Image Map











quarta-feira, 7 de novembro de 2018

A Trindade é ensinada no “Velho Testamento”?



Fonte: jw.org


 Definição do dogma [1]

“Uma só é a Divindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo; igual a glória, coeterna a majestade. . . . Igualmente onipotente é o Pai, onipotente o Filho, onipotente o Espírito Santo . . . Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus. E, no entanto, não são três deuses, mas Deus é um só. . . . E nesta Trindade nada é primeiro ou posterior; nada maior ou menor; mas todas as três Pessoas são a si coeternas e coiguais.”[2]


A fórmula proposta para a Trindade inclui basicamente dois fundamentos, que caracterizam tal doutrina:

1 – A existência de três pessoas distintas que constituem Deus.
2 – Coigualdade em glória, eternidade, poder e conhecimento.[3]

Este artigo analisará a pergunta proposta pelo tema acima à luz do que dizem as Escrituras Hebraicas – o chamado “Velho Testamento”.

Os “desprivilegiados” judeus

“Adorais o que não conheceis; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação se origina dos judeus.” – João 4:22.

As palavras acima foram proferidas por Jesus Cristo a uma mulher samaritana. Elas tornam claro que os judeus conheciam a quem adoravam. Isto levanta a importante pergunta: as Escrituras Hebraicas tornaram claro para os judeus que Deus era uma Trindade?

Lemos em Gênesis 1:26: “E Deus prosseguiu, dizendo: “Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança.” O texto menciona Deus falando a outra pessoa, que participa na ação de fazer o homem. No entanto, não é possível entender do texto a existência de três pessoas; no máximo, duas. Segundo, não há nenhuma menção de que aquele a quem Deus fala seja também parte de Deus. Ao contrário, Deus é mencionado à parte, convidando outro a fazer junto com ele o homem.[4] O contexto do Velho Testamento apresenta apenas mais um ser como participando com Deus no período da criação. – Provérbios 8:22-30.[5]

A visita de três anjos a Abraão também não evidencia nenhuma Trindade, nem de forma implícita. (Gênesis 18:1) Pois, se supormos que a visita de três anjos revela que no céu há três pessoas em um só Deus, teríamos de concluir que a visita de um único anjo indicaria que no céu há uma só pessoa como Deus, e que o aparecimento de uma “multidão do exército celestial” indicaria que Deus é uma multiplicidade de pessoas. (Lucas 2:13; 1 Reis 19:5) Isso mostra que não há nenhuma relação entre a quantidade de anjos enviados por Deus com quem é Deus nessa questão de quantidade de pessoas.

Na realidade, o envio de três criaturas espirituais para representar a Deus está em harmonia com um princípio da justiça divina exposto posteriormente na Lei mosaica e também no cristianismo, de que “todo assunto tem de ser estabelecido pela boca de duas ou três testemunhas.” (2 Coríntios 13:1; Deuteronômio 19:15) Os anjos vieram para contar a Abraão que ele e Sara teriam um filho. Ambos já eram idosos. (Gênesis 18:10) Abraão dirigiu-se a eles como a “Jeová” por reconhecer que os anjos representam a Jeová. Contudo, os próprios anjos tornaram claro que não eram Jeová, mas sim enviados dele, quando disseram a Ló: “Jeová nos enviou para arruinar a cidade.” – Gênesis 19:13.

Em Êxodo 3:6 Deus se revela desse modo a Moisés: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó.” Quando Moisés inquiriu sobre que nome ele deveria anunciar aos israelitas escravizados no Egito, Deus respondeu: “Isto é o que deves dizer aos filhos de Israel: ‘Jeová, o Deus de vossos antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó enviou-me a vós.’ Este é o meu nome por tempo indefinido e esta é a recordação de mim por geração após geração.” (Êxodo 3:15) Será que Moisés – bem como os demais israelitas – poderiam entender dessas palavras que Deus era uma Trindade? Deus não disse a Moisés: ‘Eu sou Deus – Pai, Filho e Espírito Santo.’ Não há nada nas palavras de Deus que levasse os israelitas a concluir que Deus é tal qual exposto na fórmula trinitária.

Em nenhuma parte das Escrituras Hebraicas encontramos qualquer indicação de que Deus seja uma Trindade. A menção do Filho na sua vida celestial é rara e implícita. (Provérbios 8:22-30; 30:4) E as referências ao espírito santo o colocam como sendo algo, não uma pessoa. (Salmo 51:11) Embora o espírito santo seja personificado em Isaías 63:10, o versículo seguinte fala de o espírito ser ‘posto’ ou colocado em pessoas.[6] (Isaías 63:11) Outras passagens descrevem o espírito santo como ‘enchendo’ pessoas (Êxodo 31:3; 35:31), como sendo parcelado entre várias pessoas (Números 11:17, 25, 29), como ‘vindo sobre’ e ‘caindo sobre’ pessoas (Juízes 11:29; Ezequiel 11:5), como ‘tornando-se ativo em’ alguém (Juízes 14:6, 19), e como sendo ‘derramado’ e ‘despejado do alto’. (Ezequiel 39:29; Joel 2:28, 29; Isaías 32:15) A natureza impessoal do espírito santo pode ser vista na comparação de tal espírito com o “fôlego” de Deus. (Jó 33:4; veja também Salmo 33:6.) Ademais, ele está associado a coisas impessoais. (Isaías 11:1, 2; 44:3) É evidente que as Escrituras Hebraicas não apresentam o espírito santo como sendo uma pessoa espiritual, muito menos como sendo parte de um Deus trino.

Portanto, as Escrituras Hebraicas não descrevem a Deus como sendo uma Trindade, mas como sendo uma única Pessoa, cujo nome é Jeová. (Salmo 83:18; Deuteronômio 6:4) Este é o Deus que os judeus conheceram, o Deus que se apresentou a eles. Se Deus fosse uma Trindade, os judeus teriam sido grandemente desprivilegiados; pois, por um período de mais de quinze séculos, teriam adorado apenas uma terça parte de Deus. A declaração de Jesus, em João 4:22, de que os judeus conheciam a quem adoravam, ficaria inválida. Afinal, conhecer apenas uma pessoa de um Deus trino não é realmente conhecer a Deus, é conhecer apenas parte dele. 

Assim, o chamado “Velho Testamento” não ensina a doutrina da Trindade. Não declara que há outras duas pessoas que formem com Jeová um só Deus. Não coloca o Filho nem o espírito santo como tendo coigualdade com Jeová em glória, eternidade, poder e conhecimento.

No próximo artigo analisaremos a questão: Será que o Novo Testamento ensina a Trindade? 

Entretanto, vale ressaltar que essa pergunta, se respondida afirmativamente, levantaria outras importantes questões: Por que Deus omitiu parte de sua identidade aos judeus para revelá-la plenamente aos cristãos? Por que Abraão, um homem descrito como “amigo de Jeová”, e exemplo de fé para os cristãos, não conheceu realmente a Deus? (Tiago 2:23) Como pôde Deus reconhecer alguém como sendo seu amigo e não ter se revelado claramente a ele?  


Notas:

[1] Dogma é definido como “ponto ou princípio de fé definido pela Igreja”, e “proposição apresentada como incontestável e indiscutível”. – Dicionário Michaelis.
[2] Citação do Credo Atanasiano, extraído de A Sentinela de 1.º de agosto de 1984, p. 4.
[3] Assim sendo, tal doutrina não admite o subordinatismo, a doutrina que defende que o Logos é subordinado ou inferior ao Pai.
[4] O verbo “fazer” (em hebraico: ‘asah) é diferente do verbo “criar” (em hebraico: bará), atribuído apenas a Deus. (Gênesis 1:1, 27) O próprio Jesus Cristo reconheceu que o Criador é apenas uma única Pessoa, quando disse, no singular: “Aquele que os criou.” – Mateus 19:4.



 A menos que haja uma indicação, todas as citações bíblicas são da Tradução do Novo Mundo das Escrituras Sagradaspublicada pelas Testemunhas de Jeová.



Contato: oapologistadaverdade@gmail.com

Os artigos deste site podem ser citados ou republicados, desde que seja citada a fonte: o site www.oapologistadaverdade.org



  



Nenhum comentário:

Postar um comentário


Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *