Image Map











domingo, 15 de março de 2020

Análise de uma conversa entre um unitário e um trinitário adventista


Fonte: jw.org

Um leitor comentou:

Boa noite, irmão.  Primeiramente, quero lhe dizer que seus artigos me ajudam muito. Muito obrigado por escrever tais artigos. Continue defendendo a verdade e expondo as falsidades dessa maneira!

Mas, será que o irmão poderia me ajudar a responder um questionamento?  Vou transcrever aqui as conversas que tenho tido com um colega adventista:

Adventista: “Dispenso o entendimento que rebaixa a pessoa de Cristo Jesus.”
Eu: “Jesus se rebaixou ao dizer que o Pai é maior que ele? Ou o Pai de fato é maior que ele?”
Adventista: “Jesus falou, no contexto da encarnação, apenas o que todo ser humano deve reconhecer. Agora, me mostre um texto, antes da encarnação, em que Ele fala algo dessa natureza.”
Eu: “Jesus falou uma obviedade: Deus é maior que um ser humano? Quem não sabe/sabia disso, ainda mais no contexto judaico?”
Eu: “Ele falava dele ou dos outros?”
Adventista: “Mostre um texto em que Cristo, antes da encarnação, diga algo dessa natureza.”
Adventista: “Jesus falou, no contexto da encarnação, apenas o que todo ser humano deve reconhecer. Agora, me mostre um texto, antes da encarnação, em que Ele fala algo dessa natureza.”
Eu: “O Pai era ou não era maior que Jesus?”
Adventista: “A Bíblia diz que os dois são iguais. A igreja TJ diz que não, . Se o Filho seria menor, qual texto antes da encarnação mostraria isso?”
Eu: “Então,  Jesus faltou com a verdade quando disse que o Pai era maior *que ele*? Veja: maior que ele, e não maior que outro ser humano. Quem não sabia disso?”
Adventista: “Essa é a sua maneira de dizer que não há nenhum texto, nas Escrituras do Primeiro Testamento, que diga que o Salvador seria menor que o Pai?”
Eu: “Em algum momento o Pai foi maior que Jesus?”
Adventista: “Responda à pergunta que eu fiz acima primeiro. Depois eu responderei aos seus questionamentos.”
Eu: “Respondendo sua pergunta: de acordo com Filipenses 2:9, o que Deus fez por Jesus?”
Adventista: “Perguntei se escritos do Primeiro Testamento atestam a suposta superioridade do Pai em relação à Jesus. Estou aguardando sua resposta. Se a igreja TJ não sabe ou não tem como provar, reconheça-o.”
Eu: “O texto de Filipenses 2:9 implicitamente fala da posição de Jesus *antes* de se tornar humano.”

Resposta:

Primeiramente, vamos fazer uma análise da conversa acima entre o leitor e o referido adventista. Esse adventista, sendo trinitário, entende que a posição dos unitários “rebaixa a pessoa de Cristo Jesus”. Contudo, este não é o caso. Os unitários têm profundo respeito pela pessoa de nosso Senhor Jesus Cristo. Apenas entendem de modo diferente a relação do Filho com o Pai, com base em diversos textos bíblicos que mostram que não há coigualdade entre ambos, mas que o Filho é menor que o Pai. O referido leitor citou uma passagem que indica isso – João 14:28 –, onde Jesus declarou: “O Pai é maior do que eu.”

O citado adventista, como fazem os demais trinitários, afirmou que Jesus falou porque estava em condição humana. Após isso, solicitou uma prova de que Jesus era menor antes de ter se tornado humano. Porém, o que o tal adventista tentou fazer foi uma restrição de provas. Como assim? Visto que, conforme esse adventista afirmou, Jesus era menor porque estava em forma humana, citar textos que o descrevem antes de vir à Terra como humano não seria a única maneira de provar que ele é menor. Valem também textos que o descrevem após ter deixado sua condição humana e ter voltado ao céu. E o que mostram tais textos? Veja como eles descrevem a relação de Jesus e de seu Pai:

“Vocês, por sua vez, pertencem a Cristo; Cristo, por sua vez, pertence a Deus.” – 1 Coríntios 3:23.

Assim como os cristãos são, evidentemente, menores do que Cristo ao pertencerem a ele, do mesmo modo Jesus Cristo é menor que seu Pai ao pertencer a ele.

“Mas quero que saibam que o cabeça de todo homem é o Cristo; o cabeça da mulher é o homem; e o cabeça do Cristo é Deus.” – 1 Coríntios 11:3.

Na questão da autoridade concedida por Deus, o marido é “o cabeça” de sua esposa. Do mesmo modo, Jesus tem sobre si um Cabeça, que é Deus, o Pai. Por outro lado, o Pai não tem cabeça sobre si mesmo.

“No entanto, quando todas as coisas lhe [a Jesus Cristo] tiverem sido sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará Àquele [o Pai] que lhe sujeitou todas as coisas, para que Deus seja todas as coisas para com todos.” – 1 Coríntios 15:28.

Este texto já mostra que o Pai é maior do que o Filho após Jesus ter deixado de ser humano. Pois, foi após Jesus ter deixado sua condição humana que o Pai lhe sujeitou todas as coisas. Lemos em 1 Pedro 3:22: “Ele está à direita de Deus, pois foi para o céu; e anjos, autoridades e poderes foram sujeitos a ele.” Contudo, como mostra 1 Coríntios 15:28, o Filho ainda irá subjugar o que lhe foi sujeito.

Assim, “depois de [o Filho] ter reduzido a nada todo governo, toda autoridade e poder”, ele devolverá ao Pai toda a autoridade que o Pai lhe concedeu para esse propósito. Neste sentido é que ele “se sujeitará” ao Pai, pois, dali em diante, o Pai dominará tudo diretamente – será “todas as coisas para com todos”.

Os textos seguintes mostram que o Filho, no céu, não é só menor que o Pai, como também que o Pai é Deus do Filho:

“E [Jesus Cristo] fez de nós um reino, sacerdotes para seu Deus e Pai —, sim, a ele seja a glória e o poder para sempre. Amém.” – Apocalipse 1:6.

“Ao anjo da congregação em Sardes escreva: Estas coisas diz aquele que tem os sete espíritos de Deus e as sete estrelas [no caso, o Senhor Jesus Cristo]: … Vi que as suas obras não foram plenamente realizadas diante do meu Deus. Aquele que vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e ele de modo algum sairá dali. E escreverei sobre ele o nome do meu Deus e o nome da cidade do meu Deus, a Nova Jerusalém, que desce do céu da parte do meu Deus, e o meu próprio novo nome.” – Apocalipse 3:1, 2, 12.

Os textos acima não tratam da humanidade Jesus Cristo, e sim de sua condição celestial, ao lado do Pai. Portanto, não é necessário atender aos caprichos de uma prova restritiva para provar que Jesus, no céu, é menor do que seu Deus e Pai. Mas, pelo que parece, tal adventista solicitou essa prova restrita porque sabia que o “Velho Testamento” contém menos descrição da relação do Filho com o Pai. Ou seja, essa é uma tentativa de procurar obscurecer a clara verdade bíblica de que o Pai é maior do que o Filho mesmo o Filho estando no céu.

Antes de adentrarmos nos textos do “Velho Testamento”, vamos continuar nossa análise da conversa citada no início deste artigo. O referido leitor argumentou muito bem quando perguntou: “Jesus falou uma obviedade …?” De fato, Jesus dizer que o Pai era maior do que ele porque ele, na ocasião, era humano, seria uma afirmação obsoleta, seria redundante. Afinal, todo humano é menor que Deus! “Ainda mais no contexto judaico”, como bem argumentou o citado leitor. Pois os judeus não reconheciam nenhum humano como tendo divindade, como sendo um deus, contrário aos romanos, que entendiam que o imperador romano era um deus. Por meio dessa eficaz argumentação lógica, o mencionado leitor mostrou que a argumentação trinitária de que Jesus é menor por ser humano chega a ser ridícula, pois isso não necessita de explicação!

Diante disso, percebemos uma fuga por parte do adventista pelo fato de ele, ao invés de contra-argumentar o argumento do citado leitor, ter pedido “um texto em que Cristo, antes da encarnação, diga algo dessa natureza”. Pelo que parece, o tal adventista percebeu que o argumento do referido leitor era invencível. Em razão disso, saiu pela tangente, exigindo, desarrazoadamente, uma prova restrita.

O já citado leitor continuou usando da boa argumentação, exigindo um contra-argumento ao seu argumento do obsoletismo da argumentação trinitária sobre João 14:28. Mas o adventista, usando de má argumentação, insiste em um texto do “Velho Testamento” sem ter apresentado contra-argumentação, e ainda dá a entender que o citado leitor está fugindo de sua exigência de prova restrita, algo que, na verdade, é o adventista que está fazendo! Fugir de um argumento e exigir prova restrita são exemplos de má argumentação.

Outra exigência de prova restrita por parte desse adventista é querer textos do “Velho Testamento” sobre o Filho ser menor que o Pai antes de ter se tornado humano. Isto porque textos do “Novo Testamento” também falam a respeito do Jesus pré-humano. Ou seja, para provar que Jesus era menor que o Pai antes de ter vindo à Terra como humano não é preciso se reportar ao “Velho Testamento”. Basta recorrer aos textos do “Novo Testamento” que tratam do assunto.

Perceba então que o tal adventista faz uso da prova restrita de duas maneiras: Primeiro, ao exigir prova de que Jesus era menor que o Pai fora de sua humanidade antes de ter vindo à Terra. Pois encontramos prova disso depois de ele ter subido ao céu. Em ambos os casos, ele não estava em forma humana. Segundo, ao exigir prova do “Velho Testamento”. Pois o “Novo Testamento” também fala de sua situação pré-humana, de antes de ele ter vindo à Terra. Vejamos um dos textos neste sentido:

“Mas, quando se completou o tempo, Deus enviou o seu Filho, que nasceu de uma mulher e estava debaixo de lei.” – Gálatas 4:4.

Observe que o texto não diz que Deus enviou alguém que, na Terra, se tornou seu Filho. Não, o texto diz que o enviado já era Filho. Portanto, o Lógos (Jesus Cristo como ser pré-humano) não era coigual a Deus. Caso fosse, ele seria descrito como “irmão” de Deus, e não como seu Filho. O fato de também ter sido enviado é relevante em mostrar a relação do Filho em seu estado pré-humano com o Pai.

Note o que Jesus disse em João 13:16: “Digo-lhes com toda a certeza: O escravo não é maior do que o seu senhor, nem o enviado é maior do que aquele que o enviou.” Jesus usou os termos “escravo” e “enviado” paralelamente. Assim como o escravo não é maior e, evidentemente, nem igual, mas é menor que o seu amo, ou senhor, da mesma forma, neste contexto, o enviado não é igual, mas sim menor que aquele que o enviou. Logo, o fato de Deus ter enviado seu Filho mostra que o Filho, em sua existência pré-humana, era menor que seu Pai.

Mas, perguntamos: O que revela o “Velho Testamento” sobre a relação entre o Pai e o Filho? Isto será examinado nos dois artigos seguintes.


A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada, publicada pelas Testemunhas de Jeová.



Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org






4 comentários:

  1. Provérbios 8:22 - 31 apresenta o Filho como sujeito ao Criador, e o texto trata dos principios do mundo.

    Quantos textos bíblicos do Velho Testamento tratam do relacionamento de Deus com o Filho com respeito a sua existência pré-humana desta último? Miqueías 5:2 diz que o pré-humano Messias tinha origem, o que o coloca abaixo daquele que é de eternidade a eternidade, sem principio. Além disso, o Filho aparecia como "Anjo do SENHOR", como Arcanjo e como Principe dos Exércitos de Deus como um enviado as ordens de Deus Pai, quem envia é sempre maior do que o seu enviado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Curiosamente em uma conversa com um trinitarista ele alegou que Miquéias 5:2 não se refere a Jesus rs rs rs eita povo confuso

      Excluir
    2. Excelente análise parabéns Apologista da verdade

      Excluir
  2. Grande Saga meu ilustre,tava com saudades dos seus argumentos avassaladores contra a trindade,tava sumido meu amigo,por onde andas?
    Apologista da verdade aproveitando o assunto em questão,tenho alguns parentes adventistas,e de vez em quando em reunião de família eles gostam de dar uma de "teólogos",um dos assuntos que sempre bato na tecla, é sobre Jesus chamar o Pai de "Meu Deus" em apocalipse mesmo Jesus já está no céu,pois citar versos onde fala da subordinação de Jesus a Jeová enquanto ele estava na terra, é perda de tempo,pois eles sempre vão dizer que isso e devido a sua humanidade que ele assumiu e aí vai né vc sabe,um dia desses conversando com um deles a respeito de apocalipse 3:12 a respeito dos "Meu Deus" de Jesus pra Jeová,ele veio com uma nova,ele disse que o "Meu Deus" de Jesus mesmo no céu é uma expressão de cunho sacerdotal ou seja como pra eles Jesus continua humano no céu ele assumiu a função de sumo sacerdote e até citou alguns versos em hebreus onde realmente fala de Jesus como o nosso sumo sacerdote, aí ele argumentou que todo sumo sarcedote tem um Deus,e se Jesus como nosso sumo sacerdote não tiver um Deus mesmo nos céus a humanidade não terá um Deus também,ele disse também que nós desconhemos a doutrina da trindade por acreditar que Jesus quando voltou pro céu o seu ministério acabou, segundo ele o ministério de Jesus ainda está em ação,e hoje nos céus ele é o nosso sumo sarcedote,por isso ele tem um Deus mesmo no céu,me desculpe o comentário longo,mais achei oportuno pelo tema da postagem.Um grande abraço pra vc e o nosso companheiro Saga.

    ResponderExcluir


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *