Image Map











sexta-feira, 27 de março de 2020

“Dádivas EM homens” ou “dons AOS homens” – Parte 3

Fonte: jw.org

Os dois artigos anteriores trouxeram à atenção que a Tradução do Novo Mundo diverge das demais traduções pesquisadas em português, inglês e espanhol na tradução de Efésios 4:8; e que a expressão em grego se encontra no caso dativo. Apontou que o dativo em Efésios 4:8 deve ser o dativo de esfera. Este artigo mostrará a base para esta última conclusão.

Leia os artigos anteriores clicando nos temas abaixo:



Vejamos agora quais as bases para se entender que o dativo em questão no texto de Efésios 4:8 é um dativo de esfera.

A citação do Salmo 68:18 da Septuaginta grega

Efésios 4:8 contém uma citação do Salmo 68:18. Observe como a Septuaginta grega verte esse texto (que ocorre como 67:19):

νβης ες ψος, χμαλτευσας αχμαλωσαν,
anébes eis hýpsos, ekhmalóteusas aikhmalosían,
tendo subido ao alto, capturou cativos

λαβες δματα ν νθρπ,
élabes dómata en anthrópoi,
recebeu dádivas em homens,

κα γρ πειθοντες το κατασκηνσαι. κριος θες ελογητς
também pois os desobedientes dos para residir. Senhor o Deus bendito.

Observe que a Septuaginta usa a expressão “dádivas em homens”. Tal tradução foi fiel ao texto original hebraico. Vejamos como o Salmo 68:18 se encontra em hebraico:

O texto hebraico


Um site da Bíblia hebraica traduz assim o texto:

“Tu subiste ao alto, levando os teus cativos; recebeste dons dentre os homens, e até dentre os rebeldes, para que o Senhor Deus habitasse entre eles.”[1]

A palavra hebraica para “dentre os homens” é BÅÅDÅM. Esta palavra não significa “aos homens”, e sim “entre os homens” e “em homens”. Portanto, o texto hebraico fornece a base para a Septuaginta traduzir “dádivas em homens”. Assim, é coerente traduzir a citação que Paulo fez do Salmo 68:18 como “dádivas em homens”. Ademais, gramaticalmente isso também é possível, pois o dativo em grego pode ter esse sentido. Também, o próprio contexto do Salmo 68 dá base para esse entendimento.

O contexto do Salmo 68

Sobre o contexto desse salmo, observe o que afirma o “Comentário de Meyer sobre o Novo Testamento” (em inglês):

[205] No entanto, também pode denotar que os próprios homens são os presentes. Assim, Ewald o considera, lc (e compõe seu Ausführl. Lehrb. Der Hebr. Sprache, § 287 h), referindo-o especialmente aos servos mais humildes do templo, que Davi e Salomão, por exemplo, reuniram entre os povos subjugados e instalaram-se ao redor do templo, a quem Deus, como se estivesse em uma procissão triunfal do Sinai a Sião, trouxe-os como prisioneiros, e depois fez com que os homens lhe fossem devotados como oferendas, para que eles, que antes eram tão turbulentos, pudessem habitar pacificamente em Seu serviço (“mesmo os rebeldes devem habitar com Jah Deus”, como Ewald apresenta as palavras finais da passagem). O sentido: “através dos homens”, que Hoelemann, por conta do ver. 11, encontra como um significado “secundário” em באדם, [BÅÅDÅM] não deve ser pensado, nem mesmo de acordo com o apóstolo, δωκε τος νθρώποις.[2]

De modo consoante, o periódico A Sentinela (1/6/1999, pp. 9 § 4) comentou o seguinte sobre isso:

Quando Paulo usou a expressão “dádivas em homens”, ele citou o Rei Davi, que dissera a respeito de Jeová: “Ascendeste ao alto; levaste contigo cativos; tomaste dádivas em forma de homens.” (Salmo 68:18) Depois de os israelitas terem estado alguns anos na Terra Prometida, Jeová ‘ascendeu’ figurativamente ao monte Sião e tornou Jerusalém a capital do reino de Israel, tendo a Davi por rei. Mas quem eram as “dádivas em forma de homens”? Eram homens tomados cativos durante a conquista do país. Alguns desses cativos foram mais tarde colocados à disposição dos levitas, para ajudar no serviço do tabernáculo. — Esdras 8:20.

A aplicação que Paulo fez do Salmo 68:18

Tendo em vista o contexto do Salmo 68, como o apóstolo Paulo aplicou aquela passagem à atividade de Cristo? O periódico A Sentinela (15/9/2015, p. 18, § 8) comentou o seguinte sobre isso:

Paulo usou um costume dos soldados da antiguidade para ilustrar como Jesus tem provido “dádivas em homens” para ajudar a unir a congregação. Um soldado vitorioso talvez trouxesse para casa um prisioneiro estrangeiro como escravo para ajudar a esposa nas tarefas domésticas. (Sal. 68:1, 12, 18) De modo similar, a vitória de Jesus sobre o mundo lhe rendeu muitos escravos voluntários. (Leia Efésios 4:7, 8.) Como ele usou esses prisioneiros, por assim dizer? “Ele deu alguns como apóstolos, alguns como profetas, alguns como evangelizadores, alguns como pastores e instrutores, visando o reajustamento dos santos para a obra ministerial, para a edificação do corpo do Cristo, até que todos alcancemos a unidade na fé.” — Efé. 4:11-13.

Assim como no período pré-cristão da conquista israelita sobre os inimigos do povo de Deus os cativos se tornaram assistentes na adoração verdadeira, de modo similar os “cativos” do período cristão eram os que estavam sobre o controle de Satanás e que foram usados por Jesus como dádivas na comunidade cristã para a edificação de seus membros.

O retrocitado artigo do periódico A Sentinela (1/6/1999, pp. 10 §§ 5-6) fez a seguinte explicação:

[…]Paulo aplica aqui este salmo a Jesus, como representante de Deus. […] Em 33 EC, o ressuscitado Jesus ascendeu “muito acima de todos os céus” — mais alto do que todas as outras criaturas celestiais. (Efésios 4:9, 10; Filipenses 2:9-11) Como vencedor, Jesus tomou “cativos” do inimigo. De que forma?

Quando na Terra, Jesus demonstrou seu poder sobre Satanás por libertar os mantidos em servidão pelos demônios. Foi como se Jesus tivesse invadido a casa de Satanás, amarrando-o e apoderando-se dos bens dele. (Mateus 12:22-29) Imagine, depois de ressuscitado e encarregado de “toda a autoridade no céu e na terra”, que saque Jesus foi então capaz de fazer! (Mateus 28:18) A partir do Pentecostes de 33 EC, Jesus, que ascendera ao alto, como representante de Deus, começou a despojar a casa de Satanás por ‘levar embora cativos’ — homens que por muito tempo tinham sido escravos do pecado e da morte, e estado sob o controle de Satanás. Esses “cativos” tornaram-se voluntariamente “escravos de Cristo, fazendo de toda a alma a vontade de Deus”. (Efésios 6:6) Na realidade, Jesus arrancou-os do controle de Satanás e os deu, em nome de Jeová, à congregação como “dádivas em homens”.


Assim, o próprio contexto do Salmo 68 indica que as dádivas são os homens capturados e posteriormente utilizados no serviço de Deus. Paulo seguiu a mesma ideia em sua aplicação desse Salmo, indicando que os capturados por Cristo, o representante de Deus, tornam-se verdadeiras dádivas para o povo cristão. No quarto e último artigo desta série veremos como diversos teólogos e comentaristas bíblicos entendem desta forma.


Notas:
[1] Disponível em: <http://www.judaismo-iberico.org/interlinear/tanakh/indexpt.htm

[2] Efésios 4:8. Meyer's NT Commentary. Bible Hub. Disponível em: <https://biblehub.com/commentaries/ephesians/4-8.htm>.



A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *