Image Map











quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Ego Eimí (“Eu sou”) indica existência eterna?



               Fonte: http://ultradownloads.com.br/papel-de-parede/Ceu--128785/

“Quanto ao argumento muito usado pelos trinitaristas em Jo 8:58 quanto ao ‘Sou’ (Eimí), de que conjugado nesse tempo presente indica ‘tempo absoluto’, ‘existência absoluta’, sem início ou fim (eterna): Seria o caso de textos como Apocalipse 17:10, 11 servirem como contra-argumento, ao dizer que um dos reis ‘É’ (‘Roma é’, querendo dizer que ela existe) sem com isso indicar que duraria para todo o sempre?” – Pergunta de um leitor.

Resposta:

O tempo presente indica uma ação continuada (“estar fazendo”). Assim, ego eimí tem a ideia de “eu estou sendo”, no sentido de “estou existindo”. No caso em questão (João 8:58), não poderia indicar "existência absoluta", “sem inicio ou fim (eterna)”, visto que as palavras de Cristo estabelecem um referencial temporal: “Antes de Abraão vir à existência” (πρν ᾿Αβραμ γενέσθαι; prìn Abraám genésthai). 

O texto que você citou – Revelação 17:10 – mostra que o verbo eimí (“ser”, “estar”) não tem forçosamente um sentido absoluto. Falando de Roma, a potência mundial existente na época da escrita do livro de Apocalipse, o texto diz: “Um é ς στιν; heis estin).” Evidentemente, a existência daquela potência não seria eterna – teve um começo e teve um fim. 

Quanto à essência de sua pergunta: “Em geral textos que falam ‘ele é’, ‘que é’, ‘aquele que é’, ‘eles são’, ‘nós somos’, ‘vois sois’ etc., são o mesmo caso de textos que usam ‘eu sou’ [ego eimí] só mudando a pessoa [eu, tu, ele, nós, vois, eles, elas]?” A resposta é Sim

Você perguntou sobre textos que usam eimí no sentido de “existir”, mas que não indicam eternidade. Um deles é o que você mesmo citou – Revelação 17:10. Outro que você poderia usar é Romanos 4:17, que descreve Deus como aquele que “chama as coisas que não são [não existem] como se fossem” (καλοντος τ μ ντα ς ντα). “Onta” (literalmente “sendo”) é particípio presente de eimí. O contexto diz respeito a Jeová “chamar Abrão de ‘Abraão’, que significa ‘Pai Duma Multidão’, enquanto ele ainda não tinha filhos”. (Obra “Estudo Perspicaz das Escrituras”, vol. 2, p. 507, publicada pelas Testemunhas de Jeová.) Embora ainda não “sendo” (onta) – ou não existindo como “pai duma multidão”, Abraão foi chamado como “sendo” (onta) – ou como existindo como tal. Obviamente, tal existência nesse aspecto teve um princípio. 

Por outro lado, encontramos uso de eimí no sentido de existência eterna em Hebreus 11:6, que diz a respeito de Jeová: “ele existe” (στιν). Também, temos o texto de Revelação 1:8, na expressão ““Aquele que é” ( ν; ho on). “On” (literalmente “sendo”) é particípio presente de eimí, no sendo de “Aquele que existe”. A continuação do texto diz: “E que era” ( ν; ho én). Note que neste caso não se estabelece um referencial com relação à existência passada de Jeová Deus. Ele simplesmente “era” desde a eternidade. (Sal. 90:2) Em contraste, usa-se a mesma forma verbal em João 1;1, indicando que o Lógos (que se tornou Jesus Cristo) “era” (existia) “no princípio” (ν ρχ; em arkhé). Veja que, no caso do Lógos (Verbo ou Palavra), a Bíblia aponta um limite no tempo: o princípio.

Assim, por se ancorarem numa doutrina inexistente na Bíblia, os trinitaristas buscam argumentação sem base gramatical e sem base doutrinal. A famosa frase de Jesus em João 8:58 simplesmente significa que, antes de Abraão ter existido, Jesus – como o Lógos – já existia. Pois, como diz João 1:1 e 2, a Palavra (Lógos) existia “no princípio” – quer dizer, ela teve um princípio, conforme mostram outros textos bíblicos. 



Os artigos deste blog podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o blog oapologistadaverdade.blogspot.com




Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *