Image Map











domingo, 14 de junho de 2020

O fato de o “Espírito Santo” receber uma ação prova que a linguagem não é figurada?


Fonte: jw.org

O artigo “O ‘Espírito Santo’ pode ser entristecido sem ser uma pessoa?” mostrou diversos exemplos bíblicos de que forças ou objetos podem demonstrar sentimentos e emoções em linguagem figurada. (Para se inteirar de tais exemplos, queira ler o referido artigo, clicando no tema linkado.)

Sobre tais exemplos, um leitor comentou:

Mas, apologista, os opositores alegam o seguinte: Embora certas passagens da Bíblia falem de coisas impessoais demonstrando sentimentos, no caso de Efésios 4:30 o espirito santo recebe a ação de ser entristecido. Resumindo, nós não podemos “alegrar os ossos” (Sal. 51:8); são eles que se alegram em sentido figurado. Mas o espirito santo pode ser entristecido por outras pessoas.

Outro leitor comentou:

Concordo com os exemplos acima. Só tem um detalhe: os objetos exercem as ações em sentido figurado. No texto bíblico, o Espírito Santo é quem recebe a ação de pessoas. Não há sentido em falarmos: lamentar o muro, alegrarmos o campo, entristecermos um poste. Daí a correta interpretação é de que o Espírito Santo é uma pessoa. A Bíblia não falha.

Resposta:

Primeiro, tal argumento não muda a incidência de personificação, que é a atribuição de características pessoais a coisas impessoais, o que inclui fazer uma ação pessoal ou receber uma ação. De modo que tal “regra” não procede.

Portanto, esse argumento de que, no caso do espírito santo, não se trata de personificação porque o espírito santo recebe a ação é mais uma falácia sem base. Um texto que prova isso é Isaías 14:8, onde lemos: “Até mesmo os juníperos se alegram por sua causa, junto com os cedros do Líbano. Dizem: ‘Desde que você caiu, nenhum lenhador vem nos derrubar.’” Este texto mostra que os juníperos se alegram em função de uma ação externa (“por sua causa”), uma ação provocada por outrem. Adicionalmente, para mostrar que coisas impessoais também recebem a ação de pessoas, reagindo a elas, temos o texto de Jó 26:11: “As colunas do céu tremem e se espantam da sua ameaça.” (Almeida Revista e Corrigida) Em outras palavras, tal ameaça causa espanto às colunas do céu. Veja como verte a Nova Tradução da Linguagem de Hoje: “Quando ele ameaça as colunas que sustentam o céu, elas se assustam e tremem de medo.”

Assim, o argumento de que receber a ação não indica a personificação do espírito santo não tem base bíblica. A respeito de tal argumento, um leitor afirmou:

Não faz sentido querer colocar limites no que é prosopopeia! Não há diferença em algo que não é uma pessoa receber a ação ou realizar a ação! O recurso da prosopopeia pode ser usado livremente pelo autor, cabendo unicamente à INTELIGÊNCIA do leitor conseguir captar e entender o que o escritor quis dizer de forma poética!!!

Sabemos que a atribuição de ações pessoais ao espírito santo é uma personificação, ou prosopopeia, porque outros textos mostram claramente que o espírito santo é uma energia impessoal que emana do próprio Deus. Estes textos serão demonstrados no próximo artigo.


Referências:

Jó 26:11. Pesquisa da Bíblia. Sociedade Bíblica do Brasil. Disponível em: < https://www.sbb.org.br/conteudo-interativo/pesquisa-da-biblia/>.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org




2 comentários:

  1. Excelente artigo!
    Mais exemplos de personificação "passiva" na Bíblia: "[O amor] tudo sofre, tudo suporta (1 Coríntios 13:7); "Nem mintais contra a verdade". - Tiago 3:14 (ARC)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Francisco, pelo elogio e pelos exemplos adicionais.

      Grande abraço!

      Excluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *