Image Map











segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Debate online sobre a permanência dos Dez Mandamentos - Parte 1



          Recentemente, recebi algumas argumentações sobre a questão da permanência dos Dez Mandamentos, de um leitor, de nome Andreas, a respeito do artigo que compus com o tema "Tiago incentiva a guarda dos Dez Mandamentos?". (Recomendo a leitura desse artigo para se inteirar melhor debate.)

Após cada argumentação, apus minha refutação. Assim, achei ser útil disponibilizar cada etapa deste debate respeitoso, para o benefício dos leitores deste site.

Os leitores podem sentir-se à vontade para dar seus comentários respeitosos a respeito do desenvolvimento deste debate.

O texto do argumentador está sendo colocado assim como ele escreveu.

Andreas:
A Lei da Liberdade não simboliza que “podemos fazer o que quiser, inclusive pecar (ou seja, transgredir a lei)”. Simboliza que somos livres ao obedecer a Lei. Se ninguém matasse, roubasse, cobiçasse, realmente seríamos livres. E é interessante que no Antigo Testamento Deus LIBERTA o povo de Israel do paganismo e da escravidão e dá a eles os 10 mandamentos. Por isso é a “Lei da Liberdade”, ou “ A Lei que nos tira da escravidão do pecado”
Como é que os 10 mandamentos, que mostram os nossos pecados, pode nos escravizar? Se o mandamento é "bom, perfeito, justo".

Apologista da verdade:

Prezado Andreas:

Sua argumentação desconsidera totalmente o contexto da expressão “lei dum povo livre”, ou “lei que pertence à liberdade” (Tia. 2:12, nota.), bem como todo o contexto das argumentações do apóstolo Paulo em suas cartas concernentes à Lei dada a Israel.

A “liberdade” da qual Tiago e Paulo falam não diz respeito à libertação dos israelitas do Egito e do paganismo daquele tempo. 

Como Paulo claramente mostra em Gálatas, capítulo 4, o pacto feito no monte Sinai – o pacto da Lei que inclui os Dez Mandamentos – “dá à luz filhos para a escravidão”.  (Gál. 4:24) Em que sentido?

O apóstolo explica cabalmente isso em sua carta aos Romanos.

Romanos 7:7-14 declara:

O que diremos, então? É a Lei pecado? Que nunca se torne tal! Realmente, eu não teria chegado a conhecer o pecado, se não fosse a Lei; e, por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça, se a Lei não dissesse: “Não deves cobiçar.” 8 Mas o pecado, recebendo induzimento por intermédio do mandamento, produziu em mim cobiça de toda sorte, pois, à parte da lei, o pecado estava morto. 9 De fato, eu estava uma vez vivo à parte da lei; mas, ao chegar o mandamento, o pecado passou a viver novamente, mas eu morri. 10 E o mandamento que era para a vida, este eu achei ser para a morte. 11 Pois o pecado, recebendo induzimento por intermédio do mandamento, seduziu-me e matou-me por intermédio dele. 12 Por conseguinte, a Lei, da sua parte, é santa, e o mandamento é santo, e justo, e bom. 13 Acaso o bom se tornou morte para mim? Que isso nunca aconteça! Mas o pecado sim, para que se mostrasse como pecado, produzindo para mim a morte por intermédio daquilo que é bom; para que o pecado se tornasse muito mais pecaminoso por intermédio do mandamento. 14 Pois sabemos que a Lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.

Como Paulo mostrou, A Lei perfeita revelou plenamente o pecado em todos os seus pormenores, revelando a plena pecaminosidade do ser humano. Dessa forma, a Lei condenou os humanos imperfeitos como merecedores de morte, pois “o salário do pecdo é a morte”. (Ro 6:23a) Os que estavam sujeitos à Lei também ficaram sujeitos à maldição. (Gál 3:10-14) O problema não estava na Lei, e sim na pecaminosidade humana, que foi ressaltada com a Lei.

Por isso, disse Paulo, “por obras de lei, nenhuma carne será declarada justa diante dele, pois pela lei vem o conhecimento exato do pecado”. – Romanos 3:20.

Paulo também explicou: “O aguilhão que produz a morte é o pecado, mas o poder para o pecado é a Lei.” (1 Coríntios 15:56) Assim, enquanto a Lei existisse, o pecado teria poder.

Por isso, havia a necessidade de os que estavam debaixo da Lei serem libertados dela.

Mas, com a vinda de Cristo à Terra e sua morte no madeiro, a Lei cumpriu seu objetivo e foi abolida.

“Por que, então, a Lei? Ela foi acrescentada para tornar manifestas as transgressões, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa; e ela foi transmitida por intermédio de anjos, pela mão dum mediador.” – Gálatas 3:19.

Paulo deixou isso imensamente claro em Romanos 7:6:

Mas agora fomos exonerados [LIBERTOS] da Lei, porque morremos para com aquilo que nos segurava, para que fôssemos escravos num novo sentido, pelo espírito, e não no velho sentido, pelo código escrito.”

  
A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas, publicada pelas Testemunhas de Jeová.




Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




2 comentários:

  1. boa noite irmão,procuro sempre defender a verdade e elucidar aqueles que não conhecem nem a religião deles e ainda vem falar da nossa, muitas vezes sem nem uma base ao menos.
    Faço isso no Youtube por apoiar os canais A VERDADE É LOGICA E DO PUBLICADOR DO REINO.
    Estou aprendendo muito com vocês todos. e queria deixar aqui o meu muito obrigado.

    A respeito do debate, o irmão deu um show de interpretação, com argumentos firmes e sólidos, diferentes dos oferecidos pelo nosso amigo adventista.É nessas horas que me orgulho de fazer parte da organização de Jeová, pois ele nos tem dado o conhecimento profundo que nenhuma outra organização religiosa tem em toda a terra, a respeito da sua palavra a bíblia.Toda a honra e gloria seja dada a Jeová e a Jesus cristo!

    Quanto ao debate, não entendi porque da PARTE 1 vai pra PARTE 3, E A PARTE 2? NÃO TEM?
    Se tem eu não estou conseguindo VISUALIZAR AQUI no navegador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Zepelim!
      Também agradeço suas expressões de apreço.
      Seguem abaixo os links das demais partes:

      Parte 2: http://www.oapologistadaverdade.org/2015/02/debate-online-sobre-permanencia-dos-dez_3.html

      Parte 3: http://www.oapologistadaverdade.org/2015/02/debate-online-sobre-permanencia-dos-dez_4.html

      Parte 4: http://www.oapologistadaverdade.org/2015/02/debate-online-sobre-permanencia-dos-dez_5.html

      Parte 5: http://www.oapologistadaverdade.org/2015/02/debate-online-sobre-permanencia-dos-dez_7.html


      Abraços!

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *