Image Map











domingo, 2 de outubro de 2022

Respondendo a um leitor sobre se Jó 1:4 se refere a aniversários de nascimento (Parte 2, final)

  

Referente ao artigo anterior deste site, intitulado Respondendo a um leitor sobre se Jó 1:4 se refere a aniversários de nascimento” (queira ler), o mesmo leitor fez algumas observações, as quais são trazidas à atenção neste artigo.


Ele disse, sobre Jó, capítulo 3:1-3: “A palavra ‘dia’, sozinha, continua significando ‘dia’. ‘Dia’ continua não significando ‘aniversário natalício’.

É simplesmente impressionante como o referido leitor realmente não entende, ou não quer entender, o ponto em questão, que já foi exaustivamente explicado nos dois artigos anteriores: “Dia”, em Jó capítulo 3, refere-se ao dia do nascimento de Jó. E não está ligada a hul·lé·dheth (“do nascimento”). A mesma palavra “dia” é usada no contexto imediato em Jó 1:4. Diante disso, o artigo mencionou: “Esta prova bíblica incontestável anula o argumento da obra ‘Estudo Perspicaz das Escrituras’, que deu a entender que a palavra ‘dia’ (yohm) sozinha, na ausência da palavra hul·lé·dheth (do nascimento), definitivamente ‘não se refere a um aniversário natalício’.”

Apesar de toda esta clara explicação, o referido leitor não entendeu ainda, ou mui provavelmente não quis entender, o ponto em questão.

Ele ainda afirmou: “Deduzir que ‘dia’ em Jó 1:4 se trata de uma comemoração de um aniversário não tem base nenhuma.” Ele persiste em negar o contexto imediato, de Jó, capítulo 3, que, conforme o artigo anterior mostrou, “é uma forte proposição para que Jó 1:4 se refira a comemorações dos aniversários de nascimento dos filhos de Jó”. O artigo não foi dogmático; apenas apresentou o contexto bíblico imediato. Portanto, afirmar que “não tem base nenhuma” é desconsiderar o contexto bíblico imediato.

O artigo também apresentou argumento de que o fato de Jó não estar presente a essas comemorações não é relevante, biblicamente, para o entendimento de Jó 1:4. A Bíblia mostra que Jó oferecia sacrifícios, não pelo que tais celebrações representavam, e sim pela possiblidade de seus filhos “terem pecado e amaldiçoado a Deus no coração”, e o que importa é o que a Bíblia diz.

Sobre os importantes comentarista bíblicos citados no artigo Os filhos de Jó comemoravam aniversários de nascimento?” (queira ler), o leitor ainda afirmou: “Quantidade de pessoas que acreditam numa mesma coisa não prova verdade.

Novamente, ele se fez de desentendido de que o artigo afirmou que “o conceito de notáveis comentaristas bíblicos não é um fator conclusivo”. Em outras palavras, foi exatamente isso o que o artigo anterior mostrou: que “quantidade de pessoas que acreditam numa mesma coisa não prova verdade”. O leitor parece que não entende realmente as colocações dos artigos deste site.

Porém, o artigo mostrou algo desconsiderado pelo referido leitor: que o conceito de notáveis comentaristas bíblicos, embora não seja conclusivo, é relevante; ou seja, é algo a se levar em conta.

Indivíduos como o referido leitor não são bons argumentadores, pois não atentam aos pontos em questão; ao contrário, fogem desses pontos. Também, desconsideram o contexto bíblico imediato. O fato é que eles já têm um conceito predeterminado, e desconsideram tudo o que for apresentado que vai contra o conceito predeterminado que têm.

Diante do exposto, os comentários desta natureza ambígua e contraditória do referido leitor não serão mais aprovados neste site, nem será dada consideração a eles. Isto será feito em respeito aos leitores não preconceituosos deste site, que estão sinceramente à procura de conhecimento pautado nas evidências textuais da Bíblia.

 

Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

 

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org

 


Um comentário:

  1. Prezado Apologista;

    O que assusta nesse debate que fizeste com o leitor em questão não é tanto a hipótese provável de que 1:4 se refira a aniversários natalícios, ou se o "dia" ali mencionado se refere à "vez", conforme parafraseado como nota de rodapé na TNM2015. (As duas hipóteses são plausíveis.) Afinal, não é errado evitar aniversários por achar que são impróprios para os cristãos; o que assusta, entretanto, é a servidão a homens. Aquilo que a liderança da "Organização" disser será incontestável para a gadolândia.

    Aí depois eles vêm para cima dos outros dizendo que 'não seguem a homens'. A diferença neste ponto específico entre as TJs e as igrejas pentecostais é que nessas igrejas eles não escondem que lambem botas de homens; não escondem a idolatria ao "paxtor".

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *