Image Map











quarta-feira, 2 de maio de 2018

TRADUÇÃO NO NOVO MUNDO DA BÍBLIA SAGRADA – ERUDITA E CONFIÁVEL (Parte 1)





A RELVA SECA, A FLOR MURCHA, MAIS A PLAVRA DO NOSSO DEUS PERMANECE PARA SEMPRE. - ISAÍAS 40:8.

Contribuído.

SUMÁRIO

1.  INTRODUÇÃO.. 3
2.  O QUE É UMA “BASE TEXTUAL”?. 4
2.1     TEXTO RECEBIDO (Textus Receptus) 4
2.2    TEXTO CRÍTICO.. 5
2.2.1 O QUE SÃO OS ROLOS DO MAR MORTO?. 6
2.2.2 QUEM ESCREVEU OS ROLOS DO MAR MORTO?  6
3   TEXTO BASE MAIS CONFIÁVEL PARA A TRADUÇÃO DE UMA BÍBLIA. 7
4   OS CRITÉRIOS USADOS NA COMPARAÇÃO DA ARC E A TNM: 8
4.1     PORTUGUÊS ATUALIZADO: 8
4.2    ERROS DE TRADUÇÃO E COESÃO.. 12
4.3    TEXTOS ACRESCENTADOS. 14
4.3.1 ACRÉSCIMOS NO TEXTO: 15
4.3.2 TEXTOS E HISTÓRIAS ACRESCENTADOS NA ARC: 18
4.4    COERÊNCIA. 19
4.5    A REMOÇÃO DO NOME DIVINO. 25
5   CONCLUSÃO.. 28


1.         INTRODUÇÃO


Este trabalho sobre traduções da Bíblia tem como objetivo fazer uma análise sincera, sem paixão e completamente neutra de preconceitos, sobre a “Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradas”, (editada pelas Testemunhas de Jeová). Como sabemos, essa é uma Bíblia muito criticada por muitos líderes religiosos que, por sua vez, transmitem suas ideias preconcebidas aos seus adeptos, os quais acabam aderindo à mesma posição sem sequer fazer uma pesquisa minuciosa sobre o assunto. Objetivando mostrar aos sinceros o valor da TNM, resolvi fazer uso da Bíblia João Ferreira de Almeida, edição Revista e Corrigida, uma tradução muito respeitada e talvez a mais usada aqui no Brasil, para fazer uma comparação com a Tradução do Novo Mundo. Você irá se surpreender!

É de suma importância atentarmos para alguns eventos históricos antes de abordarmos o assunto em questão, para que possamos chegar a uma conclusão mais justa no que diz respeito à Palavra inspirada por Deus – a Bíblia. Afinal, cada um de nós precisa ter o conhecimento exato da verdade que conduz à vida eterna.

É fato sabido por todos os eruditos e pesquisadores que existem duas fontes de “base textual” que direcionaram as  edições bíblicas. Estas traduções podem ou poderão estar em suas mãos. Por isso, julguei necessário, para a comparação que faremos, responder primeiro às seguintes questões.

1-       O que é uma “base textual”?
2-      Que “Texto Base” foi usada nas traduções das Bíblias de hoje?
3-      Qual o “Texto Base” mais confiável para se traduzir uma Bíblia?

   Existe algo ainda mais complexo ao se traduzir uma Bíblia, como, por exemplo, possuir também o conhecimento da cultura, tradição e costumes judaicos da época. Outro detalhe não menos importante é a datação dos manuscritos usados na tradução e edição da Bíblia. (Isto se dá porque não existem mais os manuscritos originais, apenas cópias das cópias. Por este motivo, quanto mais antiga a cópia do manuscrito, mais próxima da original; e, consequentemente, haverá menos erros dos copistas.)

2.            O QUE É UMA “BASE TEXTUAL”?


São “blocos de manuscritos” selecionados e separados pela datação que serviram para formar o conhecido hoje como “Texto Base” usados nas edições das Bílias que existem atualmente. Existem dois tipos de “Textos Base”:

1-                   O Texto Recebido
2-                 O Texto Crítico

2.1         O TEXTO RECEBIDO (Textus Receptus)


O texto recebido é na verdade o “resultado” de uma compilação dos textos contidos em manuscritos que datavam do 12.º século, de modo a compor um único texto grego contendo todo o Novo Testamento. A primeira compilação deste texto foi editada pelo teólogo, padre católico, filósofo e humanista Erasmo de Rotterdam, publicada  em Basileia em 1514, servindo de base para a maioria dos estudos científicos e traduções bíblicas durante todo o período da Reforma protestante. Pela necessidade de correções, Erasmo publicou outras edições posteriores – nos anos de 1516, 1519, 1522, 1527 e 1535, fazendo correções posteriores às edições anteriores. Porém, permaneceu baseando-se em manuscritos que datavam ao Século XII e posterior que continha o “comma joanino” (1 João 5:7).

Como vimos, o Texto Recebido (Textus Receptus, no ambiente acadêmico) é uma versão do Novo Testamento grego estabelecida por Erasmo de Rotterdam, a partir do qual, entre 1514 e 1870, foram impressas cerca de 750 edições do texto grego do Novo Testamento, entre as quais a Bíblia de Lutero em 1522, de Tyndale em 1526, a King James em 1611 e o Novo Testamento da Reforma protestante, inclusive a versão João Ferreira de Almeida, entre 1681 e 1753.

2.1         O TEXTO CRÍTICO

Já o Texto Crítico tem como base descobertas arqueológicas de manuscritos que continuaram sendo descobertos depois de 1500. O grande ápice da Arqueologia foi no século XIX, com os achados dos rolos do Mar Morto de qumran,  conhecidos como o Códice Sinaítico, datado do século IV. Houve também outros achados, como a Pesito Siríaca (II século), o Códice Alexandrino (século V), a Vulgata latina original (século V), o Códice Vaticano 1209 (século IV). Recentemente, temos o Cópta Saídico (século II).

Como para o Antigo Testamento, também no Novo Testamento há variantes do texto bíblico que não eram conhecidas no período em que foi estabelecido o Textus Receptus. O Texto Crítico recolhe também essas variantes, desconhecidas por Erasmo de Rotterdam e desconsideradas nas edições posteriores. E não só isso, pois o Texto Crítico faz referência também àqueles textos que foram descartados por ele. De fato, diante de dois textos que dizem coisas diferentes, ele fez uma escolha e não explicou o porquê dela.

Dois destes manuscritos considerados superiores aos do “Texto Recebido” por muitos eruditos modernos são o Códice Sinaítico e o Códice Vaticano 1209 (ambos datados do século 4º). Estes advêm de um tipo de texto conhecido como o Texto Alexandrino. Este tipo foi chamado pelos críticos textuais Wescott e Hort de ‘o Texto Neutro’. Estes dois manuscritos constituem a base do Novo Testamento Grego, chamado de Texto Crítico. Esta é base textual usada na edição da TNM e de muitas outras versões bíblicas atualmente como a ARA, NVI, NTLH, BJ, Almeida baseada nos Melhores Textos Hebraicos e Gregos (IBB), entre outras.

Explicação das siglas usadas:

 ARA: Almeida Revista e Atualizada.
ARC: Almeida Revista e Corrigida.
BJ: Bíblia de Jerusalém.
IBB: Almeida baseada nos Melhores Textos NVI: Nova Versão Internacional.
NTLH: Novo Testamento na Linguagem de Hoje.
Hebraicos e Gregos
TNM: Tradução do Novo Mundo.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.

A menos que seja indicada outra fonte, todas as publicações citadas são produzidas pelas Testemunhas de Jeová.


Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *