Image Map











sábado, 11 de maio de 2019

Jesus foi ressuscitado no mesmo corpo carnal?



Fonte: jw.org


Contribuído.

Alguns argumentam o seguinte:

“Em João 2:19-21, Jesus disse: ‘Destruam este templo e em três dias eu o levantarei.’ E depois o texto diz que Jesus estava falando do templo do seu corpo. Então, com isso em mente, não fica evidente que, se Jesus foi ressuscitado em espírito, o corpo dele não foi levantado?”

As Testemunhas de Jeová acreditam que a alma ou pessoa de Jesus Cristo não ressuscitou no mesmo corpo carnal que possuía na Terra. Porém, a alma de Jesus não pode existir sem corpo. Assim, acreditamos, conforme a Bíblia diz de forma nada ambígua, que a alma de Jesus se virtualizou em outra plataforma (outro corpo) – um corpo não feito de carne e sangue, um corpo espiritual. Isto fica evidente do texto de 1 Coríntios 15:42-49, que declara:

“O mesmo se dá com a ressurreição dos mortos. Semeado perecível, o corpo é levantado imperecível. Semeado em desonra, é levantado em glória. Semeado em fraqueza, é levantado em poder. Semeado corpo físico, é levantado corpo espiritual. Se há corpo físico, há também um espiritual. Assim está escrito: ‘O primeiro homem, Adão, se tornou um ser vivente.’ O último Adão [Jesus Cristo] se tornou um espírito que dá vida. No entanto, não é o espiritual que vem primeiro. O que vem primeiro é o físico, e depois vem o espiritual. O primeiro homem vem da terra e é feito do pó; o segundo homem vem do céu. Como aquele feito do pó, assim são também os que são feitos do pó; e, como o celestial, assim são também os que são celestiais. E, assim como levamos a imagem daquele feito do pó, levaremos também a imagem do celestial.”

Esse assunto parece tão óbvio que aparenta ser desnecessário dissertar sobre ele. Se Jesus tem hoje o mesmo corpo que tinha como humano, então também tem as mesmas necessidades fisiológicas que tinha como humano. Assim, Jesus, em sua vida celestial pós-terrena, teria que estar em um traje de astronauta para poder respirar, ir ao banheiro, comer, dentre as demais necessidades físicas que seu corpo humano tinha.

Veremos que a passagem em questão aponta justamente para a conclusão oposta se analisarmos outros relatos dos evangelhos sobre esse tópico. Preste bastante atenção:

“Os principais sacerdotes e todo o Sinédrio estavam procurando testemunhos contra Jesus, para entregá-lo à morte, mas não achavam nenhum. Na verdade, muitos davam testemunho falso contra ele, mas os seus testemunhos não estavam de acordo. Também alguns se levantavam e davam testemunho falso contra ele, dizendo: ‘Nós o ouvimos dizer: “Derrubarei este templo feito por mãos humanas e em três dias construirei outro, não feito por mãos humanas.”’ Mas mesmo nesse ponto seu testemunho não estava de acordo.”

Após ser preso no jardim de Getsêmani, Jesus foi levado ao Sinédrio. Falsas testemunhas acusaram Jesus de ameaçar destruir o templo em Jerusalém. Esta foi a parte em que havia um mal-entendido sobre as palavras de Jesus. No entanto, uma das testemunhas deu um relato mais profundo sobre o que Jesus de fato dissera no relato de João 2:19. Embora os judeus não tivessem compreendido com exatidão as palavras “Derrubem este templo, e em três dias eu o levantarei”, esta frase não os impediu de relatar O MODO COMO ELES SE LEMBRAVAM SOBRE COMO SEU CORPO SERIA LEVANTADO.

O testemunho de que Jesus dissera que seu corpo não seria levantado “por mãos humanas” não poderia ser falso, pois não agravaria a acusação contra ele, pois não é parte do processo de acusação por blasfêmia. O corpo que havia de ser derrubado era um “feito por mãos” – físico. Porém, havia de ser “construído [οἰκοδομέω; oikodoméo] outro [ἄλλος; állos], não por mãos humanas” – não físico. – Marcos 14:58.

Mas será que este detalhe, de Jesus ter dito “outro” em relação à reconstrução do templo (corpo), não foi invenção das falsas testemunhas? Não há nenhum motivo para se pensar isso. As falsas testemunhas não inventaram palavras avulsas, elas distorceram as palavras do Senhor, pois ele de fato falou: “Derrubem este templo, e em três dias eu o levantarei.” (João 2:19) As palavras que elas testemunharam não foram invenção, mas distorção de aplicação de sentido. Portanto, as testemunhas não inventaram o que Jesus disse, mas distorceram o sentido da declaração.

Portanto, certamente o detalhe sobre “outro corpo” feito não por mãos humanas não foi invenção da testemunha.

Outra evidência de que Jesus de fato falou que o corpo que havia de ser construído seria “outro”, não feito por mãos, é que Mateus não incluiu este detalhe mencionado por Marcos, quando relatou a acusação das “falsas testemunhas”. Mateus relatou: “E disseram: ‘Este homem disse: “Eu posso derrubar o templo de Deus e reconstruí-lo em três dias.”’” – Mateus 26:61.

Se Marcos tivesse acrescentado a palavra “outro”, inserindo-a na declaração das testemunhas falsas quando elas de fato não haviam dito isso, então Marcos estaria sendo falso. E sabemos que não era o caso. Mas, se as falsas testemunhas de fato citaram a expressão “outro”, e isso fosse um acréscimo delas as palavras de Jesus, então por que Mateus teria omitido esta atitude delas?

Portanto, o argumento em questão aponta justamente para outra direção, a saber, de que Jesus citou a expressão “outro”, e que as falsas testemunhas foram falsas na aplicação da declaração de Jesus, mas não na citação das palavras de Jesus. Conclusão: O corpo físico de Jesus foi derrubado, mas outro corpo, não feito por mãos, foi construído. – Marcos 14:58.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *