Image Map











quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Estudo sobre Pneumatologia – Parte 5


O espírito santo

1.   Descrito em termos impessoais

     A primeira alusão feita na Bíblia ao espírito santo encontra-se no segundo versículo da Bíblia, o qual declara que “o espírito de Deus pairava sobre as águas”. (Gên. 1:2, Douay-Rheims) Uma grande variedade de textos usam expressões que salientam a natureza impessoal do espírito santo. Por exemplo, a Bíblia fala de ‘encher [alguém] do espírito de Deus’ (Êxo. 31:3; 35:31; Luc. 1:15, 41, 67; 4:1), de “tirar um pouco do espírito que há sobre [alguém] e colocá-lo sobre [outros]” (Núm. 11:17, 25, 26), de o espírito ‘envolver’ ou ‘revestir’ uma pessoa (Juí. 6:34, nota; 1 Crô. 12:18, nota), de ‘se tornar ativo em’ pessoas (Juí. 14:6, 19; 15:14; 1 Sam. 10:6, 10), de “borbulhar” (‘ser abundantemente derramado’, Al) para (ou sobre) pessoas (Prov. 1:23), de ser “despejado” (Isa. 32:15), de ser ‘posto sobre’ e ‘estar sobre’ uma pessoa (Isa. 42:1; 59:21; 61:1; Mat. 12:18; Luc. 2:25; 4:18), de ‘entrar em’ uma pessoa (Eze. 2:2; 3:24), ser posto “no íntimo” de pessoas (Eze. 36:27), “pousar” e ‘repousar’ sobre alguém (Isa. 11:2; 1 Ped. 4:14), ‘cair sobre’ alguém (Eze. 11:5), ser ‘derramado’ (Eze. 39:29; Joel 2:28, 29), e ser ‘soprado’. (João 20:22) Gálatas 3:5 descreve Deus como “aquele que vos supre [“dá”, Al] o espírito”. Deveríamos entender que Deus dá uma pessoa que é dividida entre todos os cristãos? (1 João 3:24; 4:13)[1] Evidência adicional de que o espírito santo pode ser parcelado é a afirmação em João 3:34, de que Deus “não dá o espírito por medida”.

     Que essas expressões não são mera figura de linguagem pode ser visto no texto de Atos 2:4, que declara, em parte: “Todos eles [os discípulos de Cristo] ficaram cheios de espírito santo.” A quantidade dos que “ficaram cheios” desse espírito “era ao todo de cerca de cento e vinte” pessoas, que estavam reunidas num “quarto de andar superior”. (Atos 1:13, 15) Portanto, o relato de Atos descreve um acontecimento real. Assim, terem mais de cem pessoas ficado ‘cheias’ simultaneamente de espírito santo foi um acontecimento literal. (Veja também Atos 4:31, onde se diz que “todos juntos ficaram cheios de espírito santo”.) O apóstolo Pedro explicou que esse ocorrido era cumprimento da profecia de Joel 2:28, 29, que reza, em parte: “‘E nos últimos dias’, diz Deus, ‘derramarei do meu espírito sobre toda sorte de carne.’” (Atos 2:17) Por conseguinte, tal espírito foi realmente ‘derramado’ (do verbo ekkhéo) no sentido de ter sido concedido e distribuído em grande parte. (The New Analytical Greek Lexicon, 7ª ed., 2001) Isto torna evidente que o espírito santo não pode ser uma pessoa (ente) espiritual, e sim uma energia.

   A título de ilustração, podemos citar a eletricidade. Se cento e vinte pessoas estiverem segurando as mãos umas da outras, e uma delas segurar um cabo de alta tensão, a energia elétrica passará para todas as 120 pessoas. Por outro lado, um ser espiritual (tal como um anjo), por ter um “corpo espiritual” definido, não pode ser parcelado ou distribuído entre 120 pessoas simultaneamente. (1 Cor. 15:44) Perto da conclusão de seu discurso explicando o derramamento do espírito santo, o apóstolo Pedro declarou: “Portanto, visto que ele [Jesus Cristo] foi enaltecido à direita de Deus e recebeu do Pai o prometido espírito santo, derramou isto que vedes e ouvis.” (Atos 2:33) O espírito santo foi chamado de “isto”, um pronome demonstrativo que evidentemente não se aplica a uma pessoa, a não ser em sentido pejorativo, o que não é o caso em questão.

    Além disso, a Bíblia descreve o espírito santo ‘caindo’ simultaneamente sobre diversas pessoas, e isso foi equiparado a ser ele ‘derramado’ sobre tais pessoas. (Atos 10:44, 45; 11:15) As únicas pessoas espirituais que são descritas como ‘caindo’, ou sofrendo uma queda, são Satanás e seus demônios. (Luc. 10:18; Rev. 12:7-10, 13) O verbo “cair”, quando aplicado a pessoas, está no sentido pejorativo. (Mat. 21:44; Rom. 11:11; 14:13; 1 Cor. 10:12; 1 Tim. 3:6; 6:9; Heb. 10:31; Rev. 2:5) Se o espírito santo fosse uma pessoa (ser) espiritual da parte de Deus, ou parte do próprio Deus, esse verbo definitivamente não se harmonizaria com ele. Mas, visto ser ele uma força, ou energia, da parte de Deus, tal verbo descreve o seu derramamento sobre os servos de Deus. O espírito santo “mora” simultaneamente em muitas pessoas (os servos de Deus) (1 Cor. 3:16), e ele habita no “íntimo” de todos eles ao mesmo tempo. (1 Cor. 6:19) Tudo isso implica em ser ele uma energia, ou força atuante, em operação, e não uma pessoa. 

            Ademais, é possível “beber” do espírito santo. (1 Cor. 12:13) O verbo traduzido por “beber” nesse texto é potízo, usado aqui metaforicamente no sentido de ‘imbuir-se’, ‘deixar-se penetrar’, ‘encher-se de’. Acha que faria sentido encher-se literalmente de uma pessoa? Mas é possível, e perfeitamente cabível, ficar cheio de uma energia. A expressão “suprimento do espírito de Jesus Cristo” (Fil. 1:19) mostra a impessoalidade do espírito santo, que é fornecido (suprido) por meio de Cristo. As traduções em geral escondem esse fato por traduzir a palavra “suprimento” por “socorro”, “auxílio”, ou por termos semelhantes. Contudo, a palavra grega em questão – epikhoregía – está relacionada ao verbo epikhoregéo, que significa “fornecer”, “providenciar”, “dar”, e “conceder”. – 2 Ped. 1:5; 2 Cor. 9:10; Gál. 3:5; 2 Ped. 1:11; Col. 2.19.

     Também, é necessário pontuar a distinção que a Bíblia faz entre o espírito santo e Deus. Tão somente a expressão “espírito de Deus” revela que tal espírito não é Deus, e sim que pertence a Deus e Dele procede. A sentença usada por Deus – “derramarei do meu espírito” – indica que tal espírito não é ele mesmo, e sim PARTE Dele. – Atos 2:17, 18.

2.   Paralelos e contrastes com coisas impessoais

     Além disso, outra linha de evidência que ressalta a impessoalidade do espírito santo é o paralelo ou contraste que a Bíblia faz dele com coisas impessoais. À guisa de exemplo, a Bíblia contrasta o “espírito de Jeová” com o “espírito mau” que aterrorizou Saul, sendo este último, não uma pessoa, mas uma disposição negativa que envolveu Saul em resultado da retirada do espírito santo. (1 Sam. 16:14, 23)[2] O espírito santo é colocado em paralelo com o maná e a água, essas três provisões tendo sido fornecidas aos israelitas no deserto. (Nee. 9:20) “Espírito” ocorre paralelamente a “sopro” (Jó 4:9), a “fôlego” (Jó 33:4), e à inclinação mental, ou mentalidade prevalecente, caracterizada por qualidades tais como sabedoria, compreensão, potência, conhecimento e temor piedoso. (Isa. 11:2) A Bíblia fala tanto de Deus ‘despejar’ água como ‘despejar’ Seu “espírito”. (Isa. 44:3) Espírito santo é paralelizado com “força” (humana) e “poder”, evidenciando que se trata de uma energia em operação. – Zac. 4:6.

     João Batista falou de Jesus ‘batizar com espírito santo e com fogo’. (Mat. 3:11; Luc. 3:16) Fala-se de batizar com água e com espírito santo (Mar. 1:8; Atos 1:5), e de se batizar em água e em espírito santo. (Atos 11:16) Menciona-se estar “cheios de espírito e de sabedoria” (Atos 6:3), e também de se estar “cheio de fé e espírito santo” e “cheios de alegria e de espírito santo”. (Atos 6:5; 13:52) O espírito santo é comparado, não a Deus, mas ao “dedo de Deus”. (Mat. 12:28; Luc. 11:20) O dedo de alguém não é uma pessoa, e sim parte de uma pessoa. O espírito santo é comparado ao óleo de unção quando se fala de ‘ungir com espírito santo e poder’. (Atos 10:38) Além disso, nesse mesmo texto é feito um paralelo entre espírito santo e poder. Visto que o espírito santo é a energia em atividade, ou força ativa, de Deus, há uma similaridade entre espírito santo e poder. (Veja também 1 Coríntios 2:4.) “Um só espírito” está em paralelo com “um só corpo”, sendo que ambos não são pessoas. (1 Cor. 12:13) O espírito santo é mencionado junto com qualidades tais como a “pureza”, o “conhecimento”, a “longanimidade”, a “benignidade” e o “amor livre de hipocrisia”. (2 Cor. 6:6) O espírito é paralelizado à “palavra”, a “poder” e à “forte certeza”. (1 Tes. 1:5) Essas coisas que são mencionadas em paralelo com o espírito santo não são pessoas. O mesmo se dá com o espírito santo.

     No que diz respeito a contrastes, ou antíteses, o espírito santo é contrastado com “código escrito” (“letra”, Al; Rom. 2:29; 7:6; 2 Cor. 3:6), e com “tinta” (2 Cor. 3:3); com o pecado e a morte (Rom. 8:2), e com a “carne”. (Rom. 8:4-6; Gál. 5:16-18; 6:8) Nenhuma dessas coisas é uma pessoa, do mesmo modo como o espírito santo não é. Nesse respeito, a Bíblia personifica tanto o espírito quanto a “carne” como tendo “desejo”. (Gál. 5:17). Há um contraste entre ‘ficar embriagado [cheio] de vinho’ com ‘ficar cheio de espírito’. – Efé. 5:18.

     Na descrição da figurativa “armadura completa de Deus” (Efé. 6:11), o apóstolo Paulo fala de peças dessa “armadura” associando-as com coisas impessoais (‘cinturão da verdade’, “couraça da justiça”, “escudo da ”, “capacete da salvação”). Nessa sequência ele menciona a “espada do espírito”. (Efé. 6:14-17) Assim como “verdade”, “justiça”, “fé” e “salvação” não são pessoas, o mesmo se dá com o espírito santo.
E o fato de a Septuaginta ter traduzido “espírito de Jeová” em Isaías 40:13 por “mente” de Jeová, e o fato de essa passagem nessa tradução ter sido citada pelo apóstolo Paulo indica que tanto os judeus como os primeiros cristãos encaravam o espírito santo como algo impessoal. – Rom. 11:34; 1 Cor. 2:16.

A personificação do espírito santo

     Os que defendem que o espírito santo é uma pessoa apontam a personificação dele como “prova” positiva de sua alegada personalidade. Apontam textos que atribuem características pessoais ao espírito santo, tais como ‘ensinar’, ‘fazer lembrar’, ‘dar testemunho’, ‘guiar’, ‘falar, ‘ouvir’, e ‘declarar’. (Luc. 12:12; João 14:26; 15:26; 16:13) Como mostrou o artigo “Personificação prova personalidade?”, as mesmas características pessoais também são atribuídas a outras coisas impessoais. (2 Tim. 3:16; Gên. 9:16; João 5:36; Nee. 9:19; Miq. 6:2; Sal. 19:1)[3] Portanto, a personificação em si mesma não é prova de personalidade. Mas alguns ainda aventam que nenhuma coisa impessoal reúne tantas atribuições pessoais. Neste respeito, podemos citar a personificação do amor feita pelo apóstolo Paulo, em 1 Coríntios 13:4-7. Observe quantas atribuições pessoais são feitas a essa qualidade:

(1) é longânime
(2) benigno
(3) não é ciumento
(4) não se gaba
(5) não se enfuna
(6) não se comporta indecentemente
(7) não procura os seus próprios interesses
(8) não fica encolerizado
(9) não leva em conta o dano
(10) não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com a verdade
(11) suporta todas as coisas
(12) acredita todas as coisas
(13) espera todas as coisas
(14) persevera em todas as coisas

     Se ninguém soubesse hoje o significado da palavra grega para “amor” – agápe – mas fosse possível entender o restante do texto, todos concluiriam que agápe é uma pessoa. Contudo, não há nenhuma controvérsia sobre essa passagem, uma vez que se entende claramente que Paulo usou um recurso literário – a prosopopeia. Pode-se também inferir a ocorrência de metonímia – transferência de significado entre duas coisas devido à afinidade, ou relação, que há entre elas, de possuidor e coisa possuída. Assim, as características pessoais atribuídas ao amor (coisa possuída) na realidade dizem respeito ao possuidor, ou detentor, dessa qualidade.

     Do mesmo modo, as características pessoais atribuídas ao espírito santo na verdade dizem respeito à sua Fonte, ao seu Detentor – Jeová Deus. É ele quem ensina, faz lembrar, dá testemunho’, guiar, fala, etc., fazendo essas e muitas outras coisas mediante Seu espírito, ou energia, em atividade, razão pela qual a Bíblia atribui figuradamente tais características ao impessoal espírito santo.

     Quando a Bíblia fala de o espírito santo ‘testificar’, ela esclarece que na realidade é Deus quem testifica por meio de seu espírito. Uma vez que tal espírito não tem voz própria, pessoal, Jeová torna seu espírito ativo em pessoas escolhidas (os “profetas”, também os discípulos de Cristo), informando-os de seus propósitos. (Nee. 9:30; Zac. 7:12; Mat. 10:20; Mar. 12:36; Atos 1:2, 16) Um texto que ajuda na compreensão desse fato é a passagem de Atos 4:24b, 25, que registra parte da oração dos primitivos discípulos de Cristo, nestas palavras: “Soberano Senhor, tu és Aquele que fez o céu e a terra, e o mar, e todas as coisas neles, e quem, por intermédio de espírito santo, disse pela boca de nosso antepassado Davi, teu servo: ‘Por que se tumultuaram as nações e meditaram os povos coisas vãs?’” Observe que quem disse as palavras registradas no Salmo 2:1 (citado nessa oração) foi Deus. Mas ele declarou tais palavras “por intermédio de espírito santo”, usando tal força ativa para transmitir essa sentença ao Rei Davi, o qual, por sua vez, a expressou a outros e a colocou por escrito. Em harmonia com isso, 1 Coríntios 2:10 declara que ‘Deus tem revelado por intermédio de seu espírito’. Isso explica porque outros textos mencionam que o espírito santo disse algo. Visto que Jeová usa seu espírito, ou força ativa, para transmitir declarações, fala-se figuradamente desse espírito como ‘falando’ algo. - Atos 21:4, 11; 28:25.

     Atos 15:8 declara: “Deus, que conhece o coração, deu testemunho por dar-lhes o espírito santo.” Assim, quando alguém recebia em seu íntimo o espírito santo e a subsequente operação deste, entendia que Deus estava dando testemunho de Sua aprovação sobre tal pessoa. Visto que a operação do espírito santo sobre a pessoa era um testemunho da aprovação divina, tal espírito atuava, figuradamente, como um testemunhador, ou testificador. Daí a Bíblia afirmar que o espírito santo ‘testifica’, ou ‘dá testemunho’. (Atos 20:23; Rom. 8:16) No entanto, queira notar que o espírito santo não dá testemunho junto com o Pai e o Filho, e sim junto com coisas impessoais, como a água e o sangue. – João 8:17, 18; 1 João 5:8.

     Visto que os homens que escreveram a Bíblia “falaram da parte de Deus conforme eram movidos por espírito santo”, o espírito santo é personificado como se ele mesmo tivesse ‘falado’ o que está registrado nas Escrituras Sagradas. (2 Ped. 1:21) Assim, quando os apóstolos e anciãos de Jerusalém chegaram a uma decisão baseada nas Escrituras, eles podiam dizer: “Pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos.” (Atos 20:28) Atos 5:3 fala sobre “trapacear o espírito santo”, mas isso não passa de figura de linguagem, pois o versículo 9 explica que esse espírito não é Deus, e sim, “o espírito de Jeová”. A relação entre trapacear o espírito santo e trapacear a Deus pode ser compreendida pelas palavras de Paulo em 1 Tessalonicenses 4:8: “Assim, pois, quem mostra falta de consideração, não desconsidera o homem, mas a Deus, que pôs em vós o seu espírito santo.” Note que o texto não diz que o espírito santo é Deus, mas sim que é algo posto por Deus nos Seus servos. Desse modo, toda ação feita contra a operação do espírito santo, ou energia, que habita dentro da pessoa é considerada como sendo feita a Deus. Assim, resistir ao espírito santo significa resistir à sua operação ou influência. (Atos 7:51) Visto que Jeová usa seu espírito para designar e enviar pessoas à obra de evangelização, fala-se desse espírito como ‘enviando’ pessoas.  – Atos 13:4.

     O espírito santo é tanto descrito como “espírito de Deus” como “espírito de Cristo”, uma vez que é usado tanto por Deus quanto por Cristo na realização do propósito divino. (Rom. 8:9) Atos 16:6, 7 descreve Paulo e Silas como estando “proibidos pelo espírito santo” de pregar em certa região. Note o paralelo de “espírito santo” com a expressão “espírito de Jesus”, o que indica que uma pessoa (ser) espiritual – Jesus Cristo – usou o espírito santo (a força ativa de Deus) para proibir os discípulos. – Gál. 4:6; João 14:26.

     Atos 20:28 cita o espírito santo como tendo ‘designado’ homens fiéis para o cargo de ‘superintendente’. Em que sentido se dá isso? Visto que Jeová Deus usou seu espírito para inspirar a escrita da Bíblia, a qual registra os requisitos para o cargo de superintendente, os que preenchem as qualificações para tal cargo podem ser aludidos como tendo sido, figuradamente, ‘designados’ pelo espírito santo.

     Em Romanos 8:27, o apóstolo Paulo afirmou que “o espírito implora por nós com gemidos não pronunciados”. Como podemos entender essa linguagem figurada? Visto que Deus usou seu espírito para registrar muitas orações de Seus servos nas Escrituras, pode-se afirmar que o espírito simbolicamente implora “de acordo com Deus, a favor dos santos”. Deus aceita essas orações registradas em Sua Palavra como se fossem nossas, no que elas se aplicam à nossa situação.

     Que dizer de 1 Coríntios 2:10, texto que declara que “o espírito pesquisa todas as coisas”? Note que “espírito” ocorre em paralelo com “o espírito de homem que está nele”. Este último “espírito” não é uma pessoa, mas sim a impelente inclinação mental predominante do ser humano, que FAZ PARTE da pessoa. Essa disposição mental é personificada como ‘sabendo’ as “coisas do homem”, uma vez que envolve sua mente, sentimentos e motivações. De modo similar, visto que o espírito santo faz parte de Deus e até é comparado à Sua mente (1 Cor. 2:16), ele é personificado como ‘pesquisando’ as coisas de Deus. Mas que o espírito santo não é uma pessoa e nem é Deus pode ser visto na expressão “espírito de Deus” e na expressão “espírito que é de Deus”. (1 Cor. 2:11, 12) Ademais, ele é contrastado no mesmo contexto com ‘espírito do mundo’ (1 Cor. 2:12), expressão que não se refere a uma pessoa e sim a uma tendência, influência ou inclinação impelente que predomina no mundo de Satanás. Por fim, o espírito santo ocorre nesse contexto em contraste com “sabedoria humana”. (1 Cor. 2:13) O texto declara: “Falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com as ensinadas pelo espírito.” Tanto a sabedoria humana como o espírito santo são personificados como ‘ensinando’. Naturalmente, assim como sabedoria não é pessoa, o mesmo se dá com o espírito santo.

     A expressão “amor do espírito” (Rom. 15:30) não significa que o espírito santo seja uma pessoa com amor, e sim que “o amor de Deus tem sido derramado em nossos corações por intermédio do espírito santo”. (Rom. 5:5) 1 Cor. 12:11 menciona o espírito santo “fazendo distribuição [de operações] a cada um respectivamente, assim como quer”. Na realidade, a volição, ou vontade, é atribuída metonimicamente ao espírito santo por ele proceder de Deus. Isso se torna claro pelo que diz Hebreus 2:4: “Ao passo que Deus se juntou em dar testemunho com sinais, e também com portentos e várias obras poderosas, e com distribuições de espírito santo, segundo a sua vontade.” Portanto, a “distribuição”, ou parcelamento, do espírito santo em forma de “operações” é feita por Deus e conforme a vontade Dele.

     O fato de a Bíblia atribuir um “ministério” ao espírito santo (2 Cor. 3:8, IBB, Al, ALA) não o torna uma pessoa, pois o contexto contrasta tal ministério com o “ministério da morte” e com o “ministério da condenação” e paraleliza o ministério do espírito com “o ministério da justiça”. (2 Cor. 3:7, 9, IBB, Al, ALA) Tudo isso torna claro que o espírito santo não é pessoa, assim como não o são essas outras coisas às quais se atribui um “ministério”. Além disso, o versículo 17 (parte a) menciona que “o Senhor [Jeová] é Espírito”, mas não diz que o espírito santo é Deus. (IBB, Al, ALA) Em vez disso, fala desse espírito como “o espírito do Senhor”. (2 Cor. 3:17b, La Sainte Bible, de Augustin Crampon, 1923.) Portanto, o espírito santo não é Deus, e sim o espírito de Deus.

     A expressão “espírito diferente” ocorre como contraste com ‘o [espírito] que recebestes’. (2 Cor. 11:4) Pelo que parece, esta última expressão se refere ao espírito santo. (Gál. 3:14) Assim, “espírito diferente” é uma alusão a uma força ativa, ou energia, diferente. Por outro lado, o paralelo com “boas novas diferentes” pode indicar que “espírito diferente” se refira a uma “expressão inspirada” diferente. – 1 João 4:3.

     O texto de 2 Coríntios 13:14, muitas vezes citado como “prova” da Trindade e da personalidade do espírito santo, na realidade não prova nenhuma das duas asserções. Primeiro, porque essa passagem refere-se apenas ao Pai como “Deus”, o que indefensavelmente aplica um golpe na teoria trinitária. Segundo, o versículo menciona “a participação (koi·no·ní·a) no espírito santo”. Diversas traduções vertem essa palavra grega por “comunhão”. (Al, ALA, IBB, NVI) Embora esta última tradução seja um dos sentidos de koinonía, esse termo grego também significa “participação, partilha, compartilhamento”.[4] (Gingrich e Danker sugerem que esse seja o possível sentido em 2 Coríntios 13:13 [14].) Por exemplo, Filêmon 6 faz referência à koinonia da fé. Não faria sentido traduzir essa expressão por “comunhão da fé”. Está claro que o sentido é de ‘partilha da fé’. Em adição, 1 Timóteo 6:18 usa o adjetivo relacionado koinonikoús, que diversas versões traduzem por “generosos”, “prontos para repartir”, ou por outra ideia similar. (IBB, NVI, ALA, NTLH, CNBB, BJ, NAB, RSV) E o contexto bíblico determina que “participação” (ou “partilha”) é o sentido de 2 Coríntios 13:13. Vemos isso em Filipenses 2:1, que menciona a “partilha do espírito”. (NAB e RSV traduzem por “participação” no espírito.) Isso está em harmonia com o fato de que diversas “operações” do espírito santo são mencionadas como ‘distribuídas’ [de diairéo] aos cristãos. (1 Cor. 12:11) E o próprio espírito é referido como tendo sido ‘repartido’ aos cristãos por Cristo (literalmente: ‘a medida [métron] da dádiva gratuita do Cristo’). – Efé. 4:7; Atos 2:38; veja também João 3:34.

     ‘Contristar o espírito santo’ significa entristecer a Fonte desse espírito – Jeová Deus. (Efé. 5:30) A expressão “alegria de espírito santo” não é nem mesmo uma personificação, pois não ocorre o artigo definido, de modo a rezar “alegria do espírito santo”. O sentido é de que a alegria é proveniente do espírito santo, visto que faz parte do coletivo ‘fruto do espírito’. (Gál. 5:22, 23.) Assim, a personificação é apenas um recurso linguístico, mas não dá suporte doutrinal para os proponentes da personalidade do espírito santo, uma vez que o inteiro contexto bíblico apresenta esse espírito como sendo a força ativa de Jeová Deus.

“Espírito” com referência ao espírito santo

Escrituras Hebraicas:
Gn 1:2; 41:38; Êx 31:3; 35:31; Núm 11:17, 25 (2x), 26, 29; 24:2; Jz 3:10; 6:34; 11:29; 13:25; 14:6, 19; 15:14; 1Sa 10:6, 10; 11:6; 16:13, 14, 23; 19:20, 23; 2Sa 23:2; 1Rs 18:12; 22:24; 2Rs 2:16; 1Cr 12:18; 15:1; 18:23; 20:14; 24:20; 28:12; Ne 9:20, 30; Jó 4:9; 32:18; 33:4; Sal 51:11; 104:30; 139:7; 143:10; Pr 1:23; Is 11:2, 15; 30:1, 28; 32:15; 34:16; 40:7, 13; 42:1; 44:3; 48:16; 59:19, 21; 61:1; 63:10, 11, 14; Ez 1:12, 20 (3x), 21; 2:2; 3:24; 10:17; 11:5, 24; 36:27; 37:1, 14; 39:29; Jl 2:28, 29; Miq 2:7; 3:8; Ag 2:5; Za 4:6; 6:8; 7:12; Mal 2:15
Total: 85 vezes.

Escrituras Gregas Cristãs:
Mt 1:18, 20; 3:11, 16; 4:1; 10:20; 12:18, 28, 31, 32; 28:19; Mr 1:8, 10, 12; 3:29; 12:36; 13:11; Lu 1:15, 35, 41, 67; 2:25, 26, 27; 3:16, 22; 4:1 (2x), 14, 18; 10:21; 11:13; 12:10, 12; Jo 1:32, 33 (2x); 3:5, 6 (1.ª), 8, 34; 6:63 (1.ª); 7:39 (2x); 14:17, 26; 15:26; 16:13; 20:22; At 1:2, 5, 8, 16; 2:4 (2x), 17, 18, 33, 38; 4:8, 25, 31; 5:3, 9, 32; 6:3, 5; 7:51, 55; 8:15, 17, 18, 19, 39; 9:17, 31; 10:19, 38, 44, 45, 47; 11:12, 15, 16, 24, 28; 13:2, 4, 9, 52; 15:8, 28; 16:6, 7; 19:2 (2x), 6; 20:23, 28; 21:4, 11; 28:25; Ro 1:4; 2:29; 5:5; 7:6; 8:2, 4, 5 (2x), 6, 9 (3x), 10, 11 (2x), 13, 14, 15 (3x), 16, 23, 26 (2x), 27; 9:1; 14:17; 15:13, 16, 19, 30; 1Co 2:4, 10 (2x), 11, 12, 13, 14; 3:16; 6:11, 19; 7:40; 12:3 (2x), 4, 7, 8 (2x), 9 (2x), 11, 13 (2x); 14:2, 12, 13, 14, 15 (2x), 16, 32; 2Co 1:22; 3:3, 6 (2x), 8, 17; 5:5; 6:6; 11:4; 13:14; Gál 3:2, 3, 5, 14; 4:6, 29; 5:5, 16, 17 (2x), 18, 22, 25 (2x); 6:8; Ef 1:13; 2:18, 22; 3:5, 16; 4:3, 4, 30; 5:18; 6:17; Fil 1:19; 2:1; 3:3; 1Te 1:5, 6; 4:8; 5:19; 2Te 2:13; 2Ti 1:14; Tit 3:5; He 2:4; 3:7; 6:4; 9:8, 14; 10:15, 29; 1Pe 1:2, 11, 12; 4:6, 14 (2x); 2Pe 1:21; 1Jo 3:24; 4:13; 5:6 (2x), 8; Ju 20; Re 1:4; 2:7, 11, 17, 29; 3:1, 6, 13, 22; 4:2, 5, 6; 17:3; 21:10; 22:17.
Total: 243 vezes.
TOTAL GERAL: 328 vezes.


Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site oapologistadaverdade.org




[1] Vale ressaltar que Jesus foi dado “por nós” (em nosso favor), e não ‘para nós’. – 1 João 3:16; Rom. 8:32.
[2] Veja o terceiro artigo desta série, que considera o uso de “espírito” no sentido de inclinação (disposição) mental.
[3] Para mais informações, veja o artigo citado no link http://www.oapologistadaverdade.org/2011/09/personificacao-prova-personalidade-uma.html
[4] Exemplos do uso de koinonía nesse sentido podem ser vistos em Atos 2:42; Rom. 15:26; Fil. 1:5; 3:10; 1 Cor. 10:16; 2 Cor. 8:4; 9:13; Flm 6; Heb. 13:16.


34 comentários:

  1. “Portanto, visto que ele [Jesus Cristo] foi enaltecido à direita de Deus e recebeu do Pai o prometido espírito santo, derramou ISTO que vedes e ouvis.” (Atos 2:33)

    Nessa passagem qual o termo grego que nossas traduções portuguesas vertem por "isto" ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resposta sobre Atos 2:33 – Parte 1:
      A palavra “isto” é tradução de τοῦτο (pronome demonstrativo do gênero neutro), que significa literalmente “isto” (esta coisa). Seguem abaixo alguns exemplos do uso desse pronome:
      João 6:61: “Mas Jesus, sabendo em si mesmo que seus discípulos estavam resmungando sobre isso [τούτου; genitivo], disse-lhes: ‘Causa-vos isso [Τοῦτο, nominativo] tropeço?’”
      João 6:65: “Prosseguiu assim a dizer: ‘É por isso [τοῦτο; acusativo] que eu vos tenho dito: Ninguém pode vir a mim, a menos que isso lhe seja concedido pelo Pai.’”
      Judas 10: “Contudo, estes homens estão falando de modo ultrajante de todas as coisas que realmente não conhecem; mas, em todas as coisas que eles entendem naturalmente, como os animais irracionais, nestas coisas [τούτοις; dativo, plural] prosseguem em corromper-se.”
      João 13:35: “Por meio disso [τούτῳ; dativo, singular] saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.”
      Mateus 8:9: “Pois eu também sou homem sujeito à autoridade, tendo soldados sob as minhas ordens, e digo a este: ‘Vai!’ e ele vai, e a outro: ‘Vem!’ e ele vem, e ao meu escravo: ‘Faze isto [τοῦτο] !’ e ele o faz.”
      Mateus 26:26: “Ao continuarem a comer, Jesus tomou um pão, e, depois de proferir uma bênção, partiu-o, e, dando-o aos discípulos, disse: “Tomai, comei. Isto [τοῦτό] significa meu corpo.”
      Strong alista 321 usos de toûto. Desses, 3 são de textos espúrios, reduzindo o número a 318, que, na expressiva maioria, se aplica a coisas, e não a pessoas, como mostram os exemplos abaixo:
      Mat. 1:22; 6:25; 9:28; 12:27, 31; 13:13, 28, 52; 14:2; 15:11; 16:22; 18:23; 19:26; 20:23; 21:4, 43; 23:34; 24:14, 44; 26:9, 12, 13, 28, 39, 42, 56; 28:14; Mar. 1:27, 38; 5:32, 43; 6:14; 9:21, 29; 11:3, 24; 12:24; 13:11; 14:5, 22, 24, 36; Luc. 1:18, 34, 43; 2:12, 15; 3:20; 4:43; 5:6; 6:3; 7:4, 8; 9:21, 45; 10:11, 28; 11:19, 49; 12:18, 22, 39; 13:8; 14:20; 16:2; 18:34, 36; 20:17; 22:15, 17, 19 (2x), 20, 23, 37; 23:46; 24:40; João 1:31; 2:12; 3:32; 4:15, 18, 54; 5:16, 18, 28; 6:6, 29, 39, 40, 61, 65; 7:22, 39; 8:40, 47; 9:23; 10:17; 11:7, 11, 26, 28, 51; 12:5, 6, 18 (2x), 27, 33, 39; 13:11, 28; 14:13; 15:19; 16:15, 17, 18; 18:34, 37(2x); 18:38; 19:11, 28; 20:20, 22; 21:14, 19(2x); Atos 2:12, 14, 16, 26, 33; 3:6; 4:7, 22; 5:4, 24, 38; 7:60; 8:34; 9:21(2x); 10:16; 11:10; 16:18; 17:23; 19:10, 14, 17, 27; 21:23; 23:7; 24:14; 26:16, 26; 27:34; 28:28; Rom. 1:12, 26; 2:3; 4:16; 5:12; 6:6; 7:15 (2x), 16, 19, 20; 9:17; 11:7, 25; 12:20; 13:6 (2x), 11; 14:9, 13; 15:9, 28; 1 Cor. 1:12; 4:17; 5:2, 3; 6:6, 8; 7:6, 26, 29, 35, 37; 9:17; 10:28; 11:10, 17, 24 (2x), 25 (2x), 30; 12:15, 16; 15:50, 53 (2x), 54 (2x); 2 Cor. 1:17; 2:1, 3, 9; 4:1; 5:5, 14; 7:11, 13; 8:10, 20; 9:6; 10:7, 11; 12:14; 13:1, 9, 10; Gál. 2:10; 3:2; 3:17; 6:7; Efé. 1:15; 2:8; 4:17; 5:5, 17, 32; 6:1, 8, 13, 22; Fil. 1:6, 7, 9, 19, 22, 25, 28; 2:5; 3:15 (2x); Col. 1:9; 2:4; 3:20; 4:8; 1 Tes. 2:13; 3:3, 5, 3:7; 4:3, 15; 5:18 ; 2 Tes. 2:11; 3:10; 1 Tim. 1:9, 16; 2:3; 4:10, 16; 5:4; 2 Tim. 1:15; 2:10; 3:1; Flm 15, 18; Heb. 1:9; 2:1; 6:3; 7:27; 9:8, 15, 20, 27; 10:33 (2x) 13:17 (2x), 19; Tia. 4:15; 1 Ped. 1:25; 2:19.

      Excluir
    2. Resposta sobre Atos 2:33 – Parte 2:
      Abaixo seguem as declinações e suas respectivas ocorrências:
      http://concordances.org/greek/3778.htm
      Strong's Greek
      Ταῦτα — 240 Occ.
      ταύταις — 11 Occ.
      ταύτας — 9 Occ.
      ταύτῃ — 33 Occ.
      ταύτην — 53 Occ.
      ταύτης — 33 Occ.
      τοῦτ' — 17 Occ.
      Τοῦτο — 321 Occ.
      τούτῳ — 89 Occ.
      τούτων — 72 Occ.
      τούτοις — 19 Occ.
      τοῦτον — 61 Occ.
      τούτου — 69 Occ.
      τούτους — 28 Occ.

      Toûtos é aplicado a uma ovelha, visto que a palavra grega para “ovelha” (tó próbaton) é neutra. (Mat. 12:11). È também aplicado a uma “criança”, porque a palavra paidíon (criança, em grego) é neutra. (Mat. 18:4; Luc. 1:66; 9:48)
      Assim, estritamente falando, o pronome neutro toûtos é um recurso gramatical e não um endosso doutrinal. No entanto, o uso dele para uma pessoa é extremamente raro. Na sua aplicação ao espírito santo, além de concordar gramaticalmente, pelo fato de “espírito” ser uma palavra neutra, também concorda semanticamente, pelo fato de o espírito santo ser algo impessoal – a força ativa de Jeová Deus.

      Excluir
  2. Irmão Apologista,

    Perceba isso:

    http://filosofiaeapologtica.blogspot.com.br/2012/08/serie-refutando-objecoes-trindade.html?showComment=1347004055312#c2954313876294360499

    Eu inclusive comentei no mesmo e o autor me respondeu, veja o que é isso, trinitaristas ensinando que "Deus" também é uma outra pessoa, fazendo com que a Trindade consista no fim das contas em 4 Pessoas
    (1 Pai + 2 Filho + 3 ES = 4 DEUS).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda essa confusão trinitária poderia ser dispersa se tão somente aceitassem o explícito ensino bíblico de que o Deus Todo-Poderoso e Criador é somente o Pai, Jeová; que o Filho - nosso Senhor Jesus Cristo - embora possua divindade, não detém o mesmo poder, autoridade e eternidade do Pai; e que o espirito santo é a energia, ou força ativa, que procede do Pai.

      Excluir
  3. Prezado Apologista,

    Existe um livro que considero bem útil...
    MANUAL POPULAR de Dúvidas,Enigmas e"Contradições" da Bíblia de Norman Geisler e Thomas Howe. Bem útil para algumas respostas à céticos e ateus, além de agregar ao nosso conhecimento de apologia da Bíblia e de sua autenticidade e harmônia (Maioria das respostas podem ser consideradas boas, algumas são mais ou menos e muitas são ruins).

    CONTUDO, a obra, por ser de cunho protestante tem seus deslizes quando chega aos assuntos doutrinais polêmicos, com os autores soltando explicações mirradas e fraquin fraquinhas quando a questão coloca em xeque populares doutrinas duvidosas da Cristandade, os dois nomes citados maculam o nome que conseguiram entre os evangélicos ao adentrar em questões que envolvam de alguma forma TJs dando respostinhas mixurucas...

    Vejamos uns exemplos das pressuposições doutrinárias dos autores influindo:


    GÊNESIS 1:26 - Por que a Bíblia usa o plural da primeira pessoa, quando Deus se refere a si mesmo?
    [..]
    SOLUÇÃO: [...] embora a doutrina da Trindade não seja completamente desenvolvida no AT, ela é vislumbrada em muitas passagens (cf. SI 110:1; Is 63:7,9-10; Pv 30:4).

    GÊNESIS 25:8 - Os hebreus já tinham o conceito de vida após a morte nesse ponto tão inicial de sua história?
    PROBLEMA: Críticos eruditos afirmam que os primitivos hebreus tinham uma religião muito rudimentar, que através dos séculos passaria por um grande desenvolvimento e evolução, chegando por fim ao conceito de vida após a morte. Entretanto, este versículo dá a entender que, desde o início do desenvolvimento de sua nação, os hebreus já tinham um conceito de imortalidade.
    SOLUÇÃO: Em primeiro lugar, esta postura crítica baseia-se na premissa altamente problemática de que há um desenvolvimento evolucionista da religião, com o monoteísmo bastante desenvolvido sendo alcançado bem tarde. Entretanto, descobertas arqueológicas recentes em Ebla contradizem tal especulação, mostrando que o monoteísmo foi uma crença bem primitiva (de antes mesmo de 2000 a.C). Além disso, A EXPRESSÂO "FOI REUNIDO AO SEU POVO" CERTAMENTE parece INDICAR MAIS DO QUE APENAS SER ENTERRADO JUNTO COM SEUS PARENTES. De fato, já que Abraão deixara a sua terra natal de Ur dos caldeus para ir à terra que Deus lhe prometera, seria uma contradição levar seu corpo de volta à terra da casa de seu pai para ser enterrado. A idéia de que a alma continuava a viver após a morte do corpo era uma crença mantida por muitos povos do tempo de Abraão, incluindo-se os sumerianos, os babilônios, os egípcios e outros. Além disso, esta não é a única referência primitiva ao conceito de vida após da morte. O livro de Jó possivelmente seja o mate antigo livro do AT, cujos eventos aconteceram em épocas anteriores ao tempo de Abraão e dos patriarcas de Israel. Assim mesmo, já no tempo de Jó, encontramos não somente o conceito de vida depois da morte, mas também o de uma ressurreição corporal. Em Jó 19:25-26 deparamo-nos com Jó expressando sua confiança de que, embora talvez ele não chegasse a ver sua vindicação pessoal nesta vida, ele sabia que Deus, por fim, faria com que tudo ficasse certo. Esta confiança o fez expressar a sua convicção de que ele certamente iria estar diante de Deus mesmo depois de sua morte física: "Porque eu sei que o meu Redentor, vive e por fim se levantará sobre a terra. Depois, revestido este meu corpo da minha pele, em minha carne verei a Deus". Este versículo mostra que o conceito de vida depois da morte era uma convicção bem primitiva...

    ResponderExcluir
  4. [..continuação]


    SALMO 37:9,34-Quando os ímpios forem exterminados, eles serão aniquilados?
    PROBLEMA: O salmista afirma que "os malfeitores serão exterminados". Em outros textos (Sl 73:27; Pv 21:28) é dito que eles perecerão (veja os comentários de 2 Tessalonicenses 1:9). Mas esse extermínio, para sempre, significa que eles serão aniquilados?
    SOLUÇÃO: Ser "exterminado" não significa ser aniquilado. Se assim fosse, então o Messias teria sido aniquilado quando morreu, já que a mesma palavra (karath) é empregada no caso da morte dele (Dn 9:26). Mas sabemos que Cristo não foi aniquilado, e que ele vive para todo o sempre, depois de sua morte (cf. Ap 1:18; veja também os comentários de 2 Tessalonicenses 1:9).

    PROVÉRBIOS 8:22-31 - Quem é referido como a "sabedoria" nestes versos?
    PROBLEMA: Muitos comentaristas declararam que a pessoa identificada como sabedoria em Provérbios 8:22-31 é Jesus, porque 1 Coríntios 1:30 afirma que Jesus é a sabedoria de Deus. Entretanto, embora algumas versões traduzam Provérbios 8:22 como "o Senhor me possuía" (como o faz a ARA), no hebraico a palavra qanah é normalmente traduzida pelo verbo "criar"*. Ora, se este versículo é uma referência a Jesus, por que então ele afirma que o Senhor criou a sabedoria? E se a "sabedoria" em Provérbios não é uma referência a Jesus, então a quem ela se refere?
    SOLUÇÃO: Esta passagem não é uma referência direta a nenhuma pessoa. A expressão poética freqüentemente toma a forma de uma idéia abstrata e a ela se refere como se falasse de uma pessoa. Isso é chamado de personificação. A sabedoria aqui referida não é uma referência a Jesus. Antes, é a personificação da virtude ou do caráter da sabedoria com o propósito de causar ênfase e impacto. Entretanto, como Jesus é a perfeita sabedoria de Deus, é o único que personificou e exemplificou com perfeição a sabedoria abordada em Provérbios - pois ele é "em quem todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos" (Cl 2:3).

    ECLESIASTES 1:2 - Como este livro pode ser parte das Escrituras, se ele contém tal ceticismo?
    PROBLEMA: Várias afirmações que Salomão faz por todo este livro mostram um ceticismo que parece ser contrário à Bíblia como um todo. Em Eclesiastes 9:5 ele diz: "Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma". Entretanto, o livro de Eclesiastes faz parte do cânon das Sagradas Escrituras como um livro inspirado. Como um livro assim tão cheio de ceticismo pode ser tido como pertencente às Escrituras?
    SOLUÇÃO: Embora o livro de Eclesiastes realmente contenha afirmações que, quando tomadas isoladamente, parecem ser contrárias ao ensino da Bíblia, ele não é um livro de ceticismo. Sendo tais afirmações entendidas em seu contexto, o seu sentido é compatível com as demais escrituras. Afirmações como esta de Eclesiastes 1:2 não têm o propósito de produzir ou de promover o ceticismo. Antes, Salomão está registrando sua busca da felicidade e do sentido da vida, indo atrás de tudo o que este mundo oferece.
    Cada uma dessas observações aparentemente céticas tem o objetivo de demonstrar que, à parte de Deus, tudo "debaixo do sol" é apenas vaidade, e que a única fonte da verdadeira felicidade e da paz permanente é o Senhor nosso Deus. As investigações de Salomão acabaram por fazê-lo concluir que o dever de todo homem é o que ele diz: "Teme a Deus e guarda os seus mandamentos" (Ec 12:13).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O referido manual que você citou é um típico exemplo do cumprimento de Jeremias 8:9b, que declara: "Eis que rejeitaram a própria palavra de Jeová, e que sabedoria é que eles têm?" Como exemplo disso, podemos citar o comentário evasivo que o manual faz sobre o Salmo 37:9, 34, com o claro objetivo preconcebido de promover a doutrina antibíblica do tormento eterno. Os autores confundem a exterminação temporal com a definitiva. No entanto, a respeito dos iníquos (ímpios), a Bíblia é clara em apontar para uma exterminação definitiva, como mostra o Salmo 92:7: "Quando os iníquos florescem como a vegetação e estão florindo todos os que praticam o que é prejudicial, é para que sejam aniquilados PARA TODO O SEMPRE."

      Excluir
    2. Isso por que na hora fui interrompido aqui em casa e cabou que nem pus a última parte que era sobre Eclesiastes 9:5 huhu.

      Excluir
    3. [...continuação]


      ECLESIASTES 3:19 /- O destino do homem é o mesmo que o dos animais?
      PROBLEMA: Salomão parece declarar que não há diferença entre a morto de um homem e de um animal: "Porque o que sucede aos filhos dos homens sucede aos animais; o mesmo lhes sucede: como morre um, assim morre o outro" (Ec 3:19). Contudo, depois ele afirma que, diferentemente dos animais, quando o homem morre, o espírito volta a Deus, que o deu (cf. Ec 12:7). Como se explica esse conflito?

      SOLUÇÃO: Há tanto semelhanças como diferenças entre a morte do animal e a do homem. Em ambos os casos, o corpo morre e retorna ao pó. De igual modo, a morte tanto de um como de outro é certa, e não há como evitá-la. Nesses pontos, o fenômeno físico é o mesmo tanto para o homem como para o animal. Por outro lado, o homem tem uma alma imortal (espírito), e o animal não tem (Ec 12:7; cf. 3:21). Sobre animal algum diz a Bíblia: "deixar o corpo" é "habitar com o Senhor" (2 Co 5:8). Assim também em texto nenhum a Bíblia fala da ressurreição de um animal, como o faz a respeito de todos os seres humanos (cf. Jo 5:28-29; Ap 20:4-6). Assim, no âmbito espiritual, há uma grande diferença entre a morte do homem e a do animal.
      Considere o seguinte sumário:
      A MORTE DO HOMEM E A MORTE DO ANIMAL
      SEMELHANÇAS DIFERENÇAS
      No físico No espiritual
      No corpo Na alma
      Vida antes da morte Vida após a morte
      Corpo mortal Imortalidade da pessoa
      Como o corpo se deteriora O corpo é ressuscitado
      Nenhum controle sobre a morte Experiência da ressurreição

      ECLESIASTES 3:20-21 - Se há vida após a morte, por que Salomão declara que não há vantagem para o homem em relação ao animal?
      PROBLEMA: A Bíblia ensina que a alma sobrevive à morte (Fp 1:23; 2 Co 5:8; Ap 6:9). Mas Salomão salienta que "todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão" (Ec 3:20). Daí, "nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais; porque tudo é vaidade" (Ec 3:19).
      ECLESIASTES 3:20-21 - Se há vida após a morte, por que Salomão declara que não há vantagem para o homem em relação ao animal?
      PROBLEMA: A Bíblia ensina que a alma sobrevive à morte (Fp 1:23; 2 Co 5:8; Ap 6:9). Mas Salomão salienta que "todos vão para o mesmo lugar; todos procedem do pó e ao pó tornarão" (Ec 3:20). Daí, "nenhuma vantagem tem o homem sobre os animais; porque tudo é vaidade" (Ec 3:19).
      SOLUÇÃO: A referência é ao corpo humano, não à alma. Tanto o homem como o animal morrem e o seu corpo volta ao pó. Entretanto, o homem é diferente, pois a sua alma "se dirige para cima" (v. 21). De fato, Salomão fala da "eternidade" no coração humano (Ec 3:11) e da sua imortalidade quando ele declara que na morte o homem vai "à casa eterna" (12:5). Ele enfatiza também que devemos temer a Deus porque num certo dia "de todas estas cousas Deus te [nos] pedirá contas" (11:9). Assim, Eclesiastes não nega a vida após a morte; o que ele faz é nos advertir quanto à futilidade de vivermos somente para esta vida "debaixo do sol" (cf. 1:3,13; 2:18). (Veja o comentário precedente em 3:19.)

      Excluir
    4. [..continuação]

      ECLESIASTES 9:5 - Os mortos têm memória?
      PROBLEMA: Aparentemente Salomão parece estar dizendo que os mortos não têm mais noção de nada. Ele escreveu: "os mortos não sabem cousa nenhuma... porque a sua memória jaz no esquecimento" (Ec 9:5). Semelhantemente, o salmista disse: "Pois, na morte, não há recordação..." (Sl 6:5). Mas isso parece contradizer as muitas passagens que falam de as almas estarem conscientes após a morte (por exemplo, 2 Sm 12:23; 2 Co 5:8; Ap 6:9).

      SOLUÇÃO: A Bíblia ensina que a alma sobrevive à morte num estado consciente de conhecimento (veja os comentários de 2 Reis 14:29). As passagens que dizem que não há conhecimento ou lembrança após a morte estão falando de não haver memória neste mundo, e não de que não há memória deste mundo. Salomão esclareceu o seu comentário dizendo: "porque na sepultura, para onde tu vais, não há... conhecimento" (Ec 9:10, SBTB), deixando claro que é na sepultura que não há lembrança de nada.
      Ele afirmou também que os mortos não sabem o que se passa "debaixo do sol" (9:6). Mas conquanto não saibam o que ocorre na terra, certamente sabem o que está ocorrendo no céu (cf. Ap 6:9). Em resumo, estes textos referem-se simplesmente ao homem em relação a esta vida presente - eles nada dizem a respeito da vida futura, após esta que vivemos.
      -
      Disse assim "veja os comentários de 2 Reis 14:29", então vejamos também
      -
      2 REIS 14:29 - Os mortos estão dormindo ou estão conscientes?
      PROBLEMA: Como ocorre nesta passagem, a Bíblia com freqüência fala da morte como sendo um tempo em que a pessoa "dormiu com seus pais" (SBTB, R-IBB; outros textos, por exemplo, são: 1 Rs 2:10; 11:21, 43; 14:20). Jesus disse: "Nosso amigo Lázaro adormeceu" (Jo 11:11), quando ele estava morto (cf. Jo 11:14). Paulo fala dos crentes "que dormem" no Senhor (1 Ts 4:13; cf. 1 Co 15:51). Contudo, em outras partes, a Bíblia fala que as pessoas estão conscientes na presença de Deus depois de sua morte (cf. 2 Co 5:8; Fp 1:23; Ap 6:9).

      SOLUÇÃO: O primeiro grupo de versículos refere-se ao corpo e o segundo, à alma. "Dormir" é uma apropriada figura de linguagem para a morte do corpo, já que ela é apenas temporária, esperando pela ressurreição, quando o corpo será despertado de seu sono. Além disso, tanto no sono como na morte a pessoa tem a mesma postura, ou seja, fica deitada. A Bíblia é muito clara a respeito do fato de que a alma do crente (espírito) sobrevive após a morte (Lc 12:4), que ela está conscientemente presente com o Senhor (2 Co 5:8) num lugar melhor (Fp 1:23), onde outras almas estão conversando (Mt 17:3)e até mesmo orando (Ap 6:9-10). Analogamente, a alma do incrédulo vai para um lugar de tormento consciente (Mt 25:41; Lc 16:22-26; Ap 19:20-20:15).

      Excluir
    5. Achei mais essas ideias com aplicações que nunca tinha pensado nesses textos:

      2 SAMUEL 12:23 - Os que morrem na primeira infância vão para o céu? PROBLEMA: As Escrituras ensinam que todos nasceram em pecado (Sl 51:5) "porque todos pecaram [em Adão]" (Rm 5:12). Contudo, Davi deu a entender que seu filho, uma criança recém-nascida que morreu, teria ido para o céu, ao dizer: "Eu irei a ela" (1 Sm 12:23).

      SOLUÇÃO: Há três posições com relação às crianças que morrem antes da idade da responsabilidade, isto é, antes de atingirem maturidade suficiente para responder moralmente por seus próprios atos.

      Somente as crianças eleitas vão para o céu.
      Alguns calvinistas extremados acreditam que apenas as crianças da primeira infância que são predestinadas é que vão para o céu (Ef 1:4; Rm 8:29). As que não são eleitas vão para o inferno. Eles não vêem maiores problemas com respeito à predestinação de crianças como tampouco veêm com a de adultos. Insistem que todos merecem o inferno, e que é apenas pela misericórdia de Deus que alguém é salvo (Tt 3:5-6).

      Somente as crianças que viriam a crer vão para o céu.
      Outros declaram que Deus sabe o fim desde o princípio (Is 46:10) e sabe também o que é potencial bem como o que é real. Assim, ele sabe quais as crianças que teriam crido em Cristo, caso tivessem vivido. Argumentam que, em caso contrário, haveria pessoas no céu que não teriam crido em Cristo, o que vai de encontro às Escrituras (Jo 3:36). Todas as crianças que Deus sabe que não teriam crido, caso tivessem tido uma vida mais longa, vão para o inferno.

      Todas as crianças vão para o céu.
      Ainda outros crêem que todas as crianças que morrem antes da idade da responsabilidade vão para o céu. Eles baseiam essa afirmação nas seguintes passagens. Primeiro, Isaías 7:16 refere-se a uma idade após a qual uma criança torna-se moralmente responsável: "antes que este menino saiba desprezar o mal e escolher o bem...".
      Segundo, Davi acreditava na vida após a morte e na ressurreição (Sl 16:10-11), de forma que ao referir-se ao dia em que se encontraria com o seu filho que morrera após o nascimento (2 Sm 12:23), deu a entender que aqueles que morrem na primeira infância vão para o céu, Terceiro, o Salmo 139 fala de um feto como sendo uma criatura de Deus cujo nome está escrito no "livro" de Deus no céu (vv.14-16). Quarto, Jesus disse: "Deixai vir a mim os pequeninos, não os embaraceis, porque dos tais é o reino de Deus" (Me 10:14), indicando assim que até mesmo as criancinhas estarão no céu. Quinto, alguns veêm suporte para a criança em anjos da guarda na afirmação de Jesus de que os "pequeninos" têm "seus anjos no céu" (Mt 18:10). Sexto, o fato de a morte de Cristo ter sido para todos faz com que as criancinhas possam ser salvas, mesmo antes de crerem (Rm 5:18 l9). Finalmente, a afirmação de Jesus quanto àqueles que não sabiam que não eram moralmente responsáveis (Jo 9:41) é usada para dar suporte à crença de que há céu para aqueles que por ora não podem crer, muito embora não haja céu para aqueles que, tendo idade, recusam-se a crer (Jo 3:36).

      Excluir
    6. Primeiramente, estou deixando claro que o comentário do Saga não é a posição dele sobre esses textos. Ele está, sim, citando um comentário de exegetas da cristandade.
      Mas, as falhas de interpretação desses comentaristas é gritante:
      1) Baseiam sua crença antibíblica e babilônica da imortalidade da alma em Eclesiastes 12:7 e em 2 Coríntios 5:8, sendo que nenhum desses textos defende tal doutrina. O primeiro diz respeito à perspectiva de vida futura retornar para Deus, o Dador da vida; e o segundo texto fala dos cristãos que têm esperança celestial, e não da esperança da humanidade em geral, que é viver na Terra.
      2) Citam Filipenses 1:23, que também diz respeito à esperança celestial. E citam sem qualquer base contextual Revelação 6:9. Nenhum desses textos – de fato, NENHUM texto bíblico apoia a doutrina falsa da imortalidade da alma.
      3) Outra interpretação errônea se encontra na má tradução de Eclesiastes 12:5, como “casa eterna” (ALA), quando na realidade a tradução correta é “casa de longa duração” (NM) – uma clara referência à sepultura comum.

      É extremamente lamentável que pessoas tentem interpretar as Escrituras à base de conceitos preconcebidos antibíblicos.

      Excluir
    7. Também, o fato de tais comentaristas desconsiderarem a esperança bíblica de vida eterna na Terra leva a equívocos gritantes e a interpretações absurdas sobre a esperança de ressurreição das crianças. Infelizmente, muitas pessoas são enganadas por tais comentários antibíblicos, resultando no cumprimento moderno das palavras de Cristo: "Guias cegos é o que eles são. Se, pois, um cego guiar outro cego, ambos cairão numa cova.” - Mat. 15:14.

      Excluir
    8. "O Apologista da Verdade 10 de setembro de 2012 20:31
      Primeiramente, estou deixando claro que o comentário do Saga não é a posição dele sobre esses textos. Ele está, sim, citando um comentário de exegetas da cristandade."

      Boa lembrança

      Eu não disse que vinha pérola? Dá para fazer um artigo só desmentindo tais "argumentações", pois o texto diz uma coisa e o "interprete" vem afirmar que quis dizer outra. Os textos bíblicos ressaltados estão longe de demonstrar a crença no Além-Túmulo entre os hebreus do AT.

      A distancia entre as coisas que o Eclesiastes diz e o que os "sábios" tiram das palavras dele é enorme. Inclusive chegando ao ápice da desvirtuação que é entender o OPOSTO do que o autor bíblico quis transmitir no texto bíblico.

      Excluir
  5. Isso significa que eu não estaria sendo honesto se usasse o texto de Atos para provar que o espirito não é uma pessoa?( Atos 2:33)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A meu ver, você estaria sim sendo honesto, visto que estaria usando o texto no reconhecimento dos seguintes fatos:
      1)A expressiva maioria dos usos de toûto (isto) na Bíblia é para coisas impessoais.
      2)Embora seja um recurso gramatical, na aplicação ao espírito santo – que é impessoal – também concorda semanticamente, isto é, com o fato indisputável da impessoalidade do espírito santo.

      Em outras palavras, se a Bíblia apresentasse o espírito santo como sendo uma pessoa (ser) espiritual, o uso de toûto (pronome neutro) para tal espírito seria apenas gramatical, visto que pneúma (espírito) é palavra gramaticalmente neutra. No entanto, visto que a Bíblia apresenta o espírito santo como algo impessoal – a força ativa de Deus – o uso de “isto” não apenas concorda gramaticalmente, mas também semanticamente.

      Note que, ao se referir a Jesus, o versículo anterior (Atos 2:32), usa o pronome “este”, que é tradução do pronome toûton, que é masculino, não neutro. Gramaticalmente, concorda com o substantivo masculino Iesoûn (Jesus). Mas, visto que Jesus Cristo é uma pessoa, tal pronome também concorda semanticamente com esse fato.

      Na linguagem cotidiana, quando queremos apresentar alguém, dizemos: “ESTE é o Fulano.” Mas nunca dizemos: “ISTO é o fulano”, pois tal uso seria inadmissível para uma pessoa!

      Assim, sob a minha ótica, não seria errado usar Atos 2:33 para afirmar a impessoalidade do espírito santo, visto que tal argumentação concorda com a gramática grega e com o inteiro contexto bíblico, o qual apresenta o espírito santo como algo impessoal.

      Excluir
    2. O "espírito santo" é neutro, isto aponta para sua impersonalidade.
      Neste verso, se usa o "ISTO", ou seja, pronome neutro. (Assim como também em português a palavra "isto" é utilizada com referência a lago impessoal).

      Segundo o que vi o Apologista dizer, o grego usou um pronome neutro, concordando com o próprio fato do substantivo em questão [espírito] ser neutro também. Estes itens são indícios de que o referido é impessoal. Se não prova definitivamenteeee, é porque o trinitarista será muito exigente quanto ao apego a sua doutrina querida de devoção por tanto tempo e por isso difícil dificilmente mesmo acha tal argumento suficiente por si só.

      Excluir
  6. Apologista, veja só :

    http://www.criacionismo.com.br/2012/09/quem-sao-os-144-mil-mencionados-no.html

    "Um dos temas que mais intrigam os adventistas...são os 144 mil do Apocalipse.Muitos não compreendem nem mesmo os aspectos mais básicos em relação a eles ...se eles fazem parte da chamada “grande multidão” e, principalmente, quem são eles... A própria Igreja Adventista até hoje não tem uma posição oficial abrangente sobre o assunto....até à época de sua reedição (1980), os adventistas favoreciam a interpretação de que os 144 mil são um grupo especial do povo de Deus nos últimos dias – um grupo à parte da grande multidão...O assunto ainda está em estudo, e o que se enfatiza não é quem são os 144 mil, mas como ser parte deles, como alcançar a salvação...o povo de Deus não deve ficar estereotipado em suas teorias da fé, mas preparar-se para nova luz...os ensinos e profecias da Bíblia podem e devem ser compreendidos cada vez mais à medida que o tempo passa e os estudos progridem... A primeira grande evidência de que os 144 mil e a grande multidão podem ser o mesmo grupo é a própria estrutura do livro do Apocalipse...capítulo 7, os 144 mil são os justos do tempo do fim descritos ainda na Terra; a grande multidão é um retrato desse povo já no Céu...Diante das evidências apresentadas, torna-se ainda mais claro que o número 144 mil é simbólico. O próprio contexto das passagens indica isso (Diogo Cavalcanti, editor na Casa Publicadora Brasileira)"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda existe grande confusão no seio da cristandade acerca do significado dessas duas classes - com efeito, a confusão se estende ao inteiro livro de Revelação. Bem, se conceitos bem literais, como a esperança de vida eterna na Terra paradisíaca, não são entendidos pela cristandade, como podem entender os simbolismos do livro de Apocalipse?

      Excluir
    2. O destaque é que eles dizem [1] que não sabem, [2] as vezes que não é dá pra saber pois é "mistério de Deus" e [3] que os evangélicos "não tem uma posição oficial formada sobre o assunto" [4] cada denominação tem sua visão do assunto OU PIOR AINDA, quando a igreja não se posiciona cada membro tem sua opinião particular sobre a questão.

      Apesar disso eles dizem que as heréticas TJs estão em erro sério com sua visão sobre a GM e o PM, do tipo assim "não sei qual a interpretação certa, mas a interpretação TJ ESTÁ ERRADA!!!". (Qd li os artigos do TJ7 com as réplicas da cristandade sobre textos que citam esperança terrestre como Salmo 37 e etc, se vê que dão desculpas muito esfarrapadas e pq não dizer contraditórias já que um não se entende com o outro)

      Então isso é comum tanto entre os evangélicos quanto com os adventistas e acredite que deva ser uma situação igual entre os católicos.

      Excluir
  7. Ao Meu ver só podemos entender o proposito de Deus para o homem conforme explicado na bíblia,se aceitarmos a existência de "duas classes " uma terrena(Paraiso restaurado na terra) e uma celestial( pessoas governando com cristo no ceu) e nesse contexto a explicação de que esses 144.000 é a classe celeste de salvos se encaixa melhor nessa ideia.

    ResponderExcluir
  8. "O verbo “cair”, quando aplicado a pessoas, está no sentido pejorativo. (Mat. 21:44; Rom. 11:11; 14:13; 1 Cor. 10:12; 1 Tim. 3:6; 6:9; Heb. 10:31; Rev. 2:5)"

    Apologista, em Revelação 9:1 diz sobre uma estrela que "caíra do céu", entende-se que essa estrela é Jesus. Então nesse caso também dizer que ela "caiu" está em sentido pejorativo mesmo sabendo que é Jesus?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O verbo grego πίπτω (pípto, “cair”) tem sentido negativo quando a referência é a cair sob julgamento, ficar sob condenação, ser prostrado, cair prostrado, cair em ruína, ser abatido de um estado de prosperidade, perder a autoridade. Assim, a expressão ‘cair sobre’ não ficaria coerente para com uma pessoa, pois indicaria que este alguém estaria sem controle.
      Com relação a Revelação 9:1, o texto fala sobre uma figurativa “estrela”. As estrelas são mencionadas como ‘caindo’ do ponto de vista aparente, no sentido de um deslocamento de um corpo celeste. De modo que tal aparente ‘queda’ não possui uma conotação pejorativa.
      (Veja o artigo “Fatores a serem levados em conta no estudo da Bíblia”, no subtópico “Olhar as coisas segundo o seu valor aparente”; link http://oapologistadaverdade.blogspot.com.br/2013/11/fatores-serem-levados-em-conta-no.html)

      Excluir
  9. Excelente pesquisa! Obrigado por compartilhar!

    Se formos usarmos o raciocínio trinitário, se é que podemos chamar de raciocínio, concluiremos que Agape (amor) é Deus, pois, além dos textos citados de 1 cor 13, ainda temos 1 Jo 4:8, que diz que Deus é agape. Portanto, o amor é a 4 pessoa da trindade.

    ResponderExcluir
  10. Acho que o texto de

    ‘Contristar o espírito santo’ significa entristecer a Fonte desse espírito – Jeová Deus. (Efé. 5:30)

    Era pra ser Ef 4:30

    ResponderExcluir
  11. Muito bom os assuntos, isso ensina muitas coisas.obg.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pela expressão de apreço! Fico contente de que esteja se beneficiando dos artigos.
      Abraços!

      Excluir
  12. Apologista vc se importa se eu usar algum assunto seu em minhas conversas com Evangélico? Gostaria de ver sua resposta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De forma alguma! Os artigos foram produzidos para serem úteis na evangelização. Fique à vontade para fazer uso de qualquer artigo que desejar. Caso for fazer uma citação escrita de qualquer artigo, solicito que sempre cite a fonte. Poderá também indicar este site para pesquisas.
      Grande abraço!

      Excluir
  13. Apologista vc se importa se eu usar algum assunto seu em minhas conversas com Evangélico? Gostaria de ver sua resposta!

    ResponderExcluir
  14. Bom dia
    O artigo reúne muita informação, e é bem robusto.
    Portanto, gostaria de tratá-lo devagar e em partes. Em primeiro lugar sobre a tradução oferecida: “o espírito de Deus pairava sobre as águas”. (Gên. 1:2)", que fará uma boa diferença na maneira que li a continuidade no tratamento do artigo. Qual é a tradução correta do termo - força ativa, ou espirito? e por que responde assim?

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Luciano:

      A palavra usada em Gênesis 1:2 é rúahh.

      Sobre essa palavra, lemos no Glossário de Termos Bíblicos na Tradução do Novo Mundo Revisada 2015:

      Espírito. A palavra hebraica rúahh e a grega pneúma, muitas vezes traduzidas “espírito”, têm muitos significados. Todos os significados se referem ao que é invisível aos olhos humanos, e indicam uma força em ação. A palavra hebraica e a grega se referem (1) ao vento, (2) à força ativa de vida em criaturas terrestres, (3) à força que vem do coração figurativo de uma pessoa e que a impele a falar e fazer coisas de certo modo, (4) às expressões inspiradas vindas de uma fonte invisível, (5) às criaturas espirituais e (6) à força ativa de Deus, ou espírito santo. — Êx 35:21; Sal 104:29; Mt 12:43; Lu 11:13.

      Assim, verter por “espírito” ou por “força ativa” transmite o mesmo sentido no texto em apreço.

      a

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *