preponderante dessa palavra no Apocalipse é como significando “na presença de”. Os textos apresentados por eles descrevem coisas e seres que foram visionados como estando “diante de” Deus no sentido de estar “na presença” Dele e/ou do Cordeiro: os “sete espíritos” (1:4), as “lâmpadas de fogo” (4:5), o “mar vítreo” (4:6), os “vinte e quatro anciãos” (4:10; 11:16), as “quatro criaturas viventes” (5:8), os “anjos” (7:11; 8:2), o “altar de ouro” (8:3; 9:13), e os 144.000 (14:3).

Em primeiro lugar, uso preponderante não significa uso exclusivo. Segundo, essa apresentação de textos é parcial, pois não considera dois fatores: 1) os seres e as coisas apresentados como estando literalmente “diante” de Deus já são do domínio celestial ou são símbolos de coisas celestiais. Portanto, estarem literalmente “na presença” de Deus se adequa ao quadro apresentado. Por exemplo, os 24 anciãos são referidos como “sentados nos seus tronos diante de Deus”. (Apocalipse 11:16) Por conseguinte, o quadro é de reis atuando no céu. No caso dos 144.000, diz-se que “foram comprados da terra”, compondo, assim, um grupo celestial. 2) Quando o livro do Apocalipse descreve coisas terrestres, fica evidente o uso de enópion na significação de “à vista de”, num sentido primariamente circunstancial e não topográfico. Veja os exemplos abaixo:

Apocalipse 2:14: “Não obstante, tenho algumas coisas contra ti, que tens aí os que se apegam ao ensino de Balaão, o qual foi ensinar a Balaque a pôr uma pedra de tropeço diante [ ἐνώπιον; enópion] dos filhos de Israel, para que comessem de coisas sacrificadas a ídolos e cometessem fornicação.” (A referida “pedra de tropeço” foram as mulheres moabitas, que se apresentaram evidentemente não à inteira nação de Israel, ou à cada israelita, mas “à vista” da nação no sentido de seduzirem “alguns deles” a cometerem fornicação. – 1 Coríntios 10:8; Números 25:1-9, 16, 17; 31:15, 16.)

Apocalipse 3:2: “Não achei as tuas ações plenamente realizadas diante do meu Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦ μου; enópion toû Theoû mou].” (Exortação do ressuscitado Jesus Cristo à congregação de Sardes. As referidas “ações” haviam sido realizadas aqui na Terra “à vista” de Deus.)

 Apocalipse 3:8: “Eis que tenho posto diante de ti [ἐνώπιόν σου; enópion sou] uma porta aberta.” (Palavras de Cristo à congregação em Filadélfia. A citada “porta aberta” simbolizava a oportunidade para atividade cristã que estava “à vista” deles. Tratava-se de uma situação, ou circunstância, que se apresentava “diante” deles, e não de um objeto na presença deles. Não é indicação topográfica e sim circunstancial. – 1 Coríntios 16:9; 2 Coríntios 2:12.)

Apocalipse 3:9: “Eis que darei os da sinagoga de Satanás, que se dizem judeus, e que não são, mas estão mentindo — eis que os farei vir e prestar homenagem diante dos teus pés [ἐνώπιον τῶν ποδῶν σου; enópion tôn podôn sou] e os farei saber que eu te tenho amado.” (Não parece lógico concluir que os inimigos do cristianismo prestariam homenagem ajoelhando-se literalmente diante dos pés dos cristãos de Filadélfia. Antes, fariam isso por reconhecer “à vista” dos cristãos filadelfenos como grupo que o cristianismo é o modo correto de adorar a Deus. – 1 Coríntios 14:24, 25.)

Apocalipse 11:4: “Estas [as duas testemunhas] são simbolizadas pelas duas oliveiras e pelos dois candelabros, e  estão  em  pé  diante do Senhor da terra  [ἐνώπιον  τοῦ  κυρίου  τῆς  γῆς; enópion toû kyríou tês gês].” (As “duas testemunhas” claramente não estavam no céu, pois são descritas como sendo atacadas pela “fera” (“besta”, Almeida) que ascende do abismo. Estavam, portanto, “à vista” de Deus. – Apocalipse 11:7.)

  Apocalipse 13:12-14: “E [a fera de dois chifres] exerce toda a autoridade da primeira fera à vista dela [ἐνώπιον αὐτοῦ; enópion autoû]. E ela faz a terra e os que moram nela adorar a primeira fera, cujo golpe mortal ficou curado. E ela  realiza  grandes sinais, para fazer até  mesmo  fogo  descer  do  céu  para  a  terra  à  vista  da  humanidade [ἐνώπιον τῶν ἀνθρώπων; enópion tõn anthrópon]. E desencaminha os que moram na terra, por causa dos sinais que lhe foi concedido realizar à vista da fera [ἐνώπιον τοῦ θηρίου; enópion toû theríou], ao passo que diz aos que moram na terra que façam uma imagem da fera que sofrera o golpe de espada e ainda assim reviveu.” (Visto que as ‘feras’ [‘bestas’, Almeida] do Apocalipse simbolizam elementos de abrangência mundial, o que elas realizam é “à vista” uma da outra e da humanidade, pois não seria possível realizarem algo na presença de cada pessoa ou da humanidade como um todo. O que elas fazem é visto, ou percebido, pelos humanos, ainda que não reconheçam necessariamente sua fonte.)

     Apocalipse 14:10: “Será atormentado com fogo e enxofre, à vista [ἐνώπιον; enópion] dos santos anjos e à vista do Cordeiro.” (O texto faz referência ao que acontecerá com os adoradores da “fera” [“besta”, versículo 9]. Evidentemente, não serão atormentados lá no céu. O céu não é um lugar de tormento.)

    Apocalipse 16:19: “E a grande cidade fendeu-se em três partes, e caíram as cidades das nações; e Babilônia, a Grande, foi lembrada à vista de Deus [ἐνώπιον τοῦ θεοῦ; enópion toû Theoû], para dar-lhe o copo do vinho da ira do seu furor.” (Babilônia, a Grande, não está perante Deus no sentido de estar no céu, mas sim “à vista” dele, aqui na Terra.)

     Apocalipse 20:12: “E eu vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono [ἐνώπιον τοῦ θρόνου; enópion toû thrónou], e abriram-se rolos. Mas outro rolo foi aberto; é o rolo da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações.” (Paulo disse que “há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos”. [Atos 24:15] Não parece razoável, lógico e nem bíblico supor que os mortos – principalmente os injustos – serão ressuscitados no céu, tendo o indescritível privilégio de ver a Deus, a Cristo e aos demais seres celestiais para depois se decidir se receberão a vida eterna ou a destruição eterna. Jesus disse que os “puros de coração” é que terão o privilégio de ‘ver a Deus’ [Mateus 5:8], e não assassinos, estupradores e todas as demais espécies de pessoas iníquas. Assim, é patente que estão “diante do trono” de Deus no sentido de estarem “à vista” do trono divino. Como diz Hebreus 4:13: “E não há criação que não esteja manifesta à sua vista [ἐνώπιον αὐτοῦ; enópion autoû], mas todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.”)

Por conseguinte, o argumento de a “grande multidão” ser mencionada como estando “diante do trono de Deus” e “diante do Cordeiro” não é consistente – muito menos conclusivo – em provar que ela seja uma classe celestial.

A segunda parte dessa série de artigos abordará outras questões levantadas a respeito da identificação da “grande multidão”.


Notas:

[1] Há notórias diferenças entre as tribos do Israel literal, descritas em Números 1:4-16, e as “tribos” alistadas em Apocalipse 7:4-8. As “tribos” deste último grupo não incluem a tribo de Efraim e a tribo de Dã, do Israel literal, ao passo que incluem a tribo de Levi (que não fazia parte das 12 tribos literais) e a tribo de José, que nunca existiu. A Bíblia usa expressões tais como “o Israel de modo carnal” e “o Israel de Deus”. (1 Coríntios 10:18; Gálatas 6:16) Ademais, Paulo explicou: “Porque não é judeu aquele que o é por fora, nem é circuncisão aquela que a é por fora, na carne. Mas judeu é aquele que o é no íntimo, e a sua circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito. O louvor desse não vem de homens, mas de Deus.” (Romanos 2:28, 29) E acrescentou: “Nem todos os que procedem de Israel são realmente ‘Israel.’” (Romanos 9:6) Por todas essas razões, é razoável e bíblico entender que os 144.000 não são compostos pelas tribos do Israel literal, mas constituem o Israel espiritual.

[2] Veja o artigo Vida eterna no céu e na Terra – as bases bíblicas (Parte 3), no ponto 15, neste site.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






10 comentários:

  1. “Em pé DIANTE do trono [de Deus] e diante do Cordeiro”. (Ap. 7:9, 15)

    Mesmo que entendêssemos que o que João LITERALMENTE VIU foi:

    1 - Essas pessoas aqui de um lado com Deus no Seu Trono com o Cordeiro do outro lado, vendo uns aos outros, no mesmo plano, temos de ter em mente QUE :

    2- As visões que João teve em Patmos são simbólicas e representam verdades importantes, não concretos fatos topográficos, espaciais ou geográficos. Sua intenção não foi determinar qual o local físico ou onde aquelas pessoas estavam e sim mostrar que foram salvas e estão sob a aprovação de Deus.

    Vejamos detalhes desta visão:
    a - Será que Deus que "nem os céus dos céus podem conter" realmente é um ancião sentado em uma cadeira dentro de um real templo que existe num lugar chamado céu acima das nuvens onde existe uma literal cidade dourada onde vivem seres alados? Um homem idoso de barba branca com braços, mãos, dedos, quadris, pernas, pés trajando uma roupa e segurando um livro de papel?
    (Nem os arquirivais -das TJ- os "cristãos trinitaristas" das igrejas concordariam com tal, até porque dizem o conceito do "Deus Trino" deles diz que é ONIPRESENTE, assim ele não está em qualquer lugar especifico, ele está igualmente em todos lugares ao mesmo tempo, segundo esta ideia agora mesmo DIANTE DA TELA DO PC, eu estaria diante do Trono de Deus)

    b -Será que Jesus é realmente agora um animal ferido, um Cordeiro de Sete Chifres? -Foi assim que João o viu na visão - ou a intenção aqui é apenas representar seu papel como o figurativo "Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo" ?

    c -Quando A Grande Multidão for salva, será feita uma distribuição de camisetas brancas e de ramos de palmeiras pra todo mundo? Não seria mais lógico que as roupas brancas significam uma posição justa e não o que estaremos vestindo após a Tribulação?

    d -Será o sangue de um cordeiro literal um tipo de sabão em pó tira manchas? Ou limpar as vestes no sangue do Cordeiro, significa ter os pecados perdoados através do Resgate de Cristo?

    e -Serão este Templo e Tenda de Deus localidades literais?

    f -Deus estará com um lencinho secando lágrimas dos outros?

    Conclui que não é intenção de João com sua visão falar de locais, roupas, prédios e afins. A Nova Jerusalem de que fala o Apocalipse não é uma cidade real e sim a Noiva de Cristo, que vejam vocês, rs também não é uma noiva literal mas o símbolo dos cristãos eleitos!!! Satã não é um dragão de várias cabeças, a geena não é uma lagoa de lava...e me faltaria espaço para escrever todo o resto...


    ----------------------------------------------
    GOSTEI muito deste texto usado pelo irmão, perfeito para replicar quem reclamar do "Diante de" Deus como significando o céu:

    Apocalipse 14:10 - "será atormentado com fogo e enxofre, diante dos santos anjos e diane do Cordeiro" -> Como interpretam este verso falando do [literal] Inferno, podemos frisar que aplicando a mesma regra para o "diante de" [enopion], este verso diria que o tormento com fogo será NO CÉU, ou que o inferno ou lago de fogo, fica nada mais anda menos que lá no paraíso, diante do Trono de Cristo e de seus anjos. Com certeza o membro da cristandade ficaria confuso.

    Vejamos outro texto:
    (Ap 13:1)"E eu vi ascender do MAR uma fera"

    Este "mar" será o que? Um lugar físico, o nosso literal mar onde nadam os peixes? João quis nos prevenir que um monstro chamado A Besta (ou anticristo?), brotará do mar ?

    ( E a A Grande Babilonia então, está sentada em que "águas"? (Ap 17:15)Como o Hades SEGUE o cavalgar da morte? (Ap 6:8))

    O importante para definir onde A Grande Multidão vivenciará sua salvação é a correta hermenêutica dos ensinamentos bíblicos por trás da linguagem das palavras apocalípticas e não a simples e mera leitura literal dos detalhes transcritos sobre as VISÔES sobrenaturais do apóstolo como se fossem dados concretos. Grandes falhas ocorrem na cristandade com leituras simplistas dos textos bíblicos.

    ResponderExcluir
  2. De fato, suas observações sobre não entender ao pé da letra os simbolismos - inclusive a expressão "diante do trono" - são muito oportunas. Mas, como os proponentes da visionada "grande multidão" como sendo uma classe celestial trazem à tona aspectos gramaticais da língua original, faz-se mister considerar tais aspectos no contexto do inteiro livro de Revelação e da Bíblia como um todo. Isso ajudará a todos os interessados a ter "diante de" (enópion) si um acervo completo de informações confiáveis sobre as quais poderá se pautar. Abraços.

    ResponderExcluir
  3. É, o ponto do que eu disse é que muitos falham em ACHAR que a Bíblia Sagrada faz descrições literais de como é o Céu e o Inferno.

    Inferno - Um grande lago de fogo, com gusanos imortais, alimentado com enxofre, uma fornalha eterna de densas trevas, covas de profunda escuridão, com choro e ranger de dentes onde não só as almas são jogadas mas os corpos imortais dos iniquos ressuscitados em tal lugar é um abismo onde estão acorrentados demônios com correntes sempiternas e uma hoste de gafanhotos semelhantes a cavalos, homens com dentes de leões e cauda de escorpiões liderados pelo demônio Abadon, tal lugar fica embaixo da Terra, -literalmente ali em Hinon próximo a cidade de Jerusalem- mas de la´ se pode ver os salvos no céu recostados no seio de Abraão, além de ficarem todo o tempo diante dos olhos dos santos anjos e do Cordeiro, que observa com aprovação a todos estes detentos sendo atormentados com fogo e enxofre pelos séculos dos séculos.

    Céu - Uma cidade de ouro límpido em forma de cubo que flutua acima das novens, medindo 12 000 estádios, feita de jaspe com uma alta muralha de 12 portões cada um com uma perola, adornada de joias preciosas, o terceiro céu, o Paraíso de Deus, onde estão guardada a mesma arvore da vida que existia no Eden, de cá corre um rio da vida, neste lugar os salvos ficam abraçados a Abraão, e diante do trono de Deus (que é ancião sentado numa cadeira) e do Cordeiro junto aos santos anjos (homens com asas, sendo alguns com rostos de águia, boi...) podem ser divertir olhando os atormentados no fogo e enxofre do Inferno sofrendo abaixo, de uma distância que podem molhar a ponta dos dedos e jogar na língua desses...

    Mas o Céu, o Lago de Fogo, o Vale de Hinon, o Seol, o Abismo e o Tártaro não devem ser entendidos assim.

    ResponderExcluir
  4. Boas observações saga,gosto muito dos seus comentários, é muito bom saber que temos no nosso meio irmãos com um bom grau de conhecimento da palavra de Deus e que defende a verdade com zelo.Umas das melhores coisas que aconteceu ultimamente comigo foi "conhecer" irmãos como o apologista,o tj7,o Queruvim e outros...Continue com seu bom trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também estou muito contente com o apoio e as observações de todos vocês. Que todos nós possamos continuar nos empenhando em prol de pesquisar e de divulgar a verdade bíblica. "Portanto, visto que aceitastes a Cristo Jesus, o Senhor, prossegui andando em união com ele, arraigados, e sendo edificados nele e estabilizados na fé, assim como fostes ensinados, transbordando em agradecimentos com fé." - Col. 2:6, 7.

      Excluir
  5. Caro Apologista, você poderia me ajudar em como refutar aqueles supostos textos nos quais os adeptos da cristandade se apóiam para justificar a vida celestial. Exemplo Mateus 8:11, no qual são Abraão, Isaque e Jacó são mencionados como "estando" no reino dos céus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado leitor:

      Em consideração à sua solicitação, produzi um artigo com o título "Os antepassados justos de Cristo irão para o céu?". Todos poderão acessá-lo no link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2012/06/os-antepassados-justos-de-cristo-irao.html
      Abraços.

      Excluir
  6. Segundo a Cristandade, os 144 mil + a Grande Multidão, são a Igreja de Cristo, que são também a sua "Noiva " que será Arrebatada e ambos os grupos estarão no céu.

    Agora experimente perguntar a eles o seguinte:

    A Festa de casamento do Cordeiro(Jesus) com a sua Noiva(144 + Grande Multidão) Ficará sem convidados? Se todos os cristãos bons vão para o céu e todos eles são a grande multidão junto com os 144 mil, então quem são os convidados à festa? >> Apocalipse- 19: 7-9 <<

    Dúvido que irão responder! Rsrs

    ResponderExcluir
  7. Amei essa explanação. Vocês são testemunhas de Jeová?

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *